Your SlideShare is downloading. ×
Projeto: Habilidades de vida na escola
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Saving this for later?

Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime - even offline.

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Projeto: Habilidades de vida na escola

6,416
views

Published on

Projeto aplicado na Escola Estadual de Ensino Médio Santana - Antônio Prado - RS

Projeto aplicado na Escola Estadual de Ensino Médio Santana - Antônio Prado - RS

Published in: Education

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
6,416
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. ESCOLA ESTADUAL DE ENSINO MÉDIO SANTANA Decreto de Criação Nº 8652 de 11/02/58 - D.O. 04/03/58 Decreto de Reorg. Nº 26.174 de 08/11/77 - D.O. 04/03/77 Decreto de Tranf. e Desig. Nº 40.572 de 05/01/01 - D.O. 08/01/01 Parecer Aut. Func. Ens. Médio Nº 118 d 05/12/01 - D.O. 13/12/01 Vila Santna – Antônio Prado, RS – Fone: 54 3811 1031 E-mail: escolasnt@yahoo.com.br PROJETO 1 Identificação: Escola Estadual de Ensino Médio Santana- Antônio Prado – RS 1.2 Título do Projeto:Habilidades de Vida na Escola .3 Local de Realização: Escola Estadual de Ensino Médio Santana 1.4 Responsável: Professora da Sala de Recursos e Coordenadora Pedagógica: Renata CarraZulian 1.5 Período de execução : março a novembro de 2011 1.6 Área de Abrangência/Publico Alvo: Alunos regularmente matriculados noCurrículo por Atividade constando a Educação Infantil (10 alunos),1º (10 alunos), 2º( 15 alunos), 3º (15 alunos), 4° (18 alunos) e 5° ano ( 6 alunos) do EnsinoFundamental de 9 anos.
  • 2.  2. Delimitação do Tema: Trabalhando Habilidades de Vida na Escola Habilidades de vida na escola são capacidades para comportamento adaptativo positivo, que possibilita-nos negociar de forma eficaz as demandas e desafios do cotidiano. Envolvem habilidades pessoais que potenciarão as relações interpessoais. A Organização Mundial da Saúde (OMS) sugere O Programa de Ensino de Habilidades de Vida, consistindo em desenvolver capacidades emocionais, sociais e cognitivas que podem ajudar os alunos a lidar melhor com situações conflituosas do cotidiano. As habilidade sugeridas pela OMS são: autoconhecimento, relacionamento interpessoal, empatia, lidar com os sentimentos, comunicação eficaz, estresse,pensamento crítico, pensamento criativo, tomada de decisão e resolução de problemas (WHO, 1997). As intervenções podem ter melhores resultados para os alunos quando os aspectos afetivos, cognitivos e sociais são inter-relacionados e as informações repassadas de maneira abrangente. Segundo o Ministério da Saúde (Brasil, 1999), às informações são mais eficientes quando associadas à “educação de habilidades para a vida, para auto-estima, para o senso de responsabilidade e confiança”.
  • 3.  As intervenções, no contexto escolar, voltadas para a promoção de saúde, adotam uma visão integral do ser humano, considerando-o inserido no âmbito familiar, comunitário e social. Dentro dos Parâmetros Curriculares do Ensino Fundamental, eixo base para o trabalho do professor, são apresentados os temas transversais. Assim: “A transversalidade diz respeito à possibilidade de se estabelecer, na prática educativa, uma relação entre aprender na realidade e da realidade conhecimentos teoricamente sistematizada (aprender sobre a realidade) e as questões da vida real e sua transformação (aprender na realidade e da realidade).” (Documento PCNs TEMAS TRANSVERSAIS, p. 30) Dentro dos temas transversais foram abordados: a ética, pluralidade cultural e a saúde. Ética constitui um dos temas transversais propostos nos Parâmetros Curriculares Nacionais (PCN/MEC) e reflete a preocupação com a constituição de valores de cada aluno, ajudando-o a se posicionar nas relações sociais dentro da escola e da comunidade como um todo. São quatro blocos temáticos principais: respeito mútuo, justiça, diálogo e solidariedade. Dentro do tema Pluralidade Cultural foram abordados: a convivência em grupo, respeito às diferenças e a diversidade. O tema Saúde, também contribui e reforçou o trabalho a ser desenvovlido pois neste caso foram abordas questões como: bem estar físico, psíquico e social; interação do homem com o meio ambiente e o social, autocuidado.
