Dra. Lília Maíse de JorgeCRP/06-17953
Autismo – HistóricoCuriosidades• Início interessante – pautado em coincidências• Kanner e Asperger• Sequência de estudos n...
Portanto, hoje...Autismo– Patologia complexa– Variabilidade de arranjos dos sintomas– Espectro de possibilidades clínicas
Diagnóstico atual Difícil - Exige experiência, humildade e estudo dos avaliadores. Espectro –Transtornos do Espectro Aut...
Diagnóstico atual Crianças pequenas (com menos de 4anos) devem ser observadas eestimuladas durante um tempo antes dese es...
Avaliação psicológica Primeiramente: é possível Com crianças menores: Escalas para checklist (NÃO HÁ escalas com normas...
Intervenção – a que eu faço Interação Observação Jogos Por meio de brinquedos e de observação dacriança, pode-se conhe...
Intervenção – a que eu faço É preciso entender o que acontece com o processamento deinformação dessa criança, para justif...
Distúrbios regulatórios – pautadosno desenvolvimento
Distúrbios regulatórios A casa do desenvolvimento humano -Teresa Bolick Fundação da casa – S-Motor e Auto-Reg./Adap. Se...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades com os Movimentos• Podem ser:• Excessivos ou Atípicos• Isto afet...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Há dificuldades no planejamento motor, na dinâmica domovimento: começar, p...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades sensoriais• Pode ocorrer:• hipossensitividade ou hipersensitivid...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Complicação: As respostas sensoriais mudam ao longo do dia! A sobrecarga ...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) DificuldadesTáteis Pode ocorrer desconforto em: Pegar na mão Ser tocado ...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Dificuldades Auditivas Podem ouvir sons que os outros não ouvem. Incomoda...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) DificuldadesVisuais Autistas reagem a: Cor, luz, padrões Causam desconfo...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Dificuldades Olfativas / Gustativas Sabores: podem ser insuportáveis ou ag...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades na Comunicação• Há autistas não-verbais• Os verbais podem ter qu...
Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades na Comunicação• Dificuldade no uso do apontar paraexpressar in...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) CSA – Comunicação Suplementarou Alternativa Melhora a relação do autista(s...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades Sociais• Autistas não se relacionam, não pq não querem.• Eles tê...
Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades Sociais• Têm dificuldade no contato ocular.• Têm dificuldade n...
Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades Comportamentais• Interesses e preocupações não usuais.• Manejo...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades na Aprendizagem• Confundem-se com palavras similares.• Confundem...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Interesses e fascinações Autistas se interessam por coisas estranhas(símbo...
Características autísticas(Paula Kluth, 2010) “A sociedade colabora para que o autismo seja vistocomo um problema”. “Uma...
Texto interessante (Kluth, 2010, p.20)escrito por autistas e aspergers “Síndrome neurotípica é uma desordem neurobiológic...
Escola Inclusiva (Paula Kluth, 2010) Características Líderes comprometidos Compreendem inclusão como uma ideologia, uma...
Escola Inclusiva (Paula Kluth, 2010) Cultura escolar inclusiva Movimentos dentro da escola voltados para a compreensão e...
Escola Inclusiva(Sheila Wagner, 1999) Esta autora completa com alguns itensimportantes: Suporte administrativo Suporte ...
Escola Inclusiva(Sheila Wagner, 1999) Coordenador(es) de Inclusão Responsável (eis) pela implementação do PEI e seumonit...
Papel do professor(Paula Kluth, 2010)“Em cada classe na qual encontramosalunos com sucessoinesperado, encontramos um profe...
Modificações acadêmicas para inclusão deum autista (Sheila Wagner, 1999) Nas atividades e materiais (sensoriais) Na quan...
Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Criando salas confortáveis: Luminosidade Não muito alta (acender só algumas) Sem luz...
Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Odores Restringir o uso de perfumes etc. Cheiros de comida podem distraí-los; organiz...
Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Assentos adequados Cadeiras Considerando que em cada local da escola o aluno vaiencon...
Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Organização do espaço Espaço para o estudante Cada um tem uma necessidade: Lugares c...
