Revista Perfil Náutico ed 35

1,699 views
1,472 views

Published on

Edição 35 Revista Perfil Náutico

Published in: Marketing
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,699
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
12
Actions
Shares
0
Downloads
20
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Revista Perfil Náutico ed 35

  1. 1. REFENO: DE RECIFE A FERNANDO DE NORONHA, UMA REGATA CHEIA DE CHARME R$ 14,00 · Ano 07 · Edição 35 · 2012 · www.perfilnautico.com.br ÁREA ÍNTIMA CABINES REVELAMOS CADA METRO QUADRADO DO ESPAÇO MAIS PARTICULAR DO BARCO REGATTA PERFIL! TRÊS BARCOS COM TUDO E UM POUCO MAIS Colunna SC 435 Astondoa 80 GLX PERSHING 74 REDE DE VAREJO E ATACADO NÁUTICO COMEMORA 30 ANOS
  2. 2. 2  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  3 
  3. 3. 4  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  5 
  4. 4. 6  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  7 
  5. 5. 8  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  9 
  6. 6. Colaboram nesta Edição Angelo Sfair, Amanda Kasecker, Bala Blauth, Carolina Schrappe, Dhelyo Pereira Rodrigues, Ita Kirsch, Jorge Nasseh, Karen Riecken, Luiz Alfredo Malucelli, Rafaella Malucelli, Ricardo Amatucci e Thaís Zago. Edição de Arte e Projeto Gráfico Eduardo Zuchowski VIVeR Impressão e Acabamento Gráfica Coan Distribuição Exclusiva FC Comercial Distribuidora Ltda. Central de Publicidade Comercial (41) 3331-8300 comercial@perfilnautico.com.br José “Juca” Kolling (41) 8446-5341 jose.juca@grupocanal.com.br iPad Baixe nosso aplicativo P assamos toda essa edição da Perfil Náutico pensando em descanso. Não porque queríamos estar em casa com os pés para o alto se escondendo os últimos ventos mais gelados de 2012. Nossa cabeça esteve bem mais próxima da água e do sol. E claro, para aproveitar bem esses presentes da natureza, um bom descanso entre um dia e outro vem muito bem a calhar. O tema principal da edição 35 é a área mais íntima das embarcações, as cabines e suítes. Chegamos ao andar de baixo, onde os ambientes são planejados para que a noite seja tão ou até mais prazerosa do que o dia. Passeamos por embarcações, das menores às mais luxuosas, que nos apresentaram soluções interessantes para quem se preocupa com o pleno prazer a bordo. Como até mesmo descansando pensamos no mar, já estamos nos preparando também para a Refeno, a tradicional regata entre Recife e Fernando de Noronha, que chega a sua 24ª edição, com largada marcada para 13 de outubro. Você vai ler uma reportagem especial sobre a Refeno, com direito a apreciar as atrações turísticas que marcam toda a região. Antes disso tiramos uns dias para o turismo, em águas azul-turquesa, areias brancas, sol, hotéis de alto luxo, iates e grifes na ilha caribenha de Aruba, localizada nas Antilhas Holandesas. Fomos também ao Mato Grosso do Sul, para mergulhar em Bonito e conhecer os mitos da Lagoa Misteriosa. Do Mundo Náutico, trazemos a segunda parte da matéria sobre o Nauticap, equipamento que permite a você controlar o barco por meio do seu iPad; apresentamos um robô da Hulltimo, capaz de deixar os cascos das embarcações brilhando e mostramos o Condomínio Águas Claras Residencial e Marina no interior do Paraná, às margens do Rio Iguaçu. E na seção Perfil destacamos três embarcações — Colunna 435, Pershing 74 e Astondoa 80 GLX — e também a Regatta, loja náutica que comemora 30 anos expandindo ainda mais suas atividades. S Revisão João Batista Ribeiro É tempo de Rua Jorge Cury Brahim, 712, Pilarzinho, 82.110-040, Curitiba – PR. Fone (41) 3331-8300 Fax (41) 3331-8305 facebook.com/SessaBrasil Chegamos ao andar de baixo da embarcação, sua área mais íntima. Cabines e suítes de encher os olhos e relaxar o corpo Depto. de Jornalismo Editor e jornalista responsável Marcelo Fabiani (Buda) — DRT-PR/ 6633 marcelo.buda@grupocanal.com.br Revista Perfil Náutico Rádio Mix Curitiba - 91,3 MHz 91 Rock Web www.91rock.com.br Artigos assinados não representam necessariamente a opinião da revista. As imagens sem créditos foram fornecidas para divulgação. Revista Perfil Náutico, ano 7, n° 35, é uma publicação da Editora Canal/mid, divisão de mídia do Grupo CANAL/com. Todos os direitos reservados. www.sessamarine.com.br A arte do descanso Conselho Diretor Aldo Alfredo Malucelli aldo@grupocanal.com.br Carlos Alberto Gomes carlos@grupocanal.com.br José “Juca” Kolling jose.juca@grupocanal.com.br Luiz Alfredo Malucelli luiz@grupocanal.com.br Costiera d’Amalfi - Italia Editorial Fale com a gente Redação redacao@perfilnautico.com.br Boa leitura e bons ventos Marcelo Buda Canal Técnico Envie sua pergunta para canaltecnico@perfilnautico.com.br Assinatura assinatura@perfilnautico.com.br Perfil Náutico na Internet www.perfilnautico.com.br c B O R G E S B OAt S : M A N Au S – w w w.c b o r g e s .c o m .b r – ( 9 2) 8112 6 0 26 D I R E c t J E t N Áu t I c A : PA R Á – w w w.d i r e c t j e t.c o m .b r – ( 91) 3 24 9 2 916 R E G At tA YAc h t S : B A h I A | M I N A S G E R A I S | S ÃO PAu L O | R I O D E J A N E I R O – w w w.r e g a t t a y a c h t s .c o m .b r – (11) 5 5 3 8 3 4 3 4 S c YAt c h S : PA R A N Á | S A N tA c AtA R I N A | R I O G R A N D E D O S u L – w w w. s c y a tc h s .c o m .b r – (4 8 ) 3 2 2 2 0 0 52 V I L L A N Áu t I c A : B R A S í L I A | G O I Á S – w w w.v i l l a n a u t i c a .c o m .b r – ( 61) 3 2 23 0 2 01 – ( 6 2) 3 2 25 8 576 SESSA MARINE BRASIL - brasil@sessamarine.com 10  PERFILNÁUTICO L I N h A YAc h t C 6 8 - C 5 4 - F LY5 4 - F LY4 5 - C 4 4 | L I N h A c R u I S E R C 4 0 - C 3 6 | L I N h A K E Y L A R G O K L 3 6 - K L 28 S o l e - K L 27 PERFILNÁUTICO  11 
  7. 7. Índice Canal 14 16 120 124 126 128 146 154 158 160 162 Leitor News Construtor Náutico Décor Estilo Esporte Planeta Água Gourmet Cultura Click Especial 22 Refeno Confira as atrações turísticas na região da Refeno, tradicional regata que chega a sua 24ª edição com largada em outubro 46 Capa Seu segundo lar A área íntima tem se tornado uma prioridade cada vez maior dos estaleiros, que tentam fazer das cabines verdadeiras casas em alto-mar Mundo Náutico Perfil 104 Colunna 435 O modelo de 43,5 pés do estaleiro Colunna traz opções de cabine fechada e HT 108 112 O robô da limpeza Chega ao Brasil o Hulltimo, um robô francês para limpeza dos cascos Nautcap Conheça como funciona o equipamento que possibilita automatizar a embarcação Residencial Marine Em São Jorge d’Oeste, região de Salto Osório, no sudoeste paranaense, surge o Condomínio Águas Claras Residencial e Marina 70 78 86 Nesta Edição 130 138 Turismo – Bonbini Aruba Uma pequena ilha de 31 km cercada por um visual único, com a sombra e a água fresca do sul caribenho Mergulho – Bonito (MS) A Lagoa Misteriosa reabriu com algumas restrições para o mergulho 12  PERFILNÁUTICO 94 Pershing 74 Embarcação é o primeiro modelo offshore a ter um flybridge Astondoa GLX 80 Projetada para o mercado mundial, mas com características do clima brasileiro Regatta A mais completa e moderna rede de lojas náuticas do país comemora 30 anos Visite o espaço Lagoon no estande Beneteau Transamérica Expo Center - São Paulo 28 de setembro a 3 de outubro PERFILNÁUTICO  13 
  8. 8. Após a aquisição de 75% das ações do estaleiro pelo grupo chinês SHIG Weichai, a Ferretti anunciou seu novo presidente, Tan Xuguang, e seu novo diretor, Ferruccio Rossi. O fundador, Norberto Ferretti, foi nomeado presidente honorário e continuará atuando no desenvolvimento dos novos barcos de todas as marcas do grupo. No Brasil o cenário permanece o mesmo, com Marcio Christiansen na cadeira de CEO do Ferrettigroup Brasil. Segundo Christiansen, a nova gestão continuará o trabalho de expansão em mercados-chave, sendo o Brasil considerado um deles, e ampliará o investimento em novos produtos e soluções inovadoras. Canal News Canal Esporte Canal News Grupo Ferretti é da SHIG Weichai Cursos de capacitação profissional Tan Xuguang assume a presidência da Ferretti O Seminário “Tudo sobre Construção Náutica”, realizado no dia 9 de agosto na sede da Acobar (Associação Brasileira de Construtores de Barcos e seus Implementos), marcou o pontapé inicial para uma série de cursos de capacitação profissional na área náutica a serem oferecidos, a partir de novembro, em todo o Brasil. O engenheiro Ricardo Paragon iniciou a palestra falando sobre instalações e montagem de motores. Em seguida, o engenheiro Roberto Brener mostrou os tipos de circuitos elétricos em embarcações. Por último, o engenheiro e vice-presidente da Acobar, Jorge Nasseh, falou sobre técnica e prática de laminação em materiais compostos. j Mais um prêmio para a Schaefer Yachts O estaleiro catarinense Schaefer Yachts conquistou o Top of Mind, entregue em agosto, em Florianópolis, pelo jornal A Notícia e pelo Instituto Mapa, vencendo na categoria Executivo, criada nesta 18ª edição do prêmio. A empresa foi a mais lembrada do setor náutico por diretores de 150 empresas de Santa Catarina. Márcio Schaefer, presidente da Schaefer Yachts, que conquistou também o Top de Marketing em 2011, concedido pela Associação de Dirigentes de Vendas e Marketing de Santa Catarina (ADVB/SC) festejou o prêmio: “Nossa satisfação é principalmente pelo caráter espontâneo da premiação. Completamos duas décadas em novembro e este reconhecimento vem afirmar que estamos no caminho certo.” 16  PERFILNÁUTICO A empresa mais lembrada do setor náutico 17 1 PERFILNÁUTICO   PERFILNÁUTICO 
  9. 9. Canal News Canal News Canal Esporte Cruzeiro Costa Leste Amyr Klink, conhecido pelas expedições marítimas Sinônimo de motivação Participação de 23 veleiros Foi realizado este ano, pela quinta vez desde que foi criado em 2004, o Cruzeiro em flotilha “Costa Leste”. Organizado pela Associação Brasileira de Velejadores de Cruzeiro (ABVC), teve a participação de 23 veleiros, que partiram do Iate Clube do Rio de Janeiro (correalizador), chegaram a Salvador e fizeram a festa final no Aratu Iate Clube. Antes passaram por Búzios, Vitória, Abrolhos, Santo André, Ilhéus e Camamu. O ponto alto da viagem foi o mergulho autônomo realizado em Abrolhos até para quem não tinha credenciamento (Fun Dive), além do encontro com baleias jubarte no trajeto. O navegador Amyr Klink é uma das atrações como palestrante do painel “Liderança e Motivação – O Futuro É Agora”, durante a 18ª Semana de Tecnologia Metroferroviária, que acontecerá no período de 11 a 14 de setembro de 2012, no Centro de Convenções Frei Caneca, em São Paulo (SP). Klink ficou conhecido pelas suas expedições marítimas. Hoje mora em Paraty (RJ), onde mantém uma escola de navegação para jovens carentes. Além de escrever livros, faz palestras sobre planejamento e empreendedorismo no meio empresarial. j Produção náutica em SC Os primeiros frutos da parceria entre a Schaefer Yachts e o Projeto Pescar apareceram no dia 16 de agosto, em Biguaçu (SC), durante a formatura da primeira turma do Curso de Iniciação à Produção Náutica. Foi um ano de intensas atividades que transformaram alunos em vulnerabilidade social da região de Biguaçu em pessoas aptas para o mercado de trabalho na indústria náutica catarinense. “Esta é a primeira experiência do Projeto Pescar no mundo náutico e os resultados são surpreendentes”, afirma a orientadora do projeto, Paula Costa. “Hoje todos são capazes de trabalhar no polo catarinense do setor trazendo toda a experiência de vida proporcionada pelo Pescar.” O curso foi realizado no Centro de Design da Schaefer Yachts, em Biguaçu. 18  PERFILNÁUTICO Parceria entre a Schaefer Yachts e o Projeto Pescar PERFILNÁUTICO  19 
