MUNDO NÁUTICO MAQUETES: O CONSTRUTOR DE PEQUENAS JOIAS 
R$ 15,90  Ano 08  nº 38  2013  www.perfilnautico.com.br 
PESCA ESP...
DO MAIOR ESTALEIRO DA AMÉRICA LATINA, 
OS MAIORES LANÇAMENTOS DE 2013 
Representante exclusivo Ferrettigroup Brasil. 
Shop...
720 
PERFEITO PARA QUEM 
APRECIA UM DESIGN 
AGRESSIVO E INOVADOR 
/ferrettigroupbrasil /ferrettibrasil
EDITORIAL 
REUNIÃO, UNIÃO E 
HISTÓRIAS NA ÁGUA 
S 
aímos para uma boa pescaria enquanto preparávamos a edição 
38 da Perfi...
10 PERFILNÁUTICO 
CAPA 
36 PESCA ESPORTIVA 
Seja por hobby, esporte ou lazer, 
uma atividade saudável que reúne 
a família...
12 PERFILNÁUTICO Canal do Leitor 
Canal Esporte 
CAPA 
Nas minhas férias 
comprei a edição 
da revista e achei 
muito cont...
PERFORMANCE 
SOFISTICAÇÃO  
Viva as melhores emoções e desfrute do melhor desempenho. 
www.venturamarine.com 
betônico
Test drives serão realizados no Cabanga Iate Clube 
14 PERFILNÁUTICO 
CanaNl Esepowrtes 
ADVENTURE 
SPORTS FAIR 2013 
O ma...
Escolhido pela ISAF para os Jogos de 2016 
CATAMARÃ OLÍMPICO 
16 PERFILNÁUTICO 
CaNneawl Essporte 
A nova página na 
inter...
VOLVO OCEAN RACE 2014-15: 
MAIS BRASILEIRA DO QUE NUNCA 
18 PERFILNÁUTICO 
CaNneawl Essporte 
Em 2014, o Brasil terá 
duas...
MUNDO NÁUTICO VELEIRO BRAVO 
VOLTA AO 
MUNDO EM 
FAMÍLIA 
REUNIR A FAMÍLIA PARA UMA BOA 
VELEJADA SEMPRE É UM ÓTIMO 
PROGR...
PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T2ICO1 21
A liberdade de estar junto à natureza 
22 PERFILNÁUTICO 
Casal Portela, Claudia e Ricardo 
PREPARAÇÃO 
Uma circum-navegaçã...
PERFILNÁUTICO 23 
Passatempo a bordo e companhia do veleiro Phoenix 
NAS TRAVESSIAS A CONVIVÊNCIA 
ERA OBRIGATÓRIA E A ÚNI...
Claudia. “Apesar de termos feito uma rota mais segura 
– desviando da região da Somália (passaram colados ao 
Iêmen) –, me...
MUNDO NÁUTICO MAQUETES 
O CONSTRUTOR 
DE PEQUENAS JOIAS 
ELE ALIOU A PAIXÃO COM A EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E, 
COM AS MAQU...
udo começou há 19 anos, em Angra dos 
Reis, região oeste do Rio de Janeiro. O 
fascínio pelo mar e por barcos foi o que 
i...
MUNDO NÁUTICO MAQUETES 
Capricho nos detalhes do interior 
28 PERFILNÁUTICO 
OS CLIENTES DE MARIANO 
SÃO ESTALEIROS, ESCRI...
PERFILNÁUTICO 29 
Muitos perguntam se ele é miniaturista e ele 
responde: “Sou um construtor de barcos pequenos.” 
Hoje Ma...
MUNDO NÁUTICO MAQUETES 
As peças são feitas com resina de poliuretano e os detalhes são cortados a laser 
70 maquetes cons...
MUNDO NÁUTICO LOPANA PHOENIX FEST 
AGITO NO LITORAL DE ALAGOAS 
EVENTO PROMOVIDO PELO ESTALEIRO PHOENIX É OPORTUNIDADE DE ...
PERFILNÁUTICO 33 
O que era uma confraternização se tornou um grande evento 
m catamarã elétrico, muito axé e mais 500 
ba...
MUNDO NÁUTICO LOPANA PHOENIX FEST 
Mais de 500 barcos participaram da festa 
O OBJETIVO DOS 
ORGANIZADORES É TORNAR 
O EVE...
QUANDO VOCÊ TEM 
TODO O RESPEITO 
QUE MERECE NÃO DÁ MAIS 
PARA FICAR SEM. 
Respeito é a sua família ter a melhor Banda Lar...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
Peixe 
à vista. 
Dá linha 
36 3P6ER FPILENRÁFUILTNICÁOUTICO
PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T3ICO7 37 
Quando a cadeira 
de combate é tão ou 
mais importante que 
a do timoneiro da 
embarcaçã...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
Iate de pesca esportiva: condições favoráveis para uma boa pescaria 
38 PERFILNÁUTICO 
luta do homem...
PERFILNÁUTICO 39 
Santiago “consumiu” três dias e 
cerca de cem páginas para domar 
o seu espadarte, de 5 metros de 
compr...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
Um Vicem 57, um Hatteras GT 
63 e um Bertram 80 são alguns 
exemplos, em ordem de grandeza, 
de barc...
PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T4ICO1 41
CaPa PESCA ESPORTIVA 
sob um manto estrelado ou debaixo 
de um sol forte. É um jogo de gato e 
rato, em alto-mar. Em muito...
bertrAm 80, PArA os AdePtos 
dA PescA oceânicA e AmAntes de todo 
o luxo à disPosição 
PERFILNÁUTICO 43 
apenas a astúcia,...
44 PERFILNÁUTICO 
hAtterAs Gt 
63, PArA os 
homens de 
mAr Que vão 
à cAçA e não 
voltAm de 
mãos vAziAs 
a bordo para exe...
PERFILNÁUTICO 45 
lazer, como as cadeiras giratórias de 
combate, os locais para o apoio dos 
molinetes, por exemplo. O es...
projeto do barco de pesca esportiva. 
E não somente por uma questão 
estética e funcional – a iluminação 
natural do ambie...
A evolução dAs embArcAções seGue 
os PAssos e As necessidAdes do homem, 
básicAs ou suPérfluAs 
PERFILNÁUTICO 47 
ventos. ...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
hobby e lazer, 
subsistênCia e 
Profissão 
A PescA é umA dAs AtividAdes ProdutivAs 
mAis AntiGAs dA ...
j 
PERFILNÁUTICO 49 
PERFILNÁUTICO 49 
e acordo com 
o Ministério 
da Pesca e 
Aquicultura, 
os recursos 
pesqueiros 
marí...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
Pesca artesanal: fins comerciais ou em regime de economia familiar 
em função do tipo de embarcação ...
j 
A multA PArA Quem não tem licençA 
PArA PrAticAr A PescA esPortivA Pode 
vAriAr de r$ 500 A r$ 2 mil 
PERFILNÁUTICO 51 ...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
APesAr dA “mAturidAde”, A cArbrAsmAr 
41 está lonGe de ser APosentAdA ou se 
tornAr obsoletA 
52 PER...
A Carbrasmar 41 é uma prova de que modelos antigos resistem ao tempo e podem continuar sendo competitivos. Projetada 
pelo...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
A Sedna XF 335 é um barco de pesca esportiva compacto, robusto e de navegabilidade surpreendente, pr...
A sednA xf 335 é umA sPortfisher 
com excelente desemPenho e Que encArA 
condições AdversAs de mAr 
PERFILNÁUTICO 55
CaPa PESCA ESPORTIVA 
os dois modelos dA flóridA, A 270 e 
A 330 oceAn, são ideAis PArA PescA em 
Alto-mAr e PAsseios em f...
A Flórida 270 é uma lancha de console central, com belo design e belo acabamento, ideal para pesca em 
alto-mar e passeios...
CaPa PESCA ESPORTIVA 
Lançada no Brasil em julho de 2012, a Oceania 30WA é um barco para pesca esportiva. Comporta até qua...
diversos itens de série tornAm 
A oceAniA 30WA umA lAnchA comPletA, 
com conforto PArA Até 11 PessoAs 
PERFILNÁUTICO 59
CaPa PESCA ESPORTIVA 
A F39 Saint-Tropez do estaleiro Fishing é um bom exemplo de um barco que pode ser utilizado tanto pa...
Catamarãs são barcos versáteis, adaptáveis para passeio, turismo, lazer e esportes, como a pesca. É o caso dos modelos 
W ...
Ferretti 960: cinco cabines, sendo a do armador no deque principal 
62 PERFILNÁUTICO 
Canal NCanáalu Estpiocrteo 
O novo i...
VISITE-NOS NO 
RIO BOAT 
SHOW 
2013 
de 25 de abril a 01 de maio 
stand: P3-9
PARCERIA 
DE CLASSE 
A Silver Arrows Marine 
Granturismo é uma 
lancha de luxo cheia 
de estilo. O projeto é 
o resultado ...
66 PERFILNÁUTICO 
CaCnaanl Nalá Eustpicoorte 
A integração do novo 
motor N67 500 com o 
inovador sistema de 
propulsão da...
NOVA GERAÇÃO DE ELEVADORES 
68 PERFILNÁUTICO 
CaCnaanl Nalá Eustpicoorte 
O PierPlas EVO, 
lançamento da NTC Moldes 
e Plá...
DESIGN 
E CONFORTO 
Cadeira Seagull: dois braços para joystick e controle 
70 PERFILNÁUTICO 
CaCnaanl Nalá Eustpicoorte 
P...
PERFILNÁUTICO 157
MANUTENÇÃO: 
REPOUSO DO GUERREIRO 
No período pós 
-férias, deixe seu 
barco seguro e bem 
cuidado. Saiba como 
escolher u...
PERFILNÁUTICO 73 
Canal Náutico 
j 
A lavagem externa do barco deve ser realizada uma vez ao mês 
o tipo de produto a ser ...
Estrutura de embarque e desembarque 
74 PERFILNÁUTICO 
CaCnaanl Nalá Eustpicoorte 
procedimentos especiais. 
Basta borrifa...
PERFILNÁUTICO 75 
Canal Náutico 
Alguns barcos ficam guardados mais tempo em vaga seca 
Veja o engraxamento 
das velas, do...
76 PERFILNÁUTICO 
CaCnaanl Nalá Eustpicoorte 
que compromete o 
funcionamento do motor. 
NA HORA DE FECHAR 
O NEGÓCIO... 
...
78 PERFILNÁUTICO Canal do Construtor 
Canal Esporte 
A maioria dos barcos é construída em sistema sandwich 
COLANDO A VÁCU...
PERFILNÁUTICO 79 
Canal do Construtor 
Jorge Nasseh 
As espessuras das espumas sandwich variam dependendo do barco 
O MÉTO...
CANAL DÉCOR DECORAÇÃO NÁUTICA E SOFISTICAÇÃO A BORDO 
PALOMA CHRISTIANSEN 
80 PERFILNÁUTICO 
CanaCal nDal Eéspcoroter 
Os ...
PERFILNÁUTICO 81 
Canal Décor 
Ambiente harmônico e aconchegante 
barquinhos, entre 
outros.” De acordo com 
a designer, é...
DESIGN, ESTILO 
E CONFORTO X 
O pufe Shell é um dos 
novos lançamentos da 
designer italiana Paola 
Lenti. Disponíveis em ...
ALGUM DESSES PODE SER O S EU PRÓXIMO BARCO 
ÍNDICE 
No último mês conversamos com cinco estaleiros para preparar a seção 
...
PERFIL VALENT 210 
A CAÇULA PRODÍGIO 
A VALENT TRAZ AO BRASIL A 210 PARA ACABAR COM OS 
PROBLEMAS DE QUEM QUER UMA EMBARCA...
PERFIL VALENT 210 
86 PERFILNÁUTICO
PERFILNÁUTICO 87 
er uma embarcação menor implica 
perder qualidade de acabamentos e 
menos funcionalidade? Não mais. Se 
...
ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS 
BOCA: 2,5 m 
88 PERFILNÁUTICO 
luxo ou de alto nível de acabamento, mas de 
tamanho pequeno, pequ...
A VALENT SURGIU NO BRASIL PARA ATENDER 
UM NICHO QUE ERA UM TANTO SUBESTIMADO 
PERFILNÁUTICO 89 
elas, a caçula da linha d...
da linha, conta com solário de proa, onde existem duas 
caixas de som que podem ser controladas por controle 
remoto exclu...
PERFILNÁUTICO 91 
Valent 250, versátil e espaçosa
PERFIL VALENT 210 
UMA VALENT APRESENTA 
UM GRANDE PACOTE 
DE ITENS, COM A 
CONVENIÊNCIA DE JÁ VIR 
ASSIM DE FÁBRICA 
30 l...
PERFIL PORTOFINO 35 FLY 
PROJETO INOVADOR, 
SEM IGUAL 
A PORTOFINO FLY 35 FOI INSPIRADA NAS LINHAS DA 
LAMBORGHINI AVENTAD...
PERFIL PORTOFINO 35 FLY 
110022 PPEERRFFIILLNNÁÁUUTTIICCOO
PERFILNÁUTICO 103 
A ssim como um carro esportivo, 
a Portofino 35 Fly com certeza 
irá chamar a atenção pelos 
mares por ...
PERFIL PORTOFINO 35 FLY 
Banheiro: espaço e bom gosto 
104 PERFILNÁUTICO 
Durante a noite, é possível abrigar cinco pessoa...
PPPEEERRRFFFIIILLLNNNÁÁÁUUUTTTIIICCCOOO 111000555 
Salão com um sofá em L, mesa regulável e cabine do proprietário
PERFIL PORTOFINO 35 FLY 
torna a embarcação hidrodinâmica, já que o atrito do 
casco com a água é diminuído consideravelme...
PPEERRFFIILLNNÁÁUUTTIICCOO 110077 
Cabine com pé-direito alto e praça de popa com sofá central e espaço gourmet
PERFIL PORTOFINO 35 FLY 
passadiços laterais. As passagens contam com uma borda 
bem alta, que garantem uma maior seguranç...
