Economia das Mudanças Climáticasnte
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Economia das Mudanças Climáticasnte

on

  • 2,321 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,321
Views on SlideShare
2,319
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
29
Comments
0

1 Embed 2

http://www.projetobr.com.br 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Economia das Mudanças Climáticasnte Economia das Mudanças Climáticasnte Document Transcript

  • Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada – IPEA Diretoria de Estudos Regionais e Urbanos – DIRUR Coordenação de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável Economia das Mudanças Climáticas José Aroudo Mota Jeferson Gazoni Geraldo Sandoval Góes RESUMO As mudanças climáticas já estão afetando as sociedades e suas economias. Perdas na produção agrícola, destruição de infra-estruturas entre outros já causaram grandes prejuízos. Além disso, previsões sugerem que as nações deverão ter ainda maiores prejuízos advindos das alterações do clima durante o século XXI. Neste sentido, este trabalho se propôs a analizar os possíveis impactos das mudanças climáticas projetados para o Brasil. De maneira geral, o aumento da temperatura em todo o país, a redução das médias de precipitação ao norte e o aumento da precipitação no Centro-Sul deverão alterar o meio físico, inclusive a disponibilidade hídrica. As mudanças climáticas possuem um grande poder transformador. Neste contexto, o engajamento do governo e da sociedade brasileira em ações de mitigação e adaptação é fundamental para que se possa buscar alternativas que promovam menores prejuízos ao longo do século XXI. Palavras-chave: mudanças climáticas, aquecimento global, desenvolvimento sustentável, Economia.
  • 1 Introdução Em poucas décadas, o sistema econômico dominante evidenciou sua incapacidade de internalizar os custos e benefícios ambientais das atividades econômicas. Danos ecológicos e sociais são exemplos do problema. O conceito de progresso associado à idéia de perfeição, evolução e crescimento rumo a uma etapa final de desenvolvimento e modernidade passou a vigorar como norma no período pós-industrial pela maioria dos países que escolheram seguir o padrão ocidental de desenvolvimento. O acelerado aumento do consumo dos recursos naturais desde então, vem promovendo alterações ambientais cada vez em maior velocidade, intensidade e amplitude (DUARTE; WEHRMANN, 2002). Como tem ocorrido com o clima global. As recentes alterações no clima não são fenômenos unicamente naturais. As ações antrópicas, especificamente o aumento da emissão de gases promotores do efeito estufa por meio de queima de florestas, uso de combustíveis fósseis, entre outros, têm alterado o comportamento do sistema global como apontado em diversos trabalhos (CROWLEY, 2000; MANN; BRADLEY; HUGUES, 1999; WWI, 2006). Essas alterações podem impedir a manutenção dos ecossistemas em seus estados atuais, o que afetaria de diferentes formas a sociedade e a economia, incluindo, alterações na produção de alimentos, disponibilidade de água potável, produção de energia e saúde. As previsões mais recentes sugerem um aquecimento médio de 0,2°C por década até o final do século XXI. Os impactos das mudanças climáticas, entretanto, não deverão ser distribuídos de forma eqüitativa, identificou-se que a Europa, a África e o sudeste asiático deverão ser as áreas mais afetadas. Segundo o Intergovernamental Panel on Climate Change (IPCC, 2007), as mudanças climáticas inicialmente poderão ter efeitos positivos para alguns países, mas é provável que sejam prejudiciais a partir dos aumentos na temperatura previstos até meados do século. 2 As mudanças climáticas no contexto mundial O aquecimento global é um fenômeno que envolve o incremento na capacidade da atmosfera em reter calor. Isto decorre de aspectos naturais e socioeconômicos relacionados principalmente as dinâmicas do clima global e as mudanças dessas dinâmicas pelas atividades humanas (Figura 1). A humanidade contribui por meio da emissão de gases que colaboram para o aumento dessa retenção. Esses gases são comumente conhecidos como “gases de efeito 2
  • estufa” (GEE). Apesar de este fenômeno ser fundamental para o desenvolvimento e manutenção da vida, pois permite o aquecimento da superfície e da atmosfera (em baixas altitudes), as alterações recentes na quantidade de emissões antrópicas elevaram os níveis de concentração de GEE a níveis nunca observados nos últimos 650 mil anos (PETIT et al., 1999). Alteração de Concentração de temperatura GEE’s na atmosfera Ocorrência de Mudança na eventos climáticos Aumento do nível precipitação extremos do mar Emissão de GEE’s Modificação dos Alteração de recursos hídricos ecossistemas Padrões de produção e consumo Saúde População Figura 1: modelo básico das inter-relações entre emissões antropogênicas e mudanças climáticas * Organização dos autores Aproximadamente 99% da nossa atmosfera é constituída de nitrogênio (N2) e oxigênio (O2). Entre os outros componentes, o dióxido de carbono (CO2), o metano (CH4), o óxido nitroso (N2O), além do vapor d’água (H2O), são os principais gases que, na atmosfera, promovem a ampliação da retenção da radiação infravermelha emitida pela terra (STERN, 2006a). Nesse sentido, o CO2 é o gás que mais tem contribuído para o aquecimento global, principalmente, devido a suas altas taxas de emissão. A Figura 2 destaca a contribuição dos gases nas emissões antropogênicas globais e as respectivas fontes de emissão. O CO2 representa cerca de 77% do total de emissões, o CH4 corresponde a 14% das emissões e o N2O representa 8% do total de emissões humanas (IPCC, 2007). No Brasil, as emissões representam cerca de 3% das emissões globais. Estima-se que 70% das emissões são provenientes da mudança no uso do solo, principalmente, o 3
  • desmatamento e 30% da emissão de combustíveis fosseis. Destes, 71% são provenientes do uso de combustíveis líquidos, 15,6% da queima de carvão mineral e 4% de gás natural (HOUGHTON; SKOLE; NOBRE, 2000). Figura 1: Emissões globais e fontes antropogênicas das emissões de GEE’s Fonte: adaptado a partir de IPCC (2007) Apesar disso, freqüentemente, gestores públicos e instituições empresariais têm afirmado que o conhecimento sobre as mudanças climáticas é ainda insuficiente para justificar alterações nas agendas governamentais. Ponto de vista que não diverge muito da percepção da sociedade em geral, especialmente, em relação à urgência da adoção de medidas de redução da emissão de gases promotores do aquecimento global. Esses argumentos são fundamentados principalmente na idéia de que até mesmo os cientistas não chegaram a um consenso acerca da existência de relações concretas entre as atividades humanas e as alterações climáticas globais. Todavia, não se constatam divergências significativas no meio científico. Em um trabalho sobre a posição dos autores que publicaram sobre o tema “mudança climática global” (global climate change) em periódicos da base ISI Web of Knowledge entre 1993 e 2003, Oreskes (2004) avaliou 928 artigos e expôs que 75% dos autores concordaram com as causas antropogênicas do aquecimento global; 25% não tomaram posição sobre a questão; e nenhum discordou. Sobre este aspecto, Stern afirmou que The evidence that climate change is in large measure anthropogenic and set on a very worrying path grows ever stronger. There are a few scientists, who still dispute the argument and/or evidence, but they are a small minority and their positions become weaker as the evidence accumulates (2006b, p. 2). 4
