Paulo Rogério Miranda  Correia Escola de Artes, Ciências e Humanidades  I  Universidade de São Paulo 26 de outubro de 2011...
<ul><li>Mapas conceituais </li></ul><ul><li>Construção colaborativa de conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Sala de aula </l...
<ul><li>Mapas conceituais </li></ul><ul><li>Construção colaborativa de conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Sala de aula </l...
conceito inicial conceito  final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +    mapas conceituais  
conceito inicial conceito  final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +    mapas conceituais  
conceito inicial conceito  final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +    mapas conceituais  
conceito inicial conceito  final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +    mapas conceituais  
conceito inicial conceito  final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +    mapas conceituais  
<ul><li>Diagramas esquemáticos </li></ul><ul><li>Alto grau de clareza (proposições) </li></ul><ul><ul><li>Mensagem muda co...
   mapas conceituais  
 
 
<ul><li>Preparação individual para a colaboração </li></ul><ul><li>Perguntas e respostas durante a colaboração </li></ul><...
<ul><li>Organização de conteúdo de disciplina  I   Pares </li></ul>   sala de aula  
<ul><li>Organização de conteúdo de disciplina  I   Pares </li></ul><ul><ul><li>Muito conteúdo e pouco tempo (EQ-004) </li>...
<ul><li>Ementa da disciplina </li></ul><ul><ul><li>Descrição detalhada e linear (começo e fim determinados) </li></ul></ul...
<ul><li>Rompimento com a linearidade do texto </li></ul><ul><ul><li>Nuvem de palavras: relevância relativa dos conceitos <...
 
<ul><li>Organização de conteúdo de disciplina  I   Resultados </li></ul><ul><ul><li>Uma nova forma de ver a disciplina </l...
<ul><li>Outras possibilidades </li></ul><ul><ul><li>Avaliação de pré-requisitos (disciplinas sequenciais) </li></ul></ul><...
<ul><li>Orientador x orientando  I   Alinhamento  I   Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário </li></ul></...
<ul><li>Orientador x orientando  I   Alinhamento  I   Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário </li></ul></...
<ul><li>INCTs: grandes projetos/colaborações  I   Alinhamento  I   Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário...
<ul><li>Criatividade & inovação  I  Prospecção de ideias  I   Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Captação de recursos: processo...
<ul><li>Criatividade & inovação  I  Prospecção de ideias  I   Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Captação de recursos: processo...
<ul><li>Seleção de conceitos chave  I  Projetos de pesquisa </li></ul><ul><ul><li>Foco do edital </li></ul></ul><ul><ul><l...
<ul><li>Seleção de conceitos chave  I   Projetos de pesquisa </li></ul><ul><ul><li>Foco do edital </li></ul></ul><ul><ul><...
   laboratório de pesquisa  
   laboratório de pesquisa  
   laboratório de pesquisa  
   laboratório de pesquisa  
<ul><li>“ Mapear é conhecer” </li></ul><ul><li>Visualização em rede ajuda a organizar ideias </li></ul><ul><li>Identificaç...
<ul><li>Argumento </li></ul><ul><li>Mapeamento conceitual como diferencial competitivo para produzir e compartilhar conhec...
<ul><li>Comissão organizadora do 16º ENQA </li></ul><ul><li>Agências de fomento (FAPESP, CAPES, CNPq) </li></ul><ul><li>Pr...
E-mail: prmc@usp.br 2 e 3 de abril de 2012 http://www.each.usp.br/cmapping/    I Workshop sobre Mapeamento Conceitual  
Upcoming SlideShare
Loading in …5
×

O uso de mapas conceituais para a gestão do conhecimento: da sala de aula para os laboratórios de pesquisa

1,891 views

Published on

Miniconferência apresentada durante o 16o Encontro Nacional de Química Analítica, realizado em Campos do Jordão, no dia 26/10/2011

Published in: Education
0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,891
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
1
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

O uso de mapas conceituais para a gestão do conhecimento: da sala de aula para os laboratórios de pesquisa