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Revista Perfil Náutico ed 38
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

Revista Perfil Náutico ed 38

1,730 views
1,477 views

Published on

Edição 38 Revista Perfil Náutico

Published in: Marketing
0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,730
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
15
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Perfil Náutico ed 38

  1. 1. MUNDO NÁUTICO MAQUETES: O CONSTRUTOR DE PEQUENAS JOIAS R$ 15,90 Ano 08 nº 38 2013 www.perfilnautico.com.br PESCA ESPORTIVA HOBBY, LAZER OU ESPORTE UM BOM BARCO, E BEM EQUIPADO, PODE FAZER TODA A DIFERENÇA PERFIL EVOLVE A REVOLUÇÃO DE UMA MARCA MANUTENÇÃO GUARDAR O BARCO REQUER CUIDADOS ESPECIAIS E MAIS, NA SEÇÃO PERFIL, NOVIDADES E BARCOS CONSAGRADOS: VALENT 210 BAYLINER 350 SE PORTOFINO FLY 35 AZIMUT 70
  2. 2. DO MAIOR ESTALEIRO DA AMÉRICA LATINA, OS MAIORES LANÇAMENTOS DE 2013 Representante exclusivo Ferrettigroup Brasil. Shopping Cidade Jardim - 3º piso Avenida Magalhães de Castro, 12.000 São Paulo - SP - Tel: (11) 3552-4000 toolsandtoys.com.br - ferrettibrasil.com.br 870 A EXCLUSIVIDADE DO MAIOR BARCO DE FIBRA PRODUZIDO EM SÉRIE NA AMÉRICA LATINA 800 TODO O CONFORTO DE UM PROJETO ÚNICO COM LAYOUT EXCLUSIVO NO BRASIL
  3. 3. 720 PERFEITO PARA QUEM APRECIA UM DESIGN AGRESSIVO E INOVADOR /ferrettigroupbrasil /ferrettibrasil
  4. 4. EDITORIAL REUNIÃO, UNIÃO E HISTÓRIAS NA ÁGUA S aímos para uma boa pescaria enquanto preparávamos a edição 38 da Perfil Náutico. Verão, férias e calor chamam para a água, e nada mais agradável que reunir a família e os amigos no barco para um bom dia de pesca. A atividade é uma das mais antigas da humanidade, representa sustento e sobrevivência para alguns, hobby e lazer para outros, e é também uma prática esportiva com direito a competições acirradas, nas quais o peixe, depois de capturado, é devolvido para a vida. Um bom e bem equipado barco pode fazer grande diferença num dia de pescaria. Apresentamos alguns modelos disponíveis no Brasil e no exterior, com os recursos necessários para você não deixar o peixe escapar. Nas próximas páginas trazemos, como de costume, os barcos da seção Perfil. Lançamentos, histórias, novidades e barcos consagrados são apresentados. Nesta edição: Valent 210, Bayliner 350 SE, Portofino 35 Fly, Azimut 70 e o Estaleiro Ocean Life, que produz as lanchas Evolve. Como as possibilidades de atividades na água são enormes, não ficamos apenas na pescaria ou conhecendo barcos. Mergulhamos nas Bahamas, no buraco azul mais profundo do planeta e fomos tirar uns dias de descanso em Arraial d´Ajuda, no litoral da Bahia, um lugar cheio de encantos que reúne paz, tradição, cultura e baladas agitadas. Ainda no Nordeste, fomos conferir uma dessas baladas – o Lopana Phoenix Fest em Alagoas, com direito a catamarã elétrico, música e mais de 500 barcos. No Mundo Náutico fomos conhecer belas histórias de vida, como a da família Portela, que deu a volta ao mundo durante três anos a bordo do veleiro Bravo, e a do maquetista Carlos Eduardo Mariano, que nos revelou sua paixão por barcos, em tamanho real ou em formatos menores – verdadeiras joias. Depois do verão, muitos deixam seus barcos guardados, que serão utilizados novamente somente em alguns fins de semana ou feriados prolongados. A manutenção da embarcação é importante para que ela esteja pronta para o próximo passeio. Saiba como escolher a marina ideal para guardar o seu guerreiro. Notícias, esportes, estilo de vida, gastronomia, meio ambiente, dicas de livros, construção de barcos, decoração, equipamentos e acessórios náuticos também estão a seguir. S 8 PERFILNÁUTICO Aldo Alfredo Malucelli Carlos Alberto Gomes José “Juca” Kolling Luiz Alfredo Malucelli EDITOR E JORNALISTA RESPONSÁVEL EDIÇÃO DE ARTE E PROJETO GRÁFICO REVISÃO aldo@grupocanal.com.br carlos@grupocanal.com.br jose.juca@grupocanal.com.br luiz@grupocanal.com.br Marcelo Fabiani (Buda) marcelo.buda@grupocanal.com.br DRT-PR/ 6633 Eduardo Zuchowski João Batista Ribeiro COLABORAM NESTA EDIÇÃO Adriana Freitas Brandão, Angelo Sfair, Amanda Kasecker, Carolina Schrappe, Guilherme Aquino, Jorge Nasseh, Leonardo Suzuki, Luiz Alfredo Malucelli, Rafaella Malucelli, Thaís Zago IMPRESSÃO E ACABAMENTO Gráfica Coan DISTRIBUIÇÃO EXCLUSIVA FC Comercial Distribuidora Ltda. COMERCIAL José “Juca” Kolling comercial@perfilnautico.com.br (41) 3331 8300 jose.juca@grupocanal.com.br (41) 8446 5341 Rua Jorge Cury Brahim, 712, Pilarzinho, 82.110-040, Curitiba – PR. Fone (41) 3331 8300 Fax (41) 3331 8305 Revista Perfil Náutico Rádio Mix Curitiba - 91,3 MHz 91 Rock Web www.91rock.com.br Artigos assinados não representam necessariamente a opinião da revista. As imagens sem créditos foram fornecidas para divulgação. Revista Perfil Náutico, ano 8, n° 38, é uma publicação da Editora CANAL/mid, divisão de mídia do Grupo CANAL/com. Todos os direitos reservados. FALE COM A GENTE redacao@perfilnautico.com.br CANAL TÉCNICO Envie sua pergunta para canaltecnico@perfilnautico.com.br ASSINATURA assinatura@perfilnautico.com.br PERFIL NÁUTICO NA INTERNET www.perfilnautico.com.br Boa leitura MARCELO BUDA CONSELHO DIRETOR DEPTO. DE JORNALISMO CENTRAL DE PUBLICIDADE
  5. 5. 10 PERFILNÁUTICO CAPA 36 PESCA ESPORTIVA Seja por hobby, esporte ou lazer, uma atividade saudável que reúne a família e os amigos no barco PERFIL 85 93 101 109 117 VALENT 210 Para quem busca uma embarcação pequena, mas que tenha grandes qualidades BAYLINER 350 SE No mar ou em água doce, uma lancha para a família e para a prática de esportes PORTOFINO FLY 35 Inspirada no design de um carro esportivo, destaque também para o flybridge AZIMUT 70 Para brasileiros de bom gosto: luxo em alto-mar com direito a quatro suítes OCEAN LIFE Conheça a história do estaleiro responsável pela evolução de uma marca: Evolve ÍNDICE CANAL 12 62 78 80 MUNDO NÁUTICO 20 26 32 NESTA EDIÇÃO 14 72 126 128 132 140 148 150 DO LEITOR NÁUTICO CONSTRUTOR DÉCOR VELEIRO BRAVO A volta ao mundo da família Portela MAQUETES O construtor de pequenas joias LOPANA PHOENIX FEST Um dia de festa em Alagoas NEWS Notícias fresquinhas do segmento náutico MANUTENÇÃO Escolha uma boa marina para guardar seu barco ESTILO Novidades com personalidade e bom gosto ESPORTES Competições na água esquentaram o início do ano MERGULHO Nas Bahamas, no buraco azul mais profundo do planeta TURISMO - ARRAIAL D´AJUDA Um lugar para curtir e descansar, e querer ficar CULTURA Dicas para uma boa leitura, em terra ou a bordo GOURMET Dourado com Finas Ervas
  6. 6. 12 PERFILNÁUTICO Canal do Leitor Canal Esporte CAPA Nas minhas férias comprei a edição da revista e achei muito contagiante a matéria de capa. É quase um dicionário para os aventureiros de plantão. As dicas e precauções para cada esporte estavam muito bem apresentadas e inspiraram-me a ter a minha primeira experiência com o wakeboard. Alessandro Sussin Ao contrário de outras revistas de segmento, a Perfil Náutico tem um diferencial que eu admiro muito: a linguagem é acessível a todos os públicos e você não precisa ter um barco para comprá-la. Basta ser apaixonado pelo mar, pelo sol e pela vida. Victor Nunes da Luz FALE CONOSCO Adoro ler sobre as tendências do mundo náutico nas seções de decoração e estilo da revista. Sempre tem algum produto que me interessa e eu acabo comprando. Tatiane Steil Sou fissurada na decoração de barcos. Meus pais têm uma lancha de 28 pés e eu sou a responsável por investir nos itens decorativos para melhorar nossas acomodações. Fiquei fascinada com o design e o luxo da CS4. Ana Dainez Sempre que vou navegar, levo comigo exemplares da Perfil Náutico. Gosto de me informar sobre os lançamentos do mundo náutico e ler sobre os melhores equipamentos para a embarcação. Lucas Pazolini Fascinante a diversidade de modelos de barcos que estavam em exposição no Salão de Gênova. Fotos impressionantes que me fizeram viajar por instantes. S Bernardo Malonane Para falar com a Perfil Náutico, mande e-mail para: redacao@perfilnautico.com.br ou canaltecnico@perfilnautico.com.br. As mensagens devem ser enviadas à redação e à equipe técnica com identificação do autor, endereço e telefone. Em virtude do espaço disponível, os textos podem ser resumidos ou editados. A revista reserva-se o direito de publicar ou não as colaborações.
  7. 7. PERFORMANCE SOFISTICAÇÃO Viva as melhores emoções e desfrute do melhor desempenho. www.venturamarine.com betônico
  8. 8. Test drives serão realizados no Cabanga Iate Clube 14 PERFILNÁUTICO CanaNl Esepowrtes ADVENTURE SPORTS FAIR 2013 O maior evento de esportes e turismo de aventura da América do Sul, o Adventure Sports Fair, acontece de 1º a 5 de maio, no pavilhão da Bienal no Ibirapuera, em São Paulo. A 15ª edição deve reforçar a intenção de gerar novos negócios. Além de empresas de equipamentos, agora operadores de turismo, agência, hotéis e destinos ligados à aventura terão um espaço de reuniões para atender clientes em potencial. j Mais informações no site www.adventuresportsfair.com.br Ao todo, cerca de cem expositores nacionais e internacionais estarão reunidos no 1º Nordeste MotorShow, o salão internacional de veículos de duas e de quatro rodas, que será realizado no Centro de Convenções de Pernambuco, em Olinda, de 25 a 28 de abril. O setor náutico também terá seu espaço. Além de ocupar o pavilhão com os últimos lançamentos do setor, oferecerá aos visitantes a oportunidade de realizar test drives nos barcos que ficarão expostos no Cabanga Iate Clube. Com um crescimento médio de 80 embarcações por mês, segundo informações da Capitania dos Portos, Pernambuco é atualmente um dos estados promissores para o mercado náutico, também por conta de sua privilegiada posição geográfica e de sua extensão litorânea. A organização e a realização do 1º Nordeste MotorShow são da Reed Exhibitions Alcantara Machado, uma multinacional do segmento de feiras de negócios. 1º NORDESTE MOTORSHOW Evento acontece no pavilhão da Bienal no Ibirapuera
  9. 9. Escolhido pela ISAF para os Jogos de 2016 CATAMARÃ OLÍMPICO 16 PERFILNÁUTICO CaNneawl Essporte A nova página na internet da Acatmar (Associação Catarinense de Marinas, Garagens Náuticas e Afins) já está no ar. O site é direcionado aos associados e aos empresários do mundo náutico. A plataforma está mais interativa e dinâmica, de acordo com os desenvolvedores. Todas as informações sobre a associação estão interligadas com o site e as redes sociais. j Acesse: www.acatmar.com.br A XSB Esportes fechou uma parceria com a empresa holandesa Nacra Sports and Funs Catamarans e agora é distribuidora exclusiva dos cataramãs da marca no Brasil. O Nacra 17, escolhido pela Federação Internacional de Vela (ISAF) para ser o novo barco olímpico a partir dos Jogos de 2016, no Rio de Janeiro, é o destaque que virá para o mercado nacional. Além do Nacra 17, a XSB também importará os catamarãs F16, F18 e Nacra 500 Fun. NOVO SITE DA ACATMAR SCHAEFER 800 O estaleiro catarinense Schaefer Yachts acaba de realizar os primeiros testes de seu mais ousado projeto, o Schaefer 800. O superiate de 80 pés tem capacidade para 23 pessoas, incluindo a tripulação. Nas primeiras avaliações realizadas, o barco mostrou-se rápido, esportivo e equipado com o que há de mais moderno na tecnologia náutica.
  10. 10. VOLVO OCEAN RACE 2014-15: MAIS BRASILEIRA DO QUE NUNCA 18 PERFILNÁUTICO CaNneawl Essporte Em 2014, o Brasil terá duas paradas ao longo do percurso da maior regata de volta ao mundo, a 12ª edição da Volvo Ocean Race. Itajaí (SC) será novamente cidade-sede e, dessa vez, dividirá as atenções com Recife (PE). A cidade catarinense será um ponto estratégico para a Volvo Ocean Race TECNOLOGIA QUE LEVA LONGE Paradas em Itajaí (SC) e Recife (PE) O blog de viagem Sundaycooks.com dá dicas de como se virar mundo afora utilizando as novidades em aplicativos, gadgets, sites, internet e muito mais. Aprenda como fazer ligações internacionais mais baratas, como planejar uma viagem com o Google Maps ou descubra que aplicativo ou gadget pode salvá-lo de uma enrascada em qualquer parte do mundo. Acesse sundaycooks.com e viaje o mundo com o seu smartphone! S CRUZEIRO COSTA SUL 2013 A largada do Cruzeiro Costa Sul 2013 será no dia 2 de março no Rio de Janeiro com chegada prevista para 18 de março em Florianópolis. Em um cruzeiro em flotilha, veleiros de comandantes iniciantes, integrados aos profissionais, saem do Rio de Janeiro, passam por Ubatuba, Ilhabela, Santos, Canal do Varadouro, Paranaguá, São Francisco do Sul, Joinville, Itajaí e Jurerê. O programa é organizado pela ABVC (Associação Brasileira de Velejadores de Cruzeiro). 2014-15 sendo a primeira parada depois da passagem pelo temido e desgastante Cabo Horn, no Oceano Antártico. “A perna que cruza o Oceano Antártico e contorna o Cabo Horn tradicionalmente termina no Brasil e na edição passada foi decisiva”, ressaltou o chefe de operações da Volvo Ocean Race, Tom Touber. A parada de Itajaí rendeu ao município o prêmio de melhor Stopover Sustentável da edição 2011-2012 da Volvo Ocean Race. Reuniu 290 mil pessoas e cerca de 60 mil assistiram às chegadas e partidas dos molhes e das praias de Itajaí. O evento representou um impacto financeiro de mais de R$ 28 milhões para Santa Catarina, além de R$ 1 milhão restante do Brasil, gerando um impacto positivo de mais de R$ 30 milhões.
