Your SlideShare is downloading. ×

Complexos agroindustriais emanuela

1,948

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,948
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
60
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVERSIDADE DO ESTADO DA BAHIA – UNEB DEPARTAMENTO DE CIÊNCIAS HUMANAS CAMPUS – IV CURSO DE LICENCIATURA PLENA EM GEOGRAFIA COMPONENTE CURRICULAR: ESTAGIO SUPERVISONADO EM GEOGRAFIA IV DOCENTE: EDVALDO HILÁRIO Geografia em Foco Tema Complexos agroindustriais• Eliana Santos• Emanuela Alves• Patrícia Oliveira
  • 2. Conteúdo programático vestibular 2012. A ORGANIZAÇÃO DO ESPAÇO BRASILEIRO• As regiões brasileiras e seus contrastes socioeconômicos e culturais;• O problema da divisão e das disparidades regionais;• divisão Regional e Territorial do Trabalho.• O Nordeste: povoamento, colonização e contrastes no uso da terra; o Nordeste brasileiro no contexto atual.
  • 3. Obras Literárias De acordo com divulgação da Uneb, as obras literárias que integram o conteúdo programático do vestibular 2012 são:• "A Morte e a Morte de Quincas Berro D’Água" "Tenda dos Milagres", de Jorge Amado,• "Além de Estar", de Helena Parente Cunha,• "Essa Terra", de Antônio Torres,• "O Desterro dos Mortos", de Aleilton Fonseca,• - "O Largo da Palma", de Adonias Filho.
  • 4. “Essa Terra”É um romance do escritor baiano Antônio Torres. Esta obra falamos da experiência de uma famíliasertaneja baiana com migração nordestina para SãoPaulo. Nelo, o irmão mais velho, retorna ao Junco paraver a família. O peso do insucesso o leva ao suicídio.Totonhim, o irmão mais novo, foge da miséria e dosproblemas familiares migrando para São Paulo, mesmoapós o suicídio do irmão. A obra literária, através de seusdiálogos com diferentes saberes nos brinda com umareflexão sobre as dificuldades e a força povo sertanejo.
  • 5. CONHECENDO O BRASIL
  • 6. CONHECENDO O BRASILNOME OFICIAL: República Federativa do BrasilINDEPENDÊNCIA: 07 de Setembro de 1822GOVERNO: República presidencialistaPRESIDENTE DA REPÚBLICA: Dilma VanaRousseff
  • 7. CONHECENDO O BRASILCAPITAL: Brasília com População de 2.570.160 em 2010MOEDA: real R$IDIOMA: Língua portuguesaEXTENSÃO TERRITORIAL: 8.514.876,599 km²LOCALIZAÇÃO: Leste da América do Sul
  • 8. CONHECENDO O BRASIL LIMITES:• AO NORTE: Guyana, Venezuela, Suriname e Guyana Francesa;• AO NOROESTE: Colômbia;• AO OESTE: Peru e a Bolívia• AO SUDOESTE: Paraguai e a Argentina;• AO SUL : Uruguai
  • 9. CONHECENDO O BRASIL
  • 10. CONHECENDO O BRASIL ANO NÚMERO DE MUNICÍPIOS BRASILEIROS 1940 1.574 1950 1.889 1960 2.766 1970 3.952 1980 3.974 1990 4.491 2000 5.507 2010 5.565Fonte IBGE
  • 11. CONHECENDO O BRASIL
  • 12. CONHECENDO O BRASIL• Taxa de crescimento médio anual da população brasileira (1940-2020) Período Taxa de crescimento 1940/1950 2,35% 1950/1960 3,06% 1960/1970 2,87% 1970/1980 2,48% 1980/1990 1,93% 1990/2000 1,63% 2000/2010 1,35% 2010/2020 0,92%Fonte: IBGE - Anuários Estatísticos do Brasil – 2010.
  • 13. CONHECENDO O BRASIL
  • 14. IDH - Índice de Desenvolvimento HumanoO Brasil entrou pela primeira vez para o grupode países com elevado desenvolvimentohumano, com um índice medido em 0,800 noano de 2005. Em 2006, obteve uma melhora no índice de0,007 com uma pontuação de 0,807.No ano de 2009 encontra-se na 75ª(septuagésima quinta) colocação mundial, comum índice de 0,813 valor considerado de altodesenvolvimento humano.
