As revoltas regenciais
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

As revoltas regenciais

on

  • 3,407 views

 

Statistics

Views

Total Views
3,407
Views on SlideShare
2,740
Embed Views
667

Actions

Likes
2
Downloads
49
Comments
0

6 Embeds 667

http://monteolympocoleguium.blogspot.com.br 592
http://www.monteolympocoleguium.blogspot.com.br 62
http://monteolympocoleguium.blogspot.com 6
http://monteolympocoleguium.blogspot.pt 3
http://monteolympocoleguium.blogspot.ru 3
http://monteolympocoleguium.blogspot.com.au 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

As revoltas regenciais As revoltas regenciais Presentation Transcript

  • Coleguium – 8º ano – Historia/2012
  • Revoltas na colônia Eram comuns e aconteceram durante todo o período regencial Motivos: 1. comerciantes locais lutavam contra o domínio da elite mercantil portuguesa; 2. no sul e no nordeste, proprietários rurais e camadas médias urbanas lutavam por mais autonomia para as províncias; 3. escravos lutavam pela liberdade; 4. homens livres pobres lutavam por melhores condições de vida.
  • Rusgas Cuiabanas: “Abaixo a Regência! Morte aos bicudos!” Bicudo: Apelido pejorativo Grito dos homens que iniciaram o levante dado aos conhecido como Rusgas Cuiabanas, ocorrido portugueses ou no Mato Grosso em 1834: pessoas de origem Sociedade dos Zelosos de Cuiabá: grupo portuguesa que liberal que se reunia desde 1833, formada por habitavam a região proprietários rurais, comerciantes, militares e de Cuiabá prodissionais liberais; Objetivos: combatiam a elite comercial portuguesa na região e defendiam mais outonomia para a província do Mato Grosso.
  • O desenrolardosacontecimentos Em maio de 1834 opresidente da província já haviaabandonado o cargo temendo ainsurreição, sendo substituidopelo vice-presidente, JoãoPepino Caldas Caldas, nãoconseguindo conter a revolta,apelou para o governo central. Os rebeldes foramderrotados, seus principaislideres foram presos no Rio deJaneiro e libertadosposteriormente.
  • A Cabanagem Ocorreu na antiga província do Grão- Pará, no norte do Brasil;  A província tinha vínculos fortes com Portugal e só reconheceu a independencia em 1823, por imposição do imperador.  Tensão social: maioria da população era formada por negros, indios e mestiços pobres, que formavam a mão de obra escrava ou Cabanos: maioria semiescrava, contra uma minoria de pobre da popoulação comerciantes brancos ricos. que vivia em cabanas  Os cabanos exigiam a expulsão dos na beira dos rios ou portugueses e melhores condições igarapés. de vida.
  • dosacontecimentos A revolta se alastroupara o interior e o movimentoganhou força em 1834. Em 1835 os cabanostomaram Belém, executaram ogovernador e outras autoridadese colocaram no governo ofazendeiro Félix ClementeMalcher que, mal sucedido foiexecutado pelos cabanos. Após vários revezes euma epidemis de variola, oscabanos acabaram vencidospelas tropas regenciais em maiode 1836. Fugindo para ointerior, só foram derrotadosdefinitivamente em1840, deixando um saldo de 40mil mortos.
  • A Revolta do Malês Revolta protagonizada por escravos africanos das etnias nagô (ou iorubá) e haussá, em 1835;  Os malês eram monoteistas e usavam amuletos com os versículos do Corão.  Muitos sabiam ler e escrever, aprendizado incentivado nas escolas islâmicas para a leitura do Coráo. A interpretação mais  Objetivos: lutavam contra a escravidão provável para a e conta a conversão forçada ao expressão “malê” é que catolicismo. o nome denominasse, na lingua iorubá, o africano muçulmano, ou seja, que tinha se convertido ao islã.
  • O desenrolar dosacontecimentos A revolta, que deveria eclodir em janeiro de 1835 foi delatada por escravos libertos aos antigos senhores. O movimento foi sufocado e seus líderes mortos. Os demais foram punidos com prisão, açoites ou degredo para a África.
  • A Sabinada Dois anos depois da Revolta do Malês, Salvador é sacudida por uma nova rebelião. Em 1937 tinha início a Sabinada.  Movimento urbano do qual participaram soldados, trabalhadores livres pobres e profissionais liberais.  Objetivo: separar a Bahia do resto do país e fundar uma república. Queriam um regime democrático que garantisse uma melhor condição de vida para a Sabinada: população. Nome tirado de um de seus líderes, o médico Francisco Sabino Álvares da Rocha.
  • O desenrolar dos acontecimentos Os rebeldes apossaram-se de Salvador. As tropas do governo cercaram a capital impedindo que entrassem nela alimentos. Sem comida os rebeldes enfraqueceram. Em fevereiro do mesmo ano as tropas conseguiram acabar com a rebelião deixando um saldo de 1.200 mortos e 3 mil prisioneiros.
  • A Revolta dos Farrapos Revolução Farroupilha ou Revolta dos Farrapos: a mais longa do período regencial durou 10 anos e aconteceu na província do Rio Grande so Sul.  Movimento liderado por grandes proprietários de terra e criadores de gado – os estancieiros;  Criadora de gado a provincia tinha a sua economia voltada para o mercado interno produzindo charque, a base da alimentação dos escravos, diferentemente dos estados do sudeste e nordeste, de economia Farroupilha: voltada para a exportação; pessoa mal vestida,  Objetivos da revolta: insatisfeitos com os maltrapilha, miserável. altos impostos cobrados sobre o charque e Embora o movimento com o desinteresse do governo em atender as suas reivindicações, os estanceiros tenha sido liderado pela pretendiam separar o R G Sul do restante elite sulista, ele foi do Brasil e formar uma república apoiada pelo Partido independente; Liberal Exaltado, conhecido como “farroupilha”.
  • O desenrolar dos Muitos brancos, mulatos, indios e escravos compuseram as tropas rebeldes,acontecimentos motivados pela promessa de serem alforriados no final da revolta. Em 1835 eclodiu o Em 1836 os revoltosos venceram amovimento, liderado por Bento promeira batalha e proclamaram a RepúblicaGonçalves, um rico estancieiro. Rio-Gransense ou Piratini. O governador da província foi Em 1838, comandados porderrubado e os revoltosos dominaram Giuseppe Garibalde e sua companheira Anita,Porto Alegre, a capital da província. os revoltosos ocuparam Santa Catarina e O governo regencial enviou proclamaram a República Juliana.tropas que encontraram forte resistência. Em 1845 as tropas governistas sob o comando de Luis Alves de Lima e Silva, o barão de Caxias, derrotou o movimento e promoveu um acordo com as lideranças locais: • anistia para os revoltosos; • os gaúchos poderiam escolher o presidente da província; • os impostos sobre o charque argentino foi aumentado. A República Farroupilha nunca libertou seus escravos.
  • A Balaiada Maranhão, 1838: criadores de gado do interior reagem contra a Lei dos Prefeitos – homens nomeados pelo presidente da provincia para governar os municipios.  Os líderes perderam o controle e ela se transformou numa revolta de homens livres pobres que haviam sido mobilizados por seus patrões;  A repressão aos rebeldes foi comandada por Luís Alves de Lima e Silva, o barão de Caxias; Balaiada:  A rebelião passou a uma terceira fase Nome originado de quando, escravos fugidos liderados por Manoel Balaio, um deles chamado Cosme, invadem vendedor de balaios de fazendas para libertar mais escravos. palha e um dos líderes  Lima e Silva reprimiu-os violentamente. da rebelião em sua segunda fase.