Exemplos de tesouras
Quadro para atividade na vertical
Pistas Visuais Quadros organizadores de atividades Atividades gerais – na parede da sala Atividades específicas – na ca...
Quadro organizador - de parede
Organizadores de atividades
Organizadores de tarefas básicas Planejamento de tarefas: Coloque esses itens em sua mochila:
Sequência para uso do banheiro
Comportamento (Paula Kluth, 2010)Como fenômenopessoal• Dois indivíduos não reagem da mesma forma na mesmaexperiência.• A m...
Comportamento (Paula Kluth, 2010) De um modo geral: Focalize o positivo, as capacidades que a criança possui. “Ponha su...
Estimulação CognitivaOs autistas precisam, além daestimulação sensorial, trabalhar apercepção e o raciocínio.A melhor form...
Estratégias comportamentais –(Buron & Curtis, 2003)• Usada em um programa que ensinacomportamento social adequado.• Propos...
 Escala de 5 pontos – exemplo Exemplo:Quando a voz dacriança é muito alta. 5 – em emergências (gritar) 4 – no interval...
Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Rocket Ship (Foguete) ou Flower Chart (Cartão deFlor) Para melhorar o comportame...
Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Snake race Para melhorar o nível de atenção na tarefa ea independência para fazê...
Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Puzzle piece Para incentivar a criança a terminar atarefa sozinha. A professora...
Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Calm-down time Serve para auto-regulação; para o alunoidentificar quando está ne...
Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Professora ajuda o aluno a decidir quais as melhoresestratégias para que ele obte...
Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para socialização: Ensine habilidades sociais diariamente...
Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para comunicação: Ensine habilidades de comunicação funci...
Exemplos de suportes paracomunicação
Exemplos de suportes paracomunicação
Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para comportamento em salade aula: Observe o que pode dis...
Quadro para controle decomportamento
Exemplos de materiais parareforçamento
Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando Intervenções Gerais: Saiba das suas expectativas, mas apresente expect...
OBRIGADA!liliamaise@uol.com.brliliamaise@gmail.com
Compreendendo as características autísticas e suas implicações no
Compreendendo as características autísticas e suas implicações no
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Compreendendo as características autísticas e suas implicações no

1,129 views
952 views

Published on

1 Comment
2 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
1,129
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
89
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
1
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Compreendendo as características autísticas e suas implicações no

  1. 1. Dra. Lília Maíse de JorgeCRP/06-17953
  2. 2. Autismo – HistóricoCuriosidades• Início interessante – pautado em coincidências• Kanner e Asperger• Sequência de estudos não linear• Causa psicológica X Causa neurobiológica/genética• Nomenclatura• Autismo: de adjetivo (sintoma) para substantivo (síndrome)• T. Invasivo T. Global T. Neurodesenvolvimental• Entidade Nosológica (sintomas) Espectro (variabilidade)• Tipologia – diversificada• Idiopático ou sindrômico• Alto ou baixo funcionamento cognitivo• Comprometimento leve, moderado ou severo
  3. 3. Portanto, hoje...Autismo– Patologia complexa– Variabilidade de arranjos dos sintomas– Espectro de possibilidades clínicas
  4. 4. Diagnóstico atual Difícil - Exige experiência, humildade e estudo dos avaliadores. Espectro –Transtornos do Espectro Autístico (TEA) Termo abrangente Inclui as patologias: T. Autista, T. Asperger,TGD-SOE. Há ainda incorporações: D. Semântico Pragmático Transtorno de Aprendizagem Não-Verbal (TANV) É preciso também considerar a diferença entre: Autismo idiopático (sem causa definida) Autismo sindrômico, ou secundário (com causa conhecida).
  5. 5. Diagnóstico atual Crianças pequenas (com menos de 4anos) devem ser observadas eestimuladas durante um tempo antes dese estabelecer um diagnóstico, caso elenão seja óbvio por análise dos sintomas. ASCs – Condições doEspectro do Autismo.