  • 15. CONHECENDO O BRASIL 2009 ▲ 0,813 2005 ▲ 0,800 IDH - Índice de 2000 ▲ 0,789 desenvolvimento humano brasileiro 1995 ▲ 0,753 1990 ▲ 0,723 1985 ▲ 0,700 1980 ▲ 0,685PNUD – Programa das Nações Unidas para o Desenvolvimento
  • 16. IDH - Índice de Desenvolvimento Humano• No ano 2010, o Brasil aparecia classificado como o 73º melhor IDH de 169 países, mas, segundo o Pnud, o país estaria em 85º em 2010, se fosse usada a nova metodologia. Desta forma, pode-se dizer que em 2011 o país ganhou uma posição no índice em relação ao ano anterior, ficando em 84º lugar 0,718.
  • 17. CONHECENDO O BRASIL
  • 18. Metrópole / Megalópole• Metrópole é um termo que pode designar a cidade principal ou capital de um determinado país ou província, ou ainda, alguma cidade que, por algum motivo, exerce influência (cultural, social, econômica) sobre as demais cidades da região metropolitana. Pode designar, também, de forma oficial, a cidade principal de um conjunto de cidades que encontram-se unidas geograficamente.• Megalópole seria o aglomerado (conurbação) de várias metrópoles ou regiões metropolitanas
  • 19. Música de Zé Ramalho “O MEU PAÍS”
  • 20. DIVISÃO REGIONAL BRASILEIRA• A DIVISÃO OFICIAL DO IBGE• A DIVISÃO DO BRASIL EM COMPLEXOS GEOECONÔMICAS
  • 21. A DIVISÃO OFICIAL DO IBGE• Breve histórico – 1938: primeira divisão regional – 1941: delimitava cinco grandes regiões – 1945: mantinha as grandes regiões da divisão anterior, mas acrescentava critérios hierárquicos (grandes regiões, regiões, sub-regiões e zonas fisiográficas) . – 1969: regiões homogêneas, definidas pela combinação de aspectos naturais, sociais e econômicos. – 1988: O Estado de Tocantins foi criado e desmembrado do Estado de Goiás (Região Centro-Oeste), foi incluído na Região Norte.
  • 22. A DIVISÃO OFICIAL DO IBGE
  • 23. Região Centro-Oeste• Área total: 1.612.077,2 km² População (2010): 14.058,094 Densidade demográfica (2010): 8,73hab/km² Maiores cidades (Habitantes/2010):• Brasília (2.570.160);• Goiânia (1.302.001);• Campo Grande (786.797);• Cuiabá (551.098);
  • 24. Região Centro-Oeste• Ocupa aproximadamente 18,8% do território brasileiro, tendo a segunda maior extensão territorial entre as regiões brasileiras, sendo menor apenas que a região Norte.• Seu povoamento é conseqüência dos fluxos migratórios, isso ocorreu primeiramente devido ao transporte de gado do sul e sudeste para as primeiras fazendas do Centro-Oeste, além da atuação dos bandeirantes paulista
  • 25. Região Nordeste• Área total: 1.561.177 km² População (2010): 53.081.950 habitantes Densidade demográfica (2010): 34,15 hab/km² Maiores cidades (Habitantes/2010):• Salvador (2.675.656);• Fortaleza (2.452.185);• Recife (1.537.704);• São Luís (1.014.837);
  • 26. Região Nordeste A economia nordestina esta em constanteprocesso de desenvolvimento. A região vemrecebendo varias indústrias, um dos motivos éa concessão de benefícios fiscais pelosgovernos estaduais (isenção de impostosdoação de terrenos etc.), além de mão deobra mais barata; um dos exemplos foi ainstalação da Ford na Bahia e diversasempresas têxteis no Ceará.
  • 27. Região Nordeste Outro elemento essencial na economia é a exploração de petróleo:• A região é a segunda produtora de petróleo do país e a maior na extração de petróleo em terra. Possui também um dos principais pólos petroquímicos do Brasil- Camaçari na Bahia
  • 28. Região Norte• Área total: 3.869.637 km²• População (2010): 15.864.454 habitantes• Densidade demográfica (2010): 4,12hab/km²• Maiores cidades (Habitantes/2010): – Manaus (1.802.014); – Belém (1.393.399); – Ananindeua (471.980); – Porto Velho (428.527);
  • 29. Região Norte• Apesar de ser a maior região do país, o Norte é o segundo menos habitado, somente o centro-oeste possui uma quantidade de habitantes inferior.• Com participação de apenas 5% no PIB – Produto Interno Bruto brasileiro, sendo a menor contribuição entre todas as regiões do país, a Região Norte tem sua economia impulsionada pelo extrativismo, mineração e indústria.
