Your SlideShare is downloading. ×
Benchmarking Trabalho Final
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Benchmarking Trabalho Final

33,900
views

Published on


6 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total Views
33,900
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
771
Comments
6
Likes
9
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Benchmarking Sociologia do Trabalho e das Organizações Docente: Pedro Puga Trabalho Elaborado por: Conceição Santo Isabel Félix Marina Martins Teresa Freitas
  • 2. INDÍCE
    • Benchmarking e Globalização
    • Como surgiu o Benchmarking
    • Pioneiro do Benchmarking?
    • O que é o Benchmarking?
    • Objectivo do Benchmarking
    • A prática do Benchmarking
    • Princípios do Código de Conduta
    • Tipos de Benchmarking
    • Processos que desencadeiam a realização do Benchmarking
  • 3. INDÍCE
    • Cinco fases do Processo de Benchmarking
    • Factores de Sucesso do Benchmarling
    • Benefícios do Benchmarking
    • Desafios a ultrapassar
    • Casos de Sucesso de Benchmarking
    • Benchmarking
    • Conclusão
    • Netgrafia/Bibliografia
  • 4. O BENCHMARKING E A GLOBALIZAÇÃO
    • A queda de barreiras comerciais, o rápido avanço tecnológico, a maior disponibilidade de informação e o grande aumento das expectativas dos clientes em todo o mundo são os princípais agentes de mudança que surgem com o fenómeno da globalização.
    • Nas condições actuais de competição, a procura de vantagens competitivas tornou-se um critério indispensável para a sobrevivência das organizações. As mudanças, em todos os níveis, tem ocorrido de uma forma extraordináriamente veloz, e a empresa que não se empenha em acompanhá-las tende a condenar-se ao esquecimento e consequente desaparecimento.
  • 5. O BENCHMARKING E A GLOBALIZAÇÃO
    • Deste modo, a melhoria continua passa a ser uma arma muito poderosa para aqueles que desejam manter-se competitivos. Sem esta consciência e a devida dedicação ao processo de melhoria continua a sobrevivência das organizações pode ficar comprometida.
    • Uma das ferramentas de melhoria mais divulgada é o Benchmarking, que é definido como a procura das melhores práticas que levarão a um desempenho superior.
  • 6. COMO SURGIU O BENCHMARKING?
    • O Benchmarking surgiu como uma necessidade de obter informações e aprender depressa a forma de corrigir os problemas empresariais.
    • O Benchmarking (não designado por este nome na altura) já era utilizado desde o final do Séc. XIX por Frederick Taylor, quando este dividiu o trabalho nas fábricas em diversos processos, permitindo assim a comparação dos mesmos.
  • 7. COMO SURGIU O BENCHMARKING?
    • Durante a 2ª Guerra Mundial as empresas já se comparavam entre si, para determinar padrões de trabalho.
    • Após a 2ª Guerra Mundial os produtos americanos começaram a entrar no Japão, e estes passaram a ser analisados exaustivamente, os Japoneses conseguiram aperfeiçoar alguns desses produtos, dando-lhes melhores qualidades e desempenho.
  • 8. PIONEIRO DO BENCHMARKING
    • É nos EUA que o processo de benchmarking ganha notoriedade, expressão e significado, sendo atribuída á Rank Xerox Corporation o pioneirismo da introdução da prática do benchmarking. Foi no final dos Anos 70 que a Rank Xerox iniciou de um modo formal a utilização desta ferramenta/prática para conseguir ultrapassar as suas desvantagens face á concorrência.
  • 9. O QUE É O BENCHMARKING?
    • O Benchmarking não é mais que um processo, uma pesquisa, uma técnica, uma ferramenta de Gestão através do qual as Empresas/Organizações avaliam o desempenho dos seus próprios processos, sistemas e procedimentos de Gestão, avaliando-os e comparando-os com os melhores desempenhos encontrados noutras Empresas/Organizações. Encontrados esses melhores desempenhos e aplicando-os correctamente á estrutura da organização, pode alcançar uma superioridade e tornar-se assim mais competitiva.
    • Em regra geral são utilizadas como referência de comparação (benchmark) organizações com mais sucesso dentro do mesmo sector de actividade, podendo no entanto essa referência ser de uma organização de outro qualquer sector de actividade.