  6. 6. Avaliação psicológica Primeiramente: é possível Com crianças menores: Escalas para checklist (NÃO HÁ escalas com normas brasileiras) Observação detalhada do desenvolvimento Considerações acerca de Atipia ou Atraso. Com crianças maiores: Testes de inteligência – de preferência vários (perfil/discrepância) Testes Nps (atenção, percepção, memória, FEx) Testes para investigação emocional e social Provas psicopedagógicas Provas psicomotoras Com a família Com a escola
  7. 7. Intervenção – a que eu faço Interação Observação Jogos Por meio de brinquedos e de observação dacriança, pode-se conhecer melhor o que ela estápensando, e como ela está compreendendo o mundo. Acompanhar um caminho que ela própria traça podefazer com que você entre no universo cognitivo dacriança e a traga para o seu, posteriormente.
  8. 8. Intervenção – a que eu faço É preciso entender o que acontece com o processamento deinformação dessa criança, para justificar seus atos e ser possíveltraçar planos de intervenção. Minha linha de trabalho é cognitivista, por isso uso o olhar clínicosobre as condições do processamento da informação que umacriança está sendo capaz de fazer naquele momento. Investigar habilidades cognitivas é prioridade. Gosto de trabalhar mais sobre o que a criança faz, do que sobre oque ela não faz.
  9. 9. Distúrbios regulatórios – pautadosno desenvolvimento
  10. 10. Distúrbios regulatórios A casa do desenvolvimento humano -Teresa Bolick Fundação da casa – S-Motor e Auto-Reg./Adap. Sensório Motor• compreender a imensa quantidade de dados sensoriais. Auto –Regulação descobrir como regular suas próprias respostas. Dieta sensorial – controle ambiental de estímulos quepodem gerar desregulação. Low and Slow – estratégia do adulto para ajudar criançasem estado de estresse a se acalmarem.
  11. 11. Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades com os Movimentos• Podem ser:• Excessivos ou Atípicos• Isto afeta:• Postura, ações, fala, pensamentos, percepções, emoçõese memória.• Observados por meio de:• Caminhar diferente• Girar as mãos• Fazer o flapping• Caminhar de um lado para outro• Andar na ponta dos pés
  12. 12. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Há dificuldades no planejamento motor, na dinâmica domovimento: começar, parar, executar, ser rápido, controlar. Compreender essas questões permite que osprofessores pensem na forma mais correta de agir comautistas em sala de aula. A psicomotricidade é o melhor caminho paraconsciência corporal; deve constar no currículo básico. Um toque (prompt) para o início de uma atividade podeser o suficiente para que eles a executem. A imitação motora é uma meta a se atingir.
  13. 13. Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades sensoriais• Pode ocorrer:• hipossensitividade ou hipersensitividade• Auditiva, visual, tátil, olfativa, proprioceptivae vestibular.• Isso causa impacto na aprendizagem.• A sobrecarga pode ocorrer com:• Luzes intensas ou fluorescentes• Barulhos; sons fortes e inesperados• Texturas rugosas nas roupas• Fala rápida ou lenta demais• Lugares quentes ou frios demais
  14. 14. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Complicação: As respostas sensoriais mudam ao longo do dia! A sobrecarga pode causar: Paralisação Agitação Confusão Cansaço Dor física Cada autista tem um perfil sensorial.
  15. 15. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) DificuldadesTáteis Pode ocorrer desconforto em: Pegar na mão Ser tocado no ombro Mas pode ser possível aceitar um aperto de mão etapinhas amigáveis nas costas. Na escola podem manifestar: Evitação por determinados materiais Evitação nos relacionamentos: abraços... É preciso ter à mão materiais diversificados emtextura, volume, peso...
  16. 16. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Dificuldades Auditivas Podem ouvir sons que os outros não ouvem. Incomodam-se com barulhos inesperados e podem taparos ouvidos (ex: moto, trem, avião). Podem distrair-se com sons aparentemente nãodesconfortáveis, p. ex: borracha apagando papel. Falar em excesso com eles não é atitude funcional. Trabalhar a linguagem receptiva é prioridade. Instruções verbais deverão ser acompanhadas deconcomitantes visuais. Atender ao nome e responder a comandos básicos éfundamental no currículo.