  10. 10. Canal News Canal Esporte Bellagio 54, nova linha da Cimitarra em parceria com o estaleiro italiano Rio Yachts São Paulo Boat Show 2012 Em setembro tem São Paulo Boat Show. O mais importante salão náutico do ano chega a sua 15ª edição em 2012. Será realizado entre 28 de setembro e 3 de outubro, exatamente o período em que se registra um grande aquecimento de vendas no setor. Considerado o maior salão indoor da América Latina, esse ano o evento terá proporções ainda maiores, aproveitando o espaço de 40 mil metros quadrados e sete pavilhões do Transamérica Expo Center, que cresceu 25% em relação a 2011 e conta agora com 3.900 vagas de estacionamento. As principais novidades e oportunidades de negócios do mercado náutico estarão esperando, de acordo com a previsão dos organizadores, a visita de 40 mil pessoas que, atraídas por mais de 200 embarcações e acessórios náuticos, 150 expositores, áreas de alimentação e pelo Espaço dos Desejos, deverão visitar o salão durante seis dias. Entre os estaleiros e representantes, neste ano o salão terá áreas separadas para os nacionais e para os estrangeiros, que apresentarão seus barcos consagrados, as novidades e os lançamentos para o verão brasileiro. A próxima edição a Perfil Náutico traz uma reportagem especial sobre os principais lançamentos da temporada 2012/2013, muitos deles que serão mostrados ao público pela primeira vez no São Paulo Boat Show 2012. S A bordo do Paraty em Foco Paraty (RJ) vai receber dezenas de fotógrafos na oitava edição do Paraty em Foco, evento que acontece entre os dias 26 e 30 de setembro. Para embarcar no festival, a Photo Travel, escola de fotografia de Ary Amarante, em parceria com o Atlantis Enterprise, preparou um passeio especial a bordo de um catamarã de 75 pés que conta com oito suítes privativas e climatizadas. A embarcação, que costuma levar mergulhadores para viagens focadas na atividade debaixo d’água, desta vez vai mudar o roteiro e a fotografia será o tema também no Enterprise, que sediará eventos durante os dias do festival. 20  PERFILNÁUTICO Passeio especial no Atlantis Enterprise PERFILNÁUTICO  21 
  11. 11. ESPECIAL REFENO Recifej Noronha A Refeno é o objetivo de muitos velejadores que colocam e consideram a regata como seu primeiro grande desafio em sua carreira na vela oceânica de cruzeiro. Para tanto, todos esses velejadores prepararam seus veleiros para chegar a Recife para a tão esperada e desejada largada, que nesse ano acontece no dia 13 de outubro. Vindos do sul, do norte ou até mesmo do leste, os desafios podem ser grandes e até se mostrarem muito duros para marinheiros de primeira viagem. Desde encontrar uma boa tripulação até complicados preparativos que surgem a cada instante, conforme vai chegando a data de zarpar do porto. Cada milha percorrida, cada suor gasto durante um perrengue no mar, cada dificuldade durante uma travessia, cada pequeno detalhe vai preparando mais e mais j Antes e durante a Refeno: vela, turismo náutico, cultura regional e muito mais · Por Karen Riecken e Ricardo Amatucci 22  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  23 
  12. 12. ESPECIAL REFENO cada um dos participantes que irão desafiar as 300 milhas náuticas que separam Recife do arquipélago de Fernando de Noronha. Um desafio que todo velejador deve um dia experimentar e sentir a emoção do que realmente é velejar! Uma maneira encontrada para incentivar a complicada e longa navegação até Recife foi a formação de grupos que passaram a se unir na costa sulamericana com veleiros de diversas nacionalidades. A fim de se apoiarem durante a navegação na costa do nordeste brasileiro, que pode ser complicada em alguns pontos, eles aprenderam a contar uns com os outros, criando um ambiente harmônico rico em tripulação e vivenciar essa rotina que pode ser muito rica e proveitosa. Nos últimos cinco anos a Mistralis desenvolveu uma metodologia em que todos os tripulantes a bordo participam e aprendem durante as travessias, sentindo na pele a verdadeira sensação de soltar as amarras e navegar de um ponto ao outro com um objetivo pleno e bem traçado: chegar com o veleiro a Recife para participar então da Refeno. Na edição passada, o Mistralis largou de Recife com uma nova tripulação e seu destino já traçado. Desta vez participando da maior e mais cobiçada regata de cruzeiro do Brasil, cerca de dez tripulantes j troca de experiências e companheirismo. Ao longo do caminho, vindo do sul, por exemplo, o Crucero de la Amistad, que tem sua origem em Buenos Aires, junta-se com o Cruzeiro Costa Leste, que sai do Rio de Janeiro, alcançando a quantidade de mais de 50 veleiros. A viagem que deu origem à Refeno foi feita em 1984 a bordo do Odysseus Castro (de chapéu), o criador da Refeno, e Léo em 1984 Veleiros da Refeno vistos do forte 24  PERFILNÁUTICO Quando chegam a Recife, essas embarcações ancoram no Cabanga Iate Clube ou nos locais próximos ao Marco Zero para prepararem seus veleiros, com água, combustível, alimentos, além de reparos e adaptações necessárias às travessias. No tempo livre, tantos velejadores juntos, de diversas culturas e nacionalidades, animados e ansiosos, transformam tudo numa grande e agradável festa. Quando as fainas mais pesadas a bordo viram uma grande diversão, como lavar roupas e tirar sarro do barco vizinho ou limpar tanques, costurar velas, lavar convés e outras tantas tarefas comuns para quem veleja em veleiros de cruzeiro e vive no mar. Mas também podemos contar com uma mão amiga e companheira quando o assunto é sério. Chega o grande momento, depois de dias de preparação, festas, reuniões, estudos, vistorias, investimentos financeiros e pessoais, é dada a largada em frente ao Marco Zero da cidade de Recife (PE). Com uma plateia belíssima, muita música e aplausos para cada barco que se apresenta, o check-in exigido pela organização mais parece um desfile de corajosos aventureiros que preferiram chegar a Noronha de uma forma mais gratificante para que mereçam toda a beleza que o arquipélago irá oferecer durante os poucos dias que lá passarão. Profissionalmente, alguns veleiros, como o Mistralis, aproveitam o longo caminho desde o Rio de Janeiro até Recife-Noronha para levar alunos e tripulantes que desejam fazer parte de uma verdadeira Praia do Leão, em Noronha, no mar de fora PERFILNÁUTICO  25 
  13. 13. ESPECIAL REFENO os seus horários. Assim deve ter acontecido com os outros veleiros também. As horas seguiram tranquilas e o vento aumentando mais a cada momento e a chegada à ilha foi se aproximando com o cansaço e a ansiedade por um bom banho e terra firme. Houve a famosa aposta de “Quem avistar Noronha primeiro ganha um chocolate!’’ Mas só isso? Acredite, um chocolate no mar pode valer muito! Depois de aproximadamente 44 horas de navegação, o Mistralis foi um dos veleiros a ancorar no limite demarcado pela organização assim como tantos outros que saíram de diversos países “apenas’’ para participar da Refeno. Todos passaram lá cerca de quatro dias, tempo suficiente para conhecer boa parte do arquipélago. Tripulantes do Mistralis participaram ainda do projeto Velejando e Pedalando, que rodou praticamente toda a ilha em quatro dias, mergulhando, fazendo trilhas e pedalando em locais aos quais só se chega desta maneira ou caminhando. A volta foi realizada direto para Recife, onde reencontraram outros velejadores que seguiram viagem para o sul, parando em belos locais, como Abrolhos e Caravelas. Outros, saindo de Noronha, seguiram para o norte participando da regata Noronha-Natal, com planos de seguir até o Caribe e assim seguem os cruzeiristas da vela oceânica, aguardando janelas de vento e preparando seus veleiros para ficarem o mais pronto possível para suas próximas jornadas. j Veleiros como o Mistralis aproveitam o longo caminho desde o Rio de Janeiro até Recife a bordo dos 52 pés de aço passaram aproximadamente 48 horas navegando e aguardando ansiosamente avistar no horizonte os primeiros sinais do belo arquipélago de Fernando de Noronha. A bordo do Mistralis, nas primeiras horas da noite, já era possível ver muitas luzes de navegação, o jantar já foi feito, macarrão, com alguma coisa fácil de misturar com o balanço do barco. Suco nunca falta a bordo e muito papo na troca de turno que acontece de duas em duas horas. É sempre assim, nas primeiras horas, todos ficam no convés. Demora um pouco para os tripulantes descansarem em seus devidos horários, por conta da ansiedade. Inicialmente, como ventava pouco, o balão assimétrico foi alçado por ordem do 26  PERFILNÁUTICO comandante. Conforme o vento foi aumentando e ao cair da noite, subiram a genoa 2 e rizaram a mezena; foi o suficiente para cansarem um pouco a tripulação. A partir daí, o pessoal foi se organizando e tomando Velejadores de diversas culturas e nacionalidades transformam tudo numa grande e agradável festa Festa de premiação da edição de 2011 da Refeno PERFILNÁUTICO  27 
  14. 14. ESPECIAL REFENO veleiros. Este ano a Refeno completa sua 24ª edição. Hoje são mais de cem veleiros todos os anos. O Cabanga Iate Clube, que recebe os participantes de braços abertos, fica lotado com muitos veleiros e catamarãs amarrados lado a lado. Um nó. Para sair em direção à largada, a movimentação começa – acredite – por volta das quatro e meia da manhã. Alguns preferem já ficar no Pernambuco Iate Clube, o PIC, que fica mais próximo da linha de largada e com menos veleiros, para evitar estresse no dia da partida. A travessia até Fernando de Noronha é praticamente inteira com vento de lado (través de bombordo). Normalmente basta ajustar as velas e esperar Noronha aparecer na proa. Uma dica para a chegada é passar bem próximo à ilha, aproveitando as rajadas de vento que descem a encosta (vento catabático). Quando isso acontece, ele acelera e pode fazer a diferença entre ganhar ou perder a regata. Ficar atento ao local do barco do júri, que deve ser deixado por bombordo, também é importante. O entusiasmo com a chegada após muitas horas de navegação facilita perdê-lo de vista e isso pode significar fazer um ou dois bordos a mais na chegada. Antes de cruzar a linha final, é recomendável contatar a Comissão de Regatas e avisar que está prestes chegar, confirmando o nome do veleiro e o horário. Isso facilita a organização e impede algum engano quanto à posição final da embarcação. j No caminho para a Refeno, pausas para a natureza Refeno chega a sua 24ª edição A viagem que deu origem à Regata Recife-Fernando de Noronha, a Refeno, foi feita em 1984 a bordo do Odysseus. Tripulavam o veleiro Maurício Castro, Leonardo Veras e seu filho, Léo, Torreão e um marinheiro do Cabanga, Abdias. No ano seguinte, 1985, Maurício Castro, resolveu promover com alguns amigos um cruzeiro com destino à ilha, desta vez com seis barcos. Em um deles, o Kalahari, estava presente o jornalista João Lara Mesquita. Esse cruzeiro ganhou o nome de Cruzfafeno ou Cruzeiro em Flotilha ao Arquipélago de Fernando de Noronha. Em 27 de setembro de 1986, foi realizada a primeira regata, agora com o nome que marcaria sua história, 28  PERFILNÁUTICO Refeno, tendo sido dada a largada em frente ao Recife Palace Hotel, na praia de Boa Viagem. Organizada por Maurício Castro, então diretor de vela do Iate Clube do Recife, a competição contou com a participação de 25 Em 27 de setembro de 1986 foi realizada a primeira regata com o nome Refeno j Ponto de desembarque em Noronha PERFILNÁUTICO  29 