  • Entretanto, visões míopes criam um ambiente favorável à adoção da posição de que a questão das mudanças climáticas é um problema exclusivamente ambiental, remetendo os estudos realizados a um lugar comum, um “discurso ambientalista”. Mas, é urgente compreender que apesar de possuir um componente ambiental evidente, as mudanças climáticas não são somente um problema ambiental, é uma grave ameaça ao sistema socioeconômico. A fim de melhorar o nível de conhecimento científico acerca dessas mudanças por intermédio da análise das informações científicas, técnicas e socioeconômicas relacionadas ao fenômeno do aquecimento global e seus efeitos, a Organização Meteorológica Mundial (WMO) e o Programa das Nações Unidas para o Meio Ambiente (PNUMA) criaram em 1988 o Painel Intergovernamental de Mudanças Climáticas (Intergovernmental Panel on Climate Change - IPCC). O IPCC subsidia as negociações internacionais para mitigação desses impactos. Muitos foram os impactos nos ecossistemas correlacionados às mudanças climáticos já registrados na literatura. Segundo o Relatório do quarto grupo de trabalho do IPCC (2007), onze dos últimos doze anos estão entre os doze mais quentes desde 1850. No hemisfério norte, as temperaturas durante a última metade do século XX foram muito maiores que as de qualquer outro período de 50 anos nos últimos 500 anos e maiores que qualquer outro nos últimos 1300 anos. O nível do mar, desde 1993, teve seu aumento estimado em 3,1mm/ano (2,4 a 3,8) devido principalmente, segundo o Relatório, ao aquecimento e, conseqüentemente, ao derretimento de glaciares e capas de gelo polares. O aumento na intensidade dos ciclones registrados no Atlântico Norte desde 1970 também é evidente. Além disso, alterações nos regimes de chuvas foram observadas desde o início do século XX. Desde então, as precipitações aumentaram significantemente no leste da América do Norte e América do Sul e no norte na Europa e Ásia Central, entretanto, apresentaram-se declínios na região do Mediterrâneo, sul da África e partes do sudeste asiático (IPCC, 2007). O estudo destacou que a biodiversidade foi afetada de diferentes formas pelas atividades humanas e transformações ambientais em todas as regiões do planeta. Segundo o Relatório, transformações nos ecossistemas terrestres estão sendo relatados e relacionados ao aquecimento, e nas áreas marinhas, fluviais e lacustres, afetando algas, plânctons e peixes. Neste caso, a principal causa da perda de biodiversidade relatada tem sido o aumento da temperatura das águas. 5
  • Em um estudo sobre as mudanças climáticas na América Latina, Magrin et al. (2007) apontaram eventos climáticos extremos, tais como: as intensas chuvas na Venezuela em 1999 e 2005, as tempestades de raios na Bolívia em 2002, o furação Catarina no Atlântico Sul em 2004. O estudo mostrou alterações nos regimes de precipitação, incluindo, o aumento das chuvas no Paraguai, Uruguai, Argentina e sudeste do Brasil, a redução das mesmas no sul do Chile, sudoeste da Argentina, Peru e oeste da América Central. Destacam-se ainda, as secas na Bolívia em 2004, no Paraguai em 2005 e na região do Chaco na Argentina em 2004, que deixou perdas estimadas em US$ 360 milhões. Webster et al. (2005) destacaram os recordes de furacões na região do Caribe. Em relação a aumentos de temperatura, Ferraz et al. (2006) as identificaram em quase todas as regiões da América Latina. No Brasil, são citados na literatura, entre outras: a grande seca na Amazônia em 2005 (MAGRIN et al., 2007), a onda de calor em setembro de 2004 na qual a temperatura esteve 4°C acima do habitual durante alguns dias e causou prejuízos estimados em US$ 50 milhões somente no Estado de São Paulo (FIORAVANTI, 2006) e o inédito Furacão Catarina, que atingiu o sul da costa brasileira em 2004. Neste contexto, é crucial compreender o sistema climático global para se estabelecer as mais eficazes políticas de enfrentamento a este que pode ser entendido como o maior desafio da civilização neste século (SCHIERMEIER, 2007). Devem ser desenvolvidos modelos capazes de predizer o comportamento do sistema climático sobre diversas influências para que sejam desenvolvidos os mecanismos mais adequados ao enfrentamento do problema. A publicação do IV Relatório do IPCC (2007) evidenciou uma ampliação da compreensão das mudanças climáticas e contribuiu para destacar o homem como um importante vetor dessas mudanças. O Relatório apresentou diversos cenários para o século XXI. As projeções do IPCC basearam-se em modelos utilizados para estabelecer a importância de diferentes fatores no aquecimento global. Tais modelos basearam-se em dados sobre emissões antropogênicas de gases causadores de efeito estufa e aerossóis, gerados a partir de 35 diferentes cenários. Entre os cenários, o IPCC destacou em seu relatório os resultados das projeções baseadas em seis deles (Tabela I). Os cenários foram projetados a partir da estimativa de emissão de CO2 até 2100. Os cenários B1, A1T, B2, A1B, A2 e A1FI correspondem aos resultados para as respectivas emissões em 2100: 600, 700, 800, 850, 1250 e 1550 ppm. Os cenários sugerem um aumento médio de temperatura superficial do planeta entre 1,1 e 6.4º C 6
  • neste século. O nível do mar deve subir de 0,18 a 0,59 metros nesse mesmo período (IPCC, 2007). Em geral, a resposta dos sistemas ambientais ao aumento de temperatura é, geralmente, realizada de forma gradual. Entretanto, diversas pesquisas têm mostrado que esta mudança gradual dos estados dos ecossistemas tem sido interrompida por uma rápida e drástica mudança para novos e contrastantes estados. Segundo Scheffer et al. (2001, p. 591), recentes estudos sugeriram que a superação de certos limites (resiliência) nos ecossistemas1 é geralmente um dos aspectos que promovem a abrupta reorganização deste para um estado alternativo de equilíbrio dinâmico. Tabela I: Estimativas do IPCC para variação de temperatura e nível do mar até o fim do século XXI Alteração de temperatura Aumento do nível do mar (°C em 2090-2099 relativo a 1980-1999) (m em 2090-2099 relativo a 1980-1999) Cenário estimativa variação variação* B1 1.8 1.1 - 2.9 0.18 – 0.38 A1T 2.4 1.4 – 3.8 0.20 – 0.45 B2 2.4 1.4 – 3.8 0.20 – 0.43 A1B 2.8 1.7 – 4.4 0.21 – 0.48 A2 3.4 2.0 – 5.4 0.23 – 0.51 A1FI 4.0 2.4 – 6.4 0.26 – 0.59 Fonte: IPCC (2007) * excluído do modelo possíveis mudanças bruscas no derretimento do gelo. A resiliência foi definida por Folke et al. (2004, p. 558) como “[…] a capacidade de um sistema em absorver distúrbios e se reorganizar enquanto se modifica apenas para manter essencialmente sua função, estrutura, identidade, e retroações”. As pesquisas, cada vez em maior número e qualidade, estão destacando que os ecossistemas e serviços ambientais que eles proporcionam podem ser transformados pela ação humana um menos produtivo ou indesejado novo estado. O IPCC (2007) destacou alguns sistemas que são mais propensos a serem afetados pelas alterações previstas no clima, tais como: 1) tundra, floresta boreal e regiões montanhosas pela suas sensibilidades ao adoecimento; 2) ecossistemas típicos mediterrâneos e florestas tropicais, devido à redução da incidência de chuvas; 3) áreas costeiras, com alterações de habitats devido ao aumento dos níveis do mar; 4) recifes de coral, que são muito sensíveis ao aquecimento da água; 5) recursos hídricos, em algumas regiões de meia altitude e nos trópicos secos, tendem a ter alterados o regime de precipitações e de evapotranspiração, podendo levar 1 Ecossistemas são complexos, “[...] sistemas adaptáveis que se caracterizam por dependência histόrica, dinâmicas não lineares e possuem previsibilidade limitada” (LEVIN, 1999, p. 434). 7
