P I O M . V I T O R I N OS A R A M O I A N EB E L A R M I N A M A T EEsquizofrenia paranoide
Esquizofrenia Transtorno grave, heterogéneo, de causadesconhecida, com sintomas psicóticos queprejudicam significativamen...
Esquizofrenia A consciência clara e a capacidade intelectual estãonormalmente mantidas, embora possa ocorrer déficecognit...
Epidemiologia Distribuição universal (1%) Maior incidência na população jovem Acomete igualmente os dois sexos variando...
Etiologia Apesar de ser considerada uma doença única, estacategoria inclui um grupo de transtornos,provavelmente com caus...
Etiologia Factores estressores: Genéticos Incidência na família Concordância entre gémeos monozigóticos Neurobiológic...
Manifestações clinicas Quadro clinico bastante polimorfo e heterogéneo Não há sinal ou sintoma patognomónico. Considera...
Manifestações clinicas Personalidade pré-mórbida: Retraimento social Introversão Tendência ao isolamento Comportament...
Sinais e sintomas Aspecto geral: Aparência desleixada Comportamento pode tornar-se agitado ou violento,frequentemente à...
Sinais e sintomas Afectividade: embotamento e inapropriação doafecto. Sensopercepção: experiencias alucinatórias Pensam...
Esquizofrenia paranoide Forma mais comum e geralmente de inicio maistardio do que nas outras formas (hebefrénica,catatóni...
Quadro clinico presença de ideias delirantes, de conteúdoprincipalmente persecutório, de grandeza ou místico,acompanhadas...
Diagnóstico Clínico Critérios diagnósticos de Kurtz SchneiderSintomas de 1ª ordem1 Sintomas de 2ª ordemPercepçao delira...
Tratamento AntipsicóticosTípicosAltapotenciaTípicosBaixapotênciaAtípicosHaloperidolFlufenazina(5-15 mg/dia)Clorpromazi...
Bibliografia MISAU, manual de saúde mental 1ª edição,cooperação italiana, Maputo, Junho-2005 Dr. Menéndez, R. Psiquiatri...
Obrigado!
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Esquizofrenia paranoide

698 views
542 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
698
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
7
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • Diátese= vulnerabilidade biológica específica
  • É o caso do esquizofrênico matemático norte-americano John Nash que divide com o filho, John Charles Martin, a mesma doença
  • Esquizofrenia paranoide

    1. 1. P I O M . V I T O R I N OS A R A M O I A N EB E L A R M I N A M A T EEsquizofrenia paranoide
    2. 2. Esquizofrenia Transtorno grave, heterogéneo, de causadesconhecida, com sintomas psicóticos queprejudicam significativamente o funcionamentosocial. Os transtornos são descritos, em geral, pordistúrbios do pensamento, da percepção e do afecto.
    3. 3. Esquizofrenia A consciência clara e a capacidade intelectual estãonormalmente mantidas, embora possa ocorrer déficecognitivo com a evolução do quadro.
    4. 4. Epidemiologia Distribuição universal (1%) Maior incidência na população jovem Acomete igualmente os dois sexos variando contudoquanto ao inicio e curso da doença.
    5. 5. Etiologia Apesar de ser considerada uma doença única, estacategoria inclui um grupo de transtornos,provavelmente com causas heterogéneas, masapresentações sintomáticas semelhantes. Nenhum factor etiológico isolado é consideradocomo causador. Modelo stress-diátese
    6. 6. Etiologia Factores estressores: Genéticos Incidência na família Concordância entre gémeos monozigóticos Neurobiológicos Hipótese dopamínica (actividade dopaminérgica exacerbada) Psicossociais A dimensão central da psicose estaria relacionada com a perda decontacto com a realidade Questões familiares, individuais e sociais parecem ser fundamentaisno entendimento da dinâmica do paciente e de seus conflitospsicológicos.
    7. 7. Manifestações clinicas Quadro clinico bastante polimorfo e heterogéneo Não há sinal ou sintoma patognomónico. Considerar nível educacional, capacidade intelectuale ambiente cultural do doente.
    8. 8. Manifestações clinicas Personalidade pré-mórbida: Retraimento social Introversão Tendência ao isolamento Comportamento desconfiado e excêntrico São pessoas de: poucos amigos, que apresentavam dificuldades naescola e no relacionamento afectivo com o sexooposto
    9. 9. Sinais e sintomas Aspecto geral: Aparência desleixada Comportamento pode tornar-se agitado ou violento,frequentemente à resposta alucinatória Quadros catatónicos (posturas bizarras, mutismo,negativismo e obediência automática) Maneirismos, tiques, imitando a postura adotadapelo observador
    10. 10. Sinais e sintomas Afectividade: embotamento e inapropriação doafecto. Sensopercepção: experiencias alucinatórias Pensamento: delírio com conteúdos persecutórios,auto-referentes, religiosos ou grandiosos. Linguagem: mussitaçao, neologismos, ecolalias emutismo.
    11. 11. Esquizofrenia paranoide Forma mais comum e geralmente de inicio maistardio do que nas outras formas (hebefrénica,catatónica) o que pode garantir que o pacientepermaneça mais preservado.
    12. 12. Quadro clinico presença de ideias delirantes, de conteúdoprincipalmente persecutório, de grandeza ou místico,acompanhadas de alucinações auditivas eperturbações de sensopercepção. As vozes alucinatórias costumam ter caracterameaçador ou de comando e vivencias de influenciasão comuns. Alterações do afecto, vontade e psicomotricidade sãoproeminentes
    13. 13. Diagnóstico Clínico Critérios diagnósticos de Kurtz SchneiderSintomas de 1ª ordem1 Sintomas de 2ª ordemPercepçao deliranteVozes que dialogam entre siVozes que dialogam as actividades dopacienteVivencias de influencia corporalRoubo de pensamento e outrasvivencias de influencias depensamentoSonorizaçao e difusao do pensamentoTodas as outras experienciasenvolvendo voliçao, afecto e impulsosinfluenciadosOutros transtornos de sensopercepçaoPerplexidadeAlteraçoes de humordepressivas ou maniacasVivencias de empobrecimentoafectivoOutros sintomas
    14. 14. Tratamento AntipsicóticosTípicosAltapotenciaTípicosBaixapotênciaAtípicosHaloperidolFlufenazina(5-15 mg/dia)Clorpromazina(300-800 mg/dia)Levomepromazina(100-300 mg/dia)Risperidona2-8 mg/dia)Olanzapina(5-20 mg/dia)Quetiapina(300-400mg/dia)Clozapina(200-500mg/dia)
    15. 15. Bibliografia MISAU, manual de saúde mental 1ª edição,cooperação italiana, Maputo, Junho-2005 Dr. Menéndez, R. Psiquiatria para Médicos Gerais,editorial cientifico-técnico L.A Habana, 1988 Medcurso psiquiatria, 2008Grupo 3 C
    16. 16. Obrigado!

    ×