Your SlideShare is downloading. ×
Autonomia  portaria 265-2012
Autonomia  portaria 265-2012
Autonomia  portaria 265-2012
Autonomia  portaria 265-2012
Autonomia  portaria 265-2012
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Autonomia portaria 265-2012

944

Published on

Portaria que regulamenta a celebração de contratos de autonomia com as escolas.

Portaria que regulamenta a celebração de contratos de autonomia com as escolas.

Published in: Education
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
944
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
8
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. 4908 Diário da República, 1.ª série — N.º 168 — 30 de agosto de 2012do Instituto da Defesa Nacional (IDN). Importa agora, no Artigo 4.ºdesenvolvimento daquele decreto regulamentar, determi- Revogaçãonar a estrutura nuclear e as competências das respetivasunidades orgânicas e estabelecer a dotação máxima de É revogada a Portaria n.º 1272/2009, de 19 de outubro.chefes de equipas multidisciplinares. Assim: Artigo 5.º Ao abrigo dos n.os 4 e 5 do artigo 21.º e 3 do artigo 22.º Entrada em vigorda Lei n.º 4/2004, de 15 de janeiro, manda o Governo, A presente portaria entra em vigor no dia seguinte aopelos Ministros de Estado e das Finanças e da Defesa da sua publicação.Nacional, o seguinte: Em 9 de agosto de 2012. Artigo 1.º O Ministro de Estado e das Finanças, Vítor Louçã Ra- Estrutura nuclear do Instituto da Defesa Nacional baça Gaspar. — O Ministro da Defesa Nacional, José Pedro Correia de Aguiar-Branco. O Instituto da Defesa Nacional (IDN) estrutura-se numaunidade orgânica nuclear designada por Direção de Servi-ços de Planeamento e Gestão de Recursos. MINISTÉRIO DA EDUCAÇÃO E CIÊNCIA Artigo 2.º Portaria n.º 265/2012 Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Recursos de 30 de agosto À Direção de Serviços de Planeamento e Gestão de Re-cursos, abreviadamente designada por DSPGR, compete: Na sequência dos princípios e tendências evolutivas da a) Assegurar os procedimentos de coordenação, progra- administração educativa consagrados na Lei de Bases domação e divulgação dos cursos ministrados no IDN; Sistema Educativo, aprovada pela Lei n.º 46/86, de 14 de outubro, e no Decreto -Lei n.º 43/89, de 3 de fevereiro, o b) Acompanhar o planeamento dos atos necessários ao desenvolvimento e reforço da autonomia das escolas temdesenvolvimento de projetos de investigação, estudos e sido uma das linhas estruturantes de desenvolvimento dotrabalhos nos domínios científicos; sistema educativo português. c) Apoiar a produção de artigos científicos nos domínios Neste contexto, o Programa do XIX Governo Constitu-da atividade do IDN; cional elegeu como um dos seus objetivos estratégicos o d) Elaborar o plano e relatório anual de atividades; estabelecimento e alargamento dos contratos de autonomia e) Assegurar os procedimentos de candidatura adequa- como instrumentos essenciais de garantia da diversidadedos a pedidos de financiamento e à participação em pro- e do reconhecimento do mérito das escolas. Neste qua-gramas de financiamento das atividades do IDN; dro, o regime de autonomia, administração e gestão dos f) Orientar a realização das atividades de formação e de estabelecimentos públicos da educação pré-escolar e dosdebate no âmbito das atribuições do Instituto; ensinos básico e secundário aprovado pelo Decreto-Lei g) Coordenar os procedimentos de implementação dos n.º 75/2008, de 22 de abril, na redação dada pelo Decreto-sistemas de avaliação de desempenho dos recursos huma- -Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, consolidou esta linha denos do IDN, nos termos legais; orientação e, a par do projeto educativo, do regulamento h) Assegurar o planeamento e a gestão dos recursos interno, do plano anual e plurianual de atividade e dohumanos e financeiros, bem como implementar as medi- orçamento, passou também a considerar o contrato dedas de política definidas para os serviços do Ministério da autonomia como mais um dos instrumentos de autonomia,Defesa Nacional; considerando-o por via dos compromissos celebrados o i) Assegurar o funcionamento e gestão patrimonial, instrumento por excelência de aprofundamento da auto-documental e logística dos serviços e equipamentos; nomia das escolas. j) Proceder à gestão do Centro Editorial, Arquivo e A presente Portaria aplica-se às escolas