  • a escassez; 6) as áreas costeiras devem sofrer com o aumento do nível do mar e podem sofrer eventos climáticos extremos; e 7) a saúde humana pode ser afetada pela baixa capacidade adaptativa de determinadas populações. Nobre et al. (2007) chamaram a atenção para limites climáticos perigosos. Segundo os autores, com aumento de 0,6°C ocorrerá branqueamento de corais e perda de gelo no oeste da Antártica. Há 0,7°C de variação desaparecerá a geleira do Kilimanjaro. Com 1°C desaparecerão as geleiras dos Andes tropicais. Com 1,6°C se iniciará o derretimento da geleira da Groenlândia. Entre 2°C e 3°C haverá colapso na Floresta Amazônica e a 4°C de aumento, está previsto o colapso da corrente termohalina. Para Cox e Stephenson (2007), as maiores fontes de incertezas concentram-se na dificuldade de previsão para o comportamento das emissões antropogênicas futuras; nos parâmetros utilizados para explicar os processos climáticos e nos riscos de mudanças climáticas abruptas causadas por retroações positivas no ciclo do carbono. Os autores sugeriram que esses aspectos não foram suficientemente aprofundados pelo modelo utilizado pelo IPCC. Na abordagem do IPCC, as possíveis emissões futuras de gases promotores do efeito estufa e aerossóis são geradas com modelos socioeconômicos que levam em conta as linhas históricas de crescimento global, desenvolvimento econômico, uso e origem de energia. Estes cenários de emissão são usados para rodar os modelos de ciclo de carbono atmosférico que simula mudanças na concentração de gases de estufa e aerossóis. Os cenários de concentração resultante são incluídos em modelos de circulação geral do sistema climático, o que gera cenários de mudanças climáticas que são utilizados então, para rodar modelos de impactos nos sistemas ecológicos e socioeconômicos. É necessário compreender que as previsões das mudanças climáticas são realizadas a partir de dados disponíveis, estimativas e modelos. Para Schiermeier (2007), podem ocorrer fenômenos não previstos por ser um processo de aproximação, onde há aprendizado constante. Todavia, pode-se questionar se a capacidade dos pesquisadores será suficiente para desenvolver a tempo hábil resultados cada vez menos controversos. Entretanto, Rahmstorf et al. (2007) ao compararem as projeções climáticas utilizadas pelo IPCC em 2001com as alterações identificadas desde então, concluíram que não houve relevantes diferenças, houve uma pequena subestimação pelo IPCC do aumento dos níveis do mar. Além das projeções globais, o IPCC (2007) desenvolveu projeções para continentes e regiões. Os resultados para a África mostraram que por volta de 2020, entre 75 e 250 milhões de pessoas sofrerão com a falta de água. Em alguns países, a produção agrícola pode reduzir 8
  • em até 50%, inclusive, comprometendo o acesso a alimentos que deve gerar um aumento de desnutrição. Até o fim do século, o aumento do nível dos oceanos afetará grande parte das áreas costeiras que abrigam grandes populações. E, um aumento de 5% a 8% de áreas áridas e semi-áridas. Na Ásia (centro, sul, leste e sudeste), na metade do século, a disponibilidade de água potável deverá reduzir drasticamente. As áreas costeiras, especialmente, muitas das áreas populosas localizadas junto a deltas deverão sofrer inundações. As mudanças climáticas causarão aumento de pressão sobre os recursos naturais aliados a grande urbanização, industrialização e desenvolvimento econômico. As previsões para a Austrália e Nova Zelândia mostram que por volta de 2020 grande perda de biodiversidade deverá ocorrer, incluindo a morte da grande barreira de corais. Em 2030 são previstos problemas de disponibilidade de água e a produção agrícola deve ser reduzida, assim como as áreas florestais do sul da Austrália. No leste da Nova Zelândia são previstos aumentos de secas e queimadas. Em 2050 o crescimento urbano e populacional das áreas costeiras sofrerá com o aumento dos riscos de inundações e tempestades. Na Europa, as projeções sugerem que as disparidades regionais serão acentuadas em relação aos recursos naturais. São previstas rápidas inundações nas áreas baixas interiores, maior freqüência de inundações nas áreas costeiras incluindo, aumento das erosões relacionadas a tempestades mais intensas e aumento dos níveis dos oceanos. Nas áreas de montanha, haverá retração dos glaciares e redução da cobertura de neve e turismo de inverno, com grande perda de espécies (cerca de 60% no cenário A2 até 2080). Ao sudeste, estão previstas altas temperaturas e longas secas, em uma região muito vulnerável a mudanças climáticas com redução da disponibilidade de água, potencial energético, turismo litorâneo e produtividade pesqueira. Projetam-se para a América do Norte, nas áreas montanhosas a oeste, redução de neve, inundações e aumento de conflitos pelo acesso aos recursos hídricos. No início do século, pode haver aumento de 5% a 20% na produção agrícola com grandes variações regionais, entretanto, a redução dos recursos hídricos durante o século deverá prejudicar gravemente esta produção. As cidades devem esperar ondas de calor cada vez mais intensas e freqüentes com potenciais impactos para a saúde humana. Nas regiões polares as projeções destacam a redução dos glaciares, capas de gelo e gelo marinho. Mudanças nos ecossistemas com efeitos perversos sobre grande diversidade de 9
  • organismos, incluindo aves migratórias, mamíferos e grandes predadores. E, redução da capacidade de defesa contra espécies invasoras. Nas pequenas ilhas, o aumento do nível do mar deverá aumentar à freqüência de inundações, tempestades, erosões, e outras catástrofes costeiras prejudicando a infra-estrutura de suporte a vida nas ilhas. Deterioração e morte de corais e recursos costeiros. Até a metade do século a água potável das ilhas deverá reduzir até ser insuficiente para as necessidades locais. Com as altas temperaturas, aumentarão as invasões de espécies não nativas principalmente nas de médias e altas latitudes. Na América Latina, as previsões do IPCC (2007) apontam para uma redução significativamente na disponibilidade de água para o consumo humano, agricultura e geração de energia devido a mudanças nos regimes de precipitação e desaparecimento de glaciares. O aumento do nível dos oceanos deve causar aumento de risco de inundações em áreas costeiras. O aumento de temperatura prevista para o meio do século associada com decréscimo da água do solo tende a reorganizar a localização das florestas tropicais e a substituí-las por savana no leste da Amazônia. Nas áreas áridas, as mudanças climáticas devem provocar salinização e desertificação de áreas agricultáveis. A produtividade de elementos importantes deverá diminuir e o estoque de recursos deve decrescer com conseqüências drásticas para a segurança alimentar. Nas zonas temperadas, as plantações de soja devem aumentar. Além dos estudos do IPCC, são diversos os trabalhos com foco em impactos das mudanças climáticas na América Latina (ACEITUNO, 2007; MARENGO, 2007). Barbassa (2007) estudou os efeitos das alterações do clima na Patagônia, Península Antarctica e Terra do Fogo, e sugeriu que serão perdidos até o fim do século, 95% dos glaciares. Previu ainda, problemas estruturais nas edificações e estradas nas regiões de montanha provocadas por grande ocorrência de eventos catastróficos. 3 Projeções para impactos das mudanças climáticas nas Regiões do Brasil Para o Brasil, as previsões dos efeitos das mudanças climáticas não são menos intensas (Quadro 1). Os trabalhos localizados concentram-se principalmente nas regiões Norte e Nordeste. Na Região Norte, a economia baseia-se principalmente em atividades industriais e mineração, incluindo a extração de petróleo e gás, extrativismo vegetal, agricultura e turismo. A atividade industrial é representada pela Zona Franca de Manaus e por indústrias isoladas voltadas principalmente para o beneficiamento da produção agrícola ou do extrativismo. A 10
