Your SlideShare is downloading. ×
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Algumas razões para investir no paraguai
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Algumas razões para investir no paraguai

427

Published on

Descubra as excelentes oportunidades de investimento que só o Paraguai oferece

Descubra as excelentes oportunidades de investimento que só o Paraguai oferece

Published in: Investor Relations
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
427
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
19
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Algumas razões para investir no Paraguai Localização geográfica estratégica O Paraguai está situado num lugar geográfico privilegiado pela confluência de um sistema fluvial importante (Hidrovia dos rios Paraguai e Paraná), e no meio do corredor bio oceânico que permite o fácil acesso aos mais importantes portos e mercados da região. Estabilidade macroeconômica Paraguai possui um ambiente saudável para o investimento, caracterizado pela economia previsível a níveis controlados de inflação (2,8% em 2004). O país está cumprindo minuciosamente o conteúdo de um acordo stand by com o FMI, o que lhe valeu qualificações satisfatórias para novos empréstimos de organismos financeiros internacionais como o Banco Mundial e o Banco Interamericano de Desenvolvimento Rodovias para expandir os negócios. Paraguai conta com 4.300 quilômetros de rodovias asfaltadas, com um programa de crescimento estabilizado. Uma vez terminado o corredor transoceânico, que está atualmente em construção, Paraguai poderá oferecer um via vantajosa a mais para os portos francos situados no Atlântico e o Oceano Pacífico. Incentivos para a exportação As exportações estão liberadas de pagar o IVA (Imposto ao Valor Agregado), já que o governo reconhece um crédito fiscal para as etapas precedentes à produção. Existe também um Regime de Admissão Provisória de Importação que permite a exoneração de taxas de importação e do IVA à importação. Zonas francas Um estímulo relevante para os negócios constituem estas zonas onde se podem desenvolver todo tipo de atividades comerciais, industriais e de serviços. O regime legal brinda as maiores vantagens em matéria de isenções impositivas. Energia para o desenvolvimento Paraguai possui a energia elétrica mais barata do MERCOSUL. Itaipu - empreendimento binacional com o Brasil- é a maior hidrelétrica do mundo em potencia instalada (12.600 MW) Paraguai é o primeiro exportador de energia elétrica do mundo.
  • 2. Incentivos para o investimento As leis de investimento oferecem o mesmo tratamento aos investimentos de fora como aos investimentos locais. As novas leis fiscais promovem com vantagens tributárias o re-investimento. O Paraguai firmou Acordos de Garantia de Investimento com vários países. Existem muitos incentivos, tais como o programa de Maquila, as zonas francas ou de livre comercio, entre outras.
  • 3. Logística regional O Paraguai está posicionado como um novo eixo de industrialização regional, devido a sua posição geográfica privilegiada, industriais e investidores, veem como grande vantagem ( apesar dos incentivos fiscais e outros). O Paraguai tem essa vantagem para indústria, (local e internacional), que visam otimizar os custos sem sacrificar os preços para um comércio cada vez mais competitivo, mas isso não significa aumento de custos ao consumidor. Sua localização privilegiada próximo do Brasil e da Argentina, principais mercados de produção na região, e os países onde se torna cada vez mais difícil de se industrializar por pressões aplicadas pela política econômica e fiscal, os empresários baseadas em evidências tem buscado migrar suas plantas de produção para o Paraguai, aproveitando os incentivos oferecidos pelo Governo Paraguaio para geração de emprego e renda. Roberto Salinas - Coordenador do Programa Nacional de Logística do Paraguai"Os industriais veem esta oportunidade ", disse o engenheiro Roberto Salinas, coordenador do Plano Nacional de Logística (PNL) do Paraguai, para afirmar que o Paraguai deve começar uma rigorosa política de eficiência logística para otimizar suas posições estruturais. Os industriais do exterior, os empresários, investidores e industriais hoje precisam desviar parte da sua produção buscando uma maior eficiência de custos, e sei que hoje o Paraguai é muito atraente neste quesito, precisamos olhar com seriedade e eficiência a questão logística. Desenvolver a logística é um dos pontos mais importantes a vencer para os investidores a procura de mais competitividade industrial para continuar a manter o posicionamento de suas marcas no mercado. Esta redução dos custos operacionais é fundamental e vir para o Paraguai é o mais adequado neste momento. Mantendo as condições atuais do custo de energia, qualificação profissional e estrutura de impostos, a que pergunta é quando sua empresa mudará para o Paraguai? O Paraguai é o país de maior crescimento econômico da América Latina nos últimos 40 anos, com média de 7,2% anual entre 1972-2011. Tem a menor carga tributaria das Américas desde 1970 (8% do PIB) legislação trabalhista favorável e flexível, onde 70% da população têm menos de 35 anos de idade. A moeda mais estável do continente, o Guarani, tem 70 anos de existência. Sem hiperinflação, com mercado totalmente aberto, cambio livre desde 1989, baixa divida externa (8% do PIB) e baixo endividamento público (6% do PIB) e com reservas internacionais suficientes para cobrirem 105% da divida externa total. O custo da energia é 63% mais barata que o Brasil. A exemplo que ocorreu com o México e os Estados Unidos, onde as empresas americanas se instalaram em território mexicano para produzir para o mercado americano, o mesmo fenômeno deve ocorrer por aqui.
