Your SlideShare is downloading. ×
Pesl latex
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Pesl latex

593
views

Published on

Published in: Education

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
593
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
13
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. PESL - Programa de Ensino de Software Livre Departamento de Ciˆ ncia e Tecnologia e ˜ Universidade Federal de Sao Paulo ˜ ´ Sao Jose dos Campos ¸˜Introducao ao LaTex WU CHUN AN Fevereiro de 2012 1
  • 2. ¸˜Introducao ´ AO que e LTEX? ´ A ´ Antes de saber o que e o L TEX e preciso conhecer o TEX. 2
  • 3. ¸˜Introducao ´ AO que e LTEX? ´ A ´ Antes de saber o que e o L TEX e preciso conhecer o TEX. ´O que e TEX? ´ ´ O TEX e um programa criado por Donald Knuth na decada de ˜70 com a finalidade de aumentar a qualidade de impressao ´ ´com base nas impressoras da epoca e e utilizado para ´ ´processar textos e formulas matematicas. 3
  • 4. ¸˜Introducao ´ AO que e LTEX? ´ A ´ Antes de saber o que e o L TEX e preciso conhecer o TEX. ´O que e TEX? ´ ´ O TEX e um programa criado por Donald Knuth na decada de ˜70 com a finalidade de aumentar a qualidade de impressao ´ ´com base nas impressoras da epoca e e utilizado para ´ ´processar textos e formulas matematicas. ´ ´ LaTeX e um programa que reune comandos que utilizam oTeX como base de processamento e foi criado por Leslie ´Lamport na decada de 80 com o objetivo de facilitar o uso do ´ ¸˜TeX atraves de comandos para diferentes funcoes. 4
  • 5. ¸˜Introducao Os programas de processamento de texto podem ser ´divididos em duas classes: classe visual e classe logico. 5
  • 6. ¸˜Introducao Os programas de processamento de texto podem ser ´divididos em duas classes: classe visual e classe logico.Classe Visual Nestes processadores de texto, existe um menuapresentando os recursos que podem ser usados, sendo ´selecionados atraves do mouse. O texto que vocˆ digita na e ´tela e a mesma forma que vai ser impresso. Ex: Microsoft OfficeWord e OpenOffice Writer. 6
  • 7. ¸˜Introducao ´Classe Logico ´ Nesta categoria o processamento e feito em duas etapasdistintas. ¸˜ 1) O texto a ser impresso e os comandos de formatacao ˜ sao escritos em um arquivo fonte com o uso de um editor. 7
  • 8. ¸˜Introducao ´Classe Logico ´ Nesta categoria o processamento e feito em duas etapasdistintas. ¸˜ 1) O texto a ser impresso e os comandos de formatacao ˜ sao escritos em um arquivo fonte com o uso de um editor. ´ 2) Em seguida este arquivo e compilado e gera uma arquivo de sa´da que pode ser visualizado. Ex: HTML. ı 8
  • 9. ¸˜Introducao Programas deste tipo podem parecer inicialmente maiscomplicados do que os do outro tipo, mas apresentam uma ´ ¸˜serie de vantagens em relacao aos processadores de texto,como por exemplo: ¸˜ • Mudancas na formatacao do texto inteiro com apenas a ¸mudanca de alguns comandos. ¸ 9
  • 10. ¸˜Introducao Programas deste tipo podem parecer inicialmente maiscomplicados do que os do outro tipo, mas apresentam uma ´ ¸˜serie de vantagens em relacao aos processadores de texto,como por exemplo: ¸˜ • Mudancas na formatacao do texto inteiro com apenas a ¸mudanca de alguns comandos. ¸ ¸˜ ´ ´ ¸˜ ¸˜ • Numeracao automatica de formulas, secoes, definicoes,exemplos e teoremas, o que permite que vocˆ faca mudancas e ¸ ¸ ´ ´na ordem do texto sem que seja necessario trocar os numerosdos itens. 10
