Aula  -diagrama_de_actividade
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Aula -diagrama_de_actividade

on

  • 346 views

 

Statistics

Views

Total Views
346
Views on SlideShare
346
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Aula  -diagrama_de_actividade Aula -diagrama_de_actividade Presentation Transcript

    • UML - Diagramas de Actividades(activity diagrams) Edgar Gemo errgemo@ustm.ac.mz Zeferino Saugene zsaugene@ustm.ac.mz
    • Objectivo Um diagrama de actividades decompõe uma actividade em sub-actividades (actividades de mais baixo nível), podendo chegar a acções atómicas, com fluxo de controlo sequencial ou concorrente entre sub-actividades • Opcionalmente, podem-se definir as unidades organizacionais, entidades ou objectos responsáveis pela execução de acções ou actividades • Opcionalmente, podem-se indicar fluxos de objectos - objectos que são entrada ou saída de sub-actividades • Pode-se usar toda a notação dos diagramas de estados Um diagrama de actividades é essencialmente um fluxograma com concorrência A actividade que está a ser decomposta pode ser: • Um caso de utilização • Uma operação de uma classe • Um grupo de casos de utilização relacionados entre si • Uma parte de uma actividade de mais alto nível
    • Tipos de estados Estado de espera: a saída é causada por eventos • Pode ter actividade e acções associadasEstado • Transições de saída têm eventos e possivelmente condições e acções Estado de acção: estado de execução de uma acção, cuja conclusão determina a saída do estado • Acção: operação atómica, instantânea, que não pode ser interrompidaacção • Transições de saída não têm eventos, mas podem ter condições e acções Estado de (sub)actividade: estado de execução de uma (sub)actividade, cuja conclusão determina a saída do estado • (Sub)Actividade: operação não atómica, possivelmente detalhada noutro diagrama (com ícone), potencialmente demorada, que pode ser interrompidaactiv. • Transições de saída não têm eventos, mas podem ter condições e acções Decisão: estado de passagem em que são testadas condições • As condições aparecem nas transições de saída • Não é um estado verdadeiro, mas uma ramificação numa transição
    • Exemplo: Preparar bebida [não há café] [não há cola] Procurar Bebidabarra de sincronização [há café] (separação) [há cola] decisão e ramificação Pôr Café no Filtro Pôr Água no Reservatório Pôr Chávenas Pôr Filtro na Maquina Buscar latas de colabarra de sincronização envio de sinal Ligar Máquina (fusão) /send ligar cafeteira estado de espera Esperar que aqueça(cantos arredondados) luz desliga-se transição disparada por Deitar café recepção de sinal subactividade Beber (lados arredondados)
    • Notação alternativa para envio erecepção de sinais Ligar Máquina Transição com acção de ligar cafeteira envio de sinal cafeteira Esperar que aqueça opcional Transição causada por luz desliga-se evento de recepção de sinal Deitar café
    • Pistas de responsabilidade(swimlanes) Um diagrama de actividades pode ser dividido em pistas de responsabilidade (swimlanes), separadas por linhas contínuas Cada pista é encabeçada pelo nome da unidade organizacional, entidade ou objecto responsável pelas acções e actividades aí localizadas Cada acção ou actividade é localizada numa única pista, mas uma transição pode atravessar várias pistas Útil para modelar fluxos de trabalho relativos a processos de negócio
    • Fluxos de objectos Um objecto pode ser entrada (para consulta) ou saída (para criação, modificação ou destruição) de uma acção • indica-se por uma seta a traço interrompido (seta de dependência) entre a acção e o objecto, no sentido do fluxo cria, modifica consulta obj1:C1 ou destrói acção 1 acção 2 Quando uma acção tem como saída um objecto que é entrada para a acção seguinte, é desnecessário indicar o fluxo de controlo (a transição), basta o fluxo de/para objectos (tipo DFD) acção 1 obj1:C1 acção 2
    • Exemplo: Processo de encomenda Cliente Vendas Armazém e: Encomenda Faz encomenda Regista encomenda [pendente] Despacha encomenda e: Encomenda Emite factura [despachada] Paga factura f: Factura Estado de objecto [pendente] f: Factura [paga]
