Your SlideShare is downloading. ×
REVISTA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

REVISTA

6,957

Published on

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,957
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
183
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. DEZEMBRO 2011 EsPeCiAl EduCaÇão A revista que você procurava! 2ª Edição. Imperdível* A avaliação da aprendizagem. Pág. 04 As funções da avaliação. Pág. 06 Concepções de alguns autores. Pág. 07 NOS TRILHOS DO CONHECIMENTO Aproveite! Edição limitada.
  • 2. ÍNDICE CAPA Introdução sobre avaliação da 04 aprendizagem. SEÇÕES 06 As funções da avaliação. 07 Concepções de alguns autores. - Celso Antunes. - Cipriano Luckesi. 08 Jussara Hoffmann. 09 Dicas importantes. ENTREVISTA Entrevista com uma professora de 10 rede particular de ensino. Professora: Nelsilene Lima Santos. 12 Leituras indicadas. LINK: www.educadoresdoconhecimentoemacao.blogspot.comDEZEMBRO 2011 02
  • 3. AVALIAÇÃO DA APRENDIZAGEM Muito se tem discutido sobre o cenário da avaliação da aprendizagem nestes últimos anos. Avaliar é um ato que deve ser feito com responsabilidade, ética e moral. A avaliação fundamentada em pressupostos tradicionais e apenas quantitativos ainda é uma abordagem usual, contudo devemos refletir sobre este cenário tendo em vista as novas demandas sociais. Ainda neste contexto, vale pontuar que avaliar não deve ser somente medir, mas perceber uma concepção filosófica política que este universo nos remete. Deveríamos repensar os métodos avaliativos para Observamos que refletir sobre o que estes tenham seus limites contexto da avaliação no campo do ultrapassados tendo em vista a desempenho escolar assim como o introdução de novas tecnologias e de cenário da educação na formação uma pós modernidade educacional. do aluno como um indivíduo voltado para a cidadania, trata-se de uma necessidade fundamental para uma prática educativa mais justa e igualitária. Isto porque acreditamos que o processo ensino e aprendizagem deve estar pautado no respeito ao educando, considerando como pressuposto seus aspectos físico, social e econômico; não podendo haver qualquer espécie de discriminação uma vez que no momento em que o aluno é valorizado em sua plenitude, poderá se efetivar a formação de cidadãos críticos e ativos no contexto social.Transformar valores e arraigar conceitos deveria ser o principal objetivo da avaliação.
  • 4. Contudo, vale ainda apontar que a avaliação não é somente uma questãorelacionada aos professores, mas à escola como um todo.Entende-se que, neste processo avaliação – ensino - aprendizagem, todosos educadores devem ter em mente o que é avaliar e o quanto umaavaliação pode mexer com a auto-estima de um aluno, se usada de formaincorreta. Avaliar não deve ter como base a exclusão e sim a inclusão doeducando, sempre pensando naquele ser humano como um grande potencialde grandes feitos futuros. Mudar a Avaliação A avaliação pressupõe a ruptura da velha lógica, aprovação ou reprovação. Para construir uma nova concepção de avaliação fundamental na aprendizagem. O que não significa aprovação automática. A aprendizagem exige presença física, emocional e intelectual do aluno. Exige muito esforço e dedicação. A ameaça de reprovação é uma motivação negativa que, quando muito, leva o aluno a "livrar-se" das obrigações de estudar (...) O aluno deixa assim de exercer ativamente, prioritariamente, essencialmente, sua condição de estudante, já que sua principal função não é a de alguém que estuda, mas de alguém que se desvencilha da ameaça de ser reprovado."(PARO, p. 111) "A escola não se sentia responsável pelas aprendizagens, limitava-se a oferecer a todos a oportunidade de aprender: cabia a cada um aproveitá-la!