  • 11. ¸˜Introducao Programas deste tipo podem parecer inicialmente maiscomplicados do que os do outro tipo, mas apresentam uma ´ ¸˜serie de vantagens em relacao aos processadores de texto,como por exemplo: ¸˜ • Mudancas na formatacao do texto inteiro com apenas a ¸mudanca de alguns comandos. ¸ ¸˜ ´ ´ ¸˜ ¸˜ • Numeracao automatica de formulas, secoes, definicoes,exemplos e teoremas, o que permite que vocˆ faca mudancas e ¸ ¸ ´ ´na ordem do texto sem que seja necessario trocar os numerosdos itens. ´ • Escrita de formulas complexas usando apenas comandos, +∞ 2por exemplo, e−x dx, e impressa com o comando ´ −∞$int_{-infty}ˆ{+infty} eˆ{-xˆ2}dx$ 11
  • 12. ¸˜Introducao Os comandos LaTeX foram criados com base em diversos ¸˜estudos sobre diagramacao. Isto foi importante para fazer comque o LaTeX entenda o que o autor deseja fazer. Geralmente, o ´autor esta trabalhando com a um processador visual, ele ˜comete muitos erros por nao conseguir conciliar uma boa ´ ´estetica com uma estrutura logica e bem compreens´vel. ı ´ ´Utilizando o LaTeX, que e um processador logico, o autor se ´preocupara mais com o conteudo.´ 12
  • 13. ¸˜Introducao Os comandos LaTeX foram criados com base em diversos ¸˜estudos sobre diagramacao. Isto foi importante para fazer comque o LaTeX entenda o que o autor deseja fazer. Geralmente, o ´autor esta trabalhando com a um processador visual, ele ˜comete muitos erros por nao conseguir conciliar uma boa ´ ´estetica com uma estrutura logica e bem compreens´vel. ı ´ ´Utilizando o LaTeX, que e um processador logico, o autor se ´preocupara mais com o conteudo.´ ´ ´ O L TEX e um programa de codigo aberto, por isso existem A ´ ¸˜varias implementacoes. Usamos uma implementacao ¸˜ ´chamada MikTEX, uma interface grafica junto com um editor detextos chamada TeXnicCenter, e um visualizador Adobe Reader. ˜ ´ ˜Todos estes programas sao ”freeware”, isto e, sao gratuitos epodem trabalhar juntos como se fossem um so. ´ 13
  • 14. ¸˜Introducao ´ ´ Um arquivo fonte do L TEX contem alem do texto a ser Aprocessado, comandos que indicam como o texto deve ser ˜processado. Palavras sao separadas por um ou mais espacos. ¸ ´ ˜Paragrafos sao separados por uma ou mais linhas em branco. A ı ˜ ´sa´da nao e afetada por espacos extras ou por linhas em ¸branco extras. ˜ A maioria dos comandos do L TEX sao iniciados com o A ´caracter ”backslash”(ou barra contrario). Uma backslashsozinha produz um espaco. ¸ 14
  • 15. Texto, Comandos e AmbientesArquivo Fonte ˜ Todo arquivo fonte L TEX, normalmente tem a extensao .tex. AComando - Preˆ mbulo a a ˜ No preˆ mbulo estao comandos que especificam parˆ metros aglobais para o processamento do texto. Ex: tipo de documento,formato do papel, altura e largura do texto, a forma de sa´da ı ´ ¸˜das paginas com a sua paginacao, cabecalhos e rodapes ¸ ´ ´automaticos. 15
  • 16. Texto, Comandos e AmbientesComando - Preˆ mbulo a O preˆ mbulo deve conter pelo menos o comando a ¸˜documentclass[opcoes]{estilo} ˜ ˜. Se nao existem outros comandos no preˆ mbulo, entao LATEX a ˜ ´seleciona valores standard (padroes) para as variaveis quedeterminam o formato global do texto. 16