  11. 11. MUNDO NÁUTICO VELEIRO BRAVO VOLTA AO MUNDO EM FAMÍLIA REUNIR A FAMÍLIA PARA UMA BOA VELEJADA SEMPRE É UM ÓTIMO PROGRAMA. E SE ESTE PASSEIO DURAR TRÊS ANOS COM PASSAGEM POR MAIS DE 50 PAÍSES? FOI EXATAMENTE ESTE O ROTEIRO ESCOLHIDO PELA FAMÍLIA PORTELA POR ANGELO SFAIR bordo do veleiro Bravo, uma família curitibana: Ricardo e Claudia Portela, os três filhos do casal (Lygia, Giovanna e Ricardinho), além do Dudu – o cãozinho Yorkshire que acompanhou a família durante a viagem. “Desde que comecei a namorar o Ricardo, já sabia que um dia faríamos essa viagem, pois era um sonho dele”, conta Claudia. Velejador desde A os 16 anos, Ricardo já estava envolvido com a vela antes mesmo de conhecer a esposa. Quando os filhos vieram, todos partilhavam este estilo de vida. Logo começaram a planejar uma volta ao mundo. 20 PERFILNÁUTICO j
  12. 12. PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T2ICO1 21
  13. 13. A liberdade de estar junto à natureza 22 PERFILNÁUTICO Casal Portela, Claudia e Ricardo PREPARAÇÃO Uma circum-navegação exige muito mais do que apenas vontade. A preparação foi intensa e teve o apoio de amigos e familiares. “Desde 1999 já realizávamos pequenas travessias para Florianópolis e Angra dos Reis com um Cal 9.2”, conta Ricardo. Para a volta ao mundo, a família optou por adquirir um catamarã de 44 pés: o veleiro Bravo, com o qual foi feita uma viagem experimental para Fernando de Noronha com toda a família, incluindo os pais de Claudia. A certeza de que o Bravo oferecia a segurança e o conforto necessários para uma circum -navegação encorajou a família Portela. A segurança era a principal preocupação do casal. “Como estávamos viajando com crianças, ela deveria estar sempre em primeiro lugar”, comenta Claudia. “Então combinamos que nunca arriscaríamos sair sem conferir a previsão do tempo ou navegar fora da área de segurança.” Com o barco testado e a rota estipulada, faltavam detalhes para que o Bravo iniciasse sua velejada pelos sete mares. Ricardo, engenheiro civil, deixou seu pai responsável pela empresa que administra. Com o auxílio da internet, continuaria acompanhando o trabalho, além de poder voltar periodicamente ao Brasil. ROTEIRO Após a viagem pelo nordeste brasileiro, o barco ficou no estaleiro por oito meses. Foi preparado para a circum -navegação e recebeu uma grande reforma para adaptar-se ao objetivo da família, que neste período aproveitou para estudar o roteiro. “Não há muito como variar na questão de roteiro; saída pelo litoral brasileiro rumo norte até o Caribe, onde tínhamos previamente definido passar a temporada de furacões nos Estados Unidos”, explica Ricardo. “Daí em diante era cruzar o Canal do Panamá e seguir rumo oeste.” Claudia, porém, diz que pouco restou do roteiro original. Mudanças ocorreram por várias vezes e pelas mais diversas razões. Os desejos e preferências dos tripulantes também influenciaram na programação e no tempo em que o Bravo permaneceria ancorado. O cronograma era a questão menos flexível: o combinado era que a viagem duraria no máximo quatro anos, quando Lygia, a filha mais velha casal, faria o vestibular. HORA DE ZARPAR O início não foi fácil, mas desistir nunca passou pela cabeça da família Portela. “Assim que saímos do Brasil, pegamos tempestades e ficamos cinco dias sentados no chão do barco”, conta Claudia. “Chegou a passar pela nossa cabeça que iria ser assim o tempo todo, mas jamais pensamos em voltar! Queríamos ir... queríamos viver essa aventura.” Ricardo explica que o desconforto inicial dura pouco e que a recompensa é a sensação de liberdade, de estar junto à MUNDO NÁUTICO VELEIRO BRAVO
  14. 14. PERFILNÁUTICO 23 Passatempo a bordo e companhia do veleiro Phoenix NAS TRAVESSIAS A CONVIVÊNCIA ERA OBRIGATÓRIA E A ÚNICA OPÇÃO ERA APRENDER A RESPEITAR AS DIFERENÇAS natureza. O ponto alto de cada travessia eram as chegadas, que normalmente aconteciam em lugares paradisíacos. A convivência também fez crescer o respeito mútuo a bordo do Bravo. Giovanna, que iniciou esta volta ao mundo com apenas 13 anos, brinca: “Quando alguém nos desagrada, a tendência é o afastamento e isso gera problemas de relacionamento entre muitas famílias. Em um espaço limitado como um barco isso não era uma opção. Tínhamos que lidar com o problema ou pular da prancha. Principalmente nas travessias a convivência era obrigatória e a única opção era aprender a respeitar as diferenças de cada um.” PERIGO À VISTA! Uma viagem de volta ao mundo também oferece grandes riscos, que não se resumem aos imprevistos climáticos ou mares revoltos. Desde os anos 90, a pirataria é uma realidade na costa leste africana, principalmente na região conhecida como Chifre da África. A passagem pela região da Somália foi o maior perigo enfrentado. “Nós, mulheres, tivemos que nos esconder no interior do barco por duas vezes por causa da abordagem de piratas”, lembra j Com direito a uma boa pescaria
  15. 15. Claudia. “Apesar de termos feito uma rota mais segura – desviando da região da Somália (passaram colados ao Iêmen) –, mesmo assim tivemos que viajar pela noite, o mais rápido possível e com todas as luzes apagadas.” Para ter mais segurança, a tripulação tentou velejar em comboio, tática nem sempre possível, por diferença de velocidade, rotas e objetivos. O Bravo só teve a companhia do veleiro Phoenix, que esteve presente desde quando partiram da Tailândia. MELHORES LEMBRANÇAS Em uma viagem tão grande e com tantos destinos – ao todo a família visitou 56 países –, cada um tem uma recordação particular. No entanto, dois países são unanimidade para a família Portela quando se trata de lugares inesquecíveis: a Indonésia, pelos mergulhos e animais exóticos, e a Tailândia, que marcou pela cultura e pelas amizades que surgiram neste país. Claudia revela que a passagem pelo Sri Lanka também foi inesquecível e cativante por sua cultura e culinária exótica e proporcionou uma rica experiência para os Portelas. Giovanna apontou os países árabes entre as suas melhores recordações. “A diferença gritante de costumes, cores e sabores do Oriente acaba se tornando uma experiência inesquecível”, destaca. “Foi um choque de cultura, com novas coisas para ver, aprender e se surpreender em cada ancoragem.” A VOLTA E O LIVRO Como previsto antes da partida, o retorno ao Brasil aconteceu no período em que Lygia iria prestar o vestibular, e o foco das crianças estava nos estudos. Claudia preocupava-se em retomar a carreira na área de psicopedagogia. “Levei um ano para me reorganizar.” Ricardo relembra o momento da chegada em tom mais 24 PERFILNÁUTICO do que saudosista. “É uma sensação maravilhosa por ter conseguido alcançar os objetivos da viagem. Cada vez que recordo essa aventura dá uma vontade de quero mais.” Para relembrar com detalhes desta rica experiência, um livro foi lançado. A intenção inicial não era publicá-lo, mas, com a insistência de familiares, amigos e até de editores, a história foi compartilhada com todos. Claudia foi quem transformou tudo em palavras: “Durante os três anos que viajamos, escrevi tudo em um diário, colei os panfletos que recebemos pelo caminho e fiz pesquisas nos guias e livros que tínhamos a bordo. Foi muito gratificante ver a aceitação que o livro teve depois do lançamento.” S Diferentes culturas e paisagens paradisíacas Comidas exóticas no cardápio SERVIÇO SITE: www.veleirobravo.com.br E-MAIL: claudia@veleiros.com.br MUNDO NÁUTICO VELEIRO BRAVO
  16. 16. MUNDO NÁUTICO MAQUETES O CONSTRUTOR DE PEQUENAS JOIAS ELE ALIOU A PAIXÃO COM A EXPERIÊNCIA PROFISSIONAL E, COM AS MAQUETES, VEM ETERNIZANDO EMBARCAÇÕES PARA VÁRIOS ESTALEIROS NACIONAIS POR LEO SUZUKI 26 PERFILNÁUTICO
  17. 17. udo começou há 19 anos, em Angra dos Reis, região oeste do Rio de Janeiro. O fascínio pelo mar e por barcos foi o que impulsionou Carlos Eduardo Mariano a começar sua carreira como maquetista. Há 20 anos, então com 27 anos de idade, Mariano, com formação técnica na área metalúrgica, já era considerado um ferramenteiro experiente. Hoje ele domina a arte das maquetes de embarcações. Seu início na profissão está relacionado com um mestre que lhe ensinou as primeiras técnicas para desenvolver as maquetes. Ele se chamava Laurent Aumonier, era arquiteto naval, morava num veleiro e viajava o mundo. “Com ele comecei a compreender de forma mais técnica a construção naval, pois a ideia sempre foi fazer um barco em tamanho real.” Um ano após Aumonier ter partido, Mariano criou o Atelier Naval Maquetes de Barcos, hoje situado na cidade de Rio Claro, São Paulo, onde mora. PERFILNÁUTICO 27 T j Muita dedicação para se chegar a uma peça perfeita
  18. 18. MUNDO NÁUTICO MAQUETES Capricho nos detalhes do interior 28 PERFILNÁUTICO OS CLIENTES DE MARIANO SÃO ESTALEIROS, ESCRITÓRIOS DE ARQUITETURA NAVAL E COLECIONADORES DISCIPLINA E COMPROMETIMENTO O trabalho minucioso e impecável é fruto de muito estudo, que o levou a compreender a arte das maquetes. Nesta época, ele conta que teve de aprender francês, pois todos os livros em que buscava subsídios estavam neste idioma. No entanto, o caminho que o levou à credibilidade que tem hoje perante o mercado foi longo e difícil. “De forma geral (o maquetista) é visto como aquela pessoa simples, sem cultura, e que faz barquinhos de madeira para lojinhas de artesanato”, comenta Mariano. “Encontrar público com nível cultural elevado e com condições financeiras para investir nesta atividade não foi fácil.” Um veleiro com dimensões exatas
  19. 19. PERFILNÁUTICO 29 Muitos perguntam se ele é miniaturista e ele responde: “Sou um construtor de barcos pequenos.” Hoje Mariano está satisfeito com o trabalho e a respeitabilidade que adquiriu durante esses longos anos. Ele sempre almejou trabalhar para estaleiros, escritórios de arquitetura naval e com colecionadores. O maquetista já desenvolveu trabalhos para os estaleiros RioStar, Proboat, Aguz Marine, Colunna Yatchs, Locar Guindastes, Multivácuo, Catarina Yatchs, Zonda Boats, Intermarine, além de algumas empresas e indústrias. PRIMEIRO CONTRATO Em 2003 Mariano realizou o primeiro trabalho para o RioStar, localizado no Rio de Janeiro, para a confecção das maquetes dos modelos de 55 e de 120 pés, que atualmente estão em fase de produção. Na época os projetos das embarcações foram desenvolvidos pelo arquiteto naval Fernando de Almeida, que se tornou amigo de Mariano após a parceria. Na sequência, por indicação de Almeida, ele fez as maquetes dos catamarãs do estaleiro Proboat, de Angra dos Reis, que obtiveram grande repercussão em boat shows. Um trabalho que exige muita concentração Outros trabalhos de destaque em sua carreira foram para o Intermarine, de São Paulo. O estaleiro solicitou a reprodução de vários modelos de lanchas para apresentar no São Paulo Boat Show de 2010. “A lancha Inter 75 foi um desafio bem interessante. Ela mede 2,75 metros de comprimento. Vários barcos reais possuem essa dimensão.” Para o Intermarine, ele também executou todas as peças de metal dos modelos de 55 e de 60 pés. A última maquete desenvolvida foi do modelo Intermarine 95, que mede 3,70 metros e foi apresentada no último São Paulo Boat Show, em 2012. Como seu sonho sempre foi construir uma embarcação em tamanho real; em 2009, ele o realizou. Com base no Panga 25, um barco com motor de popa e feito de compensado, Mariano e o engenheiro naval Alvaro Guidotti trabalharam no desenvolvimento de todo o processo de execução, incluindo montagem, laminação e acabamento do casco. EXPERIÊNCIA E DEDICAÇÃO Mariano sempre valorizou a precisão nas dimensões, formas e acabamento dos trabalhos. Foram mais de j
  20. 20. MUNDO NÁUTICO MAQUETES As peças são feitas com resina de poliuretano e os detalhes são cortados a laser 70 maquetes construídas nesse tempo. Ele utiliza a plataforma gráfica CAD e o software Rhinoceros para o desenvolvimento dos modelos. As peças, como casco, convés e superestrutura, são feitas com resina de poliuretano pelo processo de usinagem CNC. Alguns detalhes, como janelas e piso, são cortados a laser. As ferragens são feitas de latão ou aço inoxidável. 30 PERFILNÁUTICO Quando o cliente solicita uma série de maquetes iguais, ele desenvolve formas de fibra de vidro, laminadas com resina epóxi, para executar as reproduções. Os modelos de barcos antigos geralmente são produzidos em madeira com cascos ou até mesmo em cavernas – o mesmo processo da construção tradicional. Nos últimos anos, o uso de maquetes em salões náuticos brasileiros vem se tornando comum. Mariano destaca: “É a melhor forma de mostrar um produto ao mercado, pois permite uma visualização clara dos contornos e detalhes, além de despertar grande atenção do público.” S SERVIÇO FALE COM O MARIANO E-MAIL: atelier_naval@yahoo.com A MAQUETE DESPERTA A ATENÇÃO DO PÚBLICO E PERMITE UMA VISUALIZAÇÃO CLARA DOS CONTORNOS E DETALHES
