• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Apresentação segundo reinado 2012
 

Apresentação segundo reinado 2012

on

  • 2,359 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,359
Views on SlideShare
2,079
Embed Views
280

Actions

Likes
0
Downloads
54
Comments
0

6 Embeds 280

http://monteolympocoleguium.blogspot.com.br 230
http://www.monteolympocoleguium.blogspot.com.br 41
http://monteolympocoleguium.blogspot.com 5
http://monteolympocoleguium.blogspot.ru 2
http://monteolympocoleguium.blogspot.pt 1
http://monteolympocoleguium.blogspot.com.au 1

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação segundo reinado 2012 Apresentação segundo reinado 2012 Presentation Transcript

    • O Segundo Reinado (1840-1889) D. PEDRO II A POLÍTICA A ECONOMIA A SOCIEDADE A POLÍTICA EXTERNA A CRISE DA MONARQUIA A PROCLAMAÇÃO DA REPÚBLICA
    • Orientações Gerais: Esse power point não substitui a leitura do capítulo 14 do seu livro didático; Esse arquivo digital tem o objetivo de dar ênfase ao conteúdo do livro; Consultar os exercícios referentes a este conteúdo presentes no livro e no caderno de exercícios; Bons estudos! Professora Cynthia
    • D. Pedro II e família emPetrópolis, em foto deOtto Hees, a últimaantes do fim do Império.Da esquerda para adireita: a imperatriz, D.Antonio, a princesaIsabel, o imperador, D.Pedro Augusto (filho deD. Leopoldina, duquesade Saxe), D. Luís, oconde DEu e D. Pedrode Alcântara (príncipedo Grão-Pará) A família Imperial
    • A crise da Regência• Início com a política centralizadora com Araújo Lima• Não conseguiu reunir forças suficientes para levar adiante a política centralizadora (muitas províncias criaram uma série de dificuldades, pois temiam perder sua autonomia).• Surgiu, assim um movimento progressista (liberal), que reivindicava a antecipação da maioridade de D. Pedro de Alcântara.• Embora as divergências entre os grupos políticos crescessem a cada dia, a antecipação da maioridade de D. Pedro passou a ser vista como uma solução para ambos os lados.
    • Além disso, a imagem de um imperador fazia muita diferença na liderança do país.Desta forma, em julho de 1840, o imperador, com apenas 14 anos, foi declarado maior de idade, assumindo então o trono. Golpe da Maioridade
    •  Que comparações podem ser feitas entre a política praticada no século XIX e nos dias atuais? Há grandes semelhanças: a disputa entre os partidos marcou a história do período imperial brasileiro no século XIX e mantém-se como uma característica da história política recente. Mas também há diferenças. Durante o Primeiro Reinado (1822-1831) e no período das Regências (1831- 1840), o governo central, os grupos reunidos em partidos e as elites provinciais enfrentaram-se diversas vezes (recorrendo às armas).
    • Jogo Político: Disputa entre Liberais e Conservadores Dois partidos fortaleceram-se ao longo do Segundo Reinado e se constituíram nas correntes dominantes da política imperial. As origens dos dois partidos podem ser encontradas no Primeiro Reinado e nas Regências:1- Partido Conservador ( Antigos regressistas)2- Partido Liberal (Antigos progressistas)
    • “Nada mais parecido com um conservador do que um liberal no poder”Com base nessa afirmação, muitos historiadores declaramque conservadores e liberais, ao assumirem o poder,comportavam-se de forma parecida.
    • Eleições do “Cacete” D. Pedro II escolheu homens ligados ao partido Liberal para compor o primeiro ministério de seu reinado. Convocação das eleições para escolher os novos deputados que comporiam a Câmara → disputa acirrada e violenta entre candidatos liberais e conservadores. Eleições fraudulentas e conflituosas. Os políticos conservadores exigiram que o Imperador anulasse as eleições. Dissolução da Câmara e convocação de novas eleições.
