• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
Plano de-emergencia
 

Plano de-emergencia

on

  • 1,790 views

 

Statistics

Views

Total Views
1,790
Views on SlideShare
1,790
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
50
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    Plano de-emergencia Plano de-emergencia Document Transcript

    • Plano de Trabalho para Emergências Índice ÍNDICE INTRODUCTION.........................................................................................................................................................4 KEY CONCEPTS......................................................................................................................................................4 RELATIONSHIPS WITH OTHER WORK PLANS..................................................................................................................6 PRIORITY STEPS TO IMPLEMENTING THE WORK PLAN.....................................................................................................6 TAB 1 RESPONSIBILITIES.......................................................................................................................................9 OBJECTIVE............................................................................................................................................................9 REQUIREMENTS......................................................................................................................................................9 EMERGENCY PREPAREDNESS COORDINATOR..................................................................................................................9 ADDITIONAL RESPONSIBILITIES.................................................................................................................................11 FORM 1-1 RESPONSIBILITIES IN THE EMERGENCY PREPAREDNESS WORK PLAN..................................................................14 TAB 3 NEEDS ASSESSMENT..................................................................................................................................55 OBJECTIVE..........................................................................................................................................................55 REQUIREMENTS.....................................................................................................................................................55 FACILITY EMERGENCY NEEDS MATRIX......................................................................................................................57 FORM 3-1 EMERGENCY PREPAREDNESS ASSESSMENT...................................................................................................58 FORM 3-2 EMERGENCY PREPAREDNESS NEEDS ASSESSMENT.........................................................................................59 FORM 3-4 EMERGENCY PREPAREDNESS NEEDS ASSESSMENT.........................................................................................62 FORM 3-5 EMERGENCY PREPAREDNESS NEEDS ASSESSMENT ON-SITE AND OFF-SITE EMERGENCY SUPPORT SERVICES.............63 OBJECTIVE..........................................................................................................................................................64 REQUIREMENTS.....................................................................................................................................................64 ALARMS.............................................................................................................................................................65 MEANS OF EGRESS...............................................................................................................................................65 TRAVEL DISTANCE................................................................................................................................................70 EVACUATION ROUTES.............................................................................................................................................71 MARKING MEANS OF EGRESS.................................................................................................................................72 ILLUMINATION OF MEANS OF EGRESS........................................................................................................................74 FORM 4-1 MEANS OF EGRESS IDENTIFICATION...........................................................................................................78 TAB 5 ALARMS.........................................................................................................................................................78 OBJECTIVE..........................................................................................................................................................79 REQUIREMENTS.....................................................................................................................................................79 AVAILABILITY.......................................................................................................................................................79 ACTIVATION OF ALARMS/REPORTING OF EMERGENCY....................................................................................................82 RECOGNITION OF ALARMS.......................................................................................................................................83 INSPECTION, TESTING AND MAINTENANCE OF ALARM SYSTEMS......................................................................................84 TAB 6 PERSONNEL ASSEMBLY...........................................................................................................................87 REQUIREMENTS.....................................................................................................................................................87 PERSONNEL ASSEMBLY LOCATIONS...........................................................................................................................88 MARKING OF PERSONNEL ASSEMBLY LOCATIONS.........................................................................................................90 ACCOUNTING FOR FACILITY PERSONNEL....................................................................................................................90 COMMUNICATIONS TO/FROM PERSONNEL ASSEMBLY LOCATIONS....................................................................................92 TAB 7 FACILITY EMERGENCIES........................................................................................................................95 REQUIREMENTS.....................................................................................................................................................95 FIRE..................................................................................................................................................................95 TABLE 7-1 COMMON SOURCE, ORIGINS, AND PREVENTION OF FIRES..............................................................................98 NATURAL DISASTERS...........................................................................................................................................106 CHEMICAL INCIDENT/RELEASE................................................................................................................................114 UTILITY FAILURES...............................................................................................................................................116 CIVIL DISTURBANCES...........................................................................................................................................118 TRANSPORTATION ACCIDENTS.................................................................................................................................120 1
    • Plano de Trabalho para Emergências Índice CONFINED SPACE RESCUE.....................................................................................................................................123 TAB 8 MEDICAL EMERGENCIES......................................................................................................................125 OBJECTIVE........................................................................................................................................................125 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................125 FIRST AID KITS/SUPPLIES.....................................................................................................................................126 FIRST AID AND CARDIOPULMONARY RESUSCITATION PROVIDERS....................................................................................128 BLOODBORNE PATHOGENS PROGRAM.......................................................................................................................131 CONTROL MEASURES AND PERSONAL PROTECTIVE EQUIPMENT......................................................................................133 HOSPITALS, CLINICS AND OUTSIDE MEDICAL PROVIDERS.............................................................................................136 SUMMARY OF PREPAREDNESS FOR MEDICAL EMERGENCIES..........................................................................................137 DEVELOPING EMERGENCY RESPONSE PLAN FOR MEDICAL EMERGENCIES........................................................................138 TAB 9 CHEMICAL SPILLS OR RELEASES......................................................................................................142 OBJECTIVE........................................................................................................................................................142 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................143 CHEMICAL HAZARD EVALUATION............................................................................................................................143 CHEMICAL SPILL OR RELEASE RESPONSE.................................................................................................................146 CHEMICAL HAZARD EQUIPMENT.............................................................................................................................150 SUMMARY OF CHEMICAL SPILL/RESPONSE PREPAREDNESS...........................................................................................152 TABLE 9-1 CHEMICAL E MERGENCIES GUIDANCE MATRIX TABLE...................................................................................153 FORM 9-1 CHEMICAL IDENTIFICATION AND TRACKING FORM........................................................................................154 TAB 10 SHUTDOWN/STARTUP PROCEDURES...............................................................................................156 OBJECTIVE........................................................................................................................................................156 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................156 CRITICAL PROCESS EVALUATION.............................................................................................................................157 VALVE/ELECTRICAL CONTROLS IDENTIFICATION.........................................................................................................157 ASSIGNED RESPONSIBILITIES..................................................................................................................................158 EMERGENCY SHUTDOWN/SHUTOFF PROCEDURES........................................................................................................159 REOCCUPANCY CRITERIA......................................................................................................................................160 STARTUP PROCEDURES.........................................................................................................................................160 TAB 11 EQUIPMENT..............................................................................................................................................162 OBJECTIVE........................................................................................................................................................162 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................162 FIRE PROTECTION EQUIPMENT...............................................................................................................................163 CHEMICAL RESPONSE EQUIPMENT..........................................................................................................................174 PERSONAL PROTECTIVE EQUIPMENT........................................................................................................................178 FACILITY EQUIPMENT...........................................................................................................................................181 FORM 11-1 EQUIPMENT INVENTORY AND MAINTENANCE LOG......................................................................................183 TAB 12 COMMUNITY COORDINATION AND EMERGENCY COMMUNICATION................................184 OBJECTIVE........................................................................................................................................................184 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................184 IDENTIFICATION OF EMERGENCY RESOURCES.............................................................................................................185 COORDINATION WITH COMMUNITY RESOURCES..........................................................................................................187 COORDINATION WITH ADJACENT FACILITIES...............................................................................................................189 EXTERNAL COMMUNICATIONS AND PUBLIC/MEDIA RELATIONS......................................................................................190 EMERGENCY MANAGEMENT TEAM AND EMERGENCY COMMAND CENTER........................................................................193 FORM 12-1 COMMUNITY COORDINATION SCHEDULE..................................................................................................197 FORM 12-2 WRITTEN CORRESPONDENCE LOG..........................................................................................................197 12-3 VERBAL CORRESPONDENCE LOG....................................................................................................................199 TAB 13 TRAINING AND DRILLS.........................................................................................................................200 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................200 TRAINING/DRILLS NECESSITY................................................................................................................................200 EMERGENCY TRAINING/DRILLS..............................................................................................................................206 2
    • Plano de Trabalho para Emergências Índice CORRECTIVE ACTIONS AND FOLLOW UP..................................................................................................................208 TAB 14 PROGRAM SELF ASSESSMENT...........................................................................................................210 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................210 PROGRAM SELF ASSESSMENT TEAM.......................................................................................................................210 PROGRAM SELF ASSESSMENT................................................................................................................................211 TAB 15 ACTION PLAN...........................................................................................................................................213 REQUIREMENTS...................................................................................................................................................213 CORRECTIVE ACTIONS..........................................................................................................................................213 UPDATE OF ELEMENTS.........................................................................................................................................214 FORM 15-1 EMERGENCY PREPAREDNESS ACTION PLAN..............................................................................................217 APPENDIX A............................................................................................................................................................218 FORM A2-2 EMERGENCY CONTACT LIST................................................................................................................220 FORM A2-3 RESPONSIBILITIES OF PRINCIPAL PERSONNEL............................................................................................224 FORM A2-4 EMERGENCY REPORTING PROCEDURES...................................................................................................227 FORM A2-5 EMERGENCY ALARM SIGNALS..............................................................................................................228 FORM A2-6 SHUTDOWN PROCEDURES....................................................................................................................229 FORM A2-7 EMERGENCY VALVES AND CONTROLS INVENTORY....................................................................................230 FORM A2-8 EVACUATION ROUTES..........................................................................................................................231 FORM A2-9 EVACUATION ASSISTANCE....................................................................................................................232 FORM A2-10 PERSONNEL ASSEMBLY LOCATIONS......................................................................................................233 FORM A2-11 LOCATION PERSONNEL ROSTER...........................................................................................................234 FORM A2-12 FIRE EXTINGUISHER USE PROCEDURES.................................................................................................235 FORM A2-13 FIRE EMERGENCY RESPONSE TEAM....................................................................................................236 FORM A2-14 FIRST AID AND CPR PROVIDERS........................................................................................................237 FORM A2-15 OUTSIDE MEDICAL SERVICES.............................................................................................................238 FORM A2-16 LOCATION OF HAZARDOUS CHEMICALS.................................................................................................239 FORM A2-17 CHEMICAL EMERGENCY RESPONSE TEAM.............................................................................................240 FORM A-18 CHEMICAL EMERGENCY RESPONSE TEAM...............................................................................................241 FORM A2-19 CHEMICAL SPILL OR RELEASE REPORTING.............................................................................................242 FORM A2-20 CONFINED SPACE EMERGENCY RESPONSE PROCEDURES...........................................................................243 FORM A2-21 REOCCUPANCY PROCEDURES..............................................................................................................244 FORM A2-22 STARTUP PROCEDURES......................................................................................................................245 3
    • Plano de Trabalho para Emergências Introdução INTRODUÇÃO O objetivo do Plano de Trabalho para Emergências é oferecer recursos para auxiliar a Unidade no preparo de edifícios, operações e funcionários para toda situação potencial de emergências. Ele servirá de guia para que coordenadores de Saúde, Segurança e Proteção Ambiental (SSPA) e funcionários da Unidade constantemente avaliem e aperfeiçoem os planos de emergência da Unidade. Além disso, ele auxiliará funcionários da Unidade no desenvolvimento de um Plano de Atuação em Emergências ajustado às necessidades da Unidade para o direcionamento de ações em situações de emergência. A conclusão deste plano de trabalho irá auxiliar a Unidade a garantir o cumprimento de exigências legais específicas para o país e das diretrizes de SSPA da companhia. CONCEITOS BÁSICOS O objetivo de um planejamento para emergências é gerenciar as questões legais, comerciais e humanas associadas a situações de emergência. Um objetivo prioritário é proteger funcionários e membros das comunidades vizinhas de quaisquer efeitos adversos e prevenir danos a propriedades da Unidade, adjacentes e aos recursos naturais. O planejamento para emergências pode também ajudar a minimizar o impacto de um incidente na Unidade ou na empresa, limitando assim possíveis prejuízos a clientes. Além do mais, o planejamento para emergências pode também ajudar a minimizar pedidos de indenização contra a Unidade e a empresa, e garantir o cumprimento de regulamentos em vigor e diretrizes da GE. Estes objetivos podem ser atingidos com a identificação das emergências em potencial que possam vir a ocorrer na Unidade, a implantação de práticas para mitigar a ocorrência de emergências e preparo para tais situações. Este plano de trabalho ajudará a Unidade a desenvolver respostas para as questões a seguir, que irão, por sua vez, ajudar a Unidade a cumprir regulamentos específicos dos países, proteger seus funcionários e suas comunidades e reduzir quaisquer distúrbios em suas operações. 1. Que emergências podem vir a ocorrer na Unidade? 2. Foram tomadas as devidas precauções para mitigar a ocorrência de situações de emergência? 3. Os recursos internos e externos existentes são suficientes para controlar as consequências dessas emergências? 4. A Unidade tomou as medidas necessárias para ser capaz de controlar possíveis situações de emergência? 5. Os procedimentos da Unidade ajudarão a minimizar os impactos em potencial resultantes de emergências? 4
    • Plano de Trabalho para Emergências Introdução 6. As ações da empresa garantem o cumprimento irrestrito dos regulamentos locais e das diretrizes da empresa? 5
    • Plano de Trabalho para Emergências Introdução RELAÇÃO COM OUTROS PLANOS DE TRABALHO GLOBAIS O Plano de Trabalho para Emergências está relacionado da seguinte forma aos seguintes planos de trabalho: • Gerenciamento de produtos químicos — O Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos pode servir de base para a avaliação feita pela Unidade dos riscos associados a produtos químicos, e destacar os melhores métodos de uso de produtos químicos. • Gerenciamento de resíduos — O Plano de Trabalho para Gerenciamento de Resíduos engloba diversos assuntos relativos a preparativos de emergência, incluindo notificação de derramamentos e descargas, descontaminação de equipamento, gerenciamento de resíduos na Unidade, transporte de resíduos perigosos e administração de risco. • Sistema de saúde e segurança — Requerimentos de preparo para emergências são alguns dos 20 temas abordados neste abrangente programa de saúde e segurança. • Planos de trabalho para emissões atmosféricas e águas — Estes planos de trabalho não lidam diretamente com planejamento ou preparo para emergências, mas podem fornecer informações relevantes sobre regulamentos e procedimentos de avaliação sobre água e ar específicos de cada país. É importante lembrar que este guia foi escrito para uma Unidade industrial e de serviços padrão. Diferentes Unidades, especialmente Unidades de produção química, podem exigir orientação mais específica. A GE Plastics, por exemplo, desenvolveu procedimentos operacionais bem mais detalhados para o gerenciamento de produtos químicos e a segurança de processos. Na maioria dos casos, e em particular no que diz respeito a gerenciamento de produtos químicos, estes procedimentos operacionais específicos substituirão o guia geral apresentado no plano de trabalho. Unidades da GEP devem contactar o líder global de SSPA da divisão GEP para obter informações sobre como usar este plano de trabalho de acordo com as orientações da divisão GEP. MEDIDAS PRIORITÁRIAS PARA IMPLANTAÇÃO DE UM PROGRAMA DE EMERGÊNCIAS A implementação das seguintes medidas deve garantir à Unidade um eficiente programa de planejamento para emergências. Estas medidas foram delineadas na tabela na ilustração 1. 1. Atribuir responsabilidades pelo planejamento para emergências. 6 1 SEÇÃO
    • Plano de Trabalho para Emergências Introdução 2. Estabelecer metas para o planejamento para emergências na Unidade, incluindo exigências legais aplicáveis. 2, 3 3. Identificar situações potenciais de emergência que possam vir a ocorrer na Unidade. 3 4. Avaliar as consequências de quaisquer emergências em potencial. 3, 7-9 5. Identificar as tarefas exigidas para minimizar e controlar a potencial situação de emergência. 3-13 6. Determinar os recursos internos e externos disponíveis e os necessários para minimizar as consequências de situações de emergência. 3 SEÇÃO 7. Identificar as medidas de administração de riscos que possam ser tomadas para minimizar os efeitos de emergências em potencial. 12 8. Obter os recursos necessários e desenvolver procedimentos de emergência para cada emergência em potencial e preparar, por escrito, um plano de atuação em emergências. 9. Treinar funcionários em procedimentos de emergência e administração de riscos, o que inclui exercícios de simulação. 10. Avaliar treinamentos e simulações. 13 11. Avaliar os programas de planejamento e de atuação em emergências da Unidade. 12. Usar o plano de ação para melhorar qualquer deficiência detectada. 13. Avaliar periodicamente o plano e revisá-lo conforme necessário. 4- 4-12 13 14 15 15 O plano de trabalho é organizado em quinze seções diferentes, cada uma sobre um item do planejamento para emergência. Cada seção orienta a Unidade através de uma série de perguntas, que avaliam seu nível de preparação sobre o tema. As perguntas são apresentadas em um formato sim/não; geralmente, “sim” é a resposta desejada e “não” indica uma deficiência que pode exigir ações corretivas. Deficiências devem ser abordadas adequadamente com o uso do plano de ação ( Seção 15). A Unidade pode usar a Auto-avaliação do Programa (Seção 14) para reavaliar seu programa de planejamento para emergências e seu Plano de Atuação em Emergências após o preenchimento das Seções 1-13. Deficiências identificadas durante o preenchimento das Seções 1-14 que exijam ações corretivas deverão ser listadas no plano de ação (Seção 15) e solucionadas de forma apropriada. Se uma ação corretiva implicar em altos gastos de capital ou modificações na Unidade, a Unidade deverá avaliar a ação com o líder global de SSPA para obter os recursos necessários ou desenvolver procedimentos alternativos para eliminar de forma satisfatória o risco em potencial. 7
    • Plano de Trabalho para Emergências Introdução Pode haver momentos ao longo do plano de trabalho em que a aplicabilidade de exigências legais locais seja incerta, ou em que as mesmas sejam diferentes das diretrizes apresentadas. Nestes casos, consulte o líder de SSPA de sua divisão ou o departamento de Programas Ambientais da GE (CEP) para orientação e interpretação. A implementação de todos os itens do plano de trabalho irá ajudar a Unidade a se concentrar na elaboração de um Plano de Atuação em Emergências. No Apêndice A, foi incluído um padrão de plano de resposta a emergências para auxiliar a Unidade na criação de seu próprio plano. Foi incluído ainda o exemplo de um plano já elaborado, também para orientar a Unidade nesta tarefa. 8
    • Plano de Trabalho para Emergências 1.0 RESPONSABILIDADES 1.1 Responsabilidades OBJETIVOS O objetivo desta seção do Plano de Trabalho para Emergências é garantir que toda Unidade tenha indivíduos encarregados de assegurar que a mesma esteja preparada para possíveis emergências nas instalações. O número exato de pessoas com responsabilidades no plano dependerá do porte e da complexidade das instalações e do potencial para situações de emergência. As responsabilidades descritas nesta seção podem ser atribuídas a uma única pessoa, ou a vários indivíduos. Certas responsabilidades podem ser atribuídas a uma equipe, ou até mesmo a um órgão ou entidade externa. Esta seção detalha as responsabilidades exigidas para a garantia de um planejamento, preparo e atuação eficazes para situações de emergência. 1.2 EXIGÊNCIAS As seguintes responsabilidades devem ser designadas para garantir que a Unidade esteja preparada para situações de emergência. A complexidade do planejamento para emergências depende de diversos fatores, tais como o número de situações de emergência em potencial na Unidade (ver Avaliação de Necessidades, Seção 3), o número de funcionários da Unidade e o suporte exigido de fontes externas. As responsabilidades serão geralmente atribuídas a funcionários ou gerentes da Unidade, equipes de funcionários/gerentes ou entidades externas (ex.: Corpo de Bombeiros, serviços de ambulância e equipes de limpeza de derramamentos). Um coordenador de planejamento para emergências e um coordenador para incidentes devem ser designados. Além disso, as funções definidas em cada item do Plano de Trabalho para Emergências devem ser designadas aos indivíduos para auxiliar o coordenador de planejamento para emergências a implementar o plano de trabalho, e para ajudar o coordenador em caso de incidentes durante ações de resposta a emergências. 1.2.1 Coordenador de planejamento para emergências e coordenador para incidentes Um coordenador de planejamento para emergências deve ser designado para gerenciar a implementação do Plano de Trabalho para Emergências e para desenvolver um Plano de Atuação em Emergências. O coordenador deverá ser responsável pessoalmente pelo projeto e implementação dos itens, ou deverá delegar responsabilidades a outros indivíduos ou equipes. Um coordenador substituto de planejamento para emergências deverá ser designado para auxiliar o coordenador e agir em sua ausência. 9
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades As responsabilidades sobre notificação, controle e coordenação de emergências também deverão ser definidas neste plano. Esta responsabilidade é tipicamente atribuída a um coordenador para incidentes ou coordenador para emergências, e deverá ser designada para um indivíduo apenas, evitando assim o risco de decisões conflitantes tomadas por diferentes indivíduos. Este indivíduo deve ser familiarizado com a fábrica e suas operações, com o desenvolvimento do Plano de Atuação em Emergências, e com os objetivos dos procedimentos de controle de emergências. Através deste sistema, todas as ações durante uma situação de emergência devem ser coordenadas por um único comando. O coordenador deve delegar responsabilidades a outros indivíduos conforme julgar necessário. Este sistema deve eliminar confusão, melhorar a segurança, organizar e coordenar as ações e facilitar o gerenciamento de um incidente. 1o passo - Escolha um coordenador de planejamento para emergências e um coordenador para incidentes para a Unidade. Faça uma comparação com os seguintes critérios: Estes indivíduos estão familiarizados com a Unidade e com a operação de seus sistemas de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua nomes e telefones destas pessoas no Formulário de Responsabilidades no Plano de Trabalho para Emergências (Formulário 1-1) nesta seção.  Não Caso a resposta seja não, faça com que indivíduos designados leiam e compreendam o Plano de Trabalho para Emergências e tornem-se familiarizados com a Unidade. Estes indivíduos estão familiarizados com o Plano de Trabalho para Emergências, ou colaboraram para o desenvolvimento do mesmo?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça com que indivíduos designados leiam e compreendam o Plano de Trabalho para Emergências. Os coordenadores foram formalmente notificados e compreendem suas responsabilidades na implementação do Plano de Trabalho e na atuação em emergências?  Sim Caso a. resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, informe os indivíduos de suas responsabilidades Foram designados substitutos para os coordenadores, em caso de ausência destes? 10
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades  Sim Caso a resposta seja sim, inclua nomes destas pessoas no Formulário de Responsabilidades no Plano de Trabalho para Emergências (Formulário 1-1), nesta seção.  Não Caso a resposta seja não, selecione coordenadores substitutos e inclua seus nomes no Formulário de Responsabilidades no Plano de Trabalho para Emergências, nesta seção. Responsabilidades específicas de notificação, atuação e coordenação em emergências foram designadas e comunicadas à Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, exponha a lista em locais apropriados para garantir que ela esteja prontamente disponível no caso de uma emergência. Inclua uma cópia da Lista de Chamada para Emergências no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, preencha a Lista de Chamada para Emergências no Plano de Atuação em Emergências, Apêndice A-2. 1.2.2 Responsabilidades adicionais O planejamento e a implementação de itens deste plano de trabalho podem exigir a experiência e conhecimento de outras pessoas ou equipes para auxiliar o coordenador de planejamento para emergências e seu substituto. O coordenador deve delegar responsabilidades a outras pessoas para a implementação dos seguintes itens, e recomenda-se que estas pessoas sejam selecionadas dentro dos seguintes departamentos: Segurança humana (Seção 4) Engenharia de instalações, manutenção, supervisores setoriais, comissão de segurança Alarmes (Seção 5) Engenharia de instalações, manutenção, brigada de incêndios, comissão de segurança, empresas contratadas Agrupamento de pessoal (Seção 6) Supervisores setoriais, recursos humanos, engenharia de instalações Emergências na unidade (Seção 7) Emergências médicas (Seção 8) Enfermeiros, médicos da empresa, equipe médica de emergência, responsáveis por primeiros 11
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades socorros Derramamentos/descargas de produtos químicos (Seção 9) Engenharia de processos/produtos químicos, manutenção, equipe de controle de derramamentos, higiene e segurança industrial Procedimentos de interrupção/reinício de operações (Seção 10) Operações, engenharia de processos, manutenção, garantia/controle de qualidade Equipamento (Seção 11) Engenharia de equipamentos, engenharia de instalações, manutenção, brigada de incêndios, enfermeiros Assessoria de imprensa/coordenação com a comunidade (Seção 12) Gerenciamento, relações públicas, recursos humanos/pessoal Treinamento e simulações (Seção 13) Departamento de treinamento, segurança, recursos humanos, higiene/segurança industrial, supervisão setorial, gerenciamento Auto-avaliação do programa (Seção 14) Gerenciamento, comissão de segurança, supervisores setoriais, higiene/segurança industrial Plano de Ação para Emergências (Seção 15) Gerenciamento, comissão de segurança, supervisores setoriais, higiene/segurança industrial Estabeleça uma lista de chamada para controle interno de emergências que inclua indivíduos responsáveis pelas funções descritas acima, conforme aplicável. O Formulário A2-2, Lista de Contatos em Emergências, foi incluído no Apêndice A-2. A lista de chamada deve ser incluída no Plano de Atuação em Emergências da Unidade. 12
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades 2opasso - Definir o responsável por qualquer exigência especial de todo item do Plano de Trabalho para Emergências. Faça uma comparação com os seguintes critérios: Os indivíduos ou equipes selecionados estão familiarizados com a Unidade e os itens do Plano de Trabalho para Emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua nomes e telefones destas pessoas no Formulário de Responsabilidades no Plano de Trabalho para Emergências nesta seção.  Não Caso a resposta seja não, faça com que indivíduos designados leiam e compreendam o Plano de Trabalho para Emergências. Estes indivíduos estão familiarizados com o Plano de Trabalho para Emergências, ou colaboraram para o desenvolvimento do mesmo?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça com que indivíduos designados leiam e compreendam o Plano de Trabalho para Emergências. As pessoas encarregadas de certas áreas do Plano de Trabalho para Emergências foram formalmente notificadas e estão cientes de suas responsabilidades para sua implementação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, prepare uma carta, memorando, ou qualquer outra comunicação por escrito informando o indivíduo de sua responsabilidade. A lista de contatos internos para emergências foi preenchida?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, preencha a lista e inclua-a no Plano de Atuação em Emergências. 13
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades FORMULÁRIO 1-1 RESPONSABILIDADES NO PLANO DE TRABALHO PARA EMERGÊNCIAS Seção Funções 1 Coordenador de planejamento para emergências 1 Coordenador substituto de planejamento para emergências 1 Coordenador para incidentes 1 4 Coordenador substituto para incidentes Segurança humana 5 Alarmes 6 Agrupamento de pessoal 7 Engenheiros de instalações 8 Emergências médicas 9 Indivíduos responsáveis e telefones: Derramamento de produtos químicos/controle Procedimentos para interrupção/reinício de operações Equipamento 10 11 12 13 Coordenação com a comunidade Treinamento/simulações 14 Auto-avaliação do programa 15 Plano de ação 14
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades 2.0 EXIGENCIAS LEGAIS LOCAIS BREVES COMENTARIOS QUANTO A SUA APLICABILIDADE NO BRASIL FACE AS NORMAS NACIONAS EXIGENCIAS LEGAIS LOCAIS O Brasil não possui normas ambientais que obriga as empresas a apresentar plano de trabalho para situações de emergência acessíveis à comunidade ou mesmo estabelecer canais públicos de comunicação de domínio conjunto entre empresa, Poder Público e a comunidade. Tais exigências, estabelecidas pela lei americana (Community Right To Know Act), não encontram correspondente no Brasil. No entanto, a legislação brasileira estabelece várias medidas de segurança de caráter preventivo e até mesmo programas de prevenção de riscos ambientais por meio de normas que regulamentam as relações de trabalho e dizem respeito à segurança do trabalhador. Assim, em caso de acidente ou impacto no meio ambiente, a intervenção das autoridades se faz externamente à estrutura da empresa, cumprindo a esta estabelecer planos de segurança do trabalho que atendam internamente aos seus empregados. Para ações que exijam intervenção do Poder Público, prevê a lei brasileira um Sistema Nacional de Meio Ambiente - SISNAMA, no qual consta como órgão executor federal o Ministério do Meio Ambiente e Recursos Hídricos e sua agência ambiental nacional - IBAMA. O SISNAMA é estruturado de forma descentralizada, sendo que as autoridades estaduais e locais (de cada município) confundem-se na fiscalização ambiental das atividades das empresas, atuando concorrentemente entre si e com órgãos regionais, vinculados ao governo federal. As agências ambientais de cada Estado, ligadas às Secretarias de Meio Ambiente estaduais, têm competência para o licenciamento e a fiscalização de atividades. No caso de acidentes com grave repercussão nas comunidades, tais como emissões de gases, derramamentos de produtos tóxicos, incêndios e outros, compete a estas agências ambientais intervir juntamente com os órgãos de defesa civil. Por outro lado, as empresas, em especial as de grande porte, são obrigadas a manter equipes de segurança do trabalho e de medicina do trabalho, responsáveis pela elaboração e execução do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais e do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, nos quais é possível incluir-se um Programa de Controle de Efeitos de Catástrofes de Disponibilidade de Meios para o Combate a Incêndios, Salvamento, entre outros, para os quais é exigida a qualificação do profissional responsável, como especialista em engenharia de segurança e em medicina do trabalho. 15
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades As atividades de segurança e medicina do trabalho, porém, não se encontram fiscalizadas pelos órgãos ambientais do país, e sim por uma autoridade específica, que é o Ministério do Trabalho e seus Delegados Regionais do Trabalho. Também atuam na fiscalização destas atividades, as autoridades de saúde e relações do trabalho estaduais. A autoridade local (do município) também fiscaliza as empresas no que tange às condições arquitetônicas e dos equipamentos de segurança dos prédios e instalações, cuja licença de construção é por ela expedida. Como se vê, a fiscalização das atividades de segurança ambiental e do trabalho, encontra-se cindida entre a autoridade ambiental e a autoridade do trabalho, sendo que as atividades sofrem, ainda, a fiscalização simultânea de órgãos locais, estaduais e federais, sem que se tenha obtido, no que tange à elaboração de um plano de emergência ambiental para o caso de acidentes, uma integração efetiva das ações governamentais com a atividades da empresa, como se pretende no Plano de Trabalho de Procedimentos de Emergência, que nos é apresentado pela G.E. Feitos estes esclarecimentos iniciais, passaremos a responder da forma mais objetiva possível as questões que nos foram formuladas. A. Segurança Humana As leis governamentais facilitam a segurança dos empregados em muitos aspectos, pois através delas tem-se exigências quanto qualidades de locais e postos de trabalho. Porém, as facilidades não encontram espaço em boa parte no País devido ao desconhecimento, falta de fiscalização adequada e vontade política de implantá-las. O Capítulo V, Título II, da Consolidação das Leis do Trabalho (CLT), na atual redação dada pela Lei Federal nº 6.514, de 22 de dezembro de 1977, estabelece normas relativas a segurança e medicina do trabalho. A CLT designa como órgão encarregado da implementação dessas normas o Ministério do Trabalho, e como autoridades responsáveis por essas ações os Delegados Regionais do Trabalho. As normas da CLT obrigam as empresas, “sem prejuízo da observância de outras disposições contidas nos códigos de obras e regulamentos sanitários dos Estados e Municípios”, a garantir a segurança dos seus empregados, fornecendo-lhes equipamentos de proteção individual (EPI’s), construindo instalações seguras, de acordo com normas arquitetônicas preestabelecidas de forma a propiciar boa iluminação, conforto térmico, facilidade de movimentação, armazenagem e manuseio de materiais, bem como segurança contra incêndio, descargas elétricas, irradiações e outros. Estabelecem as normas, ainda, exigências quanto a dispositivos de segurança nas máquinas e equipamentos e exames médicos preventivos nos empregados. As normas 16
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades da CLT dispõem sobre a criação de Comissões Internas de Prevenção de Acidentes CIPA’s, compostas eqüitativamente por representantes dos empregados e da direção da empresa, que se encarregarão da organização dos cursos de prevenção de acidentes do trabalho, análise de mudanças no sistema de segurança da empresa, entre outras atividades. É de fundamental importância, posto que esta característica brasileira costuma causar aumentos imprevistos nos custos salariais, observar que a CLT, neste Capítulo, também estabelece que se poderá considerar uma atividade laboral insalubre ou perigosa quando esta exponha os empregados “a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos”(seção XIII, artigo 189, Capítulo V, do Título II da CLT). Nesse sentido, o Ministério do Trabalho dispõe de um quadro de atividades e operações insalubre, e baixa normas que estabelecem os critérios para caracterizar a insalubridade ou a periculosidade da atividade. O resultado disso é o acréscimo, no salário mínimo estabelecido em cada região, e por categoria de trabalhador, da ordem de até 40% (quarenta por cento), a título de compensação pela insalubridade. Tais adicionais, por outro lado, não retiram da empresa a obrigação de estabelecer medidas de proteção do local de trabalho. Essas normas de segurança do trabalho encontram-se regulamentadas por 28 (vinte e oito) atos administrativos denominados Normas Regulamentadoras (NR’s), aprovadas pela Portaria nº 3.214, de 08 de julho de 1978, do Ministério do Trabalho. Estas normas regulamentadoras podem sofrer modificação por meio de novas Portarias, seguindo parâmetros mais modernos, via de regra aqueles estabelecidos pelos standarts norte americanos. Dispõem as normas regulamentadoras sobre as seguintes matérias: NR - 1: Disposições Gerais - artigos 154 a 159 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 06/83. NR - 2: Inspeção Prévia do estabelecimento; artigo 160 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 035/83. NR - 3: Embargo ou Interdição do estabelecimento; artigo 161 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 06/83. NR - 4: Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT - artigo 162 da CLT; Portaria SSMT/MTb nº 033/83 e 034/87; Port. SSST/MTb nº 01/95. NR - 5: Comissão Interna de Prevenção de Acidentes - CIPA - artigos 163 a 165 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 033/83; Portaria SSMT/MTb nº 25/94; alínea “a”, inciso II, do artigo 10 do Ato das Disposições Constitucionais Transitórias da Constituição Federal de 1988; e Enunciado TST n. 339. 17
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades NR - 6: Equipamentos de Proteção Individual - EPI- artigos 166 a 167 da CLT; Portaria SSMT/MTb nº 06/83; Ports. DSST/MTPS nº 012/90, 05/91, 01/92, 03/92 e 07/92; Instrução Normativa SSST nº 01 de 11/04/94; e Enunciados TST nº 080 e 289. NR - 7: PCMSO = Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - artigos 168 e 169 da CLT; artigo 1º da Lei nº 9.029/95, artigo 6º, parágrafo 2º, da Lei nº 605/49, Portaria SSMT/MTb nº 024/94, Port. SSST nº 8/96; e Enunciado TST nº 015. NR - 8: Edificações - artigos 170 a 174 da CLT e Portaria SSMT/MTb nº 012/83. NR - 9: PPRA = Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - artigo 155 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 025/94. NR - 10: Instalações e Serviços em Eletricidade - artigos 179 a 181 da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 012/83. NR - 11: Transporte, Movimentação, Armazenagem e Manuseio de Materiais - artigos 182 e 183 da CLT. NR - 12: Máquinas e Equipamentos - artigos 184 a 186 da CLT; Portaria SSMT/MTb nº 012/83, e Portaria SSMT/MTb nº 013/94. NR - 13: Caldeiras e Vasos de Pressão - artigos 187 a 189 da CLT; Portaria SSMT/MTb nº 023/94, republicada em 26 de março de 1995. NR - 14: Fornos - artigos 187 da CLT; Portaria SSMT/MTb nº 012/83. NR - 15: Atividades e operações insalubres - artigos 189 a 192 da CLT; Portaria MTb nº 3.751/90; e Portaria DNSST nº 01/91; Instrução Normativa SSST nº 01/94, Portaria SSST nº 14/95; e Enunciados TST nºs 047, 137, 228, 236, 248, 271 e 289. NR - 16: Atividades e operações perigosas - artigos 193 a 197 da CLT; Lei 7.369/85; Decreto nº 93.412/86; Port. MTb nº 3.393/87; e Enunciados TST nºs 039, 070, 132, 191, 236 e 271. NR - 17: Ergonomia - artigos 198, 199 e 390 da CLT; Portaria MTPS nº 3.751/90. NR - 18: Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - artigo 200, I, da CLT; e Portaria SSST/MTb nº 04/95. NR - 19: Explosivos - artigo 200, I, da CLT; e Portaria SSMT/MTb nº 02/79. NR - 20: Líquidos Combustíveis e Inflamáveis - artigo 200, II, da CLT. NR - 21: Trabalho a Céu Aberto - artigo 200, V, da CLT. NR - 22: Trabalhos Subterrâneos - artigo 200, III, da CLT. NR - 23: Proteção contra Incêndios - artigo 200, IV, da CLT; e Portaria DSST nº 06/91. NR - 24: Condições Sanitárias e de Conforto nos Locais de Trabalho - artigo 200, VII, da CLT, Portaria SSST/MTb nº 13/93. NR - 25: Resíduos Industriais - artigo 200, VI, da CLT. NR - 26: Sinalização de Segurança - artigo 200, VIII, da CLT. NR - 27: Registro Profissional do Técnico de Segurança do Trabalho no Ministério do Trabalho - Lei nº 7.410/85; Decreto nº 92.530/85; e Portaria SSST/MTb nº 13/95. 18
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades NR - 28: Fiscalização e Penalidades - artigo 200 da CLT; Lei nº 8.383/91 (UFIR); e Ports. DSST nºs 03/92 e 07/92. Além do disposto na CLT há várias outras leis ordinárias que diretamente se relacionam com a Segurança e Medicina do Trabalho, sendo oportuno destacar os seguintes diplomas legais: Lei nº 5.889 de 5 de junho de 1973 - Estatuto do Trabalho Rural; Lei nº 7.369 de 20 de setembro de 1985, que institui o adicional de periculosidade para os empregados do setor de energia elétrica; Lei nº 7.410 de 27 de novembro de 1985, que regulamentou a profissão de Engenheiro de Segurança do Trabalho e do Técnico de Segurança do Trabalho; Lei nº 8.213 de 24 de julho 1991, instituiu o Plano de Benefício da Previdência Social com as alterações introduzidas pela Lei nº 9.032 de 28 de março de 1995; Lei nº 9.029 de 13 de março de 1985, que proíbe a exigência de atestados de gravidez e esterilização para efeitos admissionais ou de permanência do contrato de trabalho. Como exemplo do disposto nas Normas Regulamentadoras, podemos destacar a NR-23, a qual estabelece, em resumo, que todas as empresas deverão possuir equipamentos de proteção e combate contra incêndio, saídas suficientes para rápida retirada do pessoal em serviço, sinais luminosos de indicação das vias de passagem, aberturas e saídas, pessoal adestrado no uso correto dos equipamentos, exercícios de alerta periódicos para certos tipos de indústria (a critério da Delegacia Regional do Trabalho-DRT), dentre outras especificações. Estas leis ficaram omissas no que se refere aos procedimentos de trabalho ou atuação principalmente. Deixando, ainda, de detalhar muitos itens que se apresentam genéricos, como os planos de emergência. Porém, encontra-se nas Normas Regulamentadoras Nºs. 2 e 3 requerimento de inspeção ou permissão para facilidades de construção ou modificação. A NR-02, norma regulamentadora do trabalho urbano, estabelece as situações em que as empresas deverão solicitar ao MTb a realização de inspeção prévia em seus estabelecimentos, bem como a forma de sua realização. Esta norma tem sua existência jurídica assegurada, a nível de legislação ordinária, através do artigo 160 da Consolidado, seguir transcrito, verbis: 19
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Consolidação das Leis do Trabalho Art. 160. “ Nenhum estabelecimento poderá iniciar suas atividades sem prévia inspeção e aprovação das respectivas instalações pela autoridade regional competente em matéria de segurança e medicina do trabalho. Parágrafo primeiro. Nova inspeção deverá ser feita quando ocorrer modificação substancial nas instalações, inclusive equipamentos, que a empresa fica obrigada a comunicar prontamente à Delegacia Regional do Trabalho. Parágrafo segundo. É facultado às empresas solicitar prévia aprovação, pela Delegacia Regional do Trabalho, dos projetos de construção e respectivas instalações. Inspeção prévia pode ser conceituada como a verificação física realizada num determinado estabelecimento novo, para comprovar se o mesmo oferece as condições mínimas de Segurança e Medicina do Trabalho para o seu pleno funcionamento. A inspeção prévia normalmente deverá ser realizada antes do estabelecimento industrial ou comercial, iniciar suas atividades, ou também, quando um estabelecimento, já em funcionamento, tenha sofrido modificações substanciais em suas instalações ou equipamentos. Os agentes da inspeção do trabalho do Ministério do Trabalho (engenheiros e médicos do trabalho) lotados e em exercício nas Delegacias Regionais do Trabalho, são competentes para a realização da inspeção prévia. A Norma Regulamentadora Nº 3 estabelece as situações em que as empresas se sujeitam a sofrer paralisação de seus serviços, máquinas ou equipamentos, bem como os procedimentos a serem observados, pela fiscalização trabalhista, na adoção de tais medidas punitivas no tocante à Segurança e à Medicina do Trabalho. A Norma Regulamentadora Nº 3: Embargo ou Interdição, tem a sua existência jurídica assegurada através do artigo 161 da CLT, verbis: Consolidação das Leis do Trabalho Art. 161. “ O Delegado Regional do Trabalho, à vista do laudo técnico do serviço competente que demonstre grave e iminente risco para o trabalhador, poderá interditar estabelecimento, setor de serviço, máquina ou equipamento, ou embargar obra, indicando na decisão, tomada com a brevidade que a 20
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades ocorrência exigir, as providências que deverão ser adotadas para prevenção de infortúnios de trabalho. Parágrafo primeiro. As autoridades federais, estaduais e municipais darão imediato apoio às medidas determinadas pelo Delegado Regional do Trabalho. Parágrafo segundo. A interdição ou embargo poderão ser requeridos pelo serviço competente da Delegacia Regional do Trabalho e, ainda, por agente de inspeção do trabalho e, ainda, por agente da inspeção do trabalho ou por entidade sindical. Parágrafo terceiro. Da decisão do Delegado Regional do Trabalho poderão os interessados recorrer, no prazo de 10 (dez) dias, para o órgão de âmbito nacional competente em matéria de segurança e medicina do trabalho, ao qual será facultado dar efeito suspensivo ao recurso. . Parágrafo quarto. Responderá por desobediência, além das medidas penais cabíveis, quem, após determinada a interdição ou embargo, ordenar ou permitir o funcionamento do estabelecimento ou de um dos seus setores, a utilização de máquina ou equipamento, ou o prosseguimento da obra, se, em conseqüência, resultarem danos a terceiros. Parágrafo quinto. O Delegado Regional do Trabalho, independentemente de recurso, e após laudo técnico do serviço competente, poderá levantar a interdição. Parágrafo sexto. Durante a paralisação dos serviços, em decorrência da interdição ou embargo, os empregados receberão os salários como se estivessem em efetivo exercício.” Os requerimentos fundamentais desta lei estão contidos nas Normas Regulamentadoras Nºs. 23, 34 e 28 principalmente. São elas os pilares de sustentação da qualidade e integridade da vida. A Norma Regulamentadora (NR) Nº 09 do trabalho urbano, cujo título é Programa de Prevenção de Riscos Ambientais, estabelece a obrigatoriedade da elaboração e implementação, por parte de todos os empregadores e instituições que admitam trabalhadores como empregados, do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais PPRA, visando à preservação da saúde e da integridade física dos trabalhadores, através da antecipação, reconhecimento, avaliação e consequente controle da ocorrência de riscos ambientais existentes ou que venham a existir no ambiente de trabalho, tendo em consideração a proteção do meio ambiente e dos recursos naturais. 21