  21. 21. MUNDO NÁUTICO LOPANA PHOENIX FEST AGITO NO LITORAL DE ALAGOAS EVENTO PROMOVIDO PELO ESTALEIRO PHOENIX É OPORTUNIDADE DE VENDAS E FIDELIZAÇÃO DO CLIENTE POR RAFAELLA MALUCELLI Estaleiro Phoenix faz a festa na barraca de praia Lopana 32 PERFILNÁUTICO
  22. 22. PERFILNÁUTICO 33 O que era uma confraternização se tornou um grande evento m catamarã elétrico, muito axé e mais 500 barcos. Uma grande festa para amigos, parceiros, clientes do estaleiro Phoenix em parceria com a melhor barraca de praia de Maceió, a Lopana. No dia 12 de janeiro, 540 barcos reuniram-se em frente às marinas localizadas na Barra de São Miguel e navegaram cerca de 30 minutos até a famosa Praia do Gunga, considerada uma das dez praias mais bonitas do Brasil. Essa foi a quinta edição do evento que no início tinha como objetivo apenas confraternizar com os clientes Phoenix. Porém, outras oportunidades surgiram. “O Lopana Phoenix Fest já entrou para o calendário de eventos náuticos no Nordeste”, conta Edvan Moraes Junior, diretor do Estaleiro Phoenix. “O que começou como uma confraternização entre proprietários de lanchas Phoenix se transformou numa festa de grandes proporções, com a participação de centenas de barcos, jets e até mesmo de pessoas que acompanham da praia.” Além disso, é uma grande oportunidade de novos negócios e fidelização. “Temos observado cada vez mais nesse evento que de fato a compra por impulso existe”, comenta Edvan. “O pessoal compra barco só para a j O LOPANA PHOENIX FEST JÁ ENTROU PARA O CALENDÁRIO DE EVENTOS NÁUTICOS NO NORDESTE Barcos navegaram até a famosa Praia do Gunga U
  23. 23. MUNDO NÁUTICO LOPANA PHOENIX FEST Mais de 500 barcos participaram da festa O OBJETIVO DOS ORGANIZADORES É TORNAR O EVENTO ITINERANTE, A CADA DOIS MESES EM UMA PRAIA DIFERENTE 34 PERFILNÁUTICO festa. Este ano antecipamos a divulgação e isso motivou a venda de 20 lanchas, número maior do que no ano passado.” Foi criado um ambiente para que o cliente veja todas as lanchas. “É uma oportunidade única para o cliente poder avaliar 14 modelos ao mesmo tempo na água e já visualizar a próxima lancha que ele quer comprar”, comenta Pedro Senna, marketing da Phoenix. “A reunião dos clientes Phoenix cria um espírito de grupo no proprietário, que se sente parte da marca e mais confiante no produto que possui.” Com tanto sucesso, o objetivo dos organizadores é tornar o evento itinerante e a cada dois meses realizá-lo em uma praia diferente. Segundo Pedro Senna, João Pessoa e São Luís são cidades potenciais para receber o evento. “É uma alegria muito grande para nós da Phoenix ver que a festa funciona como um termômetro do que nossos clientes pensam dos nossos produtos e perceber de que maneira interagem com eles”, aponta Edvan Moares. “Mais que uma simples confraternização, é uma oportunidade de aperfeiçoarmos nossas lanchas, vendo de perto e ao mesmo tempo todos os nossos modelos na água. Temos uma equipe que faz isso, tomando notas e observando como podemos melhorar. Em 2014 temos certeza de que a festa será ainda maior.” S A reunião dos clientes Phoenix cria um espírito de grupo e gera fidelização da marca
  24. 24. QUANDO VOCÊ TEM TODO O RESPEITO QUE MERECE NÃO DÁ MAIS PARA FICAR SEM. Respeito é a sua família ter a melhor Banda Larga do Brasil com até 100 Mega, sem limite de download e upload e ter a certeza de que está recebendo a velocidade contratada. É ter um plano de Telefonia Fixa para falar com quem quiser e quando quiser, podendo ligar à vontade para fixo e até de graça para celular. É ter uma TV por Assinatura com HD em todos os pacotes, o melhor da programação para a família inteira e recursos Smart, como On Demand, Outra Chance e acesso às redes sociais sem pagar mais por isso. É contar com o atendimento que foi eleito o melhor do Brasil. Para a GVT, o futuro é inovar para levar muito mais diversão e fazer a sua família se sentir sempre respeitada. LIGUE www.vocenofuturohoje.com.br 103 25 TV POR ASSINATURA BANDA LARGA TELEFONE FIXO RESPEITO VERIFIQUE SE OS SERVIÇOS ESTÃO DISPONÍVEIS NA SUA LOCALIDADE. A VELOCIDADE SOLICITADA ESTÁ SUJEITA A VERIFICAÇÃO NO ATO DA INSTALAÇÃO. ELEITA A MELHOR BANDA LARGA DO BRASIL PELO PRÊMIO INOVAÇÃO 2009, 2010, 2011 E 2012 DA REVISTA INFO. Franquia ilimitada para fixo e ligações para 2 celulares cadastrados no plano GVT Ilimitado Local (PAS 042/POS/Local) e GVT Ilimitado Total (PAS 043/POS/Local) sob condições promocionais. Para melhor usufruir os serviços de HD, recomenda-se a utilização de uma TV de alta definição. Conteúdo On Demand HD disponível apenas para clientes que possuem pacote de TV com Banda Larga a partir de 10 Mega. Acesso a Twitter, Instagran e YouTube. Outra Chance disponível somente nos pacotes SUPER, ULTRA E ULTIMATE. Melhor atendimento em Telefonia Fixa e Banda Larga, de acordo com as Pesquisas Ranking IBRC/Revista Exame 2012, Gallup maio/2012 Pesquisa CVA Solutions 2012. Consulte os termos no portal www.gvt.com.br. Para mais informações, ligue central de atendimento GVT TV: 106 25.
  25. 25. CaPa PESCA ESPORTIVA Peixe à vista. Dá linha 36 3P6ER FPILENRÁFUILTNICÁOUTICO
  26. 26. PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T3ICO7 37 Quando a cadeira de combate é tão ou mais importante que a do timoneiro da embarcação, pelo menos do ponto de vista do pescador Por Guilherme AQuino
  27. 27. CaPa PESCA ESPORTIVA Iate de pesca esportiva: condições favoráveis para uma boa pescaria 38 PERFILNÁUTICO luta do homem contra a natureza está melhor representada nas páginas do livro O Velho e o Mar, do escritor Ernest Hemingway, um clássico da literatura. O pescador Santiago sobe a bordo da sua canoa disposto à redenção depois de uma maré alta de azar, sem fisgar nada por meses a fio. Sua tenacidade oferece como prêmio uma batalha épica entre o personagem literário e um grande espadarte. Dificilmente o final da história seria o mesmo se a embarcação simples de Santiago fosse um moderno iate de pesca esportiva oceânica. Com certeza seria outra história. Como tantas, de pescador ou não, que são contadas em verso prosa e imagens – através das fotografias e das gravações amadoras das câmeras e telecâmeras instaladas no celular ou no tablet, sempre a bordo – nas mesas dos bares e dos restaurantes dos clubes, das marinas ou dentro do próprio iate de pesca esportiva. Este tipo de embarcação faz parte de uma categoria náutica que se distingue das demais não apenas pela missão de proporcionar condições favoráveis para uma boa pescaria, mas também pela versatilidade, pelo design e por ser capaz de se adaptar aos diferentes aspectos e necessidades desta modalidade de pesca e transformar em realidade os sonhos de uma aventura inesquecível. Esse iate deve ser robusto, confortável, veloz e preparado para navegar nos mares em busca de espécies que colocam à prova extrema a habilidade, a paciência e a resistência do pescador. a
  28. 28. PERFILNÁUTICO 39 Santiago “consumiu” três dias e cerca de cem páginas para domar o seu espadarte, de 5 metros de comprimento e 700 quilos, reduzido a uma longa e leve espinha devido ao ataque dos tubarões durante o retorno à casa. Eram outros tempos e condições. cAdA PescAdor no seu bArco Hoje, mesmo com toda a tecnologia e a segurança à disposição, ainda é o fator humano que regula a intensidade física e emotiva de uma boa pescaria, em companhia dos amigos, ou da família, ou sozinho; é a chamada pescaria “hardcore”, na qual o mar se transforma numa verdadeira arena. E até a escolha do tipo de pescaria – um programa de família aos domingos ou uma “caçada” ao limite da obsessão, enfim... uma recreativa e outra desportiva – pode influenciar na decisão de optar por um específico iate. AindA é o fAtor humAno Que reGulA A intensidAde físicA e emotivA de umA boA PescAriA Alguns fatores devem pesar na decisão de embarcar neste ou naquele barco. A começar pela existência de um flybridge, pelas dimensões e divisões do deque de popa, pela presença ou não de uma torre de observação instalada a bordo, pela localização do cockpit e de seu acesso, isolado ou escamoteável, à cozinha. Estes podem ser detalhes pequenos, mas que, ao final, podem fazer uma grande diferença entre o paraíso e o limbo purgatório, para não escrever sobre o inferno de uma pescaria. j PERFILNÁUTICO 39
  29. 29. CaPa PESCA ESPORTIVA Um Vicem 57, um Hatteras GT 63 e um Bertram 80 são alguns exemplos, em ordem de grandeza, de barcos de pesca esportiva fabricados fora do país, criados para os diferentes tipos de pescarias. E eles são os meios que justificam os fins. O primeiro foi concebido sob medida para transformar a pescaria num agradável, casual e divertido passeio de confraternização para os amigos e os parentes. Na dúvida, o peixe já foi até embarcado no frigorífico e a grelha acendida com antecipação. O segundo representa um iate de “batalha”, quase espartano na aparência agressiva, mas que não abre mão da elegância AlGuns fAtores devem PesAr nA decisão de embArcAr neste ou nAQuele bArco da decoração interna aliada às necessidades dos pescadores competitivos, os “anglers”, ou seja, os homens de mar que vão à caça e não voltam de mãos vazias. Já terceiro é ideal para os adeptos da pesca tradicional oceânica e, ao mesmo tempo, amantes de todo o luxo à disposição. o homem e o Peixe É necessário lembrar que o peixe está no seu meio ambiente natural. O homem é um intruso e precisa equipar-se bem para entrar no “jogo”. O raciocínio é simples, mas não pode ser dado por descontado. A batalha para levar um determinado peixe para a panela pode atravessar uma madrugada ou um dia ensolarado, durando horas a fio, 40 PERFILNÁUTICO j
  30. 30. PERFPILENRÁFUILTNICÁOU T4ICO1 41
  31. 31. CaPa PESCA ESPORTIVA sob um manto estrelado ou debaixo de um sol forte. É um jogo de gato e rato, em alto-mar. Em muitos casos ele provoca a exaustão dos dois adversários, o homem e o peixe. Poucas emoções se comparam àquela de fisgar um grande marlim -azul e sentir o carretel do molinete 42 PERFILNÁUTICO girar fortemente, os puxões e os esticões que o peixe provoca na linha, como se enviasse uma mensagem em código a ser decifrada pela sensibilidade do pescador, determinando a sua estratégia para não perdê-lo e trazê-lo a bordo, inteiro, ainda vivo apenas em tempo de admirar nos olhos a coragem de tanta valentia alimentada pelo seu instinto de sobrevivência, que o faz lutar até conseguir romper a linha ou ser içado para o barco. Se pensar que um espadarte pode nadar a mais de 600 metros de profundidade... tem que dar linha e suor para capturar este “agulhão” que, entre os “indivíduos” de sua espécie, apresenta a maior tolerância às diferenças de temperatura na água, dos 5 aos 27 graus centígrados, e é encontrado, principalmente, nas costas das Regiões Sul e Sudeste do Brasil, além de ser muito “cosmopolita” e, por isso mesmo, presente nas águas tropicais e temperadas de todos os oceanos. eQuiPAmentos e Acessórios Ao contrário dos tantos Santiagos de hoje, frequentadores assíduos ou esporádicos dos iate clubes espalhados pelo mundo, o personagem de Heingway tinha Salão principal da Bertram 80, para pescadores e convidados 42 PERFILNÁUTICO