  • 4.  Educação do futuro: “aprender a conhecer”, “aprender a atuar”, “aprender a viver junto”, e aprender a ser” (SERRANO, 1997). Assim, o professor na relação com os alunos em sala de aula deve ser um facilitador na busca do educando em sempre querer e desejar o conhecimento, na sua atuação na sociedade, na relação com o outro e no desenvolvimento do seu ser como pessoa na construção coletivo social. No Projeto Político Pedagógico da nossa escola também encontramos um dos objetivos do Ensino Fundamental que está relacionado com o projeto desenvolvido: Habilidade de Vida, que nos diz: fortalecimento dos vínculos da família, dos laços de solidariedade humana e de tolerância recíproca em que se assenta a vida social. A patir do trabalho com estes temas, pode-se intervir de forma permanente e sistemática no desenvolvimento dos alunos, a fim de compreender e trabalhar seus comportamentos no contexto amplo de seu desenvolvimento afetivo, cognitivo, moral e social, justificando a implementação deste projeto.
  • 5.  2- Objetivos: 2.1: Objetivo Geral: -Promover a qualidade de vida através de ações educativas e informativas propondo às crianças falar e refletir sobre as chamadas Habilidades de Vida, trabalhando temas como: autoconhecimento, relacionamento interpessoal, empatia, sentimentos, comunicação eficaz, estresse, pensamento crítico e criativo, tomada de decisão e resolução de problemas. 2.2 Objetivos Específicos: - Trabalhar com as habilidades de vida na escola; - Reconhecer em si e nos outros diferentes sentimentos, conseguindo nomeá-los e expressá-los; - Respeitar e saber lidar com os sentimentos, seus e do outro; - Ampliar o autoconhecimento e os relacionamentos saudáveis; - Oportunizar o conhecimento pessoal, para depois poder entender o outro e o grupo.
  • 6.  3. Justificativa A partir dos atendimentos dos alunos matriculados na Sala de Recursos e do acompanhamento aos pais e professores, percebeu-se a dificuldade de relacionamento e expressão emocional das crianças, tanto na escola como no grupo familiar. Pela falta de conhecimento e habilidades em lidar com as questões emocionais acabavam gerando conflitos entre colegas, professores e familiares. Embasada no enfoque da Educação Inclusiva, a Sala de Recursos serviu como meio para desenvolver este trabalho terapêutico de apoio aos alunos em sala de aula. Sabe-se que os aspectos afetivos e cognitivos estão interligados no ser humano, bem como nos processos de aprendizagem. Assim, cabe a escola trabalhar além dos conteúdos curriculares, as habilidades de vida. Este projeto ocorreu na escola, contemplando num total de 74 crianças de seis a onze anos de idade. Caracterizou-se como um projeto preventivo e terapêutico, cujas ações são contínuas e cada turma contou com atividades especificas elaboradas para sua fase do desenvolvimento. Estas atividades tiverem o intuito de propiciar às crianças condições de resiliência às situações de vulnerabilidade social, exposição a condições de risco como fácil acesso ao álcool e outras drogas bem como, comportamentos agressivos e hostis, além de superar as dificuldades já citadas. O trabalho com as “Habilidades de Vida” pretende mediar à formação de futuros cidadãos, bem integrados e conscientes de seus valores próprios e de mundo, para que estejam capacitados a fazer escolhas saudáveis para si, para os outros e para o meio ambiente como um todo.
  • 7.  O objetivo do trabalho é auxiliar as crianças a terem uma relação positiva com os pais, assertividade para manter um bom diálogo, desenvolver a capacidade de expressar sentimentos e condutas positivas e auxiliando na formação de auto-conceito. Desta forma, procurar unir a estrutura emocional e intelectual considerando a preocupação com a complexidade de sua existência, do ambiente cultural e das relações interpessoais que condicionam sua vida. A Organização Mundial de Saúde (OMS) vem apoiando o desenvolvimento de programas que reduzam comportamentos de risco e aumentem cuidados com a saúde física e mental, assim como propõe o trabalho com as chamadas Habilidades de Vida, que consiste em capacidades para comportamentos adaptativos positivos que possibilitam negociar eficazmente as demandas e desafios do cotidiano. Envolvem habilidades pessoais que potencializarão as relações interpessoais.
