Aula 4 petróleo prof. pedro ibrapeq

10,352
-1

Published on

Published in: Education
0 Comments
7 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
10,352
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
7
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Aula 4 petróleo prof. pedro ibrapeq

  1. 1. Prof.° Pedro Monteiro Aula 4
  2. 2. Prof.° Pedro Monteiro
  3. 3. Prof.° Pedro Monteiro
  4. 4. São aquelas que resultam da consolidação do magma, oqual é constituído por soluções que ocorrem nointerior da crosta terrestre.Ocorrências de consolidação de rochas magmáticas:a) No Interior da crosta terrestre: rochas intrusivas (Plutônicasou Abissais), de granulação grossa a média, com texturaequigranular;b) Na superfície (vulcanismo): rochas extrusivas, de granunlaçãofina ou vítrea, com textura inequigranular. Prof.° Pedro Monteiro
  5. 5. GABRO GRANITO Prof.° Pedro Monteiro
  6. 6. BASALTORIOLITO Prof.° Pedro Monteiro
  7. 7. São aquelas que resultam da ação da pressão,da temperatura e de soluções químicas sobrequalquer outro tipo de rocha, alterando deforma importante suas característicasmineralógicas e físicas. Prof.° Pedro Monteiro
  8. 8. GNAISSEFILITO Prof.° Pedro Monteiro
  9. 9. Prof.° Pedro Monteiro
  10. 10. As rochas sedimentares são aquelasformadas a partir do material originado dadestruição erosiva de qualquer tipo de rocha,material este que deverá ser transformado eposteriormente depositado ou precipitadoem um dos muitos ambientes desedimentação da superfície da Terra. Prof.° Pedro Monteiro
  11. 11. SEDIMENTO CONSOLIDADO CASCALHO CONGLOMERADO AREIA ARENITO SILTE SILTITO ARGILA FOLHELHO Prof.° Pedro Monteiro
  12. 12. CONGLOMERADO ARENITO FOLHELHO SILTITO Prof.° Pedro Monteiro
  13. 13. Prof.° Pedro Monteiro
  14. 14. Um sistema petrolífero ativo compreende aexistência e o funcionamento síncronos de quatroelementos (rochas geradoras maturas, rochasreservatório, rochas selantes e trapas) e doisfenômenos geológicos dependentes do tempo(migração e sincronismo) Prof.° Pedro Monteiro
  15. 15. O elemento mais importante e fundamental para aocorrência de petróleo em quantidades significativasem uma bacia sedimentar, em algum tempo geológicopassado ou presente, é a existência de grandesvolumes de matéria orgânica de qualidade adequadaacumulada quando da deposição de certas rochassedimentares que são denominadas de geradoras.São estas rochas que, submetidas a adequadastemperaturas e pressões, geraram o petróleo emsubsuperfície. Prof.° Pedro Monteiro
  16. 16. Rochas geradoras são normalmente constituídas de materialdetrítico de granulometria muito fina (fração argila), taiscomo folhelhos ou calcilutitos, representantes de antigosambientes sedimentares. Testemunho de uma rocha geradora Rocha potencialmente geradora de de petróleo da Formação Candeias petróleo observada ao microscópio (folhelho rico em matéria orgânica), (folhelho). Bacia do Recôncavo. Prof.° Pedro Monteiro
  17. 17. Prof.° Pedro Monteiro
  18. 18. A Origem do PetróleoExistem 4 estágios para aformação do petróleo, são eles:1.Diagênese2.Catagênese3.Metagênese4.Metamorfismo Prof.° Pedro Monteiro
  19. 19. A Origem do PetróleoEtapas Nessa etapa a temperatura está na faixa de 65°C, predomina a atividadeDiagênese bacteriana que provoca a reorganização celular e transforma a matéria orgânica em querogênio. O produto gerado é o metano bioquímico. Nessa etapa a temperatura está na faixaCatagênese de até 165°C, é determinante da quebra das moléculas de querogênio e resulta na geração de hidrocarbonetos líquidos e gás. Prof.° Pedro Monteiro
  20. 20. A Origem do PetróleoEtapas Nessa etapa a temperatura vai até 210°C,Metagênese propicia a quebra das moléculas de hidrocarbonetos líquidos e sua transformação em gás leve. Ultrapassando a última etapa, o aumento de temperatura leva à degradação doMetamorfismo hidrogênio gerado. E os produtos são: Grafite. Gás carbônico e resíduo de gás metano. Prof.° Pedro Monteiro