da rede públicaBiblioteca do IDN; de educação pré-escolar e dos ensinos básico e secun- k) Assegurar a coordenação da produção, recolha, difu- dário que, querendo assumir e desenvolver maior auto-são e depósito das publicações e qualquer outro material nomia pedagógica, curricular, administrativa e cultural,de apoio às atividades do IDN; manifestem interesse em celebrar com o Ministério da l) Acompanhar o estabelecimento de protocolos de Educação e Ciência, e eventualmente outros parceiros ecooperação com organismos e instituições nacionais, es- entidades, um contrato de autonomia. Com esse objetivo,trangeiras e internacionais com competência específica definem-se os princípios orientadores, clarificam-se oscongéneres; domínios e os instrumentos, explicitam-se os requisitos e m) Promover a edição de monografias, revistas, livros as regras inerentes ao clausulado do contrato, bem comoe outros meios de divulgação; o seu acompanhamento, avaliação e renovação. Em anexo n) Definir e executar um plano de classificação e manter publica-se uma matriz de referência que, sem prejuízo deatualizado o catálogo documental e bibliográfico. outros, clarifica os elementos estruturantes do clausulado dos contratos a celebrar. Artigo 3.º Foi ouvido o Conselho das Escolas. Chefes de equipas multidisciplinares Assim, nos termos artigo 59.º do Decreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, com as alterações introduzidas A dotação máxima de chefes de equipas multidiscipli- pelos Decretos-Leis n.os 224/2009, de 11 de setembro, enares é fixada em uma. 137/2012, de 2 de julho, manda o Governo, pelo Secretário
  • 2. Diário da República, 1.ª série — N.º 168 — 30 de agosto de 2012 4909de Estado do Ensino e da Administração Escolar, no uso h) Promoção da cidadania, da inclusão e do desenvolvi-das competências que lhe foram delegadas pelo Ministro da mento social através da melhoria dos resultados escolaresEducação e Ciência, através do despacho n.º 10134/2012, e diminuição do abandono escolar.publicado no Diário da República, 2.ª série, n.º 145, de27 de julho de 2012, o seguinte: 2 — A celebração de contratos de autonomia funda-se na equidade, prossegue objetivos de qualidade, eficácia e Artigo 1.º eficiência e assenta no pressuposto de que a escola constitui um serviço responsável pela execução local da política Objeto educativa nacional e é prestadora de um serviço público A presente portaria define as regras e procedimen- de especial relevância.tos a observar quanto à celebração, acompanhamento, e Artigo 4.ºavaliação dos contratos de autonomia a celebrar entre osagrupamentos de escolas ou escolas não agrupadas, dora- Desenvolvimento da autonomiavante designados de escolas, e o Ministério da Educação 1 — A autonomia das escolas desenvolve-se por suae Ciência, representado pelos seus serviços competentes, e iniciativa, e tem por base a celebração de um contrato deeventualmente outros parceiros e entidades, nos termos do autonomia, através do qual podem ser-lhes reconhecidosDecreto-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, na redação dada diferentes níveis de competência e de responsabilidade, depelo Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, e que têm acordo com os objetivos e o plano de ação apresentado epor base a matriz publicada em anexo à presente portaria, a capacidade demonstrada.que dela faz parte integrante. 2 — Os domínios da autonomia abrangem a organi- zação e gestão da escola, o sucesso escolar dos alunos e Artigo 2.º o combate ao abandono escolar, a formação integral dos alunos, a integração social e comunitária, os cuidados de Âmbito de aplicação apoio e guarda, a formação vocacional e profissional, o A presente portaria aplica-se às escolas da rede pública desenvolvimento dos talentos, o empreendedorismo e ade educação pré-escolar e dos ensinos básico e secundário abertura à investigação, a inovação e a excelência.que, querendo assumir e desenvolver maior autonomia 3 — O desenvolvimento da autonomia processa-se pelapedagógica, curricular, administrativa e cultural, manifes- atribuição de competências, tendo em conta os objetivostem interesse em celebrar com o Ministério da Educação e a prosseguir e as condições específicas de cada escolaCiência, e eventualmente outros parceiros e entidades, um podendo abranger, designadamente, pelo menos um doscontrato de autonomia, nos termos previstos no Decreto- seguintes domínios:-Lei n.