Iii termorregulaao-110609090644-phpapp01

1,077 views
854 views

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total views
1,077
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
64
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Iii termorregulaao-110609090644-phpapp01

  1. 1. III - TERMORREGULAÇÃO ES JOSÉ AFONSO 10/11 PROFª SANDRA NASCIMENTO UNIDADE 4 – Regulação nervosa e hormonal em animais
  2. 2. A temperatura é um factor que influencia em muito os seres vivos. Profª: Sandra Nascimento 2
  3. 3. Termorregulação  Conjunto de mecanismos que permite manter a temperatura do corpo dentro de certos limites, apesar das oscilações da temperatura do meio externo. Profª: Sandra Nascimento 3
  4. 4. Termorregulação Classificação quanto à capacidade de regulação da temperatura: HOMEOTÉRMICOS – mantêm a sua temperatura corporal constante, independentemente das variações do meio. POIQUILOTÉRMICOS – aqueles cuja temperatura varia com as alterações da temperatura do meio. Profª: Sandra Nascimento 4
  5. 5. Termorregulação Profª: Sandra Nascimento 5 Classificação quanto à fonte de calor que determina a temperatura corporal: ENDOTÉRMICOS – regulam a temperatura corporal, produzindo calor por processos metabólicos e certos mecanismos para perder calor. ECTOTÉRMICOS – fonte de calor proveniente do ambiente; possuem mecanismos comportamentais de controlo da temperatura.
  6. 6. Termorregulação Profª: Sandra Nascimento 6
  7. 7. Profª: Sandra Nascimento 7 Os animais endotérmicos (aves e mamíferos) têm a capacidade de regular a temperatura, mas dentro de certos limites. Se esses limites forem ultrapassados, a sobrevivência do ser é posta em causa. Sendo assim, a temperatura é um factor limitante, condicionando a vida dos seres, pois estes só sobrevivem dentro de certos valores.
  8. 8. Profª: Sandra Nascimento 8 POIQUILOTÉRMICOS E ECTOTÉRMICOS
  9. 9. Mecanismos de regulação da temperatura  Mecanismos de aclimatização – existência de uma espessa camada de gordura subcutânea e extremidades (focinho, orelhas) de diferentes dimensões.  Mecanismos comportamentais – essenciais nos ectotérmicos – seres agrupam-se em colónias.  Mecanismos fisiológicos – típico dos homeotérmicos: tremores, sudorese, vasoconstrição e vasodilatação. Profª: Sandra Nascimento 9 Dança térmica efectuada pelo lagarto Meroles anchietae – levanta 2 patas de cada vez para reduzir o contacto com a areia quente de deserto.
  10. 10. Termorregulação - lagarto Profª: Sandra Nascimento 10
  11. 11. Nos animais poiquilotérmicos  A regulação da temperatura é efectuada através de mecanismos de comportamento ao longo do dia. Exemplos:  - Procura de abrigo (baixas temperaturas do meio externo)  - Exposição ao sol  - Procura sombra (elevadas temperaturas do meio externo) Profª: Sandra Nascimento 11
  12. 12. Adaptações ao meio Profª: Sandra Nascimento 12
  13. 13. Adaptações ao frio Profª: Sandra Nascimento 13 O revestimento, muito denso, de pêlos é um bom isolador, retendo uma camada de ar quente parado na superfície da pele. Muitos ainda apresentam uma camada adiposa espessa que também confere protecção contra baixas temperaturas. Ex: Urso polar. A junção entre os animais permite um melhor aquecimento do grupo. Ex: Pinguins. Extremidades reduzidas: focinho e orelhas pequenas ajudam a perder menos calor. Ex: raposa do árctico. A hibernação permite a passagem por períodos desfavoráveis, no frio, havendo a redução da taxa metabólica ao mínimo. Assim, o ser vivo permanece vários dias sem comer, mantendo-se num estado de vida latente. Ex: Arganaz/esquilo.
  14. 14. Adaptações ao calor Profª: Sandra Nascimento 14
  15. 15. Adaptações ao calor Profª: Sandra Nascimento 15 Os elefantes têm pouco pêlo, orelhas muito grandes e procuram locais com água, onde possam banhar-se e atirar água com a tromba para se refrescarem. A água em contacto com a pele favorece a perda de calor porque tem maior capacidade de absorver calor do que o ar. Extremidades alongadas: nariz e focinho alongado ajudam a perder calor. Ex: Raposa do deserto. Respiração ofegante: técnica utilizada por alguns organismos (que não possuem glândulas sudoríparas) para perder calor. Ex: Cão. Estivação: período em que os animais se encontram no estado letárgico. Equivalente à hibernação, mas ocorre nas épocas quentes de verão (o animal perde assim menos água). Ex. Caracol.
  16. 16. Quando a temperatura aumenta… Profª: Sandra Nascimento 16 Aumento da Temperatura Termorreceptores da pele ( receptores sensoriais ) Hipotálamo (centro regulador / integração) Orgãos efectores – vasos sanguíneos; glândulas sudoríparas, etc Resposta: Vasodilatação; Sudorese; Redução da produção de calor Diminuição da temperatura Temperatura de referência : 37ºC
  17. 17. Quando a temperatura aumenta… Profª: Sandra Nascimento 17 Vasodilatação - Aumento do calibre de um vaso sanguíneo, o que permite aumentar a transferência de calor para o exterior. Sudorese – suor produzido pelas glândulas sudoríparas ao evaporar contribui para a perda de calor.
  18. 18. Quando a temperatura diminui… Profª: Sandra Nascimento 18 Diminuição da Temperatura Termorreceptores da pele ( receptores sensoriais ) Hipotálamo (centro regulador / integração) Orgãos efectores – vasos sanguíneos; glândulas sudoríparas, etc. Resposta: Vasoconstrição; Piloerecção; Aumento da produção de calor – tremores (contracção muscular) Aumento da temperatura Temperatura de referência – 37ºC
  19. 19. Quando a temperatura diminui… Profª: Sandra Nascimento 19 Vasoconstrição - Diminuição do calibre de um vaso sanguíneo. A erecção dos pêlos cria uma camada de ar isolante junto da pele, diminuindo a perda de calor para o meio Tremores relacionados com o aumento da taxa metabólica.
  20. 20. Profª: Sandra Nascimento 20
  21. 21. Termorregulação Profª: Sandra Nascimento 21 Trata-se de um mecanismo de retroacção ou retroalimentação negativa: é uma resposta correctiva em sentido oposto à modificação da temperatura ambiental, permitindo o retorno à temperatura desejada. A regulação da temperatura é da responsabilidade do sistema nervoso, mais exactamente do hipotálamo.
  22. 22. Profª: Sandra Nascimento 22

×