  15. 15. ESPECIAL REFENO Nem só de vela vive a Refeno Chegar até Recife para participar da regata já é uma aventura emocionante, recheada de cultura e pontos turísticos. Veleiros vêm de todos os cantos do Brasil e se encontram para seguir até Fernando de Noronha, com tempo para que os tripulantes saiam por terra para conhecer e viver alguns dos muitos atrativos de cada região Por Ricardo Amatucci S e chegar a Fernando de Noronha pelo mar já é uma experiência deslumbrante, a viagem até Recife para participar da Refeno é diversão garantida. Para a maioria que vem do sul do país, de veleiro ou mesmo de carro, uma típica viagem passa por muitas cidades interessantes. Algumas são grandes centros, outras pequenas e pitorescas. Nesse roteiro, quase todas estão na orla e são polos náuticos importantes. lá, porém, é preciso passar pelo temido Cabo de São Tomé. Esse local é extenso e raso, cheio de bancos de areia e onde a costa faz uma curva abrupta. Por lá passa uma corrente marítima que vem do norte, contra o sentido no qual se deseja ir. O mar, vindo de águas mais profundas logo ao lado, chega a este local raso e se houver um vento forte ele cresce e as ondas ficam muito altas numa região muito rasa. Um perigo para o navegador. Em Vitória, o iate clube é acolhedor e a parada permite reparos, abastecimento de água Do sul ao nordeste pela costa do Brasil De Florianópolis a Recife, cada parada tem suas atrações com produtos típicos: artesanato, bebidas, gastronomia, além de lugares e paisagens que mexem com nossos sentidos. Mercados de peixe e especiarias, arquitetura histórica e praias com paisagens deslumbrantes. Todas são boas opções para quem tem tempo para gastar e quer conhecer cidades cheias de opções de lazer. Para quem vem pelo mar, depois de Cabo Frio e Búzios, a parada é em Vitória, no Espírito Santo, com sua localização estratégica antes do sul da Bahia, onde um descanso é quase obrigatório. Para chegar 30  PERFILNÁUTICO Atobás em Abrolhos Farol de Abrolhos, no estado da Bahia e diesel além da reorganização do veleiro. Próximo ao clube há lavanderias, supermercado e até um shopping center. Um passeio interessante em Vitória é o Convento da Penha. Um dos mais antigos do Brasil, foi fundado em 1558 e fica no alto de um penhasco rodeado por mata atlântica. Saindo do Iate Clube do Espírito Santo, muitos velejadores aproveitam para conhecer o Arquipélago dos Abrolhos. Situado entre Vitória e a próxima parada já no sul da Bahia (que pode ser em Camamu ou em Ilhéus), é lá que fica o Parque Nacional Marinho dos Abrolhos, com seus ninhais de atobás e o radiofarol, sob o comando da Marinha do Brasil. Na época da subida para a Refeno, entre julho e agosto, é a época de reprodução e amamentação das baleias jubarte. Elas aparecem desde o norte de Vitória até a Baía de Todos os Santos. Um espetáculo da natureza ao alcance de qualquer turista, mesmo para quem não veleja: da cidade de Caravelas, saem barcos para a observação, fotografia e até para mergulho autônomo em Abrolhos. Chegando a Salvador Há muitas opções de marinas na capital baiana. As mais comuns são no Terminal Náutico da Bahia (Tenab) por sua localização estratégica, bem na entrada da baía, ou no Aratu Iate Clube, mais afastado, mas a melhor j O clima especial da Refeno começa bem antes de se chegar a Recife PERFILNÁUTICO  31 
  16. 16. ESPECIAL REFENO Recife A chegada à capital pernambucana merece passeios demorados H istórica, seu centro com museus e prédios próximos da zona portuária proporciona passeios a pé. O museu-oficina do artista Francisco Brennand, cujas obras decoram o Marco Zero (local de partida da Refeno), é uma visita obrigatória. Em 1971, o artista começou a reconstruir uma velha cerâmica fundada pelo seu pai em 1917. As ruínas deram início a um colossal projeto de esculturas cerâmicas que durou mais de 34 anos de trabalho. Somadas ao acervo de obras de arte e coleções de armas e apetrechos antigos, hoje nos permitem um dia inteiro de visita, respirando arte. Ainda no Recife, a visita à Casa da Cultura é outra excelente opção de passeio. São mais de 200 lojas de artesanato oriundo de mais de 150 municípios de Pernambuco: rendas, redes, algodão, madeira, figuras de cerâmica do Mestre Vitalino, bonecas de pano, imagens sacras e muito mais. O pitoresco é que o local foi construído como uma cadeia de Pernambuco em 1867. As celas estão distribuídas em três andares, com escadaria, pisos, grades, paredes originais, e hoje cada uma delas abriga uma loja. Uma das celas está conservada para visitação, inclusive com as inscrições dos encarcerados. Estando por lá, não deixe de j Obras de Francisco Brennand no Parque das Esculturas em Recife opção para quem quer deixar o veleiro por lá e voltar para sua cidade, retornando mais tarde para a Refeno. O Tenab localiza-se em frente ao Mercado Modelo e atrás dele fica o Elevador Lacerda, porta de entrada para o Pelourinho. Ou seja, enquanto o veleiro estiver por lá, os passeios são feitos a pé com facilidade. O Mercado Modelo possui muitas lojas com artesanatos e lembranças, mais baratos que nas lojas no Pelourinho. Já as ladeiras históricas do Pelô – como é carinhosamente chamado pelos baianos – são charmosas e levam a igrejas centenárias cuja visita é imprescindível. Por lá o almoço é no Restaurante do Senac, com comida típica de primeira, confiável, em self-service. Um verdadeiro showroom da culinária local com qualidade cinco estrelas e preços módicos. Da Bahia, o roteiro segue direto para Maceió e de 32  PERFILNÁUTICO lá para Recife, as pernas mais longas desse trajeto. Cada uma das paradas dessa viagem oferece passeios pitorescos, nas cidades ou praias, e com uma grande variedade de bares, lojas, restaurantes e até “baladas” para os mais animados. Nas grandes cidades, a atração são os pontos históricos, como museus, igrejas e conventos. Nos lugarejos, as ruas de terra, sossego e a população alegre e receptiva. A gastronomia é um prazer à parte nesse roteiro. Seja nas moquecas capixabas ou baianas, seja ainda nas lagostas do sul da Bahia, o prazer na hora de conhecer os diferentes sabores é intenso. Picolés e caipirinhas de frutas pouco conhecidas mais ao sul, como umbu, cupuaçu e cacau são inesquecíveis. E tudo a preços convidativos principalmente para quem vem da região centro-oeste onde tudo é mais caro. j Casa da Cultura em Recife, onde antigamente funcionava um presídio PERFILNÁUTICO  33 
  17. 17. ESPECIAL REFENO visitar dois locais. O primeiro, a loja do artista de cordel Severino Borges, que produz xilogravuras utilizadas na produção de camisetas, bolsas, azulejos decorativos, entre outras peças originais e únicas. E, o segundo, o restaurante Maria Bonita. No segundo piso, é lá que você deve almoçar. Na verdade é quase um boteco, com poucas mesas espremidas numa das antigas celas, com suas toalhas de plástico e cozinha minúscula, mas com uma comida regional absolutamente divina. Peça um ossobuco chamado regionalmente de Chambaril. Um achado. Olinda é uma das cidades mais antigas do Brasil e por lá podemos respirar história e cultura Uma das famosas ladeiras por onde passa o carnaval Olinda Bem ao lado de Recife, suficiente para ir de táxi Recife ao fundo, vista de Olinda 34  PERFILNÁUTICO A s casas, igrejas e ladeiras históricas de Olinda formam um conjunto arquitetônico colonial declarado Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade pela Unesco, em 1982. É uma das cidades mais antigas do Brasil e por lá podemos respirar história e cultura. Olinda passou por uma invasão holandesa, e já foi capital de Pernambuco, numa época que suas casas assobradadas tinham dobradiças de bronze e as igrejas chaves de ouro e dobradiças de prata nas portas. Hoje é famosa pelo carnaval com os famosos bonecos de Olinda, o frevo e o maracatu. E também pelas lojas e pelo artesanato. Muitos artistas têm seus ateliês por lá, que somados às pousadas e repúblicas estudantis emprestam ao centro velho um charme especial e boêmio. A visita também deve ser demorada e incluir os conventos, igrejas e museus, como o Museu de Arte Contemporânea que abriga um acervo com os j PERFILNÁUTICO  35 
  18. 18. ESPECIAL REFENO Fernando de Noronha O destino final não poderia ser melhor C hegar a Noronha acompanhado de golfinhos saltando na proa do veleiro é uma situação comum. Avistar a ilha principal após 50 horas de navegação é uma sensação de estar chegando ao paraíso. E acredite: é mesmo. Independente da posição na regata, do primeiro ao último lugar, todas as tripulações ficam maravilhadas com Noronha. Mesmo na quinta ou sexta vez que se chega, é sempre como se fosse a primeira. Natureza deslumbrante com praias, penhascos, pássaros, golfinhos e paisagens de tirar o fôlego uma após outra. j Abençoada pela natureza, Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade principais nomes das artes plásticas do século 19. Para almoçar, vá ao charmoso – e famoso – restaurante Oficina do Sabor, que fica no alto de Olinda. Especializado nos gerimuns (um tipo de abóbora) recheados com os mais diversos sabores, o cardápio também traz diversas opções de frutos do mar. Reserve com antecedência um lugar na varanda com vista para Recife. Ali são apenas três mesas. Comece degustando uma caipirinha de frutas vermelhas ou de pitanga. Depois experimente o gerimum recheado com lagostim ao molho de manga com arroz de coco. Inesquecível. 36  PERFILNÁUTICO Avistar a ilha principal após 50 horas de navegação é uma sensação de estar chegando ao paraíso j Natureza deslumbrante de tirar o fôlego PERFILNÁUTICO  37 
  19. 19. ESPECIAL REFENO Ancorar em Noronha exige alguns cuidados Como a área é restrita e demarcada pelo ICMBio, você vai ter vizinhos perto necessariamente. Manter uma boa distância ente os veleiros é importante. Com o fundo de pedras, a âncora pode arrastar. Por isso certifique-se de estar bem ancorado. A profundidade média no local é de 15 metros, portanto você deve ter de três a seis vezes essa medida preferencialmente de corrente. Previna-se. É comum as tripulações se acomodarem em pousadas para a permanência na ilha, que em geral é de quatro dias. Isso é tempo suficiente para conhecer Noronha e não perder tempo dormindo até tarde. Durante a Refeno a ocupação na ilha é intensa com mais de cem embarcações com uma média de seis a oito pessoas a bordo, mais os que vão de avião encontrar amigos e parentes que chegam de veleiro. Essa imensa massa faz com que as pousadas fiquem lotadas, por isso é bastante aconselhável fazer sua reserva antecipadamente. Estadia e transporte Nos anos 80 o governo financiou a compra de casas pré-fabricadas de madeira para que os ilhéus pudessem abrir pousadas. Por isso a maioria delas é bem simples e parecida nas acomodações. Elas são classificadas em um, dois ou três golfinhos, de acordo com sua categoria, embora entre um e dois golfinhos não exista uma diferença significativa. As pousadas que ficam no bairro Vila do Trinta costumam ter preços mais acessíveis que as mais próximas de alguma praia ou do centro histórico. Outra dica é reservar também com antecedência um buggy para os passeios. Você pode alugar e dividir com mais três amigos. Sem isso você perde muito tempo e deixa de conhecer locais mais afastados. Táxis ou transportes coletivos são caros e demoram em se achar. Normalmente as pousadas conhecem e indicam quem aluga um buggy, mas lembre de ficar com o celular do dono para qualquer emergência. É comum não haver macaco nem estepe nos veículos. Combine para que o proprietário te encontre com o carro na praia logo na chegada e de deixá-lo lá também na saída. Isso é bem comum e facilita a vida de quem vem pelo mar. Se chegar de avião, vale o mesmo para o aeroporto. j Durante a Refeno a ocupação na ilha é intensa: mais de cem embarcações com média de seis a oito pessoas a bordo Noronha recebe de braços abertos os veleiros da Refeno 38  PERFILNÁUTICO Mergulhos em águas cristalinas PERFILNÁUTICO  39 
  20. 20. ESPECIAL REFENO Programas obrigatórios Visitar e curtir as praias, assistir a uma palestra do Ibama sobre as tartarugas, fazer snorkel nas águas límpidas, visitar as ruínas e prédios históricos e por fim ver o pôr do sol no forte do Boldró, de onde se avista o sol caindo atrás do Morro Dois Irmãos. Todo mundo que vai a Noronha tem essa foto e ninguém pode ficar sem ela. Centenas de pessoas se reúnem todas as tardes para ver o sol cair. Por isso chegue cedo e pegue seu lugar. Certamente você vai acabar fazendo tudo isso sem problemas porque são os programas mais famosos por Centenas de pessoas se reúnem todas as tardes para ver o pôr do sol. Chegue cedo e garanta um bom lugar De qualquer ângulo, um lugar para não esquecer jamais Pôr do sol em Noronha, imagem obrigatória 40  PERFILNÁUTICO lá. Mas reserve tempo para outros, menos badalados, tão inesquecíveis quanto. Um deles é o passeio dos golfinhos. Barcos de passeio saem para avistamento de bandos de mais de 150 golfinhos nadando e pulando à sua volta. É impressionante. Na entrada da Cacimba do Padre, próximo ao famoso Morro Dois Irmãos, há uma barraca onde você pode – e deve – comer um peixe assado na folha de bananeira feito na hora. Gastronomia Um dos mais famosos (e caros) restaurantes da ilha é o da Pousada do Zé Maria, com boa comida. Menos afamado e com direito a lagostas graúdas e preços mais acessíveis é o restaurante Ekológicus. Mas o passeio por Noronha deve passar obrigatoriamente pelo restaurante Tubalhau, perto do porto. Lá, Leonardo Veras, conhecido como o Léo do Tubalhau, vai j PERFILNÁUTICO  41 