  • 30. Região Sudeste• Área total: 927.286 km² População (2010): 80.364.410 habitantes Densidade demográfica (2010): 86,92 hab/km² Maiores cidades (Habitantes/2010):• São Paulo (11.253.503);• Rio de Janeiro (6.320.446);• Belo Horizonte (2.375.151);• Guarulhos-SP (1.221.979);
  • 31. Região Sudeste• É a região mais desenvolvida• É a principal responsável pela geração de riquezas econômicas do país.• Abriga as maiores siderúrgicas e montadoras• Possui o maior parque industrial• Áreas de atividades agrícolas modernas• As duas metrópoles nacionais, consideradas megalópole• Responsável por 56,4% do PIB - produto interno bruto nacional
  • 32. Região Sul• Área total: 577.214 0-9 População (2010): 27.386.891 habitantes Densidade demográfica (2010): 48,58 hab/km² Maiores cidades (Habitantes/2000):• Curitiba (1.751.907);• Porto Alegre (1.409.351);• Londrina-PR (506.701);• Joinville-SC (515.288);
  • 33. Região Sul• É a menor entre todas. No entanto isso não impediu que alcançasse um dos melhores índices de desenvolvimento econômico e social do país, muitos deles superiores às médias nacionais, seu contingente populacional também é significativo.• O processo de ocupação esta ligado especialmente a duas atividades primárias: – Agricultura e pecuária•
  • 34. Divisão do Estado do Pará
  • 35. Divisão do Estado do Pará• A grande extensão territorial do Pará tem sido um dos argumentos utilizados para uma divisão desse território e a consequente formação de dois novos estados, além do atual Pará: Tapajós e Carajás. Os defensores desse projeto alegam que em razão da extensão paraense, as políticas públicas não são realizadas com eficácia, e a redução dessa área proporcionaria administrações mais eficientes.
  • 36. Opositores• Opositores a essa divisão argumentam que esse processo geraria gastos desnecessários para a União e que essa proposta é uma estratégia política, pois 3 novos cargos de senadores e 8 de deputados seriam proporcionados para cada um desses novos estados.
  • 37. Opositores• Outro aspecto negativo alegado refere-se à economia dessas novas unidades federativas, visto que a região de Tapajós possui grandes áreas florestais, sendo proibido o desmatamento, além de reservas indígenas e áreas de conservação integral. No entanto, os defensores dessa divisão alegam que Tapajós possui grande potencial econômico, através da expansão da fronteira agrícola.
  • 38. Em plebiscito, eleitores do Pará rejeitam divisão do estado
  • 39. VIDEO DIVISÃO OFICIAL DO BRASIL
  • 40. DIVISÃO REGIONAL DO BRASIL 1) Amazônia, 2) Centro-Sul, 3) Nordeste
  • 41. Região geoeconômica Amazônia
  • 42. Região geoeconômica Amazônia• Extensão territorial – 5 milhões de km2• Compreende todos os Estados da região Norte (com exceção do extremo sul de Tocantins), o oeste do Maranhão e praticamente todo o Mato Grosso.• "vazios demográficos".
  • 43. Região geoeconômica Amazônia• Economia: – extrativismo • Animal • Vegetal • Mineral
  • 44. Região geoeconômica Centro-Sul
  • 45. Região geoeconômica Centro-Sul• Extensão territorial – 2,2 milhões de km2• Abrange as regiões Sul e Sudeste (exceto o norte de Minas Gerais),Mato Grosso do Sul, Mato Grosso, Goiás, Distrito Federal e o sul de Tocantins.
  • 46. Região geoeconômica Centro-Sul• Economia – agricultura – indústria
  • 47. Região geoeconômica Nordeste
  • 48. Região geoeconômica Nordeste• Extensão territorial – 1,5 milhões de km2• Inclui todo o Nordeste da divisão oficial (com exceção do oeste do Maranhão) e o norte de Minas Gerais, onde se localiza o Vale do Jequitinhonha.
  • 49. Região geoeconômica Nordeste• A região encontra-se dividida em quatro sub- regiões:• Meio – Norte - Nesta sub-região, destacamos o extrativismo vegetal, pecuária extensiva.• Zona da mata - destacamos os pólos Petroquímico de Camaçari, formando nestas áreas duas das três metrópoles regionais - Recife e Salvador.• Agreste - com suas feiras de gado e sua policultura de subsistência, sofre modificações profundas na paisagem.• Sertão - marcado pelo latifúndio e pela pecuária.
  • 50. Complexos Geoeconomicos
  • 51. Sugestões• Livros: – Justino, o retirante de Odete de Barros – Profissão; esperança de Caio Porfírio Carneiro• Filme: – Marcado para morrer de Eduardo coutinho• Literatura: – Terras sem fim de Jorge Amado – Na terra plantei meu sonho de Marcio Kuperman – Essa terra de Antonio Torres• Música: – Asa Branco de Luiz Gonzaga – Meu país de Zé Ramalho
  • 52. Site• http://www.vestibulandoweb.com.br/enem/v estibular-provas-enem.asp• http://www.brasilescola.com/brasil/a- industria-na-regiao-sul.htm
  • 53. O processo de industrialização brasileira
  • 54. • O Brasil teve seu processo de industrialização tardia;• Economia principal -café;• O processo industrial brasileiro passou por quatro etapas: 1º: (1500 e 1808)-a metrópole não aceitava aimplantação de indústrias, salvo em casosespeciais como os engenhos, e produção emregime artesanal.
