Your SlideShare is downloading. ×
0
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Citologia 2014 107 slides
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Citologia 2014 107 slides

3,176

Published on

Power Point sobre Citologia e Histologia …

Power Point sobre Citologia e Histologia

Published in: Education, Technology
0 Comments
3 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
3,176
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
4
Actions
Shares
0
Downloads
357
Comments
0
Likes
3
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Faculdade de Ciências e Tecnologia de Unaí/MG Curso: Bacharel em Enfermagem http://paniaguabio.blogspot.com.br/
  • 2. CITOLOGIA A) Etimologia: Do grego Kytos, “célula”, e logos, “estudo”. B) Conceito de Citologia: ramo da biologia que estuda a célula, sua estrutura, função e organização; C) Conceito de Células: As células são unidades estruturais e funcionais dos organismos vivos, ou seja, todos os seres vivos são formados por células - compartimentos envolvidos por membrana, preenchidos com uma solução aquosa concentrada de substâncias químicas.
  • 3.  Os organismos superiores, como os humanos (acredita-se que     contenha pelo menos 100 trilhões de células). Apesar das muitas diferenças visíveis, várias espécies de células são admiravelmente semelhantes; Uma célula animal típica tem um diâmetro de 10 a 20 micrômetros, o que é aproximadamente cinco vezes menor que a menor partícula visível a olho nu. Somente quando microscópios ópticos de boa qualidade tornaram-se disponíveis, no início do século XIX pode-se descobrir que tecido animais e vegetais são agregados de células individuais. Esta descoberta, proposta como a doutrina celular por SCHLEIDEN E SCHWANN, em 1838, marca o nascimento formal da biologia celular. Células animais não são apenas minúsculas, mas também incolores e translúcidas e para visualizá-las é importante o desenvolvimento de técnicas de microscopia.
  • 4. A História do Microscópio  Robert Hooke, estudioso inglês, foi o primeiro (em 1665) a observar células. Para tal valeu-se de um rudimentar microscópio, idealizado anos antes por um outro estudioso, Anthony Van Leeuwenhoeck.  Hooke observou cortes finos de cortiça, que se apresentavam ao microscópio com um aspecto similar a pequenos favos de mel empilhados. A cada um destes favos Hooke atribuiu a designação de cellulae (células). Page  4
  • 5. Page  5
  • 6. Microscópio de luz comum / campo claro Componentes:  Fonte luminosa → luz branca (lâmpada com filamento de tungstênio)  Óptica → lentes ampliação condensação  Mecânica  Sistema de iluminação Page  6
  • 7. A CÉLULA  SÉC.XVII (1665) - ROBERT HOOKE DESCREVE A CÉLULA COMO PEQUENAS CAVIDADES EM UM PEDAÇO DE CORTIÇA.  SÉC.XIX (1831)- A DESCOBERTA DO NÚCLEO POR ROBERT BROWN.  SÉC.XIX (1839) TEORIA CELULAR - SCHLEIDEN E SCHWANN TODOS OS ORGANISMOS CONSTITUÍDOS POR UMA OU MAIS CÉLULAS.  (EXCETO VÍRUS).  NÍVEIS DE ORGANIZAÇÃO DA VIDA SÃO
  • 8. Células Procariotas e Eucariotas  Procariotas  Ausência de sistema de endomembranas  Eucariotas
  • 9. ORGANIZAÇÃO CELULAR
  • 10. Glicocálix  Primeira estrutura que encontramos, sem precisar penetrar na célula;  Pode ser comparado a uma "malha de lã", que protege a célula das agessões físicas e químicas do meio externo;  Mantêm um microambiente adequado ao redor de cada célula, pois retem nutrientes e enzimas importantes para a célula;  É formado, basicamente, por carboidratos e está presente na maioria das células animais.