  32. 32. bertrAm 80, PArA os AdePtos dA PescA oceânicA e AmAntes de todo o luxo à disPosição PERFILNÁUTICO 43 apenas a astúcia, a determinação e a força dos braços para combater contra o vento, as ondas, a corrente marinha, os predadores da sua presa e, principalmente, a resistência do peixe arrastando a canoa para longe da costa. Hoje os donos de iates contam com um vasto arsenal para regular o tempo de batalha entre os dois adversários, como por exemplo os poderosos motores que, engrenados à frente ou em marcha à ré, podem aumentar o cansaço do marlim -azul, do peixe-espada, do atum e de outros peixes duros na queda. Os barcos também estão equipados com aparelhos sofisticados, semelhantes ao sonar, de alta precisão e que ajudam a localizar as presas, estejam elas em cardumes ou isoladas, no caso dos preciosos pelágicos, como o peixe-espada. Fazem a diferença os tipos de caniços, as carretilhas, as linhas de multifilamentos ou fios de aço, as iscas artificiais ou naturais e, principalmente, na popa, os espaços destinados a estes acessórios e a outros, como as caixas, fixas ou móveis, para guardar os peixes, além dos chuveiros de água doce e salgada para os diversos usos. Isso sem falar do conforto a bordo e das possibilidades logísticas de locomoção dentro de um campo de pesca pré-estabelecido, ou seja, em águas profundas ou não, com fundo de pedra ou de areia, longe ou perto da costa, com ou sem a terra à vista. Ao fim, entre um mar de opções, vence aquela que privilegia a personalidade de cada pescador, mais inclinado ou menos disponível ao sacrifício de duelar com um peixe tão valente. Uma batalha que pode beirar as raias de uma incrível invenção literária, ou história de pescador, mas encontra respaldo em relatos de testemunhas e de lutas documentadas de cinco, seis horas contra um espadarte. Claro, isso sempre que a pesca for de superfície. Pois a caça submarina requer outros requisitos, como um bom fôlego para os mergulhos em apneia em profundidade e todas as facilidades Cozinha equipada para o preparo do peixe fisgado j
  33. 33. 44 PERFILNÁUTICO hAtterAs Gt 63, PArA os homens de mAr Que vão à cAçA e não voltAm de mãos vAziAs a bordo para exercê-la da melhor maneira, como a presença de um bom tênder para transportar a ação para o mais perto possível da toca da garoupa. Põe o cinto “Coloca o cinto nele”... é a frase que revela o início de uma batalha do pescador com o pescado ainda embaixo da água e distante do barco. A adrenalina sobe a bordo. Ajeita-se a cadeira de combate, neste caso tão ou mais importante que a do timoneiro da embarcação, pelo menos do ponto de vista do pescador. A vara enverga e testa a flexibilidade do molinete. A preparação física e mental do pescador, as condições do mar e a força do peixe são as principais variáveis que influenciam o resultado deste duelo. Os olhos perlustram o horizonte em busca de um sinal do adversário, um salto furtivo de uma desafiante e corajosa apresentação, diante de um destino do qual dificilmente a presa escapará com vida. Dependendo do peixe e do uso do motor do iate - para cansá-lo ou recolhê-lo quando afunda, esgotado e sem forças devido ao esforço – um duelo pode levar minutos ou horas intermináveis. Cada instante desta batalha é capaz de dilatar o tempo ao infinito. Esta é uma das razões pelas quais um iate desenhado para a pesca esportiva precisa ter como acessórios de série alguns equipamentos que são apenas opcionais em outros tipos de embarcações criadas somente para o CaPa PESCA ESPORTIVA
  34. 34. PERFILNÁUTICO 45 lazer, como as cadeiras giratórias de combate, os locais para o apoio dos molinetes, por exemplo. O espaço amplo e a divisão do poço de popa também são fundamentais para proporcionar a melhor fluidez nas atividades de pesca, assim como as amuradas concebidas para receber os molinetes. A captura de um grande exemplar de uma espécie pelágica (um agulhão, para citar apenas um) provoca uma movimentação frenética a bordo, principalmente no instante de içá-lo. Todas estas operações exigem muita energia e, por isso mesmo, não se pode abrir mão do conforto para recuperá-las depois. O ideal é usar um iate “híbrido”, capaz de realizar atividades esportivas e de ser muito prático, ágil, sem dar por descontadas as exigências de uma embarcação de lazer, com toda a comodidade possível. As instalações precisam ter tudo para transformar a estadia Um iate de batalha, mas que não abre mão da elegância da decoração interna de um ou vários dias em uma experiência inesquecível. Já que a boa comida – o peixe fresco – é praticamente uma garantia após a clássica fotografia do “troféu” da pescaria. As salas de jantar e as cozinhas bem aparelhadas e de fácil circulação são condições primordiais para uma conclusão, da melhor maneira possível, de uma viagem de pesca. Os salões com grandes vidraças devem ser elementos integrantes do j
  35. 35. projeto do barco de pesca esportiva. E não somente por uma questão estética e funcional – a iluminação natural do ambiente interno –, mas também como uma espécie de cenário interativo, entre quem está no palco das atividades de pesca e a plateia a bordo. Luzes especiais para a pescaria noturna também devem estar presentes. As bases de apoio para a preparação das iscas, além de locais para armazenar o pescado são importantes para potencializar ao máximo as ações da pescaria, do começo ao fim. O bem-estar a bordo também 46 PERFILNÁUTICO depende de alguns equipamentos de ponta, como sistemas automáticos de estabilizadores baseados no giroscópio mecânico, que minimizam as eventuais sensações de enjoo ou de cansaço com o iate a baixa velocidade ou em manobras de ancoragem, principalmente sob impacto de grandes ondas de um mar agitado. Estes aparelhos variam de barco para barco e representam a nova aplicação para uma velha tecnologia conhecida desde a virada do século 19 para o 20. Para os iates em movimento em mares fortes, as alhetas hidrodinâmicas são suficientes para diminuir o balanço e proporcionar uma navegação mais “estática” e estável. O ideal é combinação dos dois sistemas para a produção dos melhores resultados em termos de estabilidade. PescAriA consciente Os atuais iates de pesca esportiva nada têm a ver ou pouco têm em comum com os seus ancestrais... canoas (os primeiros achados arqueológicos datam de 9 mil anos atrás) e jangadas, pirogas e caiaques que moviam-se apenas com as correntes, as remadas e o sopro dos CaPa PESCA ESPORTIVA
  36. 36. A evolução dAs embArcAções seGue os PAssos e As necessidAdes do homem, básicAs ou suPérfluAs PERFILNÁUTICO 47 ventos. A evolução das embarcações segue acompanhando os passos e as necessidades do homem, básicas ou supérfluas. A tecnologia transformou-se numa faca de dois gumes. Dependendo da forma como é utilizada, o pescador pode ameaçar uma espécie de extinção. A luta entre o homem e o peixe está cada vez mais desigual. Por isso, antes de partir para uma pescaria em alto-mar, é preciso se informar sobre as regras que foram criadas para limitar os danos ao meio ambiente, como os períodos de desova, os tamanhos mínimos para a captura de uma determinada espécie e, assim mesmo, para o consumo próprio. Somente desta forma os pescadores e os pescados podem continuar a conviver e a fazer parte da mesma cadeia alimentar. A história da pesca esportiva nasceu no começo de 1800. E para ela continuar é preciso preservar.j Bonito e preparado para navegar em busca do melhor peixe
  37. 37. CaPa PESCA ESPORTIVA hobby e lazer, subsistênCia e Profissão A PescA é umA dAs AtividAdes ProdutivAs mAis AntiGAs dA humAnidAde. hoje é tAmbém umA PráticA de lAzer recomendável, em áGuA doce ou sAlGAdA Por AmAndA KAsecKer e mArcelo budA 48 PERFILNÁUTICO 48 PERFILNÁUTICO
  38. 38. j PERFILNÁUTICO 49 PERFILNÁUTICO 49 e acordo com o Ministério da Pesca e Aquicultura, os recursos pesqueiros marítimos, costeiros e continentais constituem importante fonte de renda, geração de trabalho e alimento e têm contribuído para a permanência do homem no seu local de origem. Dentro desse contexto, a pesca pode ser dividida em três categorias: artesanal, industrial e amadora. PescA ArtesAnAl O pescador artesanal é aquele profissional que, devidamente licenciado pelo Ministério da Pesca e Aquicultura, exerce a pesca com fins comerciais, de forma autônoma ou em regime de economia familiar, com meios de produção próprios ou mediante contrato de parcerias, desembarcada ou com embarcações de pequeno porte. Para a maior parte deles, o conhecimento é passado de pai para filho ou pelas pessoas mais velhas e experientes de suas comunidades. Do total de cerca de 970 mil pescadores registrados, 957 mil são pescadores e pescadoras artesanais, segundo dados de setembro de 2011. São produzidos no Brasil 1 milhão e 240 mil quilos de pescado por ano, sendo cerca de 45% dessa produção oriunda da pesca artesanal. PescA industriAl Trata-se de uma atividade de base, fornecedora de matéria-prima para as grandes indústrias de centros de distribuição de alimentos. A pesca industrial caracteriza-se D
  39. 39. CaPa PESCA ESPORTIVA Pesca artesanal: fins comerciais ou em regime de economia familiar em função do tipo de embarcação empregada (médio e grande porte) e da relação de trabalho dos pescadores que, diferentemente do segmento artesanal, possuem vínculo empregatício com o armador de pesca (responsável pela embarcação). A pesca industrial é composta por cerca de 5 mil 50 PERFILNÁUTICO embarcações, envolvendo 40 mil trabalhadores somente no setor de captura. Os principais portos de desembarque estão localizados nos municípios de Belém (PA), Camocim (CE), Natal (RN), Vitória (ES), Rio de Janeiro e Niterói (RJ), Santos e Guarujá (SP), Itajaí e Navegantes (SC) e Rio Grande (RS). PescA AmAdorA A pesca amadora, também conhecida como pesca de lazer, segundo portaria do Ibama, refere-se a um esporte, é praticada por pessoas que não dependam dela economicamente e pode ser considerada como um hobby. O Brasil tem as condições mais propícias para se tornar um dos principais destinos da pesca amadora em todo o mundo, já que conta com mais de 12% de toda a água doce do mundo e 8 mil quilômetros de costa. Para praticá -la é necessário que o pescador tenha ao menos uma vara, contando ainda com o uso de carretilhas ou molinetes, linha de pesca e anzol. Este material pode ser utilizado em água doce, salgada ou salobra, com o auxílio de iscas. PescA esPortivA Dentro da categoria de pesca amadora está a pesca esportiva, que consiste na prática do “pesque e solte”. Para praticá-la de forma regular, é necessário que se tenha uma licença. Este documento não está vinculado ao lugar em que se deseja pescar, podendo ser pesqueiros, rios, mares, lagos ou manguezais. Caso você não tenha a documentação exigida para esta Pesca industrial: matéria-prima para as grandes indústrias
  40. 40. j A multA PArA Quem não tem licençA PArA PrAticAr A PescA esPortivA Pode vAriAr de r$ 500 A r$ 2 mil PERFILNÁUTICO 51 atividade, estará sujeito uma multa que pode variar de R$ 500, a R$ 2 mil. Dentre os estilos ainda de pesca amadora estão a pesca de arremessos (com carretilha), com mosca (tipo de isca), de barranco (no barranco), de praia (na praia) e embarcada (com barco). Na pescaria com embarcações, o pescador vai em busca do peixe, podendo alcançar cardumes e uma variedade de espécies e de tamanhos. Para encontrar um bom ponto de pesca, é fundamental estar bem equipado, e isso quer dizer também estar bem embarcado. Para a pesca de fundo, por exemplo, o ideal é ancorar sobre parcéis, naufrágios ou cascalhos. É importante ter um GPS, sonar ou fishfinder, aparelho desenvolvido especialmente para detectar cardumes. Dicas com os pescadores da região também podem facilitar bastante. A segurança como sempre deve ter atenção especial, e não somente com os equipamentos de salvatagem. A primeira providência é consultar as condições meteorológicas, pois nunca se deve navegar em condições adversas. Lembre-se de que a quantidade suficiente de cabo para o ferro ou âncora deve ser no mínimo três vezes a profundidade do local de pesca, o combustível deve ser calculado para navegar pelo menos 50% a mais do que percurso planejado e a água potável deve ser suficiente para vários dias, mesmo que a pescaria dure apenas uma tarde. Verifique se tudo está funcionando perfeitamente na embarcação, especialmente o rádio VHF para comunicação com outras embarcações e com quem está em terra. Nas próximas páginas, a Perfil Náutico apresenta algumas embarcações disponíveis no mercado brasileiro. LICENÇA PARA PESCA ESPORTIVA Para quem gosta de passar o tempo em alto-mar, nada mais aconselhável do que um bom dia de pesca. A pesca esportiva é uma modalidade de lazer ou esporte, na qual os peixes capturados são devolvidos à água. É permitida apenas a utilização de iscas artificiais. A prática, como qualquer outra de pescaria, só pode ser exercida mediante uma licença emitida pelo Ministério da Pesca e Aquicultura. A licença varia conforme a categoria: A (desembarcada): pescaria em beira de rios, pontes, etc. B (embarcada): pescaria em embarcações C (subaquática): pescaria dentro d’água Mais informações no site: www.mpa.gov.br.