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Esta norma tem a sua existência jurídica assegurada, a nível de legislação ordinária, através dos artigos 175 a 178 da CLT, in verbis: Consolidação das Leis do Trabalho Art. 175. “ Em todos os locais de trabalho deverá haver iluminação adequada, natural ou artificial, apropriada à natureza da atividade. Parágrafo primeiro. A iluminação deverá ser uniformemente distribuída, geral e difusa, a fim de evitar ofuscamento, reflexos incômodos, sombras e contrastes excessivos. Parágrafo segundo. O Ministério do Trabalho estabelecerá os níveis de iluminamento a serem observados.” Art. 176. “ Os locais de trabalho deverão ter ventilação natural, compatível com o serviço realizado. Parágrafo único. A ventilação artificial será obrigatória sempre que a natural não preencha as condições de conforto térmico.” Art. 177. “ Se as condições de ambiente se tornarem desconfortáveis, em virtude de instalações geradoras de frio ou de calor, será obrigatório o uso de vestimenta adequada para o trabalho em tais condições ou de capelas, anteparos, paredes duplas, isoladamente térmico e recursos similares, de forma que os empregados fiquem protegidos contra as radiações térmicas.” Art. 178. “ As condições de conforto térmico dos locais de trabalho devem ser mantidas dentro dos limites fixados pelo Ministério do Trabalho.” O PPRA - Programa de Prevenção de Riscos Ambientais é parte integrante do conjunto mais amplo das iniciativas da empresa no campo da preservação da saúde e da integridade física dos trabalhadores, devendo estar articulado com o disposto nas demais normas regulamentadoras, em especial com o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, PCMSO, previsto na NR-07. As ações do PPRA devem ser desenvolvidas no âmbito de cada estabelecimento da empresa, sob a responsabilidade do empregador, com a participação dos trabalhadores, sendo sua abrangência e profundidade dependentes das características dos riscos e das necessidades de controle. 22
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Para os fins do PPRA consideram-se: Riscos ambientais, os agentes físicos, químicos e biológicos existentes nos ambientes de trabalho que, em função de sua natureza, concentração ou intensidade e tempo de exposição, são capazes de causar danos à saúde do trabalhador. Agentes físicos as diversas formas de energia a que possam estar expostos os trabalhadores, tais como ruído, vibrações, pressões anormais, temperaturas extremas, radiações não ionizantes, bem como o infra-som e o ultra-som. Agentes químicos, as substâncias, compostos ou produtos que possam penetrar no organismo pela via respiratória, nas formas de poeiras, fumos, névoas, neblinas, gases ou vapores, ou que, pela natureza da atividade de exposição, possam ter contato ou ser absorvidos pelo organismo através da pele ou por ingestão. Agentes biológicos, os diversos microorganismos, tais como: bactérias, fungos, parasitas, protozoários, vírus, entre outros. O Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá incluir as seguintes etapas: a) b) c) d) e) f) Antecipação e reconhecimento dos riscos; Estabelecimento de prioridades e metas de avaliação e controle; Avaliação dos riscos e da exposição dos trabalhadores; Implantação de medidas de controle e avaliação de sua eficácia; Monitoramento da exposição aos riscos; Registro e divulgação dos dados. Ao empregador compete: a) Estabelecer, implementar e assegurar o cumprimento do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA, como atividade permanente da empresa ou instituição; b) Informar os trabalhadores de maneira apropriada e suficiente sobre os riscos ambientais que possam originar-se nos locais de trabalho e sobre os meios disponíveis para prevenir ou limitar tais riscos e para proteger-se dos mesmos. Os deveres dos empregados são os seguintes: a) Colaborar e participar na implantação e execução do PPRA; b) Seguir as orientações recebidas nos treinamentos oferecidos pelo PPRA; c) Informar ao seu superior hierárquico direto qualquer ocorrência que, a seu julgamento, possa implicar riscos à saúde dos trabalhadores. Estabelece a norma que o conhecimento e a percepção que os trabalhadores têm do processo de trabalho e dos riscos ambientais presentes, incluindo os dados 23
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades consignados no mapa de riscos previsto na NR-05 deverão ser considerados para fins de planejamento e execução do PPRA em todas as suas fases. Em relação a riscos graves e iminentes consta como recomendação na norma que o empregador deverá garantir, na ocorrência de riscos ambientais nos locais de trabalho que coloquem, um ou mais trabalhadores, em situação de grave ou iminente risco, que os mesmos possam interromper de imediato as suas atividades, comunicando o fato ao superior hierárquico direto para as devidas providências. Os Códigos de Obra municipais também estabelecem exigências quanto às condições de segurança das edificações, em especial com referência à prevenção de incêndios, não raro expedindo a autoridade local a licença de funcionamento ou “habitese”, após a vistoria e checagem pelo Corpo de Bombeiros, como no caso da Prefeitura de São Paulo e outras. B. Alarmes As empresas devem instalar sistemas de alarme para combate a incêndios, na qual chama-se a atenção para o sinistro através de sinais sonoros e possuir exercícios de alerta periódicos para certos tipos de indústria (a critério da Delegacia Regional do Trabalho, DRT), conforme orientação da Lei 6.514/77, implantada pelo Congresso Nacional, regulamentada pela Portaria do Ministério do Trabalho nº 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora (NR) Nº 23, item 23.18. A autoridade encarregada da implementação da norma, como já dito, é o Delegado Regional do Trabalho. A lei não especifica ou impõe exigências ao sistemas de alarmes quanto aos tipos de sinais sonoros ou e a maneira adequada de se realizar o treinamento, teste e manutenção dos alarmes, ficando a cargo da empresa adequar os procedimentos a sua situação, observando alguns itens tipificados na NR -23: NR - 23.18 Sistemas de Alarme 23.18.1 Nos estabelecimentos de riscos elevados ou médios deverá haver um sistema de alarme capaz de dar sinais perceptíveis em todos os locais da construção; 23.18.2 Cada pavimento do estabelecimento deverá ser provido de um número suficiente de pontos capazes de pôr em ação o sistema de alarme adotado; 23.18.3 As campainhas ou sirenes de alarme deverão emitir um som distinto, em tonalidade e altura, de todos os outros dispositivos acústicos do estabelecimento; 24
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades 23.18.4 Os botões de acionamento de alarme devem ser colocados nas áreas comuns dos acessos dos pavimentos; 23.18.5 Os botões de acionamento devem ser colocados em lugar visível e no interior de caixas lacradas com tampa de vidro ou plástico, facilmente quebrável. Esta caixa deverá conter a inscrição: “Quebrar em caso de emergência”. Além disso, as normas municipais de edificação exigem, dependendo do tamanho do estabelecimento e sua destinação de uso, a instalação de alarmes contra incêndio. No município de São Paulo, por exemplo, o Regulamento do Código de Obras estabelece que nas edificações que necessitarem de mais de uma escada protegida, conforme tabela especificada no anexo da lei, os sistemas de segurança deverão incluir detecção e alarme de acionamento automático ou equipamento fixo de combate a incêndio com acionamento automático ou não. C. Agrupamento de Pessoal Não há leis no país concernentes à reunião e contagem de empregados após a evacuação do prédio, o que não impede as empresas de adotarem a medida em seus planos de emergência. D. Processo de Gerenciamento de Segurança O processo de gerenciamento de segurança industrial é regido pela Lei 6514/77, regulamentada pela Portaria 3214/78, em sua Norma Regulamentadora (NR) Nº 4 Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho SESMT, que traça a competência e o dimensionamento do quadro gerenciador. A NR-04 tem a sua existência jurídica assegurada, a nível de legislação ordinária, pelo artigo 162 da CLT, verbis: Consolidação das Leis do Trabalho 25
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Art. 162. “ As empresas, de acordo com normas a serem expedidas pelo Ministério do Trabalho, estarão obrigadas a manter serviços especializados em segurança e em medicina do trabalho. Parágrafo único. As normas a que se refere este artigo estabelecerão: a) classificação das empresas segundo o número de empregados e a natureza do risco de suas atividades; b) o número mínimo de profissionais especializados exigido de cada empresa, segundo o grupo em que se classifique, na forma da alínea anterior; c) a qualificação exigida para os profissionais em questão e o seu regime de trabalho; d) as demais características e atribuições dos serviços especializados em segurança e em medicina do trabalho, nas empresas.” Os órgãos competentes executores da inspeção das normas legais referentes à segurança e medicina do trabalho são a Delegacia Regional do Trabalho (DRT) e a Delegacia do Trabalho Marítimo (DTM), através de seus Agentes de Inspeção do Trabalho, esses a níveis regionais. A nível nacional, a coordenação e controle dos atos das DRT’s e DTM’s é exercido pela Secretaria de Segurança e Saúde no Trabalho (SSST), órgão do Ministério do Trabalho - MTb. O gerenciamento de segurança industrial está regulamentado pela NR-4 que determina às empresas públicas ou privadas, estabelecidas no País, que possuam empregados regidos pela Consolidação das Leis do Trabalho - CLT, o dever de contar, em seu quadro com profissionais da área de segurança e medicina do Trabalho, organizando e mantendo em funcionamento o SESMT, com a finalidade de promover a saúde e proteger a integridade do trabalhador no local de trabalho. Tal norma legal regulamenta o SESMT apenas como gerenciador da área de segurança industrial. Para definir se uma empresa necessita ou não compor o seu SESMT, há de se identificar o grau de risco de sua atividade principal e o número total de empregados, e, de posse destes dois dados, verificar se a mesma se enquadra no Quadro II da NR-04 (Dimensionamento do SESMT). Porém há situações excepcionais a esta regra. Há cinco situações excepcionais a serem observadas no dimensionamento do SESMT, a saber: a) A empresa que possua mais da metade de seus empregados em estabelecimento ou setor ou atividade cujo grau de risco seja superior ao de sua atividade principal deverá dimensionar o SESMT em função do maior grau de risco e do número total de empregados; 26
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades b) A empresa poderá constituir SESMT centralizado para atender a um conjunto de estabelecimentos pertencentes a ela, desde que a distância a ser percorrida entre aquele em que se situar o SESMT centralizado e os demais estabelecimentos não ultrapasse 5.000m (cinco mil metros), dimensionando-o em função do total de empregados dos vários estabelecimentos e do grau de risco; c) Havendo na empresa, estabelecimento (s) que isoladamente necessite(m) organizar SESMT e outro(s) que não necessite(m), desde que localizados no mesmo Estado, a mesma poderá constituir SESMT centralizado, dimensionando-o pelo somatório do número de empregados existentes nos diversos estabelecimentos, exceto se a empresa for do grau de risco 01 (hum), caso em que o total de empregados a ser considerado será o resultante do somatório entre o número de empregados do estabelecimento que possua a maior quantidade de empregados e a média aritmética do número de empregados dos demais estabelecimentos; d) A empresa deverá também organizar SESMT centralizado, quando possuir, no mesmo Estado, estabelecimentos que, isoladamente, não se enquadrem no Quadro II da NR-04 (Dimensionamento do SESMT), porém, o somatório de todos ultrapasse o limite previsto neste mesmo quadro; e) As empresas de engenharia, os canteiros de obras e as frentes de trabalho com menos de 1.000 (hum mil) empregados e situados no mesmo Estado, não serão considerados como estabelecimentos, mas sim como integrantes da empresa de engenharia principal responsável, a quem caberá organizar um SESMT centralizado especificamente em relação aos profissionais de nível superior: engenheiros de segurança do trabalho, médicos do trabalho e enfermeiros do trabalho, enquanto que os profissionais de nível médio: técnicos de segurança do trabalho e auxiliares de enfermagem do trabalho serão dimensionados isoladamente por canteiro de obra ou frente de trabalho. O empregador, exclusivamente, deve arcar com o ônus decorrente da instalação e manutenção do SESMT, contratando para o seu serviço especializado os respectivos profissionais de conformidade como o dimensionamento previsto no Quadro II da NR-04, devendo após sua organização registrá-lo junto à Delegacia Regional do Trabalho - DRT. Caberá ao SESMT diligenciar tecnicamente para que sejam tomadas as medidas prevencionistas de acidentes do trabalho ou de doenças ocupacionais de modo a proteger eficazmente os trabalhadores em relação aos riscos profissionais porventura existentes. São exigidos do Serviço Especializado em Segurança e Medicina do Trabalho procedimentos escritos para interrupção do trabalho para condições normais e emergenciais são os “planos de controle de efeitos de catástrofes, de disponibilidade de meios que visem o combate a incêndios e ao salvamento e de imediata atenção à vítima deste ou de qualquer outro tipo de acidente” ( NR - 4, 4.12). Por tratar-se de plano de segurança, presume-se escrito e de efeito interruptivo das atividades, mesmo que temporariamente. 27
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades A norma legal em vigor, Lei 6514/77, regulamentada pela Portaria 3214/78, em sua NR - 4, não exige treinamento especializado para o quadro de gerenciadores de segurança industrial. Os profissionais, entretanto, deverão satisfazer vários requisitos legais no que se refere às suas especializações pessoais e profissionais, que estão dispostos na NR - 4, em seu item 4.4.1. A norma regula a jornada de trabalho dos profissionais integrantes do SESMT. Os profissionais de nível superior: engenheiro de segurança do trabalho, médico do trabalho e enfermeiros do trabalho, poderão ser contratados em tempo parcial, de no mínimo 3 (três) horas diárias, ou em tempo integral, 6 (seis) horas diárias, conforme previsto no Quadro de Dimensionamento do SESMT. Enquanto que os profissionais de formação técnica: técnicos de segurança do trabalho e auxiliares de enfermagem do trabalho deverão ser contratados, sempre, para uma jornada de trabalho normal de 8 (oito) horas diárias. Compete aos profissionais de Segurança e Medicina do Trabalho integrantes do SESMT: a) Aplicar os conhecimentos de Engenharia de Segurança do Trabalho ao b) c) d) e) f) g) ambiente de trabalho e a todos os seus componentes, inclusive máquinas e equipamentos, de modo a reduzir até eliminar os riscos ali existentes à saúde ou à integridade física dos trabalhadores; Determinar, quando esgotados todos os meios conhecidos para a eliminação do risco e este persistir, mesmo reduzido, a utilização, pelo trabalhador, de Equipamentos de Proteção Individual, de acordo com o que determina a NR06: EPI, desde que a concentração, a intensidade ou característica do agente assim o exijam; Colaborar, quando solicitado, nos projetos e na implantação de novas instalações físicas e tecnológicas da empresa, dentro de sua habilitação profissional; Responsabilizar-se, tecnicamente, pela orientação quanto ao cumprimento do disposto nas normas regulamentadoras aplicáveis às atividades executadas pela empresa e/ou seus estabelecimentos; Manter permanente relacionamento com a Comissão Interna de Prevenção de Acidentes, valendo-se ao máximo de suas observações, além de apoiá-las, inclusive ministrando cursos específicos, conforme dispõe a NR-05: CIPA; Promover a realização de atividades de conscientização, educação e orientação dos trabalhadores para a prevenção de acidentes do trabalho e doenças ocupacionais, tanto através de campanhas quanto de programas de duração permanente; Analisar e registrar em documento(s) específico(s) todos os acidentes ocorridos na empresa ou estabelecimentos, com ou sem vítima, e todos os casos de doença ocupacional, descrevendo a história e as características do acidente e/ou da doença ocupacional, os fatores ambientais, as características do agente e as condições do(s) indivíduo(s) portador(es) de doença ocupacional ou acidentado; 28
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades h) Registrar, mensalmente, os dados atualizados de acidentes do trabalho, doenças ocupacionais e agentes de insalubridade preenchendo, no mínimo, os quesitos descritos nos modelos constantes nos Quadros III, IV, V e VI da NR04, devendo a empresa encaminhar um mapa contendo a avaliação anual dos mesmos dados à SSST do MTb, até o dia 31 de janeiro, através da DRT local. Todas as atividades profissionais existentes encontram-se agrupadas em quatro modalidades: Grau de Risco 01, Grau de Risco 02, Grau de Risco 03 e Grau de Risco 04, de modo que a ordem numérica crescente do grau de risco é diretamente proporcional à maior probabilidade de ocorrência de acidentes do trabalho ou doenças ocupacionais. Para se definir o grau de risco de uma empresa deve ser consultado o Quadro I: Classificação Nacional de Atividades Econômicas, da NR-04, levando-se em conta a atividade principal por ela desenvolvida. E. Equipamentos A reação emergencial e os equipamentos de proteção ao fogo são compreendidos pela Lei 6514/77, regulamentada pela Portaria 3214/78, em sua NR - 23: Proteção contra incêndios que tem a sua existência jurídica assegurada, a nível de legislação ordinária, através do inciso IV do artigo 200 da Consolidação das Leis do Trabalho, CLT, verbis: Consolidação das Leis do Trabalho Art. 200. “ Cabe ao Ministério do Trabalho estabelecer disposições complementares às normas de que trata este Capítulo, tendo em vista as particularidades de cada atividade ou setor de trabalho, especialmente: IV - proteção contra incêndio em geral e as medidas preventivas adequadas, com exigências ao especial revestimento de portas e paredes, construção de paredes corta-fogo, diques e outros anteparos, assim como garantia geral de fácil circulação, corredores de acesso e saídas amplas e protegidas, com suficiente sinalização.” A presente Lei em sua NR-23, item 7.1, trata expressamente das reações emergenciais quando se inicia o fogo indesejado. Dispõe que as empresas deverão possuir como medidas de prevenção contra incêndio: a) Proteção contra incêndio; 29
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades b) Saídas suficientes para a rápida retirada do pessoal em serviço, em caso de incêndio; c) Equipamento suficiente para combater o fogo em seu início; d) Pessoas adestradas no uso correto desses equipamentos; e) Poderão ser exigidos, para certos tipos de indústria ou de atividade onde seja grande o risco de incêndio, requisitos especiais de construção, tais como portas e paredes corta-fogo ou diques ao redor de reservatórios elevados de inflamáveis. Quanto aos Extintores, a norma exige regulamentação técnica desses equipamentos pelas Normas Técnicas Oficiais Brasileiras e pelo Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial - INMETRO. Para cada situação são exigidas categorias específicas de equipamentos. A NR -23, exige um equipamento específico para controlar ou combater cada tipo ou classe de fogo. Através da tabela seguinte se tem a representação das classes de incêndio, métodos de extinção recomendados e os respectivos tipos de extintores de incêndio adequados ao combate ao incêndio. Tabela de Utilização de Extintores de Incêndio Tabela Classes de Incêndio Tempo de Extintor Recomendado Métodos de Extinção "A" (Papel, Madeira, Resfriamento Tecidos, Fibras) "B" (Óleos, Gasolinas, Abafamento Graxas, Tintas, GLP) "C" Interrupção da (Equipamentos corrente Elétricos, elétrica e Energizados) Abafamento "D" (Magnésio, Zircônio, Abafamento Titânio) Notas: Variante para Classe "D" = Usar de ferro fundido. Água Gás Espuma Carbônico (CO2) PQS - Pó Químico Seco Sim Sim Não Não Não Sim Sim Sim Não Não Sim Sim Sim PQS Especial o método de abafamento por meio de limalha Não 30 Não Não
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades (*) Não é utilizada como ato pleno, mas pode ser usada sob a forma de neblina. A norma compreende ainda seleção, inspeção, teste e manutenção dos equipamentos e impõe: a) Todo extintor deverá ter uma ficha de controle de inspeção (conforme modelo b) c) d) e) f) adiante transcrito); Cada extintor deverá ser inspecionado visualmente a cada mês, examinandose o seu aspecto externo, os lacres, os manômetros quando o extintor for do tipo pressurizado, verificando se o bico e válvulas de alívio não estão entupidos; Cada extintor deverá conter uma etiqueta de identificação presa ao seu bojo, com data em que foi carregado, data para recarga e número de identificação. Dita etiqueta deverá ser protegida convenientemente a fim de evitar que seus dados sejam danificados; Os cilindros dos extintores de pressão injetada deverão ser pesados semestralmente, e, se a perda de peso for além de 10% (dez por cento) do peso original, deverá ser providenciada a sua recarga; O extintor tipo “espuma” deverá ser recarregado anualmente; As operações de recarga dos extintores deverão ser feitas de acordo com normas técnicas oficiais vigentes no país. Os períodos de recarga e suas operações, inclusive teste hidrostático, estão também regidos pelas normas NBR 12.962 - período de recarga, recarga 12 meses, teste hidrostático 5 anos. Ficha de Controle de Inspeção de Extintores Marca: Tipo: Extintor nº Ativo Fixo: Local: ABNT nº Data Recebido Inspecionado Reparado Instrução Código de Reparos a serem utilizados no preenchimento da tabela: 01 = Substituição de gatilho 08 = Manômetro 02 = Substituição do difusor 09 = Teste Hidrostático 03 = Mangote 10 31 Incêndio
    • Plano de Trabalho para Emergências 04 = Válvula de Segurança 05 = Válvula Completa 06 = Válvula Cilindro adicional 07 = Pintura Responsabilidades =Recarregad o 11 = Usado em incêndio 12 = Usado em instrução 13 = Diversos As empresas além de possuírem extintores portáteis em perfeitas condições de uso (recarregados periodicamente), deverão dimensionar a sua quantidade e tipos de conformidade com as seguintes regras: a) Se o risco de incêndio for pequeno, considerar-se-á que uma unidade extintora b) c) d) e) cobrirá uma área de 500,0m2 (quinhentos metros quadrados), e, a distância máxima a ser percorrida de qualquer ponto para se alcançar o extintor será de 20,0m (vinte metros); Se o risco de incêndio for médio, uma unidade extintora dará cobertura a uma área de 250,0m2 (duzentos e cinqüenta metros quadrados), e, a distância máxima a ser percorrida para se alcançar o extintor será de 10,0m (dez metros); Se o risco de incêndio for grande, considera-se que uma unidade extintora dará cobertura a uma área de até 150,0m2 (cento e cinqüenta metros quadrados), e, a distância máxima a ser percorrida de qualquer ponto para se alcançar o extintor será de 10,0m (dez metros); O risco de incêndio: pequeno, médio ou grande será definido, por cada estabelecimento, conforme Tabela do IRB (Instituto de Resseguros do Brasil); Independentemente da área ocupada, deverá existir pelo menos dois extintores portáteis de incêndio para cada pavimento de um estabelecimento. Quanto à localização e sinalização dos extintores de incêndio estipula-se: a) Os extintores deverão ser colocados em locais de fácil visualização, de fácil b) c) d) e) f) g) h) acesso, e onde haja menos probabilidade de o fogo bloquear seu acesso; Os locais destinados aos extintores devem ser assinalados por um círculo vermelho ou uma seta larga, vermelha, com bordas amarelas; Deverá ser pintada de vermelho uma larga área do piso embaixo do extintor, a qual não poderá ser obstruída por forma nenhuma. Essa área deverá ser no mínimo de 1m x 1m (um metro quadrado); Os extintores não deverão ter sua parte superior a mais de 1,60m (um metro e sessenta centímetros) acima do piso; Os baldes com agentes extintores não deverão ter seus rebordos a menos de 0,60m (sessenta centímetros) nem a mais de 1,50m (um metro e cinqüenta centímetros) acima do piso; Os extintores não deverão ser localizados nas paredes das escadas; Os extintores sobre rodas deverão ter garantido sempre o livre acesso a qualquer ponto do estabelecimento; Os extintores não poderão ser encobertos por pilhas de materiais. 32
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades No tocante à extinção de incêndios por meio de água dispõe a norma: a) Nos estabelecimentos industriais de 50 ou mais empregados, deve haver um aprisionamento conveniente de água sob pressão, a fim de, a qualquer tempo, poder-se extinguir os começos de incêndios da Classe “A”; b) Os pontos de captação de água deverão ser facilmente acessíveis e situados ou protegidos de maneira a não poderem ser danificados; c) Os pontos de captação de água e os encanamentos de alimentação deverão ser experimentados, freqüentemente, a fim de evitar o acúmulo de resíduos; d) A água nunca será empregada: nos incêndios de Classe “B”, salvo quando pulverizada sob a forma de neblina; nos fogos da Classe “C”, salvo quando se tratar de água pulverizada; e nos fogos da Classe “D”. As recomendações prevencionistas pertinentes aos chuveiros automáticos dos locais de trabalho, também, está disposto nesta Norma Regulamentadora: a) Os chuveiros automáticos devem ter seus registros sempre abertos, e só poderão ser fechados em casos de manutenção ou inspeção, com ordem da pessoa responsável; b) Um espaço livre de pelo menos 1,0m (um metro) deve existir abaixo e ao redor das cabeças dos chuveiro, a fim de assegurar uma inundação eficaz. Em relação aos métodos variantes de combate a incêndio dispõe: a) O método de abafamento por meio de areia (balde de areia) poderá ser usado como variante nos incêndios das Classes “B” e “C”; b) O método de abafamento por meio de limalha de ferro fundido poderá ser usado como variante nos incêndios Classe “D”. No tocante às saídas de emergência os locais de trabalho deverão dispô-las em número suficiente e dispostas de modo que aqueles que se encontrem nesses locais possam abandoná-los com rapidez e segurança, em caso de emergência, e que satisfaçam aos seguintes requisitos: a) A largura mínima das aberturas da saída, deverá ser de 1,20m (um metro e vinte centímetros), e o sentido de abertura da porta não poderá ser para o interior do local de trabalho; b) As saídas devem ser dispostas de tal forma que entre elas e qualquer local de trabalho não se tenha de percorrer distância maior que 15m (quinze metros) nos de risco grande e 30m (trinta metros) nos de risco médio ou pequeno, podendo tais distâncias ser modificadas, para mais ou menos, a critério da autoridade competente em segurança do trabalho, se houver instalações de chuveiros, automáticos (sprinklers), e segundo a natureza do risco; c) Quando não for possível atingir diretamente, as portas de saída, deverão existir, em caráter permanente, vias de passagem ou corredores, com largura mínima de 1,20m (um metro e vinte centímetros), sempre rigorosamente desobstruídos; d) As aberturas, saídas e vias de passagem devem ser claramente assinaladas por meio de placas ou sinais luminosos, indicando a direção da saída; 33
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades e) As saídas e as vias de circulação não devem comportar escadas nem degraus; as passagens serão bem iluminadas; f) Os piso, de níveis diferentes, deverão ter rampas que os contornem suavemente e, neste caso, deverá ser colocado um “Aviso” no início da rampa, no sentido de descida; g) Escadas em espiral, de mãos ou externas de madeira, não serão consideradas partes de uma saída. Há, ainda, alguns requisitos adicionais de segurança em relação às portas dos ambientes de trabalho a serem observados, são eles: a) As portas de saída devem ser de batentes, ou portas corrediças horizontais, a b) c) d) e) f) g) critério da autoridade competente em segurança do trabalho, sendo que as portas verticais, as de enrolar e as giratórias não serão permitidas em comunicações internas; Todas as portas de batente, tanto as de saída como as de comunicações internas devem abrir no sentido de saída e situarem-se de tal modo que, ao se abrirem, não impeçam as vias de passagem; As portas de saída que conduzem às escadas devem ser dispostas de maneira a não diminuírem a largura efetiva dessas escadas; As portas de saída devem ser dispostas de maneira a serem visíveis, ficando terminantemente proibido qualquer obstáculo, mesmo ocasional, que entrave o seu acesso ou a sua vista; Nenhuma porta de entrada, ou saída, ou de emergência de um estabelecimento ou local de trabalho, deverá ser fechada a chave, aferrolhada, ou presa durante as horas de trabalho, somente podendo ser fechadas com dispositivo de segurança, que permitam a qualquer pessoa abri-las facilmente no interior do estabelecimento, ou do local de trabalho; Em hipótese alguma, as portas de emergência deverão ser fechadas pelo lado externo, mesmo fora do horário de trabalho; As caixas de escadas deverão ser providas de portas corta-fogo, fechando-se automaticamente e podendo ser abertas facilmente pelos dois lados. Todas as escadas, plataformas e patamares deverão ser feitos com materiais incombustíveis e resistentes ao fogo. Os poços e monta-cargas de ascensores, nas construções de mais de dois pavimentos, devem ser inteiramente de material resistente ao fogo. Estipula a norma regras preliminares de combate a incêndio, para tão logo se manifeste o fogo (incêndio): a) Acionar o sistema de alarme; b) Chamar imediatamente o Corpo de Bombeiros ( telefone 193); c) Desligar máquinas e aparelhos elétricos quando a operação do desligamento não envolver riscos adicionais, e, aqueles que não devem ser desligados em caso de incêndio, deverão conter placa com aviso referente a este fato, próximo à chave de interrupção; 34
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades d) Combater o foco de incêndio o mais rapidamente possível pelos meios adequados. A Norma Regulamentadora prevê que os exercícios de alerta de incêndio deverão ser feitos periodicamente, respeitando o seguinte: a) Os exercícios deverão ser realizados sob a direção de um grupo de pessoas, capazes de prepará-los e dirigi-los, comportando um chefe e ajudantes em número necessário, segundo as características do estabelecimento; b) Os planos de exercício de alerta deverão ser preparados como se fossem para um caso real de incêndio; c) Nas fábricas que mantenham equipes organizadas de bombeiros, os exercícios devem se realizar periodicamente, de preferência, sem aviso e se aproximando, o mais possível, das condições reais de luta contra incêndio; d) As fábricas ou estabelecimentos que não mantenham equipes de bombeiros, deverão ter alguns membros do pessoal operário, bem como os guardas e vigias, especialmente exercitados no correto manejo do material de luta contra o fogo e o seu emprego. Os exercícios de combate a incêndio devem ser realizados objetivando o seguinte: a) b) c) d) e) Que o pessoal grave o significado do sinal de alarme; Que a evacuação do local se faça em boa ordem; Que seja evitado qualquer pânico; Que sejam atribuídas tarefas e responsabilidades específicas aos empregados; Que seja verificado se a sirene de alarme foi ouvida em todas as áreas. F. Coordenação com comunidade Os planos emergenciais são desenvolvidos e coordenados com o serviço local de emergência. As constituições dos Estados - membros expressam a obrigatoriedade de intervenção de suas respectivas corporações policiais militares (Corpos de Bombeiros), Defesa Civil e instituições oficiais de proteção ao meio ambiente, em casos de ocorrências emergenciais que envolvam populações e riscos gerados a elas, causados por acidentes ou catástrofes. A esses organismos oficiais incumbem as tarefas de coordenar e desenvolver as ações de combate às emergências. Este planejamento é genérico, não sendo especificado na norma legal em quais empresas e substâncias ele é necessário. Em qualquer ocorrência emergencial envolvendo seja qual for o ramo empresarial e as substâncias envolvidas - desde que de 35
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades risco para a comunidade - há a intervenção necessária dos órgãos oficiais (Corpo de Bombeiros, defesa civil, instituições ambientais). Não há obrigatoriedade na divisão dos planos de emergência com a sociedade. As constituições estaduais não exigem que haja divulgação dos planos oficiais para contenção das emergências para a sociedade em geral. O que ocorre na prática, porém, é que as indústrias que trabalham com produtos perigosos mantêm um constante intercâmbio informal com os organismos oficiais. Não estão previstas manobras conjuntas com os responsáveis na sociedade, pois, a norma máxima de cada Estado-membro delega somente às organizações oficiais a função de coordenar e conduzir as providências de combate às emergências. Nos casos de emergências industriais, há a cooperação informal entre os órgãos oficiais e os profissionais especializados das mesmas, porém, a condução dos trabalhos estará sempre sob a responsabilidade do representante do poder público. Entretanto, para tal condução há que se ter agilidade e competência funcional, e estas decorrem da hierarquia interna do órgão público, regidas pelas normas do direito administrativo. No Estado de São Paulo são exigidas informações através das Ordens de Serviço emitidas pela CETESB, cujos conteúdos orientam as empresas a manterem seus cadastros de produtos perigosos, juntamente com as formas de contenção de determinados riscos atualizados e a disposição do órgão oficial. G. Treinamento O treinamento de reação em emergência para empregados está disposto na Lei 6.514, regulamentada pela Portaria 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora (NR) Nº. 23 - Proteção Contra Incêndios, que expressa a obrigatoriedade de treinamento de pessoas ou equipe para uso correto dos equipamentos de combate ao fogo. A legislação especial não estende suas exigências aos treinamentos dos empregados para prepará-los quanto ao modo de usar, controlar o derramamento e recolhimento de produtos químicos. Os referidos treinamentos dependem unicamente de cada empresa que atua com substâncias químicas. A única exceção à regra - no caso de químicos - está contida na Norma Regulamentadora Nº 15, em seu Anexo 12 (Abestos). O treinamento com os Equipamentos de Proteção Individual - EPI’s - está regulamentado de forma genérica pela Norma Regulamentadora Nº 9, da Portaria 3.211/78. Esta norma institui o programa de treinamento dos trabalhadores quanto a sua correta utilização e orientação sobre as limitações de proteção que o EPI oferece. Os 36
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades empregadores são obrigados a informar aos empregados os riscos ambientais dos locais de trabalho para os quais estão sendo treinados e protegidos e os meios de proteção disponíveis para cada caso. Os EPI’s devem ser fornecidos pelo empregador e exigido seu uso pelos empregados não para determinada categoria de trabalho, mas sim para determinada categoria de exposição aos riscos. Para cada tipo de exposição, há a indicação legal de qual proteção deve-se utilizar o trabalhador. A Norma Regulamentadora Nº 9 dispõe que a utilização de EPI no âmbito do Programa de Prevenção de Riscos Ambientais deverá considerar as normas legais e administrativas em vigor e envolver, no mínimo: a) Seleção do EPI adequado tecnicamente ao risco a que o trabalhador está exposto à atividade exercida, considerando-se a eficiência necessária para o controle da exposição ao risco e o conforto oferecido segundo avaliação do trabalhador usuário; b) Programa de treinamento dos trabalhadores quanto a sua correta utilização e orientação sobre as limitações de proteção que o EPI oferece; c) Estabelecimento de normas ou procedimentos para promover o fornecimento, o uso, a guarda, a higienização, a conservação, a manutenção e a reposição do EPI, visando garantir as condições de proteção originalmente estabelecidas; d) Caracterização das funções ou atividades dos trabalhadores, com a respectiva identificação dos EPI’s utilizados para os riscos ambientais. A norma legal especial expressa a obrigatoriedade do treinamentos de pessoas para determinadas situações, tais como, combate ao fogo, para o trato com asbestos, para trabalhos com eletricidade, motoserras e vasos sob pressão, para trabalhos sob condições hiperbáricas, para trabalhos subterrâneos e para trabalhos com explosivos. O treinamento para trabalhadores envolvidos em exames de sangue ou outros fluídos que contenham patogênicos (fontes de doenças transmissíveis) em sua composição não estão especificados na norma especial. São treinamentos que dependem unicamente das empresas contratantes. Sobre elas recai, entretanto, responsabilidade civil e ou criminal para os casos de omissão devido a falhas por falta de adequado treinamento. O treinamento da sociedade para casos emergenciais gerais não encontra obrigatoriedade legal. Este tipo de treinamento decorre por livre determinação e escolha do poder público local, com exceção de situações ocasionais, como por exemplo, usinas nucleares. 37
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades H. Programa de avaliação As provisões orçamentárias para reformas e inspeção dos planos de emergência por parte das empresas ou poder público não encontra previsão legal no País. Não havendo, portanto, previsões para que os planos sejam revisados, reformados ou inspecionados por qualquer agência específica. H. Emergencias Responsá/Derramento ou Descarga de Produtos Quimicos Os planos de combate a incêndios são disciplinados pela Lei 6.514/77, regulamentada pela Portaria 3.214/78, elaborada pelo Ministério do Trabalho, também de âmbito federal, em sua Norma Regulamentadora Nº 23. Além dessa norma específica supramencionada, há as constituições estaduais, regulamentadas por decretos, portarias e ordens de serviços, que regulam a participação das corporações oficiais nas reações de emergência. Porém, essas normas últimas, não são dirigidas à participação da iniciativa privada. Para casos emergenciais a norma legal não leva em conta princípios quantitativos de substâncias químicas. Já nos casos de exposição laborial, os princípios quantitativos são regidos pela Portaria 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora Nº 15. A fase quantitativa compreende a medição do agente imediatamente após as considerações qualitativas, guardando atenção especial à essência do risco e ao tempo de exposição. As medições ou a fase quantitativa no Brasil são baseadas no volume total acumulado no ambiente considerado. Se houver omissão desse estatuto, pode-se utilizar os valores para limites de tolerância previstos e adotados pela ACHIH - American Conference of Governmental Industrial Higyenists, ou aqueles valores que venham a ser estabelecidos em negociações coletivas, desde que mais rigorosos que os existentes na norma em vigor. Os planos escritos sobre Situações ou Ações de Emergência devem ser elaborados pelo Serviço Especializado em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - SESMT - de cada unidade industrial ou empresarial. Não há regra formal para elaboração dos planos emergenciais, a norma é genérica, expressando somente a necessidade de sua elaboração, não traçando parâmetros ou rumos a seguir na confecção dos mesmos. Na prática empresarial, cada empresa, órgão ou indústria adota uma forma de elaborar tais trabalhos. As descargas operacionais não encontram regulamentação na norma especial. A Constituição Federal de 1988, em seu artigo 225, refere-se às descargas acidentais. Encontramos também diversos decretos e portarias federais que regem o assunto das 38
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades descargas acidentais no meio, regulamentando tecnicamente o texto constitucional. Há também os textos constitucionais estaduais. Estes planos emergenciais não requerem prévia apreciação dos órgãos competentes, porém, as DRT’s e DTM’s, através de seus agentes, tem a competência funcional de fiscalizar a elaboração desses planos emergenciais. A empresas não estão obrigadas legalmente a divulgarem seus planos de contenção de emergências à comunidade ou a qualquer autoridade local, porém, as empresas possuem um intercâmbio informal de informações com o poder público. Quando ocorre uma situação de emergência de combate a incêndio há uma sequência de procedimentos emergenciais a serem seguidos. Estes procedimentos estão expressos na Portaria 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora Nº 23. Em relação as outras situações emergenciais, cada empresa deve elaborar e possuir seu próprio procedimento de enfrentamento da situação. Um plano de ação para combate a incêndio deve conter alguns requisitos no que se refere a pessoal treinado, sistema de alarme, saídas de emergência, requisitos especiais de construção, equipamentos de combate a incêndio, exercícios de alerta. Além desses procedimentos ou atos, há leis estaduais que obrigam a todas as instalações que apresentem seus respectivos planos de combate a incêndio para o Corpo de Bombeiros. Há, ainda, outros procedimentos exigidos na citada Portaria 3.214/78, a serem elaborados no sentido de prevenção de riscos e reações às situações de emergência.     Com a finalidade de se iniciar as atividades com isenção de riscos é exigido o Certificado de Aprovação das instalações - CAI; Objetivando a promoção e preservação da saúde do conjunto dos trabalhadores deve ser elaborado o Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional - PCMSO; Para reconhecimento, avaliação e controle de riscos ambientais há o Programa de Prevenção de Riscos Ambientais - PPRA; Para a indústria da construção há o Programa de Condições e Meio Ambiente de Trabalho na Indústria da Construção - PCMAT. O vazamento e liberação de substâncias químicas no ambiente de trabalho está disposto na Portaria 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora Nº 15, e Anexos 11 e 12, e as providências emergenciais a serem tomadas vai depender dos limites de tolerância. 39
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades As medições das substâncias no local de trabalho é feito pelo SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. Em caso de liberação de substâncias químicas para o meio ambiente a responsabilidade pela execução da lei é do poder público, a nível federal a Secretaria do Meio Ambiente e o IBAMA. No Estado de São Paulo a CETESB é responsável. Ainda há outros órgãos responsáveis como a Defesa Civil e o Corpo de Bombeiros. A responsabilidade legal do autor do vazamento existirá sempre que houver vazamento de substância química para o meio. A lei não estabelece um limite mínimo de vazamento para que haja a responsabilidade. Ocorrendo um acidental vazamento ou liberação para o ar, solo ou água, dever-se-á notificar o órgão estadual responsável pelo meio ambiente, o corpo de bombeiros e a defesa civil, relatando que substância foi lançada, sua agressividade e quais medidas a tomar para cessar seus efeitos. No caso de vazamentos ou liberações para o ambiente de trabalho, as substâncias regularizadas e suas quantidades máximas permitidas estão descritas no Anexo 11 da Norma Regulamentadora Nº 15, da Portaria 3.214/78. O empregador deverá observar as exigências de treinamento e preparação para os empregados em contato com as substâncias químicas perigosas. Quanto aos Equipamentos de Proteção Individual, EPI’s, estão expressos na Norma Regulamentadora Nº 6; quanto à informação dos riscos a que estão expostos, observar a Norma Regulamentadora Nº 9; e quanto ao treinamento para prepará-los, está contido na Norma Regulamentadora Nº 15, Anexo 12, em seus itens 3 e 20. O plano emergencial, especificado na Norma Regulamentadora Nº 4, deve conter um plano de prevenção e procedimentos a serem tomados no caso de vazamentos, já que não existe norma especial para este tipo de reação emergencial, porém verifica-se a necessidade de intervenção emergencial se houver riscos. I. EPI’S E EPR’S A empresa é obrigada a fornecer, gratuitamente, a seus empregados, conforme a NR-06, EPI’s adequados ao risco e em perfeito estado de conservação e funcionamento, na ocorrência de uma ou mais das seguintes situações: a) Sempre que as medidas de proteção coletiva forem tecnicamente inviáveis ou não oferecerem completa proteção contra os riscos de acidentes do trabalho e/ou de doenças profissionais ou do trabalho; b) Enquanto as medidas de proteção coletivas estiverem sendo implantadas; c) Para atender a situações de emergência. 40
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Esta norma classifica os equipamentos de proteção individual em nove grupos, conforme a parte ou órgão do corpo a ser protegido: a) b) c) d) e) f) g) h) i) Proteção para a cabeça; Proteção para os membros superiores; Proteção para os membros inferiores; Proteção contra quedas com diferença de nível; Proteção auditiva; Proteção respiratória; Proteção do tronco; Proteção do corpo inteiro; Proteção da pele. Como proteção para a cabeça são indicados os equipamentos descritos abaixo: a) Protetores faciais destinados à proteção dos olhos e da face contra lesões b) c) d) e) f) g) ocasionadas por partículas, respingos, vapores de produtos químicos e radiações luminosas intensas; Óculos de segurança para trabalhos que possam causar ferimentos nos olhos, provenientes de impacto de partículas; Óculos de segurança contra respingos, para trabalhos que possam causar irritações nos olhos e outras lesões decorrentes da ação de líquidos agressivos e metais em fusão; Óculos de segurança para trabalhos que possam causar irritação nos olhos provenientes de poeiras; Óculos de segurança que possuam lentes ou placas filtrantes para radiações visíveis (luz), ultravioleta e infravioleta com tonalidades variáveis conforme Quadro I da NR-06, para trabalhos que possam causar irritações e outras lesões decorrentes da ação de radiações perigosas; máscara facial para soldadores, dotadas de lentes ou placas filtrantes para radiações visíveis (luz), ultravioleta e infravioleta, com tonalidades variáveis conforme Quadro I desta NR, nos trabalhos de soldagem e corte ao arco elétrico; Capacetes de segurança para proteção do crânio, nos trabalhos sujeitos a: agentes meteorológicos (trabalhos a céu aberto), impactos provenientes de quedas ou projeção de objetos, queimaduras ou choque elétrico. Para os membros superiores são indicados como equipamentos de proteção: Luvas e/ou Mangas de Proteção que devem ser usados em trabalhos em que haja perigo de lesão provocada por: materiais ou objetos escoriantes, abrasivos, cortantes ou perfurantes, produtos químicos corrosivos, cáusticos, tóxicos, alergênicos, oleosos, graxos, solventes orgânicos e derivados de petróleo, materiais ou objetos aquecidos, choque elétrico, radiações perigosas, frio, e agentes biológicos. 41
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Como proteção para os membros inferiores são indicados os seguintes equipamentos: a) Calçados de proteção contra riscos de origem: mecânica, térmica, radiações perigosas, agentes biológicos agressivos ou energia elétrica; b) Calçados impermeáveis para trabalhos realizados em lugares úmidos, lamacentos ou encharcados; c) Calçados impermeáveis e resistentes a agentes químicos; d) Perneiras de proteção contra riscos de origem: mecânica, térmica, ou radiações perigosas. Como proteção contra quedas com diferença de nível a norma apresenta os seguintes equipamentos: a) Cinto de segurança para trabalhos em altura superior a 2m (dois metros) em que haja risco de queda; b) Cadeira suspensa para trabalhos em alturas em que haja necessidade de deslocamento vertical, quando a necessidade do trabalho assim o indicar; c) Trava-quedas de segurança acoplada ao cinto de segurança ligado a um cabo de segurança independente, para os trabalhos realizados com movimentação vertical em andaimes suspensos de qualquer tipo. A norma define como proteção auditiva os protetores auriculares (tipo concha tipo plug), para trabalhos realizados em locais em que o nível de ruído seja superior estabelecido na NR-15: Atividades e Operações Insalubres, em seus Anexos nºs (limites de tolerância para exposição ao ruído contínuo ou intermitente), e 02 (limites tolerância para ruídos de impacto). ou ao 01 de São indicados como equipamentos de proteção respiratória: a) Respiradores contra poeiras, para trabalhos que impliquem produção de poeiras; b) Máscara para trabalhos de limpeza por abrasão. Através de jateamento de areia; c) Respiradores e máscara de filtro químico para exposição a agentes químicos prejudiciais à saúde; d) Aparelhos de isolamento (autônomos ou de adução de ar), para locais de trabalho onde o teor de oxigênio no ar seja inferior a 18% (dezoito por cento) em volume. Como proteção do tronco são indicados como Equipamentos de Proteção Individual: aventais, jaqueta, capas e outra vestimentas especiais de proteção para trabalhos em que haja perigo de lesões provocadas por: riscos de origem térmica, riscos de origem radioativa, riscos de origem mecânica, riscos químicos, agentes meteorológicos, umidade proveniente de operações de lixamento a água ou outras operações de lavagem. 42
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades A proteção do corpo inteiro deve ser feita em locais onde haja exposição a agentes químicos, absorvíveis pela pele, pelas vias respiratória e digestiva, prejudiciais à saúde, através de aparelhos de isolamento (autônomos ou de adução de ar). A proteção da pele é feita com cremes protetores dos seguintes tipos: a) Grupo I: água-resistente, são aqueles que, quando aplicados à pele do usuário, não são facilmente removíveis com água; b) Grupo II: óleo-resistente, são aqueles que, quando aplicados à pele do usuário, não são facilmente removíveis na presença de óleos ou substâncias apolares; c) Grupo III: cremes especiais, são aqueles com indicações e usos definidos e bem-especificados pelo fabricante. O trabalho descalço é terminantemente proibido, assim como, o empregado trabalhar utilizando tamancos, sandálias ou chinelos. Todavia, e em casos especiais, é prevista a possibilidade de que o Delegado Regional do Trabalho possa permitir o uso de sandálias, desde que a atividade desenvolvida não ofereça riscos à integridade física do trabalhador, da mesma forma como poderá o Ministério do Trabalho determinar a utilização de outros EPI’s, além dos anteriormente especificados. A recomendação e indicação dos EPI’s a serem utilizados pelos trabalhadores nos locais de trabalho é da competência prioritária do SESMT da empresa, quando, porém, a empresa não possuir este órgão, a indicação será atribuição da Comissão Interna de Prevenção de Acidentes -CIPA, e, na falta desta, competirá ao próprio empregador, mediante orientação técnica, a indicação e escolha do EPI adequado para seus empregados. Ao empregador cabem algumas obrigações referentes aos EPI’s, tais como: a) Adquirir o tipo adequado à atividade do empregado; b) Fornecer, gratuitamente, aos empregados, somente EPI aprovado pelo c) d) e) f) g) Ministério do Trabalho, ou seja com Certificado de Aprovação (CA); Treinar o trabalhador sobre o seu uso adequado; Tornar obrigatório o seu uso, através de Ordens Internas de Serviço; Substituí-lo, imediatamente, quando danificado ou extraviado; Responsabilizar-se pela sua higienização e manutenção periódica; Comunicar ao Ministério do Trabalho qualquer irregularidade observada no EPI adquirido. Aos empregados a norma também estipula alguns deveres, como: a) Utilizar o EPI apenas para a finalidade a que se destina; b) Responsabilizar-se por sua guarda e conservação; c) Comunicar ao empregador qualquer alteração que o torne impróprio para uso. 43
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades A Instrução Normativa SSST nº 01 de 11 de abril de 1994 dispõe sobre os Equipamentos de Proteção Respiratória, EPR’s, que correspondem à proteção respiratória individual que deve ser fornecida pelas empresas aos trabalhadores como forma de complementar as medidas de proteção coletiva implementadas, ou enquanto as mesmas estiverem sendo implantadas, com a finalidade de garantir uma completa proteção ao trabalhador contra os riscos existentes nos ambientes de trabalho. Quanto ao princípios que devem nortear o uso dos EPR’s nos locais de trabalho são estabelecidos pela Instrução Normativa SSST nº 01/94, descritos a seguir: a) O estabelecimento de procedimentos escritos abordando, no mínimo, os b) c) d) e) critérios para a seleção dos EPR’s, o uso adequado dos mesmos levando em conta o tipo de atividade e as características individuais do trabalhador, bem como a orientação deste para abandonar a área de risco, conforme o caso; O uso individual dos equipamentos, salvo em situações específicas, de acordo com a finalidade dos mesmos, bem como a sua guarda e conservação; O monitoramento apropriado e periódico das áreas de trabalho e dos riscos ambientais a que estão expostos os trabalhadores; O fornecimento de EPR somente a pessoas fisicamente capacitadas a realizar suas tarefas; O uso de EPR de forma limitada aos que tenham sido aprovados e indicado para as condições que os mesmos forem utilizados. Esta Instrução Normativa dispõe que deverá ser feita uma prévia avaliação para a indicação dos EPR’s nos seguintes parâmetros: a) b) c) d) e) Características físicas do ambiente de trabalho; Necessidade de utilização de outros Equipamentos de Proteção Individual; Demandas físicas específicas que o usuário está encarregado; Tempo de uso em relação à jornada de trabalho; Características específicas de trabalho tendo em vista a possibilidade de existência de atmosferas imediatamente perigosas à vida ou à saúde; f) Realização de exame médico no candidato ao uso do EPR, respeitadas, dentre outras, as disposições contidas na NR-07: PCMSO. J. Insalubriade As Atividades e Operações Insalubres são regulamentadas pela NR-15, que descreve as atividades, operações e agentes insalubres, inclusive seus limites de tolerância, definindo, assim, as situações que, quando vivenciadas nos ambientes de trabalho pelo trabalhadores, ensejam a caracterização do exercício insalubre, e também os meios de proteger os trabalhadores de tais exposições nocivas à saúde. 44
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades A existência jurídica desta norma esta assegurada, a nível de legislação ordinária, através dos artigos 189 a 192 da Consolidação das Leis do Trabalho, verbis: Consolidação das Leis do Trabalho Art. 189. “ Serão consideradas atividades ou operações insalubres aquelas que, por sua natureza, condições ou métodos de trabalho, exponham os empregados a agentes nocivos à saúde, acima dos limites de tolerância fixados em razão da natureza e da intensidade do agente e do tempo de exposição aos seus efeitos.” Art. 190. “ O Ministério do Trabalho aprovará o quadro da atividades e operações insalubres e adotará normas sobre os critérios de caracterização da insalubridade, os limites de tolerância ao agentes agressivos, meios de proteção e o tempo máximo de exposição do empregado a esses agentes. Parágrafo único. As normas referidas neste artigo incluirão medidas de proteção do organismo do trabalhador nas operações que produzem aerodispersóides tóxicos, irritantes, alergênicos ou incômodos.” Art. 191.“ A eliminação ou a neutralização da insalubridade ocorrerá: I - com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; II - com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam a intensidade do agente agressivo a limites de tolerância. Parágrafo único. Caberá às Delegacias Regionais do Trabalho, comprovada a insalubridade, notificar as empresas, estipulando prazos para a sua eliminação ou neutralização, na forma deste artigo.” Art. 192.“ O exercício de trabalho em condições insalubres, acima dos limites de tolerância estabelecidos pelo Ministério do Trabalho, assegura a percepção de adicional respectivamente de 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) e 10% (dez por cento) do salário mínimo da região, segundo se classifiquem nos graus máximo, médio e mínimo.” 45