  21. 21. Prof.° Pedro Monteiro
  22. 22. Chamamos de migração o caminho que opetróleo faz do ponto em que foi gerado atéaquele no qual será acumulado. Devido à altapressão e à temperatura, os hidrocarbonetos sãoexpelidos das rochas geradoras e migram para asrochas adjacentes. A partir da migração, opetróleo terá chances de se acumular em umreservatório e formar reservas de interesseeconômico. Prof.° Pedro Monteiro
  23. 23. Prof.° Pedro Monteiro
  24. 24. Movimentação dos hidrocarbonetos do interior dasrochas-fonte para fora destas. Uma vez gerado opetróleo, ele passa a ocupar um espaço/volume maiordo que o querogênio original na rocha geradora. Estase torna supersaturada em hidrocarbonetos e apressão excessiva destes faz com que a rocha-fontese frature intensamente, permitindo a expulsão dosfluidos para zonas de pressão mais baixa. A viagemdos fluidos petrolíferos, através de rotas diversaspela subsuperfície, até à chegada a um localportador de espaço poroso, selado e aprisionado,apto para armazená-los, constitui o fenômeno damigração Prof.° Pedro Monteiro
  25. 25. Movimento em direção ao interior das rochas reservatórios. Prof.° Pedro Monteiro
  26. 26. Prof.° Pedro Monteiro
  27. 27. O petróleo, após ser gerado e ter migrado, éeventualmente acumulado numa rocha chamada dereservatório.Ela é uma rocha porosa e suficientementepermeável para que o petróleo possa ter chegado aela. É composta de grãos ligados uns aos outros porum material chamado de cimento. Para se constituirum reservatório deve apresentar espaços vazios noseu interior, e que estes vazios estejam interconectados.Exemplos de rocha reservatório: arenito,carbonatos, calcarenitos. Prof.° Pedro Monteiro
  28. 28. POROSIDADEProporção entre o espaço livre (vazio) de uma rochae o volume total da mesma.PERMEABILIDADEÉ definida como sendo a medida da facilidade de umarocha reservatório ser atravessada por fluidos. Apermeabilidade é grandemente influenciada pelotamanho dos grãos; quanto menores forem os grãos,menor será a permeabilidade. Prof.° Pedro Monteiro
  29. 29. O volume total ocupado por uma rocha- reservatório é a soma do volume dos materiais sólidos (grãos, matriz e cimento) e do volume dos espaços vazios existentes entre eles. O volume de espaços vazios é também chamado devolume poroso. Portanto, a porosidade de uma rocha é definida por: Φ = Vp/Vt Prof.° Pedro Monteiro
  30. 30. A classificação das rochas-reservatório quanto à porosidade Porosidade (%) Fechada 0 - 9 Regular 9 - 15 Boa 15 - 20 Excelente 20 - 25 Prof.° Pedro Monteiro
  31. 31. A classificação das rochas- reservatório quanto à permeabilidade. Permeabilidade (mD) Baixa Menor que 1 Regular 1 – 10 Boa 10 – 100 Muito boa 100 – 1000 Excelente Maior que 1000 Prof.° Pedro Monteiro
  32. 32. Prof.° Pedro Monteiro
  33. 33. Visão VisãoMacroscópica Microscópica Prof.° Pedro Monteiro
  34. 34. Visão Microscópica da Porosidade da Rocha Prof.° Pedro Monteiro
  35. 35. Testemunho de uma rocha-reservatório(arenito portador de petróleo), Bacia do Arenito observado ao microscópio.Recôncavo. Prof.° Pedro Monteiro
  36. 36. Exercícios !!! Uma amostragem de rocha proveniente de um poço de petróleo durante sua perfuração foi analisada e ficou definido que seu volume total é de 20cm³, e seu volume poroso é de 10cm³. Calcule o percentual da porosidade desta rocha. Uma rocha encontrada numa bacia sedimentar do estado da Bahia, possuía uma porosidade de 30%. Sabendo-se que o volume total desta rocha é de 900 cm³, calcule seu volume poroso Vp. Prof.° Pedro Monteiro