  41. 41. CaPa PESCA ESPORTIVA APesAr dA “mAturidAde”, A cArbrAsmAr 41 está lonGe de ser APosentAdA ou se tornAr obsoletA 52 PERFILNÁUTICO
  42. 42. A Carbrasmar 41 é uma prova de que modelos antigos resistem ao tempo e podem continuar sendo competitivos. Projetada pelo renomado Joaquim Kuster, começou a ser comercializada em 1986 e tornou-se um ícone para a pesca oceânica esportiva. Adequada às características da costa brasileira, pelo que tudo indica, apesar da “maturidade”, a Carbrasmar 41 está longe de ser aposentada ou se tornar obsoleta. Para manter-se atual, vem passando por algumas modernizações, como no projeto estrutural – todo em Divinycell e resinas nobres — nos materiais de construção e na iluminação. O estaleiro Carbrasmar tem acompanhado as tendências da indústria e conseguiu, ao longo dos anos, adequar-se às necessidades de levar a família a bordo. O modelo 41, por exemplo, é um sportfischerman na hora da competição e uma cruiser quando a bordo a família. j PERFILNÁUTICO 53
  43. 43. CaPa PESCA ESPORTIVA A Sedna XF 335 é um barco de pesca esportiva compacto, robusto e de navegabilidade surpreendente, projetado para oferecer o melhor em desempenho e acomodações para o seu tamanho. Os engenheiros da Sedna trabalharam junto com o estúdio Donald L. Blount and Associates Inc. para chegar a uma sportfisher com excelente desempenho e que encara condições adversas de mar. O acabamento do interior da cabine é de alto padrão. O posto de comando, localizado a estibordo sobre uma plataforma elevada, proporciona os melhores ângulos de visão para quem está em busca de um bom peixe. Centro de preparação de iscas, tanque de isca viva com água circulante, caixas de peixe de grande capacidade e com isolamento térmico, gabinetes equipados com caixas e gavetas, porta-varas bem posicionados, porta-Crocs, porta-bicheiro, entre outros equipamentos, fornecem todos os recursos para muito conforto no cockpit. j 54 PERFILNÁUTICO
  44. 44. A sednA xf 335 é umA sPortfisher com excelente desemPenho e Que encArA condições AdversAs de mAr PERFILNÁUTICO 55
  45. 45. CaPa PESCA ESPORTIVA os dois modelos dA flóridA, A 270 e A 330 oceAn, são ideAis PArA PescA em Alto-mAr e PAsseios em fAmíliA 56 PERFILNÁUTICO
  46. 46. A Flórida 270 é uma lancha de console central, com belo design e belo acabamento, ideal para pesca em alto-mar e passeios em família. Seus moldes são totalmente usinados em CNC, garantindo o acabamento perfeito, com alta precisão nos detalhes. Foi lançada oficialmente em janeiro de 2012. A Flórida 330 Ocean lançada em 2010, do estaleiro Flórida Marine, é uma lancha pesqueira, cabinada, que une espaço e conforto ao prazer da pesca e dos passeios em família. A proposta é oferecer uma excelente navegação com seu “V” profundo no casco e um espaço amplo tanto externo como interno. Possui cabine equipada com sofá em U, cama de casal, banheiro fechado e cozinha. j PERFILNÁUTICO 57
  47. 47. CaPa PESCA ESPORTIVA Lançada no Brasil em julho de 2012, a Oceania 30WA é um barco para pesca esportiva. Comporta até quatro pescadores em seu casco com “V” acentuado na proa – adequado para o uso em águas agitadas e de estilo walk-around – que permite a livre circulação ao redor. Diversos itens de série tornam a lancha bastante completa, com conforto para passeios em até 11 pessoas. O barco, desenvolvido pelo estaleiro Oceano Yachts, da Espanha, em parceria com a Sailor Brasil, é fabricado na China e tem versões diferenciadas para Espanha, Noruega, Rússia, Nova Zelândia, Austrália e Brasil, sendo a brasileira a mais completa de todas. j 58 PERFILNÁUTICO
  48. 48. diversos itens de série tornAm A oceAniA 30WA umA lAnchA comPletA, com conforto PArA Até 11 PessoAs PERFILNÁUTICO 59
  49. 49. CaPa PESCA ESPORTIVA A F39 Saint-Tropez do estaleiro Fishing é um bom exemplo de um barco que pode ser utilizado tanto para pesca como para um passeio de fim de semana em família. O projeto, assinado pelos estúdios Donald Blount e Paulo Marques Yacht Design, traz uma ampla cabine reversível na proa e um solário na parte de cima que acomoda até seis pessoas. Acessórios para propiciar momentos agradáveis a bordo não faltam: TV digital, DVD player, geladeira duplex, fogão de duas bocas, churrasqueira e mesa de centro de teca com levantador elétrico. As duas cabines internas acomodam quatro pessoas confortavelmente, tornando a embarcação ideal para um casal com dois filhos, ou até para dois casais. 60 PERFILNÁUTICO
  50. 50. Catamarãs são barcos versáteis, adaptáveis para passeio, turismo, lazer e esportes, como a pesca. É o caso dos modelos W 260 e W 300 do estaleiro Vom Wasser. Corte macio sobre as ondas, suave grau de impacto, estabilidade, velocidade e ótimo aproveitamento de espaço são algumas das características. As embarcações Vom Wasser são produzidas de acordo com as normas da ABNT, utilizando tecnologia da Barracuda Advanced Composites em materiais compostos com núcleo de Divinycell, que confere ao laminado altíssima resistência com baixo peso. Os barcos são homologados para mar aberto, são excelentes para navegar em águas desabrigadas e têm autonomia suficiente. O espaço e o conforto proporcionados em modelos catamarãs são maiores do que os encontrados em monocascos convencionais. Um catamarã de 40 pés, por exemplo, tem espaço comparado ao de um monocasco de 50 pés. S PERFILNÁUTICO 61
  51. 51. Ferretti 960: cinco cabines, sendo a do armador no deque principal 62 PERFILNÁUTICO Canal NCanáalu Estpiocrteo O novo iate Ferretti 960 é a prova concreta de como é possível encaixar um colosso de 96 pés em apenas 23,98 metros. O segredo está na diferença entre o comprimento “fuori tutto” e o efetivamente construído. O resultado é que a embarcação pode ser conduzida por um piloto não profissional. O iate tem cinco cabines, sendo uma do armador – pela primeira vez, no deque principal – e outras quatro suítes, rigorosamente iguais. A zona do flybridge é um grande spa. Uma das principais novidades é a garagem de popa que pode ser alagada sem comprometer a função original de estiva. Ali também está a “praia”, instalada sobre uma plataforma móvel que facilita o acesso ao mar em diferentes profundidades. www.ferrettibrasil.com.br SILENCIOSO E ECONÔMICO A nova Tradition Supreme 108 (BK001), do estaleiro Benetti, segue o caminho de sucesso da Tradition 105. Com design de Stefano Righini, os 32,98 metros da embarcação têm uma estrutura complexa, e pela primeira vez na história da frota Benetti Class deque solar, roll–bar e hard top foram construídos usando fibras de carbono e de vidro. Os três deques dão um aumento considerável nas áreas de convivência e ainda mais conforto a bordo. Entre as várias vantagens do design estão as varandas laterais, amplo sky lounge e imenso sun-deck, criados para proporcionar ao proprietário e seus convidados total aproveitamento da vida em alto-mar. Dez convidados poderão ser confortavelmente acomodados em cinco cabines: uma suíte para os proprietários no deque principal e quatro cabines para hóspedes no deque inferior. www.benettiyachts.it PRIMEIRA APARIÇÃO A nova Tradition Supreme: design de Stefano Righini j
  52. 52. VISITE-NOS NO RIO BOAT SHOW 2013 de 25 de abril a 01 de maio stand: P3-9
  53. 53. PARCERIA DE CLASSE A Silver Arrows Marine Granturismo é uma lancha de luxo cheia de estilo. O projeto é o resultado da parceria entre a Silver Arrows Marine e a Mercedes- Benz. O modelo, ainda camuflado, passou pelos primeiros testes no mar. O desenho do casco é inovador e altamente tecnológico. Nos testes foi utilizado o sistema de telemetria da Fórmula 1 para registros de dados. Equipamentos como aceleradores e giroscópios, junto com posicionamento de GPS, permitem uma boa avaliação das habilidade do barco. www.silverarrowsmarine.com ESTILO LIMUSINE Fabricado pelo estaleiro norte-americano Hodgdon Yachts, o modelo Hull 414 Yacht Tender foi projetado pela Michael Peters Yacht Design, de Sarasota, Flórida, para ser barco de apoio de um superiate de um estaleiro de renome da Europa. O barco no estilo limusine tem 10.5 metros de comprimento, capacidade para 12 pessoas sentadas e é impulsionado por um motor Volvo D6-370, podendo chegar a uma velocidade estimada de 32 nós. 64 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte j www.hodgdonyachts.com Projeto feito em conjunto pela Silver Arrows Marine e pela Mercedes-Benz Hull 414 Yacht, da Hodgdon Yachts: barco de apoio de um superiate
  54. 54. 66 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte A integração do novo motor N67 500 com o inovador sistema de propulsão da ZF permite aos motores da Série NEF da FPT, com seis cilindros e common rail eletrônico, estender sua gama de aplicações. O sistema compacto e leve POD Drive ZF assegura maior velocidade de cruzeiro, consumo de combustível reduzido em até 15%, emissões de poluentes menores em até 30% e menores custos de manutenção. j www.fptindustrial.com O lançamento da Kawasaki oferece conforto e desempenho na medida certa. O jet ski Ultra LX 2013 tem espaço para o condutor e mais duas pessoas. O tanque de combustível tem capacidade para 18 litros e o motor de 16 válvulas, com comando duplo no cabeçote, esbanja aceleração rápida, suave e precisa. O Ultra LX faz parte da série 300 da Kawasaki. www.kawasakibrasil.com ULTRA LX 2013 SISTEMA INOVADOR Novo jet da Kawasaki VOLVO PENTA PREMIADO REMIADO O motor de rabeta, movido a gasolina, é destaque no mercado náutico por proporcionar melhor aceleração, excelente resposta em baixas rotações, operação silenciosa e redução de até 15% no consumo de combustível. O V8- 380 foi premiado pelo Ibex Innovation Award – o mais importante prêmio da área de motores marítimos de lazer. www.volvo.com.br
  55. 55. NOVA GERAÇÃO DE ELEVADORES 68 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte O PierPlas EVO, lançamento da NTC Moldes e Plásticos, permite a criação de plataformas para atracação de barcos e jet skis, embarque e desembarque, apoio à prática de esportes entre outras aplicações de forma ágil e intuitiva. O píer é o único no mundo fabricado por injeção de plástico, o que agrega ao produto um acabamento preciso, leve e resistente. j www.pierplas.com.br O V-Lift é o primeiro elevador de barco de flutuação livre para se encaixar em um espaço mínimo de três metros de largura e pode ser instalado em profundidades entre 3 e 10 pés. Com um simples acionar de controle remoto, e com opção de bateria solar, o V-Lift pode ser atracado à doca, dispensando o uso de defensas, e pode lançar o barco na água em até 75 segundos e levantá-lo em até dois minutos. www.lojadebarco.com.br LEVE E RESISTENTE V-Lift, para profundidades entre 3 e 10 pés NAVEGAÇÃO MAIS SEGURA Visando maior comodidade, comunicação e segurança durante a navegação, a Raymarine lançou a linha a-Series touchscreen. São displays de 5,7 polegadas com processador dual core, “zoom” instantâneo da carta, sonda digital interna de segunda geração, antena de GPS interna de 50 canais, tela de LED, entrada para antena de radar digital, interface para exibição dos painéis de motores e comando remoto sem fios por Bluetooth. www.marinexpress.com.br
  56. 56. DESIGN E CONFORTO Cadeira Seagull: dois braços para joystick e controle 70 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte Para os pilotos mais exigentes, a marca italiana Besenzoni lançou a cadeira Seagull. O modelo oferece diversas opções de personalização de acabamento, tapeçaria e bordados. Os dois braços grandes são projetados para acomodar um joystick e controle de manetes. A cadeira é ideal para viagens longas, proporcionando o máximo de conforto para o piloto. www.besenzoni.it O Grupo Unicoba, fabricante e fornecedor de equipamentos eletrônicos e soluções em energia, apresentou a linha Marine, com produtos da marca Alpine especialmente feitos para embarcações. A qualidade sonora tão apreciada dentro dos mais luxuosos carros é estendida também para os barcos. A linha Marine passa por rigorosos testes de resistência à corrosão e à infiltração de água, características que a tornam ideal para a utilização marítima. S www.unicoba.com.br SOM NÁUTICO
  57. 57. PERFILNÁUTICO 157
  58. 58. MANUTENÇÃO: REPOUSO DO GUERREIRO No período pós -férias, deixe seu barco seguro e bem cuidado. Saiba como escolher uma marina para hospedar sua embarcação POR LEO SUZUKI 72 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte Algumas marinas oferecem opções de vagas secas e molhadas A alta temporada de verão está terminando, é hora de guardar o barco. Para que ele esteja perfeito e com excelente navegabilidade para os próximos passeios, serviços de manutenção devem ser realizados, mesmo quando o barco vai ficar parado. Por isso a escolha de uma boa marina é importante. Independentemente da Carlos Henrique Nóbrega, responsável pela Marina Baiti, de Itapoá (SC), uma espuma macia com xampu náutico biodegradável é utilizada para não danificar a base de resina gelcoat e minimizar os danos ao meio ambiente. “Solicite à marina as especificações técnicas do produto com a respectiva certificação e saiba quem é o engenheiro químico responsável para evitar o uso de produtos sem a devida garantia”, alerta. Em relação à limpeza interna, para as embarcações cabinadas e com mobiliário, verifique SERVIÇOS DE MANUTENÇÃO DEVEM SER REALIZADOS MESMO QUANDO O BARCO FICA PARADO hospedagem, em vaga seca ou molhada, a limpeza do interior e do exterior, a manutenção periódica do casco, a necessidade de repintura e o check -up do porão são alguns procedimentos primordiais para assegurar o seu conforto e a vida útil de seu barco. Por isso fique atento aos principais quesitos para fechar o negócio. LIMPEZA: DENTRO E FORA Sempre que a embarcação retornar do mar, é necessário efetuar a limpeza externa e, quando estacionada na marina, a lavagem deve ser executada uma vez ao mês. De acordo com
  59. 59. PERFILNÁUTICO 73 Canal Náutico j A lavagem externa do barco deve ser realizada uma vez ao mês o tipo de produto a ser utilizado conforme os materiais de acabamento interno. Nas embarcações sem mobiliário, usa-se o próprio xampu náutico diluído em água. Para evitar fungos e mofo, é aconselhável expor o barco e os estofados ao O PORÃO DA EMBARCAÇÃO Segundo Nóbrega, o que normalmente é esquecido durante o processo de limpeza é o porão da embarcação. “No recebimento de novas embarcações é comum encontrarmos porões em estado deplorável, assim como infestadosde baratas.” O porão deve ser dedetizado anualmente. E na hora de fechar o negócio, confira se a marina executa este tipo de serviço. MANUTENÇÃO DO CASCO Se a embarcação permanece em vaga molhada, é necessária a manutenção periódica do casco. A incrustação de cracas, limo e manchas está diretamente ligada às características da água. De acordo com Adrian Fuhrhausser, proprietário do Hotel Marina Canoa de São Sebastião (SP), embarcação que navega em água doce demanda menos manutenção. “Na água doce geralmente cresce limo, que não necessita de sol para que a secagem seja completa. É ideal conferir se a marina tem espaço físico para tal procedimento. Lubrificação do trim, do motor e engraxamento do eixo do hélice
