Your SlideShare is downloading. ×
  • Like
Receita Original
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×

Now you can save presentations on your phone or tablet

Available for both IPhone and Android

Text the download link to your phone

Standard text messaging rates apply

Receita Original

  • 1,864 views
Published

 

Published in Travel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
1,864
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0

Actions

Shares
Downloads
4
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. porta-luvas EDITORIAL A boa produção da cultura na região Porta-Luvas já traçou um bom caminho e outro, aquele que nos permite ter um veículo chega à sua quinta edição. As manifestações para divulgar essa produção, de forma a criar culturais da região por onde passam as rodovias condições para que a Cultura se intensifique, administradas pela OHL Brasil são inúmeras, se valorize e fique na memória e no inusitadas às vezes, mas todas de uma qualidade conhecimento de muitas outras pessoas. e uma densidade muito grande. Mais do que isso, produzir Porta- Luvas Contarmos a história da Folia de Reis de nos leva a abrir espaço para muitos outros projetos Cajuru, do sanduíche que deu fama a uma culturais que podem ser apoiados por meio da Lei cidade, da produção de arte em Descalvado, Rouanet e, assim, manter viva uma Cultura regional da música de Dalva de Oliveira e, o espetáculo de grande importância para a Cultura do País. da arte da miniaturização do mundo é algo Quando recebemos cartas que destacam a que nos deixa satisfeitos e por dois motivos: excelência de nossa revista o que, um, aquele que nos permite encontrar um humildemente, concordamos, ficamos satisfeitos número de pessoas que produzem uma cultura em ver que nosso trabalho tem atingido o seu rica, de bom gosto e com muita qualidade; objetivo. S U M Á R I O 4 Mapeamento Cultural 20 Tradição Cidades beneficiadas pela cultura da Bauru - o sanduíche mais famoso do revista Porta-Luvas. Brasil. 6 Artes Plásticas 24 Patrocinador Arte em miniatura: Programas de saúde ajudam a prevenir O mundo ao alcance das mãos. acidentes e aumentam a segurança 12 Artes Integradas nas rodovias. Descalvado promove uma verdadeira 28 Conto mistura de talento. Bebedouro de animais. 14 Manifestação Popular Uma história engraçada da política Companhia de Reis. local. 17 Música 30 Cartas 90 anos do nascimento da estrela - Correspondência de leitores da revista, Dalva de Oliveira. com sugestões, elogios e críticas. Editor: Fernando Bueno - Milagre do Verbo Editora Ltda ME Editora/Administrativo e Financeiro: Emana Imagem & Cultura Ltda Fotos: Emana Imagem - Katia Fanticelli Redação: Milagre do Verbo Editora Ltda ME Colaboradores: Eduardo Fernandes Begnami, Marcos Garcia e Cláudia Figueiredo Distribuição gratuita Editoração: Gilmar Elidio de Jesus (colaborador) Tiragem: 180.000 exemplares Proibida a reprodução total ou parcial de textos, fotografias e ilustrações sem autorização da Emana Imagem & Cultura Ltda. 3
  • 2. porta-luvas ARTES PLÁSTICAS arte em miniatura: O mundo ao alcance das mãos A arte de construir miniaturas de casas, indústrias, igrejas, carros e caminhões atrai cada vez mais admiradores e impressiona pela riqueza de detalhes Flávia Amarante e Maria Cristina Marmili Atração na Bienal de Veneza, a réplica de brincadeira de casinha e hoje reproduz a uma miniatura de uma favela do Rio de Janeiro, realidade da vida, com acessos estreitos, ocupa uma área de 150 metros quadrados. A contenção de encostas, um universo em miniatura original está na própria favela (do miniatura. Pereirão), onde a maquete toma conta de 350 As réplicas miniaturizadas são verdadeiras metros quadrados. Começou com uma artes, como os casos que relatamos a seguir. 6