    • Modelação de processos de negócio Processo de negócio é actividade estereotipada Processo pode ter sub-diagrama encaixado Requisitar Publicação Levantar Devolver Dependências com estereótipos "supply", "controls", ..., entre processos Processos transformam objectos de entrada, produzem objectos de saída, usam recursos e pretendem atingir "goals" Ver "Business Modeling with UML: Business Patterns at Work", de Hans-Erik Eriksson e Magnus Penker, Wiley & Sons, 2000
    • Caso de estudo: Biblioteca
    • Diagrama de actividades relativo ao caso deutilização de negócio "Requisitar publicação" requisitante : Leitor a biblioteca : Biblioteca Vem requisitar Verifica disponibilidade [ indisponível ] [ disponível ] [ espera ] Coloca em lis ta de : requisição [ desiste ] espera [espera disponibilidade] Aguarda disponibilidade disponível Avisa o : requisição Vem levantar requisitante [espera levantamento] Empresta a publicação Recebe a publicação : requisição [espera devolução] Consulta a publicação Devolve a publicação Recolhe a : requisição public ação [finalizada]
    • Exercício 1 Refinar caso de estudo com: • refinar diagrama anterior com controlo de prazos de levantamento e devolução, e desistência do leitor - Sugestão: usar fluxo de controlo concorrente (com envio/recepção de sinais) em vez de sequencial • elaborar diagramas de actividades relativas a outros casos de utilização do negócio
    • Exercícios adicionais
    • Exercício 2: Visionamento decassete de video Suponha que, para visionar num televisor o conteúdo completo de uma cassete de video de 8mm gravada com uma máquina de filmar, uma pessoa deve proceder da seguinte forma: • Para preparar a reprodução, realizar as seguintes operações por qualquer ordem: - conectar a máquina de filmar ao televisor - ligar o televisor no canal “AV” - ligar a máquina de filmar na posição “player”, inserir a cassete, carregar no botão “rewind” para rebobinar a cassete e esperar pela conclusão da rebobinagem • Carregar então no botão “play” da máquina de filmar para iniciar a reprodução (visionar o conteúdo da cassete no televisor) • Chegando ao fim da gravação ou ao fim da fita, realizar as seguintes operações, por qualquer ordem: - rebobinar a cassete (se tiver chegado ao fim da fita, a máquina rebobina-a automaticamente, e basta esperar pela conclusão da rebobinagem; senão, é carregar em “stop” para parar a reprodução, e carregar em “rewind”), ejectar a cassete e desligar a máquina - desligar o televisor - retirar os cabos que conectam a máquina ao televisor Modelize este procedimento num diagrama de actividade
    • Exercício 3: Procedimento emempresa de software (ES, 9/1/98) Uma empresa de software segue o seguinte procedimento na fase inicial (análise e especificação de requisitos) dos projectos de desenvolvimento de novos produtos: • A direcção da empresa começa por contratar com o cliente um caderno de encargos para a 1ª fase do projecto (análise e especificação de requisitos), e nomeia de seguida um analista responsável pela condução dessa fase. • O analista começa por analisar o caderno de encargos. Seguidamente, entrevista o cliente e, em paralelo, recolhe documentação relevante (nomeadamente legislação). Com base nesses elementos, elabora o relatório de especificação de requisitos, que submete à apreciação da direcção da empresa. A direcção da empresa pode aprovar o relatório ou propor alterações. No 2º caso, o analista elabora uma nova versão com as alterações propostas, que submete de novo à apreciação da direcção. Uma vez obtida a aprovação da direcção, o relatório é submetido à apreciação do cliente, que o pode aprovar ou recusar. No 2º caso, o analista elabora uma nova versão, que volta a apresentar à apreciação da direcção e assim sucessivamente. • Uma vez obtida a aprovação do cliente, considera-se terminada a fase de análise e especificação de requisitos. Modelize este procedimento através de um diagrama de actividades