  17. 17. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) DificuldadesVisuais Autistas reagem a: Cor, luz, padrões Causam desconforto: Muito brilho Movimentos faciais Lugares não familiares Escuro A própria sombra Pontes, rios, canais, mar... A cor da parede da sala de aula e os barulhos deste localpodem mexer com o sistema sensorial do autista.
  18. 18. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Dificuldades Olfativas / Gustativas Sabores: podem ser insuportáveis ou agradáveis. Reagem a: perfumes, shampoos, comidas... Na escola, podem reagir à mistura de odores: Quadras pintadas Animais Produtos de limpeza Comidas Produtos químicos É preciso compreender essas questões e trabalhar comdiscriminação olfativa e gustativa.
  19. 19. Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades na Comunicação• Há autistas não-verbais• Os verbais podem ter qualidade incomum de voz.• Sintomas mais comuns:• Repetição de jargões• Ecolalia• Entonação diferente (prosódia)• Ritmo e tempo de reação diferentes• Dificuldade no uso de pronomes• Dificuldade nas regras de comunicação (turnos)• Dificuldade para compreender linguagemfigurativa.
  20. 20. Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades na Comunicação• Dificuldade no uso do apontar paraexpressar interesse.• Dificuldade na imitação da linguagem.• Dificuldade no olhar direcionado erecíproco que a conversa propõe.• Dificuldade na compreensão de gestosinstrumentais.
  21. 21. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) CSA – Comunicação Suplementarou Alternativa Melhora a relação do autista(sobretudo os pequenos) com aspessoas. Permite perceber o potencial do aluno. Organiza as informações do ambienteque ele não consegue compreender sóauditivamente. Melhora o desempenho cognitivo dacriança.
  22. 22. Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades Sociais• Autistas não se relacionam, não pq não querem.• Eles têm falhas que os conduzem à tranquilidadee à segurança do isolamento.• Podem estar com poucas pessoas, masdesorganizam-se em festas e em eventos ondeos estímulos são muito intensos.• Eles não fazem leitura de “sinais ou pistassociais”, por isso a falta de habilidade emrelacionamentos comuns.• Não compreendem o pragmatismo dalinguagem em contexto social.• Não conseguem iniciar ou conectar conversas.
  23. 23. Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades Sociais• Têm dificuldade no contato ocular.• Têm dificuldade no sorriso social.• Fazem uso inapropriado da expressão facial.• Dão respostas sociais inconsistentes.• Observa-se falha no jogo imaginativo.• São inábeis para brincar de jogossociais, fazer amigos ou julgar situaçõessociais.• Têm dificuldade no jogo social imitativo.
  24. 24. Características Autísticas(Sheila Wagner, 1999)Dificuldades Comportamentais• Interesses e preocupações não usuais.• Manejo repetitivo de objetos.• Compulsões.• Rituais.• Movimentação excessiva de dedos e mãos.• Comportamento auto-estimulatório.• Auto-agressão.• Habilidades especiais.
  25. 25. Características autísticas(Paula Kluth, 2010)Dificuldades na Aprendizagem• Confundem-se com palavras similares.• Confundem-se com o imaginário e o real (Isso éverdade?Aconteceu?).• Em sala de aula podem conseguir entender asatividades, desde que as instruções sejamesclarecidas.• Quando não entendem algo, é preciso esmiuçara instrução, para ver onde o trajeto seperdeu, impedindo o processamento.
  26. 26. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) Interesses e fascinações Autistas se interessam por coisas estranhas(símbolos, certos números...) ou por coisas comuns(eletrônicos, transportes, bichos), mas com maisdetalhamento do que pares típicos. Em escolas, isso é complicado, pq nem sempre essasfascinações são compartilhadas ou toleradas peloscolegas. Se pensarmos bem, pessoas típicas também têmobsessões compartilhadas em grupo:futebol, músicas, carros...
  27. 27. Características autísticas(Paula Kluth, 2010) “A sociedade colabora para que o autismo seja vistocomo um problema”. “Uma desabilidade é criada, ou salientada, quando setem valores rígidos acerca do caminho certo de fazeras coisas, quando há falha na provisão de suportesapropriados, ou quando se espera que todos osindivíduos precisem das mesmas coisas”.