º 75/2008, de 22 de abril, na redação dada pelo a) Desenvolvimento de projetos de excelência, de melho-Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, e definidos no ria e inovação orientados para padrões elevados de eficácia,presente diploma. dos resultados escolares e da qualidade do serviço público de educação, direcionados para diferentes perfis de alunos; Artigo 3.º b) Promoção de condições para a melhoria do sucesso escolar e educativo das crianças e jovens, tendo em vista Princípios orientadores a prevenção da retenção, do absentismo e do abandono 1 — Constituem princípios orientadores da celebração escolar, através da adaptação e diversificação das ofertase desenvolvimento dos contratos de autonomia: formativas; c) Criação de modalidades flexíveis de gestão do currí- a) Aprofundamento da autonomia das escolas, tendo culo e dos programas disciplinares e não-disciplinares deem vista a viabilização de projetos educativos de potencial modo a atuar precocemente sobre o risco de abandono epara o desenvolvimento do sistema educativo e para as insucesso escolar;comunidades educativas locais; d) Ligação ao mundo do trabalho por via da cooperação b) Subordinação da autonomia aos objetivos do serviço entre escolas, instituições e serviços de apoio e encaminha-público de educação e à qualidade da aprendizagem das mento vocacional e profissional, e organizações de traba-crianças, dos jovens e dos adultos; lho, de forma a orientar o ensino para o empreendedorismo c) Garantia da equidade do serviço prestado, tendo em nas diferentes áreas de exercício profissional;vista a cidadania, a inclusão e o desenvolvimento social; e) Inclusão de componentes regionais e locais, respei- d) Compromisso do Estado, através da administração tando os núcleos essenciais definidos a nível nacional;educativa e dos órgãos de administração e gestão da escola, f) Oferta de cursos com planos curriculares próprios,na execução do projeto educativo, assim como dos planos no respeito pelos objetivos do sistema nacional de edu-de atividades; cação; e) Responsabilização dos órgãos de administração e g) Adoção de procedimentos inovadores e diferenciadosgestão da escola, designadamente através do desenvolvi- de gestão pedagógica, estratégica, patrimonial, adminis-mento de instrumentos credíveis e rigorosos de avaliação trativa e financeira.e acompanhamento do desempenho que permita aferir aqualidade do serviço público de educação; 4 — A operacionalização das dimensões e domínios f) Diversificação das possibilidades de oferta educativa expressos nos números anteriores, pode passar pela apre-baseada em planos curriculares próprios e ou adaptações sentação, por parte das escolas, de propostas próprias rela-do currículo nacional; tivamente aos itens seguintes, sem prejuízo de outros: g) Adequação dos recursos atribuídos às condições espe- a) Gestão pedagógica e curricular diferenciada em fun-cíficas da escola e ao projeto que pretende desenvolver; ção dos diferentes contextos, alunos e públicos escolares;
  • 3. 4910 Diário da República, 1.ª série — N.º 168 — 30 de agosto de 2012 b) Gestão de um crédito global acrescido de horas de de modo sustentado as suas debilidades, materializado naserviço docente, incluindo a componente letiva, não letiva, aprovação prévia da minuta do contrato a celebrar;o exercício de cargos de administração, gestão e orientação b) A apresentação de um projeto educativo contextua-educativa e ainda o desenvolvimento de projetos de ação lizado, consistente e fundamentado;e inovação; c) A conclusão do procedimento de avaliação externa c) Adoção de normas próprias sobre horários, tempos nos termos da lei e demais normas regulamentares apli-letivos, constituição de turmas ou grupos de alunos e ocu- cáveis;pação de espaços; d) Adoção por parte da escola de dispositivos e práticas d) Recrutamento e seleção do pessoal docente e não de autoavaliação adequadas e consequentes.docente, nos termos da legislação aplicável; e) Extensão das áreas que integram os serviços técnicos Artigo 7.