Your SlideShare is downloading. ×
0
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Sistema circulatório
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Sistema circulatório

478

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
478
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
23
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Sistema circulatório
  • 2. Constituição do sistema circulatório humano O sistema circulatório sanguíneo humano é constituído:  pelo sangue,  por um órgão propulsor, o coração  e por uma série de vasos condutores de sangue – vasos sanguíneos – interligados de uma forma complexa. Ft. Sara Moreira 2
  • 3. Sangue e seus constituintes  Todo o sangue de um adulto corresponde a um volume médio de cerca de 5L e representa cerca de 8% do seu peso corporal.  O sangue é constituído por duas partes: 3. Fracção liquida; 4. Fracção figurada, ou seja constituída por células e fragmentos de células. Ft. Sara Moreira 3
  • 4. O sangue tem como principais funções: 1. Transportar nutrientes e oxigénio até às células; 3. Transportar dióxido de carbono e outros produtos tóxicos, resultantes da actividade celular, desde as células até aos órgãos de excreção. 5. Ajuda a manter e regular a temperatura do Ft. Sara Moreira corpo; 4
  • 5. Plasma  Fracção líquida do sangue é constituída por água (90 a 93%), onde se encontram dissolvidas ou em suspensão, entre outras substâncias:  Aminoácidos,  ácidos gordos,  glícidos simples (glicose nomeadamente) – resultantes da digestão de prótidos e glicidos complexos –  e vitaminas;  Produtos de excreção de células tais como:  ureia e ácido úrico;  Proteínas complexas, tais como:  a albumina,  o fibrinogénio (que, em certas condições, se transforma em fibrina),  e as imunoglobinas (que intervêm em certas reacções de defesa do organismo contra agentes infecciosos, bactérias, por exemplo);  Sais minerais; Ft. Sara Moreira  Dióxido de carbono. 5
  • 6. Plasma (cont.)  O papel do plasma é:  o transporte de nutrientes para as células,  e o transporte de dióxido de carbono e outros produtos tóxicos (resultantes da actividade celular) das células para o exterior.  O plasma está relacionado, ainda, com a coagulação sanguínea. Ft. Sara Moreira 6
  • 7. Em resumo  O sistema circulatório humano é constituído pelo sangue, por um órgão propulsor –o coração - e uma série de vasos condutores – os vasos sanguíneos.  O sangue é constituído por uma parte liquida – plasma -, por células – hemácias e leucócitos – e fragmentos de células – plaquetas sanguíneas.  O plasma, composto por água com substâncias dissolvidas (nutrientes, dióxido de carbono e outros produtos tóxicos resultantes da actividade celular), exerce papel de transporte de nutrientes para as células e, também, de dióxido de carbono e outros produtos tóxicos das células para órgãos de excreção, intervindo, ainda, na coagulação. Ft. Sara Moreira 7
  • 8. Hemácias  As hemácias ou glóbulos vermelhos são um dos dois grandes tipos de células existentes no sangue e cuja principal função é o transporte de gases.  São células especiais: não têm núcleo e estão cheias de uma substância chamada hemoglobina, que é responsável pela cor vermelha do sangue.  A hemoglobina possui a capacidade de se ligar tanto ao oxigénio como ao dióxido de carbono.  É a hemoglobina que permite às hemácias exercerem a função de transporte de gases.  Quando se encontra ligada ao oxigénio passa a chamarse oxiemoglobina e quando se encontra ligada ao dióxido de carbono o nome de carboemoglobina Ft. Sara Moreira 8
  • 9.  A separação das duas fracções pode ser conseguida deixando depositar, lentamente sangue tratado para não coagular, por adição de um anticoagulante, por exemplo vinagre, ou mais rapidamente, sujeitando o sangue a centrifugação, ou seja uma rotação rápida. Ft. Sara Moreira 9
  • 10.  Conforme o estado da hemoglobina, o sangue encontra-se:  Mais carregado de oxigénio, apresentando cor vermelha viva e tomando, então, o nome de sangue arterial;  Mais carregado de dióxido de carbono, apresentando cor arroxeada e tomando o nome de sangue venoso. Ft. Sara Moreira 10
  • 11. Leucócitos  São o outro grande tipo de células que entra na constituição do sangue.  São células incolores e possuem núcleo inteiro ou dividido em lobos. Ft. Sara Moreira 11