  28. 28. Texto interessante (Kluth, 2010, p.20)escrito por autistas e aspergers “Síndrome neurotípica é uma desordem neurobiológica caracterizada pelapreocupação com questões sociais, ilusões de superioridade, e obsessão comconformidade. Indivíduos neurotípicos frequentemente assumem que suaexperiência de mundo é única, ou a única correta. NTs têm dificuldades emestar sós. NTs são frequentemente intolerantes com as menores diferençasdos outros. Quando em grupos, NTs são socialmente ecomportamentalmente rígidos e frequentemente insistem em se comportarde forma destrutiva, disfuncional e até em rituais impossíveis como umcaminho para manter a identidade do grupo. NTs têm dificuldade em secomunicar diretamente, e apresentam maior incidência para mentir, secomparados a pessoas do espectro do autismo. NTs acredita-se ser de origemgenética. Autópsias têm mostrado que o cérebro dos neurotípicos sãomenores que o de um indivíduo autista e pode ter superdesenvolvido áreasrelacionadas ao comportamento social”.
  29. 29. Escola Inclusiva (Paula Kluth, 2010) Características Líderes comprometidos Compreendem inclusão como uma ideologia, uma filosofia que permeiatoda a escola. Classes democráticas Perguntam aos estudantes como fazer para as classes ficarem maisinclusivas. Estudantes e professores trabalham como um time. O autista podeensinar sua professora sobre suas necessidades e forças; pode escreveralgo sobre “como ajudar-me em classe”. Educadores reflexivos Refletem sobre os problemas que enfrentam, os erroscometidos...mas, nunca param de tentar. Pode ser mais produtivo se for feito entre colegas ou com profissionalsupervisor.
  30. 30. Escola Inclusiva (Paula Kluth, 2010) Cultura escolar inclusiva Movimentos dentro da escola voltados para a compreensão eaceitação das diferenças. Currículo relevante Unidades de estudo significativas à classe como um todo. Conteúdo desafiador – para qualquer idade. Cuidado instrucional Adaptar: materiais, formatos de tarefas, instruções, objetivoscurriculares, estratégias de ensino. Construir junto com o aluno uma lista de necessidades: ajudana organização, tempo, forma de aprender.
  31. 31. Escola Inclusiva(Sheila Wagner, 1999) Esta autora completa com alguns itensimportantes: Suporte administrativo Suporte intenso da administração da escola. Suporte da Divisão de Educação Especial. Treinamento de professores Nas características do autismo Em programas de habilidades sociais Em manejo comportamental Em estratégias eficazes de ensino ao aluno autista
  32. 32. Escola Inclusiva(Sheila Wagner, 1999) Coordenador(es) de Inclusão Responsável (eis) pela implementação do PEI e seumonitoramento. Consultor dos professores para resolução de problemas dodia-a-dia em sala de aula. Auxiliares ou tutores para cada criança, integral ouparcialmente, dependendo da necessidade de cada uma. Programa Educacional Individualizado (PEI). Colaboração entre casa e escola.
  33. 33. Papel do professor(Paula Kluth, 2010)“Em cada classe na qual encontramosalunos com sucessoinesperado, encontramos um professorque acredita que todos os alunos podemaprender e que implementa práticas como objetivo de fazer essa expectativaacontecer”.
  34. 34. Modificações acadêmicas para inclusão deum autista (Sheila Wagner, 1999) Nas atividades e materiais (sensoriais) Na quantidade de itens a serem ensinados No ajuste de tempo para execução de tarefas No nível de suporte durante a atividade (maior) Na instrução oferecida (direta) Na consideração da resposta dada No nível de dificuldade No nível de participação Nos objetivos a serem alcançados No currículo Na forma de ensinar (prática, individual...) Nos agrupamentos das crianças Nos intervalos entre as atividades No ambiente ( salas, carteiras)
  35. 35. Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Criando salas confortáveis: Luminosidade Não muito alta (acender só algumas) Sem luz fluorescente Sons Reduzir barulho da classe Usar tom baixo de voz Antecipar (se vai tocar o sinal) Usar fone de ouvido Colocar músicas suaves Colocar bolas de tênis nos pés das cadeiras
  36. 36. Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Odores Restringir o uso de perfumes etc. Cheiros de comida podem distraí-los; organizar adisponibilização de alimentos em um só horário. Alguns cheiros os acalmam. Se forem a algum lugar onde se come, coloque-os perto deporta ou janela. Deixe-os aprender com os cheiros. Temperatura Nem muito quentes, nem muito frias. Evitar ventiladores (fazem barulho, giram).
