Mídia e Clamidade - Aristeu Formiga
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Mídia e Clamidade - Aristeu Formiga

on

  • 2,075 views

Durante o Seminário Interno para a Discussão da Catástrofe em Novembro/08, o professor da FURB Aisteu José Formiga de Oliveira que abordou o tema Mídia e Calamidade....

Durante o Seminário Interno para a Discussão da Catástrofe em Novembro/08, o professor da FURB Aisteu José Formiga de Oliveira que abordou o tema Mídia e Calamidade.

Sua explanação avaliou os procedimentos da mídia durante a catástrofe, analisou o papel dos produtores públicos de informação jornalística nas esferas municipal e estadual e, ainda, discutiu o papel que os meios de comunicação assumiram na ocasião da calamidade.

Saiba mais sobre o assunto lendo o artigo Mídia e Calamidade cedido pelo professor Aristeu Formiga para a publicação e divulgação neste blog.

Statistics

Views

Total Views
2,075
Views on SlideShare
2,070
Embed Views
5

Actions

Likes
0
Downloads
4
Comments
0

3 Embeds 5

http://portalpropex.blogspot.com 3
http://www.slideshare.net 1
http://www.portalpropex.blogspot.com 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Mídia e Clamidade - Aristeu Formiga Mídia e Clamidade - Aristeu Formiga Document Transcript