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades A Constituição Federal de 1988 trata da insalubridade em três incisos (XXII, XXIII e XXXIII) do artigo 7º da Nova Carta Magna se relacionam diretamente com o tema insalubridade, verbis: Constituição Federal de 1988 Art. 7º “ São direitos dos trabalhadores urbanos e rurais, além de outros que visem à melhoria de sua condição social: XXII - redução dos riscos inerentes ao trabalho, por meio de normas de saúde, higiene e segurança; XXIII - adicional de remuneração para as atividades penosas, insalubres ou perigosas, na forma da lei; XXXIII - proibição de trabalho noturno, perigoso ou insalubre aos menores de dezoito e de qualquer trabalho a menores de quatorze anos, salvo na condição de aprendiz.” O termo insalubre no conceito vernacular e de forma simplória, significa um adjetivo que expressa a qualidade daquilo que é: “não-salubre”, “não-saldável”, “que causa doença”, ou “doentio”. Para fins da NR-15 são consideradas atividades ou operações insalubres as que se desenvolvem: a) Acima dos limites de tolerância previstos nos Anexos nºs.: 01-Ruído Contínuo ou Interminte; 02-Ruído de Impacto; 03-Calor Radiante; 05-Radiações Ionizantes; 11-Agentes Químicos; 12-Poeiras Minerais. Convém ressaltar que, para se caracterizar a exposição insalubre em relação a estes agentes, necessária se faz a avaliação quantitativa com a utilização de aparelhos de medição específicos para cada agente insalubre, para se constatar se os limites de tolerância foram extrapolados; b) Nas atividades mencionadas nos Anexos nºs.: 06-Pressões Hiperbáricas; 13Agentes Químicos; e 14-Agentes Biológicos. Para se caracterizar a insalubridade em decorrência da exposição dos trabalhadores a estes agentes necessária se faz a realização de avaliação qualitativa, dispensado-se a utilização de aparelhos de medição, até porque a NR-15 não fixou limites de tolerância para tais agentes; c) Nas atividades constantes nos Anexos nºs.: 07-Radiações Não-ionizantes; 08Vibrações; 09-Frio; e 10-Umidade. Para de caracterizar a exposição insalubre a estes agentes é necessário que o perito proceda apenas uma verificação física dos locais de trabalho. 46
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades O limite de tolerância, para fins desta norma, é a concentração ou intensidade máxima ou mínima, relacionada com a natureza e o tempo de exposição ao agente, que não causará dano à saúde do trabalhador, durante sua vida laboral. Ao contrário, se o trabalhador exercer atividades com exposição a agentes insalubres acima dos limites de tolerância pré-fixados, e sem a proteção adequada, fará jus ao adicional de insalubridade. A insalubridade pode ser classificada como sendo de grau máximo, médio ou mínimo, dependendo do agente químico, constante do Anexo 11 da NR-15, sob qual o trabalhador esteja exposto, caso em que o trabalhador fará jus, respectivamente, ao adicional de insalubridade correspondente a 40% (quarenta por cento), 20% (vinte por cento) ou 10% (dez por cento), sempre incidente sobre o salário mínimo legal. O trabalhador poderá ficar exposto a mais de um agente insalubre de graus diversos. A percepção cumulativa de mais de um adicional de insalubridade é legalmente vedada, assim como, perceber simultaneamente os adicionais de insalubridade e periculosidade. Neste caso o trabalhador fará jus apenas a um único adicional de insalubridade (de grau, máximo, médio ou mínimo) ou de periculosidade, devendo lhe ser pago, sempre, o de maio valor monetário, em respeito ao princípio protetor hipossuficiente, que norteia o direito do trabalho como um todo, apesar do parágrafo 2º do artigo 193 da CLT, asseverar que o trabalhador deve optar pelo adicional que deseja perceber. A exposição aos agentes insalubres pode ser eliminada ou neutralizada segundo o disposto no artigo 191 da CLT e pela NR-15, ou seja: a) Com a adoção de medidas que conservem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; ou seja, adotando-se medidas técnicas de proteção coletiva; b) Com a utilização de equipamentos de proteção individual ao trabalhador, que diminuam à intensidade do agente agressivo a limites de tolerância. O pagamento do adicional de insalubridade ao trabalhador pode ser suprimido com a eliminação ou neutralização de sua exposição a agentes insalubres, desde que sem qualquer ofensa a direito adquirido, mesmo em relação aos trabalhadores que por vários anos seguidos já vinham percebendo tal verba, tanto assim que o artigo 194 Consolidado expressamente autoriza tal supressão de pagamento. Este entendimento, por sinal, já se encontra sumulado em verbete específico do Colendo Tribunal Superior do Trabalho (Enunciado TST nº 248). Convém lembrar, a propósito, que o adicional de insalubridade foi instituído como forma de penalizar financeiramente o empregador, de modo a forçá-lo a adotar as medidas de proteção em seu ambiente de trabalho, e, assim, propiciar a seus empregados um local de trabalho seguro e sadio, que é o objetivo final da Segurança e da Medicina do Trabalho. Destarte, não seria justo a continuidade de tal encargo para o empregador, quando este adotou todas as medidas 47
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades de preventivas adequadas, sob pena de lhe faltar estímulo para investir na melhoria dos ambientes de trabalho. A comprovação da eliminação ou neutralização da insalubridade é feita da mesma forma que é feita para caracterizá-la, ou seja, através de uma nova perícia técnica que demonstrará que o empregador adotou medidas que eliminaram ou neutralizaram os efeitos nocivos dos agentes insalubres. As avaliações ou perícias técnicas deverão ser procedidas pelo profissionais legalmente competentes, definidos pelo artigo 195 da CLT, transcrito abaixo. A NR-15, através do item 15.4.1.1, disciplinando tal artigo, ratificou tal entendimento. Consolidação das Leis do Trabalho Art. 195. “ A caracterização e a classificação da insalubridade e da periculosidade, segundo as normas do Ministério do Trabalho, far-se-ão através de perícia a cargo de Médico do Trabalho ou Engenheiro do Trabalho, registrado no Ministério do Trabalho. São requisitos que deverão constar do laudo técnico de avaliação de insalubridade ou periculosidade: a) b) c) d) O critério utilizado (verificação física, reconstituição do local de trabalho, etc.); A descrição do instrumental utilizado; A metodologia de avaliação; A descrição das condições de trabalho e o tempo de exposição aos agentes insalubres ou periculosos; e) A conclusão, caracterizando ou não o exercício insalubre ou periculoso, conforme o caso, e indicando para aquele qual o grau correspondente; f) As medidas para eliminação e/ou neutralização da insalubridade, quando houver. Ao empregador cabem deveres elementares quanto periculosidade em seus locais de trabalho: à insalubridade e a) Comprovar, mediante laudo técnico-pericial, que fornece a seus empregados um ambiente de trabalho sadio (isento de insalubridade) e seguro (sem periculosidade); b) Adotar medidas técnicas de proteção coletiva que tornem o ambiente de trabalho dentro dos limites de tolerância; c) Fornecer gratuitamente e tornar obrigatório o uso de Equipamentos de Proteção Individual - EPI, enquanto se adota a proteção coletiva; 48
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades d) Remunerar os empregados com o correspondente adicional de insalubridade ou de periculosidade enquanto persistirem, no ambiente de trabalho, os agentes agressivos nocivos à saúde ou à integridade física dos trabalhadores. Os agentes químicos, para fins de insalubridade, estão agrupados em três anexos da NR-15, a saber: a) Anexo nº 11 - Agentes químicos cuja insalubridade é caracterizada por limite de tolerância e inspeção no local de trabalho, através do método de análise quantitativo; b) Anexo nº 12 - Limites de tolerância para poeiras minerais (asbesto, manganês e seus compostos, e sílica livre cristalizada), utiliza-se, na perícia técnica, o método de análise quantitativa; c) Anexo nº 13 - Agentes químicos, considerados insalubres em decorrência de inspeção realizada nos locais de trabalho, através de mera análise qualitativa, dado que inexistentes os limites de tolerância. As substâncias ou agentes químicos podem adentrar no organismo humano através de três vias básicas de penetração: respiratória, cutânea e digestiva. As duas primeiras (respiratória e cutânea) despertam maior interesse do ponto de vista ocupacional, posto que só acidentalmente se admite ingestão de produtos químicos no ambiente de trabalho. O Anexo 11 da NR-15 considera insalubre os agentes químicos cuja insalubridade é caracterizada por limite de tolerância e inspeção no local de trabalho que são consideradas insalubres as atividades ou operações que exponham os trabalhadores a agentes químicos acima dos limites de tolerância fixados no Quadro nº 01 - Tabela de Limites de Tolerância do citado anexo, na qual se tem fixado o limite de tolerância para cada substância química relacionada, inclusive o valor teto, se houver, bem como se a mesma é um asfixiante simples, e se pode ser absorvida também pela pele (via cutânea). O Anexo 11 se reporta a dois limites de tolerância, indicando os agentes químicos correspondentes: 1. Limite de tolerância média ponderada, que pode ser entendido como o correspondente às substâncias químicas onde é permitida a extrapolação momentânea deste limite, desde que sejam compensados por valores inferiores, dentro da mesma jornada semanal, de modo que, ao final do período, tenha-se uma exposição igual ou inferior ao limite de tolerância fixado, caso contrário a exposição será considerada insalubre. 49
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades 2. Limite de tolerância valor teto, corresponde à concentração máxima para um determinado agente químico presente no ambiente de trabalho, e que não pode ser ultrapassada em momento algum da jornada de trabalho, sob pena de se configurar uma situação de risco grave e iminente, devendo ocorrer a interdição da atividade por ato do Delegado Regional do Trabalho. Quando se constatar a indicação de asfixiante simples, relacionados no Anexo 11 da NR-15, para um determinado agente químico relacionado na Tabela de Limites de Tolerância, deverá ser observada uma concentração mínima de oxigênio da ordem de dezoito por cento em volume. Se tal não for respeitado se configurará uma situação de risco grave e iminente, podendo ensejar a interdição da atividade. Quando se constatar a indicação de absorção também da pele para um determinado agente químico relacionado na Tabela de Limites de Tolerância do Quadro nº 1, significa que tal agente químico também poderá ser absorvido pela via cutânea, exigindo-se, na sua manipulação, uso de luvas adequadas, além dos demais EPI’s necessários. A avaliação das concentrações dos agentes químicos através de métodos de amostragem instantânea, de leitura direta, ou não, deverá ser feita pelo menos em 10 (dez) amostra, para cada ponto ao nível respiratório do trabalhador. E, entre cada uma das amostragens deverá haver um intervalo de, no mínimo, 20 (vinte) minutos. O limite de tolerância para os agentes químicos que não possuam a indicação de valor teto será considerado excedido quando a média aritmética das concentrações ultrapassar os valores fixados no Quadro 01, caso em que a exposição será considerada insalubre. No caso, porém, das substâncias que apresentem a indicação de valor teto, o limite de tolerância será considerado excedido quando qualquer das concentrações obtidas na amostragem ultrapassar os valores fixados no Quadro 01, se ultrapassado, teremos uma situação de risco grave e iminente. Além disto, cada uma das concentrações obtidas nas referidas amostragens não deverá ultrapassar os valores obtidos na equação que segue, sob pena de ser considerada situação de risco grave e iminente, segundo Quadro nº 2: Valor máximo = LT x FD Onde: LT = Limite de tolerância FD = Fator de Desvio A jornada de trabalho considerada para o limites de tolerância fixados no Quadro nº 1 do Anexo 11 da NR-15 foi calculada para uma jornada de 48 (quarenta e oito) horas semanais, os quais permanecem inteiramente válidos mesmo com a redução da jornada 50
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades semanal para 44 (quarenta e quatro) horas semanais, nos termos do inciso XIII do artigo 7º Constitucional, todavia, para jornada de trabalho excedente de 48 hs deverá ser observado o estatuído no artigo 60 da CLT, verbis: Consolidação das Leis do Trabalho Art. 60. “ Nas atividades insalubres, assim consideradas as constantes dos quadros mencionados no capítulo “Da Segurança e da Medicina do Trabalho”, ou que neles venham a ser incluídas por ato do Ministro do Trabalho, quaisquer prorrogações só poderão ser acordadas mediante licença prévia das autoridades competentes em matéria de higiene do trabalho, as quais, para esse efeito, procederão aos necessários exames locais e à verificação dos métodos e processo de trabalho, quer por intermédio de autoridades sanitárias federais, estaduais e municipais, com quem entrarão em entendimento para tal fim.” K. Emergencias Medicas A medicina ocupacional no Brasil é regida pela Lei 6.514/77, regulamentada pela Portaria 3.214/78, em sua Norma Regulamentadora Nº 7, que disciplina a elaboração do Programa de Controle Médico de Saúde Ocupacional, o PCMSO. A execução do PCMSO é de responsabilidade de um médico do trabalho pertencente ao corpo do SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho - de empresas ou indústrias, não havendo intervenção de qualquer autoridade em sua execução. A intervenção da autoridade ocorre somente na fiscalização de sua implantação e funcionamento através das Delegacias Regionais do Trabalho - DRT’s. Médico do trabalho é o médico portador de certificado de conclusão de pósgraduação, a nível de especialização em medicina do trabalho, ou portador de certificado de residência médica em área de concentração em saúde do trabalhador ou denominação equivalente, reconhecida pela Comissão Nacional de Residência Médica, do Ministério da Educação, ambos ministrados por universidades que mantenham curso de graduação em medicina, devendo, também, ser devidamente registrado, como tal, junto ao Conselho Regional de Medicina - CRM. 51
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades O empregador é responsável pela preservação e comunicação do registro de ferimentos acidentais, acidentes leves ou graves, ocorridos com empregados no local de trabalho ou no trajeto para o mesmo. O empregador deve comunicar o acidente do trabalho ao Instituto Nacional de Seguridade Social até o primeiro dia útil seguinte à ocorrência, através do envio da CAT, Comunicação de Acidente do Trabalho, que assumirá toda a responsabilidade de custear o salário e demais despesas com o acidentado, caso o afastamento do mesmo do posto de trabalho ocorra por mais de quinze dias. Nos primeiros quinze dias, a responsabilidade será do empregador. Da CAT deve constar inclusive os registros policiais que houver. Perícias devem ser feitas pelo Instituto de Criminalística. A CIPA se reunirá no prazo máximo de 48 horas após a ocorrência do acidente, para sua discussão e preencherá o formulário constante da NR5, Anexo II. A CAT deverá ser guardada por 25 anos. (confirmar) Em caso de morte do empregado, o empregador deverá informar a autoridade policial, representada pelo delegado de polícia que investigará o fato e apurará as informações que julgar necessárias. O Instituto Nacional de Seguridade Social também deve ser cientificado do ocorrido. As empresas devem possuir em suas instalações médicos especializados em doenças ocupacionais ou médico do trabalho em número variável conforme a quantidade de funcionários na empresa e seu grau de risco, é o dimensionamento do SESMT - Serviços Especializados em Engenharia de Segurança e em Medicina do Trabalho. A comunicação às autoridades competentes poderá ser feita em qualquer prazo pelo próprio acidentado, seus dependentes, entidade sindical competente, médico que o assistiu ou qualquer autoridade pública. Os documentos referentes ao fato devem ser preservados por tempo indeterminado, segundo o que estatui o Regulamento de Organização e do Custeio da Seguridade Social, Decreto nº 612/92, artigo 70, parágrafo 2º. (Aprovado o novo ROCSS, D. nº 2.173, de 05.03.97) Ainda segundo a NR-7 todo estabelecimento deverá estar equipado com material necessário à prestação de primeiros socorros considerando-se as características da atividade desenvolvida, mantendo esse material guardado em local adequado e aos cuidados de pessoa treinada para esse fim. A notificação de algumas doenças infecto-contagiosas pelas empresas são obrigatórias. O Código Sanitário e Portarias do Ministério da Saúde obrigam a notificação às Secretarias Municipais ou Estaduais de Saúde e diante dos informes os meios de 52
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades saúde iniciam procedimentos para combate à situação que coloca em risco a comunidade. 53
    • Plano de Trabalho para Emergências Responsabilidades Pages 57-61 do not appear in this volume due to a pagination error. No material is missing. 54
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades 3.0 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES 3.1 OBJETIVOS O processo de avaliação das necessidades de planejamento para emergências foi criado para auxiliar a Unidade na identificação e avaliação de emergências que possam surgir em função de sua localização e operações. Ele foi desenvolvido, também, para identificar os recursos disponíveis para assistir a Unidade na prevenção e/ou redução do impacto que uma emergência possa vir a ter em funcionários e atividades das instalações. O programa de avaliação de necessidades tem cinco partes: (1) informações gerais sobre a Unidade; (2) emergências potenciais; (3) equipamento e dispositivos de controle de emergência; (4) operações perigosas e processos críticos e (5) serviços de apoio em emergências. Essas informações serão utilizadas durante todo o restante do plano de trabalho para orientar as atividades de gerenciamento de riscos e planejamento para emergências da Unidade. Foi incluída uma Síntese das Necessidades de Emergência da Unidade para auxiliar a empresa a definir os recursos de apoio necessários. Quando da avaliação de situações potenciais de emergência, estude cuidadosamente os possíveis impactos de cada emergência dentro e fora das instalações. Em certos casos, recursos internos e externos existentes podem não ser suficientes para o adequado controle de potenciais emergências. A Unidade, por exemplo, pode armazenar grandes volumes de líquidos inflamáveis e correr um significante risco de incêndio nas instalações e, ainda assim, não contar com uma equipe local de combate a incêndios ou um Corpo de Bombeiros que possa responder a uma chamada de emergência em um prazo de 15 minutos. Em outros casos, a Unidade pode vir a identificar riscos inaceitáveis em suas vizinhanças. Um exemplo seria o de uma unidade industrial localizada em uma área com alta densidade populacional que não possa ser evacuada de forma rápida, e que possa liberar gases tóxicos de possível impacto sobre a comunidade vizinha. Tais situações devem ser notificadas imediatamente ao líder global de SSPA da divisão, ou ao departamento de Programas Ambientais da GE (CEP), de forma que recursos e pessoal especializados possam ser mobilizados para solucionamento destes problemas. Unidades devem sempre considerar metodologias de redução e eliminação de riscos ao planejar e implementar açõess corretivas. 3.2 EXIGÊNCIAS É importante que o programa de avaliação de necessidades seja preenchido antes do início do Plano de Trabalho para Emergências, e atualizado à 55
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades medida que o plano for implementado. O plano de trabalho irá provavelmente identificar áreas da Unidade nas quais é preciso agir, e é importante que a avaliação de necessidades reflita de forma correta a situação atual das necessidades e dos recursos identificados na mesma. Revise e preencha os formulários 3-1 a 5 antes de passar para o restante do plano de trabalho. A Síntese das Necessidades de Emergência da Unidade deve ser utilizada para avaliar o nível global de risco e preparo da Unidade, depois de preenchidos os formulários 3-1 a 5. 56
    • Plano de Trabalho para Emergências 3.3 Avaliação de Necessidades SÍNTESE DAS NECESSIDADES DE EMERGÊNCIA DA UNIDADE A seguinte síntese pode ser utilizada para identificar áreas de vulnerabilidade e destacar prioridades para melhorias com base nos resultados da avaliação das necessidades. Unidades com necessidades de “alta” ou “altíssima” prioridade devem procurar orientação adicional do líder de SSPA de sua divisão para acelerar o desenvolvimento de planos de ação para melhorias. Recursos da Unidade Recursos insatisfatórios: • Pessoal sem treinamento • Ausência de equipamento • Nenhum apoio externo Nível de risco da Unidade Alto risco: • Uso de inflamáveis • Uso de produtos tóxicos • Condições climáticas severas • Alto risco devido a unidades vizinhas ou condições de trânsito • Alta proximidade de comunidades Baixo risco: • Ausência de inflamáveis • Ausência de produtos tóxicos • Poucas emergências associadas a clima • Baixo risco em unidades vizinhas/transporte • Distante de comunidades Recursos satisfatórios: • Equipes de resposta treinadas • Equipamento adequado • Apoio externo adequado Prioridade altíssima Prioridade alta Baixa prioridade Baixíssima prioridade 57
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades FORMULÁRIO 3-1 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE PLANEJAMENTO PARA EMERGÊNCIAS INFORMAÇÕES GERAIS Unidade: Endereço: Telefone: Fax: Descrição das operações da Unidade: Coordenador para emergências: Telefone: Coordenador substituto para emergências: Telefone: Líder de SSPA da divisão: Telefone: Fax: Fax: Fax: Descrição de equipes internas de emergências: Telefone: Médicas: Incêndios: Contenção de derramamentos: Segurança: Descrição de equipes externas de emergências: Telefone: Médicas: Incêndios: Contenção de derramamentos: Polícia: Gerenciamento de emergências: Descrição de Unidades vizinhas: 58
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades FORMULÁRIO 3-2 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE PLANEJAMENTO PARA EMERGÊNCIAS EMERGÊNCIAS POTENCIAIS Sim/não Emergências potenciais u u u u u u u u u u u u u u u u Descrição de emergências (inclua impactos internos e externos) Médicas (ex.: lesões ou doenças ocupacionais) Incêndios ou explosões: • Químicos • Elétricos • Estruturais • Gás natural Incidentes ou descargas de produtos químicos perigosos: • Tóxicos • Inflamáveis/ explosivos • Radioativos • Impacto ambiental • Impacto na comunidade/local Impactos de incidentes de emergência em Unidades industriais vizinhas Processos perigosos ou emergências operacionais: • Reações incontroláveis • Vazamento/ruptura de dispositivo de contenção • Emergência em espaços confinados Desastres naturais: • Terremotos • Tornados • Furacões • Enchentes • Intempéries Falhas em serviços públicos: • Gás • Energia elétrica • Água de refrigeração • Pressão do ar Distúrbios civis: • Ameaça de bomba • Sabotagem • Greves Referência no plano de trabalho Seção 8 Seções 7, 9 Seções 9, 12 Seção 12 Seções 7, 9, 10, 11 Seções 7, 12 Seções 7, 10 Seções 7, 12 59
    • Plano de Trabalho para Emergências u u Avaliação de Necessidades Acidentes no transporte • Acidente aéreo • Acidente ferroviário Seção 7 60
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades FORMULÁRIO 3-3 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE PLANEJAMENTO PARA EMERGÊNCIAS EQUIPAMENTO DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS DISPONÍVEL NO LOCAL Sim/não u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u u Dispositivos e equipamento de controle de emergências Sistemas de detecção de incêndio (ex.: detectores de fumaça) Alarmes de emergência (ex.: terminais de alarmes) Extintores de incêndio portáteis Equipamento fixo de supressão de incêndios (ex.: sprinklers) Hidrantes e bombas de incêndio Sistemas de armazenagem de água para incêndios Canais de água subterrâneos Descrição/local Referência no plano de trabalho Seção 5 Seção 5 Seção 11 Seção 11 Seção 11 Seção 11 Seção 11 Sistemas de tubos e mangueiras para incêndios, conexões a carro de bombeiros Equipamento médico (ex.: caixa de primeiros socorros, luvas, máscara respiratória) Ambulatório Sistemas de alto-falantes da Unidade Iluminação auxiliar ou de emergência Gerador auxiliar Sistemas de monitorização de processos ou equipamentos Sistemas e alarmes de monitorização química Equipamento de proteção individual (EPI) Equipamento de proteção contra produtos químicos Chuveiros e lavatórios para olhos em emergências Equipamento de monitorização de substâncias inflamáveis e gases tóxicos Seção 11 Seção 8 Seção 8 Seção 5 Seção 4 Seção 11 Seções 10, 11 Seção 9 Seção 11 Seção 11 Seção 11 Seção 11 61
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades FORMULÁRIO 3-4 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE PLANEJAMENTO PARA EMERGÊNCIAS OPERAÇÕES PERIGOSAS E PROCESSOS CRÍTICOS NO LOCAL Sim/não u u Operações perigosas ou processos críticos (principalmente substâncias tóxicas controladas e materiais armazenados a granel amplamente utilizados ou movimentados em toda a Unidade) Materiais tóxicos: Descrição Referência no plano de trabalho u u Materiais inflamáveis ou explosivos: Seção 9 u u Materiais radioativos: Seção 9 u u Processos críticos: u u Outros: Seção 9 Seções 9, 10 62
    • Plano de Trabalho para Emergências Avaliação de Necessidades FORMULÁRIO 3-5 AVALIAÇÃO DE NECESSIDADES DE PLANEJAMENTO PARA EMERGÊNCIAS SERVIÇOS INTERNOS E EXTERNOS DE APOIO EM EMERGÊNCIAS Sim/não Serviço de apoio em emergências u u Hospital ou instalações de atendimento médico u u Corpo de Bombeiros ou brigada de incêndios u u u u u u Primeiros socorros (ex.: encarregados de primeiros socorros ou ressuscitação cardíaca etc.) Serviços para controle de derramamentos e materiais perigosos Serviços locais de gerenciamento ou planejamento para emergências u u Descrição Intervalo para resposta (Metas em itálico) (5 min.) (15 min.) (15 min.) (15 min.) (15 min.) Serviços de proteção (polícia, esquadrão de explosivos, exército etc.) (15 min.) Serviços ou equipe de resgate em espaços confinados u u u u Unidades industriais vizinhas u u Órgãos normativos u u Recursos adicionais (15 min.) (15 min.) 63
    • Plano de Trabalho para Emergências 4.0 SEGURANÇA HUMANA 4.1 Alarmes OBJETIVOS O objetivo da seção de segurança humana do Plano de Trabalho para Emergências é garantir que toda Unidade seja projetada, operada e mantida de forma que ocupantes possam ser evacuados de forma rápida e segura em situações de emergência. A rápida notificação de uma emergência, seguida de um processo de evacuação eficiente e coordenado, é vital para a prevenção de lesões ou fatalidades envolvendo funcionários, visitantes e contratados. Essa seção detalha os recursos disponíveis na Unidade para a notificação de funcionários em situações de emergência e para a proteção da saúde e da segurança de toda a equipe da Unidade. A informação fornecida nessa seção irá colaborar para que a Unidade avalie seus recursos para proteção humana. Além disso, ela servirá para que a Unidade elabore procedimentos por escrito para a ativação de alarmes e a evacuação de edifícios específicos para seu Plano de Atuação em Emergências. Exemplos destes procedimentos foram incluídos na amostra de um plano de atuação em emergências oferecida no Apêndice A. 4.2 EXIGÊNCIAS As exigências delineadas abaixo referem-se a recursos que devem existir na Unidade para garantir a notificação de todos os funcionários e a evacuação segura e controlada de um edifício ocupado em caso de emergência. Estes elementos incluem: • • • • • um sistema de alarme ou outro método de notificação para alertar ocupantes de edifícios da existência de uma situação de emergência; saídas de emergência adequadas (portas, corredores e escadas) para permitir que funcionários abandonem de forma segura as instalações; distâncias de percurso adequadas para uma evacuação rápida e eficiente; duas rotas de evacuação acessíveis a partir de cada área de trabalho para permitir a saída do edifício ainda que o acesso a uma saída esteja bloqueado; clara identificação de saídas de emergência com sinais, setas ou outros símbolos para direcionamento de funcionários para as vias de saída corretas; 64
    • Plano de Trabalho para Emergências • • Alarmes iluminação de saídas de emergência adequadas, para garantir que funcionários possam se movimentar em vias de saída sem confusão ou risco de lesões; áreas de agrupamento de funcionários e procedimentos de contagem adequados. As informações incluídas nessa seção devem ser usadas para orientação; consulte as exigências locais e de seu país, na Seção 2, para regulamentação específica sobre o assunto. 4.2.1 Alarmes A Unidade deve contar com um alarme ou outro sistema (ex.: alto-falantes, sirenes, luzes) para notificar ocupantes em todas as áreas da existência de uma emergência ou da necessidade de evacuação. Todos os funcionários devem ser capazes de reconhecer o sistema de notificação para evacuação e diferenciá-lo de sinais, alarmes, apitos, campainhas ou luzes utilizados nas instalações com outros propósitos. Detalhes adicionais sobre sistemas de alarme foram incluídos na Seção 5. 1o passo - Verifique qual o tipo e o modo de operação do sistema de alarme de emergência na Unidade, para garantir que o mesmo obedeça os seguintes critérios: Existe um alarme para evacuação ou outro sistema de notificação de emergências que cubra todo edifício das instalações?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Consulte a Seção 5 para documentação de sistemas de alarme.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 5 para maiores informações sobre sistemas de alarme. É possível reconhecer o sinal do alarme e o mesmo pode ser ouvido por todos os funcionários, em todas as áreas do edifício (faça um testes para se certificar)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Consulte a Seção 5 para documentação de sistemas de alarme.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 5 para maiores informações sobre sistemas de alarme. Amplifique o sinal do alarme para que este possa ser ouvido ou enxergado em todas as áreas do local. 4.2.2 Saídas de emergência 65
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes Uma saída de emergência é a via de acesso, a partir de qualquer ponto em um edifício, ao exterior do prédio ou outro local de refúgio. Uma saída de emergência consiste de três partes distintas e separadas: o acesso à saída, a saída propriamente dita e sua desembocadura. Uma saída de emergência abrange percursos verticais (escadas, rampas) e horizontais (corredores, saguões) e inclui ainda todos os espaços intermediários a serem percorridos, como portas, saguões, corredores, passagens, sacadas, rampas, escadas, áreas fechadas, vestíbulos, escadas rolantes, saídas horizontais, pátios e quintais. O Formulário 4-1, Identificação de Saídas de Emergência, foi incluído no fim desta seção. Unidades podem utilizar esse formulário para compilar toda rota de emergência encontrada na Unidade. Tais rotas devem ser identificadas em uma planta da Unidade (confira o exemplo no Plano de Atuação em Emergências, Apêndice A-1). Essa planta deve ser incluída no Plano de Atuação em Emergências da Unidade e afixada em locais visíveis na mesma. 2o passo - Inspecione todas as saídas de emergência do edifício e certifique-se de que todas obedeçam os seguintes critérios: A Unidade possui no mínimo duas saídas de emergência — distantes uma da outra — em cada área de trabalho?  Sim Caso a resposta seja sim, identifique essas saídas de emergência no formulário incluído no fim dessa seção (Formulário 4-1). Uma alternativa é anexar plantas das instalações com indicações sobre as saídas de emergência principais e secundárias em cada área de trabalho.  Não Caso a resposta seja não, defina uma saída de emergência principal e uma secundária para cada área de trabalho e inclua-as no formulário no fim dessa seção. Consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA, ou a Seção 2, para normas legais relativas a saídas de emergência. A disposição de saídas e rotas de emergência garante que as mesmas estejam livres e desimpedidas a qualquer momento?  Sim Caso a resposta seja sim, forneça detalhes sobre o programa ou procedimentos existentes para garantir que saídas estejam e continuem desobstruídas. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ 66
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, desobstrua toda saída ou acessos a saídas. Estabeleça métodos para garantir que as mesmas permaneçam desimpedidas (marcações no piso, sinais, barricadas, treinamento de funcionários). Portas e rotas de emergência têm, no mínimo, 70 cm de largura? A finalidade desta exigência é permitir que uma coluna de duas pessoas, lado a lado, passe rapidamente pela saída em situações de emergência. O pé direito de vias de saída deve ter, no mínimo, 2,3 metros e qualquer projeção do teto deve estar a uma distância mínima de 2 metros do piso, para garantir espaço suficiente para movimentação.  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA, ou a Seção 2, para exigências específicas relacionadas às dimensões de saídas e vias de emergência. Faça as modificações necessárias a saídas e vias para cumprir os requisitos legais de dimensão ou obtenha a aprovação do líder global de SSPA para qualquer desvio dos padrões. Foram instalados nas portas trancas ou outros mecanismos de trava que possam impedir a saída do edifício?  Sim Caso a resposta seja sim, remova imediatamente toda tranca que possa prevenir a saída desimpedida do edifício. Substitua as mesmas por dispositivos aprovados para tais saídas. consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA, ou a Seção 2, para informações sobre mecanismos de trava autorizados para portas.  Não Caso a resposta seja não, forneça detalhes sobre procedimentos de inspeção para garantir que nenhuma tranca ou mecanismo de trava seja instalado em portas. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ Todos os componentes de saídas de emergências podem ser controlados e operados pelos ocupantes que buscam tais saídas? Portões ou portas, como portões automáticos ou portões de segurança, acionados por controle remoto ou por equipes de segurança, devem também poder ser abertos por 67
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes ocupantes buscando a saída em uma situação de emergência, ou então devem ser criadas saídas alternativas.  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, remova todas as trancas, maçanetas, portas etc. que não possam ser abertas imediatamente e sem assistência por todos os funcionários. Portas podem ser abertas facilmente por dentro (no acesso a saídas) quando o prédio estiver ocupado?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, substitua as portas ou o mecanismo de portas conforme exigido. Consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA, ou a Seção 2, para exigências específicas relacionadas a portas e mecanismos de portas aceitáveis. Há iluminação adequada em todas as vias de saídas de emergência para que as mesmas sejam visíveis em todo o prédio, e esta iluminação tem uma fonte de energia auxiliar movida a baterias?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva em detalhes o programa de inspeção e manutenção utilizado para garantir a iluminação adequada e a substituição imediata de quaisquer lâmpadas queimadas. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, inclua este item no plano de ação. Instale lâmpadas adicionais para cumprir as exigências de iluminação. Consulte a Seção 4.2.6 para maiores informações. As saídas de emergência e vias de acesso às saídas em prédios ocupados são mantidas livres durante períodos de construção ou reforma?  Sim Caso a resposta seja sim, detalhe os procedimentos de inspeção para garantir que as saídas sejam mantidas livres durante atividades de construção e reforma. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, considere a inclusão deste requerimento em especificações de obras de construção e reforma. 68
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes Foram efetuadas modificações nas saídas ou vias de acesso a saídas de emergência para garantir a saída segura de indivíduos portadores de deficiências físicas ou com problemas de locomoção?  Sim Caso a resposta seja sim, relacione as ação tomadas para acomodar portadores de deficiências na Unidade. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, avalie as necessidades de funcionários portadores de deficiências na Unidade e faça as modificações necessárias. 69
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes 4.2.3 Distância do percurso A NFPA recomenda as seguintes distâncias máximas a serem percorridas por ocupantes de sua posição no prédio até uma saída de emergência, para garantir que todos possam sair direta e rapidamente do prédio. A distância máxima a ser percorrida pode variar de 23 metros em prédios sem sprinklers e onde são realizados trabalhos de alto risco, até 122 metros em Unidades equipadas com sprinklers e onde se realizam trabalhos industriais especializados. A tabela abaixo oferece uma idéia geral das distâncias de saída recomendadas (embora maiores detalhes possam ser exigidos para determinar as distâncias em uma Unidade específica). Tipo de ocupação Administrativa Nova Existente Industrial Geral Função especializada Alto risco Armazenagem Baixo risco Risco médio Alto risco Limite de distâncias de percurso Sem sprinkler Com sprinkler 61 metros (200 pés) 61 metros (200 pés) 91,5 metros (300 pés) 91,5 metros (300 pés) 61 metros (200 pés) 76,2 metros (250 pés) 91,5 metros (300 pés) 122 metros (400 pés) 22,9 metros (75 pés) 22,9 metros (75 pés) Não exigido Não exigido 61 metros (200 pés) 122 metros (400 pés) 22,9 metros (75 pés) 22,9 metros (75 pés) A distância de saída é estabelecida levando-se em consideração uma série de fatores. Estes fatores incluem 1) a idade, número e condição física dos ocupantes do prédio, e a velocidade com que eles podem se locomover, 2) o tipo e número de obstruções que devem ser transpostas, 3) o número de pessoas em qualquer recinto ou área e a distância do ponto mais remoto de tal recinto até a porta, 4) a quantidade e o tipo de combustíveis de uso previsto em uma área, 5) a rapidez com que o fogo pode se espalhar, calculado de acordo com o tipo de construção, os materiais usados, o grau de divisão, e a presença ou ausência de detectores de incêndio e sistemas de extinção de incêndios. 3o passo - Determinar a distância máxima de percurso até uma saída na sua Unidade. Meça as distâncias de cada área de trabalho até a saída mais próxima (a determinação da distância máxima para um edifício pode exigir consultas ao Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA, a códigos locais de construção, ou a um especialista local em proteção contra incêndios e interpretação dos códigos de segurança humana). 70
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes As distâncias de percurso de todas as áreas de trabalho até a saída mais próxima obedecem a tabela de distâncias máximas para o tipo e porte do edifício?  Sim Caso a resposta seja sim, anote as distâncias máximas de saída para cada edifício da Unidade. Demonstre como foi obtido esse número, com base no porte e ocupação do edifício, nos sistemas de proteção contra incêndios etc. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, investigue vias de acesso a saídas alternativas. Se não houver outras vias disponíveis com distâncias menores de percurso, providencie novas saídas de emergência ou mude a classificação do edifício. 4.2.4 Rotas de evacuação Uma rota de evacuação de emergência é o caminho que funcionários devem percorrer caso seja exigida sua evacuação do local de trabalho ou busca de uma área de refúgio. Duas rotas de evacuação (principal e secundária) devem ser estabelecidas para todas as áreas de trabalho na Unidade. Diagramas com rotas de evacuação devem ser afixados em locais facilmente visíveis a todos os funcionários. 4o passo - Avalie as rotas de evacuação de cada área de trabalho na Unidade. Compare as conclusões aos seguintes critérios: Existe uma planta da Unidade que identifique claramente todas as saídas de emergência e vias de acesso a saídas?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe plantas com identificação de portas, corredores, escadas etc., no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, elabore uma planta da Unidade com identificação de portas, corredores, escadas etc., e inclua-a no Plano de Atuação em Emergências. Foram definidas rotas de evacuação — principal e secundária — para cada área de trabalho na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe plantas das instalações com identificação de rotas de evacuação principais e secundárias para cada área de trabalho no Plano de Atuação em Emergências. 71
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Não Caso a resposta seja não, defina as rotas de evacuação principais e secundárias na planta da Unidade (rotas principais e secundárias são geralmente identificadas com o uso de diferentes cores na planta da Unidade, como por exemplo azul para a saída principal e vermelho para a secundária. Anexe a planta da Unidade no Plano de Atuação em Emergências. Rotas de evacuação foram afixadas nas paredes da Unidade ou em outros locais visíveis ao longo da estrutura?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, exponha as rotas de evacuação em locais visíveis por toda a Unidade. Mudanças na área de trabalho ou no traçado da Unidade que afetaram as vias de acesso a saídas de emergência foram acompanhadas por reavaliações nas rotas de evacuação?  Sim Caso a resposta seja sim, detalhe os procedimentos tomados para garantir que as vias de acesso a saídas sejam avaliadas periodicamente e atualizadas de acordo com mudanças na Unidade. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, estabeleça um método pelo qual as vias de acesso a saídas sejam avaliadas periodicamente e atualizadas de acordo com mudanças na Unidade. 4.2.5 Identificação de saídas de emergência Saídas de emergência devem ser claramente identificadas por um sinal aprovado e visível a partir de qualquer direção do acesso à saída. Se a saída ou a via de acesso à saída não for imediatamente visível, o acesso a estas saídas deve ser identificado com um sinal claramente visível. 5o passo - Inspecione os sinais de saída na Unidade. Compare a sinalização de saídas à seguinte lista de exigências aplicáveis a esta sinalização: Sinais são colocados em locais facilmente visíveis e não são obstruídos por objetos de decoração, cortinas ou outros utensílios?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. 72
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Não Caso a resposta seja não, instale sinais nas saídas da Unidade que não possuam a sinalização apropriada. Consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA ou a Seção 2 para maiores detalhes sobre sinais de saída. Sinais de saída são apresentados em todas as línguas faladas na Unidade, ou são usados símbolos internacionais identificáveis por todos os funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, instale sinais em todas as línguas faladas na Unidade ou utilize símbolos internacionais para identificar as saídas. Consulte o Guia de Códigos de Segurança Humana da NFPA ou a Seção 2 para maiores detalhes sobre sinais de saída. Os sinais de saída têm a palavra SAÍDA, um símbolo internacional ou o equivalente local impresso em letras legíveis, de dimensões nunca menores que 15,2 centímetros de altura e 1,9 centímetro de largura?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça as modificações necessárias ou adquira sinais adicionais para cumprir estas exigências. Os sinais de saída têm cores contrastantes com as usadas na decoração, acabamento interior e em outros sinais?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, modifique os sinais que não obedeçam estas exigências. Sinais de saída incluem uma seta indicando a direção de percurso para a saída, quando a saída mais próxima não estiver imediatamente visível?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua uma seta indicando a direção da saída quando a saída mais próxima não estiver imediatamente visível para uma pessoa não familiarizada com o edifício. Portas, corredores e escadas que não sejam saídas ou vias de acesso a saídas, mas que possam ser confundidas com saídas, estão indicados com sinais de SEM SAÍDA ou equivalente e identificados por algum sinal indicando sua função, como “Acesso ao telhado” ou “Almoxarifado”?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, instale sinais de SEM SAÍDA onde apropriado, junto com a designação (ou finalidade) do recinto. Sinais de saída são iluminados por fontes seguras? 73
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça os ajustes necessários na iluminação existente ou adquira sinais de saída com iluminação interna que obedeçam estes requerimentos. Existem sinais de saída com iluminação interna em todas as áreas onde ocorra redução do nível normal de iluminação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, instale sinais de saída com iluminação interna quando necessário. 4.2.6 Iluminação de saídas de emergência A iluminação deve possibilitar aos funcionários identificar com segurança as saídas de emergência e organizar a forma de saída em uma evacuação de emergência. A iluminação mínima recomendada é de 0,09 lux (um lux equivale ao iluminamento de uma superfície plana de 1 m2) medida no piso. 6o passo - Avaliar a iluminação em todas as vias de saída de emergência. Faça uma comparação com os seguintes critérios: A iluminação das saídas de emergência é constante durante todo o tempo em que o edifício está ocupado?  Sim Caso a resposta seja sim, detalhe como esta iluminação é feita para cada área do prédio (ex.: andar principal — luz fluorescente no teto). Caso sensores de movimento ou outros controles tenham sido instalados para conservação de energia, descreva a locação e operação destes aparelhos. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, instale iluminação adicional onde necessário. O piso e outras superfícies de locomoção que fazem parte da saída ou do acesso à saída são iluminados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, instale iluminação adicional onde necessário. 74
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes A iluminação foi projetada de forma que a ausência da luz de uma lâmpada não deixará uma área totalmente no escuro?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, instale iluminação adicional onde necessário. A iluminação das saídas de emergência é garantida por uma fonte de energia auxiliar no caso de uma queda de energia?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva a fonte de energia para iluminação da área de trabalho. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, providencie uma fonte de energia alternativa para o sistema de iluminação. Fontes de iluminação movidas a pilha, lâmpadas portáteis e lanternas usadas como iluminação das vias de saída são continuamente recarregadas?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva o método usado para garantir que elas sejam mantidas em funcionamento. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, substitua toda iluminação a pilha ou portátil ou providencie o contínuo recarregamento conforme necessário. A iluminação de emergência das vias de saída é capaz de fornecer luz por um período de 90 minutos no caso da ausência da iluminação normal?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, atualize ou substitua a iluminação de emergência para atender a este requerimento, ou obtenha aprovação do líder global de SSPA para um esquema alternativo. O sistema de iluminação de emergência foi projetado de modo a oferecer automaticamente a iluminação exigida no caso de uma interrupção da iluminação normal?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva a operação deste sistema. Se dispuser de diagramas ou informação sobre o sistema de iluminação de emergência, inclua-os nessa seção. Se forem realizados testes periodicamente para garantir o funcionamento do 75
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes sistema de iluminação de emergência, inclua datas, horários e resultados destes testes. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, tome as medidas necessárias para garantir que a iluminação de emergência entre em operação imediatamente no caso de uma falha na iluminação normal, ou obtenha aprovação do líder global de SSPA para um esquema alternativo. Luzes de emergência são testadas periodicamente (são recomendados testes mensais) para garantir seu funcionamento no caso de uma emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva abaixo o programa de testes. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, implemente um programa de inspeção e testes da iluminação de emergência para toda a Unidade. 4.2.7 Áreas de agrupamento de pessoal e procedimentos de contagem Esta seção apresenta uma breve síntese de áreas de agrupamento de pessoal e procedimentos de verificação da presença de funcionários, ou contagem. Ambos são elementos essenciais de segurança. Estas questões e conceitos são discutidos com mais profundidade na Seção 6. Áreas de agrupamento de pessoal e procedimentos de contagem são necessários para transferir funcionários, pessoal contratado e visitantes para uma área segura e fora de perigo e verificar a presença de todos os ocupantes do prédio. Devem ser selecionadas áreas de agrupamento de pessoal que não ofereçam riscos e que sejam grandes o suficiente para acomodar todos os funcionários sendo evacuados. Estas áreas devem ser identificadas claramente. Procedimentos de contagem (por chamada nominal ou qualquer outro método) são necessários para garantir que todas as pessoas, incluindo funcionários, visitantes e pessoal contratado, tenham sido evacuados do prédio com segurança. Para que as áreas de agrupamento de pessoal e os procedimentos de contagem sejam eficientes, os resultados da contagem devem ser comunicados ao coordenador de planejamento para emergências ou ao coordenador para incidentes. Caso seja notada a ausência de qualquer funcionário, deve ser iniciada uma busca. 76
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes 7o passo - Selecione e identifique os locais de agrupamento e desenvolva um método de contagem individual de pessoal. Faça uma comparação com os seguintes critérios: Áreas de agrupamento de pessoal são designadas e claramente identificadas para cada departamento ou grupo de 50 (cinquenta) funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida. Consulte a Seção 6 para maiores informações sobre áreas de agrupamento de pessoal.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 6 para maiores informações sobre áreas de agrupamento de pessoal. Existem procedimentos para a chamada nominal de funcionários em cada área de agrupamento, ou algum método equivalente para verificação da presença de toda a equipe após uma evacuação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Consulte a Seção 6 para maiores informações sobre contagem individual de pessoal.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 6 para maiores informações sobre contagem individual de pessoal. Existe algum sistema de comunicação entre as áreas de agrupamento de pessoal (chefes de agrupamento) e os coordenadores de planejamento para emergências/incidentes?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Consulte a Seção 6 para maiores informações sobre sistemas de comunicação.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 6 para maiores informações sobre sistemas de comunicação. 77
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes FORMULÁRIO 4-1: IDENTIFICAÇÃO DE SAÍDAS DE EMERGÊNCIA Preencha a seguinte tabela, com a identificação de saídas de emergência principais e secundárias, para cada edifício, operação ou área de trabalho. Uma alternativa é anexar plantas da Unidade com a identificação clara de saídas de emergência para cada área de trabalho. Edifício 5.0 Área de trabalho Saída de emergência principal ALARMES 78 Saída de emergência secundária
    • Plano de Trabalho para Emergências 5.1 Alarmes OBJETIVOS Todas as instalações da GE devem contar com um alarme ou outro mecanismo para notificar ocupantes da existência de emergências que exijam evacuação. A notificação da existência de uma emergência, seguida da evacuação ordenada e eficaz, é crucial para a prevenção de lesões ou fatalidades envolvendo qualquer funcionário ou visitante. Essa seção detalha importantes recursos de sistemas de alarme. A ativação de alarmes é um componente crítico do planejamento para controle de emergências. A informação apresentada nessa seção deve auxiliar a Unidade a desenvolver procedimentos para a ativação de alarmes dentro de seu Plano para Atuação em Emergências. É oferecido um exemplo de procedimentos para ativação de alarmes no plano de atuação em emergências oferecido como exemplo no Apêndice A. 5.2 EXIGÊNCIAS As exigências delineadas abaixo referem-se aos recursos cuja existência na Unidade é recomendada para garantir a notificação de todos os funcionários no evento de uma situação de emergência na Unidade ou de outra origem (ex.: condições climáticas, emergências em propriedades adjacentes etc.). Um alarme, ou outro meio de aviso a ocupantes, pode ser o primeiro sinal oferecido da existência de uma situação de emergência na Unidade àqueles que se encontram dentro das instalações. É crucial que o alarme seja rapidamente ativado, identificado como tal por todos os trabalhadores e cumpra eficazmente o papel de iniciar a evacuação da Unidade. A função desse item do plano de trabalho é auxiliar a Unidade na avaliação de alarmes disponíveis para determinar se os mesmos são adequadamente instalados, testados e mantidos, de forma a garantir seu funcionamento no caso de uma emergência. Exigências legais locais e códigos de incêndio (consulte a Seção 2) também podem afetar as especificações e exigências relacionadas a alarmes. 5.2.1 Disponibilidade A Unidade deve contar com um alarme ou outro sistema (ex.: alto-falantes, sirenes, luzes) para notificação de ocupantes em todas as áreas da necessidade de evacuação devido a uma emergência. Todo funcionário deve ser capaz de reconhecer o sistema de alerta para evacuação, e este deve ser diferente de sinais, avisos, sirenes, campainhas ou luzes utilizadas na Unidade com outra finalidade. Para instalações de pequeno porte, com dez (10) ou menos funcionários, a comunicação verbal direta, sem o uso de 79
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes aparelhos, pode ser uma forma aceitável de notificação de trabalhadores sobre emergências, desde que assegurado que todo funcionário possa ouvir o comunicado. Uma simples sirene é outra alternativa viável. 1o passo - Verifique o tipo e o modo de operação do sistema de alarme de emergência da Unidade para garantir que este obedeça os seguintes critérios: Existe um alarme para evacuação ou outro sistema de notificação de emergência que cubra todo edifício da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva abaixo o sistema em uso. ___________________________________________________________ ___________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, avalie sistemas de comunicação existentes (ex.: telefones, sistemas de alto-falantes, buzinas, pagers) utilizados temporariamente como método de notificação enquanto não seja instalado um sistema de alarme adequado. Descreve a forma como funcionários serão notificados em caso de emergências. _____________________________________________________________ _____________________________________________________________ __________ O sinal emitido pelo alarme pode ser identificado em meio ao ruído ou à luminosidade do ambiente por todos os indivíduos na área de trabalho? (faça um teste para se certificar)  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, amplie o sinal do alarme de forma que ele possa ser ouvido, visto ou de outra forma reconhecido em todos os pontos da Unidade. Existem, nas instalações, funcionários incapazes de identificar alarmes visuais ou sonoros devido a deficiências físicas ou uso de proteção auditiva durante o trabalho?  Sim Caso a resposta seja sim, implemente um método de notificação destes indivíduos em situações de emergência e preencha o formulário de Assistência na Avaliação, incluído no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Existem, na Unidade, funcionários que exijam assistência caso seja necessário evacuar as instalações, devido a deficiências físicas ou de outra natureza? 80