  37. 37. Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Assentos adequados Cadeiras Considerando que em cada local da escola o aluno vaiencontrar um tipo de assento (cadeira de sala, cadeira doteatro,cadeira do refeitório, escadas da quadra deginástica...) verificar em qual delas o autista aceita ficar maistempo. Chão Muitas vezes eles gostam de fazer certas atividades no chãoe é aconselhável deixar. Em pé Alguns autistas gostam de ficar em pé para fazerematividades na carteira.
  38. 38. Salas de aula (Paula Kluth, 2010) Organização do espaço Espaço para o estudante Cada um tem uma necessidade: Lugares com pouco movimento Áreas silenciosas para estudo Áreas de aprendizagem ativa Espaço para os materiais Cada coisa no seu lugar Evitar sobrecarga visual Organizar os espaços conjuntamente Marcar todos os objetos (escrita ou CSA) Momento para conversa
  39. 39. Exemplos de tesouras
  40. 40. Quadro para atividade na vertical
  41. 41. Pistas Visuais Quadros organizadores de atividades Atividades gerais – na parede da sala Atividades específicas – na carteira Em sequência ou em checklist Nos compartimentos que a criança frequenta Banheiro Refeitório Quadra de Educação Física Bases esquemáticas para localização Jogos (cartas, peças) Alimentos
  42. 42. Quadro organizador - de parede
  43. 43. Organizadores de atividades
  44. 44. Organizadores de tarefas básicas Planejamento de tarefas: Coloque esses itens em sua mochila:
  45. 45. Sequência para uso do banheiro
  46. 46. Comportamento (Paula Kluth, 2010)Como fenômenopessoal• Dois indivíduos não reagem da mesma forma na mesmaexperiência.• A mesma pessoa, em dias diferentes pode reagir deforma diferente na mesma situação.Como fenômenocontextual• Todos os comportamentos ocorrem sob circunstâncias(antecedentes / consequentes)• É preciso considerar vários fatores quando se quercompreender os comportamentos -problema dosautistas.
  47. 47. Comportamento (Paula Kluth, 2010) De um modo geral: Focalize o positivo, as capacidades que a criança possui. “Ponha sua própria máscara de oxigênio antes de ajudaros outros”. Evite tirar a criança da sala, a menos que a situação sejarealmente grave. Priorize a prevenção. Adapte o ambiente. Ensine novas habilidades. Reavalie o currículo e as instruções.
  48. 48. Estimulação CognitivaOs autistas precisam, além daestimulação sensorial, trabalhar apercepção e o raciocínio.A melhor forma de se atingir isso étrabalhar com jogos, sobretudo os quetêm pistas visuais claras.Inicia-se com a relação bi-tridimensional, mas o objetivo étrabalhar as operações mentais.
  49. 49. Estratégias comportamentais –(Buron & Curtis, 2003)• Usada em um programa que ensinacomportamento social adequado.• Proposta à criança por alguém que mais teminfluência sobre ela.• Considera que as reações frente adeterminadas situações possam ser graduadasem 5 pontos, desde o mais baixo até o maisalto.• Determina em qual circunstância usa-se cadagrau descrito.• Lembra-se sempre a criança de qual númeroespera-se dela.Escalade 5pontos
  50. 50.  Escala de 5 pontos – exemplo Exemplo:Quando a voz dacriança é muito alta. 5 – em emergências (gritar) 4 – no intervalo; em jogo defutebol (falar mais alto) 3 – em sala de aula (conversar) 2 – na biblioteca (sussurrar) 1 – quando está no cinema (evitarfalar)
  51. 51. Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Rocket Ship (Foguete) ou Flower Chart (Cartão deFlor) Para melhorar o comportamentoem sala de aula. Montar três regras. Ex: Terminar as tarefas Permanecer sentado enquantotrabalha Manter tom de voz natural Nunca usar frase negativa Usar reforçador quando a criançaconseguir “decolar”.
