AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS GORDUROSOS DO PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO PARA FABRICAÇÃO DE BIODIESEL.

  • 928 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
928
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
7
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. UNIVALI – UNIVERSIDADE DO VALE DO ITAJAÍ AVALIAÇÃO DA VIABILIDADE DA UTILIZAÇÃO DOS RESÍDUOS GORDUROSOS DO PROCESSO DE INDUSTRIALIZAÇÃO DO PESCADO PARA FABRICAÇÃO DE BIODIESEL. Ac: Rafael Gustavo Silva Pinto Orientador: Claudemir Marcos RadetskiRESUMOEntre as filosofias ambientais em voga uma delas diz respeito ao reaproveitamentodos resíduos industriais, pois os mesmos geram custos paradestinação/gerenciamento e pode causar problemas de poluição, o que seriadiminuído/evitado se os mesmos tivessem uma destinação adequada. No casoespecífico dos resíduos das indústrias de pesca, o material gorduroso poderia serusado para a fabricação de biodiesel. Assim, o objetivo deste trabalho foi o dedeterminar o Índice de Lipídios Totais e Umidade, Sólidos Suspensos Totais, Índice deAcidez, Demanda Bioquímica de Oxigênio e Composição de Ácidos Graxos paraavaliar a conveniência de se usar este resíduo na fabricação do biodiesel. 1. INTRODUÇÃO Seguindo a tendência observada nos últimos anos, Itajaí e Navegantescontinuam respondendo pelas maiores produções de pescado do Estado de SantaCatarina. Somados, estes dois municípios representaram cerca de 84,5% da produçãototal do estado, no ano de 2006. O primeiro com 64.343 t e o segundo com 35.244 t,respectivamente. Quanto aos demais municípios, Laguna foi responsável por 10% ePorto Belo por 5,3%%. O volume total de pescado desembarcado pela frota industrialno Estado de Santa Catarina, em 2006, foi de 117.681 t.(GEP, 2007). Do total de 117toneladas de peixe desembarcados em Santa Catarina em 2006, de 35% a 85%(variando para cada espécie capturada), é destinado ao consumo humano. O restante(subprodutos do processamento nas indústrias pesqueiras) é destinado à fabricaçãode ração para animais e/ou, por muitas vezes, tem como destino final o lixo. Afabricação de farinha é uma das principais formas de reaproveitamento de resíduosproduzidos pelas indústrias de beneficiamento de pescado, muito utilizada comoalimentação e como fertilizantes. A fabricação de ração por sua vez gera dois tipos de resíduo resultante doprocesso de prensagem, onde é gerado um efluente que tem em sua composição,sólidos em suspensão e alto teor de gordura, esta deve ser removida antes dotratamento na ETE. Segundo Froehner et al. (2007), a mistura de diferentes ácidosgraxos são denominados óleos quando liquido e gordura quando sólido. Estes ácidosgraxos são extraídos das gorduras animais como o peixe e de diferentes tipos desementes e servem como fonte de alimento, além de serem produtos de grandeinteresse econômico e objeto de intensa atividade comercial diversa (e.g., fabricaçãode medicamentos e fabricação de combustíveis). Óleos vegetais refinados e gorduras animais de alta qualidade podem sertransesterificados diretamente com alta eficiência química, resultando assim em altosíndices de transesterificação no que tange ao rendimento dos produtos finais. A