  • 10. OBJECTIVO DO BENCHMARKING
    • O objectivo do benchmarking é o de facilitar e estimular as mudanças organizacionais e a melhoria de desempenho através da aprendizagem com os outros, portanto deve ser feito de modo a alcançar os seguintes objectivos:
      • Melhorar o processo de trabalho
      • Reformular as estratégias existentes
      • Redução de custos e orçamento
      • Realização de novos empreendimentos
  • 11. A QUEM SE DESTINA O BENCHMARKING?
    • Podem beneficiar desta ferramenta de Gestão:
    • Empresas independentemente da sua dimensão dos seguintes sectores de actividade:
        • Comércio
        • Indústria
        • Construção
        • Transporte e logística
        • Prestação de serviços a outras empresas
        • Outras…
    • Entidades da envolvente empresarial como ferramenta de apoio ao aconselhamento ás empresas suas clientes.
  • 12. A PRÁTICA DE BENCHMARKING
    • A prática do benchmarking consiste na pesquisa dos melhores métodos utilizados nos diferentes processos de negócio e funções empresariais, com especial incidência naqueles cujo impacto, no desempenho, permite assegurar vantagens competitivas.
    • No benchmarking a avaliação e comparação não representam um fim em si, mas um meio para apoiar o processo de melhoria; constituindo-se como uma forma de aprendizagem, dado que a procura de melhores práticas implica uma análise cuidada das diversas formas de implementação dos processos, das metodologias de trabalho e dos diferentes arranjos organizacionais.
  • 13. A PRÁTICA DE BENCHMARKING
    • O exercício termina com a análise de resultados, a definição de recomendações e a sua implementação. Devemos ainda realçar um aspecto crítico no processo de benchmarking - a Ética.
    • As actuais práticas de benchmarking regem-se por princípios próprios, resumidos num código de conduta onde a reciprocidade na partilha e no uso da informação, a confidencialidade e o respeito pela individualidade dos parceiros se assumem como regras invioláveis.
  • 14. PRINCÍPIOS DO CÓDIGO DE CONDUTA
    • Princípio da Legalidade :
    • Não se pode facultar os resultados obtidos num estudo de Benchmarking sem ter consentimento por parte das entidades participantes.
    • Princípio da troca de informações no estudo :
    • Estar disponível para prestar o mesmo tipo de informações que solicitou aos seus parceiros.
    • Princípio da Confidencialidade :
    • A participação de uma empresa num estudo de benchmarking é confidencial, não podendo essa informação ser transmitida para o exterior sem prévia autorização dessa mesma empresa.
  • 15. PRINCÍPIOS DO CÓDIGO DE CONDUTA
    • Princípio da Utilização
    • As informações obtidas com este processo devem ser apenas utilizadas/vistas como uma fórmula de melhoria nunca como um modo de comercializar ou vender.
    • Princípio do 1º contacto:
    • Deve-se respeitar a cultura empresarial das empresas parceiras e trabalhar de acordo com os procedimentos previamente estabelecidos.
    • Deve evitar-se durante uma reunião revelar o nome de um contacto sem que se tenha obtido uma autorização para o fazer.
    • Princípio da preparação :
    • Estar totalmente aberto á troca de informações para que deste modo se tire o maior proveito possível do tempo de benchmarking dos parceiros.
  • 16. PRINCÍPIOS DO CÓDIGO DE CONDUTA
    • Principio da Conclusão:
    • Cada compromisso que foi acordado com os parceiros de benchmarking deve ser estritamente cumprido .
    • Principio da Compreensão e da Acção :
    • Tentar compreender de que modo os seus parceiros de benchmarking gostariam de ser tratados.
  • 17. TIPOS DE BENCHMARKING
    • Benchmarking Interno
        • Benchmarking Competitivo
    • Benchmarking Funcional
    • Benchmarking Estratégico
  • 18. TIPOS DE BENCHMARKING
    • Interno
    • Compara funções dentro da organização, entre departamentos ou entre unidades de negócio é a prática de Benchmarking mais comum e é também muito acessível, no que respeita a informação, o que permite um maior conhecimento dos processos internos da organização, tem contudo limitações dado que as referências são apenas as melhores práticas internas. havendo assim uma menor possibilidade de melhoria.
  • 19. TIPOS DE BENCHMARKING
    • Competitivo ou de Concorrência
    • Compara processos, serviços, produtos e métodos com empresas que são concorrentes directas. existe no entanto alguns obstáculos neste tipo de abordagem, e que se centram-se basicamente na confidencialidade e de encontrar empresas com a mesma actividade que queira partilhar informações ou seja expor as suas fraquezas ou forças. Incide essencialmente em práticas que permitem trazer vantagens competitivas e impulsiona a fixar objectivos a nível estratégico.