ºe técnico-pedagógicos e suas formas de organização; Cláusulas contratuais f) Gestão e execução do orçamento, através de umaafetação global de meios; O contrato de autonomia integra com caráter de obriga- g) Possibilidade de autofinanciamento e gestão de re- toriedade a caracterização sumária da escola, os resultadosceitas que lhe estão consignadas; da autoavaliação e da avaliação externa, os objetivos gerais h) Aquisição de bens e serviços e execução de obras, e operacionais, o plano de ação estratégica ou as grandesdentro de limites a definir; linhas de orientação e planificação estratégica e respetiva i) Desenvolvimento de uma cultura de avaliação nos calendarização, os compromissos da escola e do Ministé-domínios da avaliação interna da escola, da avaliação dos rio da Educação e Ciência, a duração do contrato e o seudesempenhos docentes e da avaliação da aprendizagem acompanhamento e monitorização através de comissãodos alunos, orientada para a melhoria. criada para o efeito. Artigo 8.º Artigo 5.º Relatório anual de progresso Contrato de autonomia A escola com contrato de autonomia, considerando os 1 — Por contrato de autonomia entende-se o acordo resultados da autoavaliação, produz um relatório anual decelebrado entre a escola, os serviços competentes do Mi- progresso, a remeter para a comissão de acompanhamentonistério da Educação e Ciência e, sempre que conveniente, a que se refere o artigo seguinte e a divulgar publicamenteoutros parceiros da comunidade, através do qual se definem em local facilmente consultável na página eletrónica daobjetivos e se fixam as condições que viabilizam o desen- escola.volvimento do projeto educativo apresentado pelos órgãosde administração e gestão de uma escola ou agrupamento, Artigo 9.ºverificadas as condições previstas no artigo 7.º, e tendo por Comissão de acompanhamentobase a matriz anexa à presente portaria. 2 — Os níveis de competência e de responsabilidade a 1 — O desenvolvimento e concretização do contrato de autonomia são acompanhados por uma comissão constitu-atribuir são objeto de negociação entre a escola, o Minis- ída por um representante da escola, designado pelo dire-tério da Educação e Ciência e, quando existam, os outros tor, um representante da Direção-Geral da Administraçãoparceiros. Escolar, um representante da Direção-Geral da Educação, 3 — Sem prejuízo do disposto no número seguinte, a um representante da associação de pais e encarregados deduração do contrato é estabelecida entre as partes, não educação, por esta designado, um elemento indicado pelopodendo, em regra ser inferior a três anos escolares comple- Conselho Municipal de Educação e, sempre que existam,tos, podendo ser renovado, parcial ou totalmente suspenso, um representante de cada uma das outras entidades queou resolvido, nos termos do presente diploma. participem na celebração do contrato. 4 — Os contratos celebrados com escolas às quais o 2 — Compete à comissão de acompanhamento:Ministério da Educação e Ciência expressamente reco-nheça tratamento prioritário no âmbito de candidaturas a a) Supervisionar e acompanhar, de forma construtiva eprogramas de apoios financeiros públicos, nacionais e ou orientadora, a concretização do contrato;comunitários, têm a duração de um ano, renovável, por b) Resolver, com caráter vinculativo, eventuais dúvidasdeclaração expressa de ambas as partes, por iguais períodos de interpretação das cláusulas contratuais;de tempo, até ao limite de duas renovações, sem prejuízo c) Emitir parecer sobre o relatório anual de progressoda celebração de futuros novos contratos. a que se refere o artigo anterior; 5 — Os contratos de autonomia entram em vigor após a d) Remeter o parecer e o relatório anual de progressorespetiva homologação por parte do membro do Governo aos serviços competentes do Ministério da Educação eresponsável pela área da Educação. Ciência. Artigo 6.º 3 — A comissão de acompanhamento aprova, por maioria dos seus membros, o seu regulamento interno de Requisitos funcionamento. A celebração do contrato de autonomia está sujeita aopreenchimento das seguintes condições: Artigo 10.º Avaliação dos resultados a) Aprovação pelo conselho geral de um plano de desen-volvimento da autonomia que vise melhorar o serviço pú- 1 — A avaliação dos resultados dos contratos de autono-blico de educação, potenciar os recursos da escola e superar mia incumbe à Inspeção-Geral de Educação e Ciência, no