  • 11. GLICOCÁLICE
  • 12. Funções do Glicocálice  proteção e lubrificação da superfície celular  reconhecimento célula-célula e adesão celular
  • 13. Funções do Glicocálice  alteração da superfície em células cancerígenas;  ligação de toxinas, vírus e bactérias;  propriedades enzimáticas (peptidase/glicosidase)  especificidade do sistema sanguíneo ABO;
  • 14. Parede Celular Células vegetais - parede rígida e permeável (membrana celulósica) é formada principalmente pelo polissacarídeo celulose; Bactérias e cianobactérias - composição química pode variar de espécies para espécie (substância dos procariontes: o peptidoglicano); Fungos - quitina (polissacarídeo) outros grupos exista também a celulose; Propriedades da parede celular: Resistência à tensão; Resistência à decomposição por microrganismos; Elasticidade; Permeabilidade, não constituindo barreira à entrada e saída de materiais na célula.
  • 15. Membrana Plasmática
  • 16. xx/xx 18
  • 17. Tipos de membranas  Diferenciam-se na espessura, nas funções e na composição química. São 3 os tipos:  Protéica: 76% de proteína, 24% lipidios (alta funcionalidade) Ex: membranas mitocondrial interna, dos tilacóides e procariontes;  Plasmática: 50% de lipídeos e 50% de proteínas. Ex: membrana mitocondrial externa e membranas eucariontes em geral e dos eritrócitos;  Mielínica: 79% lipídeos e 17 proteína, e 3% carboidratos, são estruturalmente resistentes Ex: bainha de mielina dos neurônios
  • 18. MEMBRANA PLASMÁTICA Funções  Isolamento Físico - mantém o conteúdo interno ou citoplasmático separado, porém não isolado do meio externo;  Regulação das trocas com o ambiente (permeabilidade seletiva);  Comunicação entre a célula e seu ambiente: receptores que permitem reconhecer as moléculas ou as mudanças no ambiente externo;  Suporte estrutural : as proteínas presentes mantém o formato celular, e também criam junções especializadas que estabiliza a estrutura.
  • 19. MEMBRANA PLASMÁTICA Composição química Fluído Extracelular LIPÍDIOS, PROTEÍNAS E AÇÚCARES Glicoproteína Glicolipído Colesterol Carboidratos Proteína Integral Proteínas periféricas Filamentos de citoesqueleto Citoplasma
  • 20. Membrana plasmática - Estrutura  Modelo proposto por Dawson e Danielli – quatro camadas moleculares: proteínas externas e lipídios internas; Modelo do Mosaico Fluido Modelo de Singer e Nicolson (1972) Proteínas embebidas na bicamada lipídica;
  • 21. LIPÍDEOS DE MEMBRANAS  Hidrofílica (cabeça)  Hidrofóbica (caudas) Moléculas Anfipáticas
  • 22. Fosfolipídeos Fosfatidilcolina Fosfatidiletanolamina Fosfatidilserina Esfingomielina
  • 23. 1- Fluidez da membrana Fluido Bidimensional  movimentação dos fosfolipídeos dentro da bicamada Flip Flop Rotação Difusão Lateral dependente da temperatura
  • 24. 1- Fluidez da membrana Natureza das caudas de hidrocarbonetos Composição Fosfolipídica Caudas curtas (maior fluidez) que caudas longas Insaturação (maior fluidez) que saturação SATURADOS + viscosa - fluida INSATURADOS - viscosa + fluida
  • 25. 1- Fluidez da membrana Colesterol Enrijece a bicamada lipídica, tornando-a menos fluida e menos permeável Modula a fluidez das membranas em células animais
  • 26. 2- Assimetria da Bicamada Lipídica Diferenças na composição da bicamada entre as faces citosólica e extracelular
  • 27. 2- Assimetria da Bicamada Lipídica Crescimento da membrana Flipases
  • 28. 3- Permeabilidade da Bicamada Lipídica Barreira hidrofóbica impermeável a solutos e íons  tamanho da molécula  solubilidade da molécula (em óleo)
  • 29. Microfotografia da membrana plasmática
  • 30. Funções: Transporte através das membranas  Incorporação de novas substâncias para o metabolismo celular (nutrição);  Eliminação de restos metabólicos (excreção);  Eliminação de substâncias especiais para o metabolismo extracelular (secreção).  Polarização de membrana (pela bomba de sódio e potássio) e  Defesa celular (pela fagocitose em leucócitos).  Equilíbrio hídrico  Controle da turgescência celular (difusão ou osmose)
  • 31. Transporte passivo  Favor de um gradiente de concentração;  Sem gasto de energia para a célula;  Tipos  Difusão simples ;  Difusão facilitada;  Osmose.