  21. 21. ESPECIAL REFENO recebê-lo muito bem e contar a história da Refeno. Ele começou com ela. Em 1984 tinha 18 anos e estava se preparando para prestar o vestibular. Optou por interromper os estudos e velejar para Noronha com seu pai e Maurício Castro. Acabou ficando por Noronha. Terminou os estudos e abriu um restaurante Pousadas na Vila do Trinta têm preços mais acessíveis que as mais próximas de alguma praia ou do centro histórico especializado em carne de cação tratada à moda de bacalhau e nunca mais voltou. Experimente o bolinho de tubalhau e a tubalhoada. Se fechar os olhos, vai jurar que é bacalhau. S Serviços Se for a Noronha de avião, pague antecipadamente a taxa de preservação ambiental (TPA). Você pode gerar o boleto pela internet no site www.noronha.pe.gov.br. Caso contrário, pagará uma taxa extra na saída (tem que apresentar o boleto antes do embarque). O mesmo site traz os telefones de todas as pousadas de Noronha. Quando sair para passear, leve uma mochila com bastante água, protetor solar e boné. O calor é intenso nessa época. Reserve duas ou três camisetas e bermudas para usar e jogar fora. O pó da terra vermelha das estradinhas em Noronha no buggy aberto mancha a roupa. Ao deixar o buggy parado, levante os bancos para a frente. Isso evita o acúmulo de poeira de dia e de sereno durante a madrugada. Passeios de barco por Noronha são obrigatórios 42  PERFILNÁUTICO 1 43  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO 
  22. 22. O Ministério da Saúde convida você, profissional de saúde, a participar de um curso de atualização do manejo clínico da dengue. O curso é totalmente online e pode ser concluído em apenas uma hora, até mesmo nos horários mais convenientes. São recomendações e informações essenciais para o aprimoramento da assistência ao paciente com dengue, através da análise de casos selecionados. Acesse combatadengue.com.br e participe. Juntos somos mais fortes nesta luta. Acesso universal como visitante • Possibilidade de compartilhar suas experiências nas redes sociais • Compatível com plataformas móveis como iPad e iPhone • App de apoio para Android • Aprofundamento do assunto através dos links. O SUS está com você no combate à dengue. www.combatadengue.com.br 44  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  45 
  23. 23. Capa ÁREA Íntima Seusegu ndolar O andar de baixo, que comporta as áreas de descanso vez maior dos estaleiros, que tentam fazer das cabines 46   PERFILNÁUTICO 46 PERFILNÁUTICO dos barcos, tem se tornado uma prioridade cada verdadeiras casas em alto-mar Por Amanda Kasecker PERFILNÁUTICO  PERFILNÁUTICO  47   47
  24. 24. Capa ÁREA íntima V De 20 a 29 pés Soluções inteligentes, como a geladeira na cabine da Ventura 215 inte, trinta, cinquenta, oitenta pés. O tamanho não importa. Do menor ao maior barco, uma das tendências que vêm surgindo mais fortes a cada dia é a de priorizar não apenas a área de lazer, mas também a área de descanso. Tornar a lancha o seu segundo lar. Para isso, o andar de baixo das embarcações vem sendo cada vez mais bem pensado e alguns projetos levam muito tempo para chegar ao que cada estaleiro considera como o ideal. Conforto, aproveitamento de espaço, praticidade e beleza. Ao pesquisar a “fórmula“ que cada estaleiro utiliza em sua lancha, vemos que esses são os elementos prioritários. 48  PERFILNÁUTICO Aproveitamento de espaço na Ventura 265 Nos barcos menores, de 20 a 30 pés, a criatividade acaba sendo um elemento bastante importante também, já que o espaço é bastante reduzido. Já nos barcos acima de 80 pés, vemos cabines luxuosas, com espaços muitas vezes maiores do que o de vários apartamentos, e ainda cozinhas completas e equipadas com todos os eletrodomésticos e até espaço para lavanderia. No fim, vale tudo para conseguir o glamour e o conforto que os clientes – e seus bolsos – esperam encontrar. Tânia Ortega, proprietária da Tutto a Bordo, empresa especializada em decoração e design de interiores de iates, conta que a ideia é trazer uma continuação da casa do cliente para o mar. “Na realidade fazemos uma casinha em alto-mar com todo o conforto necessário, ou seja, uma continuidade da casa de cada cliente é levada para a embarcação.” Tânia ainda explica que atualmente busca inspiração em feiras internacionais do setor, onde conhece tendências atuais da área e resgata novas formas de se O estaleiro Ventura possui dois barcos nesta categoria que merecem destaque. A V215, com 21,5 pés, não chega a ter um andar de baixo propriamente dito, mas uma cabine que cumpre este mesmo papel. Segundo o estaleiro, a V215 Cabin Comfort foi projetada pensando na praticidade de um barco bem pequeno possuir banheiro e uma cabine ventilada e iluminada. Neste caso, o papel do estaleiro foi tentar dar mais praticidade e conforto para um possível pernoite no barco. Para este fim, os projetistas da Ventura colocaram uma cama de casal, que é adaptada em cima do vaso sanitário. A “suíte” é uma solução prática e bem pensada. Além disso, apesar de o projeto ser fixo e não permitir mudanças, o barco possibilita a instalação de acessórios como TV, DVD e aparelho de som para deixar a cabine ainda mais confortável. Um pouco maior, a V265 Cabin Comfort, de 26,5 pés, também do estaleiro Ventura, foi projetada para ser o barco mais funcional da categoria, segundo a descrição. Com capacidade para 11 pessoas para passeio, a lancha comporta duas pessoas para pernoite. Com 13 metros quadrados, a cabine conta com um sofá que vira cama de casal, banheiro com porta, pia e lixeira integrada. Para dar uma sensação de maior amplitude, o truque foi dar boa ventilação e iluminação natural. O cliente que quiser também consegue incrementar a V265 com opcionais como TV, aparelho de som, geladeira e micro-ondas. Dentre os materiais que compõem a cabine estão acrílico e inox. A italiana Sessa Marine acredita que um projeto de sucesso precisa levar em consideração vários pontos como conforto, acomodar o maior número de pessoas Em barcos menores, abaixo de 30 pés, com o bom aproveitamento dos espaços, as cabines podem ser confortáveis transformar um barco em um lar, buscando materiais e ideias diferenciadas, para levar cada vez mais luxo e conforto para o mar. Para 2012, ela indica que a grande tendência em decoração de iates é a ousadia dos materiais, desde que adequados para alto-mar. “O céu é o limite: cada barco e cada cliente têm histórias completamente diferentes, e nosso maior objetivo é fazer de seu barco seu segundo lar.” Abaixo separamos para você, leitor, diversos barcos dos mais renomados estaleiros por tamanho. Em cada modelo, mostramos quais as prioridades e quais as soluções encontradas para deixar o convés inferior de cada lancha como se fosse sua própria casa. e estética. “Desde sempre, dedicamos grande atenção ao design, que vemos como um sinal distintivo de cada produto e parte de nossa filosofia”, afirma Massimo Radice, responsável pelo projeto de implantação do estaleiro no Brasil. “A atenção ao detalhe, a busca pelo conforto, a escolha dos materiais, a definição das cores e das texturas tornaram-se códigos distintivos da Sessa Marine.” Ainda de acordo com Radice, o processo para definição do design das embarcações da Sessa é bastante rigoroso, podendo durar até 15 meses. “Todos os barcos são planejados e desenhados em 3D pela equipe do renomado arquiteto Christian Grande, que gerencia j PERFILNÁUTICO  49 
  25. 25. Capa ÁREA íntima todo o processo de criação. Todos os ambientes são trabalhados com a técnica domock up, que simula os ambientes. Toda a cadeia de fornecedores está diretamente envolvida na busca das melhores soluções e no desenvolvimento dos materiais mais adequados e resistentes.” Dentro deste padrão de qualidade, nesta categoria o estaleiro se sobressai com a sua linha Sport Open destaca a Key Largo 28 Sole. O modelo de 8,65 metros possui design arrojado e tem agradado muito ao público brasileiro. Mesmo sendo um barco de pequeno porte, a KL 28 Sole consegue ter cabines amplas e confortáveis. “Assim como as caminhonetes utilitárias esportivas SUV revolucionaram o mercado dos carros 4x4, aliando Acima dos 30 pés, as cabines dos barcos já permitem mais privacidade, inclusive com banheiro a aventura das trilhas ao conforto e estilo dos carros mais sofisticados, queremos inserir um novo conceito no mercado de lanchas esportivas: a deck boat com Banheiro privativo na Phantom 300 proa plana e cabine”, afirma Massimo Radice. “Produto que já atingiu grande sucesso na Europa nos anos anteriores.” Neste barco, a Sessa investiu em um acabamento luxuoso, de linhas modernas. O piso é de teca, já os móveis levam acabamento especial, com madeira do rovere italiano, com estofados produzidos com materiais importados. O espaço aberto que caracteriza este barco ganha ainda mais sofisticação com a cabine, equipada de fábrica com refrigerador de 40 litros e banheiro reservado com lavabo. De 30 a 39 pés Cabine da Key Largo 28 50  PERFILNÁUTICO O espanhol Astondoa aparece nesta categoria com duas embarcações: a Faeton 300 Fly Hybrid e a 380 HT. Segundo o estaleiro, “em cada embarcação Astondoa se combinam tecnologia, funcionalidade, beleza e, o mais importante, qualidade”. Para eles, o segredo para se obter um bom produto final é a união de “artesãos experientes, tecnologia de ponta e uma seleção cuidadosa dos materiais”. No convés inferior do modelo 300 Fly, que contém duas cabines e um banheiro, é possível perceber com facilidade o cuidado com que tudo foi projetado. Em uma das cabines, por exemplo, a cabeceira da cama é revestida com tecido; o teto é revestido de couro e a estrutura da cama é de madeira. As paredes são de fibra de vidro e o mobiliário de madeira, assim como o piso. Para dar mais funcionalidade e praticidade, os principais objetivos dos andares de baixo dos barcos nesta categoria, o estaleiro ainda projetou a lancha para que fosse possível ter duas opções de acomodação: duas camas de solteiro que se convertem em uma cama de casal. Outros diferenciais são as luzes incandescentes de leitura direcionáveis na cabeceira da cama e a gaveta na barra da cama para acomodar bagagens.j PERFILNÁUTICO  51 
  26. 26. duas camas de solteiro que se transformam em cama de casal. Com bom espaço de circulação e um pé-direito de 1,98 m de altura, os dormitórios garantem o conforto. Outro barco da Ventura aparece nesta categoria: a V315 Premium, embarcação de 33 pés, lançada em 2011. Mesa que vira cama, targa invertida e cozinha completa são apenas algumas das novidades deste barco, que inicia a linha de produtos de luxo do estaleiro. O barco foi desenvolvido seguindo as tendências mundiais que trazem um novo conceito de embarcações. A V315 Premium, traz a preocupação com o design. “Nesse barco oferecemos ainda mais conforto aos navegantes sem deixar de lado nossos maiores diferenciais: navegabilidade e desempenho”, destaca Marco Garcia, gerente-comercial do estaleiro. Um dos pontos de destaque da V315 é o espaço da cabine, com um total de 25 metros quadrados Capa ÁREA íntima e o maior pé-direito da categoria, segundo o estaleiro: 1,90 m. Os sofás da proa transformam-se em uma ampla cama de casal, com 1,70 x 2,00 m. Já a cama à meia-nau mede 1,90 x 1,38 m. A mesa de jantar é rebatível e vira uma cama que acomoda confortavelmente uma criança. Eletrônicos opcionais como TV, DVD e aparelho de som compõem o kit da cabine, que possui ainda cozinha com pia e entrada para geladeira, adega, micro-ondas e fogão. Todas as cabines, até mesmo a suíte à meia-nau, são equipadas com armários de madeira. O projeto permite alteração nas cores de estofamentos e madeiras, ajustando-se ao gosto do cliente. “É um projeto bastante funcional”, explica Garcia. “Todos os espaços foram pensados minuciosamente para proporcionar ao cliente conforto e praticidade.” j Iluminação natural na Ventura 315 Detalhes de acabamento, funcionalidade e praticidade fazem a diferença quando o espaço é limitado A cabine de hóspedes não fica por menos. Também são utilizados materiais como couro e madeira na cama de casal. Além das luzes de leitura, esta cabine também vem com armário com cabideiro e bancada de apoio. No banheiro, o maior destaque fica por conta do box dobrável para banho em duas lâminas de acrílico e acabamentos de aço inox. Com pouco mais de 11 metros de comprimento total, a Faeton 380 HT será a primeira embarcação da Astondoa a ser produzida no Brasil, na fábrica que o estaleiro está instalando em Santa Catarina. Devidamente adaptada ao gosto do brasileiro, possui um diferencial que chama a atenção: a excelente utilização dos espaços. 52  PERFILNÁUTICO Resultado de um projeto premiado em Gênova, Itália, como “melhor mini-iate em utilização de área útil”, a 380 HT possui bastante espaço no andar de baixo, tendo capacidade para oito pessoas pernoitarem. A cozinha fica junto a uma sala de jantar localizada no convés inferior. Bem iluminada, ventilada e climatizada. Conta com uma grande geladeira duplex, forno micro-ondas, fogão e demais equipamentos embutidos nos armários. A sala de jantar, que possui um grande sofá em U revestido com couro, pode ser configurada para pernoite e acomoda até duas pessoas. Na embarcação são dois camarotes privativos, um localizado na proa e outro à meia-nau. Ambos possuem Uma boa cama de casal na Faeton 330 Fly PERFILNÁUTICO  53 