  • 5. Funções da avaliação:“Função diagnóstica“ “Função formativa” “Função somativa”. A modalidade diagnóstica consiste na soldagem, projeção e retrospecção das situações dos desenvolvimentos do aluno, permitindo constatar as causas de repetidas dificuldades de aprendizagem. Quando os objetivos não forem atingidos, são retomados e elaborada-se novas estratégias para que se efetua a produção do conhecimento. SantAnna (1999) complementa que “esta modalidade deve ser feita no início de cada ciclo de estudos através de uma reflexão constante, crítica e participativa”. A modalidade formativa informa o professor e o aluno sobre resultados da aprendizagem no desenvolvimento das atividades escolares. O educador utilizá-la durante o decorrer do ano letivo. Conforme Haydt, permite constatar se os alunos estão, de fato, atingindo os objetivos pretendidos, verificando a compatibilidade entre tais objetivos e os resultados efetivamente alcançados durante o desenvolvimento das atividades propostas. A modalidade somativa tem por função classificar os educandos ao final da unidade, segundo níveis de aproveitamento apresentados não apenas com os objetivos indivíduos, mas também pelo grupo. Tem como objetivo, segundo Miras e Solé, determinar o grau de domínio do aluno em uma área de aprendizagem, o que permite outorgar uma qualificação que, por sua vez, pode ser utilizada como um sinal de credibilidade da aprendizagem realizada.
  • 6. A avaliação da aprendizagem segundo concepções de autores, como: CELSO ANTUNES, LUCKESI e HOFFMANN. Um dos grandes problemas que dificulta a questão da avaliação do rendimento escolar é se pensar que avaliação é um capítulo especial no processo de aprendizagem. É fazer com que o ensino se viabiliza em função da própria avaliação. Quando na verdade, a avaliação no palco da educação é um ator coadjuvante. A avaliação é apenas a decorrência de um processo normal de aprendizagem. Os educadores de uma maneira geral dividem a avaliação em duas grandes categorias: a Avaliação Somativa e a Avaliação Educativa. A Avaliação Somativa é uma educação centrada essencialmente naquilo que a memória é capaz deCelso Antunes reter. É aquela avaliação convencional, daquela prova fria, uma prova metálica, que diz o quanto o aluno tirou. Já a Avaliação Educativa ela não é pontual, o aluno ele é avaliado em todas as oportunidades, como nós o somos.Segundo Luckesi, avaliar tem, basicamente três passos:-Conhecer o nível de desempenho do aluno em formade constatação da realidade.-Comparar essa informação com aquilo que éconsiderado importante no processo educativo.-Tomar as decisões que possibilitem atingir osresultados esperados.Neste sentido, é essencial definir critérios onde caberáao professor listar os itens realmente importantes,informá-los aos alunos sem uma necessidade, pois aavaliação só tem sentido quando é contínua,provocando o desenvolvimento do educando. Cipriano Luckesi 07
  • 7. Jussara Hoffmann Segundo Jussara Hoffman para a escola desenvolver e construir uma cultura avaliativa mediadora, “é preciso que se fundamentem princípios, muito mais do que se transformem metodologias. As metodologias são decorrentes da clareza dos princípios avaliativos”, onde, defende três princípios para essa prática avaliativa mediadora. O primeiro princípio é o de uma avaliação a serviço da ação.O segundo princípio é o da avaliação como projeto de futuro.O terceiro princípio que fundamenta essa metodologia é o princípio ético. Aavaliação, muito mais do que o conhecimento de um aluno é oreconhecimento desse aluno. Em seu Livro: AVALIAÇÃO: MITO E DESAFIO. Do ponto de vista da autora configura-se a avaliação educacional, em mito e desafio.O mito é decorrente de sua O maior dentre os desafios é ampliar-estória que vem perpetuando se o universo dos educadoresos fantasmas do controle e do preocupados com o fenômenoautoritarismo há muitas avaliação, estender-se a discussão dogerações. A desmistificação, interior das escolas e toda a sociedade.por outro lado, ultrapassa o Temos o compromisso de construirdesfilamento dessa estória e a outra estória para as futuras gerações,análise dos pressupostos descaracterizadas da feição autoritáriateóricos que fundamentam a que ainda a reveste, em busca de umaavaliação até então. ação libertadora.
