Carta aberta a_trindade coelho]

  • 162 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
162
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Arnoso Santa Maria, 29 de Março de 2011Estimado escritor Trindade Coelho,A turma C do 7º ano quer, com esta carta, não só apresentar um pedido de desculpas,mas também agradecer-lhe por ter escrito um conto que nos serviu de lição!Em primeiro lugar, é conveniente dizer-lhe como, quando e onde o conhecemos.Assim, nas aulas de Língua Portuguesa, no 2º período, a professora desafiou-nos a ler oseu conto que se encontra no manual entre as páginas 59 e 69. Todos achámos esquisito otítulo Abyssus Abyssum , pois parecia estar escrito numa língua que não conhecíamos.Depois da professora explicar, ficámos mais esclarecidos, sabendo que era latim esignificava “asneira puxa asneira” (fazia lembrar algo…).Na sala de aula, deverámos apresentar oralmente trabalhos realizados em grupo a partirda leitura efectuada. Desta forma, iríamos avaliar conhecimentos e, principalmente, amaneira como nós falávamos em público. É no contexto das exposições orais que surge onosso pedido de desculpas, visto que o apresentámos à turma e à professora como sendouma escritora… Aparentemente, deixamo-nos levar pela sonoridade do seu nome e alterámos a suaverdadeira identidade. Para sermos sinceros não pesquisámos quase nada sobre a suabiografia, no entanto, de forma a compensá-lo, mais tarde, apresentámos os seus dadospessoais, resgatando-o das memórias… Nessa altura, demos vida e emoção ao tempo queviveu e obra que escreveu. Também ficámos a saber que escreveu cartas e a suaautobiografia.Confessámos, aqui e agora, que nem sempre cumprimos e dizemos a verdade sobre asnossas tarefas escolares, talvez porque queremos mostrar que somos nós que escolhemos onosso caminho. Com o António e o Manuel, os dois irmãos do conto, percebemos que ocaminho que tanto queremos pode levar-nos a fazer orelhas moucas aos nossos educadores,pais e professores… Desta maneira, sem nos apercebermos, podemos invocar o nossopróprio abismo, que, no nosso caso, pode ser a retenção!O fascínio e a tentação tiveram muita força e só no final do conto é que entendemos eaceitámos a severidade das palavras da mãe dos dois meninos desobedientes. Afinal ela sóqueria protegê-los do perigo, só queria o seu bem!Através deste momento de escrita colectiva, expressámos-lhe publicamente o nossoagradecimento. À sua maneira, fez-nos pensar no que fazemos…
  • 2. Teus admiradores, 7º CP.S.: Prometemos ler mais contos que estão no seu livro Os Meus Amores.