Your SlideShare is downloading. ×
Carta aberta a trindade coelho
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Carta aberta a trindade coelho

271

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
271
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
4
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Arnoso Santa Maria, 29 de Março de 2011Estimado escritor Trindade Coelho,A turma C do 7º ano quer, com esta carta, não só apresentar um pedido de desculpas, mas também agradecer-lhepor ter escrito um conto que nos serviu de lição!Em primeiro lugar, é conveniente dizer-lhe como, quando e onde o conhecemos.Assim, nas aulas de Língua Portuguesa, no 2º período, a professora desafiou-nos a ler o seu conto que seencontra no manual entre as páginas 59 e 69. Todos achámos esquisito o título Abyssus Abyssum, pois pareciaestar escrito numa língua que não conhecíamos. Depois da professora explicar, ficámos mais esclarecidos,sabendo que era latim e poderia entender-se como “asneira puxa asneira”, devido ao enredo do conto (fazialembrar algo…).Na sala de aula, deveríamos apresentar oralmente trabalhos realizados em grupo a partir da leitura efectuada.Desta forma, iríamos avaliar conhecimentos e, principalmente, a maneira como nós falávamos em público. É nocontexto das exposições orais que surge o nosso pedido de desculpas, visto que o apresentámos à turma e àprofessora como sendo uma escritora… Aparentemente, deixámo-nos levar pela sonoridade do seu nome e alterámos a sua verdadeira identidade. Parasermos sinceros não pesquisámos quase nada sobre a sua biografia, no entanto, de forma a compensá-lo, maistarde, apresentámos os seus dados pessoais na aula, resgatando-o das memórias… Nessa altura, demos vida eemoção ao tempo que viveu e obra que escreveu. Também ficámos a saber que escreveu cartas e a sua autobiografia.Confessamos, neste momento, que nem sempre cumprimos e dizemos a verdade sobre as nossas tarefas escolares,talvez porque queremos mostrar que somos nós que escolhemos o nosso caminho. Com o António e o Manuel, osdois irmãos do conto, percebemos que o caminho que tanto queremos pode levar-nos a fazer “orelhas moucas” aosnossos educadores, pais e professores … Assim, sem nos apercebermos, podemos invocar o nosso próprio abismo,que, no nosso caso escolar, pode ser a retenção!O fascínio e a tentação tiveram muita força e só no final do conto é que entendemos e aceitámos a severidade daspalavras da mãe dos dois meninos desobedientes. Afinal ela só queria protegê-los do perigo, só queria o seu bem!Concluímos este momento de escrita colectiva, demonstrando-lhe o nosso agradecimento público, uma vez que, àsua maneira, fez-nos pensar no que andamos a fazer …Teus admiradores, Turma 7º CP.S.: Prometemos, desde já, ler mais contos que estão no seu livro Os Meus Amores.

×