  • 4. Diário da República, 1.ª série — N.º 168 — 30 de agosto de 2012 4911quadro das competências de avaliação externa das escolas Artigo 15.ºque lhe estão legalmente atribuídas. Entrada em vigor 2 — Sem prejuízo do quadro de referência de avalia-ção externa utilizado pela Inspeção-Geral da Educação e A presente portaria entra em vigor no dia seguinte aoCiência, na avaliação do cumprimento do contrato, são da sua publicação.especialmente considerados a evolução dos resultadosescolares obtidos pelos alunos em avaliação externa, no- O Secretário de Estado do Ensino e da Administraçãomeadamente Provas Finais de Ciclo e Exames, a eficácia Escolar, João Casanova de Almeida, em 9 de agosto dena gestão dos recursos atribuídos à escola, o conteúdo do 2012.relatório de progresso, bem como o parecer da comissãode acompanhamento a que se refere o artigo anterior. ANEXO 3 — As modalidades e instrumentos de prestação de con-tas estabelecidos nos artigos anteriores não prejudicam nem Matriz do contrato de autonomiaisentam as escolas do cumprimento de outras obrigações aque estejam adstritas, designadamente na regulamentação Preâmbuloespecífica dos programas de financiamento público a que 1 — ... (caracterização sintética da escola ou agrupa-se candidatam ou dos quais são beneficiárias. mento — com indicação expressa, quando for o caso, sobre a aplicabilidade de normativos que conferem tratamento Artigo 11.º prioritário no acesso a programas específicos de financia- Renovação dos contratos mento — incluindo a identificação dos valores de partida nos indicadores escolhidos para aferir a concretização das 1 — Os contratos de autonomia podem, por acordo ex- metas assumidas).presso de ambas as partes, ser renovados por período igual 2 — ... (resultados da autoavaliação).ou diferente do inicialmente ajustado, mas nunca inferior a 3 — ... (resultados da avaliação externa).um ano escolar, nos termos previstos na presente portaria, No âmbito do desenvolvimento do regime jurídico de au-e tendo ainda presente o disposto no número seguinte. tonomia da escola, consagrada pelo Decreto-Lei n.º 43/89, 2 — A renovação dos contratos de autonomia depende, de 3 de fevereiro, e ao abrigo do Decreto-Lei n.º 75/2008,entre outras, de avaliação positiva: de 22 de abril, com a nova redação que lhe foi dada pelo a) Do grau de cumprimento dos objetivos constantes Decreto-Lei n.º 137/2012, de 2 de julho, e pela Portariado projeto educativo; n.º 265/2012, de 30 de agosto, e demais legislação aplicá- b) Do grau de cumprimento dos objetivos e dos planos vel, o Ministério da Educação e Ciência (MEC), através …de ação e de atividades apresentados e demais compromis- (Serviço competente do MEC) e a Escola/Agrupamentosos decorrentes do contrato, da presente portaria e ou de de Escolas …, (1) (e …) celebram e acordam entre si ooutros normativos aplicáveis, quando os houver; presente contrato de autonomia, que se rege pela regulação c) Da evolução dos resultados escolares e do abandono suprarreferida e ainda pelas cláusulas seguintes:escolar. Cláusula 1.ª Artigo 12.º Objetivos gerais Suspensão e rescisão do contrato Na sequência de avaliação externa prevista no artigo 10.º Os objetivos gerais do contrato são:ou de ação inspetiva que comprovem o incumprimento do 1) …contrato de autonomia ou manifesto prejuízo para o serviçopúblico, pode o membro do Governo responsável pela área 2) …da Educação, em despacho fundamentado, determinar, 3) …unilateralmente a sua suspensão, total ou parcial, ou a suarescisão, com a consequente reversão para a administra- Cláusula 2.ªção educativa de parte ou da totalidade das competências Objetivos operacionaisatribuídas. Os objetivos operacionais são: Artigo 13.º 1) Atingir ou aproximar o abandono de … %; Reclamação e recurso 2) Aumentar a taxa global de sucesso escolar de … % 1 — Das decisões da administração educativa cabe re- para … % (ou em... %);clamação ou recurso, nos termos previstos no Código do 3) ...Procedimento Administrativo. 4) ... 2 — O disposto no número anterior não prejudica nem 5) ...isenta as escolas candidatas ou beneficiárias de programasde financiamento público do cumprimento das forma- Cláusula 3.ªlidades estabelecidas na regulamentação específica dos Plano de ação estratégicareferidos programas, se as houver. Tendo em vista a concretização dos objetivos previstos Artigo 14.º nos n.os 1 e 2, desenvolve-se o seguinte plano estratégico … (apresentar as linhas gerais das ação estratégica a de- Revogação senvolver: projetos, atividades, estratégias, parcerias, ca- É revogada a Portaria n.º 1260/2007, de 26 de setembro. lendarização, etc.)