  • 17. Texto, Comandos e Ambientes ¸˜Opcoes ¸˜ ˜ Algumas das opcoes sao: 10pt, 11pt ou 12pt para o tamanhobase das letras usadas no texto, a4paper se o papel for A4 ˜ ´ ´ ¸˜(para o papel letter, nao e necessario nenhuma indicacao),landscape para a impressao ˜ no modo paisagem, twocolumn ˜para a impressao em duas colunas, twoside para a impressao ˜nos dois lados do papel, titlepage para que no estilo article seja ´gerada uma pagina separada com o t´tulo.ıEstilo O estilo pode ser: article, amsart, report, book ou letter 17
  • 18. Texto, Comandos e AmbientesAmbiente verbatim O texto anterior foi conseguido com o uso do ambienteverbatim (significa ao pe da letra). begin{verbatim} Tudo que estiver dentro deste ambiente e impresso exatamente como foi digitado. end{verbatim} 18
  • 19. Texto, Comandos e AmbientesAmbiente do documento Todo documento comeca e termina com ¸ begin{document} Conte´do... u end{document} ´ ˜ Todo conteudo que nao estiver dentro do ambiente ˜ ˜document nao sera considerado, ou seja, nao aparecera noarquivo de sa´da. ı 19
  • 20. Texto, Comandos e AmbientesAmbiente do documento Todo documento comeca e termina com ¸ begin{document} Conte´do... u end{document} ´ ˜ Todo conteudo que nao estiver dentro do ambiente ˜ ˜document nao sera considerado, ou seja, nao aparecera noarquivo de sa´da. ıAlguns caracteres especiais ˜ Lembre-se de nao digitar nenhum dos 10 caracteresespeciais % & $ # _ { } ˆ ˜ No caso do uso de backslash, exceto como um comando! 20
  • 21. Texto, Comandos e Ambientes Alguns exemplos de Comandos globais:usepackage[brazil]{babel} ¸˜ Indica para usar o pacote babel, com a opcao de l´ngua ıbrazil, faz com que ele gere datas e nomes como Cap´tulo, ıBibliografia em portuguˆ s com estilo brasileiro. eusepackage{graphicx,color} Indica para usar os pacotes graficx e color, que permitemincluir figuras e colorir o texto. 21
  • 22. Texto, Comandos e Ambientesusepackage[latin1]{inputenc} ¸˜ Indica para usar o pacote inputenc com a opcao latin1, ¸˜que define uma codificacao para os caracteres em que os ˜acentos sao digitados diretamente pelo teclado.usepackage{amsthm,amsfonts} Indica para usar os pacotes da American MathematicalSociety amsthm e amsfonts. O primeiro, entre outras coisas,define um estilo para a escrita dos teoremas e o segundoadiciona alguns estilos de letras, por exemplo R,C e N foramgeradas com $mathbb{R}$, $mathbb{C}$ e $mathbb{N}$ ¸˜por causa da adicao deste pacote. 22
  • 23. ¸˜Formas de exibicao de textoTipos de letras ¸˜ O L TEXpermite uma variedade de formas de exibicao de Atexto tais como mudar o tamanho e o tipo das letras, centralizar,criar diferentes tipos de listas, entre outras.Estilo ´textit{Unifesp} produz Unifesp italico;textbf{Unifesp} produz Unifesp negrito;textsf{Unifesp} produz Unifesp sans serif;textrm{Unifesp} produz Unifesp romano; ´texttt{Unifesp} produz Unifesp maquina de escrever;textsc{Unifesp} produz U NIFESP caixa alta. 23
  • 24. Tipos de letrasTamanho{tiny Unifesp} produz Unifesp;{scriptsize Unifesp} produz Unifesp;{footnotesize Unifesp} produz Unifesp;{small Unifesp} produz Unifesp;{large Unifesp} produz Unifesp;{Large Unifesp} produz Unifesp;{LARGE Unifesp} produz Unifesp;{huge Unifesp} produz Unifesp;{Huge Unifesp} produz Unifesp. 24