  52. 52. Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Snake race Para melhorar o nível de atenção na tarefa ea independência para fazê-la. Professor e aluno competem um com outro. Se o aluno terminar ganha um prêmio; se não, fazatividade extra. O professor pode ir pintando as partes da cobra acada atividade terminada pelo aluno. É importante fazer uma lista de reforçadores.
  53. 53. Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Puzzle piece Para incentivar a criança a terminar atarefa sozinha. A professora deixa um QC pertoda criança. Quando a criança terminar umaatividade, ou parte dela, a professoracolore uma das peças. Pode-se marcar tempo: para cada 2’de trabalho 1 peça é pintada.
  54. 54. Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Calm-down time Serve para auto-regulação; para o alunoidentificar quando está nervoso/ansiosoe usar estratégia adequada. Professora explica que todos ficamaflitos, mas é preciso saber lidar com asemoções. Professora dá exemplos de comportamentosnão apropriados e de possíveis substitutosdeles.
  55. 55. Outras estratégias (SheilaWagner, 1999) Professora ajuda o aluno a decidir quais as melhoresestratégias para que ele obtenha sucesso. Escreve as estratégias adequadas. Determina um estímulo visual, não-verbal: bandeiravermelha, plaquinha de PARE, ticket etc. Quando a professora perceber ansiedade no aluno, colocaesse símbolo na sua carteira. Imediatamente ele poderáparar o que está fazendo e se engajar na atividadeescolhida como substituta. Com o tempo, é possível o próprio aluno perceber omomento em que começa a se descontrolar.
  56. 56. Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para socialização: Ensine habilidades sociais diariamente (livros). Implemente atividades com pares tutores. Tenha um espaço, ou local, para “acalmar” a criançaquando necessário. Reforce interações sociais positivas. Reconheça que o aluno pode querer interagir, mas nãosabe como. Providencie regras sociais específicas. Use “ensaios” de estratégias para interações sociais. Reúna as crianças em pequenos grupos.
  57. 57. Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para comunicação: Ensine habilidades de comunicação funcional. Combine sistemas de comunicação quando necessário. Reforce a comunicação. Use linguagem apropriada (pequenas frases). Use linguagem concreta, direta. Use gestos e comunicação não-verbal. Ensine gestos funcionais específicos. Considere o verbo como sendo a classe gramatical maiscomplicada para o autista entender, depois dospronomes.
  58. 58. Exemplos de suportes paracomunicação
  59. 59. Exemplos de suportes paracomunicação
  60. 60. Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando intervenções para comportamento em salade aula: Observe o que pode distrair a criança. Controle os estímulos ambientais. Explique a rotina (pistas). Ensine e reforce novas atividades. Ensine a criança a escolher. Reforce comportamentos apropriados, para construiruma interação de sucesso. Use materiais apropriados para a idade. Use reforçadores (cada aluno tem uma lista)
  61. 61. Quadro para controle decomportamento
  62. 62. Exemplos de materiais parareforçamento
  63. 63. Sugestões práticas (SheilaWagner, 1999) Ensinando Intervenções Gerais: Saiba das suas expectativas, mas apresente expectativas realistas para acriança. Analise forças e fraquezas individuais. Demonstre, seja modelo, para ensinar habilidades. Espere conseguir a atenção da criança. Trabalhe para manter o contato ocular. Faça pequenas paradas entre as atividades. Alterne atividades preferidas / não-preferidas. Seja coerente. Providencie momentos para atividades isoladas, se necessário. Reveja os reforçadores, periodicamente. Compreenda que autistas variam em características e habilidades. Tenha contato frequente com os pais.
  64. 64. OBRIGADA!liliamaise@uol.com.brliliamaise@gmail.com

×