  • Zona Franca abriga cerca de 500 indústrias em sua grande maioria de produtos eletrônicos cujos materiais são trazidos de fora da região. Região Impacto previsto Fontes Grande parte do bioma Amazônico, no leste da região, deverá ser Cramer et al. (2004) sobreposto por Savana Nobre et al. (2007) Marengo (2007a) Secas durante os períodos mais quentes do ano Wara; Ravelo; Delaney (2005) Aumento da incidência de incêndios florestais Nepstad et al. (2001) Jones et al. (2003) Perda de florestas no norte da Amazônia Cox et al. (2004) Inundações e erosões nas áreas mais baixas e próximas ao litoral IPCC (2001) Norte Moreira (1986) Aumento na incidência de doenças como malária e dengue Lieshout et al. (2004) Sazonalidade das precipitações deverá afetar a quantia e Carpenter et al. (1992) variabilidade de fluxo de água na bacia do Amazonas e alterações Lake et al. (2000) na distribuição de espécie aquáticas Higgins (2007) Miles; Grainger; Phillips Perda de biodiversidade (2004) Latini; Petrere Jr, (2004) Áreas semi-áridas e áridas deverão sofrer uma redução dos IPCC (2007) recursos hídricos e a vegetação semi-árida provavelmente será substituída por uma vegetação típica da região árida Perda de áreas litorâneas para o mar Marengo (2007b) Nordeste O aumento de temperatura do ar deve gerar maior evaporação na Araujo; Doll; Guntner (2006) região, reduzindo o volume de água armazenada no solo e WWF (2006) gerando deficiência no balanço hidrológico. Redução da agricultura de subsistência e na capacidade de Marengo (2007b) irrigação Krol; Bronstert (2007) Chuvas até três vezes mais freqüentes que na atualidade com Hulme; Sheard (1999) aumento do fluxo dos rios e conseqüentemente, maiores Centro- inundações. Oeste Redução da biodiversidade Marengo (2007b) Perda de áreas agricultáveis Magrin (2007) Aumento da incidência de casos de malária Lieshout et al. (2004) Aumento de precipitação principalmente na parte sul da região IPCC (2007) deverá aumentar a freqüência e da intensidade das inundações nas grandes cidades Sudeste Inundações e grandes erosões na região do Vale do Dominguez; Martin; Jequitinhonha/SP Bittencourt (2006) Perda de áreas agricultáveis Magrin (2007) Picos de temperatura mais intensos, com impactos na agricultura, Marengo (2007b) na saúde da população e na geração de energia elétrica Esteves; Williams; Dillenburg Inundações e erosões nas áreas costeiras devido ao aumento dos (2006) níveis do mar Perda acentuada na produção de grãos Siqueira et al. (2000) Sul Cheias, inundações e aumento de processos erosivos devido ao Mendonça (2007) aumento de precipitação Perda de florestas de araucárias Marengo (2007b) Aumento dos casos de leishmaniose Peterson; Shaw (2003) Quadro 1 - Previsões de impactos por região geográfica no Brasil. * Organização dos autores. 11
  • Na agricultura, houve uma ampliação recente no cultivo da soja, do arroz, do guaraná, da mandioca, do cacau, do coco, da pimenta-do-reino e do maracujá. No Tocantins, na área de cerrado, grandes porções de território estão sendo utilizados para o cultivo da soja. No Acre, as terras férteis impulsionam uma nova fronteira agrícola, incluindo o cultivo de cana- de-açúcar. A criação de gado bovino, apesar do bioma amazônico não ser adequado, é praticada de forma extensiva e tem avançado principalmente nas proximidades dos grandes eixos rodoviários: Belém - Brasília e Brasília - Rio Branco. É impulsionada pelos grandes investimentos transnacionais nas propriedades ocupadas pela atividade na região. A produção de energia é limitada pela topografia regional. Como a grande maioria dos rios da região localizadas em planícies, e em meio a florestas, muitas são as críticas a implantação de hidrelétricas ou termoelétricas na Região. A Figura 3 apresenta previsões para impactos regionais. Os estudos sugerem que deverá ocorrer aumento na intensidade de secas durante períodos mais quentes do ano. Devem ocorrer eventos climáticos extremos (secas e inundações). Projeta-se aumento de temperatura adicional no verão em regiões importantes. Grandes perdas de biodiversidade deverão ocorrer com um aquecimento de 2°C a 3°C acima dos níveis pré-industriais e o aumento na temperatura e a diminuição de água no solo deverão levar à savanização na região leste (NOBRE et al., 2007; CRAMER et al., 2004). Apesar desta catástrofe anunciada, pode-se questionar que é o clima que terá características de savana e não toda a floresta que desaparecerá de imediato, pois, o tempo biológico para esta transformação seria necessariamente mais extenso. Este processo também deverá criar condições favoráveis ao aumento na incidência de incêndios florestais cada vez mais intensos e com maior dificuldade de controle devido a redução da umidade na floresta (NEPSTAD et al., 2001). Sugere-se ainda, um aumento na incidência de doenças tropicais como malária e dengue, devido principalmente a maiores temperaturas e pela transformação de habitats (LIESHOUT et al., 2004). A área da região onde se prevê a maior redução de precipitação é junto à foz do Rio Amazonas. Aliado a maiores períodos de seca, redução da vazão do rio e aumento dos níveis do mar, espera-se maior incidência de inundações e erosões nas áreas mais baixas próximas ao litoral (IPCC, 2001; 2007). A redução do volume de água na bacia do rio Amazonas poderá provocar uma nova estrutura na distribuição das espécies aquáticas (LAKE et al., 2000). Fenômeno que pode provocar redução de biodiversidade e alteração na disponibilidade 12
  • de pescado em algumas áreas. Além disso, com a elevação da temperatura e redução da precipitação sobre o extremo norte da região (Jones et al., 2003), as florestas poderão entrar em colapso devido a retroações positivas no ciclo do carbono (COX et al., 2004). Perda de florestas Inundações e erosões na área norte nas áreas mais baixas e próximas ao litoral Aumento na freqüência Sobreposição de grande e intensidade de secas parte do bioma durante os períodos amazônico, no leste da mais quentes do ano região, por vegetação de savana Aumento na incidência de doenças Perda de como malária e dengue biodiversidade Figura 1 - Possíveis impactos das mudanças climáticas na Região Norte. Fontes: XXXXXX - Organização dos autores. Figura 3: Impactos projetados para a Região Norte do Brasil. * Organização dos autores O impacto mais mencionado na literatura para a Região Norte é a grande perda de biodiversidade (HIGGINS, 2007; MILES; GRAINGER; PHILLIPS, 2004), em grande parte, ainda não identificada. Isto é, espécies que ainda não foram catalogadas ou estudadas, cujos benefícios potenciais à sociedade humana ainda não foram estimados. Com 1.558.196 Km2, a Região Nordeste abriga cerca de 52 milhões de habitantes, tem sua economia baseada na agricultura, pecuária, indústria e turismo. A principal cultura agrícola é a cana-de-açúcar, que é cultivada principalmente em Alagoas, Pernambuco e Paraíba. O algodão, o tabaco, o caju, a mamona e as frutas (uva, manga, melão, acerola) que são cultivadas para consumo interno ou exportação são importantes produções agrícolas regionais. Além destes, o feijão e a soja são culturas regionais importantes. A pecuária é marcada principalmente pela criação de gado, cujos maiores rebanhos encontram-se na Bahia, Pernambuco e Piauí. Nas áreas mais áridas, aparece a criação de animais mais resistentes como suínos, ovinos e aves. A indústria concentra-se nas principais regiões metropolitanas (Recife, Salvador, Fortaleza). Destacam-se as produções de aço, produtos eletrônicos e produtos petroquímicos. A indústria petrolífera explora o litoral e a plataforma continental de vários estados na região, sendo os principais produtores o Rio Grande do Norte, a Bahia e Sergipe. Também é relevante a presença de indústrias de calçados, tecidos e sal marinho. 13
