• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Sete saberesnecessrioseducaodofuturo
 

Sete saberesnecessrioseducaodofuturo

on

  • 4,970 views

 

Statistics

Views

Total Views
4,970
Views on SlideShare
4,970
Embed Views
0

Actions

Likes
3
Downloads
138
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Microsoft PowerPoint

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Sete saberesnecessrioseducaodofuturo Sete saberesnecessrioseducaodofuturo Presentation Transcript

    • Sete Saberes Necessários à Educação do Futuro EDGAR MORIN Uma síntese para debate elaborada por Sérgio Luís Boeira
    • Apresentação
      • O texto a seguir é um pequeno artigo de divulgação para suscitar o debate e especialmente a leitura detalhada de uma obra cuja versão inicial foi submetida a críticas de personalidades universitárias de todo o mundo. Trata-se em parte de uma obra coletiva, portanto, com apoio institucional da UNESCO.
      • Os sete saberes necessários à educação do futuro, de acordo com Edgar Morin (2000), são os que tratam dos seguintes tópicos:
      • 1- As cegueiras do conhecimento: o erro e a ilusão
      • 2- Os princípios do conhecimento pertinente
      • 3- Ensinar a condição humana
      • 4- Ensinar a identidade terrena
      • 5- Enfrentar as incertezas
      • 6- Ensinar a compreensão
      • 7- A ética do gênero humano
      • 1-Trata-se de “armar cada mente no combate vital rumo à lucidez” (Op.cit, p. 14), ou seja: é necessário introduzir e desenvolver na educação o estudo das características cerebrais, mentais, culturais dos conhecimentos humanos, de seus processos e modalidades, das disposições tanto psíquicas quanto culturais que o conduzem ao erro ou à ilusão;
      • 2- Trata-se de desenvolver a aptidão natural do espírito humano para situar todas as informações em um contexto e um conjunto. É preciso ensinar os métodos que permitam estabelecer as relações mútuas e as influências recíprocas entre as partes e o todo em um mundo complexo (Op.cit., p.14);
      • 3- Trata-se de reconhecer que o ser humano é simultaneamente físico, biológico, psíquico, cultural, social, histórico, e que esta unidade complexa da natureza humana é totalmente desintegrada na educação contemporânea por meio das disciplinas. Cabe, portanto, mostrar como é possível, com base nas disciplinas atuais, reconhecer a unidade e a complexidade humanas;
      • 4- Trata-se de ensinar a história da era planetária, que se inicia com o estabelecimento da comunicação entre todos os continentes no século XVI, e mostrar como todas as partes do mundo se tornaram solidárias, sem, contudo, ocultar as opressões e a dominação. Será preciso indicar a complexidade da crise planetária, mostrando que todos os seres humanos, confrontados com problemas comuns de vida e de morte, partilham um destino comum (Op.cit., p.16);
      • 5- Trata-se de ensinar os princípios de estratégia que permitiriam enfrentar os imprevistos, o inesperado e a incerteza, e modificar seu desenvolvimento, em virtude das informações adquiridas ao longo do tempo. “É preciso aprender a navegar em um oceano de incertezas em meio a arquipélagos de certeza” (Op.cit., p. 16).
      • 6- Trata-se de reconhecer que, embora a compreensão seja meio e fim da comunicação humana, a educação para a compreensão está ausente do ensino convencional. Precisamos reconhecer a necessidade da compreensão mútua. Disto decorre a necessidade de estudar a incompreensão a partir de suas raízes, suas modalidades e efeitos, enfocando não os sintomas, mas as causas do racismo, da xenofobia, do desprezo. Isto seria uma das bases mais seguras da educação para a paz (Op.cit., p.17).
      • 7- Trata-se de levar em consideração o caráter ternário da condição humana, que é ser simultaneamente indivíduo/sociedade/espécie. Nesse sentido, escreve Morin, a ética indivíduo/espécie necessita do controle mútuo da sociedade pelo indivíduo e do indivíduo pela sociedade, ou seja, a democracia; a ética indivíduo/espécie convoca, ao século XXI, a cidadania terrestre.
      • Além disso, a ética não poderia ser ensinada por meio de lições de moral. Deve formar-se nas mentes com base na consciência de que o ser humano é, ao mesmo tempo, indivíduo, parte da sociedade e parte da espécie.
      • Todo o desenvolvimento verdadeiramente humano deve compreender o desenvolvimento conjunto das autonomias individuais, das participações comunitárias e da consciência de pertencer à espécie humana.
      • Por isso esboçam-se duas grandes finalidades ético-políticas do novo milênio: estabelecer uma relação de controle mútuo entre a sociedade e os indivíduos pela democracia e conceber a Humanidade como comunidade planetária.
      • “ A educação deve contribuir não somente para a tomada de consciência de nossa Terra-Pátria , mas também permitir que esta consciência se traduza em vontade de realizar a cidadania terrena (Op.cit., p.18).
      • A antropolítica requer a compreensão complexa da condição humana, das interações entre os seus diversos aspectos (cerebral, cultural, físico, histórico, biológico, social e psíquico), de sua inserção em diversos âmbitos (indivíduo, sociedade e espécie) e do enfrentamento de diversos obstáculos, como a fragmentação do conhecimento e a incapacidade de percepção de interação entre o todo e as partes;
      • Sem uma reforma do pensamento humano e uma mudança de paradigma nas ciências e nas políticas públicas, a abordagem dos desafios socioambientais manter-se-á muito limitada e incapaz de viabilizar um redirecionamento salutar e durável nas relações entre as organizações/sociedades humanas e seus ecossistemas.
      • Esta limitação é perceptível no tratamento dos efeitos e problemas decorrentes das formas dominantes de organização, bem como no fraco interesse institucional e na incapacidade de prevenção e formulação de políticas destinadas a viabilizar a auto-eco-organização individual e coletiva.
      • A antropolítica proposta pelo autor requer simultaneamente uma geração de mais democracia e uma regeneração da democracia existente, além da invenção de uma democracia planetária, com a realização da Humanidade a partir da antropoética (ou ética da espécie humana).
      • A geração da democracia é necessária como resistência diante dos totalitarismos e das arbitrariedades, a partir das brechas do poder nas organizações públicas e privadas; a regeneração da democracia existente faz-se necessária como forma de elevação da qualidade da espécie, da sociedade e dos indivíduos em suas relações humanas, nas suas capacidades de conhecer, de compreender e de realizar a Humanidade em si, como legado para as futuras gerações.
      • Por fim, a invenção de uma democracia planetária requer a percepção do destino humano comum entre as várias nações e continentes, a disposição para forjar instituições globais voltadas para a educação e cidadania terrenas, com o concomitante desenvolvimento de uma cultura política planetária, complementar às culturas políticas comunitárias e societárias.
      • Sérgio Luís Boeira é doutor em ciências humanas (UFSC) e professor na UNIVALI (Universidade do Vale do Itajaí). E-mail: [email_address]
      • Fonte bibliográfica
      • MORIN, Edgar. Os sete saberes necessários à educação do futuro . São Paulo: Cortez; Brasília: UNESCO, 2000 (118 páginas).