• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Revolução francesa no cotidiano
 

Revolução francesa no cotidiano

on

  • 7,992 views

 

Statistics

Views

Total Views
7,992
Views on SlideShare
6,231
Embed Views
1,761

Actions

Likes
0
Downloads
35
Comments
0

5 Embeds 1,761

http://monteolympocoleguium.blogspot.com.br 1541
http://www.monteolympocoleguium.blogspot.com.br 174
http://monteolympocoleguium.blogspot.com 32
http://monteolympocoleguium.blogspot.pt 13
http://monteolympocoleguium.blogspot.com.au 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Revolução francesa no cotidiano Revolução francesa no cotidiano Presentation Transcript

    • A Revolução e os costumes
    •  No Antigo Regime, nem todo mundo podia vestir o que quisesse. O motivo não era apenas o alto preço dos trajes, mas também as regras sociais que impediam o uso de determinadas peças; A França se consolidou como potência do comércio de moda no reinado de Luís XIV (1638-1715). O ministro Jean-Baptiste Colbert (1619-1683) chegou a criar uma indústria de rendas finas, o que levou o rei a decretar que só essas rendas poderiam ser usadas no país.
    • Esta gravura antiga é uma Gravura em madeira original (xilogravura) desenhada por Knilling. Colorida à mão (colorido de época). 1870.
    • Em 1789 a Revolução Francesa produziu uma profundamudança na estática da moda, e o material favorito mudou daseda ao puro algodão
    •  Mas a Revolução Francesa rompeu com a ostentação da corte. Motivados pelo ideal de que todos os homens são iguais, os franceses aprovaram um decreto em 1793 declarando que “nenhuma pessoa de qualquer sexo poderá constranger nenhum cidadão a se vestir de uma maneira específica sob pena de ser considerada e tratada como suspeita e perseguida como perturbadora da ordem pública: cada pessoa é livre para vestir-se de acordo com seu sexo como lhe convém”.
    •  A revolução francesa foi um marco importante dentro da história da moda, a maneira e vestir do Antigo Regime foi abandonada. Os casacos bordados, os vestidos brocados, as perucas e os cabelos empoados desapareceram, o estilo da corte francesa foi extinto e no seu lugar entrou o estilo inglês do campo definitivamente. Assim os homens passaram à usar um casaco de caça comprido, botas ao invés de sapatos e coletes justos, os colarinhos eram altos e os lenços do pescoço volumosos.
    • Capa Ajustada//Cartola.
    •  As roupas femininas mudaram completamente, forma abandonadas as anquinhas e os espartilhos, os tecido deixaram de ser extravagantes. Tudo agora era muito leve em cores pastéis ou branco, a cintura era alta, abaixo dos seios e os sapatos forma substituídos pelas sapatilhas sem salto. Os cabelos foram simplificados e o único adereço mais extravagante era uma pluma de avestruz.
    •  Todo o homem novo, não seria ‘novo’ se não portasse: As cores da bandeira, os modelos sans-cullotes (pobres, artesãos, a frente de batalhas, eles impõem as calças compridas, pantalonas, diferentes das que são usadas agora) Roseta *obrigatória* Tinha de ser portada de qualquer jeito, no colete, no chapéu, no casaco. Os moderados e os aristocratas eram identificados por sua recusa em usar a roseta. A partir de 1792, o barrete vermelho, o casaco estreito com várias filas de botões e as calças largas passam a definir o sans-culotte, isto é, o verdadeiro republicano.
    • Em 1793: A liberdade dovestuário, onde ninguémmais poderia ser obrigadoa ser vestir como eramandado foi aderida.
    • Apesar da Revolução, aFrança continuou sendoreferência mundial na moda. Anovidade é que as roupaspassaram a ser inspiradas naAntiguidade Clássica. Osvestidos desciam lânguidos,sem armações, imitando aforma das estátuas gregas. Acintura subia até abaixo dosseios. Os tecidos eram leves etransparentes, e de preferênciabrancos, em um primeiromomento. Os cabelosperderam o volume epassaram a ser baixos ecacheados ou presos emcoque.
    • As mulheres Nos primeiros anos da revolução a participação feminina foi aceita e até mesmo incentivada; Muitas fundaram clubes políticos e encabeçaram protestos e ações armadas; Marie Gouze escreveu a Declaração dos Direitos da Mulher e da Cidadã: manifesto reivindicando a igualdade de direitos entre homens e mulheres. Lei do divórcio: reconheceu a igualdade no casamento; Algumas proibições começaram a acontecer e passaram a ser repressões; Durante o período do terror, todas as associações de mulheres foram fechadas e muitas ativistas guilhotinadas; Por muito tempo, as mulheres francesas não puderam ocupar funções públicas, e o direito ao voto só foi aprovado em 1945; Os homens franceses acreditavam que, se as mulheres assumissem funções ou cargos públicos, elas não seriam capazes de constituir uma família e se dedicar a ela. Para esses homens, o lugar das mulheres era o lar, cuidando dos afazeres domésticos e educando os filhos.
    • Um balanço da Revolução
    • Ganhos e perdas Da classe camponesa:  Aquisição de pequenos lotes de terra;  Fim dos encargos feudais;  Inovações tecnicas e aumento da produtividade;  enriquecimento
    • Ganhos e perdas Da classe burguesa  Fim dos entraves econômicos;  Liberdade econômica;  Acumulo de lucro.
    • Ganhos e perdas Do exército  Carisma da população;  Poder;
    • Ganhos e perdas Da nobreza feudal:  Perda de privilégios e posições de domínio;  Sequestro de bens em favor dos pobres;  Acusação de conspiração.
    • Ganhos e perdas Do clero:  Perda de bens e privilégios;  Supressão da cobrança do dízimo  Confisco de terras  Perda do controle da vida civil: casamentos, nascimentos e óbitos.
    • Bibliografia: http://itsdopamina.blogspot.com.br/2011/01/revolucao-francesa-e-moda-palestra.html http://www.revistadehistoria.com.br/secao/artigos-revista/o-dominio-das-roupas http://companhiadasletras.net/trechos/80111.pdf http://fazendohistorianova.blogspot.com.br/2011/05/revolucao-francesa.html BRAICK. Patrícia. Das origens do homem à era digital. 1ª edição. 8º ano. São Paulo: Moderna. 2011.