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Sim Caso a resposta seja sim, implemente um método de assistência a estes indivíduos em caso de evacuação em uma situação de emergência e preencha o formulário de Assistência na Avaliação, incluído no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Existem edifícios distantes ou outras áreas em que seja impossível perceber os alarmes da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, implemente um método de notificação de indivíduos localizados nestas instalações remotas em uma situação de emergência e preencha o formulário de Assistência na Avaliação, incluído no Plano de Atuação em Emergências. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Caixas de alarme manualmente acionáveis ou outros mecanismos de ativação de alarmes estão em locais visíveis, claramente identificados e com livre acesso?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esse item no plano de ação (Seção 15). Caso sejam adotados dispositivos manuais de ativação de alarmes, certifique-se de que todos estejam situados em locais visíveis, identificados e de fácil acesso. O sistema de comunicação da Unidade (sistema de alto-falantes, telefones, rádio) serve como sistema de alarme auxiliar para notificação de ocupantes da necessidade de evacuação?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva o método adotado para que comunicados de emergência recebam prioridade de transmissão em relação a avisos normais. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Existe um alarme (alarme auxiliar) ou sistema de notificação de reserva (comunicados a funcionários, telefones, comunicados diretos) no caso de falhas no sistema principal?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva como é acionado esse sistema de reserva e inclua as informações no Plano de Atuação em Emergências. 81
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos para possibilitar a ativação de um sistema de reserva e inclua tais informações no Plano de Atuação em Emergências. 5.2.2 Ativação de alarmes/notificação de emergências O método de notificação de emergências e ativação de alarmes em uma Unidade geralmente depende do tipo do sistema de alarme utilizado nas instalações. No caso de sistemas totalmente automatizados e monitorizados de detecção de químicos e incêndios, um sinal é transmitido pelo sistema diretamente para a área das instalações onde foi detectado o problema. Já outros sistemas podem exigir que trabalhadores acionem o alarme de evacuação através da notificação de emergências por mecanismos manuais de ativação, sistemas de alto-falantes ou comunicação verbal. O nível de sofisticação exigido vai depender do porte e da complexidade da Unidade. 2o passo - Verifique como emergências são comunicadas e alarmes ativados na Unidade e compare as conclusões aos seguintes critérios: Foram tomadas providências para a comunicação de emergências e/ou ativação de alarmes de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva essas providências no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos para possibilitar a comunicação de emergências e ativação dos alarmes e inclua tais informações no Plano de Atuação em Emergências. Funcionários, pessoal contratado e visitantes foram informados dos procedimentos para comunicação de emergências e/ou ativação de alarmes?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, coloque sinais, organize treinamentos, ou use um método alternativo para informar funcionários sobre como agir para comunicar emergências e ativar os alarmes. Caso a Unidade não seja ocupada continuamente, o alarme é capaz de alertar a gerência da Unidade e a equipe de emergências quando a Unidade estiver desocupada? 82
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Sim Caso a resposta seja sim, descreva como o sistema de alarme é supervisionado e como é feita a notificação para a equipe de emergência e a gerência no caso de uma situação imprevista. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, descreva os métodos a serem usados para alertar a gerência da Unidade e a equipe de emergências quando a Unidade estiver desocupada. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________ Em Unidades em que o sistema de alarme foi projetado para notificar fontes externas de auxílio, o sistema funciona satisfatoriamente? (faça um teste para se certificar)  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, o alarme deve ser consertado. Inclua a medida no plano de ação (Seção 15). 5.2.3 Identificação de alarmes Uma vez que o objetivo de um alarme é alertar todos os ocupantes de uma edificação para uma situação de emergência que exija a evacuação das instalações ou outra medida de controle, é fundamental que este sinal seja reconhecido imediatamente por todos os funcionários. Alarmes devem ter um som distinto e identificável em qualquer circunstância. Alarmes que possam vir a ser confundidos com sirenes de início de produção, campainhas ou outros sinais não cumprem sua função, que é alertar para uma situação de emergência. Da mesma forma, um sinal que não puder ser reconhecido devido ao ruído na área de trabalho, iluminação, deficiências físicas de funcionários ou outros fatores também será considerado ineficaz. 3o passo - Avalie o tipo de alarme usado para comunicar emergências e compare as conclusões aos seguintes critérios: São usados sinais diferentes para cada procedimento de controle de emergências na Unidade (ex.: um apito — evacuar o prédio, dois apitos — dirigir-se ao local de abrigo, vários apitos — emergência médica)?  Sim Caso a resposta seja sim, preencha o Formulário de Sinais de Alarmes de Emergência no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. 83
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes Os sinais de alarme são distintos e identificáveis por todos os ocupantes do prédio?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, procure alarmes que sejam distintos e facilmente identificáveis. Existe algum procedimento que garanta que todos os novos funcionários, visitantes e pessoal contratado sejam familiarizados com os alarmes de evacuação?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva o procedimento e como esta informação é comunicada a todos os visitantes, pessoal contratado e novos funcionários. Inclua estas informações no Formulário de Sinais de Alarmes de Emergência no Plano de Atuação em Emergências. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos para informar visitantes e novos funcionários da Unidade sobre sinais de alarme e procedimentos de evacuação. Inclua estas informações no Formulário de Sinais de Alarmes de Emergência no Plano de Atuação em Emergências. Em Unidades de grande porte e complexidade, foi estabelecido um sistema de zoneamento dos alarmes, para que seja automaticamente identificada a localização da emergência e facilitada a atuação da equipe de emergência e, também, para informar toda a Unidade sobre os procedimentos de evacuação apropriados?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua estas informações no Formulário de Sinais de Alarmes de Emergência no Plano de Atuação em Emergências. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve avaliar a necessidade de um sistema de alarmes dividido por zonas e, caso necessário, incluir este item no plano de ação, na Seção 15. 5.2.4 Inspeção, teste, e manutenção de sistemas de alarme 84
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes A inspeção, teste e manutenção de sistemas de alarme de emergência é vital para garantir o funcionamento do sistema quando necessário. Certos sistemas de alarme contam com dispositivos de auto-supervisão e indicam problemas no sistema através de sinais de falhas ou de necessidade de atenção enviados a um painel central de controle. Sinais de falhas indicam uma interrupção ou queda da fiação do sistema de alarme. Sinais de exigência de atenção indicam problemas — como uma válvula fechada — com o sistema de sprinklers que são geralmente associados ao sistema de alarmes. As diretrizes da NFPA sugerem que a Unidade crie um plano para inspecionar, testar e realizar a manutenção de alarmes não-supervisionados a cada dois meses, e alarmes supervisionados a cada ano. 4o passo - Avalie a inspeção, o teste e a manutenção efetuados nos sistemas de alarmes da Unidade. Compare as conclusões aos seguintes critérios: Existe um plano para garantir que todos os sistemas de alarmes sejam mantidos continuamente em condições operacionais satisfatórias, à exceção de períodos de reparos e manutenção?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva um plano de testes e manutenção para o sistema de alarmes da Unidade. Existe um sistema auxiliar de alarmes (ex.: cornetas ou sistema de altofalantes) disponível caso o sistema principal não esteja disponível devido a reparos e manutenção?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva o sistema auxiliar e os procedimentos para ativar este alarme. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________  Não Caso a resposta seja não, crie um sistema auxiliar de alarme para ocasiões em que o sistema principal falhar ou não estiver em operação. A manutenção do sistema de alarme é feita por pessoas treinadas em sua operação e funcionamento?  Sim Caso a resposta seja sim, forneça o nome e o telefone da empresa encarregada da manutenção do sistema. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ 85
    • Plano de Trabalho para Emergências Alarmes  Não Caso a resposta seja não, contrate os serviços de uma empresa especializada na manutenção de sistemas de alarme. Todos os sistemas de alarme supervisionados são testados no mínimo uma vez ao ano para verificar sua confiabilidade e adequação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua o projeto no plano de ação, na Seção 15, e inicie um programa de testes anuais em todos os sistemas de alarme supervisionados. Todos os sistemas de alarme não-supervisionados são testados no mínimo a cada dois (2) meses?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua o projeto no plano de ação, na Seção 15, e inicie um programa de testes em todos os sistemas de alarme não-supervisionados. 86
    • Plano de Trabalho para Emergências 6.0 AGRUPAMENTO DE PESSOAL 6.1 Agrupamento de Pessoal OBJETIVO O objetivo deste item é garantir que toda Unidade conte com áreas de agrupamento de pessoal em um local seguro, para uso em caso de emergência, e procedimentos para verificação da presença de funcionários, visitantes e pessoal contratado. Após a notificação dos trabalhadores por meio de um alarme, e uma vez que todos os ocupantes tenham sido evacuados do prédio, o passo seguinte é garantir que ninguém esteja faltando. Isto é realizado através do agrupamento e da contagem individual de funcionários. A informação contida nesta seção também auxiliará no desenvolvimento e avaliação de procedimentos de agrupamento de pessoal e de contagem individual. Exemplos de procedimentos foram incluídos no Plano de Atuação em Emergências, no Apêndice A. 6.2 EXIGÊNCIAS As exigências descritas abaixo referem-se aos preparativos que a Unidade deve fazer para garantir a existência de uma área de agrupamento para todos os funcionários, visitantes e pessoal contratado no caso de evacuação do prédio. Todos deverão se reunir nas áreas de agrupamento de pessoal após a evacuação. Áreas de agrupamento para situações de emergência associadas a intempéries são geralmente localizadas dentro de uma estrutura segura. Dependendo do porte da Unidade, do número de edifícios e de funcionários, devem ser selecionadas pelo menos duas áreas de agrupamento de pessoal. Todos os funcionários devem ser informados de sua área de agrupamento e treinados para se direcionar para a mesma imediatamente após sua evacuação da Unidade. Defina áreas de agrupamento de forma a garantir que estas sejam localizadas em local seguro e distante de edifícios. Fatores como a direção do vento, proximidade das principais saídas de emergência do prédio e acesso dos veículos de emergência devem ser levados em consideração na escolha das áreas de agrupamento de pessoal. As áreas selecionadas devem ser grandes o suficiente para abrigar todas as pessoas que se dirigirão ao local. Cada área de agrupamento de pessoal deve ser claramente sinalizada para que os funcionários possam identificar facilmente sua área de agrupamento. Uma vez reunidos no local designado, os responsáveis pela coordenação do agrupamento farão uma contagem individual de funcionários para garantir que 87
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal todas as pessoas tenham abandonado com segurança o prédio. Também deve ser criado um procedimento para contabilizar visitantes e pessoal contratado que porventura estejam na Unidade, para garantir que todos esses tenham saído do prédio. Se for notada a ausência de qualquer indivíduo, a equipe de atuação em emergências deve ser acionada para iniciar uma busca. Estas áreas de agrupamento também serão o local onde se farão futuras comunicações relacionadas à emergência, como a dispensa dos funcionários pelo restante do turno, ordens para reiniciar operações ou qualquer outra informação. 6.2.1 Áreas para agrupamento de pessoal Evacuação: toda Unidade deve designar pelo menos uma área principal e outra secundária para o agrupamento de pessoal após a evacuação de um prédio. Áreas de agrupamento de pessoal devem ser: 1) localizadas em um ponto não atingido por correntes de gases tóxicos ou fumaça liberados pelo edifício, para evitar exposição no caso de um derramamento químico ou incêndio, 2) próximas às saídas de emergência do prédio, 3) distantes das principais estradas de acesso à Unidade, para evitar congestionamento e confusão quando da chegada dos veículos de emergência, e 4) grandes o suficiente para abrigar todas as pessoas designadas para a área. Mesmo que não exista uma norma sobre o número de pessoas designadas para cada área, é bom lembrar que este total deve permitir a realização da contagem individual de funcionários de forma rápida após a evacuação do prédio. A regra básica para a determinação do número de pessoas por área é a de uma área para cada departamento ou para cada 50 (cinquenta) pessoas. Contagem no local: algumas Unidades podem desenvolver procedimentos de contagem de funcionários no local de trabalho. Estes procedimentos são adotados principalmente no caso de derramamento de produtos químicos, e são especialmente adequados para casos em que os funcionários devam ficar a postos para interromper a operação de equipamentos ou para contagens em áreas remotas onde seja mais seguro permanecer no local até que se saiba a direção a seguir. Isto permite uma posterior decisão de evacuação, se necessário. Durante o período de permanência de funcionários no local, deve ser feita uma contagem e os resultados transmitidos ao coordenador para emergências/incidentes. Do local de contagem, os funcionários devem ser instruídos a retornar ao trabalho ou a evacuar o prédio. Locais de agrupamento de pessoal em caso de evacuação do prédio devem ser escolhidos utilizando-se os critérios abordados acima. 1o passo - Determine o total e localização de áreas de agrupamento de pessoal para a Unidade. Compare as conclusões sobre as áreas escolhidas aos seguintes critérios: 88
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal Foi definida uma área de agrupamento de pessoal para cada departamento ou grupo de 50 (cinquenta) funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, preencha o formulário de Áreas de Agrupamento de Pessoal no Plano de Atuação em Emergências, no Apêndice A-2.  Não Caso a resposta seja não, determine o número de áreas necessárias e selecione os locais apropriados. Preencha o formulário de Áreas de Agrupamento de Pessoal no Plano de Atuação em Emergências, no Apêndice A-2. As áreas de agrupamento ficam em pontos não atingidos por correntes de vento portadoras de substâncias químicas ou fumaça de incêndios, distantes do tráfego de veículos de emergência e são espaçosas o suficiente para abrigar todas as pessoas para elas designadas? Uma biruta deve ser instalada em local visível na Unidade para auxiliar na determinação da direção do vento.  Sim Caso a resposta seja sim, inclua no Plano de Atuação em Emergências a planta da Unidade, mostrando as áreas de agrupamento de pessoal selecionadas.  Não Caso a resposta seja não, avalie os locais disponíveis para áreas de agrupamento, selecione os locais apropriados e inclua no Plano de Atuação em Emergências a planta da Unidade com a identificação das áreas de agrupamento de pessoal selecionadas. Unidades que tiverem desenvolvido planos de emergência para permanência e contagem de funcionários no local — caso o acidente ocorra em outra área da Unidade — devem incluir as áreas primária e secundária de agrupamento de pessoal no formulário de Áreas de Agrupamento de Pessoal do Plano de Atuação em Emergências. Todos os funcionários da Unidade conhecem a área de agrupamento para o qual foram designados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, crie um sistema para que todos sejam informados sobre suas áreas. Existe um sistema para informar visitantes ou pessoal contratado sobre áreas de agrupamento a que estes devem se dirigir caso seja necessário evacuar a Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva como visitantes e pessoal contratado podem ser informados sobre as áreas de agrupamento de pessoal para as quais estes devem se direcionar. 89
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal ________________________________________________________________ ____________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, considere a colocação de um aviso no local de entrada de visitantes e pessoal contratado (ex: recepção, portão principal), com detalhes sobre estes procedimentos no verso do crachá do visitante e/ou pessoal contratado, ou em um folheto distribuído na entrada. 6.2.2 Identificação de áreas de agrupamento de pessoal As áreas de agrupamento de pessoal devem ser identificadas claramente, para que funcionários possam imediatamente reconhecer as áreas para as quais foram designados. Áreas de agrupamento devem ser sinalizadas de forma lógica e são, na maioria das vezes, assinaladas com letras (área A,B,C etc.), com cores (área azul, área vermelha etc), ou pelo uso do número do prédio, nome do departamento ou nome do prédio (área de agrupamento do prédio 306, área de agrupamento da linha de montagem, área de agrupamento do prédio da administração). 2o passo - Crie um sistema de identificação das áreas de agrupamento de pessoal. As áreas de agrupamento são identificadas claramente com o emprego de sinais ou outros métodos que auxiliem funcionários a identificá-las?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, crie um sistema de identificação das áreas de agrupamento (cores, letras etc.) e sinalize tais áreas. 6.2.3 Verificação da presença de funcionários da Unidade Uma vez que a Unidade tenha sido evacuada, é essencial proceder rapidamente à contagem de todos os indivíduos que se encontravam na Unidade. Isto serve para determinar se todas as pessoas foram evacuadas com segurança e para iniciar buscas caso seja notada a ausência de algum funcionário. Um responsável pelo agrupamento deve ser designado para cada área de agrupamento, para conduzir a chamada nominal. A Unidade deve ter uma lista completa de funcionários para servir de base para a chamada nominal uma vez que todos os funcionários estejam agrupados nas áreas para as quais foram designados. O indivíduo responsável pela chamada nominal (coordenador de agrupamento) pode ser qualquer funcionário, porém supervisores de área e líderes de equipes estão geralmente mais familiarizados com suas equipes e com indivíduos que porventura possam estar ausentes devido a férias, licença médica, remanejamento ou qualquer outro motivo. Mesmo que estes indivíduos saibam 90
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal de memória os nomes de todos os membros de suas equipes, é recomendável a utilização de uma lista de funcionários no caso de uma emergência. Também deve ser criado um método para contabilizar todos os visitantes e pessoal contratado que estejam na Unidade. Isto é geralmente realizado através do preenchimento de uma ficha mantida na recepção ou portão principal. Funcionários responsáveis por estes postos devem ser instruídos a portar esta lista quando da evacuação do prédio. 3o passo - Analise como é feita a contagem de funcionários após uma evacuação e compare as conclusões aos seguintes critérios: Existe algum procedimento para a realização, após uma evacuação, da chamada nominal de funcionários, ou alguma forma equivalente de verificação da presença da equipe?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua este procedimento no Plano de Atuação em Emergências da Unidade.  Não Caso a resposta seja não, adote procedimentos para verificar a presença de todos os funcionários após uma evacuação, e inclua este método no Plano de Atuação em Emergências da Unidade. Foi designado para cada área de agrupamento de pessoal um responsável pelo agrupamento, para realizar a chamada nominal de funcionários ou algum procedimento equivalente?  Sim Caso a resposta seja sim, relacione os responsáveis para cada área de agrupamento de pessoal no formulário de Áreas de Agrupamento de Pessoal do Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, atribua a um indivíduo a responsabilidade pela chamada em cada área, e inclua esta informação no Plano de Atuação em Emergências. As áreas de agrupamento de pessoal têm listas de chamada ou alguma forma alternativa de verificação da presença de funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, certifique-se de que os coordenadores de agrupamento tenham cópias atualizadas das listas de chamada nominais (Lista de Chamada de Funcionários da Unidade, Apêndice A-2), e inclua as listas ou a descrição de algum método alternativo de contagem no fim desta seção.  Não Caso a resposta seja não, elabore listas de chamada nominais (Lista de Chamada de Funcionários da Unidade, Apêndice A-2) ou crie um método alternativo de contagem para cada área de agrupamento de pessoal. Forneça cópias atualizadas das listas aos coordenadores de agrupamento. 91
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal Os responsáveis pelo agrupamentos possuem bonés, coletes ou crachás que os identifiquem no caso de uma emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, providencie bonés, coletes ou crachás para os gerentes, para que estes sejam facilmente identificados por funcionários ou visitantes. Existe algum método em funcionamento para verificar a presença de visitantes e pessoal contratado que possam estar na Unidade durante uma evacuação?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua este procedimento na Lista de Chamada de Funcionários da Unidade. ________________________________________________________________ ____________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, crie um método para verificar a presença de visitantes e pessoal contratado e inclua este procedimento na Lista de Chamada de Funcionários da Unidade. Foram designados funcionários responsáveis pela chamada nominal de visitantes e pessoal contratado nas áreas de agrupamento de visitantes?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua a lista dos responsáveis pelas áreas de agrupamento de visitantes no formulário de Áreas de Agrupamento de Pessoal do Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, escolha um responsável pela chamada nominal para cada área, e inclua esta informação no formulário. 6.2.4 Comunicação de/para áreas de agrupamento de pessoal Após o agrupamento e contagem do pessoal, os resultados da chamada nominal (ou de qualquer método alternativo) devem ser comunicados ao coordenador do planejamento para emergências ou ao coordenador para incidentes. O coordenador deve verificar junto a outros gerentes se indivíduos ausentes já foram evacuados para outras áreas. Se funcionários estiverem ausentes e possivelmente impossibilitados de abandonar a Unidade, o coordenador deve informar a equipe de emergências. A equipe de emergências deve ir em busca dos funcionários ausentes. Funcionários sem treinamento especial e sem equipamento de proteção não devem ser autorizados a voltar à Unidade para ajudar em buscas. A rede de comunicação entre áreas de agrupamento de pessoal, coordenadores e equipe de emergências pode se limitar à comunicação verbal ou então se valer de telefones convencionais, pagers, telefones celulares, walkie-talkies e uma série de apitos e sinais para indicar se uma determinada área está segura ou ainda sob risco. Cada Unidade deverá determinar seu 92
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal próprio sistema de comunicação, com base no porte da Unidade e no número de pessoas cuja presença deva ser verificada no caso de uma evacuação. 4o passo - Avalie o equipamento de comunicação disponível na Unidade para uso no caso de uma emergência. Compare as conclusões aos seguintes critérios: Existe um sistema de comunicação entre as áreas de agrupamento de pessoal (coordenadores de agrupamento) e o coordenador de planejamento para emergências ou, no caso de uma emergência real, entre os coordenadores de agrupamento e o coordenador para incidentes?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva o sistema de comunicação e a forma como a informação será transmitida ao coordenador de planejamento para emergências ou ao coordenador para incidentes. ________________________________________________________________ ____________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, estabeleça um elo de comunicação entre as áreas de agrupamento de pessoal e o coordenador de planejamento para emergências e o coordenador para incidentes. Consulte a Seção 11 (Equipamentos), para maiores informações sobre comunicações. O sistema de comunicação disponível funcionará no caso de queda de energia, interrupção de serviços telefônicos ou outras falhas associadas a serviços públicos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, considere o uso de rádios a bateria, comunicação verbal direta, mensageiros e outros métodos no caso de falha na principal alternativa de comunicação. Consulte a Seção 11 (Equipamentos), para maiores informações sobre comunicações 93
    • Plano de Trabalho para Emergências Agrupamento de Pessoal 94
    • Plano de Trabalho para Emergências 7.0 EMERGÊNCIAS NA UNIDADE 7.1 Emergências na Unidade OBJETIVOS O objetivo desta seção do plano de trabalho é determinar os procedimentos iniciais para controle de emergências e como estes serão conduzidos no caso de cada situação potencial de emergência na Unidade. Devem ser desenvolvidos procedimentos para controle de toda emergência potencial identificada na Avaliação de Necessidades (Seção 3). Essa seção traz orientações sobre as principais questões a serem abordadas na Unidade à medida que esta elabora seus procedimentos para atuação em emergências e ajudará a Unidade a avaliar seu nível atual de preparo para situações imprevistas. As informações oferecidas nessa seção devem ser utilizadas para o preenchimento do plano padrão de atuação em emergências, fornecido no Apêndice A. Além disso, os procedimentos de controle de emergências fornecidos no plano padrão no Apêndice A trazem especificações e um formato geral que podem ser adequados às exigências de procedimentos de controle de emergências da Unidade. 7.2 EXIGÊNCIAS Listados abaixo estão os tipos gerais de emergências que uma Unidade pode enfrentar. Estas emergências incluem incêndios, desastres naturais como inundações, furacões, tornados, terremotos ou condições climáticas adversas, incidentes com produtos químicos como derramamentos, descargas ou exposição a produtos tóxicos, emergências em unidades industriais vizinhas que possam afetar as instalações e seus funcionários, falhas em serviços públicos que resultem em queda de energia, distúrbios civis como greves ou ameaças de bomba, acidentes de transporte envolvendo caminhões, trens ou aviões e emergências em espaços confinados que exijam resgate. Situações que exijam socorro médico são cobertas especificamente na Seção 8 do plano de trabalho, Emergências Médicas. A Unidade deve determinar como responder a qualquer um desses eventos, e garantir treinamento e equipamento apropriados para o controle de emergências. 7.2.1 Incêndios Incêndios podem afetar qualquer Unidade, embora muitas destas emergências possam ser prevenidas. Logo, o planejamento para combate a incêndios inclui procedimentos de prevenção, detecção e extinção de incêndios. Assim como em outros procedimentos de controle de emergências, a prioridade é prevenir o risco aos funcionários. Os procedimentos apropriados também podem proteger os bens da Unidade e 95
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade ajudar a limitar interrupções às operações da fábrica. Os países onde estão localizadas as Unidades podem ter códigos específicos de segurança contra incêndios (Seção 2). O sistema de prevenção de incêndios da Unidade deve obedecer ou ser mais rigoroso que todos esses códigos e regulamentos. Esta seção abordará os três principais elementos da proteção contra incêndios, que são a prevenção, a detecção e a extinção de incêndios. Ela também servirá como guia para que a Unidade possa avaliar o nível atual de seu sistema de proteção contra incêndios, e para auxiliar Unidades industriais que possam precisar de proteção adicional. Na ausência de códigos locais de proteção contra incêndios, devem ser usados os códigos da NFPA. Prevenção de incêndios: atividades de prevenção de incêndios incluem procedimentos para minimizar ou eliminar possíveis causas de incêndios. As causas, origens e métodos de prevenção de incêndios industriais mais comuns estão incluídos na Tabela 7-1. A Unidade deve listar possíveis focos de incêndio e os materiais combustíveis e inflamáveis existentes, além de implementar procedimentos de prevenção de incêndios que sejam compatíveis com os riscos. Os métodos mais eficazes de prevenção de tipos primários de incêndios industriais são abordados abaixo. Consulte as especificações de prevenção de incêndios de sua área de trabalho para obter maiores informações ou entre em contato com seu líder de SSPA ou a empresa responsável pelo seguro contra incêndios em sua Unidade. Incêndios causados por instalações elétricas são os incêndios industriais mais comuns. Várias práticas devem ser adotadas para prevenir esse tipo de incêndio. Quando houver a presença de gases ou vapores inflamáveis, devem ser usados apenas equipamentos aprovados. Bocais e lâmpadas à prova de explosão também devem ser usados na presença de gases e vapores altamente inflamáveis. Quando forem usados líquidos inflamáveis, é necessário providenciar conexões a fio-terra e ligações adequadas. Evite o uso de fiação temporária ou improvisada, proíba alterações nos equipamentos, bloqueio de disjuntores, desvio de fusíveis ou uso de fusíveis inadequados. Use interruptores, lâmpadas, bocais e fios sempre de acordo com suas especificações. Em locais úmidos ou molhados use fios e bocais à prova d’água ou equipamento elétrico com isolamento, especialmente ferramentas elétricas portáteis. Realize inspeções periódicas e testes no equipamento e instalações elétricos, para detectar defeitos e melhorar o desempenho do equipamento e sua manutenção. Cigarros são uma das grandes causas de incêndio e devem ser proibidos em locais onde sejam produzidos, armazenados ou usados líquidos inflamáveis 96
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade e materiais combustíveis. Determine áreas específicas para fumantes que sejam afastadas de áreas perigosas e de materiais combustíveis. Identifique claramente as áreas onde seja proibido fumar. Em áreas particularmente perigosas, pode ser apropriado proibir funcionários de carregar fósforos, isqueiros ou cigarros. Certifique-se de que funcionários estejam cientes das áreas onde seja permitido ou proibido fumar. Chamas expostas em operações de soldagem e corte e equipamentos de aquecimento podem desencadear vários incêndios industriais. Aquecedores a gás e óleo podem superaquecer e inflamar combustíveis que estejam próximos. Logo, eles devem ser isolados do chão e de combustíveis, contar com uma base estável e segura com um mecanismo de exaustão para outro recinto ou local caso sejam usados em locais sem ventilação. Operações de soldagem e corte de manutenção devem ser realizados de acordo com as especificações de uma licença para trabalhos em temperaturas elevadas. Esta licença deve exigir: 97
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Tabela 7-1 Fontes, origem e práticas comuns de prevenção de incêndios Sua área têm essas fontes de incêndio? Origens comuns de cada fonte de incêndio: O seguinte método de prevenção está sendo adotado para cada fonte de incêndio? Elétricas Fiação e motores Fumaça Qualquer área Corte e soldagem Faíscas, produção de centelhas e metal aquecido Faíscas estáticas Ignição de vapores, poeira ou materiais inflamáveis produzidos pela descarga de eletricidade estática de equipamentos, materiais ou indivíduos. Calor de caldeiras, fornalhas, canos de chaminé, dutos, lâmpadas elétricas, ferros. Caldeiras, secadoras, fornos, aquecedores portáteis, chamas de queimadores a gás e óleo. Rolamentos aquecidos, peças desalinhadas ou quebradas, motores e condutores mal ajustados. Resíduos e detritos oleosos, depósitos em secadoras, dutos e canos de chaminés, resíduos industriais. Adequada seleção e manutenção, especialmente no caso de equipamentos em áreas de armazenagem e processos de risco. Instrução de funcionários; proibição de fumo em áreas com líquidos inflamáveis, partículas ou fibras combustíveis ou armazenagem de combustíveis; definição de áreas seguras para fumo, distante de materiais inflamáveis. Corte e soldagem controlados através da adoção de um sistema de licenciamento para trabalhos em temperaturas elevadas. Esse sistema deve exigir a remoção de substâncias inflamáveis e combustíveis da área, umedecimento da área, quando necessário, uso de proteção para soldagem, colocação de extintores de incêndio na área e inspeção após conclusão do trabalho para controle de quaisquer faíscas. Para operações de soldagem extensas, deve ser designado um indivíduo para monitorização de possíveis incêndios. Conexão a fio-terra, ligação, umidificação, ionização. Superfícies quentes Chamas de queimadores Fricção Ignição espontânea Faíscas de combustão Incineradores, fornos, fornalhas, alguns equipamentos do processo. Faíscas mecânicas Metais estranhos em operações de trituração e retificação. Incidentes químicos Reação entre diferentes produtos químicos, decomposição de substâncias químicas instáveis, incidentes do processo envolvendo produtos químicos. Metal, vidro ou sais de têmpera fundidos derramados durante manuseio ou liberados de fornalhas. Raios diretos; sobrecarga em circuitos e equipamentos; faíscas em equipamentos próximos a locais atingidos por raios. Substâncias inflamáveis e oxidantes armazenadas na mesma área. Substâncias fundidas Relâmpagos Armazenagem de substâncias incompatíveis 98 Manutenção de saídas desobstruídas, isolamento e circulação de ar entre superfícies quentes e combustíveis. Projeto, manutenção e operação adequados, ventilação apropriada, isolamento de chamas e combustível. Inspeções, manutenção e lubrificação regulares de equipamentos. Adequada manutenção e limpeza, operação correta de processos, limpeza de dutos e canos de chaminés, remoção regular de resíduos, isolamento de áreas de armazenagem. Equipamento deve contar com dispositivos de contenção de faíscas e câmaras de combustão isoladas. Mantenha limpeza de estoques, remova materiais estranhos com o uso de separadores magnéticos ou outro método. Manuseio e armazenagem seguros de produtos químicos (Seção 9); prevenção de calor e choques; adequada instrumentação, manutenção e operação de equipamentos. Adequada manutenção de áreas e equipamento de trabalho. Pára-raios, capacitores de sobrecarga, ligação a fioterra. Colocação de substâncias inflamáveis e oxidantes em áreas diferentes de instalações de armazenagem. Ação exigida na Unidade? (sim/não)
    • Plano de Trabalho para Emergências Incêndio provocado Emergências na Unidade Qualquer área Serviços privados de vigilância, cercas. Sob o controle de uma licença para trabalhos em alta temperatura. A licença deve exigir: • pré-notificação das operações • remoção de materiais inflamáveis ou combustíveis • uso de protetores de soldagem para contenção de faíscas • extintores de incêndio em áreas próximas • inspeção após o trabalho para contenção de quaisquer faíscas • umedecimento de todo piso de madeira. Além disso, outras exigências podem ser feitas em relação a áreas de uso de equipamentos elétricos. Práticas de limpeza e manutenção insatisfatórias também podem contribuir para incêndios industriais. Materiais combustíveis devem ser adequadamente coletados e armazenados e resíduos devem ser eliminados regularmente. Roupas, panos e resíduos que contenham óleo e tinta devem ser depositados em recipientes lacrados, que por sua vez devem ser esvaziados diariamente. Devem ser utilizados sistemas de exaustão para prevenir a acumulação de vapores, gases, fibras e poeira. Limpe regularmente canos, vigas e equipamentos para evitar o acúmulo de poeira, especialmente em rolamentos e superfícies aquecidas. 1o passo - Faça um inventário dos possíveis pontos de origem de incêndios na Unidade. Compare os métodos de prevenção de incêndios da Unidade às práticas recomendadas. A Unidade toma atualmente medidas de prevenção contra incêndios para controlar todas as possíveis origens de incêndio descritas na Tabela 7-1?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esse item no plano de ação, na Seção 15, e desenvolva um plano para controlar todas as fontes potenciais de incêndio. A Unidade toma as precauções necessárias para isolar fontes de incêndio de materiais inflamáveis e combustíveis (por exemplo, operações de soldagem e corte são realizadas em recintos com proteção contra incêndios? Funcionários fumam apenas em locais permitidos? Há suficiente espaço ou isolamento entre superfícies aquecidas?)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve avaliar seu nível de observância a códigos locais de prevenção de incêndios, bem como 99
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade o plano de prevenção da divisão. A Unidade deve determinar e implementar procedimentos de prevenção adequados para tais fontes de incêndio. Caso seja necessário auxílio para a determinação da necessidade de planos de proteção contra incêndios, pode ser aconselhável realizar uma inspeção com um representante do provedor de seguros contra incêndios da Unidade. A Unidade instrui seus funcionários sobre riscos de incêndio (por exemplo, funcionários estão cientes das normas relativas à proibição de cigarros, ou conhecem as razões pelas quais não devem bloquear disjuntores)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, realize treinamento com funcionários sobre práticas recomendadas e forneça a cada um exemplares das normas sobre fumo na Unidade. A Unidade realiza inspeções e manutenção regulares para garantir o funcionamento correto e seguro do equipamento?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve implementar um programa de inspeção e manutenção. Equipamentos foram projetados para minimizar riscos de incêndio (por exemplo, equipamentos têm medidores e controles apropriados, dispositivos de contenção de faíscas e capacitores de sobrecarga)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve implementar um programa para corrigir as deficiências identificadas. A Unidade mantém práticas eficazes de limpeza (por exemplo, panos e detritos oleosos são mantidos em recipientes lacrados e descartados diariamente. Superfícies são limpas regularmente)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve implementar práticas eficazes de limpeza. Equipamentos da Unidade estão devidamente conectados a fios-terra (por exemplo, as aberturas para abastecimento de tanques de armazenagem estão devidamente conectadas a fio-terra para evitar acumulação de eletricidade estática na abertura. Ferramentas elétricas portáteis são conectadas a fio-terra)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. 100
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade  Não Caso a resposta seja não, consulte códigos de incêndio e planos de prevenção de incêndio da divisão. Todos os equipamentos da Unidade devem estar adequadamente conectados a fio-terra. Detecção de incêndios: embora procedimentos de prevenção de incêndios contribuam para a redução da ocorrência de incêndios em uma Unidade industrial, o risco de incêndios jamais é totalmente eliminado, e emergências como esta podem vir a acontecer. Logo, sistemas de detecção de incêndios são parte importante do processo preventivo. Meios de detecção de incêndios podem incluir detectores de fumaça, chamas e calor, bem como sistemas automáticos de sprinklers e a simples atenção por parte de funcionários. Diferentes tipos de sistemas de detecção de incêndios são abordados com maior profundidade na Seção 11. Sistemas de detecção têm dois objetivos: fornecer um alerta imediato para que o prédio possa ser prontamente evacuado e dar início a procedimentos de extinção de incêndios. Isso pode ser feito através da notificação da equipe de combate a incêndios, ou através do acionamento do sistema de extinção de incêndios. Sistemas automáticos de detecção de incêndios devem ser projetados para garantir a forma mais adequada de detecção para cada área de risco, e devem ser posicionados de forma a oferecer um alerta o mais rápido possível. Além disso, os sistemas devem ser projetados para identificar a exata origem do alarme, e para notificar a brigada de combate a incêndios ou o Corpo de Bombeiros, que podem atender imediatamente ao chamado e tomar as medidas exigidas. Funcionários adequadamente treinados também podem ser uma parte importante do sistema de detecção de incêndios. Funcionários que se deparem com princípios de incêndios devem informar imediatamente a brigada de combate a incêndios ou o Corpo de Bombeiros. Caso tenham sido treinados para extinguir princípios de incêndios, estes funcionários devem empregar um extintor de incêndio na tarefa. Funcionários não devem tentar apagar incêndios estruturais caso não tenham recebido o treinamento adequado para tal. 2o passo - Avalie o sistema de detecção de incêndios da Unidade. A Unidade tem um sistema automático de detecção de incêndios (por exemplo, detectores de fumaça e/ou sistemas automáticos de sprinklers.)?  Sim Caso a resposta seja sim, verifique se o sistema funciona conforme o previsto (faça testes para se certificar).  Não Caso a resposta seja não, Unidades que tenham sistemas defeituosos devem incluir “conserto de sistema de detecção de incêndios” no 101
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade plano de trabalho, na Seção 15, fazer correções para obedecer a critérios do projeto do sistema e restituí-lo ao estado de adequado funcionamento. Unidades que não contem com sistemas devem avaliar a necessidade de um sistema de detecção de incêndios. Entre em contato com o líder de SSPA ou seu provedor de seguro contra incêndios para auxílio quanto à escolha de um sistema de detecção apropriado. A escolha de um sistema deve levar em conta o custo do sistema e os potenciais riscos de incêndio, e considerar as necessidades específicas de cada Unidade. O sistema de detecção de incêndios é adequado aos riscos de incêndio na Unidade e foi posicionado de modo a garantir o alerta mais rápido possível (por exemplo, foram colocados detectores em todas as áreas de alto risco e a intervalos regulares ao longo do restante da Unidade? Consulte a Tabela 11 para uma descrição dos sistemas de detecção de incêndios e suas aplicações.)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve considerar melhorias em seu sistema de detecção, para que detectores sejam apropriados a cada área de risco e para que o sistema possa oferecer o alerta mais rápido possível. O sistema automático de detecção de incêndios alerta o pessoal responsável pelo controle de incêndios?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve criar procedimentos para notificação da equipe de controle de incêndios imediatamente após um alarme. Isto será um importante elemento dos procedimentos de controle de incêndios da Unidade. Funcionários estão cientes de suas responsabilidades no caso de um alarme?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, realize treinamentos e simulações de procedimentos de controle de incêndios. Caso não tenha criado procedimentos de resposta a incêndios, a Unidade deve fazê-lo após concluir a seção Extinção de incêndios. Extinção de incêndios: após a detecção de um incêndio, deve-se iniciar os procedimentos para disparo do alarme, notificação das equipes de resposta e evacuação de instalações da Unidade. Procedimentos de alarme e evacuação foram tratados nas seções 4, 5 e 6 (Segurança Humana, Alarmes, e Agrupamento de Pessoal). Funcionários podem ser capazes de apagar um incêndio de pequenas proporções, como numa lata de lixo ou cortina, 102
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade simplesmente com o uso de um extintor de incêndios, mas não devem tentar apagar incêndios estruturais, que são incêndios maiores em paredes ou outras partes da estrutura da Unidade. Para isso é preciso treinamento e equipamento adequados. Funcionários só devem tentar apagar um incêndio usando extintores quando (1) tenham acesso a uma saída livre, no caso de o fogo se alastrar, (2) a brigada contra incêndios ou o Corpo de Bombeiros já tenham sido notificados ou estiverem a caminho, (3) o funcionário tenha sido treinado para usar um extintor de incêndio e (4) o extintor esteja funcionando perfeitamente. Funcionários devem evacuar o prédio imediatamente e não tentar apagar incêndios quando (1) o incêndio estiver claramente se alastrando, (2) o alastramento do fogo ameace bloquear a única saída e (3) não tiverem sido treinados para usar extintores de incêndio. Funcionários que possam vir a fazer uso de extintores de incêndio devem receber treinamento anual sobre o uso de extintores. O treinamento deverá incluir simulações, demonstrações e instruções sobre os fundamentos de combate a incêndios. Também poderá incluir demonstrações em vídeo e simulações práticas com uso de extintores para apagar incêndios. Além disso, instruções para o uso de extintores de incêndio devem ser afixadas nos extintores ou em locais próximos a estes. Incêndios que não possam ser apagados por um funcionário usando um extintor de incêndio devem ser combatidos pela brigada de incêndios da Unidade, por uma brigada de incêndios organizada através de acordos mútuos de cooperação ou pelo Corpo de Bombeiros local. Como regra geral, se não houver um Corpo de Bombeiros municipal que possa prestar socorro à Unidade dentro de 15 (quinze) minutos, a Unidade deverá ter sua própria brigada de incêndios, ou acesso a uma brigada de incêndios através de acordos mútuos de cooperação. Se uma Unidade tiver uma brigada de incêndios, esta deverá ter regulamentos e treinamento específicos (Seção 2). Quando da chegada das equipes de controle de emergências à Unidade, os funcionários devem manter-se afastados das estradas e vias de acesso, e também da área do incêndio. O coordenador de planejamento para emergências deve fornecer informações sobre a natureza e a localização do incêndio, e sobre quaisquer riscos que possam existir na área da Unidade onde o incêndio estiver ocorrendo (por exemplo, a localização do depósito de líquidos inflamáveis). 103
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Depois que o incêndio tiver sido isolado e apagado, a Unidade deverá determinar quando os funcionários poderão voltar com segurança às instalações. Deve-se dar início a procedimentos de reinício de operações (consulte a Tabela 10). Alarmes e sistemas de detecção e extinção de incêndios devem ser reparados e reativados. Extintores de incêndio devem ser verificados e substituídos, caso necessário. A Unidade deverá avaliar a causa do acidente e determinar se seus programas de prevenção de incêndios e de planejamento para emergências exigem aperfeiçoamento. 3o passo - Avalie a capacidade da Unidade para combater incêndios e prepare um plano de controle de incêndios. A Unidade conta com uma brigada de incêndios, com acordos mútuos de cooperação que possam oferecer socorro rápido em caso de incêndios ou com um Corpo de Bombeiros capaz de responder a chamadas em menos de 15 minutos?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua os procedimentos de alerta a equipes de controle de incêndios quando estes forem detectados.  Não Caso a resposta seja não, entre em contato com o líder global de SSPA de sua divisão para desenvolver um plano de melhoria do nível de proteção contra incêndios da Unidade. Os procedimentos de controle de incêndios da Unidade explicam claramente como deve agir o indivíduo que descobrir um incêndio, como o alarme deve ser transmitido aos funcionários, como notificar a brigada de incêndios ou o Corpo de Bombeiros, os procedimentos para interrupção de operações, procedimentos de evacuação e agrupamento de pessoal, a coordenação com as equipes de resposta, procedimentos para determinação de reocupação da Unidade e os procedimentos de reinício de operações?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua os procedimentos no Plano de Atuação em Emergências da Unidade.  Não Caso a resposta seja não, adicione explicações claras sobre os elementos que estiverem faltando em seus procedimentos de resposta a incêndios, e inclua os procedimentos no Plano de Atuação em Emergências. Funcionários estão cientes das prioridades e responsabilidades associadas a possíveis medidas de controle de incêndios?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esta ação no plano de ação, na Seção 15, e realize treinamentos e simulações com funcionários sobre procedimentos e prioridades do combate a incêndios. 104
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Funcionários que possam vir a utilizar extintores de incêndio são devidamente treinados?  Sim Caso a resposta seja sim, funcionários devem usar extintores de incêndio para combater pequenos incêndios.  Não Caso a resposta seja não, treine funcionários sobre o uso de extintores de incêndio Síntese da proteção contra incêndios: os objetivos desta seção são reunir os conceitos discutidos acima e ajudar a Unidade a avaliar seu atual nível de proteção contra incêndios. Unidades que exijam modificações em seus sistemas de proteção contra incêndios necessitarão de assistência para analisar possíveis riscos de incêndio e os meios apropriados para elevar seu nível de proteção. Esta seção se destina a auxiliar Unidades na obtenção de ajuda interna e externa, com o objetivo de desenvolver planos de ação que possam suprir suas necessidades. Métodos de proteção contra incêndios só serão eficientes se baseados numa avaliação dos riscos de incêndio na Unidade. Tais riscos devem ser avaliados por um engenheiro de proteção contra incêndios qualificado ou pela Unidade, em conjunto com um representante de seu provedor de seguro contra incêndios. Existe uma enorme variedade de equipamento de proteção contra incêndios disponível, e diversos métodos de prevenção que podem ser utilizados para diminuir riscos de incêndios. A Unidade deve se esforçar para atingir um nível satisfatório, em que custos e prejuízos previsíveis sejam minimizados. Unidades que precisem de assistência na determinação dos níveis apropriados de proteção contra incêndio devem obter ajuda de consultores de engenharia de proteção contra incêndios, gerentes de SSPA de divisões ou de empresas seguradoras. Assistência relativa a especificações e códigos locais também poderá ser obtida através do Corpo de Bombeiros local, inspetores, ou outros órgãos governamentais. Existem diversos pontos fundamentais que unidades da GE devem abordar em seus programas de proteção contra incêndios. As deficiências deverão ser analisadas juntamente com o gerente de SSPA da divisão. • • Todas as Unidades devem contar com procedimentos de prevenção de incêndios, limpeza, manutenção e inspeção. Todas as Unidades devem ter sistemas de detecção e alarmes que ofereçam proteção adequada e sejam apropriados aos riscos monitorizados. Informações adicionais sobre alarmes são fornecidas na Seção 5 e informações adicionais sobre alarmes podem ser encontradas na Seção 11. 105
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Emergências na Unidade Todas as Unidades com riscos de incêndio e alta prioridade para os negócios da empresa devem ter acesso a um Corpo de Bombeiros que possa prestar auxílio em menos de 15 minutos, ou contar com uma brigada de incêndios na própria Unidade, ou, ainda, ter acesso a tais serviços através de acordos mútuos de cooperação. Todas as Unidades que tiverem sprinklers ou mangueiras/monitores de incêndio devem ter um suprimento de água adequado para seus sistema de proteção contra incêndios. A adequação dos suprimentos de água é avaliada na Seção 11. Em alguns casos, Unidades deverão tomar medidas para elevar o nível de seu suprimento de água. Todas as Unidades deverão avaliar a necessidade de contar com um sistema de extinção de incêndio. Informações adicionais sobre sistemas de extinção de incêndios podem ser encontradas na Seção 11. 7.2.2 Desastres naturais Diversas Unidades podem estar sujeitas a desastres naturais, entre eles furacões, tufões, tornados, tempestades, inundações ou terremotos. Embora a Unidade não possa controlar ou evitar a ocorrência de desastres naturais, é possível minimizar riscos em potencial através de um planejamento e reação apropriados. A Unidade deve desenvolver um procedimento de monitorização e resposta para cada desastre natural que possa vir a ocorrer, conforme determinado pela Avaliação de Necessidades (Seção 3). Emergências associadas a condições climáticas: as principais emergências associadas a condições climáticas que podem afetar Unidades da empresa são furacões, tufões, tornados, ou fortes tempestades. Furacões ou tufões são tempestades tropicais severas com ventos contínuos de pelo menos 120 km/h. Estes fenômenos provocam chuvas torrenciais, a formação de grandes ondas na costa marítima e podem ainda dar origem a tornados. Unidades sujeitas a furacões ou tufões devem levar em consideração diversas questões importantes ao preparar seus procedimentos de atuação em tais emergências: • • Alertas antecipados e acompanhamento da evolução de tempestades são vitais; a Unidade deve ter acesso a serviços meteorológicos de rádio ou televisão, para obter informações sobre as rotas de tempestades. A coordenação com organizações locais de planejamento para emergências responsáveis pela evacuação da comunidade também pode ser necessária. Se avisada com suficiente antecedência, a Unidade deve 106