  • 2. transesterificação é um processo químico que tem por objetivo modificar a estruturamolecular do óleo vegetal/gordura animal, tornando-a praticamente idêntica a do óleodiesel e por conseqüência, com propriedades físico-químicas semelhantes. Por outrolado, pode-se perceber que a grande vantagem do óleo vegetal/gordura animaltransesterificado é a possibilidade de substituir o óleo diesel sem nenhuma alteraçãonas estruturas do motor (CONCEIÇÃO et al., 2005). Como as cidades de Itajaí e Navegantes (SC) geram grandes quantidades deresíduos gordurosos, este estudo pretende verificar se o resíduo gorduroso apresentapropriedades favoráveis para a fabricação de biodiesel, determinando-se assim oÍndice de Lipídios Totais e Umidade, os Sólidos Suspensos Totais, o Índice de Acidez,a Demanda Bioquímica de Oxigênio e a Composição de Ácidos Graxos. 2. MATERIAIS E MÉTODOS Para o entendimento do processo de geração dos resíduos gordurosos daindústria de pescado foram feitas visitas técnica na empresa FEMEPE Pescados Ltdalocalizada no município de Navegantes, Santa Catarina, onde foi cedida a amostra doóleo. As análises físico-químicas foram feitas no Laboratório de RemediaçãoAmbiental (UNIVALI), no Laboratório Pool-Lab. Análises em Produtos de PetróleoÁlcool, e no Laboratório ECOTEC Bioanálise e Ecotecnologia (Balneário Camboriú). 2.1 Determinação de lipídios totais (LT) pelo método de Bligh-Dyer modificado e Determinação da umidade A determinação de lipídeos por extração química se deu conforme metodologiado Instituto Adolf Lutz (INSTITUTO ADOLF LUTZ, 2008). Anterior a isto houve aremoção da umidade, onde foi empregada uma placa agitadora com aquecimento, por50 minutos e depois um processo de filtragem simples. O índice de LT foi calculadoassim: (100 x N) / P = lipídeos totais por amostra (%) N = quantidade extraída de lipídios (g) P = quantidade total de resíduo usado (g) A umidade foi determinada por gravimetria por diferença de peso da amostrapré e pós-aquecida na chapa aquecedora. 2.2 Determinação dos Sólidos Suspensos Totais, Sólidos Suspensos Voláteis e Sólidos Suspensos Fixos A determinação de sólidos suspensos totais se deu conforme metodologiaAPHA et al. (1992), onde foram acondicionados 150 ml da amostra fundida e divididaem triplicata (50 mL) para eliminação da água em chapas aquecedoras, seguida pelacolocação as amostras na mufla a 600 C. 2.3 Índice de Acidez (IA)
  • 3. O IA foi determinado pela metodologia do Instituto Adolf Lutz (INSTITUTOADOLF LUTZ, 2008). Este índice corresponde à quantidade (em mg) de base (KOH ouNaOH) necessária para neutralizar os ácidos graxos livres presentes em 1 g degordura. A relação deste índice com o ácido oléico é determinada por algumasrelações matemáticas propostas pelo Instituto Adolf Lutz, porém o índice de acidezserá expresso em mg de KOH consumidas e o teor de ácido oléico será expresso peloresultado da cromatografia gasosa em itens a frente. 2.4 Demanda Bioquímica de Oxigênio A DBO5 é uma medida do oxigênio que é consumido durante a oxidaçãobioquímica da matéria orgânica presente em uma substancia. A metodologia adotadafoi a da APHA-et al. (1992). 2.5 Determinação dos Ácidos Graxos A determinação de lipídeos por extração química se deu conforme metodologiado Instituto Adolf Lutz (INSTITUTO ADOLF LUTZ, 2008) por e Cromatografia Gasosae Espectrometria de Massa. 3. RESULTADOS E DISCUSSÃO O setor responsável pela geração do resíduo gorduroso é o setor de produçãode farinha do pescado, neste acontece o recebimento de resíduos sólidos da própriaempresa, onde as espécies beneficiadas são ATUM e a SARDINHA. Entretantoempresas da região também destinam seu resíduo sólido para a fabricação de farinha,porém está não dispõe de um controle quali-quantitativo dos tipos de espécies que sãorecebidas. Neste contexto a relação da composição da amostra fresca de pescadocom a do resíduo gorduroso resultante do processo foi inviabilizado. O volume capturado dessas espécies de pescado pela empresa FEMEPE apartir de outubro de 2009 até maio de 2010 teve o comportamento segundo (Tabela1), tendo a sardinha uma variação maior com picos de 2.000 toneladas e baixas de 0toneladas, porém o atum tem uma menor variação mantendo o volume pescado emtorno de 200 toneladas