  • O turismo é outra importante atividade econômica regional. Motivado principalmente pelas praias e pela cultura agregada a estas. Essa atividade, além de ser responsável por um grande volume de ingressos regional, tem importante contribuição na geração de empregos diretos e indiretos, formais e informais. Entretanto, ainda restrito as áreas litorâneas. Na região (Figura 4), áreas semi-áridas e áridas devem sofrer uma redução dos recursos hídricos e parte da vegetação semi-árida provavelmente será substituída por uma vegetação típica da região árida (IPCC, 2001; 2007). A recarga estimada dos lençóis freáticos irá diminuir dramaticamente em mais de 70% no nordeste brasileiro até meados do século. Segundo um estudo do WWF (2006), de 38% a 45% das espécies da flora do cerrado correm grande risco de extinção se a temperatura aumentar em 1°C. Redução do volume de água armazenada no Perda de áreas litorâneas solo, gerando deficiência devido ao aumento dos no balanço hidrológico. níveis do mar. NORDESTE Parte da vegetação semi-árida Redução da agricultura de provavelmente será substituída subsistência e na capacidade por uma vegetação típica de de irrigação. regiões áridas. Figura 4: Impactos das mudanças climáticas na Região Nordeste. * Organização dos autores. Em um futuro não distante, pode-se esperar que o aumento da evaporação leve a uma redução do volume de água armazenada no solo causando um déficit hidrológico, provocando uma redução na agricultura de subsistência e perda de capacidade de irrigação (ARAÚJO; DOLL; GUNTNER, 2006). Fatores que podem contribuir para o aumento da pobreza e da migração, principalmente para as cidades litorâneas mais próximas. Fenômeno que pode levar a um agravamento dos problemas sociais já existentes nos grandes centros urbanos do Nordeste e do Brasil. Além desses impactos, Marengo (2007b) aponta para a perda de porção significativa do território litorâneo devido ao aumento do nível do mar. Em Recife, a faixa costeira já recuou cerca de 80 metros entre 1915 e 1950, e aproximadamente 25 metros entre 1985 e 1995. 14
  • A segunda maior região do país, o Centro-Oeste possui uma área de 1.606.371,5 Km2, entretanto é a região menos populosa, apresentando concentrações urbanas e grandes vazios populacionais. As principais atividades econômicas da região são o extrativismo mineral e vegetal, a agricultura, a pecuária e a indústria. Esta última, ainda pouco expressiva. A extração mineral concentra-se na exploração de ferro, manganês e cristal de rocha. Utilizados para consumo interno e exportação (Estados Unidos, Japão, Argentina e Uruguai), mas ainda pouco expressiva. Ao contrário, o extrativismo vegetal é uma relevante atividade econômica do Centro-Oeste, em especial nas áreas mais distantes dos centros urbanos. Na área norte (floresta amazônica) extrai-se borracha e madeira, no sudeste do Mato Grosso, extrai-se angico e poaia para a indústria farmacêutica e no pantanal, o quebracho, usado para curtimento de couro. Na agricultura, cultivos de milho, abóbora, arroz, feijão e mandioca são cultivados para subsistência. Além disso, tem aumentado muito a demanda por alimentos, o que vem impulsionando a agricultura comercial na região. As principais culturas agrícolas são a soja, o milho, o algodão, o café, amendoim, e recentemente, o trigo. Em relação à pecuária, a região possui mais de quatro cabeças de gado por habitante, criados de forma extensiva. As áreas de campo localizadas no pantanal são as mais utilizadas para a atividade. Além do rebanho bovino, que representa 80% da criação, destacam-se as criações de suínos no estado de Goiás. A indústria, ainda pouco desenvolvida, desenvolveu-se principalmente no eixo Goiânia-Brasília, onde se destacam a indústria de alimentos, têxteis, produtos minerais, madeiras e bebidas. Na região (Figura 5), as projeções indicam que deverá ocorrer aumento de temperatura e precipitação (principalmente ao sul e a oeste da região) o que deverá promover um aumento significativo nos fluxos dos rios, com incidências de maiores inundações (HULME; SHEARD, 1999). Este fenômeno pode representar graves riscos aos ecossistemas no pantanal, provocando perda de biodiversidade. A agricultura da região deverá sofrer grandes transformações. Magrin et al. (2007) projetaram uma grande perda de áreas disponíveis e adequadas para a agricultura regional. Além disso, fatores relacionados à saúde, como o aumento da incidência de casos de malária (LIESHOUT et al., 2004) também são previstos. A região mais populosa e rica do Brasil, o Sudeste ocupa uma área equivalente a 10,85% do território nacional. Uma região altamente urbanizada que abriga três das mais 15
  • importantes regiões metropolitanas do país: São Paulo, Rio de Janeiro e Belo Horizonte, o sudeste conta com uma economia muito diversificada. Aumento do fluxo dos rios e conseqüentemente, Chuvas até três vezes mais maiores inundações. freqüentes que na atualidade Redução progressiva de áreas agricultáveis Aumento da incidência de casos de malária Redução da biodiversidade Figura 5: Impactos das mudanças climáticas na Região Centro-Oeste. * Organização dos autores A agricultura e a pecuária são setores bastante desenvolvidos. Destacam-se no setor agrícola regional as produções de café, cana-de-açúcar, soja e naranja. Além destes, o milho, o arroz, a mandioca e o amendoim são culturas bem desenvolvidas. A pecuária é outro importante setor da economia regional. O rebanho bovino é o segundo maior do país, atrás apenas do Centro-Oeste. A grande produção de carne bovina e suína proporcionam um ambiente favorable a instalação de indústrias de beneficiamento desses produtos. A indústria tem no sudeste seu campo de maior desenvolvimento. As atividades industriais mais relevantes a região são a siderurgia, a metalurgia, a extração de petróleo e gás natural, e o refino do óleo. Além disso, indústrias de alta tecnologia como informática, telecomunicações, eletrônica, entre outras, encontram na região ambiente favorable ao desenvolvimento. Outra atividade relevante para a região, a geração de energia é base para o desenvolvimento das outras atividades econômicas regionais. A maior parte da produção é proveniente de usinas hidrelétricas que aproveitam a presenta de muitos rios e as grandes inclinações. É neste contexto que o aumento da temperatura aliado a maior incidência de chuvas na Região Sudeste (Figura 6) deverá provocar o aumento da freqüência e intensidade das inundações, principalmente nas maiores cidades da Região (IPCC, 2007). Domingues, Martin 16