  • 55. 2º: (1808 a 1930)-concedida a permissão paraa implantação de indústria no país; Fatores determinantes:•Foi o declínio do café, momento em que muitosfazendeiros deixaram as atividades do campo e,com seus recursos, entraram no setor industrialque prometia grandes perspectivas deprosperidade.•Pós 2ª guerra Mundial;
  • 56. 3º: (1930 e 1955)- a indústria recebeu muitosinvestimentos (Vargas) e dos ex-cafeicultores (emlogística-evoluções nos meios de transporte quefacilitou a distribuição de produtos para váriasregiões do país);• Companhia Siderúrgica Nacional e PETROBRAS. 4º: 1955- JK promoveu a abertura da economia edas fronteiras produtivas, permitindo a entrada derecursos em forma de empréstimos e também eminvestimentos com a instalação de empresasmultinacionais; •No fim do século XX (dec.70,80,90) cont. crescer- embora momentos crise. *Possui boa base - diversos produtos.
  • 57. Dentre as principais características daindustrialização tardia do Brasil, ocorrida aolongo do século 20, destaca-se o processo deconcentração geográfica na região Sudeste. Devido à cafeicultura; • fatores histórico-econômicos: mão-de-obra, capital, mercado consumidor - interno eexterno - tecnologia, transportes etc. • fatores naturais: matérias-primas e fontesde energia.
  • 58. Nos últimos anos, descentralização espacial dasindústrias no Brasil;• Vem se distribuindo melhor entre as diversas regiões do país.• Incentivos fiscais, menores custos de mão-de- obra, transportes menos congestionados; Fraca organização sindical.• Movimento de indústrias tradicionais- calçados e vestuários para o Nordeste, atraídas sobretudo, pela mão-de-obra extremamente barata.
  • 59. VIDEO - Industria Brasileira
  • 60. • Para exercitar...
  • 61. 1) (CESGRANRIO) Dentre os fatores que favoreceram o aparecimento e a concentração de indústrias no Sudeste brasileiro, podemos destacar:a) o tipo de solo local, favorecendo a produção de matérias- primas agrícolas para a indústria.b) a presença de ferrovias criadas na década de 30, ligando os portos marítimos ao interior.c) a concentração de capitais resultantes da produção e exportação de café.d) a maior concentração de mão-de-obra do país, constituída pelos ex-escravos.e) a posição favorável da região, situada na extremidade sul da zona intertropical.
  • 62. AGROINDUSTRIA BRASILEIRA
  • 63. A agroindústria é o conjunto de atividadesrelacionadas à transformação de matérias-primasprovenientes da agricultura e pecuária. Em comparação a outras industriais, elaapresenta uma certa originalidade decorrente detrês características fundamentais das matérias-primas: Sazonabilidade; (preço/estação do ano);Perecibilidade; (pouco tempo estocado);Heterogeneidade. (diversidades).
  • 64. Décadas de 50 e 60: Ocorreram transformações que no setoragrícola brasileiro com processo de tecnificaçãoda base produtiva e importação dos meios deprodução (sobretudo máquinas agrícolas).• "modernização da agricultura“- mudançassignificativas na forma de se produzir.
  • 65. [...] a chamada modernização da agricultura não é outracoisa, para ser mais correto, que o processo detransformação capitalista da agricultura, que ocorrevinculado às transformações gerais da economia brasileirarecente. Com novas técnicas e equipamentos modernos, oprodutor passa a depender cada vez menos da“generosidade” da natureza, adaptando-a mais facilmentede acordo com seus interesses. No entanto, por essecaminho a agricultura está cada vez mais subordinada àindústria, que dita as regras de produção. Graziano Neto (1985, p. 27)
  • 66. Colheita Hoje•Comandos Eletro-Hidráulicos;•Cabine com A/C,•Sistema automático de controleda plataforma; •Sistema monitorado por módulos eletrônicos; •Sistema de monitoramento de produtividade instantâneo; •GPS; •Auto-diagnóstico; •Monitoramento de perdas;
  • 67. VÍDEO - PIB Brasileiro Tem Baixo Crescimento
  • 68. Para exercitar...(UMTM) Considere os mapas e as características do espaço geográficobrasileiro. (Graça Maria Lemos Ferreira. Atlas Geográfico Espaço Mundial.)I. Novas áreas que se incorporam ao processo produtivo.II. Área de economia mais dinâmica.III. Áreas com manchas de modernização e expansão da agropecuáriamodernizada.