  • 4. Tabela 1. Valores de volume capturado obtido da empresa Femepe, situada nomunicípio de Navegantes entre outubro 2009 e maio de 2010. Fonte: FEMEPE Já Bruschi (2001) determinou o rendimento de diversas espécies de pescadosque são beneficiados no Vale do Itajaí, obtendo os resultados demonstrados naTabela 2 .Tabela 2. Rendimento % de espécies beneficiadas no Vale do Itajaí. Fonte: Bruschi (2001) Estes dados demonstram o grande potencial de geração de resíduosgordurosos que poderiam ser usados como matéria-prima na fabricação de biodiesel.Assim, a qualificação da amostra fresca surgiu com o intuito de verificar se a qualidadedo resíduo gorduroso serve de matéria-prima para o biodiesel e para cumprir com esteobjetivo, foram utilizados trabalhos na literatura e dados gerados no laboratório paravários parâmetros. 3.1 Determinação da umidade e de lipídios totais pelo método de Bligh-Dyer modificado Pela evaporação da água, o teor de umidade foi de 25 % (Tabela 3).
  • 5. Tabela 3. Resultado índice de umidade do resíduo gorduroso. Peso de amostra com Peso da amostra sem Umidade %Nº da amostra umidade umidade (aproximado) 1 40.65 31.92 25% 2 Descartado Descartado Descartado 3 40,73 31,87 25% Altos índices de teor de umidade não são desejáveis para a matéria prima dobiodiesel, devido à geração de sabão, que somado com o alto índice de ácidos graxoslivres pode se tornar um grande contra tempo no que tange a viabilidade do uso degorduras animais. Para a viabilização da fabricação de biodiesel necessita a extraçãoda umidade, sendo que quanto maior o teor de umidade maior o custo e o tempoempregado para essa extração, vale ressaltar que este resíduo já apresenta umprocesso para a retirada da umidade na linha de produção. Pela extração química foi constatado uma quantidade de 98,46% de lipídeos naamostra (Tabela 4). Esta quantidade de lipídios totais da fração gordurosa do pescadoé constituída de uma mistura complexa de lipídios neutros (triglicerídeos), lipídiospolares (fosfolipídios) e componentes menores (esteróis, ácidos graxos livres)(MORAIS, 2001). Tabela 4. Resultados dos lipídios totais Total da Amostra (Gr) Após a extração (Gr) Rendimento (%) 103,9 102,3 98,46 Segundo resultados obtidos pelo laboratório Pool-Lab o teor de umidade para afração lipídica extraída pelo método de Bligh-Dyer foi de 0,4% (Tabela 5), restandoentão resíduos de umidade após extração prévia, vale ressaltar que o métodoemprega clorofórmio, água e metanol, sendo estes utilizados para determinaçõeslaboratoriais, em pequena escala. Tabela 5. Resultados da umidade na fração lipídica Índice de umidade % Laboratório Pool-Lab 0,4% Para o processo de transesterificação ter rendimento máximo, o teor deumidade do álcool deve ser zero e o teor de Ácidos Graxos Livres (AGL) não podeultrapassar 0,5%. Freedman et al. (2006) realça a importância na ausência daumidade no processo de transesterificação devido a hidrólise dos ésteres alquilicossintetizados à AGL. No mesmo sentido, a reação de triagliceróis com água podeformar AGL, pois estas substâncias também são ésteres. 3.2 Determinação dos SST, SSV e SSF
  • 6. Devido a dificuldades encontradas para tal determinação, e ausência deresultados em testes posteriores devido à formação de chamas e contaminação damufla, os testes se deram apenas com a fração lipídica resultante da extração pelométodo de Bligh-Dyer modificado onde, para este foram encontrados os valoresabaixo (Tabela 7). Tabela 7. Valores encontrados de SST,SSV,SSF na fração lipídica. Número da SST SSV SSF amostra (g/L) (g/L) (g/L) 1 1,315 0,635 0,68 2 1,396 1,15 0,246 3 2,848 1,65 1,198 Os sólidos suspensos são partículas em suspensão como colóides, ondequanto menor a partícula maior a área de superfície da mesma, sendo necessária paraa produção