  • e Bittencourt (2006) em um trabalho sobre o vale do Jequitinhonha, corroboraram para esta projeção, identificando os impactos deste fenômeno na Região. Inundações e grandes Aumento de precipitação erosões na região do Vale principalmente na parte sul do Jequitinhonha/SP da região deverá aumentar a freqüência e da intensidade das inundações nas grandes cidades. Picos de temperatura mais intensos, com impactos na Perda de áreas agricultáveis agricultura, na saúde da população e na geração de energia elétrica Figura 6: Impactos das mudanças climáticas projetados para a Região Sudeste. * Organização dos autores Assim como na Região Centro-Oeste, no Sudeste, a agricultura deverá ser uma das atividades mais afetadas (MAGRIN, 2007). Muitas culturas atuais deverão ser inviabilizadas, como o café, que terá sua produtividade reduzida em aproximadamente 94% na Região. Picos de temperatura e precipitação cada vez mais intensos deverão promover impactos também sobre a saúde da população (poderá haver aumento de doenças provocadas por vetores, como a dengue e a febre amarela) e na geração de energia elétrica (MARENGO, 2007b). Na faixa costeira, pode-se projetar uma perda de áreas litorâneas mais baixas, com alterações de habitats como manguezais e lagunas, perjudicando a biodiversidade e a pesca. Além disso, como grande parte da população regional encontra-se junto ao litoral, perdas econômicas com a destruição de ambientes costeiros deverão ocorrer com freqüência. Neste sentido, pode haver ampliação do déficit habitacional em algunas cidades litorâneas. Também se devem ampliar as ocorrências de eventos climáticos severos, como ressacas, tempestades de vento, ondas de calor, entre outras. A Região Sul possui uma superfície de 576.300,8 Km2, é a menor em extensão entre as regiões brasileiras. Entretanto, apresenta altos índices sociais e econômicos. Possui o maior IDH (0,860) e a segunda maior renda per capita do país (R$ 13.208,00). Seu produto Interno Bruto é de aproximadamente R$ 314 bilhões. São diversas as riquezas produzidas na região. A agricultura regional é a que gera os maiores rendimentos e empregos. Nas pequenas propriedades é desenvolvida a policultura introduzida em geral pelos imigrantes europeus. 17
  • Cultiva-se principalmente milho, mandioca, feijão, batata, fumo, laranja e maçã. Nas propriedades de grande porte instituiu-se a monocultura comercial, principalmente nas áreas de campo. As principais culturas são a soja, trigo, arroz, algodão, cana-de-açúcar e café. O extrativismo também é importante regionalmente. O extrativismo vegetal é realizado principalmente na mata de araucárias de onde se extraem o pinheiro-do-paraná, imbuia, erva- mate, entre outras. O extrativismo animal é praticado principalmente nas áreas costeiras, sendo principalmente coletados os seguintes pescados: sardinha, merluza, tainha e camarão, entre outros. A extração mineral é também forte, destacando-se o carvão mineral, o caulim, a argila e o petróleo. Na pecuária, destacam-se a criação de suínos no Paraná e de bovinos e ovinos no Rio Grande do sul. A região concentra mais de 60% dos ovinos do país. Além disso, a pecuária leiteira intensiva é bastante desenvolvida na região. Diferente da Região Sudeste, no Sul estas se encontram nas regiões próximas de matéria-prima. As principais tipologias de indústrias da região são: produção de laticínios, frigoríficos, madeireiras, automóveis, refino de petróleo, roupas, móveis, entre outras. Os impactos projetados para a Região Sul são destacados pela Figura 7. Esteves, Williams e Dillenburg (2006) ao estudarem os efeitos das variações do nível do mar previstas para este século, indicaram que deverá ocorrer alteração de posição da faixa costeira. Os autores afirmam que inundações e erosões serão freqüentes em toda a faixa litorânea. Além disso, o aumento de temperatura e precipitação previstos para a região deve promover um aumento na freqüência e incidência de cheias, inundações e aumento de processos erosivos no interior (MENDONÇA, 2007). Ao estudar os impactos das mudanças climáticas sobre a agricultura no Brasil, Siqueira et al. (2000) concluíram que os cenários climáticos futuros implicam numa redução média de 31% na produção nacional de grãos do trigo, com maiores reflexos na região Centro-Sul. Considerando-se as áreas de cultivo atuais, os autores sugeriram maiores reflexos na produção de grãos. Sendo que, deve haver redução das produções de trigo e milho e aumento de soja. Além disso, as alterações de temperatura e precipitação deverão causar grandes perdas de áreas de florestas de araucárias (MARENGO, 2006b). Outro aspecto relevante é o possível aumento nos casos de leishmaniose, identificados por Peterson e Shaw (2003) que devem ocorrer devido ao aumento de vetores associado a maior umidade e calor. 18
  • Cheias, inundações e Aumento dos casos de aumento de processos leischmaniose erosivos devido ao aumento de precipitação Perda de florestas de araucárias Perda acentuada na Inundações e erosões nas produção de grãos áreas costeiras devido ao aumento dos níveis do mar Figura 7: Impactos das mudanças climáticas na Região Sul. * Organização dos autores Apesar das projeções para os impactos das alterações do clima no Brasil, é necessário observar que as inter-relações sistêmicas atingem todo o planeta, assim, os estudos devem apressar-se para incorporar essas relações socioeconômicas. As projeções do IPCC contêm questões ainda não resolvidas, como (SCHIERMEIER (2007): 1) a complexidade dos fluxos de carbono entre solos, plantas e atmosfera; 2) as relações do carbono na atmosfera com a captura deste elemento pelos oceanos; 3) o aumento dos níveis do mar, que ainda encontra-se aparentemente subestimado; e 4) a difícil previsibilidade de eventos climáticos extremos. Além desses aspectos, o uso dos modelos do IPCC para a realização de projeções regionais ou locais ainda é inicial. Apesar dos modelos do IPCC serem desenvolvidos em alta resolução, ainda carece de conhecimentos a nível microclimático, o que pode gerar previsões pouco precisas. Todavia, esses aspectos devem ser minimizados com o passar do tempo e estes não devem ser considerados como percalços às imprescindíveis ações de mitigação e adaptação a este fenômeno que é, senão o maior, um dos maiores desafios deste século. 4 Os desafios das mudanças climáticas: mitigação e adaptação Stern (2006) alertou que as ações humanas nas próximas décadas podem reduzir ou ampliar os efeitos já previstos das mudanças climáticas. Neste sentido, é imprescindível tomar medidas de mitigação e adaptação às mesmas. Pois, entende-se que quanto menos eficazes forem às medidas de mitigação adotadas, maiores serão as dificuldades para adaptações no futuro. 19
  • A mitigação refere-se a ações que podem reduzir as causas das mudanças climáticas, tais como aquelas que venham a reduzir a emissão de gases promotores do efeito estufa. A adaptação por sua vez, refere-se a ações que minimizem as conseqüências dessas alterações, atuais e futuras, promovidas pelas mudanças nas dinâmicas do clima. A mitigação diz respeito a emissão dos gases de efeito estufa. Por serem os benefícios dessas ações distribuídas uniformemente entre as nações, estas ações devem ser discutidas no ambiente internacional. Em 1990, o IPCC recomendou o estabelecimento de bases para as negociações internacionais sobre o tema. Neste contexto iniciou-se um processo de discussão que culminou com o lançamento em 1992 da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudanças Climáticas (UNFCCC) ratificada por 175 países. Em 1997 foi elaborado o Protocolo de Quioto com o objetivo de alcançar metas estabelecidas de redução da emissão de gases de efeito estufa. A necessidade de ratificação do protocolo pelos países industrializados para reduzir suas emissões aos níveis de 1900 até 2012 já pode ser considerado um fracasso devido a posturas divergentes que vêm impedindo a universalização do acordo. Apesar dessa necessidade, é importante considerar que mesmo com as reduções acordadas, é esperado que as mudanças climáticas continuem com seu comportamento nas próximas décadas, independente das medidas de mitigação. Sobre este aspecto, Joly sugeriu que, O Brasil tem a oportunidade histórica e a obrigação moral de iniciar as negociações do Período Pós-2012 (Pós-Kyoto), propondo uma diminuição voluntária de suas emissões de GEE’s, com metas pré-fixadas de redução de desmatamento e com mecanismos de certificação e fiscalização internacional. Uma redução, perene e consistente, de 35% das taxas anuais de desmatamento, uma meta que interessa para a economia do país, pois significaria a implantação de um novo modelo de desenvolvimento, mais sustentável e ambientalmente correto, estaríamos reduzindo em 20% nossa taxa de emissão de gases de efeito estufa (2007, p. 171). Ao abordar as dificuldades de incorporação das ameaças do aquecimento global como problemas sociais e econômicos, Anastasiadis (2005) apontou três: 1) apesar de haverem evidências de que políticas de enfrentamento podem promover benefícios econômicos, o meio ambiente e a competitividade são atualmente compreendidos como mutuamente excludentes; 2) as dificuldades de apresentação de soluções alternativas concebíveis promovem uma arriscada confiança nas soluções tecnológicas (indisponíveis) e; 3) a questão das mudanças climáticas é facilmente ignorada por profissionais que não atuam na área ambiental. Na ausência de gestão eficaz, os recursos e o ambiente estão em um período de aumentar a população humana, consumo e distribuição de tecnologias avançadas para o uso 20