  • 25. Tipos de letrasTamanho 25
  • 26. Texto com coresComando ´ Para escrever em cores e preciso colocar no preˆ mbulo o acomando usepackage{graphicx,color}.Modo de usar 1 Podemos usar o comando textcolor{cor}{texto} paracolorir o texto desejado.Ex:textcolor{red}{sangue} produz sangue.textcolor{blue}{oceano} produz oceano. ˜textcolor{green}{lim˜o} produz limao. atextcolor{gray}{cimento} produz cimento. 26
  • 27. Texto com coresModo de usar 2 ´ Tambem podemos usar o comando {color{cor1}texto}para colorir o texto desejado.Ex:{color{brown}madeira} produz madeira.{color{orange}laranja} produz laranja.{color{violet}ultravioleta} produz ultravioleta. ´{color{magenta}que cor ´ essa?} produz que cor e essa?. e 27
  • 28. Centralizar e IndentarCentralizar Usamos o comando begin{center} para iniciar eend{center} para finalizar. Exemplo: begin{center} AAA BBB ldots NNN end{center}produz AAA BBB ... NNN 28
  • 29. Centralizar e IndentarIndentar Usamos o comando begin{quote} para iniciar eend{quote} para finalizar. Exemplo: begin{quote} Texto a ser indentado. end{quote}produz Texto a ser indentado. 29
  • 30. Listas Existe alguns tipos de listas em L TEX : itemize, enumerate e Aoutras.itemizebegin{itemize}item Os itens s˜o precedidos por $bullet$; aitem Os itens s˜o separados por um espaco adicional. a ¸end{itemize}produz ˜ • Os itens sao precedidos por •; ˜ • Os itens sao separados por um espaco adicional. ¸ 30
  • 31. ¸˜Teoremas, proposicoes, etcComandonewtheorem{ambiente}{t´tulo} ı Este comando define um ambiente para a escrita de ¸˜ ´teoremas, proposicoes, onde ambiente e um apelido para o ı ´ ı ´ambiente e t´tulo e o t´tulo que sera impresso no in´cio do texto, ı ´como Teorema, Lema, Corolario, etc. Veja alguns exemplos:newtheorem{theorem}{Teorema}[section]newtheorem{lemma}[theorem]{Lema}newtheorem{proposition}[theorem]{Proposic˜o} ¸anewtheorem{corollary}[theorem]{Corol´rio} anewtheorem{definition}[theorem]{Definic˜o} ¸anewtheorem{property}[theorem]{Propriedade}newtheorem{remark}[theorem]{Observac˜o} ¸anewtheorem{example}[theorem]{Exemplo}newtheorem{exercise}[theorem]{Exerc´cio} ı 31
  • 32. ¸˜Teoremas, proposicoes, etc No caso define ambientes com apelidos theorem, lemma, ¸˜ ´ ´proposition, ... . A numeracao e automatica e o argumento ¸˜theorem faz com que outros ambientes sigam a numeracao doambiente theorem. O argumento [section] faz com que ¸ ´ ¸˜ ´apareca o numero da secao junto ao numero do teorema.Exemplobegin{theorem}[CHUTE] C´lculo Hipot´tico Universal T´cnico Estimativo a e e ´ bastante usado para fazer provas alternativas. eend{theorem} 32
  • 33. ´ ´Formulas matematicas ´ ´ As formulas matematicas podem ser digitadas tantono meio de um texto ou em destaque. Isto significa que o L TEX A ´ ´deve ser informado que o texto que vem a seguir e uma formula ´e tambem quando ela termina e o texto normal recomeca. ¸No meio de um texto ´ ´ ´ Quando a formula matematica e inserida no meio de um ´ ´texto, o modo matematico e iniciado e terminado com o sinalde $.Em destaque ´ ´ ´ Quando queremos destacar a formula matemetica, isto e, a ´ ¸˜formula num espaco para chamar atencao, o modo ¸ ´ ´matematico e iniciado e terminado com dois sinal de $$. 33