  • 12. Propriedades dos leucócitos  Podem permitir prolongamentos – pseudópedes – o que lhes permite atacar, directamente, os agentes infecciosos, englobando-os e digerindo-os pelo processo de fagocitose.  Conseguem atravessar as paredes dos vasos sanguíneos e vir para o seu exterior, fenómeno que toma o nome de diapedese.  O principal papel dos leucócitos é de defesa do organismo contra agentes agressores. Ft. Sara Moreira 12
  • 13.  Granulócitos – leucócitos com o núcleo dividido em lobos e granulações no citoplasma que intervêm, por fagocitose, no combate a agentes infecciosos.  Linfócitos – Leucócitos de citoplasma não granuloso e com grande núcleo que produzem substâncias para combater microorganismos.  Monócitos – Leucócitos com grande núcleo em forma de rim e funções semelhantes às dos granulócitos. Ft. Sara Moreira 13
  • 14. Plaquetas sanguíneas Plaquetas sanguíneas ou trombócitos:  Não são verdadeiras células mas sim fragmentos de células com papel de destaque na coagulação;  O que impede a saída de todo o sangue para o exterior é a chamada coagulação.  Para que ocorra a coagulação é necessária a actuação das plaquetas.  Aquando de uma situação de ruptura de um vaso sanguíneo, as plaquetas libertam, entre outros produtos, uma substância que vai provocar a transformação do fibrinogénio em fibrina.  Esta forma uma espécie de rede que estanca a hemorragia e impede a entrada de certos agentes infecciosos. Ft. Sara Moreira 14
  • 15. Ft. Sara Moreira 15
  • 16. Em resumo  As hemácias ou glóbulos vermelhos não têm núcleo e estão cheias de hemoglobina, que é responsável pela cor vermelha do sangue e pela função de transporte de gases.  Os leucócitos ou glóbulos brancos são incolores, possuem núcleo, podem emitir pseudópedes (prolongamentos citoplasmáticos), realizar fagocitose (digestão de corpos estranhos) e diapedese (atravessar a parede dos vasos sanguíneos).  O principal papel dos leucócitos é o de defesa do organismo contra agentes agressores.  As plaquetas sanguíneas têm papel de destaque na coagulação, promovendo, nomeadamente, a transformação do fibrinogénio em fibrina. Ft. Sara Moreira 16
  • 17. Sistema circulatório sanguíneo  Coração:  Tem uma forma cónica;  É constituído por uma camada muscular espessa – miocárdio.  Encontra-se interna e externamente revestido por membranas finas – endocárdio e pericárdio, respectivamente.  O seu carácter musculoso permite-lhe impulsionar o sangue, fazendo-o circular pelos vasos sanguíneos.  No homem adulto normal o coração tem o tamanho aproximado de um punho cerrado e pesa cerca de 300 g. Ft. Sara Moreira 17
  • 18.  O coração do homem (como dos restantes mamíferos) é constituído, internamente, por quatro cavidades:  Duas aurículas (direita e esquerda);  Dois ventrículos (direito e esquerdo).  Cada aurícula comunica com o ventrículo do mesmo lado, pelo orifício ariculo-ventricular:  O orifício aurículo-ventrícular direito está munido de uma válvula com três valves (pregas) que, por isso, toma o nome de válvula tricúspida;  O orifício aurículo-ventrícular esquerdo está munido de uma válvula com duas valves, a válvula bicúspida ou mitral;  A metade direita do coração está completamente separada da metade esquerda por um septo;  As aurículas têm paredes mais finas que os ventrículos e a parede do ventrículo esquerdo é mais espessa do que a do direito. Ft. Sara Moreira 18
  • 19. Ft. Sara Moreira 19
  • 20. Vasos sanguíneos  Há três tipos principais de vasos sanguíneos: artérias, veias e capilares.  Artérias e veias:  As artérias e veias são vasos de grande calibre;  As artérias têm paredes mais musculosas e levam o sangue do coração para as diferentes partes do corpo;  As veias têm paredes elásticas e pouco musculosas e transportam o sangue das Ft. Sara para diferentes partes do corpo Moreira o coração. 20
  • 21.  As duas principais artérias do corpo humano são:  A artéria aorta que comunica com o ventrículo esquerdo através de um orifício que está munido pelas válvulas semilunares dividindo-se, depois, em outras artérias que vão para a cabeça, o tronco e os membros e tomam, normalmente, o nome do órgão que vão irrigar (artéria renal, artéria hepática…);  É a artéria aorta que sai do ventrículo esquerdo e que leva o sangue para todos os órgãos do corpo à excepção dos pulmões.  A artéria pulmonar que comunica com o ventrículo direito através de um orifício que está munido pela válvula sigmóide e que, depois, se divide em dois ramos um para cada pulmão – artéria pulmonar direita e artéria pulmonar esquerda, que, em seguida, sofrem outras divisões.  Artéria que sai do ventrículo direito é que leva o sangue 21 Ft. Sara Moreira para os pulmões.