    • O Parlamentarismo no Brasil Em 1847 foi criado o cargo de presidente do Conselho de Ministros, ou ministério, o que alguns autores consideram como o início do parlamentarismo. Além de chefiar o ministério, o presidente do conselho também organizava o gabinete ministerial. Um dos objetivos dessa medida era pôr fim às constantes crises políticas. Entretanto, o funcionamento do “parlamentarismo à brasileira” não deve ser confundido com o modelo clássico britânico.
    • O Parlamentarismo Inglês ↑ Os cidadãos elegem o Parlamento
    • O Parlamentarismo às avessas ↑ Os cidadãos elegem a Câmara
    • As transformações: Economia e Sociedade A segunda metade do século XIX foi um período de intensas transformações econômicas e sociais no Brasil. Muitas dessas transformações ocorreram na esfera do trabalho. O centro econômico do país deslocou-se das antigas áreas agrícolas do nordeste para o centro-sul, devido principalmente à expansão da lavoura cafeeira. Em algumas fazendas de café do oeste paulista o trabalho escravo foi sendo substituído pelo trabalho assalariado, sobretudo de imigrantes europeus, mas também de ex- escravos.
    •  Os centros urbanos passaram a representar papel importante na economia nacional: o comércio oferecia grande variedade de artigos importados da Europa; Presença dos escravos de ganho: escravos que trabalham por conta própria, entregando uma quantia fixa, diária ou semanal, a seus senhores. Alguns indivíduos conseguiram comprar a carta de Alforria com o resultado do seu trabalho. Diferentemente do que ocorria nas áreas rurais, os escravos urbanos tinham certa autonomia, pois trabalhavam longe do controle do senhor.
    •  Presença do escravo de aluguel: Os senhores cediam seus escravos a donos de estabelecimentos comerciais e industriais em troca de pagamento periódico. Em meados do século XIX, a cidade brasileira de maior importância era o Rio de Janeiro. De modo geral, os centros portuários estavam em melhor situação do que os estabelecidos no interior, e eram um reflexo da estrutura econômica voltada para as exportações de produtos primários.
    • O fim do Tráfico Negreiro Lei Bill Aberdeen (lei inglesa 1845): Tornava legal a apreensão de navios negreiros de qualquer nacionalidade pela Marinha Britânica. Além disso, estabelecia que o julgamento dos infratores fosse da competência dos juízes ingleses. Pressionado pela lei britância, o governo brasileiro não teve como recuar. Lei Eusébio de Queiróz (1850): proibiu a entrada de escravos no Brasil e liberando os capitais anteriormente empregados no tráfico negreiro para atividades cafeeira e industrial.
    • Razões das pressões inglesas para o fim do tráfico Existia um interesse econômico: com o fim do tráfico teríamos a liberação de capital no Brasil (o que aumentaria o consumo de produtos ingleses); Interesse político: A Inglaterra desejava mostrar que era a toda poderosa e que suas ordens deveriam ser obedecidas; Ideológico: Pregava o discurso do iluminismo e que era humanista. Ela não foi boazinha, pois caso os navios ingleses encontrassem os navios tumbeiros (desobediência as ordens) , estes eram afundados como todos dentro! Não há um motivo único para as pressões inglesas.
    • Produtos primários Atividades complementares: a extração do látex e plantio de algodão ganharam destaque a partir da Revolução Industrial; a seringueira tornou-se uma riqueza importante no século XIX; o algodão ganhou mercado garantido no comércio inglês; desenvolvimento da cultura do cacau (Bahia), tabaco, açúcar e a pecuária (espalhados por todo país); desenvolvimento do tabaco; É importante destacar que grande parte da população manteve-se à margem das melhorias econômicas. As dificuldades econômicas levaram parte da população nordestina a migrar para a Amazônia e dedicar-se à produção de borracha.
