• Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
316
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide
  • Diátese= vulnerabilidade biológica específica
  • É o caso do esquizofrênico matemático norte-americano John Nash que divide com o filho, John Charles Martin, a mesma doença

Transcript

  • 1. P I O M . V I T O R I N OS A R A M O I A N EB E L A R M I N A M A T EEsquizofrenia paranoide
  • 2. Esquizofrenia Transtorno grave, heterogéneo, de causadesconhecida, com sintomas psicóticos queprejudicam significativamente o funcionamentosocial. Os transtornos são descritos, em geral, pordistúrbios do pensamento, da percepção e do afecto.
  • 3. Esquizofrenia A consciência clara e a capacidade intelectual estãonormalmente mantidas, embora possa ocorrer déficecognitivo com a evolução do quadro.
  • 4. Epidemiologia Distribuição universal (1%) Maior incidência na população jovem Acomete igualmente os dois sexos variando contudoquanto ao inicio e curso da doença.
  • 5. Etiologia Apesar de ser considerada uma doença única, estacategoria inclui um grupo de transtornos,provavelmente com causas heterogéneas, masapresentações sintomáticas semelhantes. Nenhum factor etiológico isolado é consideradocomo causador. Modelo stress-diátese
  • 6. Etiologia Factores estressores: Genéticos Incidência na família Concordância entre gémeos monozigóticos Neurobiológicos Hipótese dopamínica (actividade dopaminérgica exacerbada) Psicossociais A dimensão central da psicose estaria relacionada com a perda decontacto com a realidade Questões familiares, individuais e sociais parecem ser fundamentaisno entendimento da dinâmica do paciente e de seus conflitospsicológicos.
  • 7. Manifestações clinicas Quadro clinico bastante polimorfo e heterogéneo Não há sinal ou sintoma patognomónico. Considerar nível educacional, capacidade intelectuale ambiente cultural do doente.
  • 8. Manifestações clinicas Personalidade pré-mórbida: Retraimento social Introversão Tendência ao isolamento Comportamento desconfiado e excêntrico São pessoas de: poucos amigos, que apresentavam dificuldades naescola e no relacionamento afectivo com o sexooposto
  • 9. Sinais e sintomas Aspecto geral: Aparência desleixada Comportamento pode tornar-se agitado ou violento,frequentemente à resposta alucinatória Quadros catatónicos (posturas bizarras, mutismo,negativismo e obediência automática) Maneirismos, tiques, imitando a postura adotadapelo observador
  • 10. Sinais e sintomas Afectividade: embotamento e inapropriação doafecto. Sensopercepção: experiencias alucinatórias Pensamento: delírio com conteúdos persecutórios,auto-referentes, religiosos ou grandiosos. Linguagem: mussitaçao, neologismos, ecolalias emutismo.
  • 11. Esquizofrenia paranoide Forma mais comum e geralmente de inicio maistardio do que nas outras formas (hebefrénica,catatónica) o que pode garantir que o pacientepermaneça mais preservado.
  • 12. Quadro clinico presença de ideias delirantes, de conteúdoprincipalmente persecutório, de grandeza ou místico,acompanhadas de alucinações auditivas eperturbações de sensopercepção. As vozes alucinatórias costumam ter caracterameaçador ou de comando e vivencias de influenciasão comuns. Alterações do afecto, vontade e psicomotricidade sãoproeminentes
  • 13. Diagnóstico Clínico Critérios diagnósticos de Kurtz SchneiderSintomas de 1ª ordem1 Sintomas de 2ª ordemPercepçao deliranteVozes que dialogam entre siVozes que dialogam as actividades dopacienteVivencias de influencia corporalRoubo de pensamento e outrasvivencias de influencias depensamentoSonorizaçao e difusao do pensamentoTodas as outras experienciasenvolvendo voliçao, afecto e impulsosinfluenciadosOutros transtornos de sensopercepçaoPerplexidadeAlteraçoes de humordepressivas ou maniacasVivencias de empobrecimentoafectivoOutros sintomas
  • 14. Tratamento AntipsicóticosTípicosAltapotenciaTípicosBaixapotênciaAtípicosHaloperidolFlufenazina(5-15 mg/dia)Clorpromazina(300-800 mg/dia)Levomepromazina(100-300 mg/dia)Risperidona2-8 mg/dia)Olanzapina(5-20 mg/dia)Quetiapina(300-400mg/dia)Clozapina(200-500mg/dia)
  • 15. Bibliografia MISAU, manual de saúde mental 1ª edição,cooperação italiana, Maputo, Junho-2005 Dr. Menéndez, R. Psiquiatria para Médicos Gerais,editorial cientifico-técnico L.A Habana, 1988 Medcurso psiquiatria, 2008Grupo 3 C
  • 16. Obrigado!