  • 22.  As principais veias do organismo humano são:  As veias cavas superior e inferior que trazem o sangue respectivamente, da parte superior e inferior do corpo e dão entrada na aurícula direita;  As veias pulmonares (duas de cada pulmão) que trazem o sangue dos pulmões para o coração e dão entrada na aurícula esquerda. Ft. Sara Moreira 22
  • 23. Arteríolas, vénulas e capilares  As arteríolas, vénulas e capilares são vasos de pequeno calibre.  Quando chegam perto dos órgãos que vão irrigar, as artérias subdividem-se em arteríolas.  As arteríolas, por sua vez, ramificam-se nos capilares arteriais, os quais se continuam pelos capilares venosos.  Estes depois, reunindo-se uns aos outros, constituem as vénulas que, reunindo-se entre si formam as veias.  Os capilares têm parede muito, muito fina, constituída por uma só camada de células.  A generalidade dos órgãos do organismo está recoberta de uma vastíssima rede de capilares, como que envolventes do órgão, e através da parede dos quais se dão trocas entre células e sangue. Ft. Sara Moreira 23
  • 24. Circulação sanguínea  O sangue percorre o corpo humano em circuito fechado, ou seja, sempre no interior dos vasos sanguíneos.  Quando algum acidente provoca a ruptura dos vasos dá-se uma hemorragia.  A hemorragia tem que ser estancada naturalmente ou com intervenção médica senão causará graves problemas e por fim morte.  O circuito fechado que o sangue executa passa pelo coração.  É este órgão que com os seus movimentos rítmicos – batimentos cardíacos – impulsiona, inicialmente, a circulação do sangue. Ft. Sara Moreira 24
  • 25. Bater do coração – ciclo cardíaco e pulsações  No homem adulto, o coração bate, em situações normais e em média, cerca de 70 vezes por minuto.  Numa criança ou jovem, o ritmo dos batimentos é um pouco maior – 80 a 90 batimentos por minuto. Ft. Sara Moreira 25
  • 26.  Os batimentos do coração manifestam-se não por um mas por dois ruídos – ruídos cardíacos – separados por um curto instante de silêncio  Ciclo cardíaco:  Cada ciclo cardíaco inclui as fases seguintes:  Diástole, que corresponde à dilatação geral de todas as cavidades do coração , durante o qual o sangue entra nas aurículas (na direita através das veias cavas e na esquerda através das veias pulmonares), e começa a passar, passivamente, das aurículas para os ventrículos;  Sístole auricular, ou seja, contracção das aurículas com passagem forçada do resto do sangue nelas contido para os ventrículos e fecho das portas de comunicação entre as aurículas e ventrículos, ou seja, as válvulas auriculo-ventrículares.  Sístole ventricular – que corresponde à contracção dos ventrículos com passagem do sangue para a artéria aorta (no caso do ventrículo esquerdo) e da artéria pulmonar (no caso do ventrículo direito) e fecho das portas de saída dos ventrículos, quer dizer, das válvulas sigmóides, que existem nos início daquelas artérias. Ft. Sara Moreira 26
  • 27.  O fim de um ciclo coincide com o início do seguinte.  Os ciclos cardíacos continuam-se, ininterruptamente, desde que nascemos até que morremos. Ft. Sara Moreira 27
  • 28. Dupla circulação  Circulação do sangue em dois circuitos diferentes.  Um dos círculos – pequena circulação – consiste na ida de sangue venoso aos pulmões, onde se vai transformar em sangue arterial e, depois, no seu regresso ao coração.  O outro circuito – grande circulação – consiste na ida do sangue arterial desde o coração até às diferentes partes do corpo onde ele vai passando de arterial a venoso, regressando, depois ao coração. Ft. Sara Moreira 28
