Your SlideShare is downloading. ×
1255978428 riqueza mal_repartida
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Introducing the official SlideShare app

Stunning, full-screen experience for iPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

1255978428 riqueza mal_repartida

2,211
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
2,211
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
8
Actions
Shares
0
Downloads
48
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. AsAs desigualdadesdesigualdades nosnos níveis deníveis de DesenvolvimentoDesenvolvimento
  • 2. I-2  O mundo em que vivemos é feito de contrastes e está em permanente mudança.  Temos países muito ricos, com vastos recursos naturais e/ou humanos e em que a população tem uma boa qualidade de vida. Contrastes de Desenvolvimento  Temos países muito pobres em que a maior parte da população não tem, por exemplo, acesso a água potável e a cuidados de saúde.
  • 3. I-3 CONTRASTES NO: - CRESCIMENTO; - DESENVOLVIMENTO E NA: - QUALIDADE DE VIDA
  • 4. I-4 RIQUEZA MAL REPARTIDA  A nível económico subsistem muitas desigualdades, que são evidenciadas por indicadores como o Produto Interno Bruto por habitante e a contribuição de cada um dos sectores de actividade para a sua formação.
  • 5. I-5 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Indique, com base no mapa da Fig. 6, regiões onde o PIB por habitante é:  superior a 20 mil dólares  Norte da América do Norte  Europa Ocidental  Austrália  Japão.
  • 6. I-6 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Indique, com base no mapa da Fig. 6, regiões onde o PIB por habitante é:  inferior a 5 mil dólares  Países da costa ocidental da América do Sul  África  Ásia.
  • 7. I-7 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Identifique, no gráfico da Fig. 6, os dois países para cujo PIB mais contribuiu:  a agricultura  Etiópia  Uganda.
  • 8. I-8 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Identifique, no gráfico da Fig. 6, os dois países para cujo PIB mais contribuiu:  a indústria  China  Malásia.
  • 9. I-9 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Identifique, no gráfico da Fig. 6, os dois países para cujo PIB mais contribuiu:  o sector dos serviços  França  Estados Unidos da América.
  • 10. I-10 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Explique as diferenças encontradas ao responder à questão anterior  Nos países pouco desenvolvidos o sector de actividade que mais contribui para a formação do PIB por habitante é a agricultura  Nos países em franco desenvolvimento o sector de actividade que mais contribui para a formação do PIB por habitante é a indústria  Nos países desenvolvidos o sector de actividade que mais contribui para a formação do PIB por habitante é o dos serviços.
  • 11. I-11 RIQUEZA MAL REPARTIDA  É nos países da América do Norte, da Europa Ocidental e ainda no Japão e na Austrália que se registam os valores mais elevados de PIB por habitante, enquanto os mais baixos se verificam na África Subsariana e na Ásia do Sul e do Sudeste  Num número significativo de países, o PIB por habitante é inferior a 5 mil dólares, o que realça o facto de grande parte da riqueza mundial beneficiar apenas uma pequena parcela da população.
  • 12. I-12 RIQUEZA MAL REPARTIDA  O nível de desenvolvimento dos países está directamente relacionado com a importância relativa dos diferentes sectores de actividade, sendo mais elevado quanto menor for a importância da agricultura e maior a do sector dos serviços  Assim, nos países desenvolvidos, predominam as actividades económicas ligadas aos serviços, cada vez mais importantes e qualificadas, enquanto nos países de industrialização mais recente, a indústria é já um sector muito importante e, nos menos desenvolvidos, ainda predomina a agricultura.
  • 13. I-13 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Nos últimos anos, o crescimento económico, em termos percentuais, em muitos países em desenvolvimento tem sido maior do que nos países desenvolvidos, como o demonstra a diferente evolução do Produto Nacional Bruto — PNB  Produto Nacional Bruto (PNB) • valor de todos os bens e serviços produzidos por agentes económicos de um país, dentro e fora das suas fronteiras, num dado período, geralmente um ano  PNB por habitante (PNB/hab.)• valor do PNB a dividir pelo total de habitantes.
  • 14. I-14 RIQUEZA MAL REPARTIDA  O crescimento económico é muito importante, mas, para que haja desenvolvimento, a riqueza gerada tem de contribuir para elevar o nível de vida da população, o que implica a criação de infra-estruturas e condições de acesso à habitação, à saúde, à educação, etc.
  • 15. I-15 RIQUEZA MAL REPARTIDA  Para avaliar o nível de desenvolvimento dos países é necessário ter em conta também indicadores de carácter social, como os relativos à saúde e à educação  É assim que a ONU calcula o Índice de Desenvolvimento Humano (IDH), que varia entre 0 e 1.
  • 16. I-16 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  Na maior parte dos países desenvolvidos, a fase de maior crescimento demográfico coincidiu com o desenvolvimento da indústria  Assim, o aumento demográfico foi acompanhado de um crescimento económico que permitiu fazer face às maiores necessidades da população.