  • 34. ´ ´Formulas matematicas ´Exemplo da formula no meio de um textoUma equac˜o de segundo grau ´ da forma ¸a e$axˆ2+bx+c = 0$.produzUma equacao de segundo grau e da forma ax 2 + bx + c = 0. ¸˜ ´ 34
  • 35. ´Formulas matematicasExemplo da formula em destaque A soluc˜o para equac˜o de segundo ¸a ¸a grau e dada pela f´rmula o $$x=frac{-bpmsqrt{bˆ2-4ac}}{2a}.$$produz ¸˜ ¸˜ ´A solucao para equacao de segundo grau e dada pela formula −b ± b2 − 4ac x= . 2a 35
  • 36. ¸˜Enumerando equacoes ¸˜ O ambiente equacao numera automaticamente as ¸˜equacoes.Comando equation begin{equation} E=mcˆ2 end{equation}produz E = mc 2 (1) 36
  • 37. ¸˜Referenciando equacoes e/ou figuras ´ Vocˆ tambem pode usar comando label{nome} e e ´ref{nome} (ou eqref{nome} provem do pacote amsmath) ˜para referenciar equacoes. Ao uso do comando ref{nome} ¸ ¸˜resulta a indicacao 1; se for uso do comando eqref{nome} ¸˜resulta a indicacao (1). Veja o exemplo. 37
  • 38. ¸˜Referenciando equacoes e/ou figurasComando label e ref ¸˜ Este comando pode ser usado para referenciar equacoese/ou figuras. begin{equation}label{EqRelatividade} E=mcˆ2 end{equation}A equac˜o ref{EqRelatividade} ´ formulada ¸a epelo Albert Einstein.produz E = mc 2 (2) ¸˜ ´A equacao 2 e formulada pelo Albert Einstein. 38
  • 39. ¸˜Referenciando equacoes e/ou figurasComando label e eqref ´ Este comando so pode ser usado para referenciar ¸˜equacoes. begin{equation}label{EqRelat} E=mcˆ2 end{equation}A equac˜o eqref{EqRelat} ´ formulada ¸a epelo Albert Einstein.produz E = mc 2 (3) ¸˜ ´A equacao (3) e formulada pelo Albert Einstein. 39
  • 40. Expoentes e ´ndices ıExpoentes Para escrever algo em expoente, utilizamos o caracter ˆ. Estecaracter indica o 1o proximo caracter e um expoente. ´ ´´ndicesI Para escrever algo em expoente, utilizamos o caracter _. Estecaracter indica o 1o proximo caracter e um ´ndice. ´ ´ ı 40
  • 41. Expoentes e ´ndices ıAlguns exemplos xˆ2, xˆ{yˆ2},a_1, H_2O,xˆ2_n, xˆ{y_1}produz 2 x 2 , x y , a1 , H2 O, xn , x y1 2 41
  • 42. ¸˜FracaoCaracter / e comando frac ¸˜ Pequenas fracoes no meio do texto pode usar o caracter /,como $(x+y)/2$ produz (x + y)/2. ¸˜ Para fracoes mais complexa utiliza-se do comandofrac{numerador}{denominador}, como$frac{(x+y)}{2}$ produz (x+y) 2 42
  • 43. Ra´zes ıRa´z ı ´ ´ A ra´z quadrada normal e produzida atravez do comando ı √sqrt{radicando}, como $sqrt{4}=2$ produz 4 = 2. ´Ra´z n-esima ı ´ Para as ra´zes n-esimas acrescenta-se o argumento [n] antes ıdo radicando. Veja como funciona: $sqrt[3]{8}=2$ produz√3 8=2 43
  • 44. ´Somatorios e Integrais ´Somatorio ´ ´ ´ O somatorio e obtido pelo comando sum. Se o somatorio forno meio de um texto, os limites ficam fora do lugar. Ex:$sum_{i=0}ˆn a_i$ produz n ai . i=0Integral ´ O integral e obtido pelo comando int. Se o integral for nomeio de um texto, os limites ficam fora do lugar. Ex: n$int_0ˆnf(x)dx$ produz 0 f (x)dx. 44
  • 45. ´Somatorios e Integrais ´ Para arrumar os limites da somatoria e do integral podemosutilizar o comando limits ou displaystyleComando limits n $sumlimits_{i=0}ˆna_i$ produz ai . i=0Comando displaystyle b $displaystyleint_aˆbf(x) dx$ produz f (x)dx. a ˜ ´ Em modo destaque nao ha necessidade do uso deste doiscomandos, pois L TEX interpreta e coloca os limites no seu devido Alugar. 45