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Emergências na Unidade procurar proteger equipamentos, estruturas externas e janelas. Janelas fixas à prova de tempestadades podem ser recomendáveis em locais frequentemente sujeitos a furacões. A Unidade também deve avaliar se arquivos e computadores podem ser conservados com segurança no próprio local ou se devem ser transferidos para um local mais seguro. Quando for tomada a decisão de evacuar a Unidade, devem ser iniciados os procedimentos de alarme, interrupção de operações e evacuação. Funcionários devem se dirigir a um local seguro. Após a emergência, funcionários responsáveis pela segurança devem determinar se a Unidade pode ser reocupada com segurança. Todo dano deve ser reparado e alarmes reativados. Deve-se dar início a procedimentos para início de operações e, finalmente, proceder à retomada das atividades. Tornados são tempestades violentas com ventos em rotação que podem atingir até 480 km/h. Unidades que possam vir a ser atingidas por tornados devem: • • • • Ter acesso a informações de serviços meteorológicos e estar atentas a alertas a possível ocorrência de tornados. Nos Estados Unidos, pode ser adquirido um equipamento de rádio meteorológico da Administração Nacional de Meteorologia e Oceanos (National Oceanic and Atmospheric Administration), equipado com um sinal de alarme e uma bateria reserva. Além disso, uma organização local de planejamento para emergências pode fornecer um serviço de alerta de tornados. Notificar funcionários quando houver sinais de risco de tornados (indicando que um tornado foi observado na área ou indicado por um radar). Dar início a procedimentos para interrupção de operações, e proceder à evacuação das instalações para áreas designadas de abrigo. Contar com o auxílio de um engenheiro civil ou representante de organização local de planejamento em emergências para escolha de áreas seguras na Unidade. Áreas subterrâneas são as mais indicadas, mas espaços pequenos ou corredores localizados no andar mais baixo possível e longe de janelas ou portas, e quartos de paredes, teto e piso de tijolos ou concreto são também considerados seguros. Auditórios, refeitórios ou espaços amplos cobertos com tetos planos que tenham vãos largos, ou escritórios ou casas modulares e leves são considerados inseguros. Após a emergência, deve-se avaliar danos e dar início a todo reparo, reativar alarmes e coordenar o retorno de funcionários aos prédios assim que isso seja considerado seguro. Deve-se acionar os 107
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade procedimentos para início de operações e, finalmente, proceder à retomada das atividades. Várias unidades podem estar sujeitas a tempestades de inverno, responsáveis pela ocorrência de neve, gelo, ventos fortes e granizo, bem como pelo fechamento de estradas, danos estruturais e quedas de energia. Unidades sujeitas a tempestades de inverno devem: • • • • Estar informadas sobre mudanças atmosféricas e estar preparadas para procedimentos de interrupção de equipamento e dispensa antecipada de funcionários. Também estar preparadas para abrigar funcionários que não tenham conseguido abandonar a tempo a Unidade e garantir fontes auxiliares de energia para toda operação crítica. Após a emergência, consertar qualquer dano ocorrido e remover neve e gelo de estacionamentos, estradas, vias de acesso e rampas de movimentação de cargas. Dar início a procedimentos para início de operações e, finalmente, proceder à retomada das atividades. 4o passo - Verifique as necessidades e recursos da Unidade para controle de desastres naturais causados por condições climáticas. A Unidade está sujeita a desastres naturais de origem climática (como, por exemplo, furacões, tornados, tempestades de neve ou outras condições climáticas severas)?  Sim Caso a resposta seja sim, a Unidade deve elaborar procedimentos para controle de toda emergência que possa afetar o local.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Caso a Unidade esteja sujeita a emergências associadas a condições climáticas, é possível ter acesso a informações de um sistema de alerta antecipada (a Unidade recebe, por exemplo, informações sobre clima via rádio ou televisão, ou possui contatos com uma organização local de controle de emergências)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve analisar a probabilidade de ser atingida por emergências desta natureza, o grau provável de seriedade de qualquer impacto e os possíveis efeitos que um alerta antecipado teriam sobre sua capacidade de resposta à emergência. A Unidade deve, então, aperfeiçoar seus recursos de acordo com as necessidades. Unidades localizadas em regiões costais de áreas tropicais ou sub-tropicais temperadas devem 108
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade contar com informações suficientes para determinar as chances de que venham a sofrer os efeitos de um furacão. 109
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Os procedimentos da Unidade para controle de emergências especificamente associadas a condições climáticas detalham de forma clara as práticas para alerta de funcionários, interrupção de operações, evacuação e abrigo de funcionários de modo adequado, coordenação com organizações comunitárias, decisão sobre segurança para reocupação e reinício de operações?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua tais procedimentos no Plano de Atuação em Emergências de sua Unidade.  Não Caso a resposta seja não, inclua explicações detalhadas sobre os itens ausentes nos procedimentos de controle de emergências, e então anexe tais procedimentos, já completos, no Plano de Atuação em Emergências de sua Unidade. Enchentes: enchentes são um dos mais constantes e comuns tipos de desastres naturais, e podem ocorrer em graus variados em diversas áreas, em consequência do derretimento de neve, chuvas sasonais ou severas tempestades. Na maioria das vezes, as enchentes são formadas a partir de um lento processo, que se desenrola ao longo de vários dias. Mas, inundações instantâneas, geralmente causadas por intensas tempestades, podem ocorrer em questão de minutos. Para determinar se uma Unidade está sujeita a enchentes, considere (1) o histórico de enchentes na área, a altitude da Unidade em relação a correntes, rios e represas, ou entre em contato com organizações locais de controle de emergências e (2) se a Unidade estiver sujeita a enchentes, deve-se considerar a adoção de medidas de proteção contra enchentes e o desenvolvimento de procedimentos de controle de tais ocorrências. Medidas de prevenção de enchentes podem incluir práticas permanentes e de emergência e a participação em projetos comunitários de controle de inundações. Medidas permanentes, que são tomadas antes de enchentes e dispensam qualquer intervenção quando da ocorrência de tais emergências, incluem: proteção de janelas e portas em níveis baixos com materiais resistentes como tijolos ou blocos de concreto, instalação de válvulas de controle para prevenir a entrada de água nos pontos de acesso de linhas de esgoto e outros serviços públicos na Unidade, reforço de paredes para suportar a pressão da água, construção de paredes à prova d’água em volta de áreas particularmente suscetíveis a danos causados por enchentes, vedação de paredes para reduzir infiltração e construção de muros de defesa contra cheias ou diques. Procedimentos de controle de enchentes na Unidade devem abordar vários pontos, entre eles: 110
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • • • • • • • Emergências na Unidade O método adotado pela Unidade para monitorização de alertas e advertências de enchentes. O modo como ações serão coordenadas com o plano de emergência da comunidade. Conhecimento, pelos funcionários, de rotas de evacuação da região e da localização de áreas mais elevadas. Estabelecimento de avisos e procedimentos para evacuação da Unidade, o que deve incluir o auxílio a funcionários que necessitem de transporte. Inclusão, no plano, de procedimentos para interrupção de operações. Procedimentos para garantia de fontes alternativas de energia para processos críticos. Procedimentos para implementação de medidas de contingência ou proteção de emergência contra enchentes. Avaliação e reparo de danos quando do retorno da água a níveis normais e reajuste de alarmes. Autorização de funcionários para reocupação das instalações quando da normalização das condições e início de procedimentos para retomada das operações. 5o passo - Avalie o possível impacto de enchentes na Unidade e se esta conta com procedimentos adequados para controle de inundações. A Unidade está sujeita a emergências associadas a enchentes?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, passe para a seção de emergências relacionadas a terremotos. A Unidade possui procedimentos impressos de controle de emergências associadas a enchentes?  Sim Caso a resposta seja sim, avalie os procedimentos à luz das exigências abordadas acima, elimine quaisquer deficiências e inclua os procedimentos no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, elabore procedimentos que tratem das questões abordadas acima e inclua-os em seu Plano de Atuação em Emergências. A Unidade conta com medidas adequadas de proteção contra enchentes (observação: a definição do grau adequado de proteção contra cheias inclui o equilíbrio dos riscos de danos causados por enchentes com os custos de medidas de controle. A empresa seguradora da Unidade pode ser capaz de determinar o grau adequado de proteção contra enchentes)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida. 111
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve considerar medidas para elevar seu grau de proteção contra enchentes. Terremotos: terremotos ocorrem inesperadamente, sem qualquer alerta. Estes fenômenos podem causar danos sérios a edifícios, causar distúrbios a serviços públicos e comunicações e ainda dar origem a deslizamentos de terra, enchentes instantâneas e incêndios. Em um terremoto, objetos em queda, incluindo dispositivos de iluminação, tetos e divisórias, podem representar riscos substanciais a indivíduos. Se a Unidade corre o risco de ser atingida por terremotos, deve-se implementar uma série de medidas para minimizar tais riscos, entre elas: • • • • • • Obedecer os códigos locais e regionais de segurança durante obras de construção ou reforma e consultar um engenheiro civil para que este inspecione a Unidade e faça sugestões, conforme necessário. Avaliar os riscos de danos a processos críticos (abastecimento de energia, tubos e recipientes pressurizados, abastecimento de água para refrigeração e combate a incêndios, circuitos elétricos e linhas hidráulicas) e sistemas de comunicação que possam causar emergências secundárias. Medidas de prevenção de danos devem ser avaliadas e priorizadas. Riscos causados por queda, vazamento ou quebra de materiais devem ser reduzidos pela colocação de objetos grandes e pesados no piso ou alturas baixas, ou ainda pela fixação, ao chão ou à parede, de estantes, armários, móveis altos, equipamentos que se encontram em mesas, lâmpadas, equipamentos e máquinário pesado. Plantas da Unidade devem ser mantidas no local para auxiliar na avaliação da segurança da Unidade após um terremoto. Simulações e treinamentos são especialmente importantes para a segurança dos funcionários, uma vez que terremotos ocorrem com mínimo ou nenhum aviso prévio, e porque uma atuação coordenada muitas vezes só pode ocorrer após o fim do terremoto. Funcionários devem ser orientados a buscar abrigo embaixo de algum móvel resistente, como uma mesa ou um balcão, ou então a se escorar firmemente numa parede interna. Se o funcionário estiver dentro do prédio, deve permanecer lá até que o terremoto termine. Se estiver do lado de fora, deve ir para algum lugar aberto, longe de edifícios, postes de iluminação e fios elétricos. Após um terremoto, devem ser iniciados os procedimentos de resposta. Estes incluem a determinação da necessidade de evacuação do prédio. Caso a evacuação seja necessária, alarmes devem ser ativados, procedimentos para interrupção de operações iniciados e funcionários 112
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Emergências na Unidade devem ser orientados a evacuar o prédio dirigindo-se às áreas designadas para seu agrupamento (Seção 6). Caso a chamada nominal indique a ausência de algum funcionário, a equipe de emergências deve ser notificada para dar início a buscas. Os danos à Unidade devem ser avaliados e reparados, e os sistemas de alarmes reativados. Quando for determinado que a Unidade pode ser reocupada com segurança, funcionários devem retornar às suas áreas de trabalho e acionados os procedimentos de reinício de operações. A Unidade deve então retomar suas atividades. 6o passo - Avalie se a Unidade corre o risco de ser atingida por terremotos e se conta com procedimentos adequados para resposta a estes fenômenos. A Unidade está localizada numa região com altos riscos de terremoto?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima pergunta.  Não Caso a resposta seja não, passe para a Seção 7.2.3, Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos. A Unidade implementou métodos para minimizar as consequências de terremotos (por exemplo, fixando equipamento e maquinário pesado)?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve considerar alternativas para elevar seu grau de proteção contra terremotos, incluindo reforço estrutural e práticas para minimizar riscos de queda de objetos. A Unidade possui procedimentos impressos de controle de emergências associadas a terremotos?  Sim Caso a resposta seja sim, avalie os procedimentos à luz das exigências abordadas acima, elimine quaisquer deficiências e inclua os procedimentos no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, elabore procedimentos que tratem das questões abordadas acima e inclua-os em seu Plano de Atuação em Emergências. Funcionários estão cientes de suas responsabilidades no caso de um terremoto?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, realize treinamentos e simulações de resposta a terremotos em locais visíveis dentro da Unidade. 113
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade 7.2.3 Derramamento/incidentes com produtos químicos O controle de derramamento ou descarga de produtos químicos pode envolver diversas ações e depender de uma variedade de exigências legais. Ações e procedimentos de controle também dependerão do tipo e da quantidade do material liberado. Informações adicionais sobre a preparação para emergências relacionadas a riscos com produtos químicos podem ser encontradas na Seção 9 deste plano de trabalho. Caso armazene grandes quantidades de produtos químicos fornecidos a granel (caminhão-tanque ou vagão de trem), a Unidade deve estar preparada para responder a incidentes envolvendo grandes quantidades de produtos químicos. A liberação de altas quantidades pode exigir evacuação da Unidade, contenção do derramamento e eliminação/limpeza de resíduos. Descargas menores podem exigir menor preparo antecipado. Em geral, procedimentos de resposta a emergências devem ter como alvo produtos químicos armazenados a granel ou amplamente utilizados na Unidade; com exigências específicas de controle no caso de derramamento, e aqueles que sejam extremamente perigosos, mesmo em pequenas quantidades. Tanto em incidentes que envolvam derramamento de materiais perigosos quanto nos que incluam a liberação de gases e vapores perigosos, a coordenação com a comunidade (Seção 12) será fundamental caso o derramamento possa ter consequências fora da Unidade. Assim, Unidades que possam vir a sofrer derramamentos com consequências externas devem ter um mecanismo para alertar comunidades e propriedades adjacentes no caso de um derramamento. O uso de sensores químicos e de detectores de vazamentos pode servir para alertar a Unidade da ocorrência de derramamentos. 7o passo - Determine a natureza e a quantidade de produtos químicos que poderiam ser liberados pela Unidade, crie um plano para controlar quaisquer incidentes com produtos químicos que possam vir a ocorrer e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências, no Apêndice A. Consulte a Seção 9 para assistência na realização desse procedimento. Produtos químicos que podem vir a causar emergências na Unidade foram identificados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, identifique, ao preencher a Seção 9, os produtos químicos que causam maior preocupação e os recursos e equipamento necessários para controle de uma emergência. Foi desenvolvido um plano para atuação em caso de derramamento de produtos químicos? 114
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade  Sim Caso a resposta seja sim, compare o plano à Seção 9, faça as mudanças necessárias, e inclua esta informação no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, preencha a Seção 9, Derramamento/Descarga de Produtos Químicos. 7.2.4 Emergência em Unidades vizinhas Pode haver casos em que uma Unidade é afetada por uma emergência, como um incêndio ou derramamento de produto químico, ocorrida em uma Unidade industrial próxima. Embora estas situações sejam difíceis de prevenir ou controlar, várias precauções podem ser tomadas para tais emergências, bem como para minimização de seu impacto nos funcionários e operações da Unidade. A comunicação com Unidades vizinhas é fundamental para o planejamento de resposta a emergências que possam vir a ocorrer em tais Unidades industriais. Quando ocorrer uma emergência em uma Unidade próxima que possa vir a afetar a sua Unidade, é crucial receber um alerta sobre a emergência e sobre possíveis consequências para sua Unidade. Assim, o planejamento prévio é fundamental para estabelecer a comunicação entre sua Unidade e Unidades vizinhas, e para reconhecer a natureza de emergências que possam vir a ocorrer em unidades próximas e como estas podem afetar suas operações. Acordos de cooperação mútua podem ser feitos. Em situações de emergência, a comunicação entre Unidades pode ser feita com o uso de alarmes de emergência, rádios portáteis, telefones, telefones celulares, ou qualquer outro método previamente combinado pelas Unidades. 8o passo - Avalie propriedades/empresas adjacentes para determinar o impacto que uma emergência nesses locais possa vir a ter sobre as operações da Unidade. Propriedades e empresas adjacentes devem ser avaliadas com o uso dos seguintes critérios: 1. A Unidade possui instalações para armazenagem ou manuseio de grandes volumes de material explosivo, tóxico ou inflamável? 2. Existem linhas de comunicação ou de serviços públicos compartilhadas com outra Unidade que, em caso de falhas, possam vir a afetar sua Unidade? 3. A Unidade tem alarmes e procedimentos de resposta e notificação apropriados para o caso de uma emergência? 115
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Foi feita uma lista de empresas e propriedades adjacentes, incluindo nomes para contato, telefones e a natureza das operações realizadas?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua esta informação na Lista de Contatos em Emergências, Apêndice A-2, na parte de Unidades vizinhas.  Não Caso a resposta seja não, faça uma lista das propriedades adjacentes. Inclua informações sobre o tipo de operações, além de nomes para contato e números de telefone e inclua estas informações na Lista de Contatos em Emergências, Apêndice A-2, na parte de Unidades vizinhas. Foi desenvolvido um plano para responder a emergências em propriedades adjacentes?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua no Plano de Atuação em Emergências o plano que identifica o possível impacto nas operações/instalações da Unidade e os procedimentos de resposta.  Não Caso a resposta seja não, descreva em detalhes o plano de resposta da Unidade para uma emergência em uma Unidade próxima e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. 7.2.5 Interrupção no fornecimento de serviços básicos Interrupções no fornecimento de serviços básicos, como falta de gás, eletricidade, água para sistemas de refrigeração ou queda de pressão de ar, podem criar situações de risco na Unidade, ao interromper sistemas mecânicos de ventilação, iluminação, ou prejudicar o funcionamento de equipamentos e de outros serviços fundamentais. Para se prevenir contra quedas de energia, a Unidade deve: • • • Verificar os serviços necessários para a segura evacuação e interrupção de operações. Minimizar riscos que possam surgir devido a quedas de energia. Sistemas auxiliares de energia, como geradores e baterias, devem estar disponíveis para suprir os equipamentos necessários para uma evacuação segura das instalações, bem como para controle de situações de emergência e processos críticos que exijam procedimentos de interrupção de longa duração. Bombas de incêndio devem ser ativadas por motores elétricos, a vapor ou a diesel (confira exigências locais na Seção 2). Subestações de energia elétrica ou Unidades internas de geração de energia devem estar localizadas de forma a minimizar a possibilidade de prejuízos causados por incêndios na Unidade. No caso de interrupção no fornecimento de serviços básicos, bombas elétricas devem ter uma fonte alternativa de 116
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Emergências na Unidade energia confiável que possa ser ativada automaticamente no caso de falha na fonte principal. Geradores de emergência da Unidade também podem servir como fontes alternativas de energia. Códigos locais de prevenção de incêndios podem conter especificações sobre os sistemas alternativos exigidos para a Unidade. Entre em contato com a provedora de seguro contra incêndios da Unidade para auxílio na seleção do equipamento apropriado para suas operações. A Unidade deve adotar projetos em concordância com especificações para equipamentos à prova de derramamentos e descargas, para prevenir tais ocorrências em caso de queda de energia ou interrupção de serviços básicos. O plano da Unidade para controle em casos de interrupção de serviços básicos deve abordar temas como a notificação dos funcionários, o serviço e, caso necessário, equipes de atuação em emergências, procedimentos de interrupção de operações, ativação de fontes alternativas de energia e evacuação de instalações. Quando o serviço básico interrompido estiver novamente em funcionamento e os funcionários forem autorizados a voltar à Unidade com segurança, devem ser ativados os procedimentos de reinício de operações. 9o passo - Avalie a capacidade da Unidade para responder a interrupções de serviços básicos. Desenvolva qualquer procedimento adicional exigido e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. A Unidade determinou os serviços necessários para a segura evacuação da Unidade e a interrupção de operações?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva um plano. Existem sistemas alternativos de energia disponíveis para uma evacuação segura da Unidade, controle de emergências e manutenção de processos críticos à Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, devem ser criados sistemas alternativos. Bombas de incêndio têm fontes internas de combustível?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, fontes alternativas de combustível devem ser criadas. A Unidade utiliza especificações de projeto à prova de falhas para evitar derramamentos e vazamentos? 117
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, deve-se consultar engenheiros para determinar a necessidade e prioridade de aperfeiçoamento do sistema. Os procedimentos de atuação no caso de interrupção do fornecimento de serviços básicos incluem a notificação de funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, deve-se implementar provisões para assegurar a notificação de funcionários. Existem procedimentos para garantir um retorno seguro à Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, tais procedimentos devem ser criados. Existe um procedimento específico para situações de interrupção no abastecimento de serviços básicos?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua o procedimento no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva um procedimento, inclua-o no Plano de Atuação em Emergências e discuta-o com todos os funcionários por ele atingidos. Todos os funcionários estão cientes de suas funções no caso de uma interrupção no abastecimento de serviços básicos na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, divulgue o procedimento na Unidade ou então discuta-o com todos os funcionários. 7.2.6 Distúrbios civis Distúrbios civis, que incluem ameaças de bombas, atos de sabotagem e greves, podem ocorrer com pouco ou nenhum aviso, e podem pôr em risco a segurança dos funcionários. Ações tomadas para controlar essas emergências, como a evacuação da Unidade e a interrupção de operações, podem ser semelhantes àquelas ações tomadas no caso de incêndios ou desastres naturais. Distúrbios civis também podem envolver condições únicas, que por sua vez podem vir a afetar a capacidade de controle. Por exemplo, a destruição de sistemas de comunicação ou de alarmes pode exigir procedimentos alternativos para alertar os funcionários. A resposta apropriada a essas condições exige um planejamento prévio e a comunicação de procedimentos a funcionários, além de coordenação com a polícia local e com serviços de emergência. 118
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade Ameaças de bomba Procedimentos para atuação no caso de ameaças de bomba devem incluir os seguintes elementos: • • • Coordenação com o departamento de polícia local sobre a disponibilidade de equipes especializadas em busca e desativação de bombas. Treinamento de funcionários para garantir, antes da evacuação do prédio, uma revista rápida em suas áreas de trabalho em busca de quaisquer objetos suspeitos, bem como o desenvolvimento de procedimentos de notificação de coordenadores de situações de emergência e polícia local. Procedimentos de coordenação entre o coordenador para situações de emergência da Unidade e a polícia local para determinar o critério de reocupação das instalações com base no resultado das buscas na Unidade. Sabotagem Procedimentos para atuação no caso de atos de sabotagem: • Estes procedimentos devem complementar os procedimentos já existentes de evacuação e controle de emergências. Provisões adicionais para notificação e colaboração com autoridades locais e federais também são necessárias. Greves Procedimentos de preparação para greves devem incluir: • • Planejamento prévio com a polícia local e as autoridades de trânsito antes do início de uma greve. Segurança adicional para o prédio e o portão principal durante a greve, além de medidas de garantia para passagem segura de veículos por piquetes e aglomerações e planos para entrada e saída da Unidade por vias alternativas. O gerente responsável por relações com o sindicato, em Unidades sindicalizadas, deve ter um Manual de Preparação para Greves. Caso necessário, utilize esse manual para elaborar um plano de contingência para greves. Controle a paralisação e quaisquer conflitos trabalhistas com a 119
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade assistência do setor de recursos humanos e advogados da divisão ou especialistas em legislação trabalhista. 10o passo - Avalie a capacidade da Unidade para agir em casos de distúrbios civis. Desenvolva um procedimento para cada circunstância possível e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. Existe um plano para atuação em casos de distúrbios civis na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Inclua o procedimento no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, crie um procedimento para cada possível distúrbio civil e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. Todos os funcionários estão cientes de suas responsabilidades no caso de um distúrbio civil na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, divulgue procedimentos na Unidade ou então analise-os ao lado de funcionários. 7.2.7 Acidentes no transporte Acidentes no transporte, como acidentes com carros, caminhões-tanque, trens ou aviões, podem afetar as Unidades da empresa. Unidades que recebam cargas transportadas em caminhões-tanque ou trens e que estejam localizadas nas proximidades de linhas férreas, auto-estradas ou aeroportos têm mais chances de sofrer esse tipo de emergência. Estas Unidades devem desenvolver procedimentos para lidar com esses incidentes. A tabela de Avaliação de Riscos de Acidentes no Transporte, mostrada a seguir, deve ser usada para determinação das necessidades da Unidade nesta área. A coordenação com os transportadores, com equipes de emergência e com a comunidade é crítica e ajudará a Unidade a determinar a necessidade de evacuação e de outro tipo de resposta. A Unidade deve tomar várias medidas para controlar acidentes no transporte, como assegurar que, no caso de acidentes, as equipes de emergências e serviços de auxílio estejam incluídas na lista de chamada (consulte a Seção 1.2.1), e que esta informação esteja presente no Plano de Atuação em Emergências. A Unidade deve também analisar os riscos associados aos materiais que recebe ou remete via trem ou caminhãotanque, e determinar se uma possível emergência pode exigir a evacuação da comunidade. Se a evacuação da comunidade for necessária, a Unidade deve notificar a organização local de controle de emergências. Além disso, a Unidade deve avaliar, junto a agências governamentais locais, a 120
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade necessidade de reorientação de tráfego durante uma emergência. Equipes de resposta a vazamentos ocorridos em caminhões ou trens, e o apropriado equipamento de reparos podem ser necessários no caso de emergências, e a Unidade deve desenvolver procedimentos para limpar resíduos causados por derramamentos ou descargas. 121
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade AVALIAÇÃO DE RISCOS DE ACIDENTES DE TRANSPORTE SIM / NÃO • É feito o transporte de produtos químicos através de caminhões-tanque ou trens na Unidade ou próximo a ela? _________ • Caso a resposta seja sim, • Foi feito algum pré-planejamento com equipes locais de emergência e transportadores, tanto rodoviários quanto ferroviários, sobre as medidas a tomar para: - Conter o vazamento __________ - Conter o derramamento ou descarga __________ - Levantar o caminhão ou trem no caso de tombamento e removê-lo com segurança __________ - Controlar o fluxo de tráfego __________ - Iniciar ou interromper a avaliação do local __________ • Equipes da Unidade que precisarem estar envolvidas em alguma ou todas essas atividades receberam treinamento conforme exigido por lei? __________ 11o passo - Avalie a capacidade da Unidade para agir em casos de acidentes de transporte. Desenvolva um procedimento para cada circunstância possível e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. Carregamentos de produtos químicos a granel são recebidos ou enviados pela Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, a Unidade deve desenvolver procedimentos de resposta a acidentes de transportes.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Existe um plano para atuação em caso de acidentes de transporte? 122
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade  Sim Caso a resposta seja sim, inclua o procedimento no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, crie procedimentos para possíveis acidentes de transporte e inclua-os no Plano de Atuação em Emergências. Todos os funcionários estão cientes de suas responsabilidades no caso de um acidente de transporte próximo à Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, divulgue procedimentos na Unidade ou então analise-os ao lado de funcionários. 7.2.8 Resgate em espaços confinados Em certas situações, funcionários podem precisar entrar em espaços confinados para fazer manutenção ou reparos na Unidade. Espaços confinados podem apresentar uma variedade de riscos, como suprimento insuficiente de oxigênio, presença de produtos químicos tóxicos ou inflamáveis, riscos elétricos ou mecânicos, e risco de soterramento por materiais sólidos. Além disso, espaços confinados podem representar riscos para funcionários devido à configuração do espaço, entradas e saídas restritas, e outras condições que impeçam uma saída rápida da área. Unidades nas quais funcionários executem trabalhos em espaços confinados devem desenvolver procedimentos para socorrer trabalhadores no caso de emergências. O departamento de Programas Ambientais da GE (CEP) desenvolveu um Manual de Entrada em Espaços Confinados. Contate seu líder de SSPA ou CEP caso necessite de assistência para desenvolver um procedimento de entrada em espaços confinados. Sempre que um funcionário entrar em um espaço confinado, ele deve ser observado por um indivíduo localizado em área segura e fora do espaço confinado. Nenhum funcionário deve entrar em espaços confinados sem uma monitorização adequada e sem o equipamento de proteção individual. Como regra geral, este equipamento deve incluir medidores de oxigênio e gás combustível, e outros equipamentos de monitorização para produtos químicos específicos. Cordas devem ser presas aos trabalhadores para facilitar operações de resgate. Resgates devem ser realizados por funcionários apropriadamente equipados, ou por serviços externos como o Corpo de Bombeiros local. Estes serviços externos devem ser aptos a prestar socorro rápido e devem estar apropriadamente equipados. Auxílio médico também deve estar disponível conforme necessário. 123
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências na Unidade 12o passo - Avalie a capacidade da Unidade para agir em casos de emergências em espaços confinados. Desenvolva um procedimento e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. A Unidade possui procedimentos impressos de resposta no caso de emergência em espaços confinados?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua os procedimentos no fim desta Seção.  Não Caso a resposta seja não, preencha o Formulário de Atuação em Emergências em Espaços Confinados, no Apêndice A-2. Todos os funcionários (incluindo pessoal contratado) estão cientes de suas funções no caso de uma emergência em espaço confinado?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, crie um procedimento para informar funcionários e pessoal contratado, conforme necessário. São realizadas simulações que incluem toda a equipe de resgate?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, selecione um método para avaliar a eficiência dos procedimentos de resgate. No caso de utilização de uma equipe da própria Unidade, todos os membros da equipe receberam treinamento básico de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, implemente um programa anual de treinamento de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar para esses funcionários. No caso de utilização de serviços externos, os membros desses serviços foram informados sobre os riscos, configuração e outras condições dos espaços confinados da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, contate os serviços de socorro para analisar os riscos, configuração e quaisquer outras condições relativas aos espaços confinados da Unidade. 124
    • Plano de Trabalho para Emergências 8.0 EMERGÊNCIAS MÉDICAS 8.1 Emergências Médicas OBJETIVO O objetivo desta seção de emergências médicas do Plano de Trabalho para Emergências é oferecer acesso rápido a equipes de socorro médico e informações sobre consultas e tratamento no caso de uma situação que exija atenção médica. Esta seção incluirá não apenas planos para recursos médicos internos da Unidade, mas também para atendimento médico externo, como transporte em ambulâncias, serviços médicos de emergência, clínicas e hospitais. Uma preparação antecipada é fundamental para garantir que lesões sérias sejam tratadas prontamente e que lesões de menor gravidade sejam tratadas adequadamente para evitar futuras complicações. Emergências médicas, que podem ocorrer em todas as Unidades, podem ser a principal ocorrência em uma Unidade, ou consequência de um incêndio, derramamento de produto químico, desastre natural ou outra emergência. Emergências médicas podem envolver a saúde de cada um dos funcionários. A informação contida nesta seção servirá para auxiliar a Unidade a avaliar seu nível atual de preparação para casos de emergências médicas, e para ajudar no desenvolvimento de procedimentos impressos para emergências médicas. Estes procedimentos impressos serão parte importante do Plano de Atuação em Emergências da Unidade. Um exemplo de Plano de Atuação em Emergências apresentado no Apêndice A-1 inclui procedimentos completos para socorro médico. Estes devem servir como exemplo do tipo e especificidade que pode ser apropriada para os procedimentos de resposta a emergências médicas da Unidade. 8.2 EXIGÊNCIAS As Unidades devem realizar uma análise das necessidades de primeiros socorros, e fazer uma lista de possíveis riscos para cada localização. Devem também identificar necessidades de primeiros socorros para cada departamento, incluindo antídotos para ácido hidrofluorídrico e exposição a cianeto. Em vários locais, Unidades são obrigadas a manter serviços internos de atendimento médico. Consulte as especificações próprias de seu país, na Seção 2. Todas as Unidades devem ter material de primeiros socorros disponível, e contar com uma pessoa treinada em primeiros socorros e em ressuscitação cardiopulmonar para prestar atendimento de urgência no caso de ausência de uma enfermaria, clínica ou hospital nas proximidades. Além disso, caso funcionários da Unidade sejam treinados em primeiros socorros, estes devem ter acesso a equipamentos de proteção individual apropriados e a equipamento de prevenção contra agentes patogênicos transmitidos pelo sangue. 125
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas Também é importante avaliar a localização, tempo de atendimento, e condições de hospitais, clínicas e postos de atendimento médico locais, que auxiliarão em situações de emergência. 8.2.1 Conjuntos/suprimentos de primeiros socorros Toda Unidade deve ter equipamentos básicos de primeiros socorros. Esses suprimentos devem ser controlados por um profissional da área médica ou, na ausência deste, devem ser divididos em conjuntos guardados em locais de fácil acesso por toda a Unidade. Conjuntos de primeiros socorros também devem ser colocados nos veículos da empresa para o caso de uma emergência durante uma viagem de negócios. O conteúdo desses conjuntos de primeiros socorros pode variar de Unidade para Unidade, mas um kit básico deve conter bandagens de diferentes tipos e tamanhos, gaze, peróxido de hidrogênio, ou outros produtos para limpeza de ferimentos, cremes e pomadas, pinças para remoção de estilhaços etc. A Unidade também pode requerer uma fonte de oxigênio. A inclusão ou remoção de itens dos conjuntos de primeiros socorros deve ser baseada no tipo de operação executada em cada Unidade e nos itens usados com mais frequência. Informações adicionais deverão ser obtidas junto ao diretor médico. Além de oferecer os kits de primeiros socorros, as Unidades devem garantir que tais conjuntos sejam checados periodicamente (ex.: mensalmente) e renovados conforme necessário. Equipamentos de proteção contra agentes patogênicos transmitidos pelo sangue devem ser guardados próximos aos kits de primeiros socorros. O equipamento de proteção individual necessário é abordado na Seção 8.2.4. 1o passo - Avalie os suprimentos de primeiros socorros disponíveis na Unidade e garanta que os seguintes critérios sejam obedecidos: Os suprimentos de primeiros socorros estão disponíveis imediatamente para funcionários no caso de uma emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua um mapa ou outra descrição da localização desse material dentro da Unidade.  Não Caso a resposta seja não, faça uma lista e adquira os itens necessários para suprir a Unidade com os produtos de primeiros socorros apropriados. Todos os veículos da empresa têm conjuntos de primeiros socorros, ou tais materiais estão disponíveis a funcionários durante viagens de negócios?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. 126
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas  Não Caso a resposta seja não, faça uma lista de um pequeno conjunto de primeiros socorros e inclua este material nos veículos da empresa, conforme necessário. 127
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas Existem antídotos ou outros medicamentos especiais na Unidade para todos os materiais que possam exigir tratamento especial (ex.: para exposição a cianeto ou ácido hidrofluorídrico, caso estes materiais estejam presentes na Unidade)?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva sua localização, onde estão guardados, como são controlados e quem foi treinado para administrar os antídotos. Inclua esta informação no Plano de Atuação em Emergências. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, escolha uma pessoa para analisar o inventário de produtos químicos (Seção 9), para determinar a necessidade de antídotos e/ou medicamentos especiais. Consulte a equipe médica para maiores informações sobre esta área. Kits de primeiros socorros são checados periodicamente para garantir que contenham os suprimentos apropriados e que a data de validade dos medicamentos não tenha expirado?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, encarregue um indivíduo da checagem de conjuntos de primeiros socorros, e reabasteça-os conforme necessário. 8.2.2 Responsáveis por primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar Um dos objetivos da seção de Emergências Médicas deste plano de trabalho é garantir que equipes médicas estejam disponíveis no caso de uma emergência. É importante que funcionários que identifiquem uma emergência médica sejam capazes de notificar as equipes médicas apropriadas. Além disso, dependendo do número de funcionários da Unidade, várias jurisdições exigem a presença de equipes médicas dentro das Unidades. Consulte a Seção 2 para regulamentos específicos para cada país. Em certos locais, equipes externas de atendimento médico devem estar disponíveis para agir em caso de uma emergência na Unidade. Já em outros locais o tempo exigido para a chegada de serviços médicos externos pode ser inaceitável, por causa de localização remota, serviços de emergência inadequados ou tráfego intenso que impeça o rápido acesso ao local. É recomendável que todas as Unidades, especialmente aquelas em que o tempo de espera para o atendimento médico externo seja inaceitável, tenham pelo menos duas pessoas por turno de trabalho (o número deve ser 128
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas maior para Unidades maiores) treinadas em primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar. Se a Unidade tiver uma enfermeira ou outro profissional médico na equipe, esta cobertura é suficiente para o turno, mas outros funcionários treinados devem cobrir os turnos de trabalho em que não haja profissionais médicos presentes. 2o passo - Avalie a disponibilidade de funcionários da Unidade treinados em primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar e garanta que os seguintes critérios sejam obedecidos: A Unidade tem um ambulatório, enfermaria ou clínica de primeiros socorros operada por um profissional médico?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva em detalhes a localização da instalação médica, os serviços oferecidos e os horários de presença da equipe médica. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________  Não Caso a resposta seja não, avalie os recursos disponíveis. A existência de uma instalação médica não é obrigatória se não exigida por lei. Caso serviços médicos externos sejam insuficientes para oferecer a cobertura médica necessária à Unidade, deve ser criada uma Unidade interna. Há responsáveis por primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar (pelo menos dois por turno de trabalho) disponíveis para prestação destes serviços no caso de uma emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua nomes, turnos e setores atendidos por esses funcionários no formulário de Responsáveis por Primeiros Socorros e Ressuscitação Cardiopulmonar, no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, explique abaixo como a Unidade vai garantir atendimento médico imediato no caso de uma emergência. ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ Funcionários sabem quem são os responsáveis por primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar na Unidade, e como contactá-los?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. 129
    • Plano de Trabalho para Emergências  Não Emergências Médicas Caso a resposta seja não, divulgue em áreas visíveis dentro da Unidade os nomes, turnos e setores atendidos por esses indivíduos, além de informações sobre como contactá-los. 130
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas Existem procedimentos para instruir funcionários sobre como agir no caso de uma emergência médica (ex.: ligar para o gerente da fábrica, ligar diretamente para um número de emergência, pedir auxílio a equipes de primeiros socorros, contactar membros da família etc.)?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua estes procedimentos de emergência médica no Plano de Atuação em Emergências, no Apêndice A.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos a serem seguidos por prestadores de primeiros socorros/ressuscitação cardiopulmonar no caso de uma emergência médica. Instrua todos os funcionários sobre as medidas a serem tomadas. 8.2.3 Programa de controle da transmissão de agentes patogênicos pelo sangue Um aspecto importante do preparo para emergências médicas é a atenção à possível transmissão de agentes patogênicos através de sangue. Caso a Unidade planeje atender ela própria a emergência médicas, é necessário tomar medidas para proteger tanto o encarregado do auxílio quanto o paciente contra transmissão de agentes patogênicos e suas possíveis consequências, como hepatite e AIDS, por exemplo. Regulamentos específicos para cada país, relacionados a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue, são abordados na Seção 2. As diretrizes da divisão de Serviços Médicos da GE para Agentes Patogênicos Transmitidos pelo Sangue oferecem informações mais detalhadas sobre o formato e a implementação de um Programa de Prevenção da Transmissão de Agentes Patogênicos pelo Sangue, além de um plano padrão que Unidades podem adaptar, conforme necessário. Quando presentes, profissionais médicos da empresa geralmente assumem as responsabilidades pelo cumprimento dos padrões relacionados a agentes patogênicos específicos para cada país. Maiores informações podem ser obtidas através da equipe médica e da divisão de Serviços Médicos da GE. É necessário implementar um programa de controle da exposição para oferecer informações e treinamento sobre o uso de equipamentos e controle de métodos de trabalho, equipamentos de proteção individual, métodos de limpeza e eliminação de resíduos hospitalares, sempre tendo em vista a redução da exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue. A Unidade deve designar um funcionário ao controle de exposição para administrar este programa e assegurar sua eficiência. Um plano impresso e abrangente de controle de exposição deve identificar os funcionários expostos a maiores riscos. Quaisquer funcionários que, devido à natureza de seu trabalho, possam ter chance de exposição a 131
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas sangue ou outros fluidos corporais devem ser cobertos pelo programa. Funcionários que correm maior risco de exposição incluem médicos, enfermeiros, técnicos de laboratórios, funcionários treinados em ressuscitação cardiopulmonar, equipes de controle de emergências e zeladores ou equipes de limpeza. Funcionários que estejam sujeitos à exposição a tais agentes devem receber treinamento anual sobre agentes patogênicos transmitidos pelo sangue. Em geral, este treinamento deve incluir uma explicação da transmissão e de situações potenciais de exposição a tais agentes patogênicos. Ele também deve discorrer sobre a finalidade e as limitações de métodos de prevenção da exposição, incluindo controle estruturais (ex.: pias para lavar as mãos, recipientes para materiais pontiagudos, recipientes especiais para agentes biológicos); controle de métodos de trabalho (ex.: proibição de comida ou bebida em áreas possivelmente contaminadas, uso de recipientes para materiais pontiagudos); e equipamentos de proteção individual (ex.: luvas, protetores para olhos, válvulas unidirecionais para ressuscitação boca-aboca). Além disso, deve fornecer informações sobre hepatite B, e oferecer imunização gratuita contra hepatite B. O treinamento também deverá cobrir a contenção de vazamentos de sangue e procedimentos de descontaminação, medidas que um funcionário deve tomar caso exposto a tais agentes e procedimentos após a exposição. Devem ser mantidos dados médicos e de treinamento de todos os funcionários envolvidos no programa. Qualquer funcionário que tenha sofrido um incidente durante o qual o sangue ou qualquer fluido corporal de outro indivíduo tenha entrado em contato com seus olhos, boca, membranas mucosas ou ferimentos cutâneos deve ser examinado e ter sua situação acompanhada, incluindo quaisquer exames médicos necessários. 3o passo - Avalie as medidas tomadas pela Unidade dentro do planejamento de emergências médicas para prevenção da transmissão de agentes patogênicos pelo sangue. Compare as conclusões aos seguintes critérios: A Unidade está utilizando o Manual de Proteção Contra Agentes Patogênicos Transmitidos pelo Sangue criado pela divisão de Serviços Médicos da empresa?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, entre em contato com a divisão de Serviços Médicos para obter em exemplar do manual. 132
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas A Unidade desenvolveu um plano impresso de controle de exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue para os funcionários que correm maiores riscos de exposição?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua uma cópia deste Plano de Controle da Exposição nesta seção.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva um Plano de Controle da Exposição que cubra a potencial exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue. Um programa padrão é mostrado no Manual da GE de Agentes Patogênicos Transmitidos pelo Sangue. Funcionários responsáveis pela prestação de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar recebem treinamento anual sobre agentes patogênicos transmitidos pelo sangue e precauções para prevenção de possível exposição?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva um programa de treinamento para prestadores de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar, como parte do Programa de Prevenção da Transmissão de Agentes Patogênicos pelo Sangue. Funcionários responsáveis pela prestação de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar foram vacinados contra hepatite B, e existem documentos que comprovem estas vacinações?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, informe estes funcionários sobre a importância da vacinação contra hepatite B e ofereça a vacina grátis. Mantenha dados sobre as vacinações. Caso funcionários qualificados se recusarem a ser vacinados, estes funcionários assinam formulários de renúncia arquivados pelas unidades?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça estes funcionários assinarem formulários de renúncia do direito à vacinação e arquive estes formulários. 8.2.4 Medidas de controle e equipamento de proteção individual Medidas de controle e equipamentos de proteção individual são elementos fundamentais de um plano de controle da exposição. Toda Unidade que oferecer primeiros socorros ou ressuscitação cardiopulmonar deve também garantir métodos apropriados de controle estrutural e operacional, bem como equipamentos de proteção individual para evitar a exposição a 133
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas sangue ou outros fluidos corporais no caso de uma emergência. As medidas de controle e os equipamentos de proteção individual dependerão da natureza dos serviços oferecidos pela Unidade. Os equipamentos básicos de proteção individual que uma Unidade necessita incluem equipamento de proteção para os olhos (óculos e/ou máscara de proteção), luvas cirúrgicas, uma máscara de proteção com válvula unidirecional para ressuscitação cardiopulmonar, solução desinfetante (álcool isopropílico, solução hipoclorídrica, água sanitária de uso doméstico), rótulos de alerta para riscos biológicos e recipientes para descarte de agentes biológicos. Suprimentos adicionais, como recipientes para materiais pontiagudos e esterilizadores podem ser necessários dependendo do nível dos serviços médicos oferecidos pela Unidade. A Unidade deve realizar uma avaliação para determinar as medidas apropriadas de controle e os equipamentos de proteção individual necessários, com base no nível de serviços médicos de responsabilidade dos funcionários. Maiores informações podem ser obtidas através das diretrizes da divisão de Serviços Médicos da GE para Agentes Patogênicos Transmitidos pelo Sangue, e também através das equipes médicas da Unidade e da divisão de Serviços Médicos da GE. 4o passo - Avalie as medidas de controle e os equipamentos de proteção individual oferecidos aos funcionários responsáveis pelo controle de emergências médicas na Unidade. Foi realizada uma avaliação das necessidades para determinar as medidas de controle e os equipamentos de proteção individual apropriados para proteger funcionários da Unidade contra agentes patogênicos transmitidos pelo sangue?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, faça uma avaliação para determinar as medidas de controle apropriadas para proteger funcionários da Unidade contra agentes patogênicos transmitidos pelo sangue. As medidas de controle e os equipamentos de proteção individual indicados pela avaliação estão disponíveis na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua um item no plano de ação (Seção 15), tome as medidas necessárias e providencie os equipamentos indicados pela avaliação das necessidades. 134
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas Existe um procedimento para analisar periodicamente a eficiência do Plano de Controle da Exposição, das medidas de controle e dos equipamentos de proteção individual oferecidos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, consulte o plano de controle da exposição a agentes patogênicos transmitidos pelo sangue para uma revisão dos procedimentos. 135
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas 8.2.5 Hospitais, clínicas, e atendimento médico externo Como parte do planejamento de uma Unidade para emergências médicas, a qualidade e capacitação dos serviços médicos nas proximidades das Unidades devem ser avaliadas. Isto deve incluir a disponibilidade de ambulâncias e serviços médicos de emergência, clínicas de atendimento imediato, a proximidade de hospitais, a presença de equipes médicas 24 horas por dia, serviços especiais como Unidades de terapia intensiva e tratamento de queimaduras etc. Cada Unidade deve preencher o formulário de Serviços Médicos Externos no fim desta Seção para compilar uma lista dos serviços médicos externos prontamente disponíveis. Além disso, devem ser catalogados endereços, telefones e instruções para acesso à Unidade (e/ou mapas). O tempo de atendimento ou de chegada até cada um dos serviços médicos externos também é importante para avaliar a disponibilidade do serviço. O Programa de Assistência da GE (CAP) está disponível 24 horas por dia para auxiliar funcionários da GE que estiverem residindo ou viajando em outros países, oferecendo uma completa gama de assistência médica e pessoal 24 horas em todo o mundo. Para acessar o serviço, funcionários devem ligar para: Nas Américas/Europa/África: 1-(800) 999-1685 ou (301) 214-8269 Na Região da Ásia-Pacífico: 65-338-7800 (Cingapura) ou (206) 340-6000 (Seattle) Centro Médico da GE, Fairfield: (203) 373-2709 (203) 373-2754 (fora do expediente normal) 5o passo - Avalie os serviços médicos disponíveis na Unidade. Preencha o formulário de Serviços Médicos Externos do Plano de Atuação em Emergências no Apêndice A. A Unidade dispõe de todos os tipos de serviços médicos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, liste os serviços não disponíveis na Unidade (ex.: carência de serviço de ambulância, prazo mínimo para socorro externo superior a 15 minutos). Detalhe as medidas que a Unidade irá tomar para superar estas deficiências (ex.: veículo da empresa sempre à disposição para transporte no caso de emergência médica; equipe de primeiros socorros encarregada de 136