  1. 1. Paulo Rogério Miranda Correia Escola de Artes, Ciências e Humanidades I Universidade de São Paulo 26 de outubro de 2011 O uso de mapas conceituais para a gestão do conhecimento: da sala de aula aos laboratórios de pesquisa
  2. 2. <ul><li>Mapas conceituais </li></ul><ul><li>Construção colaborativa de conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Sala de aula </li></ul></ul><ul><ul><li>Laboratórios de pesquisa </li></ul></ul> apresentação 
  3. 3. <ul><li>Mapas conceituais </li></ul><ul><li>Construção colaborativa de conhecimento </li></ul><ul><ul><li>Sala de aula </li></ul></ul><ul><ul><li>Laboratórios de pesquisa </li></ul></ul><ul><li>Argumento </li></ul><ul><li>Mapeamento conceitual como diferencial competitivo para produzir e compartilhar conhecimento </li></ul> apresentação 
  4. 4. conceito inicial conceito final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +  mapas conceituais 
  5. 5. conceito inicial conceito final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +  mapas conceituais 
  6. 6. conceito inicial conceito final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +  mapas conceituais 
  7. 7. conceito inicial conceito final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +  mapas conceituais 
  8. 8. conceito inicial conceito final termo de liga ção PROPOSIÇÃO + +  mapas conceituais 
  9. 9. <ul><li>Diagramas esquemáticos </li></ul><ul><li>Alto grau de clareza (proposições) </li></ul><ul><ul><li>Mensagem muda com termo de ligação </li></ul></ul><ul><li>Pensamento sistêmico (relações entre parte/todo) </li></ul> mapas conceituais 
  10. 10.  mapas conceituais 
  11. 13. <ul><li>Preparação individual para a colaboração </li></ul><ul><li>Perguntas e respostas durante a colaboração </li></ul><ul><li>Discussão para chegar a um consenso </li></ul> construção colaborativa de conhecimento 
  12. 14. <ul><li>Organização de conteúdo de disciplina I Pares </li></ul> sala de aula 
  13. 15. <ul><li>Organização de conteúdo de disciplina I Pares </li></ul><ul><ul><li>Muito conteúdo e pouco tempo (EQ-004) </li></ul></ul><ul><ul><li>QFL5726-4 Técnicas Espectroscópicas Aplicadas às Determinações de Baixas Concentrações de Elementos (PG) </li></ul></ul><ul><ul><li>Docentes: Pedro V. Oliveira e Cassiana S. Nomura </li></ul></ul><ul><ul><li>Entrevista com os docentes para elaborar mapa conceitual </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificar conceitos mais relevantes </li></ul></ul><ul><ul><li>Destacar as relações entre as técnicas espectroscópicas </li></ul></ul> sala de aula 
  14. 16. <ul><li>Ementa da disciplina </li></ul><ul><ul><li>Descrição detalhada e linear (começo e fim determinados) </li></ul></ul>QFL5726-4 Técnicas Espectroscópicas Aplicadas às Determinações de Baixas Concentrações de Elementos: O objetivo principal da disciplina é discutir aspectos teóricos e aplicativos das principais técnicas espectroscópicas direcionadas à análise elementar: espectrometria de absorção atômica com atomização por chama, forno de grafite e geração de vapor, espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado e espectrometria de massas com fonte de plasma. A composição inorgânica de amostras ambientais, clínicas, farmacêuticas, de alimentos, de produtos tecnológicos, de interesse forense, etc, ocupa papel de destaque no conjunto das análises químicas há muitos anos. As concentrações dos elementos nas amostras podem ser usadas para estabelecer qualidade de produtos, diagnósticos clínicos, para desvendar crímes ambientais e contra a pessoa humana e para atividades comerciais como estabelecer parâmetros de rastreabilidade, identificar origem, entre outras. Portanto, conhecer as principais técnicas espectroanalíticas utilizadas para a determinação de baixas concentrações de elementos, com qualidade metrológica é fundamental para a formação de pós-graduandos, sobretudo