  • 3. porta-luvas Perfeição e delicadeza Nas mãos do ar tista plástico Antonio Lima, materiais como cimento, areia, gesso, arame e massa plástica transformam-se em maquetes que impressionam pela perfeição e delicadeza de cada detalhe. São peças compostas de criatividade única e que remetem a uma viagem por cenários muitas vezes esquecidos em algum lugar do passado. Em sua oficina, que fica nos fundos de sua casa em Piracicaba (SP), onde vive desde 1980, o ex- metalúrgico natural de Cambé (PR) constrói suas obras de arte utilizando como ferramenta apenas uma agulha, estilete, um pedaço de madeira e pincel. Em seu acervo, que já conta com mais de 300 peças, estão maquetes de igrejas, fábricas, casebres 7
  • 4. porta-luvas antigos, construções em ruínas, estações ferroviárias, sítios e outras cenas comuns do interior de estados como São Paulo, Minas Gerais, Paraná e Pernambuco. As miniaturas surpreendem pelo realismo e cuidado com que são construídas. Tudo é feito e pintado à mão, até as minúsculas portas, janelas, telhas e torneiras. Com o nome Efeitos do Tempo a exposição das maquetes já percorreu as cidades de São Paulo, Piracicaba, Campinas e Franca. A reação dos visitantes, que vai da surpresa à nostalgia, emociona o artista: “As peças, de alguma forma, mexem com alguém e, muitas vezes, trazem uma recordação. Já aconteceu de chorarem na minha frente... e eu também choro”, conta Antonio. Com sua arte, Antonio Lima busca retratar O que era apenas um hobby, virou profissão a realidade do país. Muitas de suas peças em 1985 quando Antonio Lima começou a tendem para a pobreza e destruição, guardar suas criações. A inquietação e o amor expressando a visão do artista sobre o assunto pela profissão levam o artista plástico a uma e tecendo uma crítica sutil à desigualdade social. busca constante pela perfeição. “Se eu vivesse “As pessoas devem cuidar mais das construções, mil anos não daria tempo de fazer tudo que eu pois muitas estão sendo demolidas, e os ricos quero” e conclui: “Como eu resumo meu devem olhar para os pobres”, afirma. trabalho? É tudo, é a minha vida”. 8
  • 5. porta-luvas Lixo transformado em arte Criatividade não falta na vida de Geraldo Alegre por 40 anos onde cuidava de uma frota Zaratim, aposentado de 66 anos que fez de de aproximadamente 500 veículos e foi um dos um quarto de sua casa, em Piracicaba (SP), primeiros funcionários da Caterpillar. Entre as um verdadeiro ateliê. Com muita habilidade e peças preferidas de seu acervo, que possui de utilizando apenas um estilete e uma tesoura, 80 a 85 réplicas, está a igreja do Monte Alegre. ele transforma objetos que iriam para o lixo Observar suas obras é, ao mesmo tempo, em verdadeiras obras de ar te. Caixas de observar também um pouco da história da vida papelão, lápis velho, peças de carro, arame, do artista e do município de Piracicaba. Constrói isopor viram pequenas réplicas de tratores, as peças inspiradas em fotos e lembranças da caminhões, bondes, maria-fumaças, igrejas e infância e juventude. “Eu tento resgatar um usinas que encantam adultos e crianças. “Eu pouco da história da cidade, que muitas pessoas utilizo apenas materiais que eu tenho em casa, não valorizam mais”. nada é comprado”, explica Geraldo. Além disso, é uma bela iniciativa de incentivo A paixão pelos meios de transpor te à preservação do meio ambiente: “Isso que eu começou na adolescência, quando trabalhava faço é uma gota d’água no oceano, é preciso com o pai no transporte de cana-de-açúcar. que cada pessoa faça sua “Eu sempre gostei de trabalhar como motorista parte”, afirma Zaratim. de caminhão”, diz. Morou na Usina Monte Sua exposição passa por escolas, salões e eventos em Piracicaba, levando cultura, história e ecologia para os visitantes e revelando um outro mundo, pequeno nas dimensões, mas enorme na criatividade. 9