  • 29. Grande circulação  Começa no ventrículo esquerdo.  A parede mais musculosas deste ventrículo está relacionada com a sua função de impulsionar o sangue para locais do corpo mais afastados.  O sangue arterial, impulsionado pela contracção do referido ventrículo, durante a sístole ventrícular, sai para a artéria aorta.  Esta ramifica-se em artérias que vão para a cabeça, membros inferiores, coração, parte inferior do corpo, e membros inferiores.  Através destas ramificações da aorta o sangue arterial seguirá para todas as partes do corpo com excepção do pulmão.  Ao chegar aos órgãos que vão irrigar, as artérias vão-se dividindo noutras cada vez mais finas e estas arteríolas, as quais, por sua vez, se subdividem numa rede de capilares arteriais, que envolve os órgãos.  Os capilares arteriais continuam por outros, os capilares venosos. Ft. Sara Moreira 29
  • 30.  É ao nível dos capilares que se dão as trocas entre o sangue e o interior das células.  Passam oxigénio e nutrientes dos capilares arteriais para o interior das células e dióxido de carbono e outros produtos de excreção das células para os capilares venosos.  Os capilares venosos reúnem-se para formar as veias.  O sangue que, entretanto, passou de arterial a venoso, vai pelas diversas veias até chegar ás veias cavas superior e inferior.  A veia cava superior recolhe o sangue da parte superior do corpo e a veia cava inferior o sangue da parte inferior do corpo.  As duas veias cavas abrem-se na aurícula direita que é a cavidade do coração onde vai desaguar o sangue venoso, durante a diástole.  O sangue irá, depois passar ao ventrículo direito e irá dar-se inicio à pequena circulação. Ft. Sara Moreira 30
  • 31. Pequena circulação  Começa no ventrículo direito.  O sangue venoso impulsionado pela contracção do ventrículo direito, sai para a artéria pulmonar, durante a sístole ventrícular.  Esta ramifica-se em artérias que vão para os dois pulmões.  As artérias pulmonares ramificam-se sucessivamente, até formar os capilares arteriais que envolvem os alvéolos pulmonares.  Estes continuam-se capilares venosos alveolares, que envolvem os alvéolos pulmonares.  É ao nível dos capilares alveolares que se dão as trocas gasosas entre o sangue e o ar contido nos alvéolos.  O sangue venoso absorve oxigénio e liberta dióxido de carbono, transformando-se em sangue arterial.  O sangue arterial vai pelas veias pulmonares até à aurícula esquerda onde entra durante o período de diástole.  Em seguida, irá passar ao ventrículo esquerdo, durante a diástole e sístole auricular.  Tudo se irá então repetir, de novo, início à grande circuçlação. Ft. Sara Moreira 31
  • 32. Pressão sanguínea e velocidade de circulação do sangue  O sangue exerce força sobre as paredes do coração e dos vasos onde é lançado.  Esta força que o sangue exerce sobre as paredes dos vasos considerada por unidade de superfície toma o nome de pressão sanguínea e pode ser medida em mm Hg.  A pressão sanguínea faz-se sentir mais intensamente nas artérias porque:  Por um lado, elas recebem sangue impulsionado pelo coração sobre pressão;  Por outro lado, forçadas a distender-se por acção da força que o sangue exerce sobre elas, em cada local, as suas fortes paredes musculares, reagem contraindo-se, o que faz com que a pressão do sangue sobre a parte seguinte da parede da artéria se vá mantendo elevada. Ft. Sara Moreira 32
  • 33.  Estando, em parte, dependente da impulsão que o coração imprime ao sangue, a pressão arterial oscila entre dois valores típicos:  um mais elevado, correspondendo à fase de sístole ventrícular – pressão sistólica –  e outro mais baixo, relacionado com a fase de diástole - pressão diastólica. Ft. Sara Moreira 33
  • 34. Principais factores que determinam a circulação do sangue nas veias  Compressão das veias pelos músculos;  O fecho sistemático das válvulas venosas que impedem o sangue de refluir;  Os movimentos da caixa torácica durante a inspiração e a expiração;  Efeito de aspiração do coração sobre as veias cavas e pulmonares aquando da diástole. Ft. Sara Moreira 34

×