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas conduzir vítimas ao hospital; instruções para localização do hospital expostas dentro do veículo). Foi criado um plano para superar quaisquer deficiências de serviços médicos externos?  Sim Caso a resposta seja sim, liste as deficiências e explique como a Unidade oferecerá os serviços necessários.  Não ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ ____________________________________________________________ Caso a resposta seja não, elabore um plano para compensar deficiências de serviços médicos externos. Os números de telefone e as informações para contato com hospitais locais, clínicas e serviços de emergência estão expostos no local de trabalho ou disponíveis imediatamente para aqueles que necessitarem desses serviços?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, preencha o formulário de Serviços Médicos Externos do Plano de Atuação em Emergências e exponhao no local de trabalho ou deixe uma cópia com o encarregado de entrar em contato com tais serviços. 8.2.6 Síntese do planejamento para emergências médicas O objetivo desta seção é ajudar a Unidade a priorizar suas necessidades para melhor agir em caso de emergências médicas e para desenvolver planos de ação apropriados para satisfazer as necessidades identificadas. Todas as unidades podem sofrer emergências médicas. Este exercício foi projetado para ajudar Unidades a avaliar seu atual nível de preparação. Serviços médicos localizados fora da Unidade são capazes de responder a emergências médicas na Unidade em menos de cinco minutos após a notificação, e podem ainda oferecer os serviços que a Unidade requer?  Sim Caso a resposta seja sim, o hospital ou serviço deve ser o principal provedor de serviços médicos para a Unidade. A Unidade, por sua vez, deverá estabelecer contato com o hospital (Seção 12, Coordenação com Comunidade), fornecer à equipe de emergências uma cópia do Plano de Atuação em Emergências da Unidade e informar o hospital sobre possível exposição prolongada a produtos tóxicos e sobre antídotos que o hospital deve manter em estoque. A Unidade deve desenvolver procedimentos para serem 137
    • Plano de Trabalho para Emergências  Não Emergências Médicas adotados por funcionários durante emergências médicas. Nenhuma medida adicional é exigida. Caso a resposta seja não, passe para a próxima questão. A fábrica dispõe de serviços médicos próprios com profissionais capazes de realizar ressuscitação cardiopulmonar e prestar primeiros socorros no caso de uma emergência médica?  Sim Caso a resposta seja sim, assegure que o serviço esteja disponível em todos os turnos de trabalho. Se profissionais médicos não estiverem presentes em todos os turnos, a Unidade deve ter funcionários treinados para responder a emergências médicas em todos os turnos em que a enfermaria esteja fechada, e criar procedimentos de notificação de equipes externas ou da equipe médica da Unidade no caso de uma emergência.  Não Caso a resposta seja não, passe para a próxima questão. Caso a Unidade não tenha acesso a uma equipe de emergência capaz de se reportar à Unidade em menos de cinco minutos, e não possua uma enfermaria, deverá ter pelo menos duas pessoas por turno (ou um número “adequado” de pessoas) capazes de realizar ressuscitação cardiopulmonar e prestar primeiros socorros. A Unidade tem um número adequado de responsáveis por primeiros socorros por turno?  Sim Caso a resposta seja sim, a Unidade deve consultar seu gerente de SSPA para desenvolver um plano de ação para melhorar os serviços médicos disponíveis na Unidade.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve treinar mais funcionários em ressuscitação cardiopulmonar, para garantir que haja pelo menos dois por turno como medida temporária, e deve consultar seu gerente de SSPA para desenvolver um plano de ação para aperfeiçoar os serviços médicos disponíveis na Unidade. O hospital tem folhas de dados de segurança de materiais e protocolos/antídotos para tratamento médico em casos que envolvam produtos químicos mais utilizados na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, coordene estas ações com o hospital. Maiores detalhes podem ser obtidos na Seção 12. 8.2.7 Desenvolvimento de planos de emergência para emergências médicas Equipes médicas devem estar preparadas para agir em situações de emergência, e as normas específicas de seu país podem exigir um plano por escrito detalhado que especifique todos os programas de emergências 138
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas médicas e primeiros socorros a serem implementados durante um incidente na Unidade (consulte a Seção 2 para as exigências legais de seu país). As funções específicas das equipes de emergência devem ser definidas de acordo com os vários tipos de emergências que podem ocorrer (ex.: incêndios, desastres naturais etc.). O Plano de Atuação em Emergências deve conter uma lista de todos os responsáveis por primeiros socorros e o treinamento recebido, além de seu departamento, ramal e data de certificação. Esta lista deve especificar como estes indivíduos serão notificados, como agirão, e quem solicitará ajuda externa, se necessário. Além disso, o plano deve indicar a localização da equipe médica, quando esta não estiver no centro médico (ex.: no caso de uma evacuação da Unidade), e como a equipe interna complementará os recursos médicos externos. De forma geral, funcionários da equipe médica da Unidade devem ser incluídos na equipe de emergências, e devem reportar ao centro de comando de emergências no caso de um incidente. O papel de funcionários da equipe médica da Unidade, no entanto, pode variar muito de Unidade para Unidade. O Plano de Atuação em Emergências deve conter uma lista dos riscos potenciais em cada Unidade, além da lista de equipamentos de primeiros socorros e suprimentos necessários. Além disso, é recomendável a exposição da lista em áreas de risco para o caso de emergências. A Tabela 8-1 apresenta uma lista padrão. A localização de estações de primeiros socorros também deve ser exposta em áreas de risco. Tabela 8-1: Localização e natureza das exigências especiais de primeiros socorros Local Departamento de galvanização Risco Primeiros socorros especiais Solventes Cianetos Corrosivos Departamento de aplicação e remoção Antídotos Solução neutralizante Solventes 139 Primeiros socorros gerais Kit para limpeza de olhos/queimaduras/ primeiros socorros Kit para limpeza de olhos/queimaduras/ primeiros socorros Kit para limpeza de olhos/queimaduras/ primeiros socorros Kit para limpeza de olhos/queimaduras/
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas de pintura primeiros socorros Kit para limpeza de olhos/queimaduras/ primeiros socorros Tintas O Plano de Atuação em Emergências deve indicar as estações de primeiros socorros em uma planta da fábrica. Um exemplo está no modelo de um plano de atuação de emergências incluído no Apêndice A-1. O plano também deve fornecer uma lista dos equipamentos e suprimentos de primeiros socorros disponíveis em cada estação. As Unidades devem incluir no Plano de Atuação em Emergências um plano detalhado de transporte de funcionários doentes ou feridos para o hospital. O procedimento dependerá da gravidade da lesão e da necessidade ou não de uma ambulância. Diretrizes impressas no Plano de Atuação em Emergências devem especificar procedimentos a serem adotados no caso de lesões ou doenças graves. Em todas as emergências, os seguintes procedimentos deverão ser iniciados imediatamente por funcionários treinados, quando necessário: assegurar que o paciente esteja respirando normalmente e manter uma entrada de ar sempre aberta; controlar qualquer sangramento, prevenir e tratar choques e prevenir infecções e outros ferimentos. O Plano de Atuação em Emergências deve incluir uma lista de órgãos locais de atendimento em emergências e seus contatos (consulte a Seção 12, Coordenação com Comunidade e Notificação de Emergências). Unidades devem informar hospitais locais, equipes médicas de emergência e serviços de ambulância sobre requerimentos médicos e de primeiros socorros da Unidade. Caso ocorra uma fatalidade ou ferimento grave envolvendo um funcionário da Unidade durante o trabalho, a Unidade pode ser obrigada a notificar as autoridades competentes. Exigências legais aplicáveis à Unidade foram analisadas na Seção 2. A Unidade tem um plano impresso para emergências médicas que descreva as funções específicas de funcionários para os vários tipos de emergências que possam ocorrer?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua-o no plano de ação na Seção 15 e desenvolva um plano de atuação apropriado. 140
    • Plano de Trabalho para Emergências Emergências Médicas A lista do plano de atuação identifica todos os prestadores de serviços de emergência, seu nível de treinamento, departamento, e ramal?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esta informação no plano de atuação. A lista do plano de atuação identifica riscos potenciais divididos por localização, e inclui o equipamento e suprimento de primeiros socorros presente em cada um deles?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esta informação no plano de atuação. A localização de estações de primeiros socorros foram incluídas em uma planta da Unidade no plano de atuação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esta planta no plano de atuação. O plano de atuação contém procedimentos impressos que especifiquem medidas que devam ser tomadas no caso de uma lesão grave?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua estes procedimentos no plano de atuação. O plano de atuação contém uma lista de órgãos locais de atendimento em emergências e seus contatos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esta lista no plano de atuação. 141
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos 9.0 DERRAMAMENTO OU DESCARGA DE PRODUTOS QUÍMICOS 9.1 OBJETIVO O objetivo desta seção do plano de trabalho é garantir que a Unidade avalie seu uso de produtos químicos perigosos para identificar situações que apresentem risco potencial de emergência. Derramamentos súbitos ou acidentes envolvendo produtos químicos perigosos podem ameaçar os funcionários, a comunidade e o meio ambiente. Estas medidas devem garantir que procedimentos eficientes sejam implementados para controlar cada uma dessas possíveis emergências químicas. Esta seção oferece os instrumentos necessários para uma avaliação dos riscos químicos na Unidade e para garantir que medidas apropriadas sejam tomadas para controlá-los no caso de uma situação de emergência. Esta seção oferece orientação para uma Unidade comum, seja industrial ou de serviços. Certas Unidades, como as de fabricação de produtos químicos, podem exigir orientação mais específica. A GE Plastics desenvolveu procedimentos muito mais detalhados para gerenciamento de produtos químicos e segurança de processos da divisão. Na maioria dos casos, estes procedimentos específicos estarão acima das orientações gerais apresentadas neste plano de trabalho. Unidades da GE Plastics deverão contactar o líder global de SSPA para obter informações sobre como usar este plano de trabalho de acordo com as orientações da GE Plastics. Esta seção também se destina a auxiliar a Unidade a desenvolver procedimentos impressos de atuação em casos de emergências com produtos químicos. Ao desenvolver estes procedimentos, a Unidade deve considerar as exigências legais locais (Seção 2), que podem exigir medidas específicas de atuação e notificação de autoridades locais. Amostras de procedimentos de atuação estão incluído no plano modelo, no Apêndice A, embora os procedimentos que a Unidade tenha que desenvolver possam ser diferentes, dependendo da natureza da utilização dos produtos químicos na Unidade. • controle de riscos associados a produtos químicos engloba tanto procedimentos de controle de risco quanto de atuação em emergências. Atividades de controle de risco químico têm papel fundamental na prevenção de acidentes de derramamento de produtos químicos e emergências. O Plano de Trabalho para Controle de Produtos Químicos oferece orientação para o desenvolvimento de um programa de controle de riscos químicos em seu país de operação, e deve ser utilizado por sua Unidade em coordenação com este plano de trabalho. Informações adicionais sobre o controle de resíduos 142
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos perigosos e não-perigosos estão disponíveis no Plano de Trabalho para Gerenciamento de Resíduos. Cópias deste documento podem ser obtidas junto a seu líder global de SSPA, ou com a divisão de Programas Ambientais da GE (CEP). 9.2 EXIGÊNCIAS Acidentes com produtos químicos ou derramamentos podem dar origem a situações de risco para funcionários, comunidade e meio ambiente. As exigências associadas ao tratamento de riscos químicos dependem dos produtos químicos usados em cada Unidade. Para caracterizar os riscos químicos é preciso adotar um procedimento em duas etapas: (1) identificar e avaliar os riscos químicos e (2) garantir que medidas sejam implementadas para controlar esses riscos. Isso ajudará a Unidade a se preparar para responder a emergências envolvendo riscos químicos. Use o Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos como ponto de partida para uma avaliação de riscos químicos. 9.2.1 Avaliação de riscos químicos Todos os produtos químicos utilizados na Unidade devem passar por uma avaliação que determine a severidade de seus efeitos em condições adversas, como no caso de um derramamento/descarga. Para realizar uma avaliação de riscos, a Unidade deve primeiro determinar os tipos de produtos químicos presentes nas instalações e depois identificar os riscos associados a cada produto químico. O risco de uma emergência que venha a envolver determinado produto químico deve ser avaliado de acordo com a quantidade e potencial de liberação de cada produto químico. Este método ajudará a Unidade a planejar suas atividades no caso de emergências com produtos químicos. A Unidade deve primeiro desenvolver uma lista de produtos químicos aprovados, que é um inventário dos produtos químicos que ela atualmente utiliza. Para informações sobre como desenvolver um inventário de produtos químicos e uma lista de produtos químicos aprovados, consulte as Seções 3 e 4 do Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos. Um formulário de identificação e acompanhamento de produtos químicos deve ser preenchido para cada produto incluído na lista de produtos químicos aprovados. Este formulário deve identificar o produto químico, sua localização ou local de armazenagem, quantidade estimada e classificação química (ex.: se é inflamável, corrosivo, radioativo, tóxico etc. [consulte a Seção 5 do Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos]). Um formulário de identificação e acompanhamento de 143
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos produtos químicos (Formulário 9-1) é fornecido no fim desta seção para identificar e avaliar riscos químicos em geral. Este formulário é parecido com o fornecido no Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos, mas inclui informações adicionais sobre riscos químicos e atuação em casos de emergência. A Unidade deve utilizar folhas de dados de segurança de materiais (MSDSs) atualizadas e rótulos em produtos químicos para determinar os riscos associados a cada produto químico. MSDSs devem estar sempre disponíveis a funcionários, para consulta em caso de emergências com produtos químicos. Consulte as Seções 2 e 7 do Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos para orientação nas folhas de dados de segurança de materiais ou exigências de notificação de riscos químicos em seu país de operação. Todos os recipientes de produtos químicos (tanques, tambores, garrafas, tubos etc.) devem estar rotulados apropriadamente. Estes rótulos devem incluir o nome do produto e alertas sobre seus riscos. Embalagens seguras e rótulos apropriados são parte fundamental dos esforços para controle de emergências que envolvam liberação de produtos químicos (Seções 2 e 8 do Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos oferecem informações sobre exigências de rotulagem em seu país de operação). 1o passo - Identifique os produtos químicos usados ou armazenados na Unidade e certifique-se de que eles obedeçam os seguintes critérios: Todos os produtos químicos usados ou armazenados na Unidade foram identificados?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua no fim desta seção uma cópia da lista de produtos químicos aprovados.  Não Caso a resposta seja não, faça um inventário ou uma “vistoria” dos produtos químicos da Unidade utilizando o Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos (Seção 3) como guia. Inclua a realização da vistoria e a lista de produtos químicos aprovados ao plano de ação do Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos (Seção 17). Folhas atualizadas de dados de segurança de materiais são mantidas para todos os produtos químicos usados ou armazenados na Unidade, e estas folhas estão disponíveis?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, obtenha folhas de dados de segurança de materiais para todos os produtos químicos usados ou armazenados na Unidade. Certifique-se de que as folhas de dados de segurança 144
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos de materiais estejam disponíveis para todos os funcionários no caso de situações de emergência. Todos os recipientes de produtos químicos estão apropriadamente rotulados, incluindo o nome do produto e alertas sobre seus riscos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, assegure que todos os recipientes de produtos químicos estejam apropriadamente rotulados, incluindo o nome do produto e alertas sobre seus riscos. A Unidade deve utilizar as informações sobre riscos químicos para definir os produtos químicos capazes de causar uma emergência e também seu planejamento de atuação no caso de emergências. Em geral, a Unidade deve concentrar sua atenção em produtos químicos armazenados em grandes quantidades, produtos inflamáveis (solventes, combustíveis), tóxicos (cianetos, isocianetos), corrosivos (ácido hidrofluorídrico), explosivos ou radioativos. Além disso, para cumprir os objetivos deste plano de trabalho, no que se refere a riscos de produtos químicos, a Unidade deve concentrar sua atenção em incidentes de alta exposição — e não na exposição ocupacional dentro de padrões normais e notificação de riscos, que são cobertos pelo Plano de Trabalho de Gerenciamento de Produtos Químicos. O quadro a seguir destina-se a ajudar a Unidade a priorizar seus riscos de emergências associadas a produtos químicos: Tabela de prioridades de riscos químicos Grande quantidade e alto risco de derramamento Material altamente tóxico, corrosivo ou inflamável Material pouco tóxico, corrosivo ou inflamável Pequena quantidade e baixo risco de derramamento Prioridade 1 Prioridade 2 Prioridade 3 Baixa prioridade A Unidade deve desenvolver procedimentos de atuação para todos os produtos químicos que apresentem risco significativo. Um risco pode ser definido como uma condição associada a um produto químico que representa um perigo para a saúde do funcionário, da comunidade ou que possa afetar o meio ambiente, como resultado de emergência, acidente ou derramamento/descarga de produtos químicos. Riscos químicos podem incluir: (1) tambores de líquidos corrosivos armazenados em um depósito; (2) líquidos inflamáveis em um tanque externo de armazenagem e (3) 145
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos produtos químicos altamente perigosos usados em processos industriais. Em vários países, produtos químicos específicos e altamente perigosos são regulamentados por processos de controle de segurança, que impõem padrões específicos para Unidades que armazenem mais do que uma quantidade limite de produtos químicos. Por exemplo, nos Estados Unidos, processos que utilizem mais de 4,5 toneladas de amônia anídrica, 225 kg de ácido nítrico (>94,5%) ou 45 kg de fosgênio são regulamentados pelo sistema de segurança da OSHA para produtos químicos altamente perigosos (29 CFR 1910.119). A Unidade pode ser obrigada por lei a preparar procedimentos de atuação para cada produto químico abrangido por tais normas que exceda a quantidade limite (veja Seção 2). Inclua no formulário de identificação e acompanhamento de produtos químicos (Formulário 9-1), no fim desta seção, as informações sobre a avaliação de riscos de cada produto químico. Riscos químicos que não representem perigo significativo sob condições adversas não devem ser incluídos nessa avaliação. Estes produtos químicos de “baixo risco” são aqueles que, no caso de derramamento, podem ser controlados por funcionários sem preocupação com consequências para a saúde ou para o meio ambiente, e sem necessidade de equipamento especial. 2o passo - Avalie os riscos de produtos químicos que ameacem a Integridade da Unidade e assegure que eles obedeçam os seguintes critérios: Os riscos químicos que ameaçam a integridade da Unidade foram avaliados para determinar seu possível impacto?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, avalie os riscos químicos na Unidade utilizando o quadro de prioridades de riscos químicos apresentado acima. 9.2.2 Combate a derramamento ou descarga de produtos químicos Uma vez identificados os riscos químicos e seu impacto potencial, é preciso adotar medidas para controlar estas ocorrências. É recomendada a implementação de um processo em três etapas para prevenir consequências negativas para funcionários, comunidade e meio ambiente. Estas etapas são: (1) toda Unidade deve avaliar sua capacidade de responder a emergências de riscos químicos; (2) Unidades capazes de responder a emergências químicas com equipes próprias devem definir seus procedimentos de combate. De forma geral, um funcionário deverá notificar uma equipe de resposta sobre um incidente com produtos químicos, e então evacuar a área. 146
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos Procedimentos de combate devem especificar (a) exigências para a equipe de emergências; (b) sua capacidade de combate; (c) procedimentos de atuação e (d) o equipamento necessário. Estes procedimentos devem então ser apresentados no Plano de Atuação em Emergências; (3) Unidades que não disponham de meios para responder a emergências (ex.: pessoal qualificado, equipamento etc.) devem avaliar a necessidade de um aperfeiçoamento dos serviços internos ou o uso de serviços externos. Pode ser necessária a coordenação com a comunidade (Seção 12) e planos de ajuda mútua devem ser desenvolvidos com Unidades adjacentes ou próximas. Procedimentos específicos de alerta e mobilização de recursos também devem ser estudados. Os procedimentos de combate a derramamentos ou descargas de produtos químicos implementados dependerão do volume do derramamento e da natureza do material liberado. Os procedimentos devem ser implementados por equipes internas ou externas adequadamente treinadas, e devem incluir os seguintes elementos, conforme as exigências de cada incidente: • • • • • Controle e gerenciamento do local, o que inclui isolar a área e impedir a entrada de quaisquer indivíduos, exceto os que façam parte das equipes de emergência e que estejam usando o equipamento de proteção individual adequado. Quando for desconhecido o tipo de material derramado (por exemplo, caso o tambor não esteja rotulado), a equipe deverá conduzir as investigações iniciais usando proteção de Nível B ou superior. Níveis de equipamento de proteção individual foram definidos na Seção 11. Identificação dos materiais envolvidos, incluindo o tipo de material, o volume derramado, e a superfície na qual o material foi derramado (por exemplo, piso, solo ou sistemas de drenagem). Avaliação de riscos e perigos, que podem ser definidos com a consulta às folhas de dados de segurança de materiais, aos manuais de riscos de produtos químicos, ou através de serviços de auxílio telefônico para emergências mantidos por fabricantes de materiais químicos ou associações da indústria química (por exemplo, a CHEMTREC, linha de emergência da Associação dos Fabricantes de Produtos Químicos nos Estados Unidos). Seleção de equipamentos de proteção individual e vestuário adequado, o que pode ser determinado com base na identificação dos materiais envolvidos e os riscos associados à emergência. As MSDSs de cada material devem ser consultadas para determinação do nível apropriado do equipamento de proteção individual a ser usado. Controle de materiais liberados, que pode ser efetuado de diversas formas, dependendo dos materiais envolvidos no derramamento. Isso pode 147
    • Plano de Trabalho para Emergências • • Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos incluir medidas para controlar a origem do derramamento, como fechamento de válvulas, despressurização do recipiente, transferência do produto ou fechamento do local de escape. Isso também inclui medidas para controlar os materiais derramados, como a neutralização de ácidos e o uso de materiais absorventes para coletar material derramado. O controle exigirá esforço maior no caso de derramamentos maiores, que podem exigir um desvio, método usado para desviar o fluxo do material para uma área onde ele possa causar danos menores ou onde possa ser contido; bloqueio, através do qual são utilizadas barreiras para evitar seu progresso, e retenção, que envolve a contenção temporária do material em uma área onde ele possa ser absorvido, neutralizado ou coletado. Descontaminação envolve o processo de limpeza de equipamentos e suprimentos que possam ter sido contaminados pelo material derramado, assim como a limpeza do equipamento de proteção individual usado pela equipe de emergência. Encerramento inclui a notificação do incidente, caso necessário, assim como o acompanhamento médico, caso o material derramado possa causar efeitos adversos (ex.: cianeto), e uma avaliação e investigação do incidente. A Unidade pode ser obrigada a eliminar resíduos e materiais derramados de acordo com lei e normas para resíduos perigosos. Consulte o Plano de Trabalho para Gerenciamento de Produtos Químicos para obter maiores informações sobre a eliminação de resíduos. As medidas tomadas deverão ser incluídas no Plano de Atuação em Emergências, conforme apropriado. 3o passo - Avalie as atividades de controle de emergências da Unidade e assegure que estas obedeçam os seguintes critérios: Existem riscos químicos que exijam a atuação de equipes de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, avalie a capacidade das equipes de emergência de responder a uma emergência química.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Equipes ou funcionários da Unidade estão encarregados de agir no caso de emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, compare os procedimentos a este plano de trabalho, faça as modificações necessárias, e inclua uma cópia dos mesmos no Plano de Atuação em Emergências. Caso os procedimentos de atuação não estejam completos, desenvolva medidas para agir de forma apropriada em possíveis emergências 148
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos na Unidade. Caso outros métodos de atuação estejam sendo utilizados na Unidade, inclua-os abaixo:  Não Caso a resposta seja não, nenhuma medida adicional é exigida. Além dos recursos da própria Unidade, muitas vezes é necessário usar serviços externos e a devida coordenação com a comunidade para responder a situações de emergências com produtos químicos. Estes serviços podem ser necessários no caso de um acidente com produtos químicos para o qual a Unidade não esteja preparada para controlar, ou um acidente de derramamento que possa afetar a comunidade próxima. Ações para satisfazer estas exigências incluem: • • • Serviços externos de auxílio — estes serviços devem ser usados quando a Unidade não for capaz de controlar o incidente ou quando necessitar de serviços adicionais. Eles também podem ser úteis quando existir uma pequena, porém concreta, possibilidade de que a Unidade venha a sofrer um derramamento de material químico perigoso, já que permitem à Unidade evitar despesas com treinamento e equipamento de uma equipe de resposta a emergências com produtos químicos. Estes serviços podem incluir Corpos de Bombeiros locais, equipes de emergência especializadas em materiais perigosos, ou equipes de emergências especializadas em produtos químicos, e devem estar prontos para agir em tempo hábil, dependendo do tipo de produto que for derramado. Coordenação com a comunidade — a coordenação apropriada com a comunidade é fundamental para a prevenção de incidentes que possam vir a afetar a comunidade, como aqueles que exigem potencial evacuação. A coordenação com a comunidade inclui a notificação à comunidade dos riscos presentes na Unidade, suas possíveis consequências para a saúde, bem como o desenvolvimento de métodos de atuação e procedimentos de coordenação apropriados (veja Seção 12). As Unidades também devem desenvolver acordos de cooperação mútua com outras Unidades, para obter os serviços necessários. Notificação de órgãos normativos e indivíduos de autoridade equivalente na divisão e na Unidade — a descarga de certos materiais deve ser comunicada ao órgão normativo competente e a determinados funcionários da empresa ou de sua divisão (consulte a Seção 12). As exigências relacionadas à notificação foram sintetizadas na Seção 2. Caso a Unidade seja obrigada a submeter uma notificação verbal ou por escrito a qualquer órgão normativo, é preciso preencher os formulários 149
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos para registro de correspondência fornecidos no Plano de Atuação em Emergências (Apêndice A). Cada uma dessas atividades deve ser coordenada durante a fase de préplanejamento, para permitir sua inclusão nos procedimentos de atuação em emergências. Preencha os formulários de notificação de derramamento de produtos químicos no Plano de Atuação em Emergências, Apêndice A-2. 4o passo - Avalie a coordenação e resposta a emergências oferecidas por serviços externos e assegure que estas obedeçam os seguintes critérios: Serviços externos ou coordenação com a comunidade são fatores necessários para o controle de emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, analise a disponibilidade de serviços adicionais de resposta e de coordenação para controlar emergências com produtos químicos.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Serviços externos são utilizados no controle de emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva estes serviços:  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. A coordenação com a comunidade é utilizada ou necessária para responder a emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, descreva estes procedimentos de coordenação:  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Existe a possibilidade de ocorrência de derramamentos ou descarga de produtos químicos na Unidade que devam ser comunicados a autoridades locais ou a outras divisões da empresa?  Sim Caso a resposta seja sim, desenvolva procedimentos para a comunicação de derramamentos ou descargas e preencha os formulários de notificação de derramamento de produtos químicos no Plano de Atuação em Emergências, Apêndice A-2  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. 9.2.3 Equipamento de controle de riscos químicos 150
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos Equipamentos especiais podem ser necessários para o adequado controle de situações envolvendo certos produtos químicos. Este equipamento deve ser selecionado de acordo com os riscos apresentados por um produto químico. Folhas de dados de segurança de materiais fornecem informações sobre as exigências de proteção individual e equipamentos de primeiros socorros necessários durante a utilização de certos produtos químicos. Alguns desses equipamentos incluem: • • • • Chuveiros e pias para lavagem de olhos - Em locais onde funcionários possam estar em contato com materiais corrosivos, é preciso adotar medidas para a instalação de locais de lavagem, como pias, chuveiros e mangueiras. Equipamento de proteção individual (EPI) - EPIs são utilizados para proteger funcionários de riscos químicos durante situações normais e de emergência. Um EPI pode ser usado para prevenir a inalação de produtos químicos (ex.: proteção respiratória) e/ou contato com esses produtos (ex.: luvas, macacões protetores, botas e óculos de segurança). Sensores e detectores químicos - Sensores e detectores químicos são usados como parte da etapa de detecção da emergência, dentro das atividades de controle de tais situações. Estes aparelhos de monitorização podem ser usados para detectar níveis perigosos de certos produtos químicos tóxicos, com o objetivo de iniciar a notificação de uma possível emergência associada a produtos químicos. Equipamento de contenção de derramamentos ou descargas - O objetivo principal do controle de derramamentos e descargas é minimizar a contaminação e restaurar quaisquer recipientes que apresentem vazamentos. Para isso, deve ser utilizada uma variedade de materiais absorventes e de contenção, que devem estar sempre disponíveis. 5o passo - Avalie o equipamento de combate a emergências associadas a produtos químicos e assegure que este obedeça os seguintes critérios: Pias e/ou chuveiros para lavagem de olhos estão localizados em áreas da Unidade onde existam materiais corrosivos?  Sim Caso a resposta seja sim, consulte a Seção 11 (Equipamentos) para as exigências referentes a pias e chuveiros para lavagem de olhos.  Não Caso a resposta seja não, instale pias e/ou chuveiros para lavagem de olhos em áreas da Unidade onde existam materiais corrosivos e consulte a Seção 11 (Equipamentos) para as exigências referentes a pias e chuveiros para lavagem de olhos. 151
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos O equipamento de proteção individual é utilizado ou necessário para responder a emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, consulte a Seção 11 (Equipamentos para as exigências referentes ao equipamento de proteção individual.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Sensores e/ou detectores de produtos químicos são utilizados ou necessários para detectar emergências com produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, consulte a Seção 11 (Equipamentos) para as exigências referentes a sensores e detectores de produtos químicos.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Materiais de contenção de derramamentos ou de restauração de recipientes com vazamentos são usados para controlar derramamentos e descargas na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, consulte a Seção 11 (Equipamentos para as exigências referentes a materiais absorventes e de contenção/reparo.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. 9.2.4 Síntese de derramamentos de produtos químicos/planejamento para controle O objetivo desta seção é auxiliar a Unidade a desenvolver uma análise abrangente de seu programa de controle de derramamentos/descargas e a priorizar suas necessidades e desenvolver soluções apropriadas. Todos os funcionários designados a agir no caso de derramamentos ou descargas de produtos químicos deverão ser apropriadamente treinados e receber o equipamento de proteção individual adequado. Caso a Unidade não corra risco de emergências com produtos químicos, nenhuma ação adicional é exigida. As necessidades da Unidade para emergências específicas estão resumidas na tabela modelo para orientação em emergências com produtos químicos, Seção 9-1. Caso a Unidade possa vir a sofrer qualquer uma das situações de emergência apresentadas nesta tabela de orientação, mas não seja capaz de satisfazer as exigências associadas a tais situações, entre em contato com o gerente de SSPA para desenvolver um plano de ação com o objetivo de assegurar os serviços necessários. 152
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos Tabela 9-1 Tabela de orientação para emergências associadas a produtos químicos Tipo de emergência: Derramamento de produtos químicos tóxicos com potencial impacto dentro e fora da Unidade. Superexposição a produtos tóxicos. Derramamento de materiais (vazamentos pequenos, raros e com poucos riscos). Derramamento ou descarga de materiais (vazamentos em grande escala, alto risco ou grande impacto). Exigências da Unidade: • Sistema de detecção de produtos químicos. • Capacidade de resposta imediata, muitas vezes garantida somente por uma equipe interna de emergências. • Coordenação com autoridades locais de emergências. • Equipamento de proteção individual. • Treinamento de funcionários. • Acesso a instalações hospitalares em curto prazo (5 minutos ou menos). Forneça à instalação de atendimento médico de emergência informações sobre potencial superexposição e antídotos. Ou: • Capacidade de resposta imediata no local. Pessoal de primeiros socorros treinado para identificar sintomas de superexposição, administração de antídotos e prestação do atendimento exigido até a chegada de profissionais externos responsáveis por atuar em emergências. Tais indivíduos devem estar presentes em todos os turnos. • Pode dispensar a necessidade de uma equipe interna completa e treinada para emergências; pequeno número de funcionários treinados com equipamentos limitados (ferramentas, absorventes, EPI etc.) podem ser suficientes. • Coordenação com serviços externos (equipes municipais, empresas contratadas) em caso de grandes derramamentos. • Fornecimento do Plano de Atuação em Emergências à equipes externas, bem como informações sobre riscos potenciais no local. • Possibilidade de exigência de equipe interna para resposta, controle e contenção imediata de tais situações, mas com apoio de terceiros que possam prestar serviços espaciais (ex.: caminhões especiais para coleta de líquidos) e equipes da comunidade, se necessário. • Equipamento de proteção individual e controle. • Treinamento de funcionários. 153
    • Plano de Trabalho para Emergências Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos Formulário 9-1: Identificação e Controle de Produtos Químicos Unidade: Data: Nome do funcionário: Página: de Dados sobre o material Código(s) da fonte: Nome do material: Sinônimo(s): Código da GE (no do recurso, no da peça:) Referência da MSDS: Data de revisão da MSDS: Como utilizado (faça um círculo): Código(s) de uso: Código(s) de destino: Fabricante: Fornecedor: Fabricação Processamento Outro Unidade de medida (faça um círculo): Onde utilizado: 1 = libra/galão 2 = g/l 3 = kg/l 4 = g/ml Volume utilizado: Composição do material (para compostos químicos) Nome do produto Nome do produto químico: químico: Registro no CAS: Registro no CAS: Concentração no Concentração no material: ______ % - ______% material: ______ % - ______% Nome do produto Nome do produto químico: químico: Registro no CAS: Registro no CAS: Concentração no Concentração no material: ______ % - ______% material: ______ % - ______% Riscos (faça um círculo): Impacto (faça um círculo): Armazenagem/manuseio (descreva): Respostas Riscos associados a produtos químicos Carcinogênico Tóxico Inflamável Reativo Corrosivo Explosivo Outro Exposição de funcionários Exposição de comunidades Impacto ambiental Serviços externos (sim/não) 154
    • Plano de Trabalho para Emergências exigidas: Equipamento de proteção individual exigido (relacione se necessário): Derramamento ou Descarga de Produtos Químicos Coordenação com a comunidade (sim/não) 155
    • Plano de Trabalho para Emergências Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações 10.0 PROCEDIMENTOS PARA INTERRUPÇÃO/REINÍCIO DE OPERAÇÕES 10.1 OBJETIVOS O objetivo desta seção do plano de trabalho é assegurar a existência de procedimentos para interrupção e reinício de operações no caso de uma emergência. É recomendada atenção particular com processos, operações e equipamentos que exijam procedimentos especiais de interrupção e reinício, de forma a prevenir acidentes, derramamentos, danos a produtos ou outros efeitos adversos. Procedimentos especiais de emergência devem ser implementados para processos que exijam atenção especial no momento de interrupção e reinício. Tais procedimentos devem incluir medidas para condução dessas atividades, bem como funcionários responsáveis por essas funções. Todos os funcionários devem estar cientes de suas responsabilidades no caso de uma emergência. Esta seção define as exigências de identificação, avaliação e estabelecimento dos procedimentos de interrupção e reinício de operações críticas da Unidade. Os procedimentos de interrupção e reinício de operações devem ser incluídos no Plano de Atuação em Emergências da Unidade. Exemplos de procedimentos podem ser encontrados no Apêndice A. Esta seção oferece orientação para uma Unidade comum, seja industrial ou de serviços. Certas Unidades, principalmente as da divisão de plásticos, podem exigir orientação mais específica. A GE Plastics desenvolveu procedimentos muito mais detalhados para gerenciamento de produtos químicos e segurança de processos da divisão, incluindo procedimentos para interrupção e reinício de operações. Na maioria dos casos, estes procedimentos específicos estarão acima das orientações gerais apresentadas neste plano de trabalho. Unidades da GE Plastics deverão contactar o líder global de SSPA para obter informações sobre como usar este plano de trabalho de acordo com as orientações da GE Plastics. 10.2 EXIGÊNCIAS Procedimentos de interrupção e reinício de operações são necessários para controlar de forma eficaz os processos críticos conduzidos nas Unidades. Estes procedimentos podem evitar que uma emergência se transforme em um desastre. A seção de exigências engloba diversos itens importantes de procedimentos de interrupção e reinício, incluindo: (1) avaliação de processos críticos; (2) identificação de válvulas/controles; (3) atribuição de responsabilidades; (4) procedimentos de interrupção/desligamento de emergência; (5) critérios para reocupação da Unidade e (6) procedimentos para reinício de operações. 156
    • Plano de Trabalho para Emergências Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações 10.2.1 Avaliação de processos críticos A primeira etapa na determinação dos procedimentos de interrupção e reinício de operações é a identificação dos processos críticos da Unidade. Processos críticos podem ser definidos como processos, operações ou equipamentos que exijam procedimentos especiais de interrupção e reinício para prevenir acidentes, derramamentos, danos a produtos ou outros efeitos adversos no caso de uma emergência. Processos críticos podem criar um risco para a Unidade caso não sejam adequadamente controlados. Estes processos críticos podem incluir: • • • • • • • recipientes empregados em processos que contenham gases tóxicos; sistemas de tubulação e distribuição de gás comprimido; atividades de abastecimento e eliminação de tanques de armazenagem; processos com produtos valiosos que possam ser destruídos caso não manejados adequadamente; operações sob pressão elevada; linhas elétricas, de água (para incêndios e refrigeração) e comunicação (computadores e telefones); Operações de processos químicos exotérmicos que exijam ciclos prolongados de refrigeração ou interrupção. Todo processo crítico deve ser identificado e avaliado para que sejam determinados os riscos e danos potenciais associados a procedimentos inadequados de interrupção e reinício. Funcionários do setor de operações ou engenharia de processos, que devem ser consultados para ajudar a identificar processos críticos, podem ter desenvolvido procedimentos de interrupção/reinício de operações. A Unidade também deve contactar fabricantes de equipamentos para obter informações sobre riscos de procedimentos de interrupção/reinício. Riscos e danos potenciais podem incluir: (1) derramamento de produto químico; (2) descarga de gás; (3) incêndio ou explosão e (4) perda de produtos. Relacione todos os processos críticos no formulário A2-6, Procedimentos de Interrupção, no Apêndice A-2. 1o passo - Identifique e avalie os processos críticos da Unidade e certifique-se de que estes obedeçam os seguintes critérios: Todos os processos críticos da Unidade foram identificados e incluídos nos procedimentos de interrupção do Plano de Atuação em Emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, identifique e avalie os processos críticos da Unidade e inclua-os no formulário A2-6, Apêndice A-2. 10.2.2 Identificação de válvulas/controles elétricos 157
    • Plano de Trabalho para Emergências Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações A interrupção e o reinício de processos muitas vezes requer a manipulação (ex.: abrir, fechar, ligar, desligar etc.) de diferentes válvulas e controles elétricos. Como preparação para situações de emergência, válvulas de processos críticos e controles elétricos devem ser corretamente identificados e assinalados (ex.: sinais, rótulos). Estas válvulas e controles devem ainda ser identificados em um inventário, documentados com procedimentos definidos ou indicados em uma planta da Unidade. Um formulário de Inventário de Válvulas e Controles Elétricos de Emergência (Formulário A2-7) foi incluído no Apêndice A-2. 2o passo - Identifique as válvulas e controles de emergência para assegurar que estes obedeçam os seguintes critérios: Válvulas e controles elétricos de emergência da Unidade foram corretamente identificados e rotulados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, identifique e rotule as válvulas e controles elétricos e preencha o inventário de válvulas e controles elétricos no Apêndice A-2. Válvulas e controles elétricos de emergência foram incluídos nos procedimentos de interrupção e reinício de operações?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua as válvulas e controles elétricos de emergência nestes procedimentos. 10.2.3 Atribuição de responsabilidades Para assegurar a eficiência dos procedimentos, encarregue indivíduos específicos de operações de interrupção/reinício de operações. Funcionários selecionados devem estar cientes de suas responsabilidades de interrupção/reinício no caso de uma emergência. Relacione os indivíduos e suas respectivas responsabilidades no formulário A2-6 do Apêndice A-2. 3o passo - Identifique as responsabilidades atribuídas para garantir que estas obedeçam os seguintes critérios: Foram definidas responsabilidades de coordenação geral para procedimentos de interrupção e reinício de operações na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, identifique indivíduos e suas responsabilidades. 158
    • Plano de Trabalho para Emergências  Não Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações Caso a resposta seja não, atribua responsabilidades de coordenação geral para procedimentos de interrupção e reinício de operações. Responsabilidades individuais foram atribuídas para procedimentos de interrupção e reinício de operações na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua essas responsabilidades no Formulário A2-6.  Não Caso a resposta seja não, atribua responsabilidades individuais para procedimentos de interrupção e reinício de operações e inclua essas responsabilidades no Formulário A2-6. 10.2.4 Procedimentos para interrupção/desligamento em emergências Procedimentos para interrupção de operações e desligamento de equipamentos em emergências funcionam como um método seguro para controle de operações críticas no evento de uma emergência. Estes procedimentos devem descrever as ações específicas a serem executadas, bem como os indivíduos responsáveis por sua realização. Entre as etapas destes procedimentos estão: (1) fechar a válvula de gás 32A na área de manutenção ou (2) desligar a fonte principal de energia — interruptor 21B — na central de controle. Esses procedimentos devem se limitar àqueles indispensáveis à garantia de uma segura interrupção das operações. Funcionários responsáveis por essas tarefas não devem ser submetidos a condições extremamente perigosas. Operações não-críticas, que possam prosseguir sem riscos apesar da emergência, não devem ser abordadas nessa seção. 4o passo - Analise os procedimentos de interrupção/desligamento em emergências para assegurar que estes obedeçam os seguintes critérios: Foram desenvolvidos e implementados procedimentos de interrupção/desligamento em emergências para operações críticas da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, relacione estes procedimentos no formulário A2-6, ou inclua-os no Plano de Atuação em Emergências da Unidade.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva e implemente procedimentos de interrupção/desligamento para operações críticas na Unidade. Utilize o formulário A2-6 para registrar tais atividades e anexe-o ao Plano de Atuação em Emergências. 159
    • Plano de Trabalho para Emergências Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações 10.2.5 Critérios para reocupação Após a ocorrência de uma emergência, muitas das operações e equipamentos da Unidade podem ter sido interrompidos, desligados ou se encontrarem em condições inadequadas de funcionamento. Tais condições podem colocar em risco indivíduos que retornem às instalações. Entre as condições inseguras estão: (1) equipamentos superaquecidos e danificados, (2) vazamentos em tubulações de água ou vapor, (3) sistema de detecção de incêndios ou equipamento de proteção sem condições de uso; (4) retorno automático de equipamento à operação após restauração da energia; (5) equipamentos danificados e sem segurança e (6) concentração residual de produtos tóxicos. Logo, a Unidade deve contar com procedimentos de inspeção para avaliar de forma adequada suas condições antes de uma reocupação. É necessário atribuir a certos indivíduos a responsabilidade pela definição do momento adequado para reocupação da Unidade ou restrições específicas para a reocupação. Todos os funcionários devem estar cientes destes critérios e protocolos, para evitar a reocupação nãoautorizada da Unidade sob condições inseguras após uma emergência. Critérios de reocupação devem ser incorporados ao Plano de Atuação em Emergências. 5o passo - Analise as normas para reocupação da Unidade para garantir que estas obedeçam os seguintes critérios: Existem procedimentos para garantir a segura reocupação da Unidade após uma emergência?  Sim  Não Caso a resposta seja sim, inclua tais procedimentos no Plano de Atuação em Emergências. Caso a resposta seja não, desenvolva e implemente procedimentos para reocupação da Unidade após uma emergência. Utilize o formulário de Procedimentos para Interrupção/Reinício em Emergências para documentar estas atividades e inclua tais informações no Plano de Atuação em Emergências. 10.2.6 Procedimentos para reinício de operações Procedimentos para reinício de operações podem ser tão essenciais às atividades da Unidade quanto sua correta interrupção. Tais procedimentos devem garantir métodos adequados para o seguro reinício de operações críticas após uma emergência. Estes procedimentos devem descrever as ações específicas a serem executadas, bem como os indivíduos responsáveis por sua realização. Entre as etapas destes procedimentos estão: (1) a abertura da válvula de gás 32A na área de manutenção ou (2) a ativação da fonte principal de energia — interruptor 21B 160
    • Plano de Trabalho para Emergências Procedimentos para Interrupção/Reinício de Operações — na central de controle. Estes procedimentos de retomada das operações devem ser atentamente supervisionados, uma vez que equipamentos e/ou sistemas podem ter sido danificados durante a emergência. Para o registro de tais procedimentos, foi incluído no fim dessa seção um formulário de Procedimentos de Interrupção/Reinício em Emergências. 6o passo - Analise os procedimentos para reinício de operações para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Foram desenvolvidos e implementados procedimentos de reinício de operações para retorno às atividades após uma emergência na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe estes procedimentos a esta seção e preencha o formulário de Procedimentos para Reinício, no Apêndice A2.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva e implemente procedimentos de reinício para a retomada de atividades após uma emergência. Utilize o formulário de Procedimentos de Interrupção/Reinício para documentar estas atividades e inclua-o no Plano de Atuação em Emergências. 161
    • Plano de Trabalho para Emergências 11.0 EQUIPAMENTOS 11.1 Equipamentos OBJETIVOS O objetivo desta seção do plano de trabalho é garantir que a Unidade possua o equipamento adequado para agir de forma eficaz em situações de emergência. Toda Unidade deve ser projetada e aparelhada com o equipamento de emergência necessário para controlar situações com grande chance de ocorrência nas instalações. O cuidado com equipamentos de emergência engloba procedimentos de manutenção (inspeção e testes) de acordo com as recomendações do fabricante, para garantir que esses dispositivos estejam permanentemente em boas condições de uso. Equipamentos de emergência acessíveis e sem falhas são cruciais para a prevenção de acidentes envolvendo funcionários, bem como danos à propriedade e impacto sobre o meio ambiente. Essa seção descreve as diretrizes gerais sobre equipamentos de emergência e a manutenção preventiva destes. O formulário para Inventário e Manutenção de Equipamentos (Formulário 11-1) incluído no fim dessa seção identifica e acompanha as exigências de manutenção e reparo aplicáveis aos equipamentos de emergência da Unidade. A finalidade desta seção é oferecer diretrizes que poderão ajudar a Unidade a elaborar seu Plano de Atuação em Emergências. Esse plano deve identificar o tipo e a localização do equipamento a ser empregado em atividades de controle de emergências. O exemplo de um plano de atuação em emergências incluído no Apêndice A-1 serve para demonstrar o formato geral e as especificações que podem estar presentes no plano de atuação particular da Unidade. 11.2 EXIGÊNCIAS O controle efetivo de uma emergência geralmente depende da existência de equipamentos adequados — facilmente acessíveis e em perfeitas condições de funcionamento —, uma equipe qualificada e procedimentos ajustados às necessidades. Logo, essa seção deve ajudar a Unidade a: (1) selecionar o equipamento apropriado e (2) conduzir uma adequada manutenção deste equipamento. As exigências potenciais da Unidade em relação a equipamentos são abordadas segundo as seguintes categorias: (1) proteção contra incêndios, (2) controle de produtos químicos, (3) equipamento de proteção individual e (4) equipamentos da Unidade, seguidos dos procedimentos de manutenção preventiva. 162
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos 11.2.1 Equipamento de proteção contra incêndios Na maioria das Unidades industriais, equipamentos de proteção contra incêndios constituem uma parte significante do equipamento de emergência necessário. Em geral, esse equipamento é utilizado na detecção de incêndios em uma situação de emergência, e inclui: sistemas de detecção de incêndios, extintores de incêndio, mangueiras e colunas de água para combate a incêndios, equipamento fixo de supressão de incêndios e abastecimento de água para emergência. Além disso, existem ainda dispositivos estruturais de proteção contra incêndios, como portas e paredes corta-chamas. A Associação Nacional de Proteção contra Incêndios dos EUA (NFPA — National Fire Protection Association) desenvolveu padrões para equipamentos que podem ser utilizados como recursos adicionais para a definição dos equipamentos necessários e sua adequação à Unidade. A Seção 2 oferece informações sobre exigências locais aplicáveis. Sistemas de detecção de incêndios são utilizados para a detecção de chamas e muitos deles podem ser integrados a equipamentos de extinção/supressão de incêndios e a sistemas de alarmes. Tais sistemas devem garantir uma adequada cobertura da área e dos riscos a serem monitorizados. Além disso, eles devem ter a capacidade de indicar problemas de forma que seja iniciado o controle da situação e garantida a segurança dos ocupantes da Unidade. Esses sistemas devem ser testados regularmente para garantir que todo equipamento esteja funcionando de forma adequada. O calendário de inspeções e manutenção vai depender do tipo de sistema de detecção de incêndios e deve ser conduzido de acordo com as recomendações do fabricante. Os tipos mais comuns de sistemas de detecção de incêndio são: 163