  • 6. porta-luvas Réplicas encantam ao traduzir sonho da infância no adulto No dicionário Aurélio, “réplica” quer dizer desafio de criar um veículo já existente em um “exemplar de uma obra de arte que não é tamanho menor. E isso já dura oito anos”, diz. original”. Para muitas pessoas construir réplicas A vontade de recriar esses veículos também é de objetos, veículos e até mesmo de cidades é explicada pelo psicólogo. “Ele possui um muito mais que isso. Paixão, hobby, desafio ou conteúdo simbólico. O Jeep representa a força”, lembranças da infância podem explicar o motivo salienta. pelo qual elas disponibilizam tempo, dinheiro e Em 1999, o mecânico, que iniciou a carreira dedicação a esta atividade, tornando as réplicas aos 12 anos, usou o dinheiro da venda de um verdadeiras contadoras de história. Segundo o Buggy, também feito por ele, para iniciar seu psicólogo Sérgio Kodato, da USP (Universidade sonho. O primeiro modelo replicado foi o Jeep de São Paulo – Campus de Ribeirão Preto), as Willys, que circulou pelas ruas brasileiras em pessoas que constroem réplicas buscam o tempo 1951. Fabricado pela americana Willys, foi criado perdido. O tema escolhido para a imitação, na para o Exército ianque, mas conquistou o maioria das vezes, está associado ao passado. mercado mundial. A réplica, que corresponde à “Subconscientemente, essas pessoas querem metade do tamanho do original, custou R$ 3 recriar momentos felizes e de alguma forma mil e demorou um ano para ficar pronta. O retê-los. Para elas, é a concretização de um veículo é cheio de detalhes e possui todas as desejo infantil e imaginário”, explica. características do original. “Tive a preocupação Hobby ou saudosismo, a construção de de deixá-lo igualzinho”, ressalta Barizon. Com réplicas é uma atividade cada vez mais comum motor de 200 cilindradas, original da e que surpreende crianças, jovens e adultos. motocicleta Honda Estrada, o jipe tem Não há quem não fique admirado pela beleza, capacidade para cinco passageiros e possui precisão dos detalhes e a magia que remonta seta, farol, luz de freio e até CD Player. épocas já vividas. Pelas mãos do mecânico Wagner Barizon, de Ribeirão Preto (SP), réplicas de veículos das décadas de 30, 50 e 60 ganharam vida. O artesão viu na facilidade de ter sua própria oficina a oportunidade de desafiar a mente na construção de três modelos clássicos de jipes: Jeep Willys, Bugatti e Vemag Candango. “A paixão por jipes veio da Jeep Willis, o primeiro replicado por infância e se juntou ao Barizon, circulou no Brasil em 1951 10
  • 7. porta-luvas Bugatti e DKW Mas Barizon não parou por aí. O trabalho, à ré, cinco marchas e é fiel ao original em sempre feito à noite e aos finais de semana, todos os detalhes. A réplica, pintada em continuou ao ver a miniatura de um Bugatti Italiano amarelo e preto, custou R$ 6 mil. “O valor foi 1936 com cerca de 30 centímetros. “Encontrei-o mais alto por causa da tração”, explica. na oficina mecânica de um amigo. Era um carrinho Todos os modelos construídos por Wagner de criança”, conta. A fabricação começou em 2002 Barizon são conversíveis. “É para dar maior e durou dois anos. O investimento também foi comodidade aos passageiros. Se todos tivessem maior – R$ 5 mil. Segundo ele, a maior dificuldade teto não seria possível dirigi-los”, afirma. foi construir os pára-lamas dianteiros. Foi preciso Eles não circulam pelas ruas, mas já fazer dois estepes para ficar igual ao original. O freqüentam exposições em Ribeirão Preto e veículo é vermelho e preto, com detalhes cromados região. Devido à falta de lugar para guardá-los e painel de madeira, como o original. – hoje o Willys e o Candango estão em sua A última invenção do mecânico ficou pronta oficina