Literatura Brasileira Contemporaneidade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Literatura Brasileira Contemporaneidade

on

  • 35,099 views

 

Statistics

Views

Total Views
35,099
Views on SlideShare
27,737
Embed Views
7,362

Actions

Likes
1
Downloads
328
Comments
0

21 Embeds 7,362

http://profalufonseca.blogspot.com.br 5724
http://profalufonseca.blogspot.com 1398
http://profalufonseca.blogspot.pt 104
http://www.slideshare.net 55
http://elisliteratura.blogspot.com 29
http://www.profalufonseca.blogspot.com 10
http://webcache.googleusercontent.com 8
http://profalufonseca.blogspot.com.ar 7
http://profalufonseca.blogspot.jp 7
http://elisliteratura.blogspot.com.br 4
http://profalufonseca.blogspot.com.es 3
http://www.elisliteratura.blogspot.com 2
http://renanleandro.zip.net 2
http://translate.googleusercontent.com 2
http://profalufonseca.blogspot.mx 1
http://www.profalufonseca.blogspot.com.br 1
http://www.google.com.br 1
http://profalufonseca.blogspot.co.uk 1
http://profalufonseca.blogspot.it 1
http://64.233.169.104 1
http://profalufonseca.blogspot.de 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Literatura Brasileira Contemporaneidade Literatura Brasileira Contemporaneidade Presentation Transcript

  • A CONTEMPORANEIDADE E A POESIA CONCRETA Profa. Lucilene Fonseca
  • O início
    • A cultura brasileira nos anos 50 e 60 acompanhou o ritmo das mudanças que estavam ocorrendo na política e na economia, novas idéias surgiam com o Teatro de Arena, a Bossa Nova, os festivais de música transmitidos pela televisão e as vanguardas concretas nas artes plásticas e na poesia.
    • O que chamamos de produções contemporâneas são obras e movimentos surgidos em décadas que refletem um momento histórico caracterizado inicialmente pelo autoritarismo, por uma rígida censura e enraizada autocensura só amenizados a partir de meados da década de 80, quando se verificou uma progressiva normalização da vida democrática no país. As diversas condições desse período não mergulharam o país numa calmaria cultural. Pelo contrário, assistimos a uma produção cultural bastante intensa em todos os setores. Na poesia, duas constantes: uma cada vez mais apurada reflexão sobre a realidade e a busca de novas formas de expressão.
  • Um movimento: Concretismo
    • A literatura brasileira, por meio de alguns de seus escritores, “lançou” as poesias concretas. Um movimento chamado Concretismo, iniciado em 1956, que teve a liderança de três poetas paulistas: Décio Pignatari e os irmãos Augusto e Haroldo de Campos. Como porta-voz de suas idéias, o grupo criou a revista Noigandres.
  • Grupo Noigrantes
    • Das atividades e experimentos do grupo Noigandres emergiria, entre 1953 e 1956, esse movimento, cujo lançamento público iria ocorrer na "Exposição Nacional de Arte Concreta" (São Paulo, dezembro de 1956; Rio de Janeiro, fevereiro de 1957), na qual tomaram parte poetas e artistas plásticos de São Paulo e do Rio de Janeiro.
    • O Concretismo provavelmente foi, da década de 1950 até os nossos dias, a principal corrente de vanguarda em nossa literatura, em virtude da influência que exerceu, e ainda exerce hoje, sobre sucessivos grupos de poetas, artistas plásticos e músicos. Um movimento de vanguarda, que, após a explosão modernista de 1922, foi o que trouxe à literatura brasileira o maior impulso no sentido de uma renovação estilística.
  • A Poesia Concreta
    • Foi o primeiro movimento internacional que teve, na sua criação, a participação direta, original, de poetas brasileiros.
    • Os poetas concretos, baseados na ruptura com o verso e na exploração de recursos "verbivocovisuais", criaram trabalhos de natureza icônica, nos quais o poema tende a ser uma representação objetiva da própria coisa de que trata. Partindo da assertiva de que o verso tradicional já havia encerrado seu ciclo histórico, a poesia concreta propõe o poema-objeto, em que se utilizam múltiplos recursos: o acústico, o visual, a carga semântica, o espaço tipográfico e a disposição geométrica dos vocábulos na página. Trata-se do aproveitamento dos espaços em branco e dos recursos gráficos na folha de papel, a sonoridade das palavras, as relações entre significado e significante.
  • de sol a sol soldado de sal a sal salgado de sova a sova sovado de suco a suco sugado de sono a sono sonado sangrado de sangue a sangue (Haroldo de Campos. In: BOSI, Alfredo. História concisa da literatura brasileira. São Paulo: Cultrix, 1999. p. 479.) “ Neste poema, é possível ver o início da desconstrução das regras formais da versificação. Nas relações internas feitas pela colocação das palavras é que as idéias são formadas. A aproximação entre sol, sal, sova, suco, sono e sangue cria uma cadeia interna ao poema, o que acaba construindo as rimas e a lógica dele. Da mesma forma, a derivação dessas palavras cria seus contrapontos”. (Valenza, A)
  • "pós-tudo" - Augusto de Campos
    • Uma poesia inquieta, anárquica, que se aproxima da comunicação visual e explora a palavra em várias dimensões.
    • Um dos traços mais importantes da poesia concreta é aquele que procura mexer com o leitor, exigindo dele uma participação ativa, uma vez que permite uma leitura múltipla.
  • Poesia Concreta x Arte Concreta
    • beba coca cola   babe         cola   beba coca   babe cola caco   caco   cola            c l o a c a  
    • "beba coca cola"
    • (1957), Décio Pignatari  
      Lygia Clark, Plano  superfícies moduladas n.3.
  • Considerações finais
    • Mesmo depois que o período da poesia concreta havia passado como uma corrente definida da tendência artística brasileira, os integrantes originais desse movimento não pararam de produzir. Sempre envolvidos em debates, discussões e críticas, continuaram marcando os rumos da arte e do pensamento estético, nacional e internacionalmente. O texto poético deixou de ser uma mera interpretação da realidade e passou a constituir sua própria realidade.
    • “ Pode-se dizer que hoje não há uma arte, não há a poesia, mas há artes, há poesias. Cada arte se fragmenta em tantas artes quantos foram os artistas capazes de fundar um tipo de expressão original.” João Cabral de Melo Neto