  27. 27. Capa ÁREA íntima Outro destaque desta categoria é a Phantom 300, considerada o maior sucesso comercial da Schaefer Yachts, com mais de 1,2 mil unidades vendidas. Com pédireito na cabine de 1,80 m, o luxo – marca registrada da Schaefer Yachts – permeia todo o projeto. “Tudo foi pensado para oferecer o máximo de conforto, potência e navegabilidade para uma embarcação deste perfil”, explica Márcio Schaefer, proprietário da empresa e projetista dos barcos da Schaefer. Neste barco, Schaefer projetou uma cama de casal na cabine, além de um sofá-cama que pode ser transformado em outra cama para duas pessoas. A Phantom 300 pode ser equipada com motores entre 240 e 380 HP e possui tanque de 300 litros. De 40 pés para cima, os barcos já começam a ganhar o clima de uma casa, com direito a receber convidados com muito conforto De 40 a 49 pés Com mais de 30 anos de experiência projetando e construindo iates, o estaleiro Aqua Yachts apresenta Fino acabamento da Intermarine 42 Cuidado nos detalhes da Aqua 400 HT 54  PERFILNÁUTICO nesta categoria a Acqua 400 HT. A lancha foi eleita a melhor de 38 a 40 pés, no Rio Boat Show. Segundo Paulo Roberto Leite, diretor-industrial da Aqua Yachts, um dos motivos pelo prêmio foi o aproveitamento da cabine interna, que foi concebida após longas pesquisas de mercado junto aos usuários. “Partindo destas informações, a equipe de projetos da Aqua Yachts incorporou um novo conceito de interior, com inovações que certamente atendem às necessidades dos clientes no Brasil.” A amplitude da cabine, grande preocupação dos estaleiros, é possível graças a um conjunto de fatores: o salão com 2,10 m de pé-direito e com iluminação natural a partir de uma ampla claraboia no teto, porta mais larga, vigias laterais e dois vidros laterais blindados, com um metro quadrado de área. No entanto, Leite destaca como a maior sacada do projeto a integração total entre salão, cozinha e cabine de proa que, por meio de painéis deslizantes e acionadores hidráulicos, transforma este grande salão com um sofá para oito pessoas em dois ambientes. Ou seja, trata-se de uma cabine reversível, transformando parte da sala de estar em um quarto, contando com um sofá que se ergue automaticamente para completar a cama e uma divisória completamente embutida. A solução otimiza bastante o espaço útil da embarcação e adapta-se aos diversos perfis de usuários. “Nele temos a cabine de proa com cama queen size, TV de 32 polegadas, ar-condicionado com comando independente de 16.000 BTUs, 1.200 litros de espaço em armários, pé-direito de 1,90 m e além disso, um salão com sofá para quatro pessoas, mesa de centro, cozinha com micro-ondas, geladeira, pia com água quente e fria, adega, cafeteira Nespresso, ampla bancada de trabalho, com gavetas e 500 litros de espaço em armários, todos com iluminação automática, forração antirruídos e amortecedores hidráulicos bidirecionais para impedir vibrações durante a navegação”, explica Leite. j PERFILNÁUTICO  55 
  28. 28. Capa ÁREA íntima Pé-direito elevado na Sessa C40 Continuando a lista de atrativos citada pelo diretorindustrial, a lancha ainda possui um amplo banheiro com box equipado com coluna de spa, contendo seis duchas direcionais, vaso elétrico totalmente embutido e 300 litros em armários. A suíte de meia-nau tem pé-direito de 2,00 m, uma cama queen size, ar-condicionado de 6.000 BTUs com comando independente, TV de 22 polegadas, com Blue Ray, banheiro com coluna de spa, vaso sanitário elétrico embutido e um espaço totalmente dedicado às mulheres, chamado Aqua Ella, com bancada, espelhos, amplos armários e secador de cabelo embutido. Outra grande inovação no interior da Aqua 400 HT são as portas dos banheiros e cabines, dotadas de molas hidráulicas inteligentes, que podem permanecer abertas em três posições e fecham automaticamente quando a lancha entra em movimento, amortecendo qualquer vibração durante a navegação. 56  PERFILNÁUTICO A vontade de fazer o melhor também esteve presente no estaleiro Sessa Marine ao criar a C40. “Este projeto surgiu de um desejo de criar um novo best-seller”, diz Massimo Radice, responsável pelo projeto de implantação da Sessa no Brasil. “A C40 trouxe para o mercado brasileiro a melhor relação entre custo e benefício, em uma embarcação que não faz concessões e que vem se destacando em termos de qualidade, estilo e design.” Um dos pontos-chave desse barco para conquistar o cliente é a otimização do espaço interno que lhe permite ter uma das maiores casas de banho em sua classe. Outro importante diferencial é que o barco possui uma cabine principal independente, além de uma cabine de popa com duas camas de solteiro que facilmente se transformam em uma cama de casal. O acabamento interno é todo feito com madeira no melhor estilo italiano. A cozinha completa também é destaque no projeto, composta por minibar, balcão de apoio, prateleiras e fogão. Cabine de convidados da Sessa 45 Fly Cada estaleiro tem AS suas fórmulas para agradar ao cliente, uma delas é deixar a cabine ao gosto do proprietário A iluminação é outro ponto forte na embarcação. A estrutura linear dá importância à luz, através dos painéis de vidro com grandes dimensões. A ótima iluminação natural estende-se por todo o barco, inclusive no banheiro e nos dois camarotes. Um pouco maior, com 45 pés, a Sessa 45 Fly destaca-se por ter sido a primeira embarcação deste tamanho com três cabines. “A Fly 45 é um desses projetos que parecem simples, até mesmo óbvios. Mas, quando se olha para o produto finalizado (um iate espaçoso, iluminado, confortável, que consegue reunir necessidades geralmente conflitantes), revela-se, na verdade, um design altamente complexo.” Para conseguir montar as três cabines com um bom tamanho, o estaleiro decidiu levar a cozinha para o deque superior. Desta maneira, todas as cabines são equipadas com camas de casal e têm à disposição dois banheiros com chuveiros individuais abaixo do deque. Com quase 45 pés, a Intermarine apresenta a Intermarine 42. Segundo o estaleiro, é a menor embarcação da nova linha, mas traz todas as qualidades encontradas nos modelos maiores. O interior do barco é assinado por Karol de Paula, uma talentosa designer de interiores com longa experiência no mercado náutico. A nova 42 é fruto da experiência do estaleiro e reúne não apenas tendências em design, mas j PERFILNÁUTICO  57 
  29. 29. Capa ÁREA íntima também soluções desenvolvidas pela Intermarine que resultaram em vários ambientes confortáveis, práticos, requintados e muito luminosos. As amplas janelas proporcionam máxima iluminação natural e uma vista privilegiada do mar em todos os ambientes. Com 13,7 m de comprimento total, a 42 acomoda quatro pessoas para pernoite, mais um tripulante, se o proprietário preferir uma cabine de marinheiro opcional no lugar de um paiol na popa. Localizada no deque inferior, a bombordo (à esquerda), a cozinha da 42 é prática e muito arejada. Possui geladeira de 240 litros, cooktop de duas bocas, pia, bancada de trabalho, diversos armários e gavetas e é iluminada pelas amplas janelas do salão e do costado. Vale tudo para conseguir o glamour e o conforto que os clientes – e seus bolsos – esperam encontrar No deque inferior, a suíte máster fica na proa e a suíte de convidados à meia-nau, a boreste (à direita). A suíte máster possui cama de casal, amplos armários e grandes Linhas da Intermarine 60 combinam elegância e ousadia Estilo futurista da Ventura 410 58  PERFILNÁUTICO janelas com vista para o mar. Seu banheiro, além de elegante, é bastante espaçoso e possui box fechado e separado, um diferencial em barcos desta categoria. A suíte de hóspedes possui duas camas de solteiro, que podem ser convertidas em cama de casal, e grande janela com vista para o mar. O banheiro, funcional e elegante, possui acesso também pelo corredor do deque inferior. A V410 Premium representa um marco para o estaleiro Ventura. Lançado no Rio Boat Show 2012, este barco é um projeto da Yamaha Motors Company fabricado na Ásia, na Europa e agora no Brasil, pela Ventura Marine. Para fabricar a V410 Premium, a Ventura construiu uma nova fábrica com 5 mil metros quadrados, para se encaixar nas diretrizes estabelecidas pela Yamaha para garantir seu padrão de qualidade.  O barco possui dois camarotes, sendo um máster e um à meia-nau, além de banheiro. Logo na entrada do salão, o barco possui cozinha integrada à sala, para atender também a praça de popa. De acordo com o estaleiro, o projeto deste barco levou em conta principalmente o design, que é completamente diferente de qualquer outro barco existente no Brasil. Imponente, pomposa e robusta, a V410 é admirada por onde passa. O projeto prima pela estética e pelo desempenho da embarcação. O barco possuiu itens que o tornam confortável e funcional, sendo de série aparelho de som, TV, DVD, geladeira, micro-ondas, adega, etc. Neste barco são utilizados os mais diversos tipos de materiais, como madeira, inox, Corian, acrílico e vidro. De 50 a 60 pés As lanchas dessa categoria são a partir de 15 metros. E dentro disso a Astondoa Fly 52 é um barco que tem características um pouco diferenciadas. A lancha possui em seu andar de baixo três cabines e uma cozinha j PERFILNÁUTICO  59 
  30. 30. Capa ÁREA íntima Na Sessa C68, a luz é elemento fundamental Na categoria acima dos 60 pés, os barcos já são bastante grandes e o aproveitamento de espaço já se torna mais fácil supercompleta, que vem inclusive com lavadora de roupa. Alguns mimos diferenciados ainda são oferecidos, como a penteadeira na suíte máster à meia-nau. Dos três camarotes, dois são suítes. A máster tem bom tamanho e fica à meia-nau. No local, teto e paredes são revestidos de couro, o mobiliário é de madeira e a cama tem medidas de 1,50 x 1,90 m. Como já foi dito anteriormente, também vem equipada com uma penteadeira com espelho. Já a outra suíte também é decorada e revestida basicamente com os mesmos materiais, mas é um pouco menor e tem o diferencial de ter janela panorâmica a bombordo e a boreste. O banheiro também é um pouco 60  PERFILNÁUTICO menor, com bancada de madeira, box dobrável e ducha de aço inox com regulagem de temperatura de água. Há ainda a cabine de hóspedes com duas camas de solteiro. No geral, as cabines são um pouco menores do que as dos barcos desta mesma categoria, mas isso só acontece porque foi projetada uma boa cozinha com forno micro-ondas, muitos armários, fogão de mesa elétrico, geladeira biplex e uma lavadora de roupas embutida abaixo da escada. A Intermarine também possui um modelo nesta categoria: a Intermarine 60. Segundo o estaleiro, a 60 traz inovações não apenas no design, mas também em seu interior. Possui três suítes que acomodam seis Cabine e banheiro unem-se através de uma parede de vidro pessoas em pernoite e dois tripulantes, um diferencial na categoria de barcos de 60 pés. Projetada pela Intermarine, com a colaboração do estúdio Fernando de Almeida Yacht Design, que assina o interior da embarcação, a nova 60 possui linhas combinando elegância e ousadia, e as grandes janelas do salão, por seu formato dinâmico, trazem a sensação de movimento. As áreas internas da embarcação trazem como diferencial o requinte e o excelente aproveitamento dos espaços com mobiliário de linhas retas. A nova 60 conta com três amplas e confortáveis suítes, a principal à meia-nau, mais cabine de marinheiro. A embarcação de luxo também satisfaz os que apreciam a arte da gastronomia, com a cozinha integrada ao salão e um gourmet center na praça de popa. O acesso aos aposentos íntimos é feito por uma escada no centro do salão. No deque inferior, a suíte máster ocupa toda a largura da embarcação e nela, além do banheiro com box fechado, há uma cama de casal queen size e dinete (poltronas e mesa). Grandes janelas com vista para o mar complementam o ambiente com iluminação natural e beleza. A suíte vip, na proa, também oferece muito conforto para um casal, com cama queen size, amplas janelas e banheiro. A suíte de hóspedes, localizada a boreste, possui duas camas de solteiro que se convertem em cama de casal, através de mecanismo deslizante. Também possui banheiro e amplas janelas com vista para o mar. Outro diferencial da 60 está nos três banheiros da embarcação. Espaçosos e cuidadosamente planejados, todos têm box separado para banho, o que os torna ainda mais práticos e funcionais. A cabine de marinheiros acomoda dois tripulantes e possui banheiro privativo. Acima de 60 pés Nesta categoria os barcos já são bastante grandes, de modo que o aproveitamento de espaço já se torna mais fácil de ser feito, e o grande destaque acaba sendo j PERFILNÁUTICO  61 