e o Bugatti, na de um amigo –, o em janeiro deste ano: o DKW-Vemag Candango, artesão pensa em vender pelo menos dois modelo 1961. deles. “Só se aparecer um colecionador que A miniatura tem 2m70 de comprimento, cuide deles com o mesmo carinho que eu”, 1m25 de largura e 83cm de altura. O Candango faz questão de afirmar. O hobby de Barizon original, fabricado em 1958 pela DKW, tem 3m44 está longe de acabar. Seu novo projeto é construir de comprimento por 1m70 de largura. O modelo a réplica de um Fusca, mas ele ainda não tem recriado, com trações 4x2 e 4x4, possui marcha data para iniciar o trabalho. Miniatura do Candango, de 1961 tem trações 4x2 e 4x4 e marcha à ré Serviço >Antonio Lima - Fone: (19) 3423 2214 - E-mail: antoniojls@hotmail.com Geraldo Zaratim - Fone: (19) 3422 3155 11
  • 8. porta-luvas ARTES INTEGRADAS A integração das artes em Descalvado Primeira quinzena de setembro reúne artistas de toda a região na cidade e promove uma verdadeira mistura de talentos Maria Cristina Marmilli Um movimento cultural que reúne artes palco de manifestações variadas e ricas em plásticas, literatura, fotografia, artesanato, dança beleza e conteúdo. No ano passado, o e teatro. Assim é o IntegrARTE, que acontecerá IntegrARTE contou com a participação de 17 na cidade de Descalvado-SP, na região de São companhias de teatro e 30 artistas expositores Carlos, entre os dias 2 e 15 de setembro. da própria cidade e também de Gavião Peixoto, Neste período, artistas de toda a região expõem Porto Ferreira, Santa Cruz das Palmeiras, Ibaté, suas obras no centro cultural do município e Ibitinga, Santos, Araraquara, São Carlos e Dourado. fazem apresentações no anfiteatro, todas Somente nas apresentações de teatro, o público gratuitas. foi de cerca de 160 pessoas por noite, e a “O IntegrARTE é uma forma do artista expectativa dos organizadores é superar este mostrar sua força e unir os talentos de todos número. “No primeiro ano, cerca de 15 a 20 os segmentos”, diz o diretor de Cultura da pessoas, por noite, assistiam às apresentações. Prefeitura Municipal de Descalvado, Roberto A cada ano esse número vem aumentando e Villani, que organiza o evento na cidade desde pessoas de outras cidades vêm para Descalvado 2004. Fomentar o apoio à cultura é outra para prestigiar o evento”, diz Roberto. importante contribuição do evento, homena- Criado pela Delegada Regional de Cultura geando as prefeituras que, de alguma forma, de Araraquara, Edelvâni Fioco e pela Coordena- apoiaram os artistas de suas cidades para dora da Oficina Cultural Regional Sérgio Buarque participarem do movimento. “O prefeito recebe de Holanda, de São Carlos, Maria Inês Botta, a um diploma de “Amigo das Artes” e o dirigente primeira edição do IntegrARTE aconteceu em cultural recebe um diploma de gratidão”, explica Araraquara no ano de 2004 com a exposição Villani. de obras de artistas plásticos da região. No Na primeira quinzena de setembro, mesmo ano, ele foi adotado pela cidade de Descalvado, que possui hoje aproximadamente Descalvado e abriu espaço para artistas de 30 mil habitantes, se transforma em um grande diferentes segmentos. Imagem de arquivo 12
  • 9. porta-luvas Imagem de arquivo Festival desafia companhias de teatro Imagine um festival de teatro em uma Criado há mais de 20 anos, o Temetal se cidade que não tem um teatro. Assim é o apresentará no festival Desafio no dia 8 de Desafio, festival regional de teatro que acontece setembro com a peça “Vem buscar-me que durante o IntegrARTE, em Descalvado. “É um ainda sou teu”, baseada na canção “Coração verdadeiro desafio para o grupo de teatro Materno”, de Vicente Celestino. “As apresentar uma peça aqui, eles têm que fazer expectativas são as melhores possíveis, pois uma adaptação de cenário, iluminação, iremos praticamente