    • O carro chefe da economia: O caféRazões da ascensão: Quadro natural favorável; Contribuição técnica dos imigrantes; Ausência de países concorrentes no mercado internacional; Ausência de produtos concorrentes no mercado interno; Presença das ferrovias no transporte; Lei Eusébio de Queiróz.
    • As fases e os locais de produção do café:  1° FASE: Vale do Paraíba  2ª FASE: Oeste Paulista S.P. R.J. (1840-1870) (1870-1889) Formas tradicionais de trabalho;  Formas capitalistas de ocupação Agricultura arcaica - solo e uso da terra; montanhoso e mal utilizado;  Agricultura moderna – solo Aristocracia escravocrata e menos montanhoso e bem conservadora; utilizado; Dependência do patrocínio  Aristocracia imigrantista e oficial; liberal; Resistência ao movimento  Iniciativa privada independente; abolicionista;  Indiferença ao movimento Ideologia monarquista; abolicionista; Inércia cultural  Ideologia Republicana;  Intensidade do mov. Cultural.
    • O incipiente processo de industrialização: Razões da ascensão: Lei Eusébio de Queirós – Com essa lei os preços dos escravos se elevam, estimulando a vinda dos imigrantes; Contribuição dos imigrantes (mão-de-obra mais qualificada e assalariada); Não renovação em 1843 dos Tratados de 1810 com os ingleses favoreceu a economia brasileira; Tarifa Alves Branco (1844): Com esta tarifa o imposto da maioria dos produtos importados passou a ser de 30%; mas se no Brasil fosse fabricado um produto semelhante, o imposto chegava a 60%. A nova política de taxação abalou os exportadores ingleses. Expansão da lavoura cafeeira –crescimento dos centros urbanos, multiplicando ferrovias. Destaque: Atuação de Irineu Evangelista de Souza (Barão de Mauá);
    • Era Mauá (1845-1863) A sua capacidade empresarial e visão capitalista são responsáveis, dentre outras, pelas seguintes realizações: Primeira ferrovia do país: Rio-Petrópolis; Iluminação pública a gás, no Rio de Janeiro; Fundação de Bancos (Casas Bancárias Mauá) Construção de estaleiros; Estímulo à navegação no Rio Amazonas; Ligação telegráfica Brasil-Europa.
    • A fragilidade Não se deve entretanto, supervalorizar a indústria nacional. É uma atividade ainda incipiente no século XIX. Utilizou-se capital inglês, sobretudo nos setores bancário, de transportes (bondes e ferrovias) e de serviços gerais (correios, por exemplo), fornecedores de uma infra- estrutura adequada ao crescimento inicial da indústria. Destacam-se indústrias de moagem e torrefação de café, sacarias, tecidos, chapéus, farinhas, etc...
    • A presença de imigrantes Com a proibição do tráfico negreiro muitos fazendeiros passaram a fazer o tráfico interprovincial, porém esse não resolveu o problema da mão-de-obra. Os imigrantes (a partir de 1845) : Sistema de parceria: As despesas com a viagem do imigrante eram pagas pelo fazendeiro. O imigrante assumia o compromisso de cultivar, colher e beneficiar o café, dividindo com o proprietário da terra os lucros com a venda do produto. O imigrante, chamado de colono, assumia a dívida contraída pelo preço da passagem, incluindo os juros de 6% ao ano, e custos com a alimentação. Diante das dificuldades de efetuar os pagamentos exigidos, e por serem em geral maltratados pelos fazendeiros, muitos imigrantes acabaram se revoltando contra seus patrões.
    •  A partir de 1870, o governo brasileiro e as autoridades paulistas passaram a investir em propaganda na Europa, para atrair imigrantes. Alguns países europeus, como a Itália e a Alemanha, viviam em períodos de crise política devido a desemprego e às guerras associadas á unificação italiana e alemã. Essa conjuntura acabou trazendo milhares de trabalhadores europeus para a América. Vieram, nesse momento, através do sistema de contrato: que definia salários e prêmios em função da colheitas.