  • 8.  4. Metodologia/Materiais A intervenção foi realizada em contexto grupal, sendo desenvolvida uma habilidade de vida por encontro. As técnicas usadas para facilitar o ensino das Habilidades de Vida, incluem interação grupal, dramatizações, dinâmicas de grupo, jogos, discussões e atividades em pequenos grupos. Com a finalidade de acompanhar esse processo, foi definida a sequencia em que as habilidades de vida seriam apresentadas na intervenção: autoconhecimento, relacionamento interpessoal, empatia, lidar com os sentimentos, comunicação eficaz, pensamento crítico, pensamento criativo, estresse, tomada de decisão e resolução de problemas. É importante que todas as habilidades sejam desenvolvidas, uma vez que elas são interligadas e se complementam.
  • 9.  A escola percebendo a necessidade de criar um elo mais positivo com a família para ajudar na questão acima descrita, promoveu vários encontros com os pais dos referidos alunos. Os encontros foram realizados na escola, mensalmente, num período de duas horas cada encontro, sendo ministrados pela psicóloga Charline Lovison e a professora da Sala de Recursos. Nesses encontros, os pais tiveram a oportunidade de conhecerem melhor e entrarem em contato de como manter uma interação saudável na esfera familiar, proporcionando um desenvolvimento mais saudável para seu filho, tanto a âmbito familiar, escolar e social. Todos os trabalhos terapêuticos desenvolvidos tanto para os alunos como para os pais, procuraram de certa forma oportunizar e resgatar situações de vida diária e procurar novos caminhos para lidar com as habilidades de vida.
  • 10.  5. Cronograma de Atividades A intervenção realizada em contexto global, consistiu em 20 encontros quinzenais de uma hora e quinze minutos de duração em cada turma.
  • 11.  6. Descrição Detalhada da Experiência A seguir serão apresentados os conceitos das habilidade de vida (Fallas &Vargas, 1999; Gorayeb & cols, 2003; WHO, 1997) e a descrição detalhada das estratégias de trabalho em grupo desenvolvidas. Autoconhecimento é a capacidade de reconhecimento que cada indivíduo tem de si mesmo, das suas habilidades e limites. Foi desenvovida com o uso da dimâmica “ CAIXA DOS ANIMAIS”. Com os participantes em círculo, o coordenador apresenta uma caixa com figuras de diferentes animais. Em seguida, os participantes são orientados a escolher uma figura com o qual se indentifiquem. Todos devem se apresentar e explicar por que escolheram a figura. Posteriormente, é realizada uma dsicussão a, respeito da importância de reconhecer atitudes e características pessoais e de refletir sobre o processo de autoconhecimento. No momento em que os participantes têm que escolher uma figura que os represente e pensar em suas características pessoais, eles são estimulados à introspecção.
  • 12.  Outra atividade realizada foi “Auto-Inventário”. Cada participante recebeu uma folha onde deveriam escrever: -Coisas que eu sei fazer bem, que tenho facilidade.- Coisas que não tenho muita facilidade, que são mais difíceis. Em seguida escreveram um texto: Eu sou assim... Também fizemos o trabalho “Resumo de Colagem”. Onde as crianças procuraram em revistas gravuras das coisas que gostam. Passar história no computador; “As Cores Do Amor’. No final ter um espelho para cada um poder se observar e ver o quanto são bonitos, inteligentes, especiais.. Desenho do eu e escrever coisas boas que tenho e faço. Leitura da história: “Se Ligue em Você II”.(Luiz Antonio Gasparetto) Após distribuir pequenos espelhos para que se observem e que são as pessoas mais importantes e especiais.Após cada um irá fazer auto-retrato, escrevendo as coisas que mais gosta de fazer. Apresentar para o grande grupo. Estas atividades possibilitam o aprimoramento da habilidade, pois favorece o processo de auto-observação. O autoconhecimento pode melhorar o respeito a si mesmo, ajudar nas escolhas pessoais e facilitar o relacionamento interpessoal.
