Respiracao durante exercicio2
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Respiracao durante exercicio2

on

  • 131 views

 

Statistics

Views

Total Views
131
Views on SlideShare
78
Embed Views
53

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

1 Embed 53

http://net-biologia-geologia.blogspot.pt 53

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

Respiracao durante exercicio2 Respiracao durante exercicio2 Presentation Transcript

  • Respiração durante o exercício
  •  Sistema respiratório  Realiza as trocas gasosas entre nosso organismo e o meio ambiente.  Tem um papel importante na regulação do equilíbrio ácido-base durante o exercício.
  • Função dos pulmões  O propósito primário é proporcionar a troca de gases entre o ambiente externo e o corpo  Ventilação refere-se ao processo mecânico de movimentar ar para dentro e fora dos pulmões  Difusão é o movimento randômico das moléculas de uma área de maior concentração para de menor concentração.
  • Sistema Respiratório
  • Membrana Respiratória
  • Troca gasosa nos pulmões  Pressão parcial dos gases:  Pressão que qualquer gás exerce independentemente.  PATM = PN2 + P02 + PC02 + PH20= 760 mmHg. Figure 16.20
  • Músculos envolvidos na Respiração
  • INSPIRAÇÃO E EXPIRAÇÃO Rest Inspiration Expiration
  • A Mecânica da Inspiração e Expiração
  • Ventilação Pulmonar (V)  Volume de ar que se movimenta para dentro e para fora dos pulmões por minuto  Produto do Volume corrente (VC) e da Frequência respiratória (f) V = VC x f
  • Volume e Capacidade Pulmonar  Volume tidal ou corrente  Volume inspirado ou expirado por ciclo respiratorio  Capacidade Vital (CV)  Quantidade máxima de ar que pode ser expirada seguida de uma inspiração máxima  Volume Residual (VR)  Ar que permanece nos pulmões depois de uma expiração máxima  Capacidade Total dos Pulmões (CTP)  Soma da CV e VR
  • Volume e Capacidade Pulmonar Fig 10.9
  • Pressão parcial e trocas gasosas
  • Fluxo Sanguíneo nos Pulmões  Circuito Pulmonar  Mesma taxa de fluxo que a circulação sistêmica  Menor Pressão
  • Circulação Pulmonar  Taxa de fluxo sanguíneo através da circulação pulmonar é = a taxa de fluxo da circulação sistêmica  Pressão média esta em torno de 10 mmHg.  A resistência vascular Pulmonar é menor  Menor pressão produz uma menor filtração comparada aos capilares sistêmicos.  Autoregulação:  As arteríolas pulmonares contraem quando a P02 alveolar diminui  Bronquíolos respondem a alterações na PCO2  Equilibrar a razão ventilação/perfusão.
  • Fluxo sanguíneo nos Pulmões  Em pé, a maioria do fluxo sanguíneo esta na base do pulmão  Devido a força gravitacional
  • Relação ventilação- perfusão  Razão ventilação-perfusão.  Indica a relação do fluxo sanguíneo com a ventilação.  Ideal: ~1.0  Base  Superperfusada (razão <1.0)  Ápice  Subperfusada (razão >1.0)
  • Razão Ventilação- Perfusão
  • Transporte de O2 no sangue  Aproximadamente 99% do O2 é transportado no sangue ligado a hemoglobina (Hb)  Oxihemoglobina: O2 ligado a Hb  Deoxihemoglobina: O2 não ligado a Hb  Quantidade de O2 que pode ser transportado por volume de sangue é dependente da concentração de hemoglobina
  • Curva de dissociação da oxiemoglobina
  • Curva de dissociação O2- Hb Efeito do pH  pH diminui durante o exercício  Resulta em deslocamento para direita da curva  Efeito Borh  Favorece “liberação” de O2
  •  Aumento da temperatura enfraquece a ligação entre Hb- O2  Deslocamento para direita  Maior “liberação” de O2 para os tecidos Curva de dissociação O2- Hb Efeito da temperatura
  • Transporte de O2 no músculo  Mioglobina transporta o O2 da membrana celular até a mitocôndria  Maior afinidade pelo O2 que a hemoglobina  Mesmo a baixas PO2  Permite Mb estocar O2