  • 20. TIPOS DE BENCHMARKING
    • Funcional
    • Compara actividades funcionais semelhantes em empresas que não são directamente concorrentes. Baseia-se na convicção de que, em grande parte dos casos, as melhores práticas não se encontram no próprio sector. Quer a disponibilidade para partilhar informação, quer o potencial para melhorias mais radicais são superiores.
    • Este tipo de benchmarking, conduz normalmente a resultados e melhorias mais expressivos, embora possa requerer capacidade para proceder a adaptações, de forma a adequar as práticas ao sector onde se pretendem implementar.
  • 21. TIPOS DE BENCHMARKING
    • Estratégico
    • É um tipo de benchmarking com um ponto de vista ainda mais radical, uma vez que promove a análise fundamental de processos que cruzam várias funções em sectores que não estão relacionados.
    • O potencial de inovação vê-se significativamente incrementado, proporcionando a integração de novos conceitos no sector promotor e projectando o seu “estado da arte”. O custo e as complexidades associadas contrapõem-se ao elevado potencial de melhoria e inovação.
  • 22. PR OCESSOS QUE DESENC ADEIAM A REALIZAÇÃO DO BENCHMARKING
    • Listamos a seguir, alguns factores desencadeadores de Benchmarking. Exemplos:
        • Programas de qualidade;
        • Processo de redução de custos/orçamentos;
        • Tentativas de melhorar as operações;
        • Mudanças de gerência;
        • Novas operações/novos empreendimentos;
        • Revisão das estratégias existentes e;
        • Ataques competitivos/crises.
  • 23. CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 1 - Decidir o que se Submeter a Benchmarking 2 - Identificar os parceiros de Benchmarking 3 – Recolha de informação 4 - Análise 5 - Por em Prática
  • 24.
    • Identificar a área ou problema que se quer submeter a estudo;
    • Criar uma equipa de pesquisa
    • Desenvolvimento do plano de recolha de informação
    • Obtenção de apoio por parte da Direcção
    CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 1 - Decidir o que se Submeter a Benchmarking
  • 25.
    • Escolher uma abordagem;
    • Identificar organizações e pessoas que sirvam como referência.
    CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 2 - Identificar os parceiros de Benchmarking
  • 26.
    • Recolher os dados importantes (qualitativos e financeiros concretos), nas organizações escolhidas anteriormente;
    • Realizar visitas aos parceiros
    CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 3 – Recolha de informação
  • 27.
    • Classificar e analisar os dados;
    • Comparar as semelhanças e diferenças com a organização
    • Identificação das acções correctivas
    • Desenvolver um plano de acção
    CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 4 - Análise
  • 28.
    • Executar o plano de acção de acordo com a estratégia da organização;
    • Estabelecer medidas
    • Comunicar resultados.
    CINCO FASES DO PROCESSO DE BENCHMARKING 5 - Por em Prática
  • 29. FACTORES DE SUCESSO DO BENCHMARKING
    • Alguns dos factores:
    • Mudança de atitude/visão da Alta Gestão
    • Disponibilidade em trocar informação
    • Querer aprender com os outros e mudar
    • Ter uma visão de que a concorrência está a melhorar
    • Compreender exaustivamente o seu processo de trabalho
    • Dar importância ás práticas e só depois ás comparações/medições
    • Prática vs treino
  • 30. BENEFÍCIOS DO BENCHMARKING
    • Ao benchmarking estão associados um conjunto de vantagens muito significativas e fundamentais para a Empresa/Organização:
      • Introdução de novos conceitos de avaliação.
      • Identificar as áreas/Departamentos que devem ser alvo de melhorias.
      • Melhorar o conhecimento da própria Empresa/Organização.
      • Estabelecer objectivos realistas e viáveis.
      • Favorecer um melhor conhecimento da concorrência e do nível de comportamento no mercado.
      • Estabelecer critérios de prioridades no Planeamento
      • Aprender com os melhores.
  • 31. DESAFIOS A ULTRAPASSAR
    • Para evitar erros ao utilizar o Benchmarking, é necessário entender bem o conceito. A seguir descrevemos as dez falhas mais comuns que devem ser evitadas para garantir o seu sucesso.
