• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
 

Apresentação do Eixo III na III Conferência Municipal da Cultura de Altaneira

on

  • 269 views

O município de Altaneira, no estado do Ceará, realizou neste sábado (10), a III Conferência Municipal da Cultura com a temática "Uma Política de Estado para a Cultura: Desafios do Sistema ...

O município de Altaneira, no estado do Ceará, realizou neste sábado (10), a III Conferência Municipal da Cultura com a temática "Uma Política de Estado para a Cultura: Desafios do Sistema Nacional de Cultura". O encontro foi a bordado a partir de quadro eixos temáticos, a saber: “Uma Política de Estado para a Cultura: Desafios do Sistema Estadual de Cultura”, A Cultura no Município: Produção Simbólica, Cidadania e Desenvolvimento”, “Cidadania e Direitos Culturais” e “Cultura e Desenvolvimento”.

Statistics

Views

Total Views
269
Views on SlideShare
269
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
2
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Apresentação do Eixo III na III Conferência Municipal da Cultura de Altaneira Apresentação do Eixo III na III Conferência Municipal da Cultura de Altaneira Presentation Transcript

    • SECRETARIA MUNICIPAL DE CULTURA, DESPORTO E TURISMO ALTANEIRA - CE
    • TEMÁTICA “Uma Política de Estado para a Cultura: Desafios do Sistema Nacional de Cultura” III CONFERÊNCIA MUNICIPAL DA CULTURA
    • FOCO Garantia do pleno exercício dos direitos culturais e consolidação da cidadania, com atenção para a diversidade étnica e racial EIXO III CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • SUB - EIXOS 1. Democratização e ampliação do acesso à cultura e descentralização da rede de equipamentos, serviços e espaços culturais, em conformidade com as convenções e acordos internacionais; 2. Diversidade cultural, acessibilidade e tecnologias sociais; 3. Valorização e fomento das iniciativas culturais locais e articulação em rede; 4. Formação para a diversidade, proteção e salvaguarda do direito a memória e identidades EIXO III CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • 1. DEMOCRATIZAÇÃO E AMPLIAÇÃO DO ACESSO À CULTURA E DESCENTRALIZAÇÃO DA REDE DE EQUIPAMENTOS, SERVIÇOS E ESPAÇOS CULTURAIS, EM CONFORMIDADE COM AS CONVENÇÕES E ACORDOS INTERNACIONAIS. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • O ser humano é essencialmente cultural. Ele nasce, se desenvolve e morre imerso em uma determinada cultura, com seus modos de vida, língua, rituais, instituições, conhecimento, vestuário, arte e valores próprios. Por isso, ele percebe o mundo a partir de sua própria cultura. Diante desse universo cultural, faz-se necessário afirmar que é direito de cada ser usufruir e construir cultura. Pensar assim, implica em lutar pela democratização cultural, considerada em seu sentido amplo. (Material e Não Material) Mas o que vem a ser a democratização cultural e como ela pode ser feita? CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • É bem verdade que a produção e o acesso à cultura evoluíram, mas a ampliação e a democratização cultural ainda se configura como um desafio. Um estudo dos documentos da ONU/Unesco, por exemplo, nos permite afirmar que compete ao poder público cinco grandes atribuições, a saber: 1. Assegurar plena liberdade de criação da cultura; 2. Garantir condições materiais para a produção cultural, de forma que os criadores possam usufruir de suas obras; CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • 3. Universalizar o acesso aos bens culturais; 4. Proteger e promover as identidades e a diversidade cultural; 5. Estimular o intercâmbio cultural nacional e internacional. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Desigualdade na distribuição territorial e de equipamentos culturais: Um estudo da Fundação Perseu Abramo, por exemplo, sinaliza que 91% dos municípios brasileiros não têm salas de cinema, 79% não possuem teatros ou salas de espetáculo, 70% não contam com centros culturais e apenas 28% dispõem de ao menos uma livraria. Por esta razão é necessário propostas que vislumbrem democratizar o acesso da população aos bens culturais. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Estratégias para reduzir as desigualdades e ampliar o acesso as produções culturais Precisamos discutir a elaboração de uma política para o setor cultural brasileiro e altaneirense visando, inclusive, o equilíbrio entre os papeis do estado, das empresas patrocinadoras e do próprio mercado (produtores e consumidores). Urge a necessidade de se debater de forma efetiva os caminhos para a valorização e criação de espaços da produção e preservação da cultura nacional, estadual e local. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Faz-se necessário, então, buscar formas de dialogar com os poderes constituídos, seja ele federal, estadual e municipal, tendo como premissa sensibilizá-los para a necessidade de preservação do Patrimônio Histórico- Cultural, a valorização do passado, bem como a memória coletiva dos municípios alicerçada em diversas áreas do conhecimento humano. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • 2. DIVERSIDADE CULTURAL, ACESSIBILIDADE E TECNOLOGIAS SOCIAIS CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • O que distingue cada cultura? Fatores de Identidade Cultural: Raça, língua, religião, política, costumes. Toda e qualquer sociedade possui marcas próprias que lhes dão identidades e ao mesmo tempo as diferencia das demais. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Acessibilidade, Cultura e Inclusão Não se pode falar de acessibilidade e inclusão tendo como premissa a cultura, se não se perceber o fazer cultural enquanto traço constitutivo do homem e as pessoas com deficiência como consumidoras e produtoras de cultura, por meio da interação social vista como elemento estimulador da criatividade e da ampliação do olhar. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Pensar assim, é perceber o outro como sujeito histórico e, como tal, merecedor de respeito, necessitando por tanto, ser integrado, incluído nos mais diversos espaços socioculturais. Diante disso, faz-se necessário instituir políticas voltadas tanto para a que as pessoas possam usufruir quanto para o fazer cultural, sempre tendo como finalidade o acesso as suas próprias produções. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • 3. VALORIZAÇÃO E FOMENTO DAS INICIATIVAS CULTURAIS LOCAIS E ARTICULAÇÃO EM REDE. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • PONTOS DE CULTURA O Ministério da Cultura vem buscando a partir de 2004 com o Programa Nacional de Cultura, Educação e Cidadania – PCV valorizar e estimular os diversos espaços culturais por meio do projeto pontos de cultura. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Ante a isso, o programa vem ganhando importância e garante aos municípios, através de instituições e fundações culturais a possibilidade de serem contemplados com recursos financeiros. Em 2011 o município de Altaneira foi contemplado com o projeto ponto de cultura. A entidade apoiada, Fundação Educativa e Cultural ARCA, é referência nessa área e que há mais de 1o anos vem desenvolvendo importantes trabalhos na comunidade que, perpassa por vários pontos, a saber, na área da economia solidária (projetos como a Apicultura, Projeto Mandala, corte e costura) como também na área educacional através de cursos como o Inclusão Digital e também Projetos como a arca da leitura, dentre outros. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Há, por tanto, a necessidade de se fortalecer essa política cultural, ao passo que urge também, a contrapartida a nível municipal no sentido de valorizar e trabalhar em conjunto com os demais entes federados na perspectiva de desenvolver projetos que possam ser futuramente contemplados com a iniciativa ora mencionada. Afinal, “...se antes era dito que o Estado brasileiro não estava preparado para operacionalizar um programa de tamanho impacto social, político e cultural, agora o que se busca é transformar esse Estado e adequá-lo ao Programa.” (Documento base da III Conferência da Cultura). CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • 4. FORMAÇÃO PARA A DIVERSIDADE, PROTEÇÃO E SALVAGUARDA DO DIREITO À MEMÓRIA E IDENTIDADES CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • ENSINO BÁSICO (EDUCAÇÃO E CULTURA) Constituição Federal/88 LDB/96 10. 639/03 11.645/08 Mais Cultura nas Escolas CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Educar e formar para a diversidade é ter como princípio norteador das ações o respeito e a valorização de uma sociedade com pluralidade de ideias e de costumes. Formar para a diversidade implica o comprometimento das instituições de ensino em diálogo constante com o poder público com a educação patrimonial cultural. A CF em seu Art. 216 afirma que “constituem patrimônio cultural brasileiro os bens de natureza material e imaterial, tomados individualmente ou em conjunto, portadores de referência à identidade, à ação, à memória dos diferentes grupos formadores da sociedade brasileira, nos quais se incluem: I - as formas de expressão; II - os modos de criar, fazer e viver; III - as criações científicas, artísticas e tecnológicas; IV - as obras, objetos, documentos, edificações e demais espaços destinados às manifestações artístico-culturais; V - os conjuntos urbanos e sítios de valor histórico, paisagístico, artístico, arqueológico, paleontológico, ecológico e científico”. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Como ponto de partida e também de reflexão, frisamos que este ano a Lei 10.639/2003 completou uma década. O que nos deixa um tanto quanto perplexos é que, mesmo depois de tanto tempo, a obrigatoriedade da inclusão no currículo oficial da Rede de Ensino da temática "História e Cultura Afro-Brasileira" constante desta lei ainda não vingou. O cenário educacional brasileiro ainda não respeita esse princípio constitucional. Dessa forma, a ausência da análise e do estudo da cultura afro-brasileira dificulta a oportunidade dos afrodescendentes em construírem uma identidade. Tal pressuposto é um terreno fértil para a disseminação de discursos e atitudes falsárias sobre a origem do povo negro e sua trajetória. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • A lei 11 645, promulgada em 2008, ao tornar obrigatório o ensino da história e da cultura africana e das populações indígenas, avança no sentido de minimizar/extinguir esse apagamento. Sua aprovação, ao mesmo tempo que significa o reconhecimento de uma ausência nos currículos escolares, atua na abertura de um rico espaço de discussão e proposição de atividades. O debate sobre patrimônio imaterial pode ser um gancho bastante interessante para a implementação dessa lei em sala de aula, pois, a partir da definição do que se considera patrimônio histórico imaterial, sua função na sociedade e sua relevância para as novas gerações, pode-se problematizar o reconhecimento, a valorização e a preservação das culturas negra e indígena em nosso país. CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • O programa Mais Cultura nas Escolas (MinC e MEC) “... visa apoiar projetos elaborados por escolas públicas de tempo integral, em parceria com artistas, mestres de culturas populares e entidades culturais (pontos de cultura, museus e bibliotecas), com a finalidade de ocupar o tempo extracurricular dos estudantes.” (Documento base da Conferência da Cultura). CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS
    • Agradecido pela atenção e participação. José Nicolau da Silva Neto* E-Mail: nicolauhistoria@gmail.com *Graduado em História (URCA) e cursando pós-graduação em Docência do Ensino Superior (Faculdade Católica do Cariri - FCC). Visite Nosso Blog: http://www.informacoesemfoco.com CIDADANIA E DIREITOS CULTURAIS