estrear este espetáculo marcação e som, pois as apresentações em Descalvado”, anima-se Bellini. acontecem em um anfiteatro com dimensões bem menores que um teatro”, afirma Villani. Imagem de arquivo O gr upo de teatro Temetal (Teatro Experimental dos Metalúrgicos), de Santos, participou do festival no ano passado e já garantiu a presença na quarta edição. “Essa iniciativa no interior do estado é muito válida, foi importantíssimo poder trocar experiências com outros grupos de teatro e experimentar diferentes tipos de platéia”, fala o diretor do grupo, Carlos Bellini. Ser viço > IntegrARTE – 2 a 15 de setembro de 2007 – Descalvado-SP Serviço Exposições: de segunda à sexta-feira, das 9 às 21 horas; sábado e domingo, das 9 às 18 horas. Local: Centro Cultural (Rua Dom Pedro II, s/nº, armazém da antiga estação ferroviária). Entrada gratuita. Festival Regional de Teatro Desafio: Todas as noites a partir das 19h30. Local: Anfiteatro Municipal (Rua José Quirino Ribeiro, nº 55, ao lado da Prefeitura Municipal). Entrada gratuita. Inscrições: Os artistas e companhias de teatro que quiserem participar do IntegrARTE devem fazer a inscrição até o dia 20 de agosto na Divisão de Cultura de Descalvado, com Roberto Villani – Fone: (19) 3583 5637 – E-mail: culturadesc@linkway.com.br. 13
  • 10. porta-luvas MANIFESTAÇÃO POPULAR “Dá licença, seu patrão?” Cajuru reafirma tradição das Companhias de Reis em projeto de resgate histórico Fernando Bueno “Waldemar Giomi”, onde está a exposição fotográfica “Abra Os Olhos: Os Reis Estão Aqui”, parte de um projeto maior, que como contas de terço fazem parte do rosário de ar te-educação, travestido de resgate histórico. Tudo engendrado por uma trupe de jovens visionários, capitaneados pela psicóloga e professora universitária Luciene Belleboni. O início foi em 2005, quando ela, em parceria com a Associação dos Três Reis Santos de Cajuru e a Prefeitura, criou o projeto “Dá licença, seu patrão?” – uma referência clara à chegada das Companhias de Reis nas casas dos fiéis. No ano seguinte, uma parte desse trabalho – “No Amanhecer da Luz do Dia: Reis em Cajuru” – foi apresentado em um concurso da Secretaria de Encontro de Companhias de Reis na Estado da Cultura, por meio do cidade de Cássia dos Coqueiros em 2007 Programa de Apoio Cultural, Categoria Publicação de Registro Quando uma comunidade busca suas raízes Fotográfico. Os recursos vieram e permitiram a e luta pela preservação do seu relicário lúdico, criação da exposição, fruto de ampla pesquisa cultural e – por que não? – mágico, creiam, realizada entre 1997 e 2007 por Luciene brilha no céu, de contentamento e esperança, Belleboni. Em “Abra Os Olhos: Os Reis Estão uma nova estrela. No caso dos moradores de Aqui” é possível ver representadas as 10 Cajuru, pequena cidade de cerca de 30 mil agremiações restantes (elas já foram 25): moradores, distante 60 quilômetros de Ribeirão Estrela Guia, Irmandade, Hinos da Profecia, Preto (SP), isso é quase literal. Ou, como eles Germi-Terra, Os Canários de Santos Reis, Os mesmos dizem, é milagre de Santos Reis. Um Magos do Oriente, Os Mensageiros de Santos pouco dessa história foi mostrado no Bulevar Reis, Prudêncio, Sagrada Família e União. 14
  • 11. porta-luvas Arte-Educação A exposição tem monitores especialmente produção de um texto sobre história de uma treinados para receber os alunos do Ensino das Companhias de Reis da cidade, uma redação Fundamental nas visitas. O trabalho exposto sobre a experiência vivida durante a visita à servirá de atividade extra-curricular para exposição e uma pesquisa fotográfica sobre estudantes. Eles realizarão três atividades: a esta manifestação da cultura popular caju- ruense. “Queremos contribuir com a memória histórica e a preservação desse fazer ar tístico da