  • 8. DICAS IMPORTANTES Nos dias de hoje, a avaliação da aprendizagem não é algo meramente técnico, envolve auto-estima, respeito à vivência e cultura própria do indivíduo. Avaliar não deve ter como base a exclusão e sim a inclusão do educando. A auto-avaliação deve estar presente em todos os momentos. Na avaliação da aprendizagem, o professor não deve permitir que os resultados das provas periódicas, sejam super valorizados. A avaliação é apenas a decorrência de um processo normal de aprendizagem.
  • 9. ENTREVISTAO ato de avaliar está presente em todas as atividades da sala de aula. A clareza do ato é que nem sempre está implícita para todos os que fazem parte do sucesso.1. Qual o seu entendimento sobre a avaliação da aprendizagem?Avaliar é valorizar, objetivando o aperfeiçoamento dacapacidade criativa e construtora do aluno. O processoavaliativo deve ocorrer paralelamente ao desenvolvimentodas aprendizagens dos educandos.2. Qual o método de ensino utilizado na escola que vocêleciona?O tradicional construtivista, onde o professor ajuda naaquisição dos conhecimentos.3. Como seus alunos são avaliados?Pelo desenvolvimento da capacidade de produzir e utilizar osconhecimentos adquiridos e não apenas pela quantidade deinformações que lhes são passadas. 10
  • 10. 4. Quais seus métodos avaliativos? Na avaliação escolar é preciso (e eu utilizo) uma avaliação formativa onde mostra concretamente o desenvolvimento do processo de aprendizagem e uma avaliação somativa que ocorre ao final do processo de ensino com aplicação de testes e provas. 5. Quais são suas estratégias para uma avaliação eficiente? Na sala de aula a avaliação ocorre através de formas variadas; * individual (testes e provas), * coletiva (trabalhos em grupos), * auto avaliação (por parte do aluno) e escrita de diário de classe (registrando o desempenho do aluno). 6. Quais seus critérios para uma avaliação qualitativa? Observo o interesse pelo estudo, o relacionamento com o colega, disciplina, pontualidade com as tarefas escolares e o senso crítico. 7. De que forma a escola compreende a importância da avaliação da aprendizagem? A avaliação ainda é um ponto definitivo no processo educativo, pois através dela pode-se observar a eficiência das praticas e recursos pedagógicos utilizados. A qualidade da avaliação revela a qualidade da escola.O mais importante é que alunos e professores percebam que a avaliação daaprendizagem existe para possibilitar o melhor desenvolvimento dos educandos enão para excluí-los.
  • 11. LEITURAS INDICADAS Avaliação mito e desafio O livro da autora, introduz a sua teoria de avaliação mediadora. Tem por objetivo desafiar o mito da avaliação classificatória. Apresentando vários exemplos de situações vividas em escolas, Jussara consegue mobilizar o leitor a refletir sobre suas concepções e a indagar-se acerca do verdadeiro significado da ação avaliativa.Jussara Hoffmann Avaliação mediadoraJussara Hoffmann apresenta práticas avaliativasdesenvolvidas em vários segmentos do ensino, daeducação infantil à universidade, analisandofundamentos básicos da avaliação mediadoraquanto à metodologia, à correção de testes e detarefas avaliativas. Jussara Hoffmann Avaliação da aprendizagem escolar O educador posiciona a avaliação como um ato seletivo e inclusivo, que possibilita questionar ações passadas e gerar ações futuras. Cipriano Carlos Luckesi 12
  • 12. PARÓDIA APRENDER (Música de Gonzaguinha) Aprender, e não ter a vergonha do que diz Pesquisar, pesquisar, pesquisar Para ser um eterno aprendiz. Ah, eu sei, eu sei, que a escola Devia ser bem melhor e será Mas isso não impede que eu pesquise. É pesquisa, é pesquisa, e é pesquisa. Avaliação? Avaliação o que é, diga lá meu irmão? Ela é uma preocupação Ela é uma doce ilusão, ê, ô. Avaliação? Ela é maravilha ou é sofrimento? Ela alegria ou é um tormento? O que é, o que é meu irmão? Há quem fale que a avaliação. É futuro da gente. E por isso é preciso aprender. Entendo que o professor É um grande mediador. Numa atitude repleta de amor. Ele diz que é luta e prazer. Ele diz que é melhor aprender. Pois sabendo não vamos sofrer. Eu só sei que confio no mestre. E no mestre eu ponho a força da fé. Somos nos que fazemos a escola Como der ou puder ou quiser. Sempre desejada.
  • 13. São os sinceros votos de Adriely,Andréia, Nelsilene, Simone Alvim, e Caliandra.
  • 14. ESPECIAL EDUCAÇÃO 2011SEMPRE COM VOCÊ!

×