  • 4. Energia
  • 5. O Paraguai vai mais do que dobrar sua capacidade de receber energia gerada pela usina Itaipu Binacional, no Paraná. O país passará de 1 mil megawatts (MW) para 2.200 MW. Isso será possível com a entrada em operação, prevista para setembro, de uma nova linha de 500 quilovolts (kV), com 347 quilômetros de extensão, que ligará a usina até a capital Assunção. O diretor-geral da Itaipu, Jorge Samek, explicou que, apesar de a nova linha ter capacidade para transmitir 1.200 MW de energia, o Paraguai só deverá aumentar, até o fim deste ano, em mais 200 MW o consumo atual de energia recebida de Itaipu. No momento, o país vizinho não tem mercado para consumir todos os 1.200 MW da nova linha de imediato.
  • 6. O Paraguai pode aproveitar a complicada conjuntura econômica do Brasil e da Argentina, para atrair investimentos de empresas estrangeiras, disse o economista Michael Porter, em uma coletiva com centenas de empresários. "Se no Brasil tudo está complicado e na Argentina também, isso é muito positivo para o Paraguai". O professor da Escola de Negócios de Harvard e presidente do Instituto para a Estratégia e Competitividade se reuniu na manhã de 05 de setembro de 2013 com o presidente do Paraguai, Horacio Cartes, e sua equipe econômica e depois almoçou com líderes empresariais. Porter fez uma conferência sobre o tema "Estratégias de desenvolvimento no Século XXI: o imperativo do progresso social e crescimento competitivo", no auditório do Banco Central paraguaio. O guru das oportunidades de negócios disse conhecer a situação macroeconômica e política do Paraguai e sua posição geopolítica entre os dois grandes países da América do Sul e que se facilitar o ambiente para os negócios, poderia se transformar muito cedo em uma ponte dinâmica entre eles. "A Suíça está entre as potências europeias e criou um epicentro entre eles, um hub. O Paraguai tem que criar um ambiente para facilitar os negócios, para que as empresas (descontentes) dos países vizinhos venham se estabelecer aqui", explicou. "Tem que construir um lugar de fácil acesso para as empresas, que proteja seus investimentos, com regras claras. O Paraguai tem que aproveitar esta conjuntura", lembrou o especialista, recomendando aumentar as receitas e impulsionar o progresso social. "Não necessariamente o governo que mais investe em gastos sociais (subsídios) eleva o nível social. As vezes, ainda prejudica mais o progresso social. Os gastos (com os mais pobres) não definem o sucesso, disse, comparando Brasil e Chile, afirmando que este último investe menos em subsídios e tem uma porcentagem muito menor de pobres.
  • 7. Mantendo as condições atuais do custo de energia, qualificação profissional e estrutura de impostos, a que pergunta é quando sua empresa mudará para o Paraguai? O Paraguai é o país de maior crescimento econômico da América Latina nos últimos 40 anos, com média de 7,2% anual entre 1972-2011. Tem a menor carga tributaria das Américas desde 1970 (8% do PIB) legislação trabalhista favorável e flexível, onde 70% da população têm menos de 35 anos de idade. A moeda mais estável do continente, o Guarani, tem 70 anos de existência. Sem hiperinflação, com mercado totalmente aberto, cambio livre desde 1989, baixa divida externa (8% do PIB) e baixo endividamento público (6% do PIB) e com reservas internacionais suficientes para cobrirem 105% da divida externa total. O custo da energia é 63% mais barata que o Brasil. A exemplo que ocorreu com o México e os Estados Unidos, onde as empresas americanas se instalaram em território mexicano para produzir para o mercado americano, o mesmo fenômeno deve ocorrer por aqui.