    • A concentração do latifúndio Lei de Terras (1850): Determinava que as terras públicas fossem vendidas e não doadas. E a posse da terra somente teria validade após o registro nos cartórios apropriados. Na prática, os grupos que aprovavam a lei queriam garantir que o alto custo do registro imobiliário impedisse os posseiros mais pobres de obterem a propriedade plena do solo onde plantavam. Aumento dos latifúndios. Observação: Aprovada no mesmo ano da extinção do tráfico e da entrada de imigrantes no Brasil - Dificultar que esses grupos tivessem acesso as terras.
    • Processo Abolicionista Lei Eusébio de Queirós (1850); Lei do Ventre Livre (1871): Assegurou que os filhos de escravas nascidos após aquela determinação seriam livres. Os seus donos poderiam entregá-los ao governo e receber uma indenização ou só os manteriam como escravos até completarem 21 anos. Década de 1880: Intensos debates sobre a questão abolicionista. destaque para o pernambucano Joaquim Nabuco e José do Patrocínio. Lei dos Sexagenário (1885): Declarava livres todos os escravos com mais de 60 anos. Essa lei ainda desobrigava os proprietários de sustentar os escravos idosos, que já não tinham condições de trabalhar.
    • Essas leis que não puseram fim a escravidão, permitiram aos senhores de escravos que ganhassem tempo até o momento da abolição.É importante destacar que durante todo o processo escravagista no Brasil sempre ocorreu alguma forma de resistência: quilombos, revoltas, fugas, abortos, suicídios, etc..
    • Lei Áurea (1888): Fim da escravidão.Os sentidos da Lei:1- Libertação: a data é vista positivamente . É comemorada como uma doação de liberdade da monarquia, representada pela princesa Isabel, a "Redentora".2- Enganação: a data é vista negativamente, pois a abolição legal da escravidão não aboliu efetivamente a opressão que o negro sofria. Construíram uma outra data história para a comemoração da abolição: 20/11 (consciência negra - data provável da morte de Zumbi.3- Crítico: a data é vista positivamente, mas sob novo enfoque: Não se valoriza a "dádiva" da monarquia abolindo a escravidão, mas sim a pressão do movimento popular (incluindo alguns proprietários de escravos). Em vez da doação real, a data é vista como conquista popular.
    • Versões sobre a Guerra do Paraguai 1ª: O Brasil, Argentina e Uruguai iniciaram a guerra para tirar Solano López do poder por contar do seu governo ditatorial; 2ª: A guerra teria sido incentivada pelos interesses ingleses (imperialismo inglês) em prejudicar a economia paraguaia, uma vez que esta não dependia dos seus produtos; 3ª: Disputa pela hegemonia na região do rio da Prata. Chama atenção, assim para o processo de formação dos Estados nacionais da América latina e da luta deles para assumir uma posição dominante no continente. VERIFICAR MAPA PÁG. 233.
    • Guerra do Paraguai 1865-1870 Os atuais Paraguai, Argentina e Uruguai faziam parte do domínio espanhol com o nome de Vice-reino da Prata; Independência da Argentina em 1810; Contrariando os interesses argentinos, um ano depois o Paraguai tornou-se independente. A Argentina recusou-se a reconhecer a independência do país vizinho; Após a independência o Paraguai deu início ao projeto de desenvolvimento autônomo:confisco de propriedades particulares, abolição do trabalho escravo; distribuição de terras aos camponeses, combate ao analfabetismo, crescimento das indústrias. É importante salientar que este país importava produtos ingleses.