    • A mídia e a calamidade (*) Aristheu Formiga Dentre os fatores presentes na calamidade de novembro no médio vale do Itajaí, um deles teve reflexos significativos na população, que foi a atuação da mídia, dos meios de comunicação de massa. “Deve entender-se como meios de comunicação de massa, todos aquelas disposições da sociedade que se servem, para propagar a comunicação, de meios técnicos de reprodução massiva. Deste modo, se deve pensar sobre livros, revistas e jornais no que se refere ao meio impresso, assim como na reprodução fotográfica ou eletrônica de todo o tipo, na medida em que sua produção seja em grande número e esteja dirigida a receptores desconhecidos”. (Luhmann, 2000, p. 2) Nesta apresentação, faremos 1) uma avaliação dos procedimentos da mídia durante o evento, 2) analisaremos o papel dos produtores públicos de informação jornalística nas esferas municipal e estadual e, 3) que papel assumiram os meios de comunicação de massa, impressos e eletrônicos, no período da calamidade. A escolha destes aspectos a serem analisados não é casual, pois as informações circularam durante o evento principalmente através da mídia. Na impossibilidade da circulação de pessoas, devido a deslizamentos, enxurradas ou enchente, o acesso à informação e a compreensão das ocorrências ocorreu fundamentalmente através da televisão, internet e depois, pelo jornal impresso. Este acesso ocorreu, é claro, onde havia rede elétrica em funcionamento. Uma tragédia anunciada Na avaliação dos procedimentos da mídia, verificamos que esta atuação sofreu diversas modificações, tanto no conteúdo das informações como na forma de sua apresentação, nos jornais e na TV, a medida que a calamidade se desenrolou e seus efeitos e detalhes foram conhecidos. Para melhor compreensão, abordaremos de modo distinto e particular os conteúdos e a forma das notícias e informações nos jornais, internet e na televisão. Na mídia impressa, a chuva persistente já causava deslizamentos na região da Rua Coripós e na Rua Pedro Kraus Sênior, o que, à exceção dos atingidos localmente, era assunto para as páginas internas dos jornais diários.
    • A partir do dia 22 de novembro, os jornais diários relatam a tragédia, em Blumenau, Gaspar, Itajaí e depois em Ilhota. A mancha impressa dos jornais foi ocupada por fotos e relatos da calamidade, porém com pouca um nenhuma explicação, em bases sólidas, sobre o que estava acontecendo. Curiosamente, até a terminologia utilizada para descrever o fenômeno careceu de precisão, na medida em que os jornais utilizavam os termos catástrofe, tragédia e calamidade como se sinônimos fossem, numa tentativa de tornar um espetáculo o evento. No Jornal de Santa Catarina (JSC) do dia 24 de novembro, a manchete é “Tragédia”, ocupa 19 das 32 páginas da edição para tratar o tema, fala que Blumenau está em estado de calamidade pública, e indica o que fazer durante a enchente e apresenta as cotas de enchente das ruas da cidade. O referido jornal da edição de 28 de novembro, tem a manchete “Vamos reconstruir”, repetindo o discurso de autoridades (governador do Estado e prefeito municipal), de que o problema seria contornado com obras civis e restauração da infra-estrutura. Opinião técnica Após o susto inicial, os jornais buscaram dar um significado técnico, além do espetáculo e da informação factual, ao evento. O JSC de 29 e 30 de novembro, registra a fala do prof. Juarês Aumond, quando atribui as causas da tragédia à morfologia do vale, à geologia do vale e ao clima nos últimos meses, apresentando pela primeira vez uma opinião fundamentada tecnicamente. Na contramão do discurso oficial das autoridades, um grupo de professores da UFSC, FURB e Univali publicaram uma coluna no jornal Diário Catarinense de 29 de novembro, sobre o Código Ambiental catarinense, em que listam deslizamentos, erosão pela chuva e ação dos rios como fatores condicionantes diferentes, mas que fazem parte da dinâmica natural do vale do Itajaí, ensejando a necessidade de evoluir a gestão urbana e rural e encontrar instrumentos que permitam a convivência entre cidade, rios e encostas. O jornal Folha de Blumenau, na edição de 3 a 5 de dezembro, registra Pelo menos cinco causas para a tragédia, citando professores da Udesc e da FURB, que seriam as chuvas,