  • 46. Coeficientes binomiaisCoeficientes binomiais ´ ´ Os coeficientes binomiais e obtido atraves do comandochoose. Exemplo: $${n+1choose k}={nchoose k}+{nchoose k-1}$$produz n+1 n n = + k k k −1 46
  • 47. ´Pontos, Espacos e Texto no modo matematico ¸Pontos Os comando cdots , ldots , vdots e ddots produzem ¸˜trˆ s pontos, sendo as posicoes delas no meio, embaixo, vertical, ediagonal.Espacos ¸ Os comando quad e qquad produz espacos no modo ¸matematico, sendo o 2o produz espaco maior que o 1o . ´ ¸Texto O comando mbox{} deve ser usado para produzir textos em ´modo matematico. 47
  • 48. ´Pontos, Espacos e Texto no modo matematico ¸Pontos Os comando cdots , ldots , vdots e ddots produzem . .· · · , . . . , . , . .. .Espacos e texto ¸$$x_1=frac{-b-sqrt{bˆ2-4ac}}{2a} quadmbox{e}quadx_2=frac{-b+sqrt{bˆ2-4ac}}{2a}.$$produz −b − b2 − 4ac −b + b2 − 4ac x1 = e x2 = . 2a 2a 48
  • 49. ´S´mbolos matematico ı ´ ˜ Em L TEX , os s´mbolos matematicos sao impressos com o A ınome do s´mbolo depois de uma barra invertida. Os seus nomes ı ˜ ´sao semelhantes aos seus significados matematicos. 49
  • 50. ´S´mbolos matematico ı 50
  • 51. ´S´mbolos matematico ı 51
  • 52. ´S´mbolos matematico ı 52
  • 53. ´S´mbolos matematico ı 53
  • 54. ´S´mbolos matematico ı 54
  • 55. ´S´mbolos matematico ı 55
  • 56. Matrizes ˜ As matrizes sao produzidas com o uso do ambiente array.Ambiente array ˜ Os elementos de uma mesma linha sao separados pelo ˜ ´ ´caracter & e as linhas sao separadas por . E necessario passarpara o L TE ´ A X como as colunas devem ser alinhadas. Isto e feitoem seguida ao comando que inicia o ambiente.Argumentos de alinhamento do array Para alinhamento de um array, usamos r, c e l onde r significa` `a direita, c no centro e l a esquerda. 56
  • 57. MatrizesExemplo$$A=left[begin{array}{rcl}-1&3&02&4&-24&-8&9end{array}right]produz   −1 3 0 A =  2 4 −2  4 −8 9 57
  • 58. ¸˜ ¸˜Equacoes e Inequacoes multilinhas ¸˜ ¸˜ ´ Para equacoes ou inequacoes em varias linhas pode-se usaros seguintes ambientes:Ambiente eqnarray e eqnarray*begin{eqnarray} begin{eqnarray*} linha 1 linha 1 ... ... linha n linha nend{eqnarray} end{eqnarray*} A diferenca do eqnarray para eqnarray* e o 1o enumera a ¸ ´equacao ¸ ˜ e o 2o omite a enumeracao. ¸ ˜ 58
  • 59. ¸˜ ¸˜Equacoes e Inequacoes multilinhasComando nonumber ´ ´ Como proprio nome disse ”sem numero”. Para toda linha de ¸˜ ˜equacao se colocar o comando nonumber, nao numerara ´ ¸˜ ´ ¸˜aquela linha de equacao. Isto e bastante usado nas equacoes ¸˜multilines devido a equacao ser muito longa. 59
  • 60. ¸˜ ¸˜Equacoes e Inequacoes multilinhasExemplobegin{eqnarray} lefteqn{(a+b+c)ˆ3=}nonumber & &aˆ3+3aˆ2b+3abˆ2+bˆ3+3acˆ2+nonumber & &3bcˆ2+3aˆ2c+6abc+3bˆ2c+cˆ3end{eqnarray}produz (a + b + c)3 = a 3 + 3a 2 b + 3ab2 + b3 + 3ac 2 + 3bc 2 + 3a 2 c + 6abc + 3b2 c + c 3 (4) 60
  • 61. ¸˜ ¸˜Sistemas de Equacoes com Numeracao de cada ¸˜Equacao ¸˜ ¸˜ Para sistemas de equacoes com numeracao de cada ¸˜ ´ ´equacao e necessario colocar no preˆ mbulo ausepackage{empheq,amsmath}.Exemplo begin{empheq}[left=empheqlbrace]{align} y(0) = 1, quad y’(0) = 2 y’’(x) = -y(x)+x+1 end{empheq}produz y(0) = 1, y (0) = 2 (5) y (x) = −y(x) + x + 1 (6) 61