  60. 60. Estrutura de embarque e desembarque 74 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte procedimentos especiais. Basta borrifar cloro para ele sair.” Carlos Henrique Nóbrega comenta que com a água salgada a tendência é que as incrustações evoluam mais rapidamente e, quando há constatação de danos ao gelcoat, é necessária a repintura da embarcação. “A tinta recomendável é a anti-incrustante, também conhecida como ‘envenenada’. A periodicidade da pintura depende da velocidade e intensidade de incrustação no casco.” E MAIS... Além da forma de executar os serviços, da periodicidade e dos produtos utilizados, fique atento aos principais procedimentos que envolvem a colocação e a retirada da embarcação do mar. Alguns detalhes técnicos asseguram o seu conforto durante a navegação! MOTOR É necessário fazer o adoçamento do motor sempre que a embarcação volta do mar. O procedimento deve ser realizado semanalmente, pois o funcionamento do motor neste prazo evita o entupimento dos bicos injetores. Observe os procedimentos de pulverização e lubrificação do motor e do trim (motor com inclinação) para evitar riscos de emperramento. Adoçamento do motor, depois que a embarcação volta do mar
  61. 61. PERFILNÁUTICO 75 Canal Náutico Alguns barcos ficam guardados mais tempo em vaga seca Veja o engraxamento das velas, dos polos da bateria e da suspensão da carreta. A pulverização do motor, segundo Nóbrega, deverá ser executada com lubrificantes sem petróleo, como vaselina líquida ou silicone, para evitar o ressecamento das borrachas. Este procedimento deve ser realizado bimestralmente, protegendo o motor de arranque e a área de injeção durante a execução. “Constate se as velas dos motores, os polos das baterias e o eixo do hélice foram engraxados com graxa náutica branca para evitar a oxidação”, recomenda Nóbrega. “O hélice, não engraxado, pode grudar no eixo, impossibilitando sua retirada, caso haja necessidade de troca.” As carretas também são itens que demandam cuidados. Os equipamentos possuem peças metálicas que estão em constante contato com a água e devem ser lavadas com água doce e engraxadas. ABASTECIMENTO Primeiramente, verifique se a marina possui a licença ambiental e o certificado de Posto Revendedor da Agência Nacional de Petróleo (ANP). Certifique-se da procedência do combustível, pois o prazo de validade se esgota após três meses – perdendo a octanagem e produzindo uma borra FIQUE ATENTO AOS PROCEDIMENTOS DE COLOCAÇÃO E RETIRADA DA EMBARCAÇÃO DO MAR j
  62. 62. 76 PERFILNÁUTICO CaCnaanl Nalá Eustpicoorte que compromete o funcionamento do motor. NA HORA DE FECHAR O NEGÓCIO... Carlos Henrique Nóbrega alerta sobre a importância dos documentos para formalizar os serviços da marina. “A marina deve ter prontuário das embarcações onde são registrados todos os serviços efetuados, e estes são encaminhados mensalmente ao proprietário junto com o boleto de pagamento. ” Ele ainda ressalta a atenção ao contrato e ao regimento interno para verificar se consta a totalidade dos benefícios propostos. Quando for escolher a marina ideal para deixar sua embarcação, Adrian Fuhrhausser sugere um local que combine com sua personalidade. “Se gosta de pescar, hospede seu barco em uma marina onde haja maior concentração de pescadores. Se é empresário, tem vida agitada e gosta de um passeio rápido com amigos e família, procure uma marina que tenha clientes com o seu perfil.” No entanto, independentemente da marina, procure por profissionais que deem o suporte e o direcionamento corretos para a navegação. Isso o deixará seguro para aproveitar todas as sensações que o mar oferece. Visite pessoalmente algumas marinas para conhecer a infraestrutura, os profissionais e os serviços disponíveis. Saiba se é legalizada perante os órgãos ambientais, capitania dos portos e prefeitura, e cronometre o tempo para chegar até o local. Com a certeza de que seu barco está protegido e bem cuidado, aproveite todos os prazeres da vida a bordo! S A MARINA DEVE ENCAMINHAR O PRONTUÁRIO DA EMBARCAÇÃO MENSALMENTE AO PROPRIETÁRIO SERVIÇO BAITI Localizada na Baía de Babitonga, entre as cidades de São Francisco do Sul e Joinville, Santa Catarina. SITE: www.baiti.com.br CANOA Localizada na Barra do Una, em São Sebastião, litoral norte de São Paulo. SITE: www.canoa.com.br A escolha da marina ideal depende da personalidade do proprietário do barco
  63. 63. 78 PERFILNÁUTICO Canal do Construtor Canal Esporte A maioria dos barcos é construída em sistema sandwich COLANDO A VÁCUO PARTE 1 Barcos construídos em sistema sandwich têm costado, convés ou qualquer outra parte plana do casco mais rígidos POR JORGE NASSEH JÁ FOI O TEMPO EM QUE ERA ACEITÁVEL TER UM BARCO CONSTRUÍDO COM FIBRA SÓLIDA E QUE TIVESSE UM COSTADO FLEXÍVEL Uma as principais preocupações para quem compra e usa barcos é com a rigidez do casco. Já se sabe que um casco flexível gera vibração, ruído e, no final, também navega mal. Já foi o tempo em que era aceitável ter um barco construído com fibra sólida e que tivesse um costado flexível. Você aperta e ele flete facilmente, talvez não quebre, mas, enquanto o barco estiver navegando e colidindo com ondas, vai oscilar e vibrar. Isto é construída em sistema sandwich, o que permite aumentar a rigidez do costado, do convés ou de qualquer outra parte plana do casco sem aumento de peso relevante. As espessuras das espumas sandiwch nestas áreas variam entre 10 mm e 75 mm, dependendo do comprimento do barco e de alguns outros fatores. Para garantir a colagem da espuma sobre o laminado, normalmente o fabricante emprega um sistema manual para compactar as placas de também acontece muito nas partes planas do convés sujeitas a tráfego de pessoas. Algumas delas são tão finas que fletem quando alguém passa. Talvez não quebrem, mas a sensação não é boa e quem navega sabe que mais cedo ou mais tarde aquela flexibilidade excessiva vai gerar algum outro problema. A maioria dos barcos, atualmente,
  64. 64. PERFILNÁUTICO 79 Canal do Construtor Jorge Nasseh As espessuras das espumas sandwich variam dependendo do barco O MÉTODO DE COLAGEM A VÁCUO É O ÚNICO 100% EFICIENTE PARA LAMINADO RÍGIDO PELO RESTO DA VIDA usada tanto pelo amador quanto pelo profissional. O princípio da técnica é simples: consiste apenas de uma bolsa plástica selada no perímetro do molde de onde o ar é retirado por uma bomba de vácuo. A diferença de pressão nas duas faces do filme plástico cria uma força externa ao longo do laminado sobre o molde, em que o objetivo principal é aumentar a adesão do material sandwich sobre as faces de fibra e evitar espaços vazios na linha de colagem. O método requer a utilização de alguns produtos descartáveis para poder compactar perfeitamente o laminado. Estes produtos normalmente não devem ser reutilizados, o que implica em um custo adicional para se construir um laminado a vácuo, mas o benefício de redução de peso, o menor consumo de resina e a alta resistência do laminado compensam. Na próxima edição falaremos sobre a seleção dos materiais para a laminação. S espuma sobre o adesivo e a camada externa no casco, a infusão a vácuo ou um sistema de pressão que pressione constantemente o material sandwich contra um laminado já curado através de um adesivo à base de resina poliéster ou epóxi. Estes são os melhores sistemas de colagem que podem existir. Uma pequena falha de laminação, uma camada de adesivo não curada, uma colagem mal ajustada ou uma adesão instável podem ocasionar um problema estrutural em um barco. É claro que muitos destes problemas podem não acontecer se a frequência de uso for baixa ou quando usado apenas em águas abrigadas. Mas se este não for o caso? E se um dia uma situação climática inesperada acontecer? Quem estaria disposto a pagar para ver? Embora a laminação manual ofereça boa resistência ao laminado, a etapa de colagem do material sandwich do casco, das anteparas, do convés ou de qualquer outra parte estrutural é bem mais crítica. Certamente o método de colagem a vácuo é o único que irá produzir uma colagem 100% eficiente e um laminado rígido pelo resto da vida. O modo mais eficiente de aplicar a pressão sobre um laminado e o mais comum em projetos de construção de barcos é o uso da bolsa de vácuo, técnica que pode ser
  65. 65. CANAL DÉCOR DECORAÇÃO NÁUTICA E SOFISTICAÇÃO A BORDO PALOMA CHRISTIANSEN 80 PERFILNÁUTICO CanaCal nDal Eéspcoroter Os acessórios dão charme à decoração, independentemente do estilo Desde pequena Paloma Christiansen, hoje com 22 anos, procurou a independência. Além da fotografia como hobby, cursou Publicidade, Design de Produtos e encontrou sua grande paixão no design de interiores. Paloma tem um blog chamado Tips and Secrets, no qual compartilha suas criações, dá dicas da Perfil Náutico decorar o seu barco. “Os acessórios são os responsáveis por dar o charme a mais na decoração de sua embarcação, independentemente do seu estilo”, comenta. “Não podem faltar quadros, almofadas e objetos que remetam ao mar, fazendo o link do ambiente externo com o interno. É o caso de artefatos com corais, conchas, NO BLOG TIPS AND SECRETS, PALOMA DÁ DICAS DE DECORAÇÃO E INTERAGE COM OS INTERNAUTAS de decoração e interage com os internautas. Em sua descrição, ela revela bem sua personalidade: “Gosto da mudança, do único, do louco, do novo. Desde pequena picotando, pintando e inovando.” Paloma Christiansen, deu dicas preciosas para o leitor Ideias contemporâneas, cheias de estilo e bom gosto
  66. 66. PERFILNÁUTICO 81 Canal Décor Ambiente harmônico e aconchegante barquinhos, entre outros.” De acordo com a designer, é importante sempre prezar por um ambiente harmônico e aconchegante, que alie leveza, tranquilidade, conforto, vida e alegria. Fique atento para não cometer erros em sua decoração. Os mais frequentes, segundo Paloma, são as misturas de cores extravagantes e materiais pesados. “Muita informação acaba tirando a leveza e o luxo do ambiente.” j SERVIÇO E-MAIL: paloma@ferrettibrasil.com.br BLOG: www.tipsandsecrets.com.br FACEBOOK: Tips Secrets
  67. 67. DESIGN, ESTILO E CONFORTO X O pufe Shell é um dos novos lançamentos da designer italiana Paola Lenti. Disponíveis em mais de 60 opções de cores e combinações, as peças são feitas para quem gosta de desfrutar de um ambiente estiloso, alegre e confortável. Os pufes são acessórios exclusivos na decoração dos iates Ferretti. www.toolsandtoys.com.br 82 PERFILNÁUTICO CaCnaanla Dl éEcspoor rte CORES E MATERIAIS Y Toda a decoração da Portofino 35 Fly foi planejada pela Estilo a Bordo. A empresa da designer de interiores de iates Isabella Angeloni conseguiu harmonia entre cores e materiais. As cores fortes seguem as tendências internacionais, dando um ar moderno e leve ao mesmo tempo. A cozinha é equipada com tampa e pia de Corian, da DuPont, um material levíssimo e resistente. S www.estiloabordo.com TECIDOS RUBELLI Y Na Azimut 70, tão magnífico quanto a visão que se tem para o mar é o acabamento do salão principal. Os revestimentos dos assentos e sofás trazem a elegância de uma das mais sofisticadas marcas de tecidos do mundo – a italiana Rubelli. A empresa, que nasceu em Veneza em 1858, produz tecidos para decoração de altíssimo padrão e dita tendências para o design textil mundial. www.rubelli.com A NATUREZA E SEU DESIGN W A mesa de centro “Dois Irmãos”, da Arte Floresta, é uma obra da natureza que prestigia as formas orgânicas do lenho. Elaborada com madeira vinhático, a elegante decoração proporciona excelentes composições de ambientes. Pode-se usar como uma mesa ou como dois práticos bancos. www.artefloresta.com.br
  68. 68. ALGUM DESSES PODE SER O S EU PRÓXIMO BARCO ÍNDICE No último mês conversamos com cinco estaleiros para preparar a seção Perfil desta edição. Com eles buscamos informações sobre alguns barcos que nos chamaram a atenção por ter algum diferencial, ser um lançamento ou uma embarcação consagrada. De Santa Catarina, apresentamos a história da Ocean Life e a linha de produção das lanchas Evolve. Os Perfis da Valent 210, da Bayliner 350 SE, da Portofino Fly 35 e da Azimut 70 também estão traçados nas próximas páginas. Confira! 84 PERFILNÁUTICO VALENT 210 Para quem busca uma embarcação pequena, mas que tenha grandes qualidades BAYLINER 350 SE No mar ou em água doce, uma lancha para a família e para a prática de esportes PORTOFINO FLY 35 Inspirada no design de um carro esportivo, destaque também para o flybridge AZIMUT 70 Para brasileiros de bom gosto: luxo em alto-mar com direito a quatro suítes OCEAN LIFE Conheça a história do estaleiro responsável pela evolução de uma marca: Evolve 85 93 101 109 117
  69. 69. PERFIL VALENT 210 A CAÇULA PRODÍGIO A VALENT TRAZ AO BRASIL A 210 PARA ACABAR COM OS PROBLEMAS DE QUEM QUER UMA EMBARCAÇÃO PEQUENA E COM MUITA QUALIDADE POR AMANDA KASECKER PERFILNÁUTICO 85 www.valentboats.com.br j Apesar de pequena, a Valent 210 tem diversos pontos fortes
  70. 70. PERFIL VALENT 210 86 PERFILNÁUTICO
  71. 71. PERFILNÁUTICO 87 er uma embarcação menor implica perder qualidade de acabamentos e menos funcionalidade? Não mais. Se antes isso era um problema, agora não é mais. A Valent surgiu no Brasil para atender um nicho que era um tanto subestimado. T Segundo Eslei Giarolla, country manager da Valent, a proposta do estaleiro é exatamente resolver esses problemas. “Percebemos um nicho mal atendido no mercado brasileiro: o segmento de embarcações de j UM BARCO DE LINHAS ESPORTIVAS E ARROJADAS, QUE SE AJUSTA PARA O USO COM TODA A FAMÍLIA
  72. 72. ESPECIFICAÇÕES TÉCNICAS BOCA: 2,5 m 88 PERFILNÁUTICO luxo ou de alto nível de acabamento, mas de tamanho pequeno, pequeno-médio, entre 21 e 26 pés”, afirma. “Em nosso mercado não existia nada com o acabamento e o cuidado das lanchas importadas de alto padrão.” Ainda de acordo com Giarolla, mesmo no caso das lanchas neste tamanho importadas, havia uma falha importante: “Os importadores tinham o know-how para importar e vender lanchas aqui a preços altíssimos, mas não traziam para cá o atendimento a cliente nem a atenção com o consumidor que existem lá fora.” Dentro dessa proposta, a Valent apresentou ao público três modelos no São Paulo Boat Show, em outubro de 2012: a Valent 210, Valent 230 e Valent 250. Dentre PERFIL VALENT 210 Plataforma de popa e porta-objetos da 210 COMPRIMENTO TOTAL: 6,6 m COMPRIMENTO TOTAL: 6,6 m BOCA: 2,5 m PESO: 1.406 kg TANQUE DE COMBUSTÍVEL: 136 L TANQUE DE ÁGUA: 37,8 L
