Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no

on

  • 4,021 views

Aula ministrada por Dr. Rafael Higashi sobre a comparação do Clonixinato de Lisina e o Naproxeno na crise aguda de enxaqueca.

Aula ministrada por Dr. Rafael Higashi sobre a comparação do Clonixinato de Lisina e o Naproxeno na crise aguda de enxaqueca.

Statistics

Views

Total Views
4,021
Views on SlideShare
3,928
Embed Views
93

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

2 Embeds 93

http://www.estimulacaoneurologica.com.br 85
http://estimulacaoneurologica.com.br 8

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no Clonixinato de lisina versus naproxeno de sódio no Presentation Transcript

  • Clonixinato de Lisina versus Naproxeno de Sódio no tratamento agudo de migrânea: estudo duplo cego , randomizado e cruzado Rafael Higashi MD AMBULATÓRIO DE CEFALÉIAS CRÔNICAS DO INDC UFRJ www.estimulacaoneurologica.com.br
  • Introdução
    • O processo inflamatório faz parte crucial nas crises de migrânea e muitas drogas antiinflamatórias não esteroidais ( AINES) são efetivas no tratamento das crises de migrânea.
    • Apesar de sua eficácia o uso rotineiro de AINES têm sido limitado pelos seus efeitos colaterais e incompleta eficácia em alguns pacientes.
  • Objetivos
    • Comparar a eficácia e tolerabilidade oral das formulações de Clonixinato de Lisina e Naproxeno de Sódio no tratamento de crises agudas de migrânea de moderada a forte intensidade.
  • Métodos e pacientes
    • Local do estudo: dois ambulatórios neurológicos especializados em cefaléia situados em hospitais do Rio de Janeiro e Brasília dentre os meses de abril a dezembro de 2004.
    • População:
    • - 70 pacientes ( 62 mulheres e 8 homens)
    • - 18 a 71 anos ( média de 41 anos)
    • - Diagnóstico de migrânea sem aura de acordo com os critérios da Sociedade Internacional de Cefaléia.
    • Critério de Inclusão: pacientes em tratamento preventivo com uso drogas , exceto antiinflamatórios não esteroidais.
  • Métodos e pacientes
    • Tipo de Estudo: duplo cego , cruzado, randomizado.
    • Metodologia: pacientes tratados em 2 crises de migrânea de moderada a forte intensidade. As doses foram de 250 mg de Clonixinato de Lisina e 550 mg de Naproxeno de Sódio.
  • Métodos e pacientes
    • Métodos de Avaliação:
    • -A severidade do ataque foi baseado na escala analógica visual de dor de 0 ( sem dor ) a 3 (dor intensa).
    • -A severidade bem como a presença de nausea, fotofobia e efeitos colaterais foram avaliados no tempo 0 , 1 hora e 2 horas após o uso da droga.
    • -O consumo de medicação de resgate após 2 horas foi também comparado nos dois grupos.
    • -A análise estatística foi feito com com teste X 2 não paramétrico como também a análise de variança de Friedman, para verificar as diferentes associações entre respostas de tratamento em 1 hora e 2 horas no uso de medicação de resgate após 2 horas e incidência de efeitos colaterais achados nos dois grupos de pacientes.
  • ATENÇÃO: DEVERÁ SER PREENCHIDO PARA CADA CRISE * Apenas para os pacientes que estavam SEM DOR em 2 horas Relate aqui todos os efeitos colaterais ou indesejáveis que ocorreram após ter tomado o(s) medicamento(s): ________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________________   Data: Hora de início: Dor ? Presença de enjôo ? Presença de sensibilidade à claridade ? No momento em que tomou o(s) medicamento(s) ( ) Leve ( ) Moderada ( ) Forte ( ) Sim ( ) Não ( ) Sim ( ) Não Após 1 hora ( ) Ausente ( ) Leve ( ) Moderada ( ) Forte ( ) Sim ( ) Não ( ) Sim ( ) Não Após 2 horas ( ) Ausente ( ) Leve ( ) Moderada ( ) Forte ( ) Sim ( ) Não ( ) Sim ( ) Não A dor voltou no dia seguinte ? * ( ) Sim ( ) Não     A dor estava presente após 24 h de uso? ( ) Sim ( ) Não    
  • Resultados
    • Sessenta pacientes ( 54 mulheres e 6 homens ) completaram o estudo.
    • Clonixinato de Lisina foi utilizado para tratar 16 crises severas e 43 moderadas enquanto o Naproxeno de Sódio foi utilizado em 19 crises severas e 39 moderadas.
    • Com o uso de Clonixinato de Lisina após 1h, 13,8% dos ataques estavam sem dor, após 2h, 35,6% estavam sem dor.
    • Para os ataques tratados com Naproxeno de Sódio após 1 h , 11,9 % e 32% após 2 h estavam sem dor .
  •  
  • Evolução da cefaléia com o tempo após o uso da medicação
  • Evolução da náusea com o tempo com ambos Clonixinado de Lisina e Naproxeno de Sódio
  • Evolução da fotofobia com o tempo com ambos Clonixinato de Lisina e Naproxeno de Sódio
  •  
  •  
  • Resultados
    • 59 crises tratados com CL, 8 usaram medicação de resgate comparado com 10 das 58 crises tratadas com NS.
    • Ausência de dor sustentada em 55% para CL e 60,1% para NS.
    • Recorrência presente em 45% das crises tratadas com CL e 38.9% com NS
  • Resultados :
    • Os efeitos colaterais estavam presentes em 12 pacientes com o uso de Clonixinato de Lisina e 18 pacientes com o uso de Naproxeno de Sódio, incluindo vômitos (2 com CL e 3 com NS) , tonteira ( 3 para ambos), dor no estômago ( 4 para a CL e 7 para o NS), fadiga ( 5 com CL e 7 para NS).
    • 25 pacientes preferiram CL e 25 NS , 8 pacientes para qualquer uma e 2 pacientes não expressaram preferência.
  • Conclusão
    • Este estudo demonstrou que ambos o Clonixinato de Lisina e o Naproxeno de sódio são efetivos para tratar crises de migrânea de moderada a forte intensidade. Além disso , ambas as drogas apresentam razoável tolerabilidade.
  • Prof. Abouch e Edgard Raffaelli e Rafael Higashi no ambulatório de Cefaléias Crônicas do INDC / UFRJ
  • Obrigado a todos pela atenção ! Dr Rafael Higashi www.estimulacaoneurologica.com.br