  • 69. Assinale a alternativa que apresenta a corretacorrespondência entre o espaço geográfico e suarespectiva localização no território brasileiro. a) 1-III, 2-II, 3-I. b) 1-II, 2-I, 3-III. c) 1-III, 2-I, 3- II. d) 1-II, 2-III, 3-I. e) 1-I, 2-III, 3-II.
  • 70. OS COMPLEXOS AGROINDUSTRIAIS
  • 71. A relação entre a agricultura e a indústriase intensificou, principalmente a partir dadécada de 1970, sendo que um setor passou adepender cada vez mais do outro. A formaçãodo Complexo Agroindustrial se dá a partir dessamaior relação entre a indústria e a agriculturano país. A característica central dos complexosagroindústrias é a integração da agropecuáriacom outros ramos industriais. Esses Complexos são organizados emtorno de cadeias produtivas, que são umconjunto de etapas consecutivas:
  • 72. INSUMOS PRODUÇÃO PROCESSAMENTODISTRIBUIÇÃO CLIENTE FINAL
  • 73. O Complexo Agroindustrial de Rio Verdeocupa 2 milhões de m2 e reúne em sua áreaas granjas de matrizes, central de inseminaçãoartificial e mais de 900 módulos para criaçãode aves e suínos, dois frigoríficos (um paraaves e outro para suínos), uma unidade paraindustrialização de alimentos, uma fábrica demassas, uma fábrica de rações e incubatório.
  • 74. (PUC- RIO) A extensão territorial brasileira,as decisões individuais ou de grupos e as açõesgovernamentais possibilitaram um movimentode integração de novas áreas - as fronteiras - àeconomia nacional. Nas últimas décadas, estaintegração se deu em direção ao Centro-Oeste eà Amazônia, como resultado da expansãogeográfica dos capitais produtivos, mercantis efinanceiros realizada, destacadamente, peloscomplexos agroindustriais.• Assinale a alternativa que NÃO indica uma estratégia adotada por esses complexos:
  • 75. a) seletividade na escolha dos cultivos;b) utilização intensiva de tecnologia;c) utilização de linhas especiais de crédito criadas pelo governo;d) substituição dos insumos agrícolas pela fertilidade natural dos solos;e) ocupação de áreas anteriormente utilizadas pela agricultura de subsistência e pela pecuária extensiva.
  • 76. Os complexos agroindustriaismovimentam o AGRONEGÓCIO, ou seja asatividades empresariais baseadas emprodutos agropecuários.
  • 77. AGRONEGÓCIO
  • 78. É toda relação comercial e industrial envolvendo acadeia produtiva agrícola ou pecuária.• Também chamado de agrobusiness é o conjunto denegócios relacionados à agricultura e pecuária dentro doponto de vista econômico.
  • 79. Divide-se em três partes:• Primeira parte: “dentro da porteira”- (fazendeiros ou camponeses) ou de pessoas jurídicas (empresas);• Segunda parte: "pré-porteira“ – representados por industrias - fabricantes de fertilizantes, defensivos químicos, equipamentos.• Terceira parte: "pós-porteira“ – Negociação- Compra, Transporte, venda e consumo- frigoríficos, as indústrias têxteis, empacotadores, supermercados, distribuidores de alimentos.
  • 80. • O Brasil, maior produtor de alimentos do mundo.• A Organização para Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE) – a produção alimentos terá de crescer 20% nos próximos dez anos a fim de atender à demanda mundial.• A União Europeia vai contribuir com um aumento de 4%;• Austrália com 7%;• Estados Unidos e o Canadá com 15%;• Rússia e a China com 26%;• Brasil com 40%.
  • 81. Seis pilares que são considerados fundamentais para aconsolidação do agronegócio brasileiro.1º É a renda, com o seguro rural, o crédito e os preços degarantia ao produtor.2º É a logística, com priorização das estradas, ferrovias e portos.3º Destaca-se a tecnologia, com a continuidade dosinvestimentos no campo. 4º Refere-se ao comércio exterior, com a adoção de uma políticamais agressiva.5º Trata da defesa sanitária, por meio da criação de umprograma eficaz.6º Pilar trata de uma revisão ampla do aparato legal sobre ocampo, que inclua as discussões sobre o direito de propriedade,questões trabalhistas e ambientais.
  • 82. O AGRONEGOCIO NA REGIÃO NORDESTE O agronegócio tem apresentado umdesempenho altamente significativo noNordeste nos últimos anos, inclusive naBahia. Apesar das adversidades impostas peloclima, a economia da sub-região do sertãodo Nordeste está ligada diretamente àatividade agropecuária.