cultura popular de Cajuru. A exposição cria um espaço de discussão, que privilegia a riqueza do significado da Festa de Santos Reis para a comunidade local e regional”, afirma Luciene Belleboni. Além dela, fazem parte do projeto o produtor executivo Lucas Aukar de Camargo, a assistente de produção Betânia Belleboni e o designer visual Rafael Barbero. Tradição que liga famílias e forma devotos Os improvisos nascem primeiro na voz do do antropólogo Carlos Rodrigues Brandão, da embaixador, que vai à frente, liderando a Unicamp (Universidade de Campinas), dão conta companhia, cercado por fiéis devotos. Mas, junto, que essa agremiação, com 110 anos de tem também alferes (ou palhaço), ajudante, existência, é a mais antiga do Brasil. Tudo requinta, tala, contra-tala, respondedor de tala, começou com o embaixador José Prudêncio da tipli, contra-tipli, bandeireiro e pessoas com Silva, que se mudou de Minas Gerais para o pandeiro, chocalho, melê, sanfona, violino, bairro rural das Lajes. A companhia foi violão, viola, bandola, bandolim, banjo e mais passando para o filho, depois para o neto e fiéis ao redor. Tudo para homenagear Gaspar, hoje já chegou ao bisneto. Belchior e Baltazar, três sábios tomados como reis pela tradição católica, responsáveis pelas primeiras – e talvez únicas – honrarias recebidas por Jesus em sua jornada de messias – ouro, incenso e mirra. “É tudo galho que saiu de um tronco só. Uma família formou uma companhia e aí vieram outras. É coisa que só a fé em Santos Reis para explicar”, diz Morivaldo Ramos, 56 anos, alferes da Companhia de Reis dos Prudêncio - Bairro da Laje. Os levantamentos históricos feitos por Morivaldo Ramos, alferes dos Prudêncio, e Luciene Belleboni, referendados pela opinião José Aguiar, alferes da Companhia União 15
  • 12. porta-luvas Alferes – Roupa de chita ou chitão é sagrada, quanto mais estampada melhor Pode ser vermelha, de preferência, se a impregnar mesmo quem está lá por Cajuru pessoa for mestre, falar bastante, rimar e versar apenas de passagem. José Porto Aguiar, de 72 com gosto. E as máscaras fortes, horrendas anos, alferes da Companhia de Reis União, é mesmo, de botar medo em criança, são marca uma espécie de depositário fiel desta memória, registrada. que é muita fé e um tanto de imaginário coletivo. “Tem Alferes que tem o dom dos versos. Eu sou mais calmo. Mas vejo tudo com o coração. Canto, beijo bandeira, me ajoelho e faço meus versos do meu jeito. Nós, Alferes, somos O s como os anjos que, com barro alferes no rosto, enganaram são a Herodes e salvaram o alegria e a menino Jesus” , renitência afirma. visível das Companhias de Reis no embate mudo contra a modernidade globalizada. “Pago promessa da minha avó. Pago faz 22 anos e não paro mais. Pago com o coração alegre”, fala, emocio- nado, Adezílio Paulino de Souza, 43 anos, o “Xoxim” como é conhecido. Alferes de versos fáceis e piedosos da Companhia de Reis Sagrada Família, Xoxim já ensina ao filho Vitor Hugo as artes da louvação. O garoto, de 2 anos apenas, é o mais jovem alferes do Brasil e mantém viva a tradição. As emoções e a devoção em Santos Reis Alferes da Companhia de Reis teimam em transbordar e Magos do Oriente 16
  • 13. porta-luvas MÚSICA Uma noite para não ser esquecida lembra Dalva de Oliveira Claudio Luiz de Carvalho Imagem de arquivo Quem poderia imaginar um encontro da Fátima juntou ao grupo Júlio Peronti (que, Dalva de Oliveira com seu filho Pery Ribeiro em no espetáculo interpreta Herivelto Martins e Pery 2007? Dalva morreu em 1972. O encontro Ribeiro), Clayton Almeida (Nilo Chagas) e estava aconteceu no dia 22 de abril, em São Carlos, formado o Trio de Ouro, grupo que, comandado em um estúdio de gravação e eu explico: Pery por Herivelto Martins, fez grandes sucessos na foi conhecer Vilma, a