de biodiesel a remoção destes sólidos, seja por filtragem simples ou porlavagem. Contudo devido ao resíduo gorduroso ter uma viscosidade visualmente alta,a filtragem por papel filtros se torna ineficiente, onde o filtro satura rapidamenteexigindo a troca continua do mesmo, o que acarreta um procedimento de longaduração, sendo ineficiente. O uso de filtragem vácuo (bomba) pode apresentar umadegradação do equipamento devido ao odor do óleo, sendo que para este trabalho foiutilizado o filtro de TNT (tecido não tecido) com 60 de gramatura. Uma grandequantidade de SSFixos poderá levar à emissão de material particulado, se estesSSFixos não forem eliminados. A remoção dos sólidos tem grande importância para a fabricação do biodiesel,diminuindo o resíduo gerado no processo de transesterificação diminuindo então alavagem posterior ao processo (LÔBO, 2008). 3.3 Índice de Acidez (IA) A determinação do IA é um dado importante no que tange a avaliação daconservação do óleo, o processo de decomposição altera a concentração de íons dehidrogênio sendo acelerado por aquecimento e pela luz, sendo a rancidez quasesempre acompanhada de formação de ácidos graxos livres (INSTITUTO ADOLFOLUTZ, 2008). Segundo determinação elaborado por Pool-Lab referente à fraçãolipídica resultante da extração de Bligh-Dyer, obteve-se o valor consumido de KOH de0,85 mg/gr. Este índice mostra que uma reação de transesterificação por catalise básicanão será eficiente, devido à grande geração de sabão, onde foi verificado em teste quediversas receitas para transesterificação básica resultaram em uma borra. Sendoassim nota-se a necessidade da catalise ácida no processo de transesterificaçãodevido a este valor de Acidez encontrado. 3.4 Demanda Bioquímica de Oxigênio
  • 7. Para efeitos de conservação do resíduo, o valor de DBO5 é interessante, poisele nos mostra se o resíduo tem potencial para ser degradado pelos microorganismos.A Tabela 8 mostra os resultados de DBO obtidos.Tabela 8. Resultados de DBO5. Fonte: ECOTEC,2010 Os resultados do óleo bruto mostraram que cada litro de amostra seránecessário 2,4 mg de oxigênio para a sua biodegradação, levando em consideraçãoque a DBO da matéria prima pode acarretar a biodegrabilidade desta matéria. Testes de biodegrabilidade do biodiesel de soja efetuados em ambienteaquático e terrestre mostraram que o biodiesel é facilmente biodegradado em umperíodo de 28 dias, onde o desaparecimento de componentes orgânicos chegou a88% no ambiente terrestre (MULLER, 2006) 3.5 Composição de Ácidos Graxos A identificação da composição de ácidos graxos do resíduo na literatura(Tabela 9) e no laboratório se deu a fim de quantificar algumas das cadeias que estãodestacadas na (Tabela 10) estes ácidos graxos possuem uma relevância para aprodução de biodiesel, onde nem todos apresentam benefícios para a produção, mastambém podem inviabilizar o processo.Tabela 9. Propriedades de ácidos graxos de maior relevância para o biodiesel, Fonte: Manual do Biodiesel, 2006Propriedades de ácidos graxos de maior relevância para o biodieselNome trivial ; Acrônimo Massa P.F. P.E. Número Viscosidade HG (Kg- molar (°C) (°C) de Cetano Cinemática cal/mol) (pureza%)Ácido caprílico ; 8:0 144,213 16,5 239,3 22,6(98,6) 1,16 1313Ácido cáprico ; 10:0 172,268 31,5 270 47,6(98) 1,37 1465Ácido láurico ; 12:0 200,322 44 131 1763,25Ácido mirístico ; 14:0 228,376 58 250,5 2073.91Ácido palmítico ;16:0 256,43 63 350 2384,76Ácido palmitoléico ; 16:1 254,412Ácido esteárico ; 18:0 284,484 71 360 61,7 2969,12Ácido oléico ; 18:1 282,468 16 286 46,1 2657,4Ácido linoléico ; 18:2 280,452 -5 229 31,4 3,64 2794Ácido linolênico ; 18;3 278,436 -11 230 20,4 3,27 2750Ácido erúcico ; 22:1 338,574 33 265 7,21 3454 A fração lipídica resultante da extração de Bligh-Dyer foi acondicionada eenviada para análise terceirizada de cromatografia gasosa, onde se pode verificar a