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Tabela 11-1: Sistemas de detecção de incêndios Tipo de sistema: Térmico Fumaça (fotoelétrico) Fumaça (ionização) Chamas Combustão-gás Uso: Situações em que não haja risco de vida e um certo nível de danos seja tolerado. Observações: Muitos incêndios, em seu início, têm baixa geração de calor. Logo, o sistema pode não detectar incêndios em seu estágio inicial. Armazéns ou outras áreas de Detecta partículas de fumaça grande porte. visíveis. Sensível à poeira, sujeira, variações de voltagem. Edifícios comerciais; ideal para Vários tipos; alguns podem detecção de chamas incipientes, detectar incêndios muito antes como um cigarro em uma cesta da aparição de chamas e de lixo, por exemplo. fumaça. Poeira excessiva pode causar alarmes falsos. Operações que exijam resposta Infravermelho ou ultravioleta; imediata; armazenagem de detecta luz ou chamas líquidos inflamáveis; riscos de tremulantes; menos adequado ignição. para incêndios de evolução lenta. Geral. Mede porcentagem de gases presente; detecta a maioria dos incêndios ainda no começo, permitindo sua extinção por funcionários da própria instalação; pode ser ativado antes da aparição de chamas; inadequado para riscos de ignição. 164
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Existem sistemas de detecção de incêndios na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua essa informação no Formulário 11-1, nessa seção.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de sistemas de detecção de incêndios em sua Unidade e preencha a seção apropriada do Formulário 11-1, se necessário. Caso sejam adotados métodos alternativos de detecção de incêndios, inclua esta informação abaixo: O sistema de detecção de incêndios funciona adequadamente e é capaz de acionar o auxílio apropriado e fornecer o alerta exigido?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inclua esse item no plano de ação. Analise a necessidade de selecionar e posicionar de forma adequada um sistema de detecção de incêndios na Unidade. O sistema de detecção de incêndios recebe manutenção preventiva em intervalos regulares, e tais atividades são documentadas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, implemente um sistema de manutenção preventiva e utilize o formulário de Inventário e Manutenção de Equipamentos, ou sistema equivalente, para registrar estas atividades. Extintores de incêndio são equipamentos portáteis para uso por indivíduos no combate a incêndios de pequeno porte (fase inicial) na Unidade. Em locais onde seja previsto o uso de extintores de incêndio, são necessárias normas para a adequada seleção, localização e manutenção (inspeção e testes) de tais equipamentos. As seguintes diretrizes devem ser adotadas para satisfazer estas exigências: • • Seleção: extintores de incêndio devem ser selecionados de acordo com a classificação e a seriedade dos riscos no local de trabalho. Essa classificação inclui: Classe A - combustíveis ordinários; Classe B - líquidos inflamáveis; Classe C - equipamento elétrico e Classe D - metais combustíveis. O tamanho e a capacidade de extintores de incêndio devem ser determinados pelo potencial de danos dos riscos. Localização: todo extintor de incêndio deve ser identificado (ex.: prontamente reconhecível) em um local acessível a funcionários. Em geral, extintores de incêndio devem ser colocados na entrada de áreas onde haja 165
    • Plano de Trabalho para Emergências • • Equipamentos riscos de incêndio, mas não imediatamente ao lado da fonte de incêndios, local inacessível no caso de incêndios. Em grandes áreas onde haja riscos de incêndio, extintores devem ser posicionados a cerca de 15 metros de fontes de incêndio, para facilitar uma rápida ação. A localização de extintores de incêndio deve ser identificada com sinais claros e visíveis, e o acesso a extintores não deve ser obstruído por veículos estacionados ou materiais armazenados. Por fim, a localização de extintores de incêndio deve ser identificada em uma planta da Unidade, que deve ser afixada na entrada da mesma e incluída no Plano de Atuação em Emergências. Manutenção (inspeção e testes): extintores de incêndio portáteis devem ser visualmente inspecionados todo mês para verificação das condições de pressão, situação física de pinos e alavancas de ativação, e acesso desobstruído. Extintores de incêndio devem passar por uma vistoria de manutenção e um teste hidrostático dentro de prazos estabelecidos de acordo com o tipo de extintor. Treinamento: funcionários da Unidade que venham a utilizar extintores de incêndio devem receber treinamento sobre seu uso (consulte as Seções 7 e 13). 2o passo - Analise o emprego de extintores de incêndio para garantir que este obedeça os seguintes critérios: Existem extintores de incêndio na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua tais informações no Formulário 11-1.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de extintores de incêndio em sua Unidade e preencha a seção apropriada do formulário de Equipamentos de Emergência incluído nessa seção, se necessário. Caso sejam adotados métodos alternativos para extinção de incêndios, inclua esta informação abaixo: Extintores de incêndio são adequados aos riscos do local de trabalho, estão localizados a 15 metros das fontes de tais riscos, são claramente visíveis e acessíveis?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, selecione, instale (recomendado), identifique, garanta o acesso e posicione de forma adequada extintores de incêndio na Unidade. Extintores de incêndio são visualmente inspecionados todo mês, e tais atividade são documentadas? 166
    • Plano de Trabalho para Emergências  Sim  Não Equipamentos Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Caso a resposta seja não, implemente um programa de inspeção e utilize o Formulário de Inventário e Manutenção de Equipamentos (Formulário 11-1) para registrar as atividades de inspeção visual. Extintores de incêndio são vistoriados e submetidos a um teste hidrostático todo ano, e esses testes são documentados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, implemente um programa de manutenção e utilize o Formulário de Inventário e Manutenção de Equipamentos (Formulário 11-1) para registrar as atividades de inspeção visual.. Mangueiras de incêndio e colunas verticais de água são equipamentos usados por Unidades para combater incêndios. De forma geral, mangueiras de incêndio devem ser usadas apenas por profissionais de combate a incêndios. Mangueiras de incêndio também podem ser usadas por funcionários da Unidade que tenham recebido treinamento equivalente ao de “brigada de incêndios estruturais”. As mangueiras são necessárias para áreas que não possam ser atingidas prontamente por mangueiras do Corpo de Bombeiros. Como regra geral, todos os prédios novos com mais de três andares, ou de altura superior a 22 metros, devem ser equipados com sistemas de hidrantes. Em locais onde este sistema for utilizado, devem ser tomadas medidas para garantir testes periódicos e sua colocação em posição adequada. Mangueiras de incêndio e colunas verticais de água devem ser posicionadas de acordo com os riscos no local de trabalho. Estes sistemas devem estar sempre prontos para utilização, em áreas desobstruídas e acessíveis aos funcionários. Devem ser realizadas vistorias anuais para garantir que o equipamento esteja no local apropriado, disponível para uso e em condições ideais de funcionamento, de acordo com os padrões exigidos (consulte a Seção 2). 3o passo - Avalie o uso de mangueiras e colunas verticais de água para garantir que estas obedeçam os seguintes critérios: Mangueiras e colunas verticais são necessárias e estão disponíveis na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua tais informações no Formulário 11-1.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida. Passe para a próxima questão. Mangueiras e colunas verticais estão localizadas em pontos adequados, acessíveis aos funcionários e prontas a serem usadas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. 167
    • Plano de Trabalho para Emergências  Não Equipamentos Caso a resposta seja não, posicione, sinalize, coloque em funcionamento e faça a manutenção apropriada de mangueiras e colunas verticais na Unidade. Mangueiras e colunas verticais são vistoriadas anualmente e estas vistorias são documentadas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, realize vistorias anuais e documente tais vistorias. Equipamento fixo de supressão de incêndios é um equipamento fixo utilizado pela Unidade para combater incêndios, através de ativação manual ou automática. Este equipamento geralmente inclui sistemas automáticos de sprinklers, monitores de mangueiras de incêndios e sistemas de supressão para produtos químicos secos. A Tabela 11-2 traz um resumo das informações sobre os sistemas fixos de supressão de incêndios: 168
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Tabela 11-2: Síntese de sistemas de supressão de incêndios Tipo de sistema Sprinklers (borrifadores de água) Uso Equipamentos industriais de alvo valor e áreas com alta ocupação. Halon ou substitutos:* HFCs, HCFCs, PFCs, FCs, e FICs. CO2 Centrais de computadores, armazenagem de documentos importantes. Monitores de incêndio fixos Proximidades de tanques de armazenagem de produtos inflamáveis a granel, válvulas de tubulação. Materiais reativos a água, chamas de pó metálico. Pó químico seco Equipamentos elétricos, processos com líquidos/gases inflamáveis. Espuma Tanques de imersão, depósitos de óleo e tintas, líquidos inflamáveis, combustíveis. * Obs.:HFCs — hidrofluorcarbonetos HCFCs — hidrofluorclorocarbonetos PFCs e FCs — perfluorcarbonetos FICs — fluroiodocarbonetos Observações Básico, geralmente eficaz em 95% dos casos. Varia em função da densidade, temperatura dos sensores dos sprinklers, altura destes em relação ao piso e tipo e volume dos combustíveis. Aplicações locais, disponibilidade, alarmes de evacuação pessoal, descarga rápida. Requer alarmes de evacuação. Não danifica equipamento, assegura a ventilação da área após supressão do incêndio. Volume de descarga, seleção apropriada exigida. Seleção especializada exigida, supressão rápida, não-tóxico, áreas pequenas/aplicações locais. Pequena densidade, pode deteriorar com armazenagem, pressão moderada, pequena distância de transporte. Os objetivos desses sistemas são extinguir ou controlar incêndios não detectados por funcionários, auxiliar os esforços da brigada interna de incêndios e garantir o combate a incêndios em locais próximos de áreas inflamáveis (como tanques de armazenagem). Em locais onde este sistema for utilizado, devem ser tomadas medidas para assegurar sua seleção apropriada, localização correta e manutenção. Os sistemas fixos de supressão de incêndios devem obedecer os seguintes requerimentos: 169
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Equipamentos Seleção - O equipamento fixo de supressão de incêndios deve ser selecionado de acordo com os riscos de incêndio no local de trabalho, projeto, localização, e ocupação da área pelos funcionários, o equipamento indispensável às operações ou o inventário. A seleção deve ser feita por um fornecedor profissional de equipamento de supressão de incêndios e avaliada pelo gerente de Saúde e Segurança da divisão ou por representante da provedora de seguros da Unidade. Certos produtos químicos usados para combater incêndios, como halon e dióxido de carbono, podem ser perigosos para a saúde de funcionários e, por isso, a Unidade pode necessitar de alarmes de alerta. Vários sistemas automáticos de supressão podem ser ativados manualmente (por exemplo, sistemas integrados de alarme e supressão podem muitas vezes ser ativados manualmente a partir de um terminal ou estação de controle). A Unidade deve dar preferência a sistemas que possam ser ativados tanto manual quanto automaticamente. Localização - Equipamentos fixos de supressão de incêndios devem ser posicionados de forma a oferecer proteção adequada à área a ser coberta. Códigos de segurança oferecem diretrizes sobre espaçamento de válvulas de supressão. A distância entre válvulas varia de Unidade para Unidade e depende do tipo e da aplicação do sistema. A distância de válvulas em relação a outros sistemas depende da finalidade do sistema. Consulte códigos específicos de combate a incêndios para maiores informações sobre espaçamento do sistema. Deve ser mantido um espaçamento adequado para garantir o funcionamento do equipamento. Manutenção (inspeção e teste) - Sistemas fixos de supressão exigem inspeções e testes periódicos para garantir seu funcionamento. A frequência dessas inspeções e testes varia de acordo com os diferentes tipos de equipamento, mas deve ocorrer ao menos uma vez por ano. Provedores de seguros normalmente realizam as inspeções desses sistemas. O acordo de seguros da Unidade também pode oferecer diretrizes. 4o passo - Avalie o uso de equipamentos fixos de supressão de incêndios para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Equipamentos fixos de supressão de incêndios estão disponíveis na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua tais informações no Formulário 11-1, no fim desta seção.  Não Caso a resposta seja não, avalie a necessidade de equipamentos de supressão de incêndios na Unidade e, caso necessário, preencha o Formulário de Equipamento de Emergência, no fim desta seção. Caso métodos alternativos sejam utilizados no lugar de equipamentos fixos de supressão de incêndios, forneça tal informação abaixo: 170
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Teste o equipamento fixo de supressão de incêndios para certificar-se de seu funcionamento. Os resultados foram satisfatórios?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, restaure o sistema a condições satisfatórias de funcionamento. O equipamento fixo de supressão de incêndios é adequado à área, e oferece cobertura adequada?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de um equipamento fixo de supressão de incêndios na Unidade. O equipamento fixo de supressão de incêndios é vistoriado e/ou testado de acordo com um calendário fixo, e estas vistorias são documentadas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, analise as exigências de teste de seu equipamento e utilize o Formulário 11-2 para documentar essas atividades. O abastecimento de água em emergências é necessário para o perfeito funcionamento de equipamentos de combate a incêndios da Unidade. Um suprimento de água para emergências pode ser garantido por dutos subterrâneos ligados a um reservatório público, poços dentro das instalações, caminhões-pipa ou lagos, lagoas ou rios. Sistemas que dependam de águas de lagos, lagoas ou rios devem contar com um dispositivo de filtragem que deve passar por limpeza e vistorias adequadas de forma a assegurar sua desobstruição durante uma emergência. A menos que a fonte de água fique em local elevado, como um tanque ou reservatório, a água deve ser bombeada mecanicamente da fonte. Bombas de água na Unidade devem ter uma fonte de energia alternativa confiável. Quando possível, é preferível ter acesso a pelo menos duas fontes de água, como prevenção contra falhas. Em geral, a melhor solução é mesmo uma conexão a um sistema público de abastecimento de água. Fontes auxiliares devem ser selecionadas entre as outras fontes listadas acima. Em regiões com temperaturas abaixo de zero, tanques devem ter proteção térmica e ser vistoriados diariamente durante o inverno. Bombas devem estar disponíveis para oferecer pressão e fluxo adequados. Uma das bombas deve ter uma fonte de energia independente (a diesel ou gerador a eletricidade) no caso de uma queda de energia na Unidade. Estas fontes de água devem estar sempre acessíveis e prontas a serem usadas, especialmente para sistemas de sprinklers ou mangueiras. Devem ser tomadas 171
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos medidas para garantir que as fontes sejam mantidas sempre em posição “aberta”, e que o fluxo e pressão estejam sempre em níveis satisfatórios. Equipamentos de suporte a este sistema, como bombas de água, devem ser testados periodicamente para garantir seu funcionamento. Para suprir todos os sprinklers e as mangueiras do Corpo de Bombeiros e da brigada de incêndios é necessário um volume de 32 a 190 l/s (500 a 3.000 galões/min.), e às vezes até mais. O volume exato necessário vai variar de acordo com a vazão máxima de todas as aberturas, e deve ser calculado por um especialista. Ajuda pode ser obtida com a empresa de seguros da Unidade ou com consultores locais. 5o passo - Avalie o suprimento de água para emergências e garanta que este obedeça os seguintes critérios: Existe um suprimento de água para emergências disponível na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, entre em contato com o gerente de SSPA sobre a capacidade da Unidade de dispor de um suprimento de água para emergências. A água é fornecida através de uma conexão direta ao suprimento de água da cidade ou a um poço localizado nas instalações?  Sim Caso a resposta seja sim, pule a próxima questão e vá diretamente para a seguinte.  Não Caso a reposta seja não, passe para a próxima questão. A água é fornecida por um sistema de tanques de armazenagem?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, entre em contato com o gerente de SSPA sobre a capacidade da Unidade de dispor de um suprimento de água para emergências. O fornecimento de água é garantido? O volume e pressão da água são suficientes para combater as emergências mais graves (solicite o auxílio da seguradora da Unidade para determinar isso. Lembre-se que a pressão da água pode ser elevada com o uso de bombas e conexões a caminhões-pipa, e que o volume pode ser aumentado com o auxílio de tanques de armazenamento da Unidade)?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, entre em contato com o gerente de SSPA sobre a capacidade da Unidade de dispor de um suprimento de água para emergências. Os sistemas de suprimento de água e de supressão de incêndios foram testados durante o último ano, e estes testes foram satisfatórios? 172
    • Plano de Trabalho para Emergências  Sim  Não Equipamentos Caso a resposta seja sim, documente os resultados dos testes. Caso a resposta seja não, agende uma vistoria do sistema com uma empresa local qualificada ou um representante da seguradora. Foi desenvolvido algum procedimento alternativo para garantir a notificação interna e externa de incêndios, maior número de funcionários responsáveis por combate a incêndios e maior número de extintores de incêndio portáteis, no caso de falha no sistema de fornecimento de água ou caso este se encontre em reparos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos para a garantia destes serviços quando o equipamento contra incêndios não estiver funcionando. O suprimento de água e o equipamento usado para o fornecimento são periodicamente vistoriados e testados, e estes testes são documentados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, vistorie o suprimento de água, os equipamentos e documente os resultados. As válvulas que controlam o fornecimento de água para o sistema de proteção contra incêndios são mantidas em posição “aberta” e vistoriadas mensalmente?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, inspecione as válvulas mensalmente e documente os resultados. Bombas de água têm uma fonte alternativa de energia para assegurar seu funcionamento no caso de uma queda de energia?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, forneça uma fonte alternativa de energia. Paredes e portas corta-chamas permitem o isolamento de uma seção do prédio para limitar a propagação de um incêndio. 1) Paredes e portas corta-chamas devem ser usadas para isolar do resto da fábrica as áreas de alto risco de incêndios, como áreas de armazenagem e uso de materiais inflamáveis, e também podem ser usadas para proteger a Unidade contra riscos de incêndios externos. Paredes corta-chamas também oferecem estabilidade e podem prevenir colapsos de estruturas dos edifícios em caso de um incêndio grave. 2) Geralmente, paredes corta-chamas são mais eficientes caso não haja canos ou tubulações em seu interior. Canos e tubulações que passam dentro de paredes corta-chamas não devem transportar materiais inflamáveis, já que isso oferece um enorme risco de propagação de incêndios, exceto quando o fluxo de tais materiais possa ser interrompido através de uma válvula. 3) Portas corta-chamas devem ter a 173
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos capacidade de fechamento automático acionado por mecanismos que, por sua vez, sejam ativados por derretimento de fusíveis causado por calor. 4) O fechamento das portas corta-chamas não deve ser obstruído por quaisquer objetos, e 5) seu funcionamento deve ser inspecionado mensalmente. 6o passo - Avalie o uso de paredes e portas corta-chamas e analise as seguintes questões: Existem áreas de alto risco de incêndios (ex.: áreas de armazenamento e uso de líquidos ou gases combustíveis e inflamáveis, ou processos realizados sob temperaturas altas) na Unidade, ou riscos externos de incêndio nas proximidades da Unidade que possam causar um incêndio propagável por toda a Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, passe para a Seção de Controle de Produtos Químicos. A Unidade usou paredes e portas corta-chamas para isolar as áreas de risco e evitar ou reduzir a velocidade de propagação de possíveis incêndios?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve avaliar como incorporar as paredes e portas corta-chamas a seu programa de proteção contra incêndios. Inclua este item no plano de ação na Seção 15. Caso materiais altamente inflamáveis sejam transportados por canos e tubulações no interior de paredes corta-chamas, o fluxo destes materiais pode ser interrompido através de válvulas de funcionamento confiável?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve adicionar válvulas à prova de falhas em seu sistema de tubulação. Caso a Unidade tenha instalado portas corta-chamas, estas são inspecionadas mensalmente para garantir seu funcionamento e desobstrução?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve adicionar portas corta-chamas a seu programa de inspeção e manutenção e testá-las mensalmente. 11.2.2 Equipamento de combate a emergências com produtos químicos A GE Plastics desenvolveu procedimentos muito mais detalhados para o gerenciamento de produtos químicos e o controle de derramamentos de tais substâncias. Na maioria dos casos, estes procedimentos devem prevalecer sobre a orientação fornecida no presente plano. Unidades da GEP devem entrar em 174
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos contato com o líder global de SSPA da divisão GEP para obter informações sobre como usar este plano de trabalho em concordância com as instruções da GE Plastics. Equipamentos de combate a emergências com produtos químicos são necessários para Unidades com potenciais riscos de derramamento/descarga de produtos químicos ou de exposição de funcionários a produtos químicos. Caso uma Unidade prefira optar por utilizar serviços externos de combate a derramamentos de produtos químicos, será menor a necessidade de comprar, armazenar e realizar a manutenção de tal equipamento. Vale lembrar, no entanto, que este serviço externo pode oferecer uma resposta menos imediata do que as equipes internas. Entre os equipamentos tipicamente necessários para combate a emergências com produtos químicos estão: • • • • • • • • instrumentos de detecção e monitorização, como medidores de gases combustíveis, detectores de fotoionização, tubos “draeger”; equipamentos de comunicação, como rádios e telefones celulares; equipamento de proteção individual, como luvas, respiradores, botas e roupas protetoras à prova de substâncias químicas; materiais de bloqueio, como barreiras móveis para reduzir a propagação do derramamento; materiais absorventes como serragem, areia ou almofadas absorventes, ou outros produtos disponíveis comercialmente que facilitem a absorção e coleta de resíduos ou produtos químicos derramados; caminhões de aspiração para coletar grandes quantidades de líquidos derramados que tenham sido contidos por barreiras, ou para remover o material do interior de um tanque ou depósito danificado que esteja vazando lentamente, e equipamento de eliminação, como tambores para armazenar resíduos, e recipientes com capacidade para conter tambores que apresentem danos ou vazamentos. tampas ou tampões para recipientes ou tubos, “remendos” ou anéis para interrupção de vazamentos. Equipamentos de combate a emergências com produtos químicos devem ser selecionados de acordo com os riscos associados a determinados produtos perigosos, e com o alcance de um potencial derramamento. Folhas de dados de segurança de materiais oferecem informações sobre primeiros socorros, equipamento de proteção individual necessário, precauções contra derramamentos/descargas e procedimentos de controle de certos produtos químicos. Além disso, há diversas informações sobre os riscos e o controle em emergências que envolvam determinados produtos químicos industriais. Algumas dessas foram desenvolvidas por órgãos governamentais e associações 175
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos comerciais. Nos Estados Unidos, a Associação dos Fabricantes de Produtos Químicos mantém a CHEMTREC, um serviço telefônico que fornece informação e auxílio aos envolvidos no controle de emergências que envolvam produtos químicos ou materiais perigosos. Maiores informações sobre o equipamento necessário para o controle de emergências de determinados produtos químicos podem ser obtidas com seu gerente de SSPA. Os equipamentos necessários para resposta a emergências com produtos químicos são determinados pelo volume potencial do derramamento, assim como pelo tipo de material derramado (tóxico, inflamável). Pequenos derramamentos podem ser contidos com materiais e almofadas absorventes, ou barreiras flutuantes para o caso de descarga em um corpo d’água. Derramamentos maiores podem exigir o uso de equipamento similar, além de caminhões de aspiração, equipamento de transporte de terra e areia para a contenção ou desvio de materiais liberados, instrumentos de leitura direta, e, no caso de descargas de gases ou vapores, informações sobre a direção do vento. Todo equipamento deve ser posicionado em locais acessíveis e prontos para emprego imediato no bloqueio ou coleta de derramamentos, ou para remendar e tapar tubulações que estejam sofrendo vazamentos. Vistorias periódicas devem ser realizadas para assegurar que estes equipamentos permaneçam nestes locais. As exigências para o caso de derramamento de produtos químicos devem estar listadas nos procedimentos de controle de emergências com produtos químicos. Em locais onde o derramamento de produtos químicos tóxicos (gás clorado, fosgênio, ácido hidrofluorídrico, gás natural, amônia, cianeto, isocianetos) possa causar riscos à saúde dos funcionários, muitas vezes é necessário implementar sistemas de monitorização de produtos químicos. Estes sistemas disparam um alarme quando detectam no ar concentrações de um determinado produto químico, alertando para um possível derramamento e/ou para condições inseguras. Estes sistemas são selecionados de acordo com os produtos químicos tóxicos usados. Um programa de manutenção preventiva (teste) deve ser estabelecido para garantir seu funcionamento. Os fabricantes podem recomendar a periodicidade de substituição de sensores e de outros componentes do sistema. Certas medidas de emergência podem ser implementadas caso materiais corrosivos sejam utilizados na Unidade. Quando materiais corrosivos entrarem em contato com olhos ou outra parte do corpo de um funcionário, este deve ter acesso imediato a locais de limpeza que possibilitem a lavagem adequada da área do corpo atingida. Para casos de grande exposição a materiais corrosivos, chuveiros devem estar disponíveis. Vistorias e testes destes locais devem ser realizados periodicamente para assegurar seu funcionamento. A Unidade deve 176
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos armazenar antídotos para superexposição aos produtos químicos tóxicos utilizados (ex.: cianeto, ácido hidrofluorídrico). 6o passo - Avalie o equipamento de resposta a emergências envolvendo produtos químicos para garantir que este obedeça os seguintes critérios: Equipamentos de controle de emergências com produtos químicos são necessários na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, nenhuma ação adicional é exigida; documente esta avaliação. O equipamento de combate a emergências com produtos químicos está facilmente disponível para os funcionários que necessitem deste equipamento?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de oferecer equipamento de controle de produtos químicos adequado e acessível. É utilizado na Unidade equipamento de monitorização de produtos químicos?  Sim Caso a resposta seja sim, forneça a informação exigida no Formulário 11-1.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de monitorização de produtos químicos em sua Unidade e preencha a seção correspondente do Formulário de Equipamentos de Emergência, no fim desta seção, caso necessário. Em locais de uso de materiais corrosivos, há áreas de limpeza disponíveis para os funcionários?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, providencie a instalação de pias para lavagem de olhos ou outros recursos em setores onde funcionários utilizem e possam entrar em contato com materiais corrosivos. O equipamento de combate a emergências com produtos químicos é testado e vistoriado periodicamente, e estes testes são documentados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, vistorie e teste o equipamento. Use o Formulário 11-2: Manutenção e Inventário de Equipamentos, para documentar as vistorias e testes. Funcionários designados para combater emergências e derramamentos de produtos químicos são adequadamente treinados no uso e nas limitações do equipamento de combate a emergências com produtos químicos? 177
    • Plano de Trabalho para Emergências  Sim  Não Equipamentos Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida. Caso a resposta seja não, inclua o “treinamento de funcionários da equipe de combate a emergências com produtos químicos” como um item do plano de ação na Seção 15, e realize treinamentos com esses funcionários. 11.2.3 Equipamento de proteção individual Equipamento de proteção individual é necessário para proteger funcionários envolvidos no controle de emergências médicas, incêndios ou emergências com produtos químicos. Uma vez que os riscos associados a cada tipo de emergência são diferentes, cada emergência requer um tipo de equipamento de proteção. A Unidade deve fornecer todo o equipamento de proteção individual para funcionários destacados para agir em situações de emergência. Todo funcionário envolvido no controle de emergências deve ser treinado sobre o uso e limitações do equipamento de proteção. O equipamento deve ser localizado em áreas de fácil acesso, e deve estar pronto para uso imediato. Vistorias e testes periódicos devem ser realizados para assegurar que o equipamento permaneça sempre nestes locais, e que esteja em condições perfeitas de funcionamento. Respiradores usados em emergências devem ser testados mensalmente. Emergências com produtos químicos Funcionários que respondem a emergências com produtos químicos devem usar o equipamento de proteção apropriado, que inclui roupas e geralmente algum tipo de proteção respiratória. A seleção do tipo adequado de equipamento de proteção depende da natureza dos riscos químicos associados a determinadas emergências. Os riscos associados aos produtos químicos usados nas Unidades foram apresentados na Seção 9, assim como os diferentes tipos de equipamento de proteção apropriados a cada produto químico. Quando os riscos de derramamentos forem desconhecidos ou envolvam materiais tóxicos, os funcionários das equipes de combate devem utilizar proteção de Nível B ou superior (Nível A), que inclui aparelhos respiratórios. Os níveis de proteção dos equipamentos são assim resumidos: Tabela 11-3 Normas para níveis de equipamento de proteção individual para combate a emergências com produtos químicos Nível de proteção A B Equipamento Máscara facial com pressão positiva SCBA ou aparelho respiratório; veste protetora à prova de produtos químicos, luvas (internas e externas) e botas/sapatos protetores. Máscara facial com pressão positiva SCBA ou aparelho 178
    • Plano de Trabalho para Emergências C D Equipamentos respiratório; veste com capuz e revestimento à prova de produtos químicos; luvas à prova de produtos químicos (internas e externas) e botas/sapatos protetores. Máscara respiratória inteiriça ou parcial com dispositivo de purificação de ar; veste com capuz e revestimento à prova de produtos químicos; luvas à prova de produtos químicos (internas e externas) e botas/sapatos protetores. Macacões protetores ou calças e camisas de mangas compridas, botas/sapatos à prova de produtos químicos. Cada nível do equipamento de proteção individual deve ser complementado pelo seguinte equipamento opcional: • • • • A: Unidade refrigeradora para veste protetora, macacão, roupas de baixo compridas, capacete, walkie-talkie para comunicação. B: Macacão (sob veste à prova de líquidos), galochas descartáveis usadas sobre calçados, máscara facial, máscara respiratória, capacete, proteção auditiva. C: Galochas descartáveis usadas sobre calçados, máscara facial, óculos de proteção (caso um aparelho respiratório parcial esteja sendo usado), capacete, proteção auditiva. D: Galochas descartáveis usadas sobre calçados, óculos de proteção, capacete, proteção auditiva e luvas à prova de produtos químicos. Óculos e luvas de proteção são listados como itens opcionais no Nível D, mas sua utilização é recomendada sob a maioria das condições durante o combate a emergências. Emergências associadas a incêndios Caso a Unidade tenha uma brigada de incêndios que combata incêndios estruturais internos, os membros desta brigada devem usar as roupas de proteção apropriadas. Proteção para pés e pernas pode incluir botas de cano longo que protejam também as pernas, ou botas protetoras e calças protetoras. Um casaco anti-chamas deve ser usado para proteger o corpo, assim como luvas protetoras. Proteção para a cabeça deve consistir de um capacete de bombeiro, com uma tira de segurança no queixo, proteção para os ouvidos e para o rosto, ou um dispositivo que cubra toda a cabeça, capacete e capuz que faça parte de um SCBA. Caso a brigada de incêndios seja destacada para controlar emergências dentro de prédios ou de espaços confinados onde haja produtos tóxicos ou uma deficiência de oxigênio, membros desta equipe que entram em tais áreas devem ter o equipamento respiratório apropriado (SCBA). Estes equipamentos devem ter uma vida útil de pelo menos 30 minutos e um alarme disparado quando restar 179
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos apenas 20% ou 25% do tempo de vida útil. O objetivo deste alarme é notificar o membro da brigada da necessidade de abandono do prédio ou do espaço confinado para reabastecimento dos cilindros de ar comprimido do equipamento. Sistemas respiratórios de pressão positiva (fornecimento de ar por demanda) são preferíveis. Emergências médicas exigem o uso de equipamentos de proteção individual para prevenir possíveis transmissões de agentes patogênicos através de sangue ou outros fluidos corporais, conforme discutido na Seção 8. Qualquer funcionário (da equipe médica, da equipe de primeiros socorros ou da equipe de limpeza) que corra o risco de exposição a sangue ou fluidos corporais deve ter acesso ao equipamento de proteção individual apropriado. Este equipamento inclui proteção para os olhos (óculos de proteção), e máscaras protetoras com válvulas unidirecionais para ressuscitação cardiopulmonar. 7o passo - Avalie o equipamento de proteção individual para garantir que este obedeça os seguintes critérios: O equipamento de proteção individual disponível na Unidade é apropriado para qualquer emergência que funcionários possam vir a enfrentar? Note que esta pergunta refere-se a emergências médicas, emergências com produtos químicos e a incêndios.  Sim Caso a resposta seja sim, inclua a informação correspondente no Formulário de Equipamentos de Emergência (Formulário 11-1) no fim desta seção.  Não Caso a resposta seja não, avalie a necessidade de equipamento de proteção individual em sua Unidade. Forneça o equipamento apropriado ou altere os procedimentos para que funcionários não precisem realizar operações perigosas. Caso funcionários não sejam obrigados a realizar operações perigosas, os serviços necessários deverão ser fornecidos por funcionários contratados ou por equipes públicas de combate a emergências. O equipamento de proteção individual é selecionado apropriadamente para proteger os funcionários de riscos? Esta pergunta refere-se primordialmente a emergências com produtos químicos, onde vários níveis de proteção estão disponíveis.  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, avalie a necessidade de fornecimento de equipamento de proteção. 180
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Os funcionários são treinados no uso e limitação do equipamento de proteção individual na Unidade? Considere emergências médicas, emergências com produtos químicos, e incêndios.  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é necessária.  Não Caso a resposta seja não, liste “treinamento de funcionários no uso de equipamento de proteção individual” no plano de ação na Seção 15, realize treinamentos com esses funcionários e documente estes treinamentos. O equipamento de proteção individual é testado e vistoriado periodicamente, e esses testes são documentados? Considere emergências médicas, emergências com produtos químicos e incêndios.  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, realize vistorias e testes. Use o Formulário de Inventário e Manutenção de Equipamentos (Formulário 11-2) para documentar as vistorias e testes. 11.2.4 Equipamentos da Unidade Vários outros tipos de equipamentos da Unidade podem ser essenciais para as atividades de controle de emergências na mesma. Este equipamento pode incluir: (1) alarmes e aparelhos de sinalização de emergências; (2) geradores para emergências; (3) iluminação de emergência; e (4) sistemas de comunicação. Este equipamento deve ser selecionado de acordo com as necessidades da Unidade e incorporados em um protocolo de manutenção preventiva (manutenção, inspeção e testes). • Alarmes e aparelhos de sinalização de emergência - Alarmes devem ser fornecidos e submetidos a manutenção conforme discutido na Seção 5 (Alarmes) do plano de trabalho. • Geradores para emergências - Geradores auxiliares podem ser necessários em situações em que eletricidade seja exigida para fornecer energia a operações críticas ou a equipamento de emergência, conforme previsto na Seção 7.2.5, Falhas de Equipamentos. Geradores devem ser capazes de suprir a energia necessária a operações críticas no caso de uma queda de energia. Em locais onde esses geradores funcionem apenas como fontes alternativas de energia, testes periódicos devem ser realizados para garantir seu funcionamento. • Iluminação de emergência - Iluminação de emergência deve ser fornecida e submetida a manutenção conforme o previsto na Seção 4 (Segurança Humana) do plano de trabalho. • Sistemas de comunicação - Sistemas de comunicação (ex.: telefone, rádio, e sistemas de alto-falantes) são usados normalmente como parte dos procedimentos de atuação em emergências (consulte a Seção 12.2.5). Em 181
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos locais onde esses sistemas sejam usados, o equipamento deve ser testado periodicamente para assegurar seu funcionamento. 8o passo - Avalie os equipamentos da Unidade para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Os equipamentos da Unidade (ex.: alarmes, aparelhos de sinalização de emergências, geradores, iluminação de emergência, sistemas de comunicação etc.) são utilizados no caso de emergências na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua a informação procedente no Formulário de Equipamentos de Emergência (Formulário 11-1) no fim dessa seção.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de equipamentos de emergência em sua Unidade e preencha, caso necessário, a parte correspondente do Formulário de Equipamentos de Emergência no fim dessa seção. Geradores para emergência são usados na Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, analise a necessidade de utilização de geradores em sua Unidade e preencha, caso necessário, a parte correspondente do Formulário de Equipamentos de Emergência no fim dessa seção. Caso uma fonte alternativa de energia seja utilizada, forneça informações abaixo: O equipamento da Unidade é testado e vistoriado periodicamente para garantir seu funcionamento, e esses testes são documentados?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, use o Formulário de Inventário e Manutenção de Equipamentos (Formulário 11-2) para documentar as vistorias e testes. 182
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos FORMULÁRIO 11-1: REGISTRO DE INVENTÁRIO E MANUTENÇÃO DE EQUIPAMENTOS Unidade: Local: Realize um inventário de todo equipamento utilizado em emergências especificando o local e o número de identificação de cada equipamento individual. Utilize o inventário como uma listagem básica para documentar atividades de manutenção preventiva (MP), inspeções (I) e/ou testes (T) do equipamento. Forneça informações adicionais, conforme necessário, para descrever tais atividades de manutenção. Equipamento Local Item no Encarregado Atividade de manutenção (MP, I, ou T) 183 Da ú vis
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos 12.0 COORDENAÇÃO COM COMUNIDADE E NOTIFICAÇÃO DE EMERGÊNCIAS 12.1 OBJETIVOS O objetivo desta seção do plano de trabalho é fornecer meios eficazes para a coordenação de atividades de controle de emergência com serviços semelhantes oferecidos pela comunidade, autoridades de gerenciamento de emergências e outros recursos externos de apoio em tais situações. Essa coordenação é essencial para a clara definição de responsabilidades e para a confirmação dos serviços disponíveis. Na maioria das localizações da GE, por exemplo, somente as autoridades locais podem iniciar o processo de evacuação da comunidade. Já certos Corpos de Bombeiros, por exemplo, limitarão sua esfera de atuação ao permitido por seu treinamento ou recursos disponíveis. A Unidade e a comunidade devem trabalhar lado a lado para desenvolver procedimentos apropriados de preparação antecipada para o controle de riscos de encarregados do controle de emergências, bem como da comunidade. A Unidade deve identificar e utilizar, conforme julgar necessário, os serviços de emergência oferecidos pela comunidade para apoio em tais situações. Tanto a Unidade quanto a comunidade devem prestar total colaboração para agir de forma eficaz no caso de emergências na Unidade. Essa seção oferece diretrizes para a coordenação, com a comunidade, de atividades de controle de emergências. Informações e procedimentos desenvolvidos nessa seção irão contribuir para a elaboração do Plano de Atuação em Emergências da Unidade. No Apêndice A é fornecida uma amostra de um plano de atuação em emergências, que dá exemplos sobre a forma pela qual o plano da Unidade pode integrar recursos oferecidos pela comunidade a seus procedimentos de controle de emergências. 12.2 EXIGÊNCIAS A coordenação com a comunidade é vital para garantir que tanto a Unidade quanto as áreas próximas a esta estejam preparadas para potenciais emergências. Em muitos casos, a comunidade pode prestar apoio à comunidade em situações de emergência, bem como oferecer recursos e auxílio locais para controle de emergências. Essa seção auxiliará a Unidade a identificar recursos da comunidade para situações de emergência e a coordenar suas atividades de preparação às destas organizações. Ela também servirá para ajudar a Unidade a desenvolver um centro de comando em emergências, que deverá coordenar medidas de controle de 184
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos tais situações e gerenciar a interação com a comunidade no evento de uma emergência. A atuação em conjunto com a comunidade pode ser uma exigência legal em alguns países. A Unidade deve consultar a Seção 2 para determinar as exigências associadas à notificação e coordenação com a comunidade local. Ainda que não exigido por lei ou normas, é recomendado que a Unidade analise uma cópia de seu Plano de Atuação em Emergências ao lado de autoridades locais de controle de emergências e organizações e empresas que possam ser acionadas em tais situações, para garantir uma coordenação conjunta em caso de uma emergência. 12.2.1 Identificação de recursos de emergência O primeiro passo para a coordenação com a comunidade é identificar os recursos locais que possam auxiliar a Unidade em caso de emergências. A Unidade registrou suas necessidades em relação a recursos da comunidade no formulário 3-5. Revise e modifique os dados incluídos nesse formulário conforme necessário. Recursos oferecidos pela comunidade podem desempenhar o papel de serviços primários de emergência ou de serviços secundários/auxiliares, em situações em que a Unidade já tenha provisões. Tais recursos, e os serviços que estes possam oferecer, incluem: • • • • • • • • Serviços de ambulância/profissionais médicos: socorro médico em todos os turnos. Corpo de Bombeiros: combate a incêndios, planejamento prévio, resgate em espaços confinados. Controle de produtos químicos perigosos/grupos de limpeza: controle de derramamentos. Comissão local de planejamento para emergências (quando aplicável): alerta/evacuação da comunidade. Delegacia de Polícia: greves, ameaças de bombas, evacuação da comunidade, desvio de trânsito. Unidades industriais vizinhas: recursos disponíveis através de contratos por escrito, brigada de incêndios, equipe de controle de incidentes com produtos químicos. Hospital: tratamentos de lesões múltiplas ou graves, antídotos para exposição a produtos químicos tóxicos (ex.: cianeto, ácido hidrofluorídrico). Outros serviços de emergência: condições climáticas severas (ex.: furacões, tornados, tempestades fortes). 185
    • Plano de Trabalho para Emergências • • Equipamentos Meios de comunicação locais: estações de rádio e televisão, coordenação com órgãos locais de controle de emergências através de recursos de transmissão para emergências. Autoridades locais de controle de emergências: autorização da evacuação de comunidades, desvio de trânsito e reocupação de instalações. Cada um dos recursos de emergência exigidos pela Unidade deve ser identificado e avaliado. Em seguida, deve-se desenvolver um plano com base nessas conclusões. Informações sobre recursos de emergência devem incluir: endereço, contatos, telefones, meios de contato, tempo de resposta e recursos dos serviços de emergência. Como parte dessa avaliação, devem ser identificados recursos secundários ou auxiliares. A compilação e verificação desta informação é essencial para o adequado planejamento e coordenação de situações de emergência. Também deve ser realizada, como parte do processo de identificação de recursos para situações de emergência, uma avaliação das exigências especiais da Unidade. Recursos especiais podem ser necessários para o controle de situações de emergência em certas Unidades. Isso pode ser devido a características específicas da Unidade, como estruturas que exijam escadas para acesso a grandes alturas, corredores estreitos para veículos de emergência comuns e ainda instalações remotas. É preciso oferecer os recursos adequados para ir ao encontro destas exigências específicas da Unidade. 1o passo - Identifique os recursos de emergência à disposição da Unidade para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Foram identificados os recursos de emergência à disposição da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, certifique-se de que esta lista de recursos tenha sido incluída no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, identifique os recursos de emergência necessários e/ou não disponíveis para a Unidade. Inclua tais serviços no Plano de Atuação em Emergências. Toda informação necessária (ex.: telefones para contato, recursos e sua disponibilidade) para tais recursos foram compiladas e incluídas no plano de atuação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma medida adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, compile a informação necessária e incluaa no plano de atuação. 186
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos Os recursos de emergência abrangem os serviços necessários, conforme exigido, para situações específicas da Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, indique áreas que possuam exigências específicas e os recursos que satisfaçam tais exigências no plano de atuação.  Não Caso a resposta seja não, identifique exigências específicas da Unidade e recursos de emergência à sua disposição. Inclua estes recursos no plano de atuação. 12.2.2 Coordenação com recursos da comunidade Uma vez identificados os recursos de emergência, a Unidade deve passar a agir de forma coordenada com tais recursos para uma eficaz preparação para potenciais situações de emergência. A coordenação com a comunidade deve incluir, conforme necessário: • • • • • • • • Reuniões ou ações conjuntas com provedores de serviços de emergência; Desenvolvimento de procedimentos de emergências para a Unidade e a comunidade ao lado de provedores de serviços de emergência e autoridades locais de gerenciamento de tais situações; Fornecimento de documentos sobre planos, procedimentos e/ou plantas das instalações para o Corpo de Bombeiros ou outro pessoal de emergência; Fornecimento de cópias de folhas de dados de segurança de materiais de produtos químicos a granel para organizações locais de controle de emergências; Notificação de hospitais de protocolos para atendimento médico de emergência (incluindo descontaminação de funcionários expostos a substâncias tóxicas) e verificação da disponibilidade de antídotos para potenciais casos de superexposição a produtos químicos (ex.: cianeto); Visitas às instalações por equipes de socorro médico e combate de incêndios; Sessões de treinamento, simulações de emergências ou de incêndios na Unidade com equipes de socorro médico, de combate a incêndios e de resgate em espaços confinados; Apresentação de um Plano de Atuação em Emergências, impresso, para serviços oferecidos pela comunidade e órgãos governamentais envolvidos no controle de emergências. É recomendada a realização de atividades conjuntas de treinamento com a equipe destacada para agir em caso de emergências na Unidade. A frequência recomendada de cada atividade específica de treinamento é fornecida mais à frente, na Tabela 13-1. A Unidade deve documentar todas 187
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos as atividades necessárias de coordenação com a comunidade no formulário 12-1, incluído no fim dessa seção. Para alguns destes recursos — equipes destacadas para agir na Unidade, por exemplo — estas atividades servirão para familiarizar equipes de controle de emergência com as operações da Unidade e, com isso, aumentar a eficiência de sua resposta. Tais atividades tornam provedores de serviços de emergência cientes dos potenciais riscos que podem afetá-los em caso de emergência na Unidade. Em muitos países essa é uma exigência legal; consulte as normas específicas para seu país (Seção 2). A coordenação com a comunidade deve ser um processo contínuo, cujo objetivo é manter um adequado preparo para emergências tanto pela Unidade quanto pela comunidade. Caso recursos externos para controle de emergências não estejam à disposição da Unidade no nível exigido pela mesma, a Unidade deve elaborar um plano de ação para: 1. Expandir recursos internos, bem com a capacitação interna para agir em emergências, ou seja, recursos para controle de emergências médicas, incêndios ou derramamentos químicos; ou 2. Dar início ao desenvolvimento de recursos externos satisfatórios através do contato com outras indústrias da área com necessidades semelhantes e, então, com autoridades locais para tentar obter tais recursos externos adicionais; ou 3. Em casos especiais, a melhor saída pode ser iniciar na própria Unidade um processo de modificações para redução de riscos potenciais; analise estas questões e projetos de capital com seu gerente global de SSPA. O plano de ação elaborado pela Unidade para a obtenção dos recursos de controle de emergência necessários deve ser desenvolvido e discutido com o gerente de SSPA da divisão. 2o passo - Avalie a coordenação com recursos externos de emergência para garantir que esta obedeça os seguintes critérios: A Unidade coordena suas atividades com recursos e serviços externos de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe documentos sobre tais atividades ou preencha o Formulário de Coordenação com Comunidade (Formulário12-1) incluído nessa seção. 188
    • Plano de Trabalho para Emergências  Não Equipamentos Caso a resposta seja não, identifique a coordenação necessária para recursos externos de emergência. Documente tais atividades no Formulário de Coordenação com a Comunidade (Formulário12-1) incluído nessa seção. Em muitos países, as leis e normas exigem que a Unidade forneça informações sobre potenciais riscos no local e/ou planos de controle de emergências para revisão pelas autoridades. Consulte as exigências específicas para seu país na Seção 2. Ainda que não exigido à luz da legislação, o fornecimento destas informações é uma prática recomendada. A Unidade está sujeita a tais exigências legais ou normativas?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe a informação sobre emergências fornecida ou preencha o Formulário de Coordenação com a Comunidade incluído nessa seção.  Não Caso a resposta seja não, identifique as condições com alto potencial de risco para a comunidade e forneça um exemplar do plano de atuação em emergências da Unidade à autoridade local competente. Utilize o Formulário de Coordenação com a Comunidade, nessa seção, para registrar tais atividades. 12.2.3 Coordenação com Unidades industriais vizinhas A existência de Unidades industriais adjacentes geralmente as torna recursos fundamentais para a coordenação com a comunidade. Da mesma forma que situações de emergência em Unidades vizinhas podem afetar as instalações, tais ocorrências na Unidade podem ter impacto sobre a operação de propriedades adjacentes. A coordenação entre Unidades industriais adjacentes pode elevar a compreensão dos potenciais impactos que uma Unidade pode exercer sobre a outra e, consequentemente, melhorar a eficácia das medidas tomadas por uma Unidade em virtude de emergências em uma Unidade vizinha. A comunicação com indústrias adjacentes é a chave para a atuação coordenada pelas mesmas. Deve-se estabelecer linhas de comunicação para garantir que alertas cruciais sejam transmitidos em situações de emergência. Tal processo de coordenação também pode servir para identificar recursos básicos de emergência que possam ser empregados, compartilhados ou emprestados por Unidades adjacentes através de acordos de cooperação mútua. Entre as áreas que podem ser cobertas por pactos de cooperação mútua estão o combate a incêndios, primeiros socorros, resgate em espaços confinados, uso compartilhado de linhas de rádio ou telefone de emergência, treinamento 189