cantora que vai interpretar música brasileira a partir dos anos 30. sua mãe no espetáculo Viva Dalva 90 Anos da O acompanhamento musical é feito por Estrela produzido para comemorar os 90 anos Fernando Barros (violão), Ricardo Finazzi de nascimento da cantora, diva da música (contrabaixo), Thadeu Romano (acordeon e brasileira. bandoneon), Alessandro Silva (clarinete e sax), Tudo começou com o músico Fernando Misael Sena (violino) e Emílio Mar tins Barros, violinista apaixonado por Herivelto (percussão). Martins, pai de Pery e marido de Dalva de Ao ser perguntado sobre como via a idéia Oliveira. Em uma conversa com Vilma Faggioli, do espetáculo e sobre o ensaio, Pery Ribeiro seu entusiasmo pelo trabalho do compositor respondeu: “O ensaio tem o meu aval. Aval de levou-o a descobrir histórias sobre a vida do Imagem de arquivo casal e a vida de Dalva de Oliveira em Itirapina, onde ainda mora uma de suas tias, Dona Lucila. Foi esta que narrou muito do que o espetáculo procura reproduzir. Fernando e Vilma levaram a idéia para Fátima Camargo, diretora do Projeto Contribuintes, que também tem laços com Itirapina e cuja família também conheceu Dalva de Oliveira. 17
  • 14. porta-luvas quem viveu tudo isto e vê pessoas absorvendo sua morte. A força da história de Dalva é muito as canções e a postura de minha mãe. A Vilma grande.” é espetacular. Não precisa imitar. Se conduz Zuza Homem de Mello: produtor musical, como minha mãe. Canta como minha mãe. presente na platéia e que conheceu Dalva, Chega muito perto. Os arranjos são muito bons, Herivelto e o Trio de Ouro, afirma que Viva o tratamento melódico e harmônico é excelente”. Dalva 90 Anos “é um espetáculo honesto, Um momento mágico aconteceu no ensaio, sincero, puro. Um tesouro a descoberta da Vilma quando Pery e Vilma cantaram Ave Maria. Vilma Faggioli. Há momentos que parece dublagem. não conseguiu conter a emoção e chorou. Emoção pura. Um espetáculo para ficar em Aliás, emoção que se repetiu na estréia do cartaz no Brasil por pelo menos dois anos”. Viva Dalva 90 Anos da Estrela, realizado em A admiração de Zuza por Vilma não é única. Rio Claro, no Teatro do Sesi, no dia 11 de Mas, isto tem explicação e é ela mesmo quem maio. explica: “a música é um estado de espírito e Como a emoção brotando junto com suas essas músicas cantadas por Dalva de Oliveira palavras, Pery Ribeiro, que chorou quando ouviu têm muita emoção. Dalva tinha emoção. Vivê- Ave Maria no Morro, afirmou que tem a honra la nesse espetáculo é um sonho”. de ver o quanto sua mãe é cultivada. Disse, Felizes os que puderam presenciar a estréia ainda, “que o espetáculo está muito verdadeiro, do Viva Dalva 90 Anos da Estrela. Lotado, o não é um lugar comum. Minha mãe está mais teatro não pôde abrigar uma fila de pelo menos viva do que nunca. Tenho orgulho disso”. mais 30% da sua capacidade que esperou Para ele, o fato de a vida de sua mãe estar fora a possibilidade de ver o espetáculo. sendo resgatada por meio de um espetáculo Mas, já estavam programadas pelo menos como esse, produzido em uma cidade do interior três novas apresentações: dias 11 e 12 de de São Paulo, distante dos grandes centros “é Julho, no Teatro do Sesc, em São Carlos e dia algo maravilhoso. Tenho muito orgulho, me dá 15 de Julho no Teatro do Sesc de Araraqura. muito prazer. Sou filho de uma mulher que É o que informa Fátima Camargo, idealizadora desmente a falta de memória do Brasil, pois e produtora do Viva Dalva. ela sempre é lembrada. Quase 40 anos após É ela também quem explica o que o Imagem de arquivo 18