  • dos recursos em níveis sem precedentes. Por outro lado, recursos em escalas maiores foram protegidos com sucesso com regimes apropriados de governança ambiental a nível internacional, tais como o protocolo de Montreal. O tratado internacional para reduzir-se o impacto antropogênico na camada de ozônio é considerado um exemplo de um bem sucedido esforço em proteger recursos comuns globais. Ao contrário, esforços internacionais para reduzir as concentrações de CO2 não tiveram ainda um impacto relevante (DIERTZ, OSTROM; STERN, 2003) As provas demonstram que ignorar as mudanças climáticas vai acabar por prejudicar o crescimento econômico. Nossas ações durante as próximas décadas poderão criar riscos de grave perturbação para as atividades econômicas e sociais, no final deste século e no próximo, a uma escala semelhante às associadas com as grandes guerras e a depressão econômica da primeira metade do século XX. Para Stern (2006b), será difícil, ou mesmo impossível, inverter estas mudanças. A luta contra as mudanças climáticas é a estratégia em prol do crescimento em longo prazo, podendo ser realizada de forma a não limitar as aspirações ao crescimento por parte dos países ricos ou pobres. Neste contexto, os países pobres e em desenvolvimento deverão ter maiores dificuldades para programar medidas de mitigação os adaptação devido a diversos fatores. Como grande parte desses países encontra-se em regiões tropicais e subtropicais, serão mais afetados pelas alterações climáticas. Além disso, a habilidade necessária ao enfrentamento das questões não se apresentam suficientes (POST, 2006). Os principais fatores apontados para esta carência de capacidade são: 1) a pobreza será ampliada pelos impactos da mudança climática; 2) as produções agrícolas desses países serão as mais afetadas; e 3) a baixa capacidade de adaptação é função da pouca cooperação social. 5 Considerações finais As mudanças climáticas globais já estão em curso. Elas provocam aumento generalizado da temperatura do ar e mudanças nos regimes de precipitação. Somente o aumento de temperatura já afetará a biodiversidade dos ecossistemas de maneira dramática. Eventos extremos mais freqüentes e intensos, como enchentes e secas prolongadas, são fatores adicionais de estresse para os ecossistemas e a vida das populações. Entretanto, devido às limitações dos atuais modelos climáticos acoplados em reproduzir o clima atual no Brasil, ainda é impossível projetar com segurança a intensidade com que as mudanças afetarão o 21
  • Brasil. É preciso atentar que o Brasil é país em desenvolvimento, com altos índices de pobreza e desigualdade social, portanto, é potencialmente vulnerável às mudanças climáticas. Pode-se afirmar, entretanto, que são significantes, mas insuficientes os estudos realizados até o momento, principalmente quando se aborda a distribuição geográfica dos mesmos, que geralmente estão concentrados nas regiões mais desenvolvidas economicamente do planeta. Há carência de estudos aprofundados sobre a América Latina e, especificamente, sobre o Brasil. 6 Referências ACEITUNO, P.; ROSENBLUTH, B.; BOISER, J.P.; QUINTANA, J.; VILLARROEL, C. Recent climate changes on the west coast extra tropical region of South America. In: DIAS, P.L.S.; RIBEIRO, W.C.; NUNES, L.H. (Eds.). A Contribution to understanding the regional impacts of global change in South America. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2007. p. 63-71. AMBRIZZI, T.; ROCHA, R.; MARENGO J.A.I.; PISNITCHENKO, L.A. Cenários regionalizados de clima no Brasil para o Século XXI: projeções de clima usando três modelos regionais. MINISTÉRIO DO MEIO AMBIENTE (MMA). Mudanças Climáticas Globais e Efeitos sobre a Biodiversidade - caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI. Brasília, MMA/SBF, 2007. ANASTASIADIS, S. The big problem in understanding climate change. Peace Review: A Journal of Social Justice, v. 17, p. 299-303, 2005. ARAUJO, J.C; DOLL, D; GUNTNER, A. Water scarcity under scenarios for global climate change and regional development in semiarid northeastern Brazil. Water International, v. 29, n. 2, p. 209-220, 2006. BIDEGAIN, M.; CAFFERA, J.; SANTOS, G.B; CASTELLAZZI, P. Performance of the WRF regional model over Southeastern South America during an extreme event. Annals of the 8th International Conference of Southern Hemisphere Meteorology and Oceanography (ICSHMO). Foz de Iguaçu, Brasil, 24 a 28 de abril de 2006, p. 1655-1658. CARPENTER, S.R.; FISHER, S.G.; GRIMM, N.B.; KITCHELL, J.F. Global change and freshwater ecosystems. Annual Reviews Ecology and Systematics, v. 23, p. 119-139, 1992. COX, P.M.; BETTS, R. A.; COLLINS, M.; HARRIS, P. P.; HUNTINGFORD, C.; JONES, C. D.. Amazonian forest dieback under climate-carbon cycle projections for the 21st Century. Theoretical and Applied Climatology, v. 78, p. 137-156, 2004. COX, P.M.; STEPHENSON, D. A Changing climate for prediction. Science, v. 317, p. 207- 208, 2007. 22
  • CRAMER W.; BONDEAU, A.; SCHAPHOFF, S.; LUCHT, W.; SMITH, B.; SITCH, S. Tropical forests and the global carbon cycle: impacts of atmospheric carbon dioxide, climate change and rate of deforestation. Biological Sciences, V. 359 n° 1443, p 331-343, 2004. CROWLEY, T.J. Causes of climate change over the past 1000 years. Science, v. 289, p. 270- 277, 2000. DIETZ, T.; OSTROM, E.; STERN, P.C. The struggle to govern the commons. Science, v. 302, p. 1907-1912, 2003 DOMINGUEZ, J.M.L.; MARTIN, L.; BITTENCOURT, A.C.S.P. Climate change and episodes of severe erosion at the Jequitinhonha strand plain SE Bahia, Brazil. Journal of Coastal Research. v. 3, p. 1894-1897, 2006. ESTEVES, L.S.; WILLIAMS, J.J.; DILLENBURG, S.R. Seasonal and Interannual Influences on the Patterns of Shoreline Changes in Rio Grande do Sul, Southern Brazil. Journal of Coastal Research, v. 22, n. 5, p. 1076-1093, 2006. FERRAZ, S.E.T.; AMBRIZZI, T.; ROCHA, R.P.; CUADRA, S.V. Precipitation and temperature variability over South America from 1860 to 2100. In: Annals of the 8th International Conference of Southern Hemisphere Meteorology and Oceanography (ICSHMO). Foz do Iguaçu, Brasil, 24 a 28 de abril de 2006, p.1527-1534. FIORAVANTI, C. Um Brasil mais quente. Pesquisa FAPESP, n° 130, p. 30-35, 2006. FOLKE, C. et. al. Regime Shifts, Resilience, and Biodiversity in Ecosystem Management. Annual Review of Ecological Evolution Systems. v. 35, 2004, p. 557-581. HIGGINS, P.A.T. Biodiversity loss under existing land use and climate change: an illustration using northern South America. Global Ecology and Biogeography, V. 16, n. 2, p. 197-204, 2007. HOUGHTON, R.A.; SKOLE, D.; NOBRE, C. Annual fluxes of carbon from deforestation and regrowth in the Brazilian Amazon. Nature, v. 403, p. 301-304, 2000. HULME, M.; SHEARD, N. Climate change: scenarios for Brazil. Norwich-UK, Climatic Research Unit, 1999, 6p. INTERGOVERNMENTAL PANEL ON CLIMATE CHANGE (IPCC). Climate Change 2001: Impacts, Adaptation and Vulnerability. -Summary for Policymakers and Technical Summary of the Working Group II Report. Cambridge Univ. Press. 2001. 86 pp. _________. Climate Change 2007: Synthesis Report - Summary for Policymakers. Fourth Assessment Report, Cambridge Univ. Press, 2007. 23p. JOLY, C.A. Biodiversidade e mudanças climáticas: contexto evolutivo, histórico e político. Ambiente & Sociedade, v. X, n. 1, p. 169-172, 2007. JONES, C. D.; COX, P. M.; ESSERY, R. L. H.; ROBERTS, D. L.; WOODAGE, M.J. Strong carbon cycle feedbacks in a climate model with interactive CO2 and sulphate aerosols. Geophysical Research Letters, v. 30, n° 9, p. 1479, 2003. 23