    • rocha, cortes dos morros, mata atlântica e ciliares e o plano diretos da cidade. O espetáculo da tragédia Na produção de informação na televisão e na internet não foi diferente. Na noite de 23 de novembro, as televisões de Blumenau relatavam o nível da água do rio Itajaí-açu, enquanto locutores respondiam e-mails da audiência, opinando sobre enchente, como se a calamidade fosse apenas isto. Formou-se uma rede de solidariedade, envolvendo as emissoras FURB TV, TV Galega e TV Legislativa, onde personalidades e jornalistas se revezavam informando ruas alagadas, locais dos abrigos e o que fazer para deslocar-se. A partir da terça-feira 25 de novembro, os telejornais das redes nacionais transmitiram de Blumenau, falando da tragédia como espetáculo, sem contudo aprofundar a discussão do tema. Trataram da questão como sendo o problema das enchentes no Sul do Brasil. Transmitiram ao vivo do prédio da prefeitura de Blumenau, Willian Bonner, Caco Barcellos, Ana Maria Braga, Roberto Cabrini e José Luiz Datena, apresentado cenas da calamidade em tempo real e solicitando doações de água, gêneros de primeira necessidade e roupas, o que apenas que faltava. Os critérios para a matéria espetáculo, num telejornal de rede, como o Jornal Nacional, devem: “ – Afetar um universo grande de brasileiros; preferencialmente, mais do que uma cidade de porte médio. Isso vale para recursos hídricos, por exemplo. (...) Deve-se considerar também que um telejornal, por se tratar de um programa de televisão, precisa ser interessante. E o interesse público é maior quanto maior for o número de temas abordados numa edição”. (Bonner, 2004: p.112) Então o interesse da matéria, no conjunto do jornal, passa a ser mais importante do que a significação do fato em si, das implicações dele para as pessoas, humanas, concretas. E a realidade foi também construída com os desejos e visões recortadas dos jornalistas, como se “No âmbito do mundo virtual, as coisas, as gentes e as idéias, tanto como as identidades, alteridades,
    • diversidades e desigualdades, parecem mudar de figura e figuração. Como parecem descoladas da experiência, realidade ou existência, aparecem como fantasias do imaginário. Podem ser criações prosaicas ou originais, mais ou menos elaboradas com base na estética eletrônica, de tal modo que muitos, muitíssimos, multidões, são levados a visões do mundo destituídas de tensões e contradições”. (Ianni, 2000: p.75) Quando a maioria das rádios silenciou na noite de 23 de novembro, as informações foram transmitidas através da Rádio Mix FM, sediada em Indaial, que não teve problemas com energia elétrica. Diversos locutores de outras emissoras de Blumenau, que operavam em frequência modulada e ondas médias, passaram a transmitir da Rádio Mix as informações que recebiam. A rádio FURB FM também atuou durante todo o período, repassando as informações que também eram transmitidas através da FURB TV. A rádio AM Nereu Ramos instalou estúdio na prefeitura e transmitiu 24 horas por dia. Ação pública na mídia Os produtores públicos de informação jornalística em Blumenau atuaram a partir da assessoria de imprensa da prefeitura municipal, com duas tarefas principais: a) passar as informações coletadas aos jornalistas e correspondentes dos meios de comunicação de massa e, b) comunicar à população os locais de abrigo, de acesso à serviços de saúde, de distribuição de alimentos e sobre o que fazer em situações de emergência. Esta postura incomodou inicialmente alguns jornalistas, que queriam mostras sangue, destruição e lágrimas. As edições dos jornais de 26 e 27 de novembro, inclusive os telejornais em rede nacional, relatavam uma tragédia sem precedentes, acompanhada pelo número de mortos, desabrigados, estradas, pontes e ruas intransitáveis. A partir do dia 28 de novembro, os meios de comunicação de massa apresentaram informações que acalmaram a população e, paralelamente, ajudaram a convocar os servidores públicos da área de saúde, que ainda não estavam nos seus postos de trabalho. A preocupação em não alarmar a população atingiu até o prefeito João Paulo Kleinübing, que contraiu Leptospirose no dia 23 de novembro, constatou-se clinicamente após dois
    • dias, mas o dado não foi divulgado, vazando a informação apenas um mês depois. A internet também teve importante participação na divulgação das ações desenvolvidas nas áreas atingidas, com o sítio da Prefeitura Municipal de Blumenau registrando acessos entre 7 a 40 mil internautas por dia. Essas informações foram utilizadas pelos veículos de comunicação, para relatar a situação da cidade. Como a coordenação das ações de socorro às vítimas também se localizou no prédio da prefeitura de Blumenau, os jornalistas que transitavam pela assessoria de imprensa passaram também a buscar informações no Centro de Comando das Operações, o que exigiu uma definição de quem estava autorizado a repassar os dados. De forma semelhante, foram estabelecidos três horários diários para comunicação à imprensa, além de entrevista coletiva, marcada para depois da reunião diária da coordenação e dos secretários municipais, às 19 horas. Como era intensa a busca de informações e imagens da calamidade, a assessoria de imprensa fez a escala dos jornalistas e