  • 13. Trabalho 3º Ano
  • 14. Trabalho 1º Ano
  • 15. Trabalho 4º Ano
  • 16.  Relacionamento interpessoal é a habilidade para fazer, manter, aprofundar e terminar relacionamentos, a qual foi desenvolvida a partir da apresentação da história em computador: “O Pássaro sem Cor”. Depois aplicar a técnica das cores. Foi anexado no quadro identificando as cores e seus significados: AZUL- responsável PRETO- ajuda ROSA- quieto VERDE – amigo AMARELO – não se importa com as coisas Utilizando-se das mesmas cores, mas agora recortadas em pedacinhos, distribuídas em cada prato uma cor. Cada participante, ao som de uma música recebeu um coração que foi pendurado no pescoço voltado para trás. Os participantes colaram os pedacinhos de papéis que identificassem a pessoa como ela é seguindo a tabela feita no quadro, todos colam em todos.
  • 17.  Leitura da história:”Na minha escola tudo mundo é igual.” Discutimos e conversamos sobre a importância em saber respeitar o outro. Que cada um tem seu ritmo, alguns são mais rápidos, outros mais demorados. Alguns são mais magros, outros são gordos. Cada um foi dando a sua contribuição e íamos discutindo conforme as questões que ia surgindo no grupo. Procurando desta forma fazer o grupo pensar e refletir. Discutimos se na escola todo mundo era igual. Que lugar ocupamos no mundo? Estas atividades propiciaram a percepção de que algumas características físicas (como aparência) são apreciadas ou rejeitadas, permitindo especialmente uma reflexão sobre como os estereótipos e rótulos permeiam o relacionamento humano. Identificar que as idéias preconcebidas ou preconceituosas fazem parte das relações cotidianas pode minimizar possíveis prejuízos nos relacionamentos interpessoais. Discute-se também a importância do respeito as diferenças individuais e como isto pode melhorar os relacionamentos.
  • 18. Trabalho 5º Ano
  • 19.  Empatia é a capacidade de se colocar no lugar do outro, imaginando com este se sente, procurando compreender e não julgar. Foi desenvolvida como dinâmica “SITUAÇÕES DA VIDA REAL”. Alunos em círculo, distribuir para cada aluno uma afirmação (por exemplo, minha avó me bateu e eu fiquei com hematomas no corpo e fiquei muito triste) sendo que esta foi elaborada conforme os pontos negativos que iam surgindo nos nossos encontros realidades/dificuldades da turma em lidar com situações da vida real. Cada aluno lia a sua afirmação, dava a sua opinião e o grande grupo também contribuía dando suas idéias ou encontrar formas para lidar ou o que a pessoa poderia fazer para lidar com aquela situação. Discute-se o conceito empatia, o que facilita e o que dificulta a capacidade de colocar-se no lugar do outro.
  • 20.  Leitura história: “Fantasia”( Descobrindo Crianças- Violet Oaklander, pag.17) pedindo que o grupo feche os olhos que iremos fazer uma viagem imáginária da fantasia. Quando tivermos acabado vocês irão abrir os olhos e desenhar alguma coisa que esteja no fim da viagem. Apresentar para o grande grupo, descrevendo seu desenho. Conforme iam apresentado, as outras crianças faziam perguntas. Então pedia que falassem sobre o seu lugar: Como você se sentiu nesse lugar? Você se sente bem ou não? Como é esse lugar? Procurando entender o lugar que ocupam e o ponto onde elas se encontram em suas vidas. Essas atividades procuraram de certa forma, despertar e aumentar a capacidade de entender e aceitar o que motiva o comportamento das pessoas. Exercendo a empatia podemos aumentar a capacidade de compreender o outro, diminuir julgamentos e melhorar nossos relacionamentos.
