Your SlideShare is downloading. ×
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Caso ClíNico HipertensãO Pulmonar CróNica TromboembóLica

2,572

Published on

Chronic tromboembolic hypertension

Chronic tromboembolic hypertension

Published in: Education, Travel, Technology
0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
2,572
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Caso Clínico Bruno Miguel Graça 30 de Abril de 2008 Director: Prof. Doutor Filipe Caseiro Alves
  • 2. História clínica
    • Identificação
    • M. H. D. D.
    • XX 66 anos
    • Queixas subjectivas
    • Doente internada electivamente para estudo de hipertensão pulmonar severa, diagnosticada por ecocardiografia, por quadro de dispneia e astenia intensa para pequenos e médios esforços
    • Antecedentes: HTA, DM2
  • 3. História clínica
    • Exames complementares de diagnóstico
    • Gasometria – alcalose respiratória
    • Peptídeo natriurético B: aumentado
    • ECG: alterações inespecíficas
    • Provas de função tiroideia: normais
    • Auto-imunidade: normais
    • Provas de função respiratória: síndrome obstrutivo ligeiro
    • Teste de marcha: após 300 mts a sat O2 baixou de 95% para 87%
  • 4. Imagiologia
  • 5. Imagiologia
  • 6. Imagiologia
  • 7. Imagiologia
  • 8. Imagiologia
  • 9. Resumo
    • Senhora com 60 anos
    • Estudo hipertensão pulmonar de causa desconhecida
  • 10. Imagiologia no estudo da HT pulmonar
    • Detectar HT pulmonar
      • Ecocardiografia – sinais directos
      • Rx Tórax, TC, RM – sinais indirectos
    • Definir a etiologia
    • Determinar a severidade
    • Avaliar o status do VD e monitorizar o tratamento
  • 11. Imagiologia no estudo da HT pulmonar Definir a etiologia
    • Redistribuição vascular
    • Edema intersticial
    • Derrame pleural
    • Dilatação VE
  • 12. TEP crónica
    • 4% dos doentes com TEP aguda apresentam sintomas de HT pulmonar crónica tromboembólica no 2 anos seguintes
    • Pode permanecer assintomático durante muitos anos
    • Sintomas inespecíficos, relacionados com HT pulmonar
      • Dispneia, dispneia de esforço
      • Tosse crónica, dor torácica atípica, taquicardia
      • Insuficiência cardíaca
  • 13. TEP crónica (vs aguda)
      • Sinais directos de TEP crónica – Artéria pulmonar:
        • Defeitos de repleção parciais
          • Trombo excêntrico, aderente, com base larga e ângulos de implantação obtusos
        • Na TEP aguda, os êmbolos têm localização central no vaso e ângulos de implantação parietal agudos
          • Bandas
        • Trombo calcificado
  • 14. TEP crónica (vs aguda)
      • Sinais de HT pulmonar:
        • Dilatação das artérias pulmonares centrais
          • Tronco pulmonar > 29mm; > aorta ascendente
        • Alterações cardíacas: dilatação e hipertrofia do VD; regurgitação tricúspide
      • Apesar da TEP aguda poder cursar com dilatação do VD e regurgitação tricúspide a presença de hipertrofia do VD traduz HT pulmonar estabelecida e associa-se a TEP crónica.
    * *
  • 15. TEP crónica (vs aguda)
      • Colaterais broncopulmonares:
        • Ectasia de artérias brônquicas
      • Na TEP crónica a circulação arterial brônquica encontra-se marcadamente aumentada, para compensar a redução de vascularização arterial pulmonar.
      • A presença destes colaterais favorece o diagnóstico de TEP crónica sobre TEP aguda ou HT pulmonar primária.
  • 16. TEP crónica (vs aguda)
      • Alterações parenquimatosas:
        • Enfarte pulmonar
        • Mosaico de perfusão: redução da perfusão e diminuição da vascularização nas regiões hipoatetuantes
      • O padrão em mosaico é mais comum na TEP crónica, sendo menos frequente na TEP aguda ou na HT pulmonar primária.
  • 17. TEP crónica (vs aguda)
      • Alterações parenquimatosas:
        • Ectasias brônquicas (por broncodilatação hipóxica?)
  • 18. Imagiologia no estudo da HT pulmonar
    • 1. Detectar HT pulmonar
    • 2. Definir a etiologia
    • 3. Determinar a severidade e extensão
    • TC na TEP crónica
      • Trombos centrais – tratamento cirúrgico
      • Trombos segmentares – tratamento médico
    • 4. Avaliar o status do VD e monitorizar a resposta ao tratamento
    • RM é superior
    • Quantificar os parâmetros funcionais do VD
    • Monitorizar tratamento farmacológico
    • Avaliar recuperação funcional após tratamento cirúrgico
  • 19. Imagiologia no estudo da HT pulmonar
    • Detectar HT pulmonar (ecocardiografia, cateterismo cardíaco, Angio-TC, RM )
    • Definir a etiologia (ecocardiografia, cintigrafia V/P, Angio-TC, RM , angiografia pulmonar, cateterismo cardíaco)
    • Determinar a severidade e extensão (ecocardiografia, cateterismo cardíaco)
          • Se TEP: TC avalia a severidade e extensão
    • Avaliar o status do VD (ecocardiografia, cateterismo cardíaco, RM )

×