    • 1) Falta de liderança: Para o sucesso do Benchmarking, é preciso um líder.
    • 2) Formação da Equipa : Devem ser os mesmos que
    • trabalham no processo.
    • 3) Equipas que não compreendem bem o seu trabalho : Algumas equipas visitam empresas mundiais com a esperança de aprender como foi alcançado um nível de desempenho
    • superior, mas o que obtêm são apenas informações e não exemplos.
  • 32.
    • 4) Equipas que ambicionam demais: É preciso segmentar os problemas e seleccionar o processo que melhor contribua para os objectivos da organização.
    • 5) Gestores que não compreendem o compromisso necessário.
    • 6) Medições numéricas ao contrário de processos:
    • Saber que um concorrente tem um índice de pontualidade além do nosso, não significa que este índice deva ser a nossa meta, a não ser que tenha sido entendido como um objectivo. Com uma avaliação dos processos mostra-se que se pode fazer igual ou melhor. Enfocar os diferenciais de desempenho é útil para identificar oportunidades de melhoria.
    DESAFIOS A ULTRAPASSAR
  • 33.
    • 7) O não posicionamento do benchmarking dentro de uma estratégia maior:
    • Benchmarking é uma das muitas técnicas de gestão para a qualidade total - tal como solução de problemas, gestão de processos, e reengenharia de processos – o resultado será muito melhor, caso sejam utilizadas juntas.
    • 8) Percepção errada da missão, metas e objectivos da organização: Quando as chefias não conseguem explicar os objectivos e metas, as equipas não estarão preparados para seleccionar os processos mais críticos da organização.
    DESAFIOS A ULTRAPASSAR
  • 34.
    • 9) Assumir que todo o projecto necessita de visitas a outras empresas:
    • Reuniões com organizações bem estruturadas são sempre positivas, mas não necessariamente produtivas para os envolvidos. A experiência tem revelado que, frequentemente, há informação suficiente disponível de domínio público, tornando uma visita a outras empresas desnecessária, por isto não se deve abandonar um projecto porque os custos de visitas são elevados, pois existem informações disponíveis para pesquisa.
    • 10) Não inutilizar o benchmarking:
    • Uma vez que o benchmarking tenha sido concluído para uma área ou processo específico, referenciais de excelência tenham sido estabelecidos e mudanças de processos implementadas, os gestores devem rever o progresso da implementação e dos resultados.
    DESAFIOS A ULTRAPASSAR
  • 35. CASOS DE SUCESSO DO BENCHMARKING
    • Houve entretanto outras empresas que aplicaram com sucesso o Benchmarking, tais como:
      • Alcoa
      • IBM
      • Kodak
      • Motorola
      • Texas
      • Avon
      • Etc....
  • 36. BENCKMARKING
    • Benchmarking é...
    • um processo contínuo
    • uma investigação que fornece informações valiosas
    • um trabalho intensivo, consumidor de tempo, que requer disciplina
    • uma ferramenta viável a qualquer organização e aplicável a qualquer processo
    • Um processo de aprendizagem com os outros
    • Benchmarking não é...
    • Mais um modismo da administração
    • um evento isolado
    • uma investigação que fornece respostas simples e "receitas”
    • cópia, imitação
    • rápido e fácil
  • 37. CONCLUSÃO
    • “ Se conhecermos o inimigo e a nós mesmos, não precisaremos de temer o resultado de uma centena de combates.
    • Se nos conhecermos e não o inimigo, para cada vitória sofreremos uma derrota .
    • Se não nos conhecermos, nem ao inimigo sucumbimos em todas as batalhas”
    • Sun Tzu em
    • “ A arte da Guerra”
  • 38. NETGRAFIA
      • www.iapmei.pt/iapmei-bmkindex.php
      • www.portaldaempresa.pt/CVE/pt/Criacao/PlanearNegocio/Benchmarking/
      • www.umic.pt/index.php?option=com_content&task=section&id=16&Itemid=161
      • www.catim.pt/bench/
      • www.guiarh.com.br/z59.htm
  • 39. BIBLIOGRAFIA Karl öf Bengt, östblom Suante, Benchmarking um marco para a excelência em qualidade e produtividade , Biblioteca de economia e empresa, Publicações D. Quixote Bendell Tony, Boulter Louise, Kelly Jonh, Benchmarking para uma vantagem competitiva , Pensar Gestão.
  • 40. BENCHMARKING
    • GRATOS PELA VOSSA ATENÇÃO!!!!