  • 21.  MINHA AVÓ ME BATEU E FICARAM MARCAS  MEU PAI SÓ GRITA COMIGO PORQUE FAÇO NO MEU CORPO E FIQUEI MUITO TRISTE. AS COISAS ERRADAS E EU FIQUEI MEUS PAIS NÃO ME EXPLICAM AS COISAS ABORRECIDA. E NUNCA SEI SE O QUE FAÇO ESTÁ CERTO  NA ESCOLA ACHO QUE TUDO MUNDO TEM OU ERRADO. QUE ME AJUDAR PORQUE NÃO SEI FAZER. MINHA MÃE FAZ TUDO POR MIM, NÃO  CONCORDO COM TUDO O QUE OS OUTROS TENHO QUE ME PREOCUPAR COM NADA. FALAM E NÃO SEI DAR A MINHA OPINIÃO. NA SALA DE AULA NUNCA DOU MINHA  ÀS VEZES AS PESSOAS NÃO QUREM SER OPINIÃO E A PROFESSORA RECLAMA POR ELAS MESMAS E SIM OUTRA PESSOA. EM ISSO. SUA OPINIÃO POR QUE ISSO ACONTECE? A PROFESSORA DÁ UMA ATIVIDADE, NÃO  NÃO ESTOU CONSEGUINDO ME SEI COMO FAZER, AO INVÉS DE CONCENTRAR NA AULA. O QUE DEVO PERGUNTAR FAÇO DO MEU JEITO SEM FAZER? SABER SE ESTÁ CERTO OU ERRADO.  TUDO O QUE A PROFESSORA EXPLICA, COMEÇO A FAZER UMA ATIVIDADE E NÃO PARECE QUE ENTENDI, MAS NA HORA DE A TERMINO, VOU E FAÇO OUTRA COISA FAZER A ATIVIDADE, NÃO SEI MAIS. O QUE TAMBÉM DEIXANDO DE LADO. NO FINAL ESTÁ ACONTECENDO COMIGO? COMO FICAM AS COISAS?  LÁ NA MINHA CASA NINGUÚEM ME DÁ QUANDO ALGUMA COISA NÃO DÁ CERTO BOLA E EU FICO MUITO ABORRECIDO. OU NÃO CONSIGO FAZER, DESISTO E FICO IRRITADO.
  • 22. Trabalho 5º Ano
  • 23.  Lidar com os sentimentos diz respeito, à capacidade de reconhecer as próprias emoções e as do outro; tomar consciência de quanto elas influenciam o comportamento e como manejá- las adequadamente. Esta habilidade foi desenvolvida a partir da dinâmica “Emocionódromo”. Os prórpios alunos confecionaram ou recortaram de revistas as expressões faciais que representavam (alegria, tristeza, medo, raiva, assustado). Sempre no início dos nossos encontros avaliavam como estavam e mostravam a sua carinha, de como estavam naquele momento e em seguida verbalizavam o porquê.
  • 24.  Também foi feita a leitura da história:” Passeando pelo arco- íris”(Toc, Toc...Plim,Plim!- Lidando com as Emoções e Brincando com o Pensamento- Angela Rodrigues Virgolim, Denise de Souza Fleith e Mônica Souza Neves-Pereira, pag, 77). Nesse momento, os alunos são convidados a fechar os olhos, respirar fundo e relaxar o corpo. Os alunos são convidados a fazerem uma viagem pelo mundo das cores. Procurem ficar atentos às sensações que surgirem e a todas as imagens que se formarem na sua mente, enquanto viajamos pelo mundo das cores. Em seguida fazer um desenho do que mais gostou em sua viagem e o que você encontrou no final do arco-íris. Após compartilhar com os colegas. Em seguida procure lembrar e relacionar as cores com alguma coisa que você lembra. Representar desenhando o corpo humano, tentando relacionar o que cada cor representa para mim, após pintar as partes do corpo com os sentimentos relacionados. Leitura da história: “A Caixa de Pandora”. Conversa sobre a história, onde a mesma trata dos sentimentos. Ter um caixa contendo vários sentimentos e cada um deverá escolher aquele que se identificar, explicando o porque. As atividades demonstram a importância de reconhecer os sentimentos, de identificar as crenças que os afetam e refletir sobre maneiras de lidar com as emoções.