  73. 73. A VALENT SURGIU NO BRASIL PARA ATENDER UM NICHO QUE ERA UM TANTO SUBESTIMADO PERFILNÁUTICO 89 elas, a caçula da linha de produtos chega ao Brasil com porte, desempenho e equipamentos para botar medo em muitas lanchas que se dizem maiores. “É um barco de linhas esportivas e arrojadas, que chama a atenção por tudo isso, mas que se ajusta muitíssimo bem quando o cliente busca usar seu barco com toda a família, sem perder o conforto”, descreve o country manager. LUXO E INTELIGÊNCIA EM 21 PÉS Apesar de pequena, a Valent 210 tem diversos pontos fortes. Um deles está no design do projeto, não só do ponto de vista da beleza das linhas do barco, como também pelo aproveitamento interno. Pela inteligência com que tudo é disposto, o barco parece ter medidas generosas para um 21 pés – 6,6 metros de comprimento e 2,5 de boca – e acaba parecendo ainda maior. De acordo com a Valent, o projeto da 210 traz uma novidade ao mercado brasileiro: a completa utilização de todas as áreas do barco. Um bom exemplo disso é a mesa para o lounge no cockpit: sua inédita base curva faz com que o barco seja utilizado sem que se perceba que ele está preparado para esse item. Quando a mesa está desmontada, o suporte é preso em seu escaninho e fica ali fixo. Navegando não se vê e nem se ouve nada, ou seja, é como se ele simplesmente não existisse. O mesmo vale para o tampo da mesa que fica guardado numa caixa acarpetada fixa, dentro do paiol de meia-nau. Detalhes que definitivamente fazem toda a diferença. Outros itens ainda saltam aos olhos de qualquer um. Sentados em volta da mesa, no cockpit, até seis adultos se acomodam confortavelmente nas duas poltronas, ambas giratórias e com controle de distância. Os demais se instalam no amplo sofá, anatômico e bem desenhado, com apoio para as costas, inclusive nas laterais internas. Sob ele se encontra a caixa térmica que vem de série. A funcionalidade da caçula 210 também é exemplificada quando se nota que mesmo ela, a menor j
  74. 74. da linha, conta com solário de proa, onde existem duas caixas de som que podem ser controladas por controle remoto exclusivo para aquele setor da embarcação. Ali ainda existe um espaço para acondicionar bebidas com gelo e pode haver, segundo o desejo do proprietário, uma escada de proa que fica encaixada no mesmo espaço da caixa de âncora. Tudo isso faz com que mesmo a proa da 21 possa ser uma área considerada completa, com tudo que os passageiros da embarcação poderiam precisar. Os itens de conforto completam-se com um inteligente solário de popa extensível, que conta com uma passagem por onde se entra e se sai do barco sem ter de pisar nas almofadas do sofá ou do solário, algo raro para uma embarcação de 21 pés, mesmo fora do país. Na parte tecnológica, destaque para o sistema de som. Trata-se de um original Fusion, uma marca de equipamentos de som especificamente produzidos para equipar embarcações. “O sistema é extremamente confiável e resistente em função de ser absolutamente apropriado para as condições náuticas e conta com som potente e cristalino”, assegura Giarolla. E o melhor: todas Modelo 230, ideal para a prática de wakeborad 90 PERFILNÁUTICO as embarcações da Valent vêm equipadas com sistemas Fusion como item de série. Os sistemas contam com quatro alto-falantes, aparelhos de som da linha 600i de 280 Watts e são compatíveis com iPod e iPhone, que são colocados dentro do rádio deixando todas as funcionalidades de som disponíveis e os equipamentos completamente protegidos dentro dos Fusions, que são à prova d’água. POTÊNCIA COM ECONOMIA Mas não é só de beleza que a Valent 210 está bem servida. O projeto otimizado dos cascos das embarcações, por exemplo, permite mais precisão nas curvas fechadas e planeio mesmo em velocidades mais baixas, mostrando que também se pensou no quesito potência. O modelo 210 ainda chega a 46 milhas de top, entra em planeio em 3,6 segundos e chega a 30 milhas em 8,7 segundos. Números bastante expressivos para uma 21 pés, que seca pesa 406 kg. Para chegar a essa potência, a 210 consome cerca de 34 litros de gasolina por hora num cruzeiro de 35 milhas por hora. (Fonte: Boating USA). Todos esses números levam a crer que num cruzeiro mais baixo, por volta das 30 milhas, o consumo da 210 será mais baixo que j PERFIL VALENT 210
  75. 75. PERFILNÁUTICO 91 Valent 250, versátil e espaçosa
  76. 76. PERFIL VALENT 210 UMA VALENT APRESENTA UM GRANDE PACOTE DE ITENS, COM A CONVENIÊNCIA DE JÁ VIR ASSIM DE FÁBRICA 30 litros por hora, um número bastante reduzido em comparação com outros. PARA OS EXIGENTES Outro grande problema quando se fala em embarcações é o preço. Porém, o fabricante garante que um dos grandes atributos da Valent também está no custo-benefício. “Em comparação com as demais nacionais, as embarcações da Valent são muito mais equipadas, e se o cliente for colocar tudo que vem nelas, com a mesma qualidade, além do tempo que gastará importando esses itens para ter o mesmo resultado final, terá que investir provavelmente muito mais pelo pacote”, garante Eslei. “Com o mesmo pacote de itens, uma Valent acaba sendo até mais barata que as concorrentes, com a conveniência de já vir assim de fábrica.” Os barcos são produzidos em Manaus e de lá distribuídos para todo o Brasil. O perfil do consumidor das lanchas Valent são aqueles que desejam embarcações de apelo esportivo, com 92 PERFILNÁUTICO elevado nível de acabamento e serviços em embarcações de 21 a 26 pés. A Valent não revela quantos barcos já foram vendidos desde sua apresentação, em outubro de 2012, no São Paulo Boat Show, mas garante que a procura tem sido grande após o evento. Em paralelo a isso, está selecionando concessionários e oficinas especializadas ao longo do Brasil. “O processo de nomeação das concessionárias está sendo longo e criterioso já que será apenas um concessionário para cada estado e um máximo de dez abertos nos próximos 24 meses”, revela Eslei. Além das concessionárias, a rede de serviços vai ser ainda maior contando não só com os pontos de vendas, como também com pontos especializados nos maiores pontos de concentração náutica do mercado brasileiro. AS IRMÃS MAIORES Além da 210, a Valent também comercializa outras duas embarcações: a 230 e a 250, respectivamente com 23 e 25 pés. A linha 230 possui amplas áreas na popa e na proa, solário posterior expansível e ergonomia planejada para quem quer ter um barco para ter sempre companhia. A 250 é um verdadeiro objeto de desejo. Com medidas mais generosas – 7,32 metros de comprimento –, ela alia design, espaço e performance. S SERVIÇO SITE: www.valentboats.com.br TELEFONE: (11) 986 720 347 Espaço confortável para passageiros na proa da 250
  77. 77. PERFIL PORTOFINO 35 FLY PROJETO INOVADOR, SEM IGUAL A PORTOFINO FLY 35 FOI INSPIRADA NAS LINHAS DA LAMBORGHINI AVENTADOR. ESPORTIVIDADE E LUXO EM UM IATE DE PRIMEIRA LINHA POR ANGELO SFAIR PERFILNÁUTICO 101 www.portofinoyachts.com.br j Para quem gosta de luxo e velocidade
  78. 78. PERFIL PORTOFINO 35 FLY 110022 PPEERRFFIILLNNÁÁUUTTIICCOO
  79. 79. PERFILNÁUTICO 103 A ssim como um carro esportivo, a Portofino 35 Fly com certeza irá chamar a atenção pelos mares por onde navegar. A comparação não é uma mera coincidência: seu design foi inspirado nos superesportivos italianos de quatro rodas, como a Lamborghini Aventador. As semelhanças não se limitam apenas ao visual. A Portofino 35 Fly comporta -se como um verdadeiro velocista. j POR FORA, ALÉM DO DESIGN ESPORTIVO, O DESTAQUE É O FLYBRIDGE
  80. 80. PERFIL PORTOFINO 35 FLY Banheiro: espaço e bom gosto 104 PERFILNÁUTICO Durante a noite, é possível abrigar cinco pessoas com o máximo de conforto. A Fly 35 é uma embarcação projetada para quem quer um iate top de linha, mas não abre mão de um desenho agressivo e inovador, sem se esquecer do conforto nem da segurança. “É por isso que nos inspiramos nas linhas da Lamborghini Aventador”, explica Dupont. “Queremos atrair os amantes de linhas esportivas aliadas ao luxo de um iate de primeira linha.” Quando se observa o design arrojado e a esportividade do modelo, logo se pensa que a inclinação da proa poderia ser maior. Embora isso pudesse fazer com que o barco cortasse melhor as ondas e ganhasse em estética, a opção por uma inclinação menor tem explicação: prioridade para o espaço interno. Isso, porém, não significa que a navegação foi prejudicada, já que há diversos outros fatores que fazem da Portofino 35 Fly um barco navegador. CASCO STEP V O primeiro fator é o casco tecnológico. Uma das características mais marcantes da Portofino 35 Fly não é visível para quem a observa navegando, já que está submersa. Construído com a tecnologia Step V, o casco Cozinha compacta e equipada Para este grandioso projeto, dois escritórios de yacht design estiveram envolvidos, além da equipe de desgin da Portofino Yachts. Um dos parceiros é a Duncan Lopes Yachts Design, do Brasil, o outro é um escritório de yacht design na Inglaterra. “Como dizem: duas cabeças pensam melhor que uma”, comenta Jean Dupont, diretor de Marketing e Design da Portofino Yachts e também projetista da embarcação. “Neste caso, utilizamos cerca de 25 cabeças que trabalharam exclusivamente para se chegar ao projeto final da Portofino Fly 35.” Externamente, o que mais se destaca além do design esportivo é o flybridge. Com seu projeto partindo do zero, a embarcação do estaleiro brasileiro conseguiu inovar e sair dos padrões de uma embarcação de 35 pés. “A Portofino 35 é hoje a sensação do mercado e a única 35 pés com flybridge na sua categoria”, destaca Dupont. Por vezes este modelo também nos surpreende pelo seu aproveitamento de espaços. Tanto externamente quanto internamente é possível confundir este 35 pés com um barco de 40 ou mais pés. Os espaços são amplos, o pé-direito é confortável e doze pessoas podem ser confortavelmente instaladas para um passeio. No comprimento, são quase 11 metros para se aproveitar da popa à proa. A boca é grande, com quase quatro metros, e ajuda a aumentar o espaço interno das duas cabines. j TODA A DECORAÇÃO FOI FEITA PELA DESIGNER DE INTERIORES ISABELLA ANGELONI, DA EMPRESA ESTILO A BORDO
  81. 81. PPPEEERRRFFFIIILLLNNNÁÁÁUUUTTTIIICCCOOO 111000555 Salão com um sofá em L, mesa regulável e cabine do proprietário
  82. 82. PERFIL PORTOFINO 35 FLY torna a embarcação hidrodinâmica, já que o atrito do casco com a água é diminuído consideravelmente. Além de colaborar com o velocidade final, com a estabilidade na navegação e com conforto da pilotagem, esta tecnologia faz a Portofino 35 ganhar mais autonomia e economia, já que diminui o consumo de combustível. “O sistema de Step são os famosos degraus debaixo do casco utilizados normalmente pelas offshores de alta performance”, explica Dupont. “Se mal projetados, eles mais atrapalham do que ajudam, por isso utilizamos softwares de ponta, os quais são dominados completamente pelo escritório de Yacht Design Duncan Lopes.” FLYBRIDGE Sem dúvidas o flybridge é o ponto alto da embarcação. Olhando pela primeira vez, é difícil acreditar que seu tamanho não prejudique o equilíbrio do barco e sua navegabilidade. A dúvida é explicada pelo próprio Jean Dupont, que é um dos grandes responsáveis pelo projeto da embarcação. “O flybridge foi projetado com bastante critério, levando em consideração a estabilidade da embarcação. O que ajuda o barco a se manter estável com este enorme flybridge é a largura (boca) do casco (3,7 m), 106 PERFILNÁUTICO que desce quase que paralelamente até a linha d’água, dando sustentação e apoio para o barco.” O layout interno do fly é espaçoso, podendo acomodar oito passageiros confortavelmente. Ele conta com um assento para o comandante, grande solário, sofá em formato de L, pia e geleira com uma mesinha retrátil de acrílico. É o espaço ideal para aproveitar com a família ou com os amigos um belo dia de sol. CABINES O conforto interno segue a impressão deixada pelo lado de fora, parecendo estar em um barco de maior porte. De acordo com Dupont, as cabines podem ser facilmente comparadas com as de embarcações com mais de 40 pés. As cabines são amplas, espaçosas, pé-direito alto, bem ventiladas e muito confortáveis. “Toda a decoração foi feita pela Estilo a Bordo, empresa da designer de interiores de iates Isabella Angeloni”, revela Dupont. “Foi realmente surpreendente o resultado que ela conseguiu unir com ótima harmonia entre cores e materiais sem pesar muito. Conseguimos agradar a todos os públicos e recebemos bastantes elogios em todos os eventos de que a Portofino 35 Fly participa.” As cores são fortes, seguindo as tendências internacionais do design de interiores, dando um ar moderno sem perder a harmonia. São dois camarotes, o de proa e um na meia-nau, e dois banheiros. A opção por oferecer dois banheiros em uma embarcação de 35 pés aumenta e muito a privacidade do proprietário no caso de receber visitas ou ter um marinheiro. Já o salão é igualmente espaçoso, com um sofá em formato de L e mesa com altura regulável ideal para acomodar confortavelmente quatro pessoas. A cozinha é completa e equipada com tampa e pia de Corian, da DuPont, um material levíssimo e resistente. O espaço interno é todo muito agradável, desde as cabines até o salão e os banheiros. As janelas bem projetadas proporcionam uma excelente iluminação interna, enquanto o grande pé-direito oferece tranquilidade de sobra para transitar dentro do barco. ÁREA EXTERNA Além do gigantesco flybridge, ainda há muito espaço para ser aproveitado na área externa da Portofino 35 Fly em dois ambientes: a praça de popa e o solário de proa. Na praça de popa, encontram-se um sofá central para três pessoas e duas passagens laterais para a plataforma de popa. O destaque desse ambiente é o espaço gourmet com cozinha completa (pia e tampo de Corian DuPont, fogão vetrocerâmico, micro-ondas e frigobar de 80 L). Seguindo para proa, encontramos um solário que comporta duas pessoas. O acesso se dá através dos j Detalhe do painel de instrumentos TANTO POR DENTRO COMO POR FORA, A IMPRESSÃO É DE QUE O BARCO É DE MAIOR PORTE
  83. 83. PPEERRFFIILLNNÁÁUUTTIICCOO 110077 Cabine com pé-direito alto e praça de popa com sofá central e espaço gourmet
  84. 84. PERFIL PORTOFINO 35 FLY passadiços laterais. As passagens contam com uma borda bem alta, que garantem uma maior segurança, além dos guarda-mançebos, que são igualmente altos e seguros. O cockpit oferece excelente conforto e visão para quem está pilotando esta embarcação. O local é dividido em duas áreas por meio de uma porta deslizante de vidro de quatro partes, separando-o do grande salão e cozinha. Pela parte externa, o sofá central separa as duas entradas, para facilitar a movimentação das pessoas a bordo. 108 PERFILNÁUTICO MOTORIZAÇÃO E VELOCIDADE Há várias possibilidades de motorização para esta embarcação. A versão básica vem com dois Volvos Penta D4 com 260 HP cada, a diesel. Já o recomendado é equipar com dois Volvos Penta D4 de 300 HP (Mercruiser) ou dois Volvos Penta D4 de 320 HP (diesel). A casa de máquinas é muito bem-acabada e organizada, facilitando o acesso e o deslocamento para revisões elétricas e hidráulicas. Com as especificaÀ

×