  37. 37. As armadilhas, também conhecidas por trapas, sãoestruturas geológicas que permitem a acumulaçãode óleo ou gás. É a rocha ou conjunto de rochas quedeverá ser capaz de aprisionar o petróleo após suaformação, evitando que ele escape. As trapas sãolocais do subsolo onde existem condiçõesadequadas para que se acumulem oshidrocarbonetos e se caracterizam pela presençade rochas porosas e permeáveis, conhecidas comorochas-armazém ou reservatórios, nas quais seacumulam ou armazenam os hidrocarbonetosconfinados por camadas de rochas impermeáveis ourochas-selo, que impedem sua migração. Prof.° Pedro Monteiro
  38. 38. A armadilha ideal deve apresentar: Rochas-reservatório adequadas, ou seja, deporosidade entre 15% e 30%; Condições favoráveis para a migração do petróleodas rochas-fonte para as rochas reservatório(permeabilidade das rochas); Um selante adequado para evitar a fuga dopetróleo para a superfície. Prof.° Pedro Monteiro
  39. 39. Podem existir bacias sedimentares com rocha-fontesem petróleo, se não havia armadilha para armazenaro petróleo gerado. Vejamos os tipos de armadilha-petróleo:Estruturais: é a forma mais comum de acumulação de petróleo.Ocorre em regiões em que a crosta esteve sujeita àcompressão horizontal;Estratigráficas: ocorrem em regiões em que a crosta estevesujeita à compressão vertical;Combinadas: ocorre quando temos uma combinação dos doistipos anteriores, ou seja, estruturais e estratigráficas. Prof.° Pedro Monteiro
  40. 40. Armadilhas Estruturais – Dobras e FalhasFormadas das respostas das rochas aos esforços e deformações. Prof.° Pedro Monteiro
  41. 41. Armadilhas Estratigráficas Prof.° Pedro Monteiro
  42. 42. Detalhe de armadilha estrutural condicionada pelo deslocamento relativo de blocos Prof.° Pedro Monteiro
  43. 43. Atendidas as condições de geração, migração e reservatório,para que se dê a acumulação do petróleo, existe anecessidade de que alguma barreira se interponha no seucaminho. Esta barreira é produzida pela rocha selante, cujacaracterística principal é sua baixa permeabilidade.Além da impermeabilidade, a rocha selante deve ser dotadade plasticidade, característica que a capacita a manter suacondição selante mesmo depois de submetida a esforçosdeterminantes de deformações. Duas classes de rochas sãoselantes por excelência: os folhelhos e os evaporitos (sal).Outros tipos de rochas também podem funcionar como tal. Aeficiência selante de uma rocha não depende só de suaespessura, mas também de sua extensão. Prof.° Pedro Monteiro
  44. 44. Relações entre o tipo de rocha e sua função numa acumulação de petróleo. FOLHELHOS GERADORES E SELANTES * ARENITOS RESERVATÓRIOS RESERVATÓRIOS CALCÁRIOS GERADORES E SELANTES * EVAPORITOS SELANTES * RESERVATÓRIO QUANDO FRATURADOS Prof.° Pedro Monteiro
  45. 45. Sincronismo, no tocante à geologia do petróleo, é o fenômeno que fazcom que as rochas geradoras, reservatórios, selantes, trapas emigração se originem e se desenvolvam em uma escala de tempoadequada para a formação de acumulações de petróleo. Assim sendo,uma vez iniciada a geração de hidrocarbonetos dentro de uma baciasedimentar, após um soterramento adequado, o petróleo expulso darocha geradora deve encontrar rotas de migração já formadas, sejapor deformação estrutural anterior ou por seu próprio mecanismo desobrepressão desenvolvido quando da geração. Da mesma maneira, atrapa já deve estar formada para atrair os fluidos migrantes, osreservatórios porosos já devem ter sido depositados, e não muitosoterrados para perderem suas características permo-porosasoriginais, e as rochas selantes já devem estar presentes paraimpermeabilizar a armadilha.Se estes elementos e fenômenos não seguirem uma ordem temporalfavorável, o sincronismo, de nada adiantará a existência defasada degrandes estruturas, abundantes reservatórios e rochas geradorascom elevado teor de matéria orgânica na bacia sedimentar. Prof.° Pedro Monteiro
  46. 46. Relações espaciais entre rochas geradoras, reservatórios e selantes Prof.° Pedro Monteiro

×