  • 25. Trabalho 1º Ano
  • 26. Trabalho 3º Ano
  • 27. Trabalho 3º Ano
  • 28. Trabalho 3º Ano
  • 29.  Lidar com o stresse compreende a capacidade de reconhecer as fontes de estresse e indentifcar as ações para reduzí-las ou eliminá-las. Foi desenvolvida a partir do conto do livro: “Se Ligue em Você I”(Luis Antonio Gasparetto) os alunos realizaram a atividade, registrando dentro de duas estrelas: Minha Luz Fica Acessa Quando... Minha Estrela se Apaga Quando... Após apresentação para o grande grupo. Leitura da história: “Fico com Raiva Quando”, após os alunos são convidados a escrever em uma folha dividida ao meio: “Fico com Raiva Quando” e do outro lado:” O que eu posso fazer para melhorar ou amenizar as situações citadas?”.
  • 30.  Outra atividade desenvolvida foi com a música “Escravos de Jô”. Em círculo, cada participante fica com um toquinho (ou qualquer objeto rígido). Primeiro passo é que todos saibam a letra da música. Depois se inicia o processo do jogo. Os escravos de jó jogavam cachangá (passando seu toquinho para o outro da direita); os escravos de jó jogavam cachangá (passando seu toquinho para o outro da direita); Tira (levanta o toquinho), põe (põe na sua frente na mesa), deixa o zé pereira ficar (aponta para o toquinho na frente e balançao dedo). Guerreiros com guerreiros fazem zigue-zigue (passando seu toquinho para o outro da direita), zigue-zigue (volta seu toquinho da direita para o colega da esquerda), zá (volta seu toquinho para o outro da direita) (Refrão que repete duas vezes). Estas atividades possibilitam aos participantes a identificação dos fatores estressores e uma discussão sobre maneiras adequadas e inadequadas de lidar com o estresse, considerando as consequencias para a saúde.
  • 31. Trabalho 5º Ano
  • 32. Trabalho 5º Ano
  • 33. Trabalho 4º Ano
  • 34. Trabalho 4º Ano
  • 35.  Pensamento criativo é a capacidade de explorar alternativas disponíveis. Esta habilidade ajuda a responder com flexibilidade às situações diárias. Essa capacidade é desenvolvida a partir da história em pps: “O Cavalinho e a Borboleta”. Explorar o texto: Como é uma borboleta? Como é o cavalinho? Depois trazer para a vida pessoal, real de cada um. Dividir a folha de um lado escrever: “Coisas que faço bem ” do outro: “Coisas que preciso melhorar”. Apresentação para o grupo e soluções para tentar resolver o problema, o que eu posso fazer. Outra atividade realizada foi “ Desenhando o meu monstro”. Solicitar que pensem num monstro. Que tamanho teria, forma, cor, corpo, se teria som ou não,... Desenhar este monstro que pensaram. Dar um nome para o monstro. Descrever o monstro. Imaginar que o monstro tem uma característica especial. Nos dias impares ele fica impssível e apronta todas, mas nos dias pares ele se arrepende e tenta consertar aquilo que fez de errado. O monstro ficou muito famoso no lugar onde vivia. Claro que você, como repórter, precisa entrvistá-lo. Pense e transcreva para o espaço abaixo as perguntas que você faria para o monstro e sus respostas. Aproveite que hoje ele está bonzinho, portato, faça todas as perguntas que quiser. Estas atividades possibilitam perceber que, ao julgar as idéias a priori, impede-se o processo criativo. Este, por sua vez, permite encontrar alternativas diferentes das habituais para resolver os problemas do dia-a- dia.