  • 17. I-17 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  Em muitos países em desenvolvimento, a economia ainda é baseada numa agricultura pouco produtiva ou na exportação de matérias-primas  A explosão demográfica da segunda metade do século XX ocorreu sem que se tenha verificado um crescimento económico significativo, pelo que as diferenças e a dependência face aos países desenvolvidos tornaram-se ainda maiores.
  • 18. I-18 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  Contudo, enquanto muitos países em desenvolvimento ainda se podem considerar não industrializados, devido à inexistente ou à fraca implantação da indústria, outros há cuja industrialização se iniciou nas últimas décadas  São, assim, designados por novos países industrializados — NPI — e localizam-se, principalmente, na América Latina, na Ásia Oriental e no Sudeste da Ásia.
  • 19. I-19 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  Os NPI com um crescimento económico mais significativo são os da Ásia, destacando-se a China e os chamados Dragões — Coreia do Sul, Taiwan, Singapura e Hong Kong — e Tigres — Indonésia, Malásia, Filipinas e Tailândia  Estes NPI apresentam já uma grande capacidade de competir a nível mundial.
  • 20. I-20 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores deFactores de desigualdadedesigualdade  A industrialização dos NPI começou por se basear na deslocalização da indústria mais antiga dos países desenvolvidos para onde existe abundância de mão- de-obra barata e sem exigências sociais  Os próprios governos, incluindo os de outros países em desenvolvimento, incentivaram o investimento estrangeiro.
  • 21. I-21 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  Apesar de, na generalidade das situações, serem os investidores estrangeiros a controlar a produção e a comercialização dos produtos, beneficiando dos respectivos lucros, a industrialização permitiu o crescimento económico, o aumento do emprego e alguma melhoria no nível de vida da população  Favoreceu também o aumento do investimento interno e o aparecimento de núcleos de indústria moderna, cujos produtos são cada vez mais vendidos em todo o mundo.
  • 22. I-22 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desigualdadeFactores de desigualdade  A deslocalização da indústria para muitos países em desenvolvimento teve também alguns aspectos negativos  Muitos dos problemas de poluição industrial foram transferidos para países pobres, onde ainda não existem sistemas de controlo nem de tratamento de resíduos  A nível social, colocam-se problemas como o reduzido nível salarial dos trabalhadores e a utilização de mão-de-obra infantil.
  • 23. I-23 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de crescimento económicoFactores de crescimento económico  Existem factores que favorecem o crescimento económico e outros que o dificultam  De um modo geral, nos países desenvolvidos, os factores favoráveis suplantam os desfavoráveis, acontecendo o contrário nos países em desenvolvimento.
  • 24. I-24 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  a riqueza acumulada, que gera disponibilidade de capitais para realizar investimentos, tanto internos como externos;
  • 25. I-25 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  a grande produtividade das actividades agrícola e industrial, que garante um forte dinamismo das exportações;
  • 26. I-26 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  a expansão dos serviços, que tem permitido o aparecimento de um grande número de novas actividades geradoras de emprego e de riqueza;
  • 27. I-27 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  a existência de recursos humanos de elevado nível de instrução e qualificação profissional, que garantem a produtividade e a inovação;
  • 28. I-28 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  o grande investimento no sector da investigação científica e tecnológica, que permite a manutenção da competitividade e do domínio da economia mundial;
  • 29. I-29 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países desenvolvidos destacam-se como factores que permitem a manutenção do crescimento económico e, simultaneamente, garantem um bom nível de vida à maioria da população:  a crescente utilização de técnicas de marketing, que desperta novas necessidades de consumo, tanto nos mercados nacionais como internacionais.
  • 30. I-30 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Porém, os progressos tecnológicos e o crescimento económico nos países desenvolvidos não têm conseguido evitar problemas como  O agravamento das desigualdades entre regiões  O desemprego  A exclusão social  Simultaneamente, verifica-se uma maior pressão sobre os recursos naturais e um aumento da produção de resíduos e da contaminação ambiental.
  • 31. I-31 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  a falta de capitais, que obriga os países em desenvolvimento a contraírem empréstimos no estrangeiro, aumentando a sua dívida externa;
  • 32. I-32 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  os gastos excessivos na compra de armas, na importação de bens de luxo e em projectos de desenvolvimento ineficazes;
  • 33. I-33 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  a dependência económica face aos investidores estrangeiros, que permite que os lucros da produção saiam para o exterior;
  • 34. I-34 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  a fraca produtividade agrícola e das restantes actividades, que obriga a elevadas importações;
  • 35. I-35 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  os baixos níveis de instrução e a falta de mão-de- obra qualificada, que contribuem para a fraca produtividade das actividades económicas;
  • 36. I-36 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  Nos países em desenvolvimento, a grande juventude da população e a abundância de matérias-primas poderiam contribuir para o crescimento económico, mas há factores que impedem a sua total potencialização, podendo salientar-se os seguintes:  a instabilidade política e os frequentes conflitos armados, como os que se verificam em África (Doc. 5).