  31. 31. Capa ÁREA íntima o luxo de cada barco, o design arrojado e os acabamentos e materiais utilizados. O estaleiro Schaefer possui o modelo 620, o primeiro acima de 60 pés da fábrica catarinense. A lancha possui três camarotes e quatro banheiros, podendo acomodar até seis pessoas para pernoite. Conta ainda com sala de jantar e cozinha e tem duas versões de acabamento interno. A Pininfarina, um dos maiores estúdios de design do mundo, responsável pelo desenho de marcas como Ferrari e Maserati, assina uma das opções de design interno da Schaefer 620 Pininfarina, marcando a entrada da empresa no mercado brasileiro. “A experiência de cada empresa em seu respectivo mercado é a chave para o sucesso desta parceria e queremos nos provocar e buscar inovações”, comenta Márcio Schaefer. O grande destaque acaba sendo o luxo de cada barco, o design arrojado e os acabamentos e materiais utilizados A maior embarcação da Sessa Marine, que está há um ano no Brasil, é também o carro-chefe do estaleiro. A C68 foi lançada em 2010 na Europa e possui como principais características a otimização na divisão Arranjo racional do espaço na Ferretti 870 Amplos armários na Intermarine 75 62  PERFILNÁUTICO dos espaços, a elegância na escolha dos materiais e principalmente as entradas e planejamento de luz, feitas através de amplas áreas envidraçadas. Seu design inovador, com estilo próprio inspirado nos carros esportivos dos anos 30 e 40 e com um toque de modernidade, foi projetado para que o proprietário possa aproveitar da melhor forma e com o maior requinte o tempo com amigos e familiares como se estivesse em sua própria casa. A espaçosa área interna pode ser adaptada para até quatro camarotes, acomodando confortavelmente 14 pessoas durante o dia e até sete pessoas para pernoite. A cabine principal, localizada na proa, destaca uma das características marcantes da C68, na qual a luz é elemento fundamental: a cabine e o banheiro unem-se através de uma parede de vidro formando assim um efeito de spa, evidenciado pela iluminação cromática do chuveiro. A cozinha também é um ponto de destaque no andar de baixo dessa embarcação. Completa e funcional, privilegia a ergonomia e a estética e vem equipada com uma magnífica adega, iluminada com LED, um exemplo notável do espírito refinado do iate. A Intermarine também tem um modelo que entra nesta categoria. A Intermarine 75, de acordo com o estaleiro, foi concebida para atender o cliente que quer o máximo de design, espaço e conforto em uma embarcação. Possui quatro suítes, sem beliches, um diferencial do novo modelo, e duas cabines de marinheiro. Para o pernoite, acomoda oito pessoas e quatro tripulantes, e em passeios leva 25 pessoas. As quatro suítes da embarcação estão no deque inferior. Todas muito espaçosas, arejadas, possuem amplos armários e todos os banheiros com box fechado; mais um diferencial da embarcação. A suíte máster, localizada à meia-nau, possui cama queen size, janelas, banheiro e closet. A suíte vip, na proa, possui cama queen size, grandes janelas e banheiro. As duas suítes de hóspedes possuem duas camas de solteiro cada uma e banheiros privativos. Conforto. Esse é o principal conceito do design interior dos iates da Azimut, que possui um departamento especializado, com profissionais de design e arquitetura para elaborar os layouts internos de suas embarcações. As maiores atenções j PERFILNÁUTICO  63 
  32. 32. Capa ÁREA íntima Na Azimut 88, o andar inferior abusa da iluminação natural Suíte e cabine de convidados da Azimut 88 A ideia é levar o ambiente da casa para o mar, ou seja, uma continuidade da casa do proprietário é levada para a embarcação mais recentes da marca e explorando ao máximo a superestrutura longa – uma solução que também nos permite modificar radicalmente o layout interior, beneficiando o conforto e o espaço a bordo. Todos os hóspedes podem aproveitar de soluções de layout inovadoras e brilhantes nesta embarcação de mais de 26 metros, assegurando excelente desempenho, navegação silenciosa e maior privacidade.” O casco, em particular, apresenta não apenas duas amplas janelas na cabine principal, mas também grandes janelas circulares na cabine de hóspedes e duas janelas na cabine vip da proa, resultando em muita iluminação interna. No quesito “acabamentos internos”, o projeto da Ferretti 870 é caracterizado pelo refinado carvalho, naturalmente tingido em tom de nogueira, que também pode ser encontrado em portas e gaveteiros, com topos laqueados e molduras reforçadas. No deque inferior, o projeto explora ao máximo o espaço ampliado da embarcação, principalmente em benefício do layout interior, também graças ao posicionamento de todas as cabines em direção à popa – mais larga e, consequentemente, mais confortável. Para realizar esta mudança, não foi necessário fazer na decoração são para criar espaços aconchegantes e adequar a luminosidade, segundo eles. “Lançamos tendências no mercado náutico e nossa expectativa através dessas novidades constantes é a possibilidade de transferir aos consumidores brasileiros a experiência inesquecível da navegação através de nossos produtos e serviços”, afirma Francesco Ansalone, diretor de marketing do Grupo AzimutBenetti. “A nossa missão é construir a embarcação mais bonita, confiável, tecnológica, inovadora e assisti-la sempre em qualquer lugar.” Na Azimut 88 o acesso aos camarotes já é diferenciado. Ele é feito por dois lugares diferentes. No salão principal, ao lado do lavabo, há uma escada que conduz somente à suíte dos proprietários. Para chegar à suíte vip e às duas outras suítes de hóspedes, o acesso é feito por uma escada ao lado da estação de comando. 64  PERFILNÁUTICO O andar inferior abusa da iluminação natural, com sete janelas verticais em cada lado do casco, sendo quatro para a suíte dos proprietários e três para cada suíte de hóspedes. Apenas o camarote vip, na proa, utiliza janelas horizontais, todas muito grandes e com a função de levar a luz natural para dentro da embarcação. A área da tripulação está no mesmo andar, porém, em local oposto, na popa, com entrada por uma escada no deque traseiro. Espaçoso e confortável, o novo projeto do Ferrettigroup, a Ferretti 870, foi elaborado para permitir o aproveitamento completo de todos os espaços a bordo. “Na Ferretti 870 nós mantivemos intocadas todas as forças de seu predecessor, particularmente o arranjo racional do espaço”, explica Alessandro Tirelli, gerente de marca da Ferretti Yachts. “O design do exterior melhorou consideravelmente, inspirando os modelos mudanças na casa de máquinas, nos dormitórios da tripulação e na garagem, no entanto, o resultado são cabines definitivamente maiores, principalmente a máster e a de hóspedes a bombordo. O projeto da Ferretti 870 apresenta três cabines de casal (cujas camas podem ser separadas) e uma quarta cabine com camas de solteiro – todas com seu próprio banheiro e box de banho. Em geral, a decoração do deque inferior faz um uso extensivo de madeira e couro para as camas e cabeceiras. O banheiro da cabine máster conta com duas cubas de Corian em uma superfície de mármore. O acesso ao chuveiro é feito por uma porta de vidro, enquanto a área do vaso sanitário é separada do resto do banheiro por uma porta deslizante. As cabines de hóspedes também melhoraram consideravelmente, resultando no aumento de espaço disponível e janelas maiores, que proporcionam incrível luminosidade. A cabine vip na proa conta com duas janelas redondas, sob a qual – a estibordo – há um confortável sofá. A penteadeira encontra-se na parede a bombordo. Esta cabine também se destaca por suas superfícies de madeira, cabeceiras de couro e ventilador de teto. j PERFILNÁUTICO  65 
  33. 33. Capa ÁREA íntima área Íntima O andar de baixo da embarcação foi feito para relaxar Cada estaleiro tem a sua fórmula para agradar ao cliente. E não importa o tamanho, seja na decoração seja no aproveitamento do espaço, criatividade é fundamental. S W W Cabine vip R R E Em geral a cabine vip está situada na proa. Deve ter o pé-direito alto, suficiente para os hóspedes ficarem em pé sem se curvar. A iluminação normalmente é proporcionada por uma gaiuta logo acima da cama de casal e por vigias nas laterais. R E R E Q Cabine de hóspedes Podem ser uma ou mais, com banheiro privativo ou não. Com camas de solteiro ou de casal, acomodam os filhos da família ou convidados. Q Cabine principal A suíte do proprietário normalmente fica no meio da embarcação e ocupa toda a largura do barco. Tem a maior cama, closet, armários e também a maior visão, com grandes janelas em ambos os lados. Banheiros Dependendo da embarcação e seu tamanho, os banheiros podem ser privativos ou sociais. Normalmente as cabines máster e vip contam com banheiros privativos. R Em embarcações maiores, a planta do andar de baixo pode ser maior do que muitos apartamentos 66  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  67 
  34. 34. 68  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  69 
  35. 35. PERFIL COLUNNA 435 www.colunna.com.br GRANDE POR DENTRO E POR FORA Estaleiro Colunna Yachts inova com a Sport Cruiser 435 oferecendo aproveitamento de espaço, qualidade e bom preço Por Amanda Kasecker A pós mais de 30 anos de mercado, o estaleiro paulista Colunna Yachts mostra como ainda é possível inovar. Em 2011 apresentou ao mercado a Colunna Sport Cruiser de 43,5 pés. Grande por dentro e por fora, a lancha acomoda até 16 passageiros e pode ser utilizada em água doce ou salgada, agradando a todos os públicos e necessidades. “A Sport Cruiser SC 435 Open foi lançada em 2011 com grande sucesso”, conta João Victor Eduardo Colunna, o precursor de toda essa história de sucesso. “No momento em que a lançamos, começamos o projeto do mesmo barco na versão hardtop, que teve seu lançamento oficial em fevereiro de 2012.” Com 18 anos, Eduardo iniciou a trajetória da Colunna quando, em 1981, idealizou, desenvolveu e fabricou seu próprio jet ski para um trabalho de conclusão do seu curso de projetos e design. Sozinho, ele desenvolveu o casco e moldou peça por peça do motor e do hidrojato, um dos primeiros desse tipo no país. Os anos passaram e, além dos jet boats, Colunna lançou barcos que fizeram história, como a 235 Open e a 325 Sport Cruiser, para então chegar à 435. De acordo com Eduardo, essa embarcação foi desenvolvida pensando nos clientes que procuram qualidade aliada a performance, segurança e conforto. “Temos tudo isso reunido numa embarcação com design atual, muitas soluções funcionais e excelente custo-benefício”, conta. j 70  PERFILNÁUTICO PERFILNÁUTICO  71 