  • 32. Difusão simples  local de maior concentração para o de menor concentração;  A favor de um gradiente de concentração Ex: difusão do oxigênio do sangue para os tecidos.
  • 33. Difusão Facilitada  Permite o transporte de moléculas maiores (aminoácidos, monossacarídios) requerem que proteínas transportadoras facilitem sua passagem.
  • 34. Osmose  Transporte de solvente;  Local de menor concentração em soluto para o local de maior concentração em soluto. Plasmólise Deplasmólise
  • 35. Transporte Ativo  Relação especifica (proteínas da membrana e o material a ser transportado);  Contra um gradiente de concentração (local de menor concentração para o local de maior concentração);  Utiliza uma proteína carreadora;  Gasto de energia.
  • 36.  Todo este mecanismo de transporte ativo que mantém tais distribuições iônicas é de suma importância para a transmissão do impulso nervoso.
  • 37. Endocitose ou Transporte em bloco  Células adquirem do meio externo moléculas grandes ou macromoléculas;  Mecanismos  Fagositose; Pinocitose; Exocitose;
  • 38. Fagocitose  Engloba partículas sólidas (pseudópodos); Ex:alimentação das amebas e a atuação dos macrófagos que fagocitam os antígenos.  Após a fagocitose ocorre a formação de uma bolsa denominada de fagossomo.
  • 39. Pinocitose  Gotículas de líquido por invaginações de membrana;  Após a pinocitose ocorre a formação de uma bolsa denominada de pinossomo.
  • 40. Exocitose  Macromoléculas contidas em vesículas citoplasmáticas são transportadas desde o interior celular até a membrana plasmática, para serem vertidas ao meio extracelular  Fusão da membrana da vesícula e a membrana plasmática.
  • 41. Partículas sólidas Partículas líquidas
  • 42. Membrana Plasmática: Especializações de membrana
  • 43. ESPECIALIZAÇÕES DA MEMBRANA PLASMÁTICA SUPERFÍCIE APICAL DA CÉLULA 1- Microvilosidades 2- Cílios/Flagelos 3- Estereocílios SUPERFÍCIE BASO-LATERAL DA CÉLULA Junções célula-célula 1- Junções celulares Junções célula-matriz extracelular
  • 44. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE APICAL DA MEMBRANA MICROVILOSIDADES -Projeções cilíndricas do citoplasma, envolvidas por membrana que se projetam da superfície apical da célula -São imóveis -Aumentam a área de superfície celular -Filamentos de actina
  • 45. microvilosidades glicocálice MICROVILOSIDADES
  • 46. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE APICAL DA MEMBRANA ESTEREOCÍLIOS -São parecidos com microvilosidades- mais longas e ramificadas -São imóveis -Encontrados no epidídimo e nas células pilosas do ouvido interno -Aumentam a área de superfície das células -Filamentos de actina mais discretos que nas microvilosidades
  • 47. CÍLIOS/FLAGELOS
  • 48. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE APICAL DA MEMBRANA CÍLIOS -Projeções cilíndricas MÓVEIS, semelhantes a pêlos -Função: propulsão de muco e de outras substâncias sobre a superfície do epitélio, através de rápidas oscilações rítmicas e no caso dos flagelos funcionam na locomoção -Microtúbulos organizados (9 + 2), inseridos no corpúsculo basal
  • 49. ESPECIALIZAÇÕES DA SUPERFÍCIE BASO-LATERAL DA CÉLULA JUNÇÕES CELULARES JUNÇÕES JUNÇÃO OCLUSIVA COMPLEXO JUNCIONAL JUNÇÃO ADERENTE DESMOSSOMA JUNÇÃO COMUNICANTE Matriz extracelular