  • 83. As práticas tradicionais predominam, porémexistem áreas de intensa modernização. Oeste baiano: Soja, Avicultura Suinocultura
  • 84. •Vale do Rio SãoFrancisco:pólos de fruticulturairrigada, comandadospor Petrolina (PE) eJuazeiro (BA).
  • 85. •Cerrados do sul Maranhão e do Piauí: a sojaMaranhão começa tomar lugar da pecuária extensiva e tradicional. Piauí
  • 86. • Zona da Mata: Cana-de-açúcar.• Regiões interiores: pecuária extensiva
  • 87. VÍDEO - De Onde vem o Agronegócio?
  • 88. AS DUAS FACES DO AGRONEGÓCIO• Grandes empresários rurais – Fazendas – dispõe de tecnologia- meios de produção (tratores, semeadeiras e colheitadeiras mecânicos);• Agricultores familiares - mão de obra de suas famílias. Eles se Integram agronegócio – produtos vendidos grandes empresas processadoras.
  • 89. A Bahia é o estado que possui o maiornúmero de agricultores familiares do Brasil.Tendo 87% dos estabelecimentos agropecuáriosdo estado, 15% de toda agricultura familiar dopaís e a uma contribuição em torno de 11% parao PIB baiano.
  • 90. • Na Bahia, a agricultura familiar responde por:• 91% da produção de mandioca;• 83% do feijão;• 76% dos suínos;• 60% de aves e 52% da produção de leite.
  • 91. VÍDEO – Agricultura Familiar
  • 92. • Para exercitar...
  • 93. 2) (ENEM-2011) O termo agronegócio não se refere apenas à agricultura e à pecuária, pois as atividades ligadas a essa produção incluem fornecedores de equipamentos, serviços para a zona rural, industrialização e comercialização dos produtos. O gráfico seguinte mostra a participação percentual do agronegócio noPIB brasileiro: Esse gráfico foi usado em uma palestra na qual o orador ressaltou umaqueda da participação do agronegócio no PIB brasileiro e a posteriorrecuperação dessa participação, em termos percentuais.Segundo o gráfico, o período de queda ocorreu entre os anos deA) 1998 e 2001.B) 2001 e 2003.C) 2003 e 2007.D) 2003 e 2006.E) 2003 e 2008.
  • 94. OS IMPACTOS AMBIENTAIS DA AGROPECUARIA Os complexos agroindustriais são agentesda modernização tecnológica da agropecuáriabrasileira que percorreu quase todo o ciclo dastecnologias mecanicas e já começa aincorporar as tecnologias da informatica e daengenharia genetica, esse processo temextensas repercursões sobre as paisagens e omeio ambiente.
  • 95. A modernização AGRÍCOLA acarretou e estáacarretando vários danos ao meio ambiente:•O envenenamento do solo, das águas, dasplantas e dos animais. (Brasil 3º maior consumidorde agrotóxicos).•A degradação dos solos, resultandoprincipalmente de práticas inadequadas demanejo agrícola e da pecuária. As estimativas deperda é de 25 toneladas/ano hectare.
  • 96. Rio Doce
  • 97. • A modernização na PECUÁRIA, é percebida através desenvolvimento genético de raças de animais que tivessem crescimento mais rápido e maior produção de carne com menos gordura.
  • 98. A POLÊMICA SOBRE OS TRANGÊNICOS
  • 99. Transgênicos ou organismos geneticamentemodificados são as designações conferidas aosanimais ou plantas que tiveram sua composiçãogenética alterada cientificamente. A alteração ocorre por meio da técnica doDNA recombinante ou da engenharia genética,pelas quais é possível inserir o gene de umorganismo no DNA de outro, adicionando a essea característica determinante de tal gene.
  • 100. • Os transgênicos - característica a resistência. Herbicidas.• Os transgênicos são produzidos por poucas indústrias voltadas para a biotecnologia, sendo a MONSANTO uma das que está em maior evidência atualmente.
  • 101. Os defensores: argumentam que o Brasil seria capaz de alavancar a produtividade e tornar mais competitiva a agricultura do país nos mercados mundiais. O outro argumento é ecológico: os transgênicos necessitariam de aplicação menos intensa de agrotóxicos.
  • 102. Os que são contra: assinalam que não há conclusões definitivas sobre as repercussões ambientais do cultivo de transgênicos ou sobre seu consumo para a saúde das pessoas. A maior parte do movimento ambientalista sustenta que os OGMs vão acelerar ainda mais o processo de “erosão genética” (é o processo de redução da diversidade de plantas cultivadas).