  36. 36. PERFIL COLUNNA 435 Sem revelar quantas unidades já foram vendidas, o diretor-presidente da Colunna mostra-se animado com as vendas deste modelo, que é o maior do estaleiro. “Estamos animados com as vendas deste modelo para o verão, possuímos diversos modelos de barcos, que se enquadram em todas as situações”, fala Eduardo Colunna. “Por sermos um estaleiro brasileiro, conhecemos as peculiaridades dos nossos clientes e buscamos desenvolver cada vez mais embarcações que se adéquam a todas as necessidades e estilos, com preço competitivo.” A completa Uma lancha completa. Essa poderia ser a melhor descrição para a SC 435, o mais recente lançamento da Colunna Yachts. Logo de cara se vê a ideia de espaço que o estaleiro queria passar para seus clientes. Com uma altura de 1,95 metro na entrada da cabine e 1,90 metro na suíte máster, a grande maioria das pessoas consegue ficar confortavelmente na cabine do barco. Ao entrar na cabine, a melhor e maior surpresa: o barco possui duas suítes equipadas para conforto total dos passageiros. Em uma delas, as duas camas de solteiro ainda se transformam em cama de casal. Grande por dentro e por fora, a lancha acomoda até 16 passageiros e pode ser utilizada em água doce ou salgada Além disso, o salão vem equipado com cozinha, muitos armários e iluminação diferenciada com LED. Na sala, logo se vê uma mesa e sofá para cinco pessoas. A decoração é moderna e conta com móveis com acabamento de madeira nobre e estofados feitos com materiais específicos para uso náutico. “Todo o projeto de acabamento interno, tipos de materiais, tecidos, cores e decoração foram desenvolvidos por uma decoradora náutica com quem temos parceria, seguindo todas as tendências atuais“, explica Eduardo Colunna. A parte externa não fica por menos. Para o próprio Eduardo Colunna, além do fato de o barco ter dois banheiros, outro grande diferencial está do lado de fora: a estação de churrasco na popa, perfeita para preparar um peixe ou uma carne para os convidados. Ela vem equipada com grill e uma pia e fica na plataforma, 72  PERFILNÁUTICO O barco possui duas suítes, em uma delas as duas camas de solteiro ainda se transformam em cama de casal Cozinha bem equipada e banheiro confortável cujo espaço é considerável: 4 metros quadrados. No mais, um sofá com espaço para seis pessoas, uma espreguiçadeira e assento duplo para o piloto. Quem senta ali também não se decepciona. “A performance de navegação deste casco é surpreendente“, fala Colunna. Econômica, possui quatro opções de motor a diesel, sendo três da Volvo e um da Mercruiser. É importante lembrar que a Sport Cruiser conta com dois modelos: um com proa aberta e o HT, que é fechada. E entre as duas a única diferença fica por conta da cobertura. Na disposição e nos espaços o barco é o mesmo. Para quem quiser incrementar o barco, a Sport Cruiser ainda conta com diversos itens opcionais que j trazem mais conforto e sofisticação, PERFILNÁUTICO  73 
  37. 37. PERFIL COLUNNA 435 Especificações técnicas Boca: 3,95 m Comprimento total: 13,26 m SC 435 Open e HT Comprimento total: 13,26 m Boca: 3,95 m Ângulo V na Popa (Deadrise): 20º Calado com propulsão: 0,70 m Tanque de combustível: 750 L + 180 L (reserva opcional) Tanque de água: 200 L + 200 L (opcional) Pé-direito na entrada da cabine: 1,95 m Pé-direito no cockpit: 2,00 m Pé-direito do banheiro da suíte máster : 1,95 m Pé-direito do banheiro suíte secundária: 1,86 m Motorização recomendada: 2 x Mercruiser QSD 350 HP Diesel ou 2 x Volvo D6 370 HP ou 400 HP Peso do barco sem motor: 7.800 kg Ao lado do posto de comando, a passagem fechada para as cabines permite privacidade como adega, DVD Blue Ray, ar-condicionado, TV de LED e farol com controle remoto. Excelente custo-benefício Em resumo, o diretor-presidente da Colunna afirma que a 435 tem o melhor custo-benefício para este porte de barco no mercado nacional. Segundo ele, são três pilares que guiaram a idealização desta embarcação, e dentro deles está o bom preço, além da qualidade dos materiais e acabamentos e o aproveitamento do espaço, como já foi mostrado. Apesar das expectativas do estaleiro serem as melhores, Eduardo Colunna vê que o país está um pouco afetado pela crise mundial. “A economia mundial está bastante afetada e acredito que o Brasil não é uma ilha sem sofrer consequências deste momento internacional difícil, claro que por aqui não está tão ruim como na Europa e nos EUA, porém não se pode dizer que nosso mercado esteja em alta” afirma o diretor. Outro ponto destacado por Eduardo é que, ao contrário do que muitos pensam, os estaleiros brasileiros não levam vantagem pelo fato de o governo ter aumentado os impostos para os produtos que vêm de fora. Isso porque, de acordo com ele, os impostos aqui no Brasil ainda são altíssimos e temos muito pouco incentivo. “Nossa indústria é praticamente artesanal e demanda muita mão de obra, deveríamos ter mais incentivos para podermos beneficiar a sociedade ainda mais, gerando mais empregos diretos e indiretos e divisas para nossa economia.” Porém, mesmo com as dificuldades, a Colunna Yachts vive ótima fase e pretende crescer ainda mais. Ainda para este ano, está sendo desenvolvido um novo modelo de embarcação para completar os espaços entre os modelos da linha. j Para incrementar o barco, itens opcionais como adega, DVD, Blue Ray, ar-condicionado, TV de LED e farol com controle remoto 74  PERFILNÁUTICO Nos dois modelos, aberto ou HT, espaços internos e externos são valorizados PERFILNÁUTICO  75 
  38. 38. PERFIL COLUNNA 435 Ainda este ano será desenvolvido um novo barco para completar os espaços entre os modelos da linha “Será uma embarcação de 28 pés. O público-alvo para este novo modelo será o cliente exigente e já conhecedor de barcos, principalmente aqueles que possuem barcos entre 20 e 23 pés e querem subir um degrau, fazendo então um up-grade para 28 pés”, conta Eduardo Colunna. Ainda segundo ele, esta embarcação terá design moderno, excelente navegabilidade, layout de cabine e cockpit projetado para funcionalidade e conforto, com a qualidade de acessórios e excelente acabamento. De projeto a negócio Depois de ser a pioneira dos jet boats no Brasil, a Colunna atualmente comercializa dois modelos deles que acomodam até seis pessoas com total segurança e comodidade. O estaleiro também teve uma parceria com o Instituto Ayrton Senna e produziu e comercializou o jet boat Senna. Além dos jet boats, a Colunna também possui em seu portfólio os modelos de barcos de 23,5 e 32,5 pés. Reconhecido nacional e internacionalmente, o empresário Eduardo Colunna acumula a função de presidente da Acobar (Associação dos Construtores de Barcos e seus Implementos) há dois anos. Do mar para a terra, a Colunna também está presente no setor automobilístico. A empresa fabrica peças de carros de competição na modalidade Stock Car para a Porsche, entre outras. Localizada em São Bernardo do Campo, de frente para a Rodovia Anchieta, a Colunna Yachts possui uma área de produção de quase 10 mil metros quadrados que não para de se diversificar. S Serviço Site: www.colunna.com.br Telefone: (11) 4366-2800 Na plataforma de popa há espaço para mergulhos e banhos de sol 76  PERFILNÁUTICO Contact Condutores Elétricos Ltda. Rua Biguaçu, 685 - Bairro dos Municípios - 88337-450 Balneário Camboriú, Santa Catarina. (47) 3366 3835 - www.csnautica.com.br PERFILNÁUTICO  77 
  39. 39. PERFIL PERSHING 74 www.ferretti.com.br Velocidade e segurança A Pershing 74 tem um projeto inovador e lança uma nova tendência mundial.O primeiro modelo offshore com flybridge. Segurança para navegar em altas velocidades Por Angelo Sfair 78  PERFILNÁUTICO L A primeira lancha offshore do mundo com um flybridge e segundo comando ançada em julho desse ano pelo Ferrettigroup, a Pershing 74 é uma embarcação capaz de unir design, velocidade e segurança. Isso porque ela é a primeira lancha offshore do mundo que conta com um mini flybridge e segundo comando. Inovador na estética e na segurança, este modelo também se destaca por sua personalidade, iluminação e distribuição de espaços. O modelo é uma evolução da Pershing 72, um barco que está diretamente ligado ao sucesso do estaleiro no Brasil. A principal diferença, além do fly, é o design mais moderno e agressivo. O desenho é uma criação do designer Fúlvio de Simoni, em colaboração com o AYT (Advanced Yacht Technology) do Ferrettigroup e de toda a equipe de arquitetos e designers do Centro de Estilo do grupo. Com estas características, a Pershing 74 adapta-se a vários tipos de clientes. “A embarcação é voltada para o público que quer ter a tradição de uma marca conceituada italiana, com linhas modernas, atrelada a uma performance e a um desempenho j PERFILNÁUTICO  79 
  40. 40. PERFIL PERSHING 74 altos”, aponta Marcelo Moura, diretor de marketing do Ferrettigroup Brasil. Apesar de ser uma nova embarcação, as características tecnológicas que fizeram da versão 72 um grande sucesso permaneceram. Entre elas está a porta entre o cockpit e o salão, que integra o exterior e o interior em um mesmo ambiente. A conjugação permite um melhor aproveitamento destes espaços, além de proporcionar aos tripulantes um contato maior com o mar. As novas janelas laterais da Pershing 74 são maiores do que as da sua antecessora e dão uma nova cara para a embarcação, que utiliza artifícios tecnológicos de última geração. Desta forma, ela ganha uma personalidade única, com perfil mais esguio e aerodinâmico. O modelo segue o padrão da linha Pershing, que, segundo o diretor de marketing do grupo, consiste em um barco de “alto desempenho, rápido deslocamento, linhas modernas e amplas, aliados ao máximo do luxo a bordo”. A embarcação será a segunda da linha a ser produzida em território nacional, além da Pershing 64. De acordo com Marcelo Moura, a Pershing – que chegou ao Brasil em 2002 – é a segunda marca mais importante do Ferrettigroup, principalmente pelo perfil do brasileiro, que adora máquinas velozes na água. O modelo é uma evolução da Pershing 72, um barco que está diretamente ligado ao sucesso do estaleiro no Brasil Potência A motorização leva a lancha de mais 22 metros de comprimento e 5,50 de largura a uma velocidade de 44 nós. São dois motores MTU Common Rail de 1.950 HP, com propulsão Searex e hélices de alta performance em superfície. Mesmo em altas velocidades, o conforto a bordo é grande. O flybridge Lançando uma nova tendência, o flybridge da 74 está praticamente camuflado. “A principal característica deste iate é a combinação de um sutil flybridge em j 80  PERFILNÁUTICO Cabines e banheiros de fazer inveja a muitos apartamentos O grande salão integrado à praça de popa é o ambiente mais movimentado PERFILNÁUTICO  81 
  41. 41. PERSHING 74 Especificações técnicas Comprimento total: 22,66 m Comprimento útil: 21,61 m Largura máxima: 5,50 m Tanque de combustível: 4.500 L Tanque de água: 990 L Motores: 2 x MTU 12V 2000 / M94 – 1948 MHP Propulsão: ZF SEAREX SR140S Velocidade máxima: 44 nós Alcance: 280 milhas náuticas Cabines: 3 Banheiros: 3 Cabines de tripulação: 1 Banheiros de tripulação: 1 Capacidade máxima: 16 Comprimento total: 22,66 m PERFIL Boca: 5,50 m Por fora a lancha é imponente, do flybridge a visão é espetacular uma embarcação offshore, apresentando mais segurança ao navegar”, explica Marcelo Moura. O acesso ao segundo comando se dá por uma escada hidráulica de fibra de carbono embutida no teto. A novidade aumenta a segurança ao pilotar em altas velocidades e, como a aceitação dos clientes foi excelente, a partir de agora todos os próximos lançamentos da linha Pershing irão contar com este diferencial. j A Pershing – que chegou ao Brasil em 2002 – é a segunda marca mais importante do Ferrettigroup 82  PERFILNÁUTICO A casa das máquinas e os motores que impulsionam a Pershing 74 PERFILNÁUTICO  83 