  • 50. JUNÇÃO OCLUSIVA Une as células formando uma barreira impermeável Evita movimentação de moléculas entre diferentes domínios de membrana
  • 51. Cinturão de adesão apical, abaixo junção oclusiva
  • 52. * Formada por 6 proteínas transmembranas– conexinas * Regulada abrem e fecham
  • 53. Citoplasma  Hialoplasma, matriz citoplasmática ou citoplasma fundamental;  Entre o núcleo e a membrana plasmática;  Contém bolsas e canais membranosos;  Ocorre a maioria das reações químicas;  Muitas substâncias de reserva das células animais (gorduras e o glicogênio) ficam armazenadas;  Citosol;  Organelas citoplasmáticas
  • 54. Componentes celulares  MEMBRANA PLASMÁTICA  Modelo mosaico fluido (proteínas e dupla camada lipídica);  Glicocálix (envoltório de açúcar);  Parede celular (material rígido);  Transporte passivo  (osmose, difusão simples e difusão facilitada)  Transporte ativo (bomba de sódio e potássio)  Endocitose (fagocitose, pinocitose e exocitose) Especializações  (microvilosidades, interdigitações, plasmodesmos e complexos unitivos)
  • 55. CITOPLASMA  Hialoplasma, matriz citoplasmática ou citoplasma fundamental;  Entre o núcleo e a membrana plasmática;  contém bolsas e canais membranosos;  ocorre a maioria das reações químicas;  muitas substâncias de reserva das células animais (gorduras e o glicogênio) ficam armazenadas;  citosol;  citoplasma fundamental ou matriz citoplasmática)  Organelas citoplasmáticas
  • 56. Organelas Citoplasmáticas
  • 57. Mapa geral
  • 58. Retículo Endoplasmático  Formado por um sistema de membranas intracelulares, dividido em : R E Liso(agranular) Transporte e armazenamento de substâncias; Síntese de lipídios e hormônios; Desintoxicação; Aumenta a superfície de absorção (facilitando as reações enzimáticas) tubulares
  • 59. Retículo Endoplasmático RE rugoso (granular/ergastoplasma) - responsável pela síntese de proteínas e tem aderido os ribossomos. Formado por sistema de vesículas ribossomo
  • 60. Mitocôndrias •São organelas responsáveis pela respiração celular; •Apresenta um sistema duplo de membranas com a presença de DNA ( autoduplicação) •É o motor da célula, muito ativa nas cél. Musculares; •Seu conjunto é denominado de CONDRIOMA
  • 61. Lisossomos Estrutura semelhante a dos vacúolos ;  Possuem enzimas em seu interior responsáveis pela digestão intracelular Partículas sólidas Partículas líquidas
  • 62. Centríolos Presentes na maioria dos organismos eucariontes; com exceção das plantas angiospermas (frutíferas); Parede constituída por nove conjuntos de três microtúbulos e geralmente ocorrem aos pares nas células; Responsavél pela cinética celular( divisão celular); Originam os Cílios e flagelos.
  • 63. Complexo de Golgi Organela composta por sacos achatados ( dictiossomos) e por vesículas do RE liso. Funções •Formar o acrossoma; •Formar o lisossomo; •Preside a secreção celular(saída)
  • 64. Ribossomos Ribossomos são os locais de síntese de proteína. Eles não são limitados por membranas e portanto ocorrem tanto em procariontes quanto em eucariontes. Unidos pelo RNAm formam o polissomo
  • 65. Estrutura de um cromossomo durante interfáse
  • 66. Cromossomo Condensado
  • 67. Cromossomos quanto a posição do centrômero
  • 68. Molécula de DNA
  • 69. Duplicação da Molécula de DNA.