  • 62. ´Formulas dentro de uma moldura ´ As formulas podem ser colocadas dentro de uma moldurausando comando fboxExemplofbox{$int(f+g)=int f+int g$}produz (f + g) = f+ g 62
  • 63. Figuras ˜ • O L TEX nao pode gerar imagens diretamente, por isso Avamos precisar de alguma ajuda extra: temos que carregar opacote usepackage{graphicx} no preˆ mbulo do nosso adocumento. 63
  • 64. Figuras ˜ • O L TEX nao pode gerar imagens diretamente, por isso Avamos precisar de alguma ajuda extra: temos que carregar opacote usepackage{graphicx} no preˆ mbulo do nosso adocumento.Compilando com pdflatex ´ Se vocˆ esta compilando com pdflatex para produzir um PDF, evocˆ tem uma escolha mais ampla. Vocˆ pode inserir: e e• JPG: Amplamente utilizado na Internet, cˆ meras digitais, etc... a ˜Eles sao a melhor escolha se vocˆ deseja inserir fotos. e ˜• PNG: Um formato muito comum (mesmo que nao tanto como ´ ´JPG), e um formato sem perdas e e a melhor escolha para osdiagramas. 64
  • 65. Ambiente figure ´ Este ambiente oferece a possibilidade da figura, que eproduzida com o ambiente picture ou importada com o ´comando includegraphics, ter uma legenda e alem disso,flutuar no texto se colocando num local em que a perda de ¸ ı ´espaco seja m´nima. A sintaxe e a seguinte:Ambiente figurebegin{figure}[onde] figura caption{Texto da figura}end{figure} 65
  • 66. Ambiente figureArgumento onde ´ O argumento onde especifica o local, onde e permitido a ¸˜colocacao da figura, ou seja, consiste de zero a quatro letrascom os seguintes significados:Argumento Onde•[h] aqui.•[t] em cima.•[b] em baixo. ´•[p] em uma pagina separada. Vale a pena observar que as letras devem ser colocados naordem de prioridade. 66
  • 67. Inserir figura ¸˜Nenhuma opcao definida Para inserir figura, precisa utilizar o ambiente figure.Ambiente figura begin{figure} includegraphics{mario} end{figure} Usando comando includegraphics{mario} L TEX importa A ˜figura no seu tamanho original, nao importando se passa damargem definida do documento ou nao. ˜ 67
  • 68. Inserir figura ¸˜Nenhuma opcao definidaExemplo 68
  • 69. Inserir figura ¸˜Opcao scale ¸˜ ´ A opcao scale permite o usuario definir a escala desejadano documento. Se o valor fosse 0.5, reduz a imagem pelametade, 2 para o dobro. ¸˜Opcao scalebegin{figure} includegraphics[scale=0.5]{mario}end{figure} 69
  • 70. Inserir figura ¸˜Opcao scaleExemplo 70
  • 71. Inserir figura ¸˜Opcao widgh ¸˜ ´ A opcao widgh e height permite que o usuario defina quala largura e altura em cm da figura no documento. Vale a pena ´ ´observar que este comando tambem mantem a escala dafigura. ¸˜Opcao widthbegin{figure} includegraphics[width=2.5cm]{mario}end{figure} 71
  • 72. Inserir figura ¸˜Opcao widghExemplo 72
  • 73. Inserir figura ¸˜Opcao angle ¸˜ A opcao angle permite girar a figura em determinados graus ´em sentido anti-horario. ¸˜Opcao anglebegin{figure} includegraphics[scale=0.5, angle=180]{mario}end{figure} 73
  • 74. Inserir figura ¸˜Opcao angleExemplo 74
  • 75. T´tulo ı ´ O t´tulo do documento e gerado com os comandos: ıComando para t´tulo ı title{t´tulo do texto} ı author{nome do autor} maketitle ´ ´ Com estes comandos tambem a data atual e impressa. Ocomando date{texto} coloca o texto no lugar da data atual. 75