  • 8. existência 10% Ácidos Graxos Livres (AGL) considerando apenas o ácido oléico. Oteor de AGL é um indicador de pureza da matéria prima, onde altos valores indicamque o processo de transesterificação se fará por procedimento distinto. Tabela 10. Identificação dos AGL no resíduo da indústria do pescado. Ácidos graxos – Cromatografia Gasosa Rendimento (%) Ácido palmítico 31 Ácido mirístico 10 Ácido óleico 10 (Poliinsaturardos)* (9,2%) Outros** 38,8 *Dados: Laboratório Pool-Lab **Não apresentaram rendimento maior que 10% O resíduo gorduroso apresenta concentração de ácido oléico acima dopermitido segundo legislação federal (Decreto nº1255/62), onde os valores para oácido oléico estão fixados no máximo de 3%, este índice alto de AGL é consideradocomo alto índice de acidez do óleo, o que denota uma deterioração do óleo. Kawahara e Ono (1978, apud MONTEIRO et al., 2005), destacaram aimportância da remoção dos AGL e impurezas ( fosfolipídios ), o procedimentoproposto pelo autor visa a esterificação do AGL adicionando um álcool na presença deum catalisador ácido, apresentando temperaturas entre 60 e 120°C dissolvendo assimos AGL esterificados na camada alcoólica, sendo assim de fácil separação do óleo. O ácido oléico representa os ácidos graxos livres, indicando em suaporcentagem o índice de acidez em % do óleo, os resultados da cromatografia gasosadenotam um índice de acidez em 10% (tabela10) A presença deste ácido implica emum baixo rendimento do catalisador no processo de transesterificação. Como ditoanteriormente índices de AGL acima de 4% devem seguir o procedimento da ASTMD6751 para eliminação dos AGL. A maior quantidade de ácido presente na amostra foi de ácido palmítico comcerca de 31%, coincidindo com os valores encontrados por Oliveira (2002) onde emcertas partes do resíduo sólido do pescado foram encontrados até 35% de ácidopalmítico. O ácido palmítico é um ácido saturado, verificando este alto rendimentosubentende-se que este valor é um ponto positivo no que tange a fabricação dobiodiesel, que somado aos 10% de rendimento do ácido mirístico, também saturado,irá contribuir significativamente para aumentar o ponto de fusão, o que em baixastemperaturas pode levar a precipitação do combustível e assim sendo um baixorendimento do motor. Oliveira (2002) determinou a composição dos ácidos graxos e fração lipídica deresíduos da indústria pesqueira da região do Vale do Itajaí, a fim de verificar suautilização para nutrição humana, onde os resultados da fração lipídica se encontramna e a rendimento de ácidos graxos estão expressos na Tabela 11 e Figura 1.Tabela 11. Fração lipídica do resíduo sólido da industria da pesca. Fonte: Oliveira (2002)
  • 9. Os resultados apresentados pelo autor denotam que no caso das espéciesobservadas, o índice de rendimento dos resíduos foi em torno de 49,9% e 52% para oatum e a sardinha respectivamente, onde a fração lipídica indicada para este resíduofoi em torno de 9,81% e 4,48%.Figura 1. Composição % de ácidos graxos do resíduo (fresco) da pesca Fonte: Oliveira(2002). Dentro da fração lipídica pode-se observar que os picos máximos obtidos depoliinsaturados foram de 27,69% em algumas partes do atum e o mínimo constatadona sardinha foi de 20%.Para o resíduo estudado no presente trabalho, os resultadosobtidos mostram que o percentual de composição de ácidos graxos poliinsaturados dafração lipídica resultante de Bligh-Dyer foi de 9,2% (Tabla 10), denotando um valorbaixo quando comparados com os valores apresentados por Oliveira (2002),denotando uma alta oxidação do óleo, provavelmente por estes apresentarem valoresmuito abaixo da concentração do peixe fresco.