  • 36. Trabalho 3º Ano
  • 37. Trabalho 2º Ano
  • 38. Trabalho 2º Ano
  • 39. Trabalho 2º Ano
  • 40. Trabalho 1º Ano
  • 41.  Tomada de decisão é a habilidade que permite analisar os benefícios, riscos e conseqüências de uma situação. Favorece a escolha da alternativa que leve ao sucesso da ação. Foi desenvolvida a partir da leitura da história: “Fico Feliz Quando”. Após escrever num mini-livro as seguintes afirmações: FICO FELIZ QUANDO... FICO TRISTE QUANDO... SINTO RAIVA QUANDO... FICO ASSUSTADO OU COM MEDO QUANDO... Dramatizar situações de diferentes contextos familiares. Dividir os alunos em dois grupos, sendo que um mostrará cenas de uma família onde o grupo familiar se dá bem e o outro onde as pessoas só brigam, se xingam, não existe o diálogo. Após perguntar como cada um se sentiu desempenhando o papel (pai, mãe, irmãos, vô,vó..). Finalizar o trabalho dialogando com eles que existem diferentes tipos de famílias e jeitos diferentes das pessoas se tratarem e conviverem juntas. Dessa maneira, procurou-se e fez-se com que os alunos refletissem da necessidade do diálogo, dos combinados, de ser verdadeiro, de saber tomar decisões assertivas tanto na escola, em casa, na comunidade, enfim em qualquer ambiente. Garantindo com isso maiores chances de conseqüências positivas. Também discutiu-se o inverso, que quando eu escolho emoções e decisões negativas( brigas, ofensas, discussões), isso me leva ao arrependimento e culpa, tendo conseqüências indesejáveis e por vezes difíceis de serem superadas.
  • 42. Trabalho Pré
  • 43. Trabalho Pré
  • 44. Trabalho Pré
  • 45. Trabalho Pré
  • 46. Trabalho Pré
  • 47.  Resolução de problemas é a habilidade de enfrentar construtivamente as situações adversas, utilizando capacidades pessoais e recursos do meio. Foi desenvolvida a paritr da leitura da história: “ A Lojinha Mágica” ”(Toc, Toc...Plim,Plim!- Lidando com as Emoções e Brincando com o Pensamento- Angela Rodrigues Virgolim, Denise de Souza Fleith e Mônica Souza Neves-Pereira, pag, 86).. Procurem ficar relaxado, com os olhos fechados, respire fundo, corpo relaxado e se envolva na leitura. Após desenhar o objeto que você trouxe para salvar o mundo e o que você deu em troca para o dono, sabendo que o mesmo não queria dinheiro. Desenhe o objeto que você encontrou para salvar o mundo e o que você deu em troca para o dono. Após compartilhar com os colegas. Essa atividade demonstra que a habilidade de resolução de problemas está associada a um processo, e não necessariamente à sorte ou intuição. Esse processo demanda, dentre outras coisas, habilidade de pensamento crítico e criativo e capacidade de tomar decisões.
  • 48. Trabalho 2º Ano
  • 49. Trabalho 2º Ano
  • 50.  Resultados Atualmente vivemos, em uma sociedade imediatista, que deseja obter sucesso instantaneamente, mas na área de prevenção os resultados são alcançados qualitativamente, isto significa que as atitudes cotidianas das crianças não sofrem alterações bruscas que possam ser medidas. O projeto vai além do que está visível a olho nu, porque estamos trabalhando com habilidades de vidas. É esperado que futuramente estejam aptos a mudarem padrões estabelecidos para os que julgarem mais saudáveis. Este trabalho de intervenção com ensino de habilidades de vida possibilitou vivências que, ao serem refletidas e partilhadas, proporcionaram um aprendizado pessoal e grupal, favorecendo o autoconhecimento, a reflexão, o relacionamento interpessoal, aprimoramento das competências necessárias para ajudá-los na resolução de problemas do cotidiano, desenvolvimento da consciência crítica, o exercício de escuta e compreensão do outro como um ser diferente e a tomada de decisão de modo consciente e crítico. Além disso, a metodologia participativa contribuiu para aumentar a motivação e interesse pelas atividades, facilitando as discussões e proporcionando a integração do grupo. Contribuímos com as crianças em falar sobre si mesmas, sobre seus sentimentos, suas crenças e atitudes, sendo fundamental para a aquisição das habilidades que os fortaleceu diante das diversas situações do cotidiano. Os aspectos afetivos, cognitivos e sociais que influenciam o comportamento humano foram contemplados nesta intervenção com as habilidades de vida, caracterizando-se como uma intervenção em promoção da educação.