  • 37. I-37 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico  No entanto, os países em desenvolvimento que fazem parte do grupo dos novos países industrializados reúnem condições favoráveis ao seu crescimento económico como:  o aumento da disponibilidade de capitais internos, que permite o investimento de uma maior percentagem dos lucros da produção no próprio país;  o crescimento da procura interna, que dinamiza o mercado e a economia;  a existência de mão-de-obra abundante, que começa a tornar-se mais instruída e qualificada;  o dinamismo económico e social, que gradualmente aproxima os padrões de vida aos dos países desenvolvidos;  a modernização da indústria, que aumenta a capacidade de concorrência no mercado mundial e, consequentemente, as exportações.
  • 38. I-38 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Factores de desenvolvimento económico
  • 39. I-39 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  Apesar do recente crescimento económico de muitos países em desenvolvimento, principalmente dos NPI, as desigualdades têm vindo aumentar a nível mundial.
  • 40. I-40 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  O aumento das desigualdades é preocupante, tanto para os países mais pobres como para os mais ricos, uma vez que estes precisam de alargar os seus mercados e o grande crescimento populacional nos países em desenvolvimento, associado à falta de condições de vida, incentiva a emigração para os países desenvolvidos  Por outro lado, é cada vez mais consensual que o acesso a condições de vida dignas é um direito humano do qual todos as pessoas devem usufruir  Assim, a cooperação internacional para o desenvolvimento global assume uma importância crescente  Existem várias formas de cooperação internacional, traduzindo-se umas em fluxos de capitais, outras em serviços prestados por membros de organizações internacionais e outras ainda em bens enviados para os países mais pobres.
  • 41. I-41 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  O investimento estrangeiro  Nos países em desenvolvimento, o investimento estrangeiro gera emprego e, ao mesmo tempo, promove o progresso tecnológico e potencia o desenvolvimento social, uma vez que indirectamente, favorece a elevação dos níveis de instrução e de qualificação profissional  Todavia, também tem inconvenientes como a sobreexploração dos recursos naturais, o envio de grande parte dos lucros para os países desenvolvidos e o aumento da dependência dos países em desenvolvimento  Entre os maiores beneficiários do investimento estrangeiro encontram-se alguns NPI, onde o baixo custo da mão-de-obra e os benefícios concedidos às empresas multinacionais proporcionam elevados lucros aos investidores.
  • 42. I-42 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  A ajuda ao desenvolvimento  A ajuda ao desenvolvimento assume um carácter menos lucrativo e inclui a ajuda monetária e a ajuda humanitária prestadas por governos e organizações internacionais  Organização das Nações Unidas (ONU)  Fundo Monetário Internacional (FMI)  Organizações não governamentais (ONG)  A ajuda monetária prestada por governos e por outros organismos públicos é feita tanto através de doações como de empréstimos, destinando-se sobretudo a investimentos que promovem o desenvolvimento através da construção de infra-estruturas e da criação de empresas de interesse público.
  • 43. I-43 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  A ajuda ao desenvolvimento  Descreva, com base na Fig. 16, a evolução da ajuda pública ao desenvolvimento  Comente os fluxos da ajuda pública ao desenvolvimento, referindo um aspecto positivo e um negativo para os países beneficiários.
  • 44. I-44 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  A cooperação internacional  A ajuda ao desenvolvimento  Contudo, a ajuda monetária, quando é prestada através de empréstimos, aumenta a dívida externa dos países beneficiários e os respectivos juros  Por outro lado, muitas vezes é mal gerida, chegando mesmo a ser aplicada em favor pessoal ou de uma determinada facção política e a não cumprir o seu objectivo inicial (Doc. 7)  As organizações não governamentais também contribuem para a ajuda ao desenvolvimento através da angariação de fundos junto da população dos países desenvolvidos  Porém, a sua acção mais importante passa pela ajuda directa à população carenciada através da distribuição de bens e da prestação de serviços como a assistência médica, a alfabetização, etc.
  • 45. I-45 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Quebrar o ciclo da pobreza  Todas as formas de ajuda deveriam promover o desenvolvimento sustentado dos países em desenvolvimento, ou seja, criar condições para que os próprios países pudessem desenvolver-se sem dependerem da ajuda externa  Para tal, será necessário ultrapassar dois grandes entraves:  o elevado crescimento demográfico, pois ainda que exista crescimento económico significativo, como as despesas com a população aumentam a um ritmo superior, não é possível a constituição de poupanças e excedentes;  a dívida externa que absorve grande parte dos rendimentos, não podendo estes ser aplicados na melhoria das condições de vida da população.
  • 46. I-46 RIQUEZA MAL REPARTIDARIQUEZA MAL REPARTIDA  Quebrar o ciclo da pobreza  É um ciclo difícil de quebrar  Só com o empenhamento da comunidade internacional será possível definir estratégias de cooperação e de ajuda internacional, nomeadamente no que se refere à resolução do problema da dívida externa.