  • 70. Transcrição Gênica.
  • 71. Ribossomo, RNAt, Aminoácido.
  • 72. Relação entre:
  • 73. 1) Etapa Gênica do processo de Tradução
  • 74. 2) Etapa do processo de Tradução Gênica
  • 75. 3) Etapa do processo de Tradução Gênica
  • 76. 4) Etapa do processo de Tradução Gênica
  • 77. Núcleo e Divisão Celular
  • 78. 89
  • 79. 90
  • 80. Núcleo Celular Portador dos fatores hereditários e controlador das atividades metabólicas. 91
  • 81. Núcleo Celular Uma célula em intérfase, isto é, que não está se dividindo, apresenta os seguintes componentes: componentes 1. Carioteca - envoltório nuclear, formada por duas membranas com poros, onde há intercâmbio de substâncias entre o núcleo e o citoplasma. 2. Nucleoplasma, Cariolinfa ou Suco Nuclear- é uma massa incolor constituída principalmente de água e proteínas. 3. Nucléolo - Trata-se de um corpúsculo esponjoso e desprovido de membranas, que se encontra em contato direto com o suco nuclear, rico em RNA ribossômico. 92
  • 82. Núcleo Celular 4. Cromatina - representa o material genético, com proteínas e moléculas de DNA. Têm aspecto emaranhado de filamentos longos e finos, denominados cromonemas. Heterocromatinas - regiões condensadas Eucromatinas - regiões distendidas Durante a divisão celular, os cromonemas espiralizam-se, tornando-se mais curtos e mais grossos (cromossomos).
  • 83. Cromonema = Cromossomo Durante a divisão celular, os cromonemas espiralizam-se, tornando-se mais curtos e mais grossos. Podem, então, ser vistos individualmente e passam a ser chamados de cromossomos. 94
  • 84. Cromonema = Cromossomo http://www.universitario.com.br/celo/aulas/DNA.exe
  • 85. Cromossomo é uma única molécula de DNA  O DNA (do inglês DesoxirribuNucleic Acid) é uma escada retorcida ou uma dupla hélice e é composta por inúmero genes, os quais tem a função de determinar as características de cada um de nós. 96
  • 86.  O Cromossomo é formado por cromátides ligadas pelo centrômero. Quando a célula está prestes a se dividir, as cromátides se duplicam formando cromátides irmãs (que até que ocorra a separação final, ficam ligadas pelo centrômero). 97
  • 87.  Todas as células do nosso corpo (exceto as dos gametas) são diplóides, ou seja, possuem dois cromossomos de cada tipo (no caso, 23 pares de cromossomos homólogos ). Quando uma célula possui apenas um cromossomo de cada tipo (no caso os gametas, com 23 cromossomos), dizemos que ela é haplóide. MULHER 2n=46 n=23 98
  • 88. Cariótipo  É o estudo da constituição cromossômica dos seres vivos. Na espécie humana, é composto de 46 cromossomos, em 23 pares (22 pares de autossomos e o par sexual), permitindo a análise das anomalias numéricas ou estruturais dos cromossomos. 99
  • 89. Cariótipo  É o conjunto de todos os cromossomos presentes no núcleo da célula de um organismo. O estudo do cariótipo (forma, tamanho e número de cromossomos de uma pessoa) pode ajudar no diagnóstico pós-natal pré-natal de ou aberrações genéticas. 100
  • 90. Ciclo Celular  Período G1: intensa síntese de RNA e proteínas e aumento do citoplasma.  PERÍODO S: Este é o período de síntese,duplicando seu DNA.  PERÍODO G2: tempo adicional para o crescimento celular assegurando completa replicação do DNA antes da mitose.  MITOSE : Divisão equacional da célula. 101
  • 91. Ciclo Celular  Interfase - Há duplicação do DNA, sem o qual não se completa o ciclo celular.  http://www.universitario.com.br/celo/aulas/replicacao%20d http://science.education.nih.gov/su 102