para aqueles que pretendem atuar na área de Química Analítica. As técnicas espectroscópicas abordadas nessa disciplinas estão entre as mais importantes e utilizadas em análises elementares de baixas concentrações. No Brasil, a espectrometria de absorção atômica com atomização por chama e a espectrometria de emissão óptica com plasma indutivamente acoplado são as mais difundidas e aplicadas na indústria. A espectrometria de absorção atômica com chama é, certamente, uma das poucas abordadas em disciplinas intrumentais dos cursos de Graduação em Química. Deste modo, grande parte dos estudantes que chegam aos cursos de pós-graduação ainda não tiveram a oportunidade de estudar e conhecer com maior profundidada os fundamentos e aplicações dessas técnicas, constituindo-se uma lacuna na formação desses profissionais. Em contra partida as Indústrias Química, Farmacêutica, Alimentícia, Metalúrgica, e de Petróleo, entre outras, que utilizam essas técnicas espectroscópicas em controle de processos e de produto final e na pesquisa necessitam de profissionais cada vez mais capacitados. Na pesquisa a espectrometria de absorção atômica com atomização eletrotérmica, a emissão óptica com plasma acoplado indutivamente e a espectrometria de massas é uma ferramenta muito útil para a determinação de traços e ultra-traços de elementos, seja na forma total ou espécies. A disciplina deverá abordar os aspectos fundamentais relacionados a cada uma das técnicas estudadas, apresentar o estado da arte na instrumentação e as aplicações, buscando sempre mostrar similaridades e aspectos complementares de uma em relação a outra. Os seguintes tópicos serão abordados: (i) aspectos fundamentais relacionados à espectrometria óptica e de massas; (ii) instrumentação (fontes de radiação, monocromadores, atomizadores, configurações de tocha, analisadores de massas, células de reação, detectores, sistemas de aquisição de dados); (iii) atomização com chama, com geração de hidretos, com geração de vapor a frio e eletrotérmica (para análise de soluções e sólidos) e com detecção simultânea; (iv) aspectos gerais relacionados com a emissão por plasma (geração, configuração de tocha, interferências químicas, espectrais); (v) aspectos gerais relacionados à espectrometria de massas elementar (plasma como fonte de íons), analisador de massas quadrupolar, alta resolução e por tempo de vôo; (vi) interferências químicas e espectrais, estratégias empregadas para identificar e minimizar interferências; (vii) discussões de aplicações e estudo de casos, abordando temas relevantes e atuais com a colaboração de tutores (alunos de pós-gradução do IQ/USP com conhecimento prévio das técnicas).  sala de aula 
  15. 17. <ul><li>Rompimento com a linearidade do texto </li></ul><ul><ul><li>Nuvem de palavras: relevância relativa dos conceitos </li></ul></ul>[wordle.net]  sala de aula 
  16. 19. <ul><li>Organização de conteúdo de disciplina I Resultados </li></ul><ul><ul><li>Uma nova forma de ver a disciplina </li></ul></ul><ul><ul><li>Visão sistêmica do conteúdo (todo/parte) </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação de conceitos chave (hubs) </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação de relações entre conceitos (técnicas) </li></ul></ul><ul><ul><li>Ponto de partida para selecionar/organizar conteúdo das aulas </li></ul></ul> sala de aula 
  17. 20. <ul><li>Outras possibilidades </li></ul><ul><ul><li>Avaliação de pré-requisitos (disciplinas sequenciais) </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação de vínculos entre disciplinas (multi/inter) </li></ul></ul><ul><ul><li>Identificação de lacunas/redundâncias na grade curricular </li></ul></ul> sala de aula 
  18. 21. <ul><li>Orientador x orientando I Alinhamento I Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria informacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria de poder </li></ul></ul><ul><ul><li>Compromete a razão sinal/ruído da comunicação </li></ul></ul> laboratório de pesquisa 