  • Curva de dissociação para Mioglobina e Hemoglobina
  • Transporte de CO2 no sangue  Dissolvido no plasma (10%)  Ligado a Hb (20%)  Bicarbonato (70%)  CO2 + H2O ↔ H2CO3 ↔ H+ + HCO3 -  Também importante para tamponar H+
  • Transporte de CO2 no sangue
  • Liberação de CO2 do sangue Fig 10.19
  • Controle da Ventilação  Centro de controle respiratório  Recebe estímulos neurais e humorais  Feedback dos músculos  nível de CO2 no sangue  Regula taxa respiratória
  • Quimioreceptores  Monitoram as mudanças na PC02, P02, e pH no sangue  Central:  Bulbo  Periférico:  Corpos Carotídeos e Aórticos  Controla a respiração indiretamente Insert fig. 16.27
  • REGULAÇÃO DA RESPIRAÇÃO
  • Insert fig. 16.29 Figure 16.20
  • Estímulo do Centro de Controle Respiratório  Quimioreceptor Humoral  Quimireceptor Central  Localizado no bulbo  Concentração de PCO2 e H+ no fluido cerebroespinhal  Quimioreceptor periférico  Corpos Carotídeos e Aórticos  PO2, PCO2, H+ , K+ no sangue  Estímulo neural  Do córtex motor ou músculo esquelético
  • Efeitos da PO2 Arterial na Ventilação
  • Controle Ventilatório durante o exercício  Exercício Submáximo  Aumento linear devido ao:  Comando central- cortex  Feedback neural da musculatura  Quimioreceptor Humoral  Exercício Pesado  Aumento exponencial acima do Lvent  Crescente H+ sanguíneo
  • Controle Ventilatório durante o exercício
  • Os pulmões podem limitar a Performance?  Intensidade baixa a moderada de exercício  Sistema pulmonar não parece ser uma limitação  Exercício máximo  Não parece ser uma limitação para indivíduos saudáveis ao nível do mar  Pode ser limitante em atletas de elite  Atuais evidências de que pode ocorrer uma fadiga no músculo respiratório durante altas intensidades de exercício.
  • Trabalho Respiratório  Dois fatores que mais determinam o requerimento energético da respiração 1. Complacência dos pulmões 2. Resistência das vias aéreas ao fluxo de ar  As taxas e a profundidade da respiração aumentam durante o exercício, aumentando também o custo energético.  Exercício máximo, VE> 100 L/m, o custo de oxigênio da respiração representa 10- 20% do VO2 total.
  • Efeitos do treinamento na Ventilação  Menor ventilação a uma mesma taxa de trabalho após treinamento  Pode ser devido a um menor nível de acidose no sangue  Resulta em menor feedback para estimular a respiração
  • Efeitos do treinamento aeróbio na Ventilação durante o exercício
  • Adaptações respiratórias causadas pelo treino aeróbio • O sistema respiratório normalmente não limita o rendimento porque a ventilação pode aumentar em maior grau que o sistema cardiovascular. • Pequeno aumento na Capacidade vital • Pequena diminuição do Volume Residual
  • Adaptações respiratórias causadas pelo treino aeróbio  Diminuição da freqüência respiratória e redução da ventilação pulmonar exercício submáximo.  Aumento da freqüência respiratória, volume corrente e ventilação pulmonar durante exercício máximo.
  • VE l/min 0 20 40 60 80 100 120 140 0 50 100 150 200 0 10 20 30 40 50 60 0 50 100 150 200 FR(Respiração/min) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 VolumeCorrente(L) Frequência respiratória Volume corrente VE l/min 0 25 50 75 100 125 150 175 200 225 0 20 40 60 80 100 120 140 160 20 30 40 50 60 70 80 0 20 40 60 80 100 120 140 160 FR(respirações/min) 0 0.5 1 1.5 2 2.5 3 3.5 Volumecorrente(L) Frequência resiratória Volume corrente Treinado Não Treinado
  • • Difusão pulmonar permanece inalterada durante repouso e exercício submáximo. • Aumento da difusão pulmonar durante exercício máximo. – Aumento da circulação e ventilação. – Melhor distribuição do fluxo sanguíneo (parte superior) – Mais alvéolos envolvidos na respiração durante exercício máximo