  • 10. 4. CONCLUSÕES O resíduo gorduroso proveniente da fabricação de farinha de pescado obtidona empresa FEMEPE Pescados, apresentou um índice de umidade do óleo bruto de25%. SSTotais de 1,3gr/l, IA de 0,85 mg de KOH/Gr de óleo, DBO de 2,4 gr/l. Acomposição dos ácidos graxos da fração lipídica obtida pelo método Bligh-Dyer foi de9,2% de ácidos graxos poliinsaturados, 63,58% de ácidos graxos saturados, 27%ácidos graxos monossaturados e 0,4% de umidade e voláteis. Dentre ospoliinsaturados encontram-se a família ômega 3 e 6, nos saturados encontram-se oácido palmítico e o ácido mirístico que puderam ser quantificados em cromatografiagasosa correspondendo a eles 31% e 10% respectivamente, nos monossaturadosencontram-se os ácidos palmitoléico, não quantificado e oléico (AGL) onde este seapresentou em 10%. O resíduo gorduroso apresenta qualidades físicas químicas favoráveis para afabricação de biodiesel, porém para o processo de transesterificação deve se usarcatalisador ácido, o que denota uma reação mais demorada, porém possível. Onde ovolume de resíduo gorduroso do pólo pesqueiro de Itajaí e Navegantes e acomposição de resíduo apresentam um grande potencial como matéria prima parabiodiesel, porém o processo de extração deste deve ser melhorado a fim de atribuirqualidade a esta matéria prima, diminuindo então gastos futuros paratransesterificação do mesmo.AgradecimentosUNIVALI – LABORATÓRIO DE REMEDIAÇÃOReferências BibliográficasABNT – Associação brasileira de normas técnicas – NBR 10357.1988.APHA, AWWA,WPCF. 1992. Standart Methods for the Examination of Water andwasterwater 18TH ed. American Public Health Association, American water WorksAssociation and Water Pollution Control Federation. Washington, DC, USA.BIODIESEL. O PNPB e o Brasil Ecodiesel. Disponível em:<http://brasilbio.blogspot.com/2008/07/biodiesel-o-pnpb-e-brasil-ecodiesel.htm>.Acesso em: 7 de julho de 2009.BRUSCHI,F.L.F. Rencimento, composição química e perfil de ácidos graxos depescados e seus resíduos: uma comparação. Monografia apresentada ao curso deOceanografia – CTTMar/UNIVALI, Itajaí, junho de 2001.FREEDMAN, B. 2006. Variables Affecting the Yields of Fatty Esters fromTransesterified Vegetable Oils. J. Am. Oil Chem Soc., 61, 1638-1643 (1984). IN:Manual do Biodiesel, 30-32.FROEHNER, S.,LEITHOLD, J.,LIMA JÚNIOR,L. F. 2007.Transesterificação de óleosvegetais: caracterização por cromatografia em camada delgada e densidade. QuímicaNova, 30: n°.8 São Paulo 2007