  • 92. Ciclo Celular  Processos que ocorrem desde a formação de uma célula até sua própria divisão em duas filhas, tendo natureza cíclica. A célula se divide originando duas descendentes, com divisão do núcleo (mitose ) e divisão do citoplasma (citocinese). A etapa seguinte, é compreendida no espaço entre duas divisões celulares sucessivas e foi denominada de intérfase. 103
  • 93. Ciclo Celular 104
  • 94. Aparelho Mitótico.  É constituído pelos fusos, centríolos, ásteres e cromossomos  O áster é um grupo de microtúbulos irradiados que convergem em direção do centríolo  As fibras do fuso são constituídas por microtúbulos(proteínas especiais). Cada cromossomo têm duas cromátides ligadas entre si através do centrômero, que é uma região que se liga ao fuso mitótico, e se localiza num segmento mais fino denominado de constricção primária. 105
  • 95. http://www.johnkyrk.com/mitosis.html 106
  • 96. Mitose  Divisão celular de todas as células somática vegetais e animais. É um processo continuo que é dividido didaticamente em 5 fases: Prófase, metáfase, anáfase, telófase, nas quais ocorrem grande modificações no núcleo e no citoplasma. http://www.cellsalive.com/mitosis.htm 107
  • 97. Mitose : Funções  Mitose serve para reprodução assexuada unicelulares, de seres crescimento e regeneração de tecidos de seres multicelulares. 108
  • 98. Mitose e  Câncer Mitoses anormais e aceleradas podem originar tumores malignos (Neoplasia/Câncer). Muitos tipos de câncer não têm causas conhecidas e outros estão associados a drogas, radiação e certos vírus. 109
  • 99. O que são célulastronco?  São células indiferenciadas capazes de realizar inúmeras mitoses e que podem originar todos os demais tipos de células do organismo (TOTIPOTENTES) ou alguns tipos diferentes (MULTIPOTENTES), encontradas em embriões, medula óssea, encéfalo e na pele de adultos. 110
  • 100. Mitose 111
  • 101. Meiose  Divisão que ocorre na formação dos gametas, reduzindo o número de cromossomos à metade;  Ocorre por duas divisões celulares sucessivas, gerando 04 célula  Meiose I: prófase I, metáfase I, anáfase I e telófase I;  Meiose II: prófase II, metáfase II, anáfase II e telófase II; 112
  • 102. Meiose 113
  • 103. MITOSE MEIOSE 1 Uma divisão nuclear citoplasmática por ciclo e uma divisão Duas divisões nucleares e duas divisões citoplasmáticas por ciclo 2 Uma célula-mãe produz duas células- filhas 3 Os conteúdos genéticos das células –filhas são Os conteúdos genéticos das células –filhas idênticos entre si e também iguais aos da diferem da célula-mãe também entre si célula-mãe. 4 O número de cromossomos das células-filhas é O número de cromossomos das células-filhas é o mesmo que o da célula-mãe metade do da célula-mãe 5 Os cromossomos não entram em sinapse. Os cromossomos entram em sinapse 6 Não existe permutação entre os homólogos Existe permutação entre os homólogos 7 Não há formação de quiasmas ente os Ocorre formação homólogos homólogos 8 Produtos mitóticos geralmente são capazes de Produtos mitóticos não podem são sofrer outras sofrer outras divisões mitóticas subseqüentes. divisões meiótica, embora possam ser submetidos à divisão mitótica. 9 Ocorre normalmente na maioria das células Ocorre em células germinativas, em célula-mãe somáticas. de esporos e zigoto de muitas algas e fungos. Uma célula-mãe produz quatro células-filhas de quiasmas ente os 114
  • 104. Até que enfim, FIM

×