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos conjunto, treinamento sobre alarmes e notificação de descarga de produtos químicos, controle de produtos químicos e áreas ou centros de comando alternativos para evacuação. 3o passo - Avalie a coordenação com Unidades adjacentes para garantir que esta obedeça os seguintes critérios: A Unidade coordena suas atividades com Unidades industriais vizinhas?  Sim Caso a resposta seja sim, anexe documentos sobre tais atividades ou preencha o Formulário de Coordenação com a Comunidade (Formulário12-1) incluído nessa seção. Forneça os métodos de coordenação com unidades adjacentes:  Não Caso a resposta seja não, identifique a coordenação necessária com Unidades adjacentes. Documente tais atividades no Formulário de Coordenação com Comunidade incluído nessa seção. Forneça os métodos de coordenação com Unidades adjacentes: 12.2.4 Comunicações externas e relações públicas/com a mídia A notificação do público, e as relações com o mesmo, são importantes elementos em situações de emergências, e um planejamento prévio pode identificar exigências válidas para a Unidade e permitir o desenvolvimento de procedimentos efetivos de comunicação. O foco do planejamento deve ser: 1. A identificação de exigências de notificação associadas à Unidade, para garantir que a mesma cumpra suas obrigações legais e que dirigentes da fábrica e da divisão da GE sejam satisfatoriamente informados. 2. O desenvolvimento de procedimentos para relações públicas e com a imprensa, o que pode contribuir para a eficácia de certas práticas de controle de emergência e preparar a Unidade para atender solicitações de informações pela mídia e pela comunidade durante e após uma emergência. Exigências de notificação específicas para seu país foram apresentadas na Seção 2. Antes de uma emergência, a Unidade talvez será ser obrigada, à 190
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos luz da legislação local, a notificar autoridades de potenciais riscos presentes na Unidade e submeter cópias de seu Plano de Atuação em Emergências para autoridades específicas. É possível que haja, também, exigências de notificação e apresentação de relatórios a que a Unidade deva se submeter durante e após uma situação de emergência, como, por exemplo, o planejamento para emergências e a obrigatoriedade de notificação da comunidade no evento de uma descarga de produtos químicos, ou a notificação de autoridades sanitárias e de segurança após a ocorrência de lesões ou fatalidades envolvendo funcionários. Para cada exigência de notificação, a Unidade deve identificar: • • • • A autoridade específica a ser notificada; Como deve ser feita a notificação; A informação exigida da Unidade pelas leis ou normas; Quando deve ser feita a notificação. A compilação desta informação antes de uma emergência colaborará para que a Unidade obedeça normas e leis específicas de seu país de operação quando da ocorrência de emergências. A Unidade deve incluir as exigências de notificação em seu Plano para Emergências (confira um exemplo no Apêndice A-1, página 21). Os formulários 12-2 e 12-3 são registros de correspondência que devem ser utilizados para documentar toda comunicação com órgãos normativos. A Unidade também deve elaborar um programa de relações públicas/com a mídia para coordenar toda interação com representantes de meios de comunicação, membros da comunidade, funcionários e famílias de funcionários durante situações de emergência. Um plano para relações públicas/com a mídia durante emergências deve incluir as seguintes medidas: • • • • Seleção de um funcionário para servir como contato com meios de comunicação na Unidade. Toda interação com a mídia deve ser feita através deste indivíduo. Treinamento de tal funcionário em relações públicas. Indicação de um assessor de imprensa da divisão para auxiliar o encarregado de contatos com a mídia da Unidade na preparação de comunicados verbais ou por escrito. Toda declaração deve ser feita, ou aprovada, pelo gerente da Unidade. Desenvolvimento de procedimentos para controle do acesso de meios de comunicação ao local. Geralmente, durante a ocorrência de um incidente, deve ser proibido o acesso à Unidade de qualquer indivíduo que não esteja envolvido no processo de controle da emergência. 191
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • • Equipamentos Desenvolvimento de procedimentos para transmissão de informações a funcionários e suas famílias. Desenvolvimento de procedimentos para uso eficaz de meios de comunicação para transmissão de informações sobre emergências e sua evolução. Desenvolvimento de procedimentos e atribuição de responsabilidades pelo tratamento de questões ou exigências feitas por funcionários ou comunidades após a emergência. Estabelecimento de procedimentos para solução de questões relacionadas à toxicidade de produtos químicos ou fumaça levantadas por comunidades ou autoridades de emergência. 4o passo - Avalie os procedimentos de notificação e comunicação externa da Unidade. A Unidade está sujeita a qualquer exigência legal relacionada à notificação?  Sim Caso a resposta seja sim, desenvolva procedimentos para o cumprimento de todas essas exigências dentro dos prazos legalmente estabelecidos. Tais procedimentos devem ser elaborados a partir dos quatro critérios apresentados na seção de exigências de notificação. Inclua estes procedimentos no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos para garantir a execução da notificação de acordo com o estabelecido pela Unidade com recursos externos, conforme abordado na Seção 12.2. A Unidade criou um programa de relações públicas/com a mídia, que sirva para o controle de comunicações externas durante situações de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve estabelecer procedimentos para relações públicas/com a mídia. Tais procedimentos devem se concentrar em situações de emergência que possam vir a ocorrer na Unidade e devem abordar, conforme necessário, os critérios apresentados acima. Os procedimentos de relações públicas/com a mídia da Unidade obedecem os critérios apresentados acima no que diz respeito às instalações?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua tais procedimentos no Plano de Atuação em Emergências da Unidade.  Não Caso a resposta seja não, inclua um item de ação na Seção 15. A Unidade deve tentar eliminar as deficiências em seus procedimentos, aperfeiçoá-los para obedecer os critérios 192
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos apresentados acima e, então, incluí-los no Plano de Atuação em Emergências da Unidade. 12.2.5 Equipe de gerenciamento de emergências e centro de comando em emergências No evento de uma emergência, a Unidade deve contar com uma equipe de gerenciamento de emergências pré-estabelecida e com responsabilidades já definidas para coordenar as operações de controle de emergências da Unidade. Estes indivíduos devem conduzir suas operações a partir de um centro de comando para emergências previamente definido. Equipe de gerenciamento de emergências A esfera de responsabilidade da equipe de gerenciamento de emergência se concentrará em quatro importantes áreas. A Unidade deve determinar quantas pessoas serão necessárias para desempenhar as funções atribuídas à equipe de gerenciamento de emergências. Tal número dependerá da complexidade das instalações e do potencial de situações de emergência. As principais áreas de responsabilidade são: • • • Gerenciamento do local, o que inclui a coordenação geral do gerenciamento de emergências na Unidade. Essa responsabilidade é em geral atribuída a um único indivíduo, comumente chamado de coordenador para incidentes ou coordenador para emergências. Tal indivíduo deve garantir que recursos adequados sejam mobilizados para administrar e controlar a emergência. Isso inclui dar início aos procedimentos apropriados para controle da emergência e a coordenação de esforços internos e externos. A coordenação com esforços externos pode incluir o aviso a equipes de socorro em emergências, a comunicação, a estas equipes, de uma síntese da natureza da emergência e dos riscos a ela associados (por exemplo, oferecer a tais equipes folhas de dados de segurança de materiais para produtos químicos presentes em derramamentos), bem como da ausência de qualquer funcionário conforme determinado pelos procedimentos de contagem nominal. Além disso, esse indivíduo deve supervisionar e conferir todas as comunicações com os meios de comunicação, e contar com treinamento para tal. Notificação externa, incluindo o contato com órgãos governamentais, grupos comunitários potencialmente afetados, unidades industriais adjacentes, além da realização de todas as notificações internas associadas a SSPA que possam ser necessárias. Relações públicas/com a mídia, o que inclui a notificação, de meios de comunicação, da existência de comunicados à imprensa, declarações e entrevistas coletivas, bem como colaboração com o coordenador para 193
    • Plano de Trabalho para Emergências • Equipamentos incidentes no preparo de todo material destinado aos meios de comunicação, e ainda preparativos para notificação da família de todo funcionário ferido. Suporte técnico para os principais membros da equipe de gerenciamento de emergências, o que pode incluir o registro de detalhes sobre o incidente e a constante comunicação a todos os indivíduos dos desdobramentos do incidente, bem como auxílio ao processo de comunicação entre o coordenador para incidentes e as equipes de controle de emergências, conforme necessário, e ainda cooperação nas investigações da Unidade e em suas medidas de recuperação. Centro de comando em emergências As operações da equipe de gerenciamento de emergências devem ser conduzidas a partir de um centro de comando de emergências. Tal centro de comando deve ser localizado em um local seguro e possivelmente isolado dos riscos e impactos potenciais da emergência. Além disso, caso a emergência venha a tornar inoperável o centro de comando, a Unidade deve contar com um centro secundário para as mesmas funções. O centro de comando de emergências deve ser equipado com todo equipamento de comunicações necessário, incluindo rádios portáteis, telefone, fax e (opcionalmente) uma fotocopiadora, um computador e uma impressora. Em geral, também recomenda-se a manutenção de uma linha telefônica exclusiva para o centro de comando, para garantir que este possa conduzir suas atividades de comunicação sem a interferência de outras chamadas. O centro de comando de emergências também deve manter disponíveis as seguintes informações, para facilitar a coordenação com equipes externas em uma situação de emergência: • • • • • Telefone para contato de todos os serviços e recursos externos que a Unidade venha a exigir para o controle da emergência, bem como órgãos governamentais e meios de comunicação. Informações específicas para o local sobre emergências, incluindo a localização de equipamentos de emergência (ex.: mangueiras, hidrantes, balizas de contenção) e recursos que possam ser necessários a equipes de controle da situação; Mapas com a planta da Unidade para equipes de controle, com a inclusão dos pontos de possível risco; Folhas de dados de segurança de materiais para todo produto químico a que tais equipes possam ser expostas; Equipamento de proteção individual para membros da equipe de gerenciamento de emergências, que precisem inspecionar o local da ocorrência. 194
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos A Unidade deve registrar todos os dados sobre sua equipe de gerenciamento de emergências e as vias de comunicação com recursos internos e externos em seu Plano de Atuação em Emergências. É preciso também incluir mapas ou listas que indiquem claramente a localização de equipamento e recursos de emergência na Unidade, bem como mapas ou listagens dos pontos de risco da Unidade em seu plano. Além disso, a Unidade deve incluir a localização de seu centro de comando em emergências e do local alternativo para desempenho destas funções. 5o passo - Avalie a equipe de gerenciamento de emergência e o centro de comando da Unidade. A Unidade desenvolveu uma equipe de gerenciamento de emergências e atribuiu responsabilidades pela administração do local, notificação externa, relações públicas/com a mídia e suporte técnico?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua os nomes e telefones para contato de todos esses indivíduos no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve desenvolver uma equipe de gerenciamento de emergências adequada a suas necessidades e capaz de desempenhar satisfatoriamente as funções de gerenciamento de emergências. Também é preciso incluir nomes e telefones para contato de todos esses indivíduos no Plano de Atuação em Emergências. Membros da equipe de gerenciamento de emergências estão cientes de suas responsabilidades em uma situação de emergência, e tais responsabilidades e vias de comunicação foram clara e suscintamente definidas no Plano de Atuação em Emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, passe para a próxima questão.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve conduzir treinamentos e simulações para elevar o conhecimento de funções e responsabilidades de funcionários, e deve confirmar que seus procedimentos de controle definam de forma clara e suscinta suas vias de comunicação e responsabilidades. A Unidade possui centros de comando de emergências — um principal e um secundário — e os aparelhou com os equipamentos de comunicação e informações necessários?  Sim Caso a resposta seja sim, indique a localização destes centros no Plano de Atuação em Emergências.  Não Caso a resposta seja não, a Unidade deve definir a localização dos centros de comando. O escritório do coordenador para incidentes é, geralmente, uma boa localização para o principal centro de 195
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos comando. Já as instalações do portão de entrada ou da guarita de segurança podem ser adequadas para um ponto de comando alternativo. A Unidade deve garantir que tais locais tenham acesso aos equipamentos de comunicação e a informações necessárias para operações de emergência. Indique a localização destes centros no Plano de Atuação em Emergências. 196
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos FORMULÁRIO 12-1: PLANO DE COORDENAÇÃO COM COMUNIDADE Unidade: Local: Identifique as atividades de coordenação com a comunidade a serem conduzidas pela Unidade e a frequência com que isso deve ser feito. Registre a data de conclusão das atividades à medida que estas sejam concluídas. Coordenação Descrição de atividades Frequência de recursos/ comunidade FORMULÁRIO 12-2: REGISTRO DE CORRESPONDÊNCIA POR ESCRITO Unidade: Local: Data: Horário: Remetente: Destinatário: ________ Organização do destinatário: Telefone: ______ Tópicos da correspondência: 197 Data(s) de conclusão
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos AÇÕES EXIGIDAS: AÇÕES TOMADAS: cópia para: 198
    • Plano de Trabalho para Emergências Equipamentos FORMULÁRIO 12-3: REGISTRO DE COMUNICAÇÃO TELEFÔNICA Unidade: Local: Data: Horário: Autor da ligação: Indivíduo contactado: Organização do indivíduo contactado: Telefone: Tópicos da correspondência: AÇÕES EXIGIDAS: AÇÕES TOMADAS: cópia para: 199
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação 13.0 TREINAMENTO E EXERCÍCIOS DE SIMULAÇÃO 13.1 OBJETIVOS O objetivo da seção de treinamento/simulação do plano de trabalho é oferecer métodos eficazes para treinamento de funcionários e teste dos procedimentos de preparação para emergências. Documentos por escrito são planos impressos que devem passar por ensaios, testes e revisões para seu contínuo aperfeiçoamento. Sem testá-los na prática, é impossível garantir que tais planos ou procedimentos funcionem conforme planejado em uma situação de emergência. O treinamento de funcionários e simulações de emergência internas ou em conjunto com terceiros servirão para elevar a eficácia de procedimentos no evento de uma emergência real. 13.2 EXIGÊNCIAS A necessidade de treinamentos e simulações vai depender da natureza e magnitude potenciais de emergências que possam ocorrer na Unidade. Várias destas emergências — como incêndios, lesões, interrupção de serviços públicos e distúrbios civis — podem atingir todas as Unidades da empresa. Já outras situações podem ser associadas a Unidades industriais específicas. É o caso de derramamentos de produtos químicos, processos ou operações de risco, operações perigosas nas cercanias e desastres naturais. Essa seção detalha as medidas básicas a serem tomadas pela Unidade para preparação e avaliação dos procedimentos a serem adotados em emergências no local. As exigências feitas nessa seção foram divididas em quatro elementos, cada um deles voltado para uma área específica dos procedimentos de treinamento/simulação de emergência. Tais elementos incluem: (1) determinação das necessidades de treinamento/simulação, (2) condução de treinamento/simulação de emergência, (3) avaliação e crítica de treinamento/simulações e (4) condução e acompanhamento de ações corretivas. Cada elemento é abordado nas seguintes subseções. 13.2.1 Necessidade de treinamento/exercícios de simulação As exigências de treinamento e simulação de emergências para a Unidade podem ser determinadas com o uso da Tabela 13-1, que sintetiza as exigências de treinamento para funcionários com responsabilidades específicas. A Unidade deve analisar cada um de seus procedimentos de controle de emergências para determinar quais destas funções ficarão a cargo de seus funcionários. Todo funcionário deve passar pelo treinamento exigido antes de tomar parte em uma atividade de controle de uma 200
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação emergência real. Além disso, tal treinamento deve ser atualizado de acordo com as normas específicas para cada país (Seção 2), ou com a frequência indicada pela tabela. Esse quadro também oferece instruções sobre treinamento, simulações conjuntas e medidas de orientação que a Unidade deve colocar em prática junto com os serviços externos que atuarão em caso de emergência na Unidade. A coluna “status” na tabela pode ser assinalada com sim ou não para indicar de forma rápida as necessidades de treinamento da Unidade. 201
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação Tabela 13-1 Diretrizes para treinamento e simulações Necessidades internas de treinamento Funcionários: Necessidades de treinamento (consulte a seção em itálico do plano de trabalho para informações adicionais) Frequência da revisão Todos os funcionários das instalações • • Plano de Prevenção de Incêndios (Seção 7) Anual • • Ativação de alarmes (Seção 5) • Rotas de evacuação e áreas de agrupamento/contagem (Seções 5, 6) • Procedimentos aplicáveis de interrupção/reinício de operações (Seção 10) • Procedimentos de primeiros socorros e ressuscitação cardiopulmonar (Seção 8) • Instruções sobre agentes patogênicos transmissíveis pelo sangue e equipamento de proteção individual (Seção 8) • • Notificação de serviços de emergência (Seção 12) • Uso, localização e limitações de extintores de incêndio (Seção 7) • Limites à resposta; quando e como solicitar ajuda de equipes externas (Seção 7) • • Equipamento de proteção individual (Seção 11) Áreas de agrupamento principais e secundárias adequadas, procedimentos de contagem (Seção 6) No mínimo anualmente • Limites à resposta; quando e como solicitar ajuda de equipes externas (Seção 7) No mínimo anualmente • Uso e limitações de equipamentos de proteção e supervisão individual (Seção 7) • Equipamentos e técnicas de resgate, socorro médico a vítimas (Seção 7) • Limites ao controle; quando e como solicitar ajuda de equipes externas (Seção 9) • Procedimentos para contenção de descargas ou derramamentos (Seção 9) • Procedimentos para derramamentos de produtos químicos não-identificados (Seção 9) • Contatos/procedimentos para interrupção do funcionamento de equipamentos (Seção 10) Responsáveis por primeiros socorros nas instalações Equipe de combate a incêndios das instalações Encarregados da evacuação Equipe de resgate em espaços confinados Equipe de controle de derramamento e descarga de produtos químicos Atribuições e responsabilidades do Plano de Atuação em Emergências (Seção 12) Notificação de equipes de socorro médico e combate a incêndios (Seção 12) No mínimo anualmente Localização de pias para lavagem de olhos, chuveiros e antídotos (Seção 8) 202 No mínimo anualmente No mínimo anualmente Status (Sim/ Não)
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação • • Equipe de gerenciamento de emergências da Unidade Se encarregados da contenção de descargas, treinamento deve abranger, no mínimo, riscos do produtos químico, equipamento de proteção individual adequado, procedimentos de contenção de derramamentos/descargas, detecção de níveis de risco, procedimentos para descontaminação, acompanhamento médico exigido após a operação de controle (Seção 9) Procedimentos de descontaminação para pessoal exposto (Seção 9) • Plano de Atuação em Emergências da Unidade (Seção 7) • • Atribuições e responsabilidades (Seção 12) • • Listas de contatos externos e internos (Seção 1) Localização do centro de comando em emergências primário e secundário (Seção 12) Treinamento em relações com meios de comunicação (Seção 12) 203 No mínimo anualmente
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação Tabela 13-1 (continuação) Diretrizes para treinamento e simulaçõesNecessidades externas de treinamento Serviço externo de apoio Combate a incêndios Necessidades de treinamento/orientação • Fontes e localização de riscos de incêndio/produtos inflamáveis (Seção 7) • • Plantas da Unidade e pontos de acesso (Seção 7) • Localização de hidrantes e pontos para conexão de mangueiras (Seção 7) • Contatos para atuação em emergências na Unidade (Seção 1) • Equipamento de comunicação de emergências da Unidade (Seções 11, 12) • MSDSs para produtos químicos a granel (Seção 9) Pontos de entrada e autorização e acesso de equipes de emergência. Frequência de simulação conjunta Treinamento inicial, seguido por revisão três vezes ao ano, no mínimo Instalações de socorro médico e tratamento médico de emergência • Tipo e localização de equipamentos de extinção de incêndio (Seção 11) • • MSDSs para produtos químicos a granel (Seção 9 • Procedimentos de descontaminação de indivíduos expostos (Seção 9) Serviços de controle de descarga de produtos químicos • MSDSs, quantidades e locais de armazenagem de substâncias tóxicas e inflamáveis (Seção 9) • Planta da Unidade e localização de equipamentos de controle de derramamentos (Seção 7) • Contato de emergência da Unidade (Seção 1) Polícia • • Lista de contatos da Unidade (Seção 1) • Coordenação do desvio de trânsito, se necessário (Seção 7) • Vistoria, no local, de espaços confinados e plataformas elevadas na Unidade (Seção 7) • MSDSs para produtos químicos a granel (Seção 9) • Plano de Atuação em Emergências da Unidade (Seção 12) • • MSDSs para produtos químicos a granel (Seção 9) • Pactos de cooperação mútua da Unidade (Seções 7, 9, 12) Treinamento inicial Equipe de resgate em espaços confinados Autoridades locais de controle de emergências Produtos químicos que exijam antídotos (ex.: cianeto, ácido hidrofluorídrico) (Seção 8) Cópias de planos para greves e ameaças de bomba (Seção 7) Lista de contatos de emergência da Unidade (Seção 1) 204 Treinamento inicial, atualizações para mudanças em processos Treinamento inicial Treinamento inicial Treinamento inicial, atualização para mudanças em processos Status (Sim/ Não)
    • Plano de Trabalho para Emergências • Treinamento e Exercícios de Simulação Localização e telefones de centros de comando de emergências principal e secundários da Unidade (Seção 12) O processo de avaliação de cada emergência em potencial deve servir para identificar os critérios de treinamento ou exercícios de simulação envolvendo funcionários necessários para garantir que todo pessoal esteja adequadamente preparado no evento de uma emergência. Exercícios ou simulações em escala real, com a participação de serviços e recursos externos, são métodos extremamente eficazes para avaliação dos procedimentos e da preparação para o controle de emergências. Essa avaliação deve produzir as seguintes informações: • • • • Emergências potenciais: além das emergências propriamente ditas, é preciso incluir os procedimentos exigidos de funcionários durante tais ocorrências. Exigências de treinamento de funcionários: incluindo a identificação do conteúdo e do método de administração do treinamento necessário para garantir que funcionários estejam cientes das medidas a serem tomadas no evento de uma emergência. Em geral, isso deve incluir: (1) indivíduo responsável pelo treinamento, (2) disponibilidade de um plano ou procedimentos, (3) funções e responsabilidades definidas, (4) principais membros do processo, (5) riscos existentes, (6) procedimentos de emergência, (7) finalidade e limitações de esforços e equipamento de proteção individual. Exigências de simulações de emergências: incluindo a identificação das exigências de simulação necessárias para o teste físico eficaz do plano de atuação em emergências e do treinamento de funcionários. Tais simulações devem ser realizadas de forma a (1) testar o funcionamento e a viabilidade do plano, (2) validar o treinamento, (3) reforçar a teoria com a prática, (4) avaliar procedimentos e (5) implementar ações corretivas e modificações no plano. Frequência de treinamento/simulações: treinamentos e simulações devem ser realizados com uma periodicidade que garanta que funcionários estejam constantemente cientes de procedimentos de emergência. O conteúdo e a frequência específicos de treinamentos e simulações para equipes internas de emergências podem ser determinados pelas exigências específicas de seu país. A Tabela 13-1 oferece instruções que podem ser usadas na ausência de exigências específicas. A orientação de equipes externas de controle de emergências também é necessária para garantir sua atuação eficaz e rápida em emergências que ocorram na Unidade. É preciso realizar sessões de treinamento ou simulações depois de toda alteração substancial no 205
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação plano de atuação em emergências, na equipe, em equipamentos ou em operações da Unidade. A periodicidade recomendada de treinamentos/simulações é fornecida no quadro de instruções para treinamento e simulações. 1o passo - Avalie as disposições de treinamento e simulação de emergências para garantir que estas obedeçam os seguintes critérios: Todas as emergências potenciais identificadas na Avaliação de Necessidades foram avaliadas à luz das exigências de treinamento e simulação descritas na Tabela 13-1?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, avalie as exigências de treinamento da Unidade com a ajuda da Tabela 13-1. Foram desenvolvidos procedimentos de treinamento/simulação para cada uma destas emergências potenciais?  Sim Caso a resposta seja sim, utilize estes procedimentos para o treinamento de funcionários.  Não Caso a resposta seja não, desenvolva procedimentos de treinamento para emergências potenciais. Programas de treinamento devem estar de acordo com as exigências específicas de seu país. Caso necessário, entre em contato com o gerente de SSPA da sua divisão ou com a CEP para maiores orientações sobre programas de treinamento. Foi definida a periodicidade da realização de cada treinamento/simulação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, avalie e identifique a frequência exigida para treinamentos e/ou simulações com base nas leis e normas locais. Caso não haja disposições legais sobre o assunto, utilize a orientação fornecida na Tabela 13-1. 13.2.2 Treinamento/simulações de emergências Exercícios de simulação de emergências devem ser realizados para a avaliação da eficácia dos procedimentos do plano para controle de emergências e do treinamento de funcionários. É recomendada a adoção das seguintes práticas quando da realização de simulações: • • Utilize alarmes ou métodos de notificação previstos para um caso real de emergência. Notifique funcionários da realização da simulação. 206
    • Plano de Trabalho para Emergências • • • Treinamento e Exercícios de Simulação Se viável, mantenha a simulação dentro dos padrões de uma emergência real. Siga os procedimentos do exercício do começo ao fim. Empregue equipamentos e procedimentos reais. Coordene simulações com serviços ou representantes de equipes externos que estariam envolvidos no processo de controle de uma emergência real. Isso também serve para testar os procedimentos de coordenação com a comunidade, que foram detalhados na Seção 12. Toda simulação deve ser registrada para que seja possível verificar sua conclusão e eficácia. Foi incluído, nessa seção, um formulário de exercícios de emergência e avaliação, para acompanhamento destas atividades. 2o passo - Avalie os exercícios de simulação de emergências para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Exercícios de simulação de emergência são realizados sempre que necessário e foram incluídos nas Exigências de Treinamento/Simulações de Emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, conclua e implemente os dispositivos do formulário de Exigências de Treinamento/Simulações de Emergências. Equipes ou serviços externos envolvidas no controle de emergências participam de exercícios de simulação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, consulte a Seção 12 para maiores informações sobre a coordenação com a comunidade. São mantidas informações adequadas sobre simulações de emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, inclua estas informações nessa seção.  Não Caso a resposta seja não, utilize o formulário de Simulações de Emergência e Avaliação para registrar informações sobre futuras simulações. 13.2.3 Avaliação de treinamento/simulações A eficácia de exercícios de simulação de emergências deve ser medida através de um processo ou procedimento pré-estabelecido de avaliação. Essa avaliação deve ser formal e estruturada de forma a abranger os principais funcionários envolvidos no exercício de simulação, bem como terceiros encarregados exclusivamente da observação dos procedimentos. Avalie os procedimentos de emergência imediatamente após a conclusão do 207
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação exercício, para garantir que os resultados não sejam esquecidos ou negligenciados. O propósito dessa avaliação é identificar quaisquer deficiências ou omissões nos procedimentos de emergência. Todo procedimento de avaliação deve ser documentado para que seja confirmada sua conclusão e identificada qualquer medida adicional exigida. Para acompanhamento dessas atividades, foi incluído nessa seção um formulário para simulações de emergência e crítica. 3o passo - Analise os procedimentos de avaliação de simulações de emergência para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: É feita uma crítica formal de simulações de emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, utilize o formulário de simulações de emergência e avaliação para analisar futuros exercícios. São adotadas técnicas adequadas para registro de avaliações e melhorias em planos?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, utilize o formulário de simulações de emergência e avaliação para registrar informações sobre futuros exercícios. 13.2.4 Ações corretivas e acompanhamento Os principais objetivos do processo de avaliação de exercícios de simulação de emergências são identificar deficiências e determinar ações corretivas apropriadas. Ações corretivas devem garantir que tais deficiências sejam permanentemente eliminadas de procedimentos de emergência. Além disso, tais ações devem sempre contar com um calendário para sua implementação, um encarregado desta tarefa e métodos para verificação da conclusão destas ações. Um acompanhamento adequado é essencial para garantir que toda deficiência tenha sido corrigida de forma satisfatória. Todas as ações corretivas e procedimentos de acompanhamento devem ser registrados para a identificação das ações necessárias. Para acompanhamento dessas atividades, foi incluído nessa seção um formulário para simulações de emergência e crítica. 4o passo - Analise os procedimentos para ações corretivas e acompanhamento relacionados a simulações de emergência para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: 208
    • Plano de Trabalho para Emergências Treinamento e Exercícios de Simulação O processo de avaliação de simulações de emergência identifica ações corretivas, calendário para sua implementação e encarregados da solução de deficiências identificadas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, utilize o formulário de simulações de emergência e avaliação para identificar ações corretivas, calendário para sua implementação e indivíduos responsáveis. Existe um sistema de acompanhamento de ações corretivas?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, utilize o formulário de simulações de emergência e avaliação para identificar métodos de acompanhamento de ações corretivas. 209
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação 14.0 PROGRAMA DE AUTO-AVALIAÇÃO 14.1 OBJETIVOS A auto-avaliação do programa é um instrumento à disposição da Unidade para que esta verifique seu nível de preparo para emergências e seu Plano de Atuação em Emergências. O processo de auto-avaliação tem como base uma revisão dos conceitos e informações apresentados nas 13 seções anteriores deste plano de trabalho, e permite à Unidade conferir novamente sua avaliação e certificar-se de que todas as deficiências identificadas tenham sido incluídas no plano de ação, na Seção 15. Esse processo também oferece um mecanismo para que a Unidade avalie e aperfeiçoe periodicamente seus procedimentos para emergências. Em geral, recomenda-se que a Unidade reavalie seus procedimentos a cada ano, ou quando ocorrerem alterações significativas no quadro de funcionários, em processos ou plantas da Unidade, em normas e leis ou após a ocorrência, na Unidade, de uma situação de emergência. 14.2 EXIGÊNCIAS O programa de auto-avaliação é essencial para a contínua eficácia e melhoria do Plano de Atuação em Emergências. Um processo eficaz de avaliação é composto de diferentes elementos, entre eles: (1) Equipe do Programa de Auto-avaliação e (2) Programa de Auto-avaliação. 14.2.1 Equipe do Programa de Auto-avaliação Uma Equipe do Programa de Auto-avaliação garante à Unidade uma abordagem uniforme de avaliação do Plano de Atuação em Emergências e de seu nível de preparo. A Unidade deve formar uma equipe diversificada para conduzir o processo de avaliação de seu programa para emergências. Para garantir a formação de um time abrangente, a equipe deve ser formada por representantes da gerência da Unidade, funcionários, pessoal de equipes de emergência internas e externas e membros de órgãos de gerenciamento de emergências, se necessário. Membros da equipe devem receber treinamento sobre os fundamentos do programa, para garantir que sua avaliação seja eficaz na determinação de deficiências do mesmo e implementação de ações corretivas. 210
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação 1o passo - Estude a equipe de avaliação do programa para garantir que esta obedeça os seguintes critérios: Foi criada uma Equipe do Programa de Auto-avaliação para a Unidade?  Sim Caso a resposta seja sim, identifique os membros da equipe:  Não Caso a resposta seja não, crie uma equipe e identifique seus membros acima. Caso a Unidade adote outro método para avaliação de seus programas, forneça essa informação abaixo: A equipe conta com representantes da gerência, funcionários, serviços e recursos internos e externos de emergência e um indivíduo do órgão de gerenciamento de emergências?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça uma equipe formada por representantes dos grupos relacionados acima. Membros desta equipe receberam treinamento sobre os fundamentos do programa de auto-avaliação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça um programa de treinamento sobre os fundamentos do processo de avaliação. 14.2.2 Programa de Auto-avaliação O Programa de Auto-avaliação é um instrumento utilizado pela Unidade para determinação do status do programa geral de preparo para emergências e do Plano de Atuação em Emergências. A Unidade deve estabelecer um método eficaz na condução de auto-avaliações em prazos determinados. É recomendado que tais avaliações sejam realizadas anualmente, ou quando ocorrerem alterações significativas no quadro de funcionários, em processos ou plantas da Unidade, em normas e leis ou após a ocorrência, na Unidade, de uma situação de emergência. Foi desenvolvido um formulário de auto-avaliação no qual foi incluída uma síntese de todos os elementos do programa. Esse formulário analisa a atual situação de todos os elementos através de uma série de questões. O processo pode exigir do examinador a revisão de documentos, entrevistas com funcionários ou observação visual da solução aplicada a uma 211
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação determinada questão. A resposta a estas questões permitirá ao examinador identificar deficiências do programa, que devem então ser incluídas no plano de ação, na Seção 15. O sistema para planejamento de ações deve permitir que deficiências sejam claramente identificadas e rapidamente corrigidas. O agrupamento de todas as deficiências em uma mesma seção deve colaborar para a identificação de tendências relacionadas a deficiências globais do sistema, que por sua vez podem ser tratadas de forma mais eficaz com o emprego de esforços coordenados. 2o passo - Avalie o emprego, pela Unidade, do programa de autoavaliação, para garantir que este obedeça os seguintes critérios: O formulário de auto-avaliação foi preenchido, e as necessidades e deficiências identificadas incluídas no plano de ação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, preencha o formulário de auto-avaliação e inclua as necessidades identificadas no plano de ação, na Seção 15. O programa é avaliado no mínimo uma vez por ano, ou sempre que ocorrerem alterações significativas no quadro de funcionários, em processos ou plantas da Unidade, em normas e leis aplicáveis ou após a ocorrência, na Unidade, de uma situação de emergência?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça normas para a avaliação anual do programa. Caso a Unidade conduza tais avaliações em intervalos maiores (mas sem prejuízo a seu preparo para emergências), forneça tais informações abaixo: 212
    • Plano de Trabalho para Emergências 15.0 PLANO DE AÇÃO 15.1 Programa de Auto-Avaliação OBJETIVOS O objetivo do plano de ação é garantir que toda deficiência identificada nos esforços de preparação para emergências da Unidade durante os capítulos anteriores deste plano de trabalho seja claramente definida e eliminada. Ele também deve colaborar para a identificação de tendências relacionadas a deficiências globais do sistema, e que podem ser solucionadas de forma mais eficaz com uma abordagem estruturada do ponto de vista administrativo. É recomendada a adoção de ações corretivas para identificar soluções imediatas e de prazo mais longo, bem como a elaboração de um calendário de acompanhamento para verificação da implementação de ações corretivas. 15.2 EXIGÊNCIAS O plano de ação relaciona e classifica de acordo com sua prioridade as deficiências identificadas pela Unidade durante a execução das seções anteriores deste plano de trabalho. Toda falha observada em capítulos prévios deve ser registrada no plano de ação, Formulário 15-1. Pode ser necessária a utilização de cópias adicionais deste formulário. Para a solução dos problemas identificados, a Unidade deve desenvolver e implementar ações corretivas, bem como atualizar os procedimentos de atuação em emergências correspondentes. 15.2.1 Ações corretivas Ações corretivas são desenvolvidas como soluções para as deficiências identificadas pelo plano de trabalho. Uma ação corretiva eficaz incorpora diversos aspectos do programa de avaliação, entre eles: • • • Cumprimento das normas: o primeiro passo de uma ação corretiva é identificar claramente a situação de cumprimento das normas. Exemplo: funcionários não estão cientes dos procedimentos de evacuação da Unidade. Causa original: a causa original é o motivo básico responsável pela ocorrência da deficiência. Exemplo: funcionários não receberam treinamento sobre processos de evacuação de emergência ou simulações de emergência não foram conduzidas para prática destes procedimentos. Ações corretivas imediatas: estas são as medidas a serem tomadas imediatamente para eliminação da deficiência identificada ou cobertura 213
    • Plano de Trabalho para Emergências • • Programa de Auto-Avaliação temporária até que outras ações possam ser implementadas. Para todas essas ações devem ser definidas datas de conclusão e indivíduos responsáveis. Exemplo: supervisores devem administrar treinamento a funcionários sobre procedimentos para evacuação em emergências até 15 de abril. Soluções preventivas: soluções preventivas são as ações tomadas para evitar que tal falha ou deficiência venha a ocorrer no futuro. A maioria das soluções preventivas implica em modificações nas diretrizes e procedimentos da Unidade. Para todas essas soluções devem ser definidas datas de conclusão e indivíduos responsáveis. A revisão mensal das exigências de treinamento deve fazer parte da pauta de reuniões da Comissão de Saúde e Segurança. Acompanhamento: o acompanhamento deve ser programado para verificação da conclusão de ações corretivas imediatas e soluções preventivas. Exemplo: a Comissão de Saúde e Segurança deve verificar a conclusão do treinamento sobre evacuação em emergências durante sua reunião de 15 de junho. Tais ações colaborarão para que as ações corretivas sejam desenvolvidas, implementadas e acompanhadas de forma adequada. Foi incluído, nessa seção, um formulário para o plano de ação (Formulário 15-1), para o registro de ações corretivas para cada deficiência identificada no preparo para emergências. 1o passo - Avalie ações corretivas para garantir que estas obedeçam os seguintes critérios: Foram desenvolvidas ações corretivas para toda deficiência identificada?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça um sistema para desenvolver e implementar ações corretivas e registre esse sistema acima. Utilize o plano de ação para documentar estas medidas. Existem procedimentos de acompanhamento de ações corretivas para verificar sua implementação?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça procedimentos para acompanhamento de ações corretivas e documente estas atividades de acompanhamento no plano de ação. 15.2.2 Atualização do plano 214
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação A Unidade deve modificar seus procedimentos de atuação em emergências sempre que tais deficiências sejam eliminadas, de modo a refletir as ações corretivas. Isso irá garantir que suas diretrizes e procedimentos estejam permanentemente atualizados e espelhem adequadamente as atuais condições da Unidade. 215
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação 2o passo - Avalie os procedimentos de modificação do plano para garantir que estes obedeçam os seguintes critérios: Procedimentos de emergência impressos foram modificados para refletir as ações corretivas e as atuais diretrizes e práticas da Unidade.?  Sim Caso a resposta seja sim, nenhuma ação adicional é exigida.  Não Caso a resposta seja não, estabeleça um sistema para atualização de procedimentos de emergência. 216
    • Plano de Trabalho para Emergências Programa de Auto-Avaliação FORMULÁRIO 15-1: PLANO DE AÇÃO PARA EMERGÊNCIAS Unidade: Preenchido por: Local: Data: Relacione abaixo todo “ITEM DE AÇÃO” identificado nas seções anteriores do Plano de Trabalho para Emergências. A implantação destes itens ajudará a garantir o adequado preparo da Unidade e de seus funcionários em caso de emergências. DESCRIÇÃO DO ITEM DE AÇÃO/ELEMENTO DO PLANO DE TRABALHO Indivíduos responsáveis 217 Data prevista para conclusão Data efetiva de conclusão
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice APÊNDICE A 218
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-1 INFORMAÇÕES GERAIS Unidade: Endereço da Unidade: Endereço da Unidade para correspondência: Telefone da Unidade: Fax: Telefone exclusivo para emergências: Proprietário/operador: Endereço para correspondência do proprietário: Telefone: ____________ Fax: Descrição de operações da Unidade: Instruções para localização da Unidade: No de registro da Unidade na EPA: Código SIC da Unidade: Coordenador para emergências: Telefone: Coordenador auxiliar para controle de emergências: Telefone: Líder de SSPA da divisão: Telefone: Fax: Fax: Fax: Descrição de equipes internas de controle de emergências: Telefone: Médicas: Incêndios: Controle de derramamentos: Segurança: ______ 219
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-2 LISTA DE CONTATOS EM EMERGÊNCIAS A lista abaixo identifica os indivíduos que trabalham na Unidade e devem ser contactados na eventualidade de uma emergência. Os contatos alternativos devem ser notificados fora do expediente comercial ou quando for impossível localizar o contato principal. Contatos da Unidade: Nome Cargo Telefone do contato principal 220 Telefone do contato alternativo
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-2 (CONTINUAÇÃO) LISTA DE CONTATOS EM EMERGÊNCIAS A lista abaixo identifica empresas, serviços e entidades de terceiros que devem ser contactados na eventualidade de uma emergência. Caso exigido, inclua telefones para contato fora do expediente comercial. Contatos junto a terceiros: Serviço/órgão/auxílio Endereço Hospital ou posto de atendimento médico Profissionais para emergências médicas/ambulância Controle de materiais perigosos/derramamentos Corpo de Bombeiros Outras unidades/funcionários industriais Outras unidades/funcionários industriais Serviços de resgate em espaços confinados Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos 221 Telefone para contato
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-2 (CONTINUAÇÃO) LISTA DE CONTATOS EM EMERGÊNCIAS Contatos junto a terceiros: Serviço/órgão/auxílio Endereço Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos Órgãos normativos Delegacia de Polícia Departamento de saneamento básico 222 Telefone para contato
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-2 (CONTINUAÇÃO) LISTA DE CONTATOS EM EMERGÊNCIAS Contatos junto a terceiros: Serviço/órgão/auxílio Endereço Serviços locais de coordenação ou planejamento para emergências Serviços locais de coordenação ou planejamento para emergências Serviços de segurança (Polícia, esquadrão de explosivos, Exército) Unidades industriais vizinhas Unidades industriais vizinhas Unidades industriais vizinhas Relações públicas/com a imprensa . Relações públicas/com a imprensa Relações públicas/com a imprensa Serviços para resíduos perigosos Outros Sistemas de informações sobre produtos químicos 223 Telefone para contato
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-3 RESPONSABILIDADES DE PRINCIPAIS FUNCIONÁRIOS Coordenador global de controle de emergências: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador global substituto para controle de emergências: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador de controle de incêndios na Unidade: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador substituto para controle de incêndios na Unidade: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador de emergências de descarga/derramamento de produtos químicos na Unidade: Nome/cargo Responsabilidades: 224
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-3 (CONTINUAÇÃO) Coordenador substituto para emergências de descarga/derramamento de produtos químicos na Unidade: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador para emergências médicas: Nome/cargo Responsabilidades: Coordenador substituto para emergências médicas: Nome/cargo Responsabilidades: Nome/cargo Responsabilidades: Responsáveis por chamada nominal: Nome/cargo Responsabilidades: 225
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-3 (CONTINUAÇÃO) Coordenador da eliminação de resíduos: Nome/cargo Responsabilidades: Responsabilidades de equipes ou indivíduos encarregados do controle de emergências com produtos químicos, fogo ou espaços confinados são detalhadas nos procedimentos incluídos no Plano de Atuação em Emergências. Outros funcionários: Nome/cargo Responsabilidades: ________________________________________________________________________ 226
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-4 PROCEDIMENTOS PARA COMUNICAÇÃO DE EMERGÊNCIAS Relacione todos os procedimentos para comunicação de emergências adotados pela Unidade para a notificação da existência de incêndios, descargas de produtos químicos, emergências médicas etc. Local Natureza da emergência 227 Telefone ou ativação de alarmes
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-5 IDENTIFICAÇÃO DE ALARMES DE EMERGÊNCIA Relacione todos os sinais de alarmes de emergência empregados na Unidade, a natureza da emergência representada pelos mesmos e as açãos a serem tomadas por funcionários em resposta ao alarme (ex.: evacuação do local, permanência no local etc.). Sinal de emergência Natureza da emergência Resposta de funcionários Visitantes, contratados e novos funcionários serão informados do significado de sinais de emergência e das açãos apropriadas para resposta por funcionários da empresa. Todo visitante e contratado que estiver entrando nas instalações da Unidade deverá assinar uma ficha de informações na recepção. Essa ficha contém uma descrição dos sinais de alarmes de emergência. Local/departamento Quem deve a ser notificado 228 Responsável
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-6 PROCEDIMENTOS PARA INTERRUPÇÃO DE OPERAÇÕES Funcionários responsáveis pela interrupção do funcionamento de equipamentos devem agir assim que notificados de uma emergência pelo alarme. Os seguintes procedimentos devem ser seguidos. Processo ou equipamento crítico Local Procedimento de interrupção 229 Responsável
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-7 INVENTÁRIO DE VÁLVULAS E CONTROLES DE EMERGÊNCIA Unidade: Realizado por: Local: Data: Utilize esse formulário para identificar a localização e a função de válvulas e mecanismos de controle. Válvula ou mecanismo de controle Local Funcionamento e finalidade 230
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-8 ROTAS DE EVACUAÇÃO A Unidade deve anexar uma planta das instalações com rotas de evacuação incluídas. Certifique-se de que todas as saídas de emergência identificadas no formulário 4-1 tenham sido incluídas na planta. 231
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-9 ASSISTÊNCIA NA EVACUAÇÃO Funcionários da Unidade portadores de deficiências auditivas, visuais ou de locomoção podem exigir assistência adicional durante a evacuação das instalações. O mesmo pode ser válido para funcionários em áreas remotas ou de difícil acesso. Relacione as áreas ou funcionários que necessitem de assistência especial em caso de evacuação da Unidade e o indivíduo ou indivíduos responsáveis pela prestação dessa assistência. Edifício, área ou departamento de trabalho Assistência exigida na evacuação do local 232 Coordenador para evacuação ou pessoa responsável
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-10 ÁREAS DE AGRUPAMENTO DE PESSOAL Relacione as áreas de agrupamento e suas designações para todos os edifícios e/ou áreas de trabalho da Unidade. Identifique o encarregado da contagem de funcionários em cada local. Unidades que elaboraram procedimentos para permanência no local devem estabelecer áreas principais e secundárias para agrupamento de pessoal. Edifício Área/departamento de trabalho Áreas de agrupamento Encarregado da contagem (turno) Encarregado substituto da contagem (turno) Precauções especiais devem ser adotadas para garantir que funcionários contratados e visitantes sejam evacuados durante emergências. 233
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-11 LISTA DE CHAMADA DE FUNCIONÁRIOS DA UNIDADE A Unidade deve contar com uma lista de chamada de todos os funcionários que possam se dirigir a uma área de agrupamento. Caso tal lista não esteja disponível, utilize esse formulário para relacionar o nome de todos os indivíduos que venham a se dirigir a um local de agrupamento. Edifício: Encarregado do agrupamento: Departamento: Área de agrupamento: 234
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-12 PROCEDIMENTOS PARA USO DE EXTINTORES DE INCÊNDIO Relacione os procedimentos para uso de extintores de incêndio em sua Unidade: 235
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-13 EQUIPE DE COMBATE A INCÊNDIOS Equipamento Membros da equipe Turno 1 Localização Nome Cargo Turno 2 Turno 3 236 Área de trabalho
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-14 RESPONSÁVEIS POR PRIMEIROS SOCORROS E RESSUSCITAÇÃO CARDIOPULMONAR Turno Nome do encarregado Setor/telefone Treinamento Primeiros socorros Equipamento/localização: Procedimentos para eliminação de resíduos: 237 Ressus. cardio. Data
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-15 SERVIÇOS MÉDICOS EXTERNOS Forneça as informações solicitadas abaixo para todos os serviços médicos a que a Unidade possa recorrer no caso de uma emergência médica. Serviço Endereço Telefone 238 Instruções para localização/tempo até destino
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-16 LOCALIZAÇÃO DE PRODUTOS QUÍMICOS PERIGOSOS As seguintes áreas da Unidade foram identificadas como setores de utilização de produtos químicos nos quais derramamentos ou descargas para o meio ambiente podem vir a ocorrer em quantidades nocivas ou que exijam notificação do órgão competente (a menor das alternativas). Nome do produto químico Edifício Local 239 Quantidade máxima
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-17 EQUIPE DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS QUÍMICAS Equipamento Local 240
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A-18 EQUIPE DE CONTROLE DE EMERGÊNCIAS QUÍMICAS Membros da equipe Turno 1 Nome Cargo Turno 2 Turno 3 241 Setor
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-19 COMUNICADO DE DERRAMAMENTO OU DESCARGA DE PRODUTOS QUÍMICOS Unidade: Realizado por: Local: ______ Data: Utilize esse formulário para identificar produtos químicos empregados na Unidade que exijam notificação em caso de derramamento ou descarga. Produto químico Local Quantidade exigida para notificação 242 Indivíduo ou entidade a ser contactado Telefone
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-20 PROCEDIMENTOS PARA EMERGÊNCIAS EM ESPAÇOS CONFINADOS Local Procedimentos Equipamento Equipamento de proteção individual Localização de equipamentos para emergências em espaços confinados: Localização de equipamentos de proteção individual: 243 Responsáveis
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-21 PROCEDIMENTOS PARA REOCUPAÇÃO Forneça as informações solicitadas abaixo para procedimentos a serem tomados antes de permitida a reocupação das instalações depois de uma emergência. Local Equipamento de monitorização Procedimento 244 Concentração/condição para entrada segura Responsável
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice FORMULÁRIO A2-22 PROCEDIMENTOS PARA REINÍCIO DE OPERAÇÕES Forneça as seguintes informações relacionadas ao reinício de operações após uma emergência. Equipamento/ope ração Local Procedimento para reinício 245 Responsável
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice Apêndice B Leis e normas locais para emergências Índice Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 Seção 1 Norma Regulamentadora (NR) No 01 Seção 2 Norma Regulamentadora (NR) No 02 Seção 3 Norma Regulamentadora (NR) No 04 Seção 4 Norma Regulamentadora (NR) No 05 Seção 5 Norma Regulamentadora (NR) No 06 Seção 6 Norma Regulamentadora (NR) No 07 Seção 7 Norma Regulamentadora (NR) No 09 Seção 8 Norma Regulamentadora (NR) No 15 Seção 9 Norma Regulamentadora (NR) No 16 Seção 10 Norma Regulamentadora (NR) No 23 Seção 11 Norma Regulamentadora (NR) No 24 Seção 12 246
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice Seção 1 Portaria 3.214 de 08 de junho de 1978 Seção 2 Norma Regulamentadora (NR) No 01 Seção 3 Norma Regulamentadora (NR) No 02 Seção 4 Norma Regulamentadora (NR) No 04 Seção 5 Norma Regulamentadora (NR) No 05 Seção 6 Norma Regulamentadora (NR) No 06 Seção 7 Norma Regulamentadora (NR) No 07 Seção 8 Norma Regulamentadora (NR) No 09 Seção 9 Norma Regulamentadora (NR) No 15 Seção 10 Norma Regulamentadora (NR) No 16 247
    • Plano de Trabalho para Emergências Apêndice Seção 11 Norma Regulamentadora (NR) No 23 Seção 12 Norma Regulamentadora (NR) No 24 248