  42. 42. PERFIL PERSHING 74 C Uma verdadeira garagem para o bote e o jet ski M Y prestigiado estúdio Poltrona Frau. Os acabamentos de couro são fantásticos e foram projetados especialmente para combinar com o estilo da Pershing 74. Como é de costume nas criações da Poltrona Frau, os produtos são todos feitos à mão, o que garante uma qualidade superior. CM No Brasil, o estaleiro atua desde 1991, por intermédio de Marcio Christiansen, acionista e CEO do Ferrettigroup Brasil Exterior confortável Na área externa há também uma passarela telescópica, uma escada hidráulica para entrar na água e garagem de popa. Nesta garagem, a plataforma de lançamento pode se transformar em uma rampa basculante com berço, o que facilita o lançamento de infláveis ou jet skis ao mar. Cabines e decoração O modelo conta com uma cabine máster e outras duas cabines para convidados. No total, podem-se abrigar até sete convidados – já que uma das cabines é equipada com uma bicama. Além disso, mais dois tripulantes podem ser abrigados, graças à boa distribuição de espaços do projeto, que foca no conforto de quem está a bordo. O mobiliário é fruto de uma parceria com o 84  PERFILNÁUTICO MY CY CMY K Ferrettigroup Fundado há 44 anos pelos irmãos Norberto e Alessandro Ferretti, o grupo está em 72 países diferentes. No Brasil, o estaleiro atua desde 1991, por intermédio de Marcio Christiansen, acionista e CEO do Ferrettigroup Brasil. Em 2012, o grupo inaugurou seu novo estaleiro, localizado em Vargem Grande Paulista, em uma área de 145 mil metros quadrados, dos quais 42 mil são cobertos. Hoje são cerca de 600 funcionários – número que pode chegar a mil até o fim do ano. “O Ferrettigroup apostou no Brasil desde o início, com a abertura de um estaleiro com capacidade de produção de 120 barcos ao ano”, afirma o diretor de marketing. “A Pershing é a segunda marca mais importante do Ferrettigroup Brasil e o que se espera é vender seis unidades da Pershing 74 em um ano”, completa. S Serviço Site: www.ferretti.com.br Telefone: (11) 3552-4000 PERFILNÁUTICO  85 
  43. 43. PERFIL ASTONDOA 80 GLX www.astondoa.com.br Do jeitinho brasileiro A Astondoa 80 GLX foi projetada para atender o mercado mundial, mas tem características que se encaixam perfeitamente no clima tropical brasileiro Por Angelo Sfair 86  PERFILNÁUTICO Áreas externas extremamente valorizadas U ma boca larga, flybridge espaçoso, solário completo, churrasqueira e ambientes integrados. Observando estas características, podemos afirmar que a Astondoa 80 GLX é perfeita para navegar em águas tropicais. A embarcação faz parte da linha que sofreu uma revitalização entre 2011 e 2012, substituindo a antiga 76. E, com a instalação da nova fábrica do estaleiro espanhol no sul do Brasil, o barco será produzido em série e deve estar com acesso facilitado para o mercado nacional. A nova 80 GLX é um barco ultramoderno que parte do conceito bastante atualizado de explorar a área externa. A tecnologia aplicada foi da mais graduada, desde o desenvolvimento do projeto até os equipamentos e a motorização. O cockpit, além de confortável, oferece recursos que facilitam o manuseio da embarcação. “O comando principal é bastante completo, com todos os recursos possíveis de tecnologia, e próximo ao assento do comandante tem um mouse bastante interessante que se comunica com todos os equipamentos do painel”, j PERFILNÁUTICO  87 
  44. 44. PERFIL ASTONDOA 80 GLX explica o diretor-comercial da Astondoa Group, Anderson Anthony Linzmeyer. Já o segundo comando fica localizado no flybridge e também é de fácil manuseio. Navegação Apesar de o luxo e o conforto serem características marcantes da embarcação, a navegabilidade não foi deixada de lado. O barco é movido por dois motores MAN de 1.550 HP cada, o que garante potência de sobra para navegar também em altas velocidades. E a grande boca, além de aumentar o espaço interno, colabora na parte funcional. “É uma característica da Astondoa ter a largura bastante grande”, aponta Linzmeyer. “Isso faz com que se ganhe na parte da estabilidade, criando uma embarcação que desliza, com uma navegação diferenciada.” Integração dos ambientes Na praça de popa encontra-se uma mesa de jantar e, logo ao entrar no salão principal, vemos uma cozinha bastante ampla – ligada diretamente com a praça. Este é um grande diferencial para o mercado brasileiro, já que a área é muito aproveitada em virtude do nosso clima. Outro recurso que se enquadra neste aspecto é a plataforma hidráulica, que permite submergir um Detalhe personalizado da decoração Potência para navegar em alta velocidade inflável e também aproveitar a parte da popa em um nível abaixo da água. A cozinha é equipada com freezer, geladeira e uma adega refrigerada embutida no mobiliário. Ao mesmo tempo em que o cômodo faz ligação com a praça de popa, ele também se integra com a sala de jantar.   Adiante observamos esta sala de jantar que também faz as vezes de sala de TV. Mais à frente há um barzinho embutido, com um sistema elétrico eficiente. “Mesmo estando embutido, podemos acionar um sistema elétrico que faz com que o bar suba, e assim ganhamos essa área que anteriormente estava ocupada”, explica Linzmeyer. A televisão também é embutida na parte mobiliária, fazendo com que o ambiente fique bastante clean e agradável. O espaço gourmet é muito bem distribuído. Além de fogão, churrasqueira, ice maker, refrigerador, ele possui também um projetor. “Como sua tela desce à frente da embarcação, quando se está parado, é A grande boca aumenta o espaço interno e colabora na parte funcional 88  PERFILNÁUTICO A versão número um foi vendida para a Rússia e personalizada pelo proprietário possível passar um vídeo, filme ou algo do tipo”, sugere o diretor. Já na proa observamos outra característica com apelo tropical: o solário com um recurso bastante interessante. Nele há uma formação de mesas e sofás que, aliados a um toldo, formam uma espécie de lounge, onde é possível desfrutar bons momentos com família ou amigos reunidos. Cabines Ao todo são quatro suítes. O camarote de proa é muito funcional, espaçoso e elegante. À meia-nau, mais duas cabines, podendo ser consideradas másteres. Para estes ambientes há três opções de escolha, que buscam se adequar às necessidades de cada um: podem ser equipadas com uma cama de casal, duas camas j PERFILNÁUTICO  89 
  45. 45. PERFIL ASTONDOA 80 GLX de solteiro ou ainda com uma cama de solteiro e um beliche. O camarote principal é bastante amplo e muito luxuoso. Encontramos, por exemplo, um grande closet, um banheiro equipado com sauna a vapor e ainda há a personalização do ambiente. “Pode ser 8 ou 80”, diz Linzmeyer. “Da mais clássica à mais moderna, a decoração vai ao encontro do gosto e do perfil de cada cliente”, completa. Há também a possibilidade de se ter um camarote para marinheiros. Neste caso, o ambiente comporta até três tripulantes neste espaço. Decoração da mais clássica à mais moderna, ao gosto do cliente Flybridge Outro grande diferencial desta embarcação é o seu flybridge. As embarcações da Astondoa têm como característica a grande boca, e o fly segue essa mesma tônica, sendo muito amplo. Em termos de comparação, a boca da 80 GLX é de 6,30 m e o fly chega a 6 m. Já o espaço interno fica no meio-termo, registrando 6,15 m. Então cria-se um deque superior bastante aproveitável. Neste local, inclusive, é possível construir mais uma área de lazer para a embarcação. “Podemos instalar, por exemplo, uma banheira ou jacuzzi, que normalmente são as escolhidas por clientes de mercado tropical, mas no fly também se pode colocar um inflável ou um jet ski”, revela o diretor-comercial do estaleiro. Características como estas fazem da embarcação um exemplar moderno e bastante agressivo. No fly ainda há um hardtop. “É um hardtop com teto elétrico para quem não quer tomar sol, o comandante também pode aproveitar o fly embaixo da cobertura, protegido dos raios solares”, explica Linzmeyer. O camarote principal, bastante amplo e luxuoso Astondoa no Brasil Prestes a completar cem anos – sua fundação foi em 1916 –, a Astondoa é um dos estaleiros mais tradicionais da Europa. Além dos sete conceituados estaleiros na Espanha, o grupo ainda mantém complexo de marina e fábrica exclusiva de móveis. A Astondoa chegou 90  PERFILNÁUTICO Closet da suíte máster, banheiro e quarto de convidados ao Brasil em 2010, quando iniciou seus estudos de mercado, participou do primeiro Boat Show em 2011 e logo apresentou produtos para o mercado brasileiro. E o grupo escolheu o Brasil para inaugurar sua oitava fábrica, que será construída no sul do país. A escolha, de acordo com Anderson Linzmeyer, foi feita com base nas expectativas para o futuro. “Nos próximos dez anos, a Europa e os EUA ainda devem estar com a economia retraída, enquanto o Brasil é um mercado em franco crescimento que deve estar ainda mais forte”, prevê. Segundo o diretor, o grande pilar de sustentação do grupo são os projetos sólidos com resultados a longo prazo. Quando chegou ao país, trabalhavam na gama de 38 pés; hoje, encontramos embarcações de 26 a 200 pés – divididas nas duas marcas do grupo: Faeton e Astondoa. A primeira trabalha com barcos entre 26 e 40 pés. O restante é representado pela Astondoa. Durante esse período em que passaram a atuar no Brasil, houve uma adaptação da linha, que passou a incorporar a cultura do mercado latino. O primeiro case de sucesso é a Faeton 380, que será o foco da produção inicial da fábrica brasileira – com previsão de iniciar os trabalhos no final deste ano. Por enquanto o grupo trabalha com importações e, apesar do custo mais elevado, apenas neste um ano e meio de atuação a procura foi satisfatória. Com base nesses dados é possível afirmar que o estaleiro tem trabalhado de forma consistente no que diz respeito ao desenvolvimento de novos produtos, inovação e agilidade. Outro foco da Astondoa é a personalização do produto. “Os clientes brasileiros que já possuem uma embarcação ou que têm barcos encomendados perceberam que podem ter produtos desenhados ao seu gosto”, aponta Linzmeyer. “Isso fez com que a j PERFILNÁUTICO  91 
  46. 46. ASTONDOA 80 GLX Especificações técnicas Comprimento: 23,50 m Boca: 6,30 m Calado Máximo: 1,55 m Tanque de combustível: 5.800 L Tanque de água: 1.550 L Capacidade: 8+2 Camarotes: 4+2 Banheiros: 5+1 Motorização: 2 x MAN V12 1550 HP Velocidade máxima: 33 nós Velocidade de cruzeiro: 28 nós Comprimento total: 23,50 m PERFIL Boca: 6,30 m Astondoa 80 GLX, moderna, luxuosa e tecnológica Astondoa começasse a ganhar um diferencial entre esses clientes.” Atualmente o grupo trabalha com 29 embarcações, das quais sete já atuam no mercado brasileiro. Futuro O grupo já tem o desenho para os próximos cinco anos do que vai fazer no Brasil. “Voltei recentemente da Espanha, onde estávamos discutindo projetos para os próximos cinco ou dez anos”, revelou Linzmeyer. “Durante esse período haverá todo um desenvolvimento da operação Astondoa no Brasil, abrangendo inclusive a América do Sul.” E o foco não será apenas nas embarcações de lazer, mas também nas técnicas, nas quais o estaleiro possui bastante know-how. São embarcações como da área de supply e transporte, por exemplo. “Iremos trabalhar com embarcações de lazer, embarcações técnicas e projetos de marinas; dessa forma, totalizamos os três principais focos com quais a Astondoa vai trabalhar nos próximos dez anos no Brasil”, finaliza. S Serviço Site: www.astondoa.com.br Telefone: (47) 3046-1049 O GRUPO ESCOLHEU O BRASIL PARA INAUGURAR SUA OITAVA FÁBRICA, QUE SERÁ CONSTRUÍDA NO SUL DO PAÍS 92  PERFILNÁUTICO O flybridge com 6 metros de largura é amplo, com direito a banheira ou jacuzzi PERFILNÁUTICO  93 
  47. 47. PERFIL REGATTA 30 ANOS www.regatta.com.br Uma história de paixão e visão Jovens velejadores transformam hobby em negócio ao criar a mais completa e moderna rede especializada em náutica do país, que comemora 30 anos em 2012 Por Thaís Zago 94  PERFILNÁUTICO Q Sessa C 36, uma das embarcações comercializadas pela Regatta uando os amigos Felipe Furquim e Paulo Veloso decidiram transformar seu hobby de velejar em atuação profissional, não imaginavam que a pequena loja de equipamentos para vela, instalada na Vila Madalena, se tornaria uma das maiores empresas do setor náutico no Brasil. Com um portfólio de produtos que inclui embarcações, equipamentos e acessórios, tecidos especiais para casa e para barcos, objetos de decoração e movelaria, a Regatta oferece também serviços de assistência técnica e oficina mecânica para barcos. Tendo Felipe Furquim como CEO da empresa e Paulo Veloso como diretor-administrativo, hoje a Regatta conta também com outros sócios: Marcelo Galvão Bueno como diretor da Regatta Yachts, Jonas Penteado e Gilberto Barth, este último sócio na j PERFILNÁUTICO  95 

×