  • 103. LEI DA BIOSSEGURANÇA Em 24 de março de 2005, o presidente daRepública, Luiz Inácio Lula da Silva, aprovou a leide nº 11.105, ou Lei da Biossegurança, queestabelece também as normas de segurança eos mecanismos de fiscalização que envolvam osorganismos geneticamente modificados (OGMs)e a utilização de células-tronco para fins depesquisa e terapia.
  • 104. Ao mesmo tempo, a lei criou também oConselho Nacional de Biossegurança, formadopor alguns ministros de Estado, como o daJustiça, o da Saúde e o do Meio Ambiente, quevotam, após analises, se o produto pode ou nãoser comercializado.
  • 105. O óleo Soya, um dos maisvendidos do mercadobrasileiro, foi primeiro aostentar o símbolo de produtogeneticamente modificado(uma letra T no meio de umtriângulo amarelo) no país. Aembalagem também traz oaviso: "Produto produzido apartir de soja transgênica".
  • 106. • Plantio de transgênicos cresceu 20% em 2011;• Pelo terceiro ano seguido, o Brasil foi o grande responsável pela expansão do cultivo mundial de lavouras geneticamente modificadas em 2011.• Desde 2005, quando a tecnologia foi regulamentada no Brasil, a Comissão Técnica Nacional de Biossegurança liberou o plantio de 32 variedades geneticamente modificadas de soja, milho, algodão e feijão. Só em 2011 foram seis aprovações.
  • 107. • Para exercitar...
  • 108. 2) (PUC-RIO) Atualmente, poucos assuntos geram tanta controvérsia como os produtos transgênicos. Esta interferência do homem na natureza se dá por meio da engenharia genética. Sobre este tema, destaque a afirmação correta:a) O objetivo dos cientistas é criar novas espécies, aumentando a produtividade e minimizando, por conseqüência, o uso de herbicidas.b) A modificação genética dos alimentos consiste na transferência de material hereditário de um organismo para outro receptor, gerando novas combinações genéticas.c) A aplicação da engenharia genética nos alimentos teve origem em países do terceiro mundo, que apresentam uma grande incidência de pragas na agricultura.d) Modificar um organismo geneticamente significa cruzar espécies diferentes, para se obter uma espécie nova que não ocorre naturalmente.e) Os ambientalistas defendem o uso da engenharia genética, pois os seus efeitos são totalmente previstos e controlados, não trazendo perigos para a humanidade.
  • 109. 3) (PUC-RIO) Dentre as opções abaixo, qual apresenta a afirmativa correta com relação aos elementos transgênicos?a)Eles mudam suas características fenotípicas ao longo de seu ciclo de vida.b)Eles contêm muitos conservantes que impedem sua rápida deterioração.c)Eles passam parte de seu genoma para o indivíduo que o ingere.d)Eles possuem menos calorias que os naturais.e)Eles possuem parte da informação genética de outro ser vivo.
  • 110. PLANEJAMENTO REGIONAL DO NORDESTE
  • 111. • A palavra região tem sua origem no verbo latino regere que significa governar, exercer o poder. Nesse sentido, a divisão do território em unidades regionais permitia organizar as bases de dados estatísticos e racionalizar a administração do território.
  • 112. Sub- regiões do NordesteEm razão das diferentes características físicasque apresenta, a Região Nordeste é dividida emquatro sub-regiões:Zona da mata AgresteSertãoMeio-norte
  • 113. Litoral e Zona da Mata• Zona da Mata – trecho do litoral onde havia mata Atlântica.  Clima: úmido e Cidades que formam a Zona superúmido da Mata: Natal, João  Relevo: tabuleiros, Pessoa, Recife, Maceió, praias , planícies, Foz de Aracaju e Salvador. grandes rios do País.  Biodiversidade: Mata Atlântica nas encostas, mangues, praias, salinas.
  • 114. A Usina Serra Grande, em Alagoas, exibe a paisagem típica da Zona daMata ...cienciahoje.uol.com.br
  • 115. Litoral nordestinoAlagoas: Salinas de Maragogi
  • 116. Agreste  Clima: tropical semi-úmido,  Relevo:Planaltos Escarpados  Biodiversidade: “Brejos” ou “Cariris”.  Estados que formam o Agreste:Bahia,Sergipe, Alagoas,Pernambuco, Paraíba e Rio Grande do Norte.
  • 117. Sertão  Clima: Tropical semi-árido  Relevo: encostas, depressões e vales  Biodiversidade: Caatinga, xerófitas, cactáceas.  Estados que formam o sertão: Bahia, Pernambuco, Paraíba, do Rio Grande do Norte, do Piauí, Ceará; e uma pequena parte do Sergipe e de Alagoas.