  • 5. 4912 Diário da República, 1.ª série — N.º 168 — 30 de agosto de 2012 Cláusula 4.ª c) Produzir e divulgar o relatório anual de progresso; Competências reconhecidas à escola d) Constituir meio de interlocução com os serviços competentes do Ministério da Educação e Ciência. Com o presente contrato, o Ministério da Educação eCiência reconhece à escola as seguintes competências para Cláusula 10.ªo desenvolvimento da sua autonomia: Casos omissos 1) ... 2) ... Todas as matérias não reguladas no presente contrato 3) ... serão regidas pela lei geral aplicável. 4) ... (1) Assinalar no caso de escola abrangida pelo Despacho normativo n.º 55/2008, de 23 de outubro. Cláusula 5.ª (2) Identificação do ou dos parceiros envolvidos. Compromissos da escola Com vista a cumprir os objetivos gerais e operacionais Portaria n.º 266/2012constantes do presente contrato, a escola compromete-se de 30 de agostoe fica obrigada a: O presente diploma regulamenta a avaliação do desem- 1) ... penho docente dos diretores de agrupamentos de escolas 2) ... ou escolas não agrupadas, dos diretores dos centros de 3) ... formação de associações de escolas e dos diretores das 4) ... escolas portuguesas no estrangeiro nos termos previsto no Estatuto da Carreira Docente dos Educadores de Infância Cláusula 6.ª e dos Professores dos Ensinos Básico e Secundário. Compromissos do Ministério da Educação e Ciência De modo idêntico ao regime geral da avaliação do de- sempenho docente aprovado pelo Decreto Regulamentar Pelo presente contrato, o Ministério da Educação e Ciência n.º 26/2012, de 21 de fevereiro, e tendo em vista garantircompromete-se e obriga-se a: rigor e justiça nos juízos avaliativos finais, a avaliação do 1) ... desempenho dos diretores centra-se no exercício efetivo 2) ... da função, resulta da articulação entre uma avaliação 3) ... interna e uma avaliação externa. No caso dos diretores 4) ... dos agrupamentos de escola ou escolas não agrupadas participa na avaliação interna o respetivo Conselho Ge- Cláusula 7.ª ral, no caso dos centros de formação de associações de escolas a Comissão Pedagógica e das escolas portuguesas Compromissos dos parceiros no estrangeiro o respetivo conselho de patronos. Em qual- (Quando os houver) Pelo presente contrato, o/a … (2) quer dos casos a avaliação externa prevista no referidocompromete-se e obriga-se a: diploma legal, resulta da incorporação dos resultados da avaliação externa efetuada pela Inspeção-Geral da 1) ... Educação e Ciência. 2) ... No plano interno e, de modo análogo à avaliação do 3) ... desempenho dos quadros dirigentes superiores da admi- 4) ... nistração pública prevista na Lei n.º 66-B/2007, de 28 de dezembro, a avaliação do desempenho dos diretores Cláusula 8.ª dos estabelecimentos públicos de educação pré-escolar Duração do contrato e de ensino básico e secundário, bem como dos direto- res dos centros de formação de associações de escolas, 1 — O presente contrato de autonomia vigorará até ao tem por referência dois grandes tipos de parâmetros: ostermo do ano letivo de 20...-20... compromissos assumidos e as competências de gestão 2 — O presente contrato pode ser revisto e alterado evidenciadas. Neste quadro, os primeiros integram umaa todo o tempo, por acordo entre as partes, respeitado o «carta de missão» definida no início do mandato, narequisito previsto na alínea a) do artigo 6.º da presente qual se explicitam de modo claro e objetivo os grandesportaria. compromissos que se pretendem concretizar durante a vigência do mandato, designadamente, os resultados a Cláusula 9.ª alcançar no quadro da concretização do projeto educa- Acompanhamento e monitorização tivo e do plano anual de atividades ou do plano anual ou plurianual de formação, bem como da gestão dos A escola constitui uma estrutura permanente de respetivos recursos humanos, financeiros e materiais.acompanhamento e monitorização constituída pelo Os segundos relacionam-se com o nível de demons-diretor da escola e por, pelo menos, mais dois docentes tração das competências profissionais evidenciadas node carreira designados para o efeito, com as seguintes exercício da função e entre as quais se destacam as decompetências: gestão, liderança, visão estratégica e de representação a) Monitorizar o cumprimento e a aplicação do presente externa.contrato e acompanhar o desenvolvimento do processo; Tendo em vista assegurar condições de simplicidade e b) Monitorizar o processo de autoavaliação da escola; de relevância no processo de avaliação e em simultâneo

×