  • 51.  Avaliação A Organização Mundial de Saúde (OMS) sugere a utilização do modelo Habilidades de Vida, o qual se configura como um processo de desenvolvimento de competências psicossociais consideradas essenciais para o desenvolvimento humano. Nesta perspectiva, a instituição escolar tem sido apontada como palco privilegiado para a realização de intervenções de tal natureza. Entendemos que, o Projeto Habilidades de Vida caracteriza-se como uma importante ferramenta para capacitar crianças para a vida; pois, como afirma Castellanos (2001), inserir o modelo de habilidades de vida nas escolas deve-se às mudanças ocorridas nos últimos anos na cultura mundial, o que tem refletido nos estilos de vida da população. Em função dessas transformações observa-se que crianças e adolescentes de hoje não estão suficientemente competentes para enfrentar os enormes desafios e pressões do mundo contemporâneo. Esta proposta mostra-se totalmente viável, mesmo que o resultado seja visível a médio e longo prazo, por se tratar de uma ação preventiva que integra comunidade, escola e família em prol da formação de cidadãos mais conscientes, capazes de obterem qualidade de vida, já que apontam melhorias na auto estima, identidade e valores morais, mudanças positivas em pontos da dinâmica familiar e escolar. Dentro desta perspectiva apresentada trabalhar com prevenção é a melhor maneira de propor crescimento com qualidade.
  • 52.  Considerações Finais Assim diante do exposto feito até aqui, acredita-se que este modelo de trabalho terapêutico e de intervenção com as habilidades de vida se caracteriza como uma importante estratégia para trabalhar com as crianças, pois pode torná-los mais competentes psicossocialmente, influenciando a sua qualidade de vida. Procuramos de maneira especial estimular comportamentos saudáveis, o desenvolvimento da autonomia e da cidadania, a fim de tornar crianças mais capacitadas para enfrentar as demandas do cotidiano, contribuindo para o crescimento emocional, cognitivo e social no sentido de ter ajudado a desenvolver as habilidades de vida presentes em nossas vidas. Partindo da premissa de que todos somos seres únicos e especiais, o educando sentirá o quanto ele é importante e que também deve colaborar para que todos se sintam engajados e valorizados por aqueles que estão ao seu lado. A partir do momento em que as crianças interagem os novos saberes das habilidades de vida, eles se tornarão seres humanos melhores, mais pacientes em relação às limitações alheias e cidadãos mais conscienciosos de seus direitos e deveres.
  • 53.  Referencias Bibliográficas PARÂMETROS CURRICULARES NACIONAIS - Secretaria de Educação Fundamental. -- Brasília: MEC/SEF, 1997. SERRANO, Glória Pérez. Educação em valores: como educar para a democracia. Trad. Fátima Murad. 2. ed. Porto Alegre: Artmed, 2002. BRASIL. MEC. Ética e cidadania: construindo valores na escola e na sociedade. Disponível em: . Acesso em:16deout.de 2007. Bolsoni-Silva, A. T., & Marturano, E. M. Práticas educativas e problemas de comportamento: Uma análise à luz das habilidades sociais. (2002). Fallas &Vargas, 1999. Habilidade para la vida. Reunion de habiidades para La vida y desarollo humano. Gorayeb & cols. Promoção de saúde na adolescência experiência com programas de ensino de habilidades de vida. Em Z.A. Trindade. & A.N. Andrade(Orgs). Psicologia e saúde de campo em construção (PP.89-110). São Paulo: Casa do Psicólogo. ( 2003). OMS – Organização Mundial de Saúde (1997). Life skills education for children and adolescents in schools. Geneve: OMS. Fallas. H., & Vargas, G. (1999). Habilidades para la vida. OPS Organização Panamericana de Saúde, Reunion de habilidades para la vida y desarrollo humano, Washington D.C. OPS (versão “draft”). UNESCO. Programa Aprender para o Século XXI. Construindo Saberes. Referências Conceituais e metodologia do Programa Abrindo Espaços: educação e cultura para a paz (2000). CARVALHO, Rosita Edler. Educação Inclusiva: com os pingos nos “is”, Porto Alegre, Madiação, 2004, Capítulo 9 e 10. Antunes, C. (1999). Manual de técnicas de dinâmica de grupo de sensibilização de ludopedagogia. Petrópolis: Vozes