  • 8. 10 motivos para investir no Paraguai O Paraguai foi o país que teve a maior expansão econômica da América Latina no ano de 2010, superando o Brasil, Uruguai e Argentina, com o crescimento econômico de 14% e 49,9% do crescimento do PIB correspondendo à agricultura. O país chama para si a atenção de investidores, já que possui a maior estabilidade monetária e fiscal da América do Sul,além de taxas de impostos mais baixas e um sistema tributário simples. Com a população em sua maioria jovem e ativa no mercado de trabalho, faz com que isso se reflita na economia que assim como os jovens tem sempre expectativa de crescimento. Usina de Itaipu no Paraguai 1. Maior estabilidade monetária e fiscal na América Latina (nunca teve forte desvalorização, expropriação ou congelamento de poupança); 2. Rápida recuperação do crescimento econômico e do investimento após a crise de 20082009 o crescimento de 6% no primeiro semestre de 2010 com base na produção de alimentos como a demanda mundial tende a crescer; 3. Leis de Atrações para investimento: Regime de Maquila, que estabelecem isenções fiscais e outros benefícios para as indústrias que produzem para exportação; 4. Acesso ao MERCOSUL, uma área de livre comércio com um PIB de EUA $ 2 bilhões, que também inclui Argentina, Brasil e Uruguai; 5. Trabalho: excelente custo-benefício da região e menor contribuição previdenciária sobre os salários; 6. População na sua maioria jovem e com grande facilidade de aprendizagem e de formação; 7. Abundante disponibilidade de energia elétrica a taxas mais baixas na região; 8. Centro do Paraná-Paraguai, Paraná-Tietê Waterway com frete grátis na maior parte do país durante todo o ano; 9. Clima ameno e ausência de catástrofes naturais; 10. Água em abundância e terras férteis para a agricultura.
  • 9. Investindo no Paraguai Brasileiros estão no Paraguai produzindo bens de consumo para vender ao Brasil. Dez das 49 maquiladoras em atividade no país têm pelo menos participação de capital brasileiro, segundo informação do Conselho Nacional da Indústria Maquiladora de Exportação. À primeira vista, ocorre no Mercosul um fenômeno semelhante ao ocorrido a partir dos anos 90 no âmbito do Acordo de Livre Comércio da América do Norte (Nafta). Com o acordo comercial entre EUA, Canadá e México, productos mexicanos passaram a entrar mais facilmente nos dois países mais desenvolvidos da região. Indústrias americanas aproveitaram a oportunidade para se tornar mais competitivas no próprio mercado, produzindo bens mais baratos no vizinho do Sul. Mas a comparação entre o Nafta e o Mercosul é adequada apenas em parte, quando se trata da criação de subsidiárias de empresas do parceiro mais desenvolvido. Há diferenças importantes entre os dois casos. A instalação das maquiladoras no México foi o resultado previsível do acordo regional de livre comércio. Mesmo sem acordos desse tipo, empresas dos EUA e de outros países avançados começaram há muito tempo a investir em economias em desenvolvimento não só em busca dos mercados locais, mas para aproveitar custos mais baixos. Seria como que uma nova distribuição internacional do trabalho. As economias mais desenvolvidas reteriam as atividades tecnologicamente mais sofisticadas e a própria atividade geradora de novidades técnicas. A produção manufatureira seria transferida para outros países. Esta é uma descrição muito simplificada, mas contém alguns elementos importantes para a compreensão do assunto. Sindicalistas americanos combateram o Nafta desde a apresentação da proposta de criação do bloco. O acordo, segundo eles, facilitaria a exportação de empregos para o México e resultaria em desocupação nos Estados Unidos. Na última campanha eleitoral, políticos democratas chegaram a prometer uma revisão do acordo. O prognóstico dos sindicalistas americanos estava errado. O acordo foi bom para a região, a economia americana foi parcialmente reestruturada e houve expansão do emprego nos três países. Outros países se envolveram em movimentos semelhantes. Europeus transferiram atividades criadoras de emprego para o norte da África. Com isso, o comércio na zona do Mediterrâneo cresceu e se diversificou. Uma evolução semelhante não seria surpreendente no Mercosul. Os salários brasileiros são em média mais altos que os do Paraguai e essa diferença poderia estimular a transferência de algumas atividades. Além disso, o governo paraguaio oferece isenção de
  • 10. impostos sobre as matérias-primas importadas e destinadas à produção de bens exportáveis. Essa política é também seguida no Brasil. O lado incomum da história é outro. O Paraguai oferece energia bem mais barata que a brasileira, embora a produção dependa de Itaipu. A eletricidade no Brasil é bem mais cara, principalmente por causa de impostos. Isso é parte do famigerado custo Brasil. Depois, a diferença de custo da mão de obra nos dois países não depende só dos salários efetivamente pagos aos trabalhadores. Depende principalmente do peso das obrigações trabalhistas. Essas obrigações são muito menores tanto no Paraguai quanto em vários outros países em desenvolvimento. Já atrapalham a competitividade das empresas brasileiras e dificultam a criação de empregos, mesmo quando as empresas brasileiras não investem no exterior. Empregos são tomados quando empresas estrangeiras com menores custos competem com as brasileiras no País ou no mercado externo. Não há nada de errado no esforço do governo paraguaio para desenvolver a indústria em seu país. Ao contrário: é uma boa notícia para todos os interessados no progresso da região. Errada é a insistência das autoridades brasileiras em manter obrigações fiscais e parafiscais excessivas, além de outras condições - como a burocracia lenta e pesada incompatíveis com uma economia forçada a competir. Se você tem algum interesse no Paraguai Consulte luisaguilera@bancarios.com

×