  • KROL, M.S.; JAEGER, A.; BRONSTERT, A.; KRYWKOW, J. The semi-arid integrated model (SIM), a regional integrated model assessing water availability, vulnerability of ecosystems and society in NE-Brazil. Physics and Chemistry of the Earth, Part B: Hydrology, Oceans and Atmosphere, v. 26, n. 7-8, p. 529-533, 2001. KROL, M.S.; BRONSTERT, A. Regional integrated modelling of climate change impacts on natural resources and resource usage in semi-arid Northeast Brazil. Environmental Modelling & Software, v. 22, n. 2, p. 259-268, 2007. LAKE, P.S.; PALMER, M.A.; BIRO, P.; COLE, J.; COVICH, A.P.; DAHM, C.; GIBERT, J.; GOEDKOOP, W.; MARTENS, K.. VERHOEVEN, J. Global change and the biodiversity of freshwater ecosystems: impacts on linkages between above-sediment and sediment biota. Bio Science, V. 50, n° 12, p. 1099-1107, 2000. LEVIN, S. Ecosystems and the Biosphere as Complex Adaptive Systems. Ecosystems, v. 1, 1998, p. 431–436. LIESHOUT, M.V.; KOVATS, R.S.; LIVERMORE, M.T.J.; MARTENS, P. Climate change and malaria: analysis of the SRES climate and socio-economic scenarios. Global Environmental Change, v. 14, n. 1, p. 87-99, 2004. MAGRIN, G.O. Climatic change and the agricultural sector in south east South America. In: DIAS, P.L.S.; RIBEIRO, W.C.; NUNES, L.H. (Eds.). A Contribution to understanding the regional impacts of global change in South America. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2007. p. 151-162. __________.; GARCÍA, D.G.; CHOQUE, D.C.; GIMÉNEZ, J.C.; MORENO, A.R.; NAGY, G.J.; NOBRE, C.A.; VILLAMIZAR, A. Latin America. In: PARRY, M.L.; CANZIANI, O.F.; PALUTIKOF, J.P.; VAN DER LINDEN, P.J.; HANSON, C.E. (Eds.) Climate Change 2007: Impacts, Adaptation and Vulnerability. Contribution of Working Group II to the Fourth Assessment Report of the Intergovernmental Panel on Climate Change. Cambridge: Cambridge University Press, 2007, p.581-615. MANN, T.J.; BRADLEY, R.S.; HUGHES, M.K. Northern hemisphere temperatures during the past millennium: interferences, uncertainties, and limitation. Geophysical Research Letters, v. 26, p. 759-762, 1999. MARENGO, J.A. Use of regional climate models in impacts assessments and adaptation studies from continental to regional and local scales. The CREAS (Cenários Climáticos Regionalizados de Mudanças de Clima para a América do Sul) initiative in South América. In: DIAS, P.L.S.; RIBEIRO, W.C.; NUNES, L.H. (Eds.). A Contribution to understanding the regional impacts of global change in South America. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2007a. p. 9-19. _________. Mudanças Climáticas Globais e seus Efeitos sobre a Biodiversidade - caracterização do clima atual e definição das alterações climáticas para o território brasileiro ao longo do Século XXI. 2 ed. Brasília, Ministério do Meio Ambiente/ Secretaria de Biodiversidade e Florestas, 2007b. MENDONÇA, F. Aquecimento global e suas manifestações regionais e locais. Revista Brasileira de Climatologia, n. 2, p. 71-86, 2007. 24
  • MILES, L.; GRAINGER, A.; PHILLIPS, O. The impact of global climate change on tropical biodiversity in Amazonia. Global Ecology and Biogeography, v. 13, p. 553-565, 2004. MOREIRA, C.J.E. Rainfall and flooding in the Guayas river basin and its effects on the incidence of malaria 1982–1985. Disasters, v. 10, n° 2, p. 107-111, 1986. NEPSTAD, D.; CARVALHO, G.; BARROS, A.C.; ALENCAR, A.; CAPOBIANCO, J.P.; BISHOP, J.; MOUTINHO, P.; LEFEBVRE, P.; LOPES SILVA JR., U.; PRINS, E. Road paving, fire regime feedbacks, and the future of Amazon forests. Forest Ecology and Management, v. 154, n° 3, p. 395-407, 2001. NOBRE, C.A. Mudanças climáticas globais: possíveis impactos nos ecossistemas do país. Parcerias Estratégicas, n. 12, p. 239-258, 2001. __________.; LAPOLA, D.; SAMPAIO, G.; SALAZAR, L.F.; CARDOSO, M.; OYAMA, M. Mudanças climáticas e possíveis alterações nos biomas da América do Sul. São Paulo, INPE/CTA, 2007. __________.; SAMPAIO, G.; SALAZAR, L. Mudanças Climáticas e Amazônia. Ciência e Cultura, v. 59, n. 3, p. 22-27, 2007. ORESKES, N. The scientific consensus on climate change. Science, v. 306, p. 1686, 2004. PETERSON, A. T.; SHAW, P. Lutzomyia vectors for cutaneous leishmaniasis in Southern Brazil: ecological niche models, predicted geographic distributions, and climate change effects. International Journal for Parasitology, v. 33, n. 9, p. 919-931, 2003. PETIT, J.R.; JOUZEL, J.; RAYNAUD, D.; BARKOV, N.I.; BARNOLA, J.M.; BASILE, I.; BENDER, M.; CHAPPELLAZ, J.; DAVIS, M.; DELAYGUE, G.; DELMOTTE, M.; KOKLYAKOV, V.M.; LEGRAND, M.; LIPENKOV, V.Y.; LORIUS, C.; PÉPIN, L.; RITZ, C.; SALTZMAN, E.; STIEVENARD, M. Climate and atmospheric history of the past 420.000 years from from the Vostok ice core, Antarctica. Nature, v. 399, p. 429-436, 1999. RABASSA, J. Global climate change and its impact on the glaciers and permafrost of Patagonia, Tierra del Fuego and The Antarctic Peninsula. In: DIAS, P.L.S.; RIBEIRO, W.C.; NUNES, L.H. (Eds.). A Contribution to understanding the regional impacts of global change in South America. São Paulo, Instituto de Estudos Avançados da Universidade de São Paulo, 2007, p. 21-39. RAHMSTORF, S.; CAZENAVE, A.; CHURCH, J.A.; HANSEN, J.E.; KEELING, R.F.; PARKER, D.E.; SOMERVILLE, R.C.J. Recent climate observations compared to projections. Science, v. 316, p. 709, 2007. SALAZAR, L.F.; NOBRE, C.A.; OYAMA, M.D. Climate change consequences on the biome distribution in tropical South America. Geophysical Research Letters, 2007. (Article in Press). SCHEFFER, M. et al. Catastrophic shifts in ecosystems. Nature, v. 413, p. 591-596, 2001. SCHIERMEIER, Q. What we don’t know about climate change. Nature, v. 445, p. 580-581, 2007. 25
  • SIQUEIRA, O. J. H; STEINMETZ, S.; FERREIRA, M.F.; COSTA, A.C.; WOZNIAK, M.A. Mudanças climáticas projetadas através dos modelos GISS e reflexos na produção agrícola brasileira. Revista Brasileira de Agrometeorologia, v. 8, n. 2, p. 311-320, 2000. STEFFEN, W.; SANDERSON, A.; TYSON, P.D.; JÄGER, J.; MATSON, P.A.; MOORE III, B.; OLDFIELD, F.; RICHARDSON, K.; SCHELLNHUBER, H.J.; TURNER II, B.L.; WATSON, R.J. Global change and the Earth system: a planet under pressure. New York: Springer, 2004. STERN, N. The economics of climate change: the Stern review. Cambridge: Cambridge University Press, 2007a. 723p. _________. What is the Economics of Climate Change? World Economics, v. 7, n° 2, p. 1- 10, 2006b. THE PARLIAMENTARY OFFICE OF SCIENCE AND TECHNOLOGY (POST). Adapting to climate change in developing countries. Postnote, v. 269, p. 1-4, 2006. WARA, M.W., RAVELO, A.C., DELANEY, M.L. Permanent El Niño-Like conditions during the Pliocene Warm Period. Science, v. 309, n° 5735; p. 758-761, 2005. WEBSTER, P. J.; HOLLAND, G. J.; CURRY, J. A.; CHANG, H. R. Changes in tropical cyclone number, duration, and intensity in a warming environment. Science, v. 309, p. 1844- 1846, 2005. WORLDWATCH INSTITUTE (WWI). State of the world. Washington: WWI, 2006. WORLD WILDWIFE FOUNDATION (WWF). O planeta reage ao homem. Disponível em http://www.wwf.org.br/natureza_brasileira/meio_ambiente_brasil/clima/index.cfm. Acesso em 22 de dezembro de 2007. 26