    •  Em 1854, os argentinos reconheceram a independência do Paraguai e estabeleceram um acordo de livre navegação na bacia do prata e no rio Paraná. Entre o Brasil e o Paraguai havia uma tensão permanente em relação ao uso da Bacia do Prata para a navegação (Garantir o acesso ao Mato Grosso pelo Rio Paraguai – viagem por terra do RJ até Mato Grosso demorava, em média, quatro meses e meio. Logo, o Brasil defendia a livre circulação na bacia platina, com que os paraguaios não concordavam.) O precário equilíbrio diplomático entre o Brasil e o Paraguai foi abalado devido a uma disputa política ocorrida no Uruguai, antigo território brasileiro.
    •  O governo brasileiro alegou que os estancieiros blancos estavam invadindo as terras do sul do Brasil e que não garantiam a segurança dos brasileiros que residiam no Uruguai. Os blancos que estavam fora do poder, sentindo-se sob a ameaça de uma intervenção brasileira no país, aproximaram-se de Solano López (presidente do Paraguai) Em 1864, o governo brasileiro enviou um ultimato ao Uruguai. O não- cumprimento dessas exigências levou o Brasil a invadir o país, em 1864. Solano López (presidente do Paraguai) interessado em ser a maior potência na América do Sul colocou-se contra a invasão do Uruguai, e tropas paraguaias apreenderam o navio brasileiro Marquês de Olinda no rio Paraná. Em seguida, as tropas paraguaias lançaram-se em ofensiva contra o Mato Grosso, e ocuparam parte da província.
    •  Solano acreditava que teria o apoio dos argentinos, devido a existência de divergências políticas com o Brasil, contudo ele não sabia que o atual presidente da Argentina Bartolomeu Mitre tinha assinado acordos com o Brasil no mesmo período; que teria o apoio do Uruguai, principal interessado, porém o presidente era colorado (grupo político aliado do Brasil) Diante dessa ofensiva paraguaia quem obteve o apoio foi o Brasil e o Solano López ficou sozinho. Em maio de 1865 foi assinado o Tratado da Tríplice Aliança, reunindo Brasil, Argentina e Uruguai → Início da Guerra.
    • Importante: Paraguai contava com 77 mil combatentes contra 18 mil do Brasil, 6 mil da Argentina e 3 mil do Uruguai. População brasileira cerca de 11 milhões e do Paraguai 406 mil. Por causa da guerra o governo imperial subordinou a Guarda nacional ao Exército; Os paraguaios perderam o controle do rio Paraná, sua única via de acesso ao exterior. Sem abastecimento, as tropas paraguaias em território gaúcho renderam-se em setembro de 1865. Desse momento, até o final da guerra, os paraguaios estiveram na defensiva. A guerra durou cinco anos, e só acabou no combate de Cerro Corá quando López foi derrotado e assassinado. Ao terminar a guerra, o Paraguai se encontrava arrasado: perdera todo o seu exército e quase a metade de sua população.
    • A queda da Monarquia Questão militar: Mudança de situação alcançada pelo Exército Brasileiro: com a vitória no Paraguai, o prestígio dos militares aumentou e muitos oficiais passaram a se envolver com os rumos da política do país. A monarquia saía enfraquecida, pois os militares passaram a defender o abolicionismo e a republicanismo. A formação do partido Liberal Radical: reivindicou reformas políticas e econômicas, como a abolição da escravidão, maior autonomia para as províncias e a extinção do poder moderador. Esse grupo deu origem ao Partido Republicano (1870). Campanhas abolicionistas e dos republicanos se reforçavam mutuamente Em 1870, publicado o Manifesto Republicano que apresentava críticas a monarquia. Apoio nas províncias de São Paulo, Rio Grande do Sul e Minas.
    •  A formação do Clube Militar, fundado em 1887 e presidido por Deodoro da Fonseca, passa conspirar contra a realeza. Questão religiosa: Desentendimento do Imperador com a Igreja, por conta da maçonaria; Questão com os latifundiários: Falta de apoio desse grupo social por conta da abolição da escravatura. Baile da Ilha Fiscal; Proclamação da República; O povo sem saber de nada assistiu bestializado a proclamação da república. D. Pedro II e sua família foram expulsos do país.