  • 76. ¸˜Cap´tulos e secoes ı ˜ O L TEX dispoe os comandos seguintes para produzir um A ´ ¨seccionamento automatico e sequencial:Comandos chapter{t´tulo} ı section{t´tulo} ı subsection{t´tulo} ı 76
  • 77. Bibliografia Para se gerar uma bibliografia em um documento, e ´ ´ ´necessario criar um arquivo na pasta onde esta o arquivo fonte ˜com extensao .bib contendo um banco de dados ´bibliograficos. As entradas deste banco de dados devem ter aforma:Banco de dado para bibliografia @TIPO{apelido, AUTHOR = "Fulano de Tal", TITLE = "O T´tulo Tal", ı PUBLISHER = "A Editora", ADDRESS = "Cidade Tal", . . . YEAR = "1998" } 77
  • 78. Bibliografia O TIPO pode ser BOOK (para livros), ARTICLE (para artigos),INCOLLECTION (para partes de um livro), PROCEEDINGS (para ´artigo em atas de congressos) ou TECHREPORT (para relatorios ´ ¸˜tecnicos). A publicacao vai ser citada no documento com ocomando cite{apelido}. Cada TIPO de entrada tem um ´conjunto de campos obrigatorio e outro conjunto de camposopcional. 78
  • 79. Bibliografia O TIPO pode ser BOOK (para livros), ARTICLE (para artigos),INCOLLECTION (para partes de um livro), PROCEEDINGS (para ´artigo em atas de congressos) ou TECHREPORT (para relatorios ´ ¸˜tecnicos). A publicacao vai ser citada no documento com ocomando cite{apelido}. Cada TIPO de entrada tem um ´conjunto de campos obrigatorio e outro conjunto de camposopcional. ´ ´ ´ Alem do banco de dados bibliograficos, e necessario´colocar no preˆ mbulo o comando abibliographystyle{plain} e no local do documentocolocar o comando bibliography{arquivo}, onde arquivo ´ ˜e o nome do arquivo de banco de dados sem a extensao .bib. 79
  • 80. Bibliografia O TIPO pode ser BOOK (para livros), ARTICLE (para artigos),INCOLLECTION (para partes de um livro), PROCEEDINGS (para ´artigo em atas de congressos) ou TECHREPORT (para relatorios ´ ¸˜tecnicos). A publicacao vai ser citada no documento com ocomando cite{apelido}. Cada TIPO de entrada tem um ´conjunto de campos obrigatorio e outro conjunto de camposopcional. ´ ´ ´ Alem do banco de dados bibliograficos, e necessario´colocar no preˆ mbulo o comando abibliographystyle{plain} e no local do documentocolocar o comando bibliography{arquivo}, onde arquivo ´ ˜e o nome do arquivo de banco de dados sem a extensao .bib. ˜ Nem todas as entradas do banco de dados vao aparecerna bibliografia do documento. Somente aquelas que foramreferenciadas no texto com o comando cite{apelido}. 80
  • 81. Agradecimento e ApoioAgradecimento Agradecimento ao Prof. Dr. Marcelo Dias Passos peloincentivo do uso de L TEX , por responder as duvidas, A ´ ˜compartilharem as experiˆ ncias em L TEX e pelas dicas nao so e A ´ ´nesse trabalho mas tambem em aula. Agradecimento ao Prof. Dr. Erwin Doescher por responder as ´ ˜ ´ ´duvidas e pelas dica nao so nesse trabalho mas tambem emaula. ¸˜ Agradecimento ao Prof. Dr. Arlindo Conceicao pela ¸˜ ˜ ´ ´paciˆ ncia e orientacao nao so nesse trabalho mas tambem em eaula. ¨ ¨ Agradecimento aos discentes Catarina Proglhof, Christopher ´Padua, Desiree Maldonado e Paulo Cabral pelas colaboracoes ¸˜no trabalho e na bagunca. ¸ 81
  • 82. Agradecimento e ApoioApoio UNIFESP e PESL 82
  • 83. Referˆ ncia e ¸˜Informacoes na internethttp://en.wikibooks.org/wiki/LaTeX 83

×