  • 11. GEP. Grupo de Estudos Pesqueiros. 2006. Boletim estatístico da pesca industrial deSanta Catarina.Universidade do Vale do Itajaí. Disponível em:http://siaocad04.univali.br/desenv/?page=estatistica_boletins acesso em: 10de julho de2009.GEP. Grupo de Estudos Pesqueiros. 2007. Boletim estatístico da pesca industrial deSanta Catarina.Universidade do Vale do Itajaí. Disponível em:http://siaocad04.univali.br/desenv/? age=estatistica_boletins acesso em: 10de julho de2009.INSTITUTO ADOLF LUTZ. 2008. Métodos físico-químicos para análise de alimentos.Instituto Adolfo Lutz, São Paulo, SP. KARTHIKEYAN, A.; PRASAD, B. DURGA. 2009. Experimental investigation on dieselengine using fish oil biodiesel and its diesel blends. International Journal of AppliedEngineering Research , 01 de julho de 2009.LEBEDEVAS, S. VAICEKAUSKAS ALEBEDEVA, G. MAKAREVICIENE, V.; JANULIS,P.; KAZANCEV, K.; 2006. Use of waste fats of animal and vegetable origin for theproduction of biodiesel fuel: quality, motor properties, and emissions of harmfulcomponents.Energy Fuels, 20:2274-2281.LÔBO, I. P.; FERREIRA, S.L.C.; CRUZ, R.S. 2008. Biodiesel: parâmetros de qualidadee métodos analíticos. Química Nova, Vol. 32, No. 6, 1596-1608, 2009.MONTEIRO, et al, 2005, Biodiesel Metílico e Etílico de Palma sobre ácido nióbico. 3ºCongresso Brasileiro de P&D em Petróleo e Gás, 2005MORAIS M., 2001. Estudo do processo de refino do óleo do pescado. Instituto AdolfLutz, São Paulo, SP.MULLER, G.; PETERSON, C.L. Biodiesel: Biodegradabilidade, demandas quimica ebiológica de oxigênio e toxidade. In: KNOTHE, G; KRAHL, J; GERPEN, J. V; RAMOS,L. P. Manual de Biodiesel. Rio de Janeiro-RJ: Edgard-Blucher, 2006.NUTEC.Fundação Núcleo de Tecnologia Industrial. Disponível em:<http://www.nutec.ce.gov.br/, acesso em: 07 de julho de 2009.OETTERER, M. 1994. Produção de silagem a partir da biomassa residual de pescado.Alimentos e Nutrição, 5:119-134.OETTERER, M. Tecnologias emergentes para a produção de pescado. USP SãoPaulo, Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiroz, Departamento de alimentos eNutrição.OLIVEIRA,G. F. 2002. Composição dos ácidos graxos da fração lipídica de resíduosindustriais da pesca. Monografia apresentada no curso de Ciências Biológicas daUNIVALI: Itajaí, SC.PESSATTI, M. L. 2001. Aproveitamento dos subprodutos do pescado. Meta 11.Relatório Final de Ações Prioritárias ao Desenvolvimento da Pesca e Aqüiculturano Sul do Brasil. Disponível em:<
  • 12. http://siaiacad04.univali.br/download/pdf/Docpescado8.pdf>. Acesso em: 10 de julhode 2009..SANTOS, Carlos Alberto Muylaert Lima dos. A qualidade do pescado e a segurançados alimentos. In: II SIMCOPE (SIMPÓSIO DE CONTROLE DO PESCADO), SãoVicente (SP), 6-8 jun. 2006. 6 p. Disponível em:<ftp://ftp.sp.gov.br/ftppesca/qualidade_pescado.pdf>.