  • 118. • O sertão nordestino é também conhecido como “polígono das secas”, onde verifica-se uma intensa taxa de emigração. Existe também a presença marcante do “curral eleitoral” e fortes influências do “coronelismo”, o que contribui para aumentar os problemas sociais.
  • 119. Meio- Norte  Clima: Tropical úmido  Relevo: depressões e planaltos  Biodiversidade: Cocais, ciliares, Mesófilas.  Indicies pluviométricos satisfatórios.  Cidades que formam o Meio- Norte :São Luís , Teresina e Imperatriz no Maranhão.
  • 120. • Mascarando a função política, a geografia apresentou o conceito de região natural que era definida levando em consideração aspectos como o relevo, o clima e a vegetação. Mais tarde, sob o impacto das políticas de intervenção do Estado na economia, surgiu o conceito de região de planejamento.
  • 121. Contexto histórico do planejamento regional do Nordeste• Antes da década de 1960,os programas do Estado funcionavam como paliativos para reduzir os efeitos da seca e de miséria. órgãos como o Departamento Nacional de Obras Contra a Seca (DNOCS) e a Inspetoria de Obras Contra as Secas (IOCS), criado em 1945, tinha amplos poderes para construir barragens, açudes e realizar qualquer obra cuja utilidade contra as secas tivesse sido comprovada pela experiência.
  • 122. • A criação do Instituto do Açúcar e do Álcool (IAA), no início dos anos 30 tinha como objetivo básico a defesa da economia açucareira do Nordeste contra a competição da região de São Paulo. Outros órgãos como a Companhia Hidroelétrica de São Francisco (CHESF), instituída em 1945, a Companhia do Vale do São Francisco (CVSF), criada em 1948 e o Banco do Nordeste do Brasil (BNB), formado em 1955, fomentavam o desenvolvimento do Nordeste. No entanto, esses órgãos não conseguiram romper o círculo vicioso de acomodação e pobreza.
  • 123. A SUDENEA SUDENE, Superintendência de Desenvolvimento do Nordestefundada em 1959, no governo do presidente JuscelinoKubitschek, tendo à frente o economista Celso Furtado.
  • 124. A SUDENE E A INDUSTRIALIZAÇÃOÁreas de atuação: Objetivos: Nordeste  solucionar os Minas Gerais problemas do campo Espírito Santo  Beneficiar grandes proprietários  Reforçar a concentração fundiária
  • 125. Em 2001 o órgão foi extinto por Fernando Henrique Cardoso devido as fraudes que ocorreram. Em 2002 na administração de Lula, o órgão foi recriado.
  • 126. Os polos da Agroindústria empresarialAgropecuária tem se destacado bastante nointerior do Nordeste, a exemplo das baciasleiteiras do Agreste, os polos de fruticulturairrigadas do semiárido a exemplo de Juazeiro ePetrolina; ou nas áreas de cultura de grãos aexemplo de Barreiras, do Piauí e Maranhão.
  • 127. As águas do São FranciscoO projeto de Transposição do Rio São Francisco ébastante polêmico. Consiste em desviar as águas pormeio de canais. As águas oriundas da transposição vãobeneficiar os empreendimentos agroindustriaisirrigados. Fortalecendo assim o agronegócio.
  • 128. Vantagens da transposição do São Franciscogarantia de abastecimento das comunidades ao longo dos canais com água de boa qualidade, através dos chafarizes; diminuição da migração e, portanto, retenção de um importante contingente humano na região beneficiada; dinamização das atividades produtivas, gerando mais negócios, empregos e renda;
  • 129. Desvantagens da transposição do São Franciscoaceleração dos processos de desertificação durante a operação do sistema;Perda de terras potencialmente agricultáveis;Interferência sobre a pesca nos açudes receptores;Diminuição da fauna.Modificação no regime fluvial do rio São Francisco;
  • 130. MÚSICA “Sobradinho”
  • 131. REFERÊNCIAS• http://www.greenpeace.org/brasil/pt/Noticias/vit-ria-bunge-rotula-leos-so/• http://www.feth.ggf.br/complexos.htm• http://www.ichs.ufop.br/conifes/anais/OGT/ogt0102.htm• http://pt.scribd.com/doc/56617990/As-duas-faces-do-agronegocio• http://www.educacaopublica.rj.gov.br/biblioteca/geografia/0006.html• http://ct.santoagostinho.com.br/vector/arquivos/plugdados/arquivos/apoio_educ acional/downloads/capitulo_32_o_meio_rural_brasileiro_revisado.pdf
  • 132. OBRIGADA PELA ATENÇÃO Visite nosso blog: Complexos AgroindustriaisEndereço: http://estagiogeo4.blogspot.com.br/FIM!

×