repórteres cinematográficos para sobrevôo das áreas atingidas em aeronaves militares, sempre que havia disponibilidade, ou nos carros anfíbios do Exército. No âmbito do governo do Estado, foram estabelecidas duas coordenações dos serviço de imprensa, uma em Florianópolis e outra em Navegantes, em sala anexa onde funcionou o comando do Batalhão Aéreo da Polícia Militar de Santa Catarina. Vinte jornalistas produziram matérias, fotografias, imagens para TV, além de receber e encaminhar as solicitações dos correspondentes que vieram de outras regiões. Como fazer comunicação na calamidade O papel assumido pelos meios de comunicação de massa na cobertura da calamidade de novembro, mostra interesses não explicitamente revelados, na busca de leitores e na ampliação da audiência, em que os fatos são sacrificados em nome do espetáculo. A informação fica atende à vontade da mídia, não do público, em clara auto referência. “Auto referência é o mesmo que fechamento do círculo: os meios de comunicação falam de si mesmos, criam as notícias que de fato deveriam ser
    • buscadas exteriormente, mantêm-se num procedimento de se citarem mutuamente, em suma, constroem um universo para si próprios e o colocam no lugar do mundo esterno, de todo mundo”. (Marcondes Filho,2000: p. 41) A forma de fazer um programa de TV na Rede Globo, como o Fantástico, os fatos são espetacularizados, conforme o interesse do editor: “A programação acompanha de perto os acontecimentos nacionais, mas só em raras ocasiões os menciona diretamente. Em lugar da menção direta, as imagens e os textos oferecem uma interpretação e um comentário direto”. (Chauí, 2006: p.17) A imagem e o texto acompanham seguem a vontade do editor, conforme o enfoque escolhido para dar significado ao espetáculo. São descartados, neste enfoque: “as características principais da notícia, que são: 1) veracidade; 2) interesse público; 3) ocorrência recente, e 4) proximidade com o destinatário. Estas características remetem a outras questões relacionadas com a notícia (tais como quem escolhe o fato a ser noticiado, quem o declara verdadeiro e de interesse público, a que público ele se destina)”. (Formiga, 2007: p. 25) No caso específico da calamidade de novembro no Médio Vale do Itajaí, o enfoque escolhido foi o da destruição: de residências, da infra estrutura viária, da aparente normalidade cotidiana. Ou seja, o tema subjacente presente na mídia é a necessidade de reconstrução, de utilização adequada do saque do FGTS, a espera das verbas federal como redenção do problema e, secundariamente, entender as diversas determinações da calamidade (não apenas a chuva, o deslizamento a enchente), para evitar repetir comportamentos equivocados. Isto talvez não será possível se não tivermos a possibilidade potencial de retratar a realidade próximo como ela é, de relatar os fatos como eles são. Pois, “(...) enquanto o jornalismo na rede procura suas senhas de identidade, que encontrará cedo ou tarde, seu valor principal é a liberdade. E que a liberdade é
    • o programa que faz os sábios, como dizia esse outro sábio andante, Dom Quixote: ‘A liberdade, Sancho, é um dos mais preciosos dons que os céus deram aos homens; com ela não podem igualar-se os tesouros que a terra esconde nem o mar encobre; Pela liberdade, bem como pela honra, pode-se e deve aventurar a vida e, ao contrário, o cativeiro é o maior mal que pode vir aos homens’. (Vilches, 2006: p.188) Torna-se presente a necessidade de liberdade para ter informação contextualizada, crítica, que possibilite dar significação concreta à realidade vivenciada. (*) Aristheu José Formiga de Oliveira é mestre em Ciências da Comunicação pela USP, jornalista e professor na FURB. (O autor agradece à ex-secretária Municipal de Comunicação de Blumenau, Fabrícia Durieux Zucco e à jornalista da Defesa Civil de Santa Catarina, Ana Paula Zenatti, pelas informações prestadas) Referências BONNER, William. A notícia na TV: critérios de seleção e decisão no telejornalismo, in Manual de Comunicação e meio ambiente, Marcello Vernet de Beltrand (org.). São Paulo: Peirópolis, 2004; CHAUÍ, Marilena. Simulacro e poder. São Paulo: Fundação Perseu Abramo, 2006. FORMIGA, Aristheu. Vende-se a notícia: a notícia como mercadoria em jornais catarinenses. Blumenau: Edifurb, 2007. IANNI, Octavio. O príncipe eletrônico, in Desafios da comunicação, Hélio Solva (org.). Petrópolis: Vozes, 2000 LUHMANN, Niklas. La realidad de los médios de massas. Rubi (Barcelona)/ Anthropos Editorial (México): Universidad Iberoamericana, 2000. MARCONDES FILHO, Ciro. A saga dos cães perdidos. São Paulo: Hacker Editores, 2000. VILCHES, Lorenzo. Migrações midiáticas e criação de valor, in Sociedade mediatizada, Denis de Moraes (org.). Rio de Janeiro: Mauad, 2006.