  19. 22. <ul><li>Orientador x orientando I Alinhamento I Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria informacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria de poder </li></ul></ul><ul><ul><li>Compromete a razão sinal/ruído da comunicação </li></ul></ul><ul><li>Mapa conceitual colaborativo sobre o projeto de pesquisa </li></ul> laboratório de pesquisa 
  20. 23. <ul><li>INCTs: grandes projetos/colaborações I Alinhamento I Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Assimetria de vocabulário </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria informacional </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetria de poder </li></ul></ul><ul><ul><li>Compromete a razão sinal/ruído da comunicação </li></ul></ul><ul><li>Mapa conceitual colaborativo sobre o projeto de pesquisa </li></ul> laboratório de pesquisa 
  21. 24. <ul><li>Criatividade & inovação I Prospecção de ideias I Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Captação de recursos: processo competitivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Valorização de abordagens multi/interdisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><li>Colaboração entre pesquisadores de diferentes áreas </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetrias (informacional, de vocabulário e de poder) </li></ul></ul> laboratório de pesquisa 
  22. 25. <ul><li>Criatividade & inovação I Prospecção de ideias I Ímpares </li></ul><ul><ul><li>Captação de recursos: processo competitivo </li></ul></ul><ul><ul><li>Valorização de abordagens multi/interdisciplinares </li></ul></ul><ul><ul><li>Colaboração entre pesquisadores de diferentes áreas </li></ul></ul><ul><ul><li>Assimetrias (informacional, de vocabulário e de poder) </li></ul></ul><ul><ul><li>Boas ideias: emergem com facilidade </li></ul></ul><ul><ul><li>As melhores ideias são latentes e resultado de sinergia </li></ul></ul> laboratório de pesquisa 
  23. 26. <ul><li>Seleção de conceitos chave I Projetos de pesquisa </li></ul><ul><ul><li>Foco do edital </li></ul></ul><ul><ul><li>Especialidade dos participantes </li></ul></ul><ul><ul><li>Fomento à cooperação </li></ul></ul> laboratório de pesquisa 
  24. 27. <ul><li>Seleção de conceitos chave I Projetos de pesquisa </li></ul><ul><ul><li>Foco do edital </li></ul></ul><ul><ul><li>Especialidade dos participantes </li></ul></ul><ul><ul><li>Fomento à cooperação </li></ul></ul> laboratório de pesquisa 
  25. 28.  laboratório de pesquisa 
  26. 29.  laboratório de pesquisa 
  27. 30.  laboratório de pesquisa 
  28. 31.  laboratório de pesquisa 
  29. 32. <ul><li>“ Mapear é conhecer” </li></ul><ul><li>Visualização em rede ajuda a organizar ideias </li></ul><ul><li>Identificação de informações/ideias latentes </li></ul><ul><li>Comunicação eficiente para colaboração </li></ul><ul><li>Tomada de decisão requer mapa conceitual preciso </li></ul> considerações finais 
  30. 33. <ul><li>Argumento </li></ul><ul><li>Mapeamento conceitual como diferencial competitivo para produzir e compartilhar conhecimento </li></ul><ul><li>“ Mapear é conhecer” </li></ul><ul><li>Visualização em rede ajuda a organizar ideias </li></ul><ul><li>Identificação de informações/ideias latentes </li></ul><ul><li>Comunicação eficiente para colaboração </li></ul><ul><li>Tomada de decisão requer mapa conceitual preciso </li></ul> considerações finais 
  31. 34. <ul><li>Comissão organizadora do 16º ENQA </li></ul><ul><li>Agências de fomento (FAPESP, CAPES, CNPq) </li></ul><ul><li>Profs Pedro V. Oliveira e Cassiana S. Nomura </li></ul><ul><li>Alunos de IC e PG </li></ul> agradecimentos 
  32. 35. E-mail: prmc@usp.br 2 e 3 de abril de 2012 http://www.each.usp.br/cmapping/  I Workshop sobre Mapeamento Conceitual 

×