  • 15. porta-luvas espetáculo procura mostrar : “É uma nasceu no dia 5 de Maio de 1917, prestou-lhe homenagem aos 90 anos de nascimento de uma justíssima homenagem, apresentando ao Dalva de Oliveira, um dos mais importantes seu filho a placa que será colocada na praça patrimônios da música brasileira. Nossa que lhe dá nome. proposta foi criar um caminho para reacender Viva Dalva 90 Anos da Estrela é uma o interesse pela grandeza artística de Dalva e promoção do Projeto Contribuintes da Cultura, de Herivelto Martins. O trabalho musical de da FAI - Fundação de Apoio ao Desenvolvimento ambos contém interpretações inigualáveis e Científico e Tecnológico, da Universidade Federal um reper tório que deve ser relembrado e de São Carlos. O espetáculo Viva Dalva aguarda divulgado ao público de todas as idades, nos avaliação do Ministério da Cultura para se dias de hoje e sempre”. beneficiar dos incentivos da Lei Rouanet. Zuza Homem de Mello resume, de forma simples: “era uma pessoa muito simples, mas com um poder de percepção de onde está o fulcro de uma canção. A obra gravada pela Dalva é uma obra fulgurante. É sem dúvida uma das cinco maiores cantoras brasileiras de todos os tempos. Ela é um marco na história da música popular brasileira”. Antes do início do espetáculo, Imagem de arquivo a cidade de Rio Claro, onde a estrela Dalva de Oliveira nasceu Vicente Paula de Oliveira, filha de uma família muito humilde. Foi faxineira, costureira. Passou por orfanato, infância com poucos brinquedos, mas, felizmente, com muita música. Cantou sob a lona de circos. Juntou-se à dupla Preto e Branco, o que deu origem ao Trio de Ouro. Casou-se com Herivelto Martins, um dos maiores compositores brasileiros de todo os tempos e, com ele, teve dois filhos, Pery e Ubiratan. Separada de Herivelto, sofreu com as manchetes escandalosas de todos os jornais e viveu uma grande polêmica musical com o ex-marido, mas sucesso maior em carreira solo, graças a sua grande empatia com o público. Seus sucessos mais lembrados são Máscara Negra, Bandeira Branca, Tudo acabado, Que será, Calúnia, Poeira de Chão, Kalu, Olhos Verdes, Segredo, Pastorinhas, todas apresentadas no Viva Dalva 90 Anos da Estrela. Dalva morreu em 31 de Agosto de 1972. Pery Ribeiro conta a história de seus pais no livro “Minhas Duas Estrelas – uma vida com meus pais Dalva de Oliveira e Herivelto Martins”, escrito junto com a jornalista Ana Duarte, sua ex-mulher. É um livro de memória, um relato vivido de um filho que ama os pais que teve, feito de forma emocionada e verdadeira. É uma história muito densa, que inclui também a história de um tempo excepcional da música brasileira. “Minhas duas Estrelas” é um lançamento da Editora Globo. 19
  • 16. porta-luvas TRADIÇÃO Bauru - Sanduíche com história Bauru, o original desde 1934 A criação do sanduíche mais famoso do Brasil e seu reconhecimento como atrativo turístico da cidade de Bauru Milena Ar thur São Paulo, início da década de 30. A cidade nisso, (Eu tinha lido em um opúsculo livreto de ainda vivia as mudanças deflagradas pela alimentação para crianças, da Secretaria de Semana de Ar te Moderna de 1922. Da Educação e Saúde, escrito pelo Ex-prefeito Faculdade de Direito do Largo São Francisco Wladimir de Toledo Pisa, também freqüentador saíram as idéias que culminaram nos do Ponto Chic - que a carne era rica nesses movimentos políticos mais impor tantes da dois elementos) bota umas fatias de roast beef história do Brasil, incluindo a Revolução junto com o queijo e já ia fechando de novo Constitucionalista de 1932. No Largo do quando eu tornei a falar: Falta vitamina, bota Paissandu, o pequeno e refinado bar “Ponto aí umas fatias de tomate. Este é o verdadeiro Chic” é o ponto de encontro de intelectuais, BAURU. Quando eu estava comendo o segundo estudantes e boêmios. sanduíche chegou o “Quico” - Antônio Boccini Casimiro Pinto Neto era um dos privilegiados Jr., que era muito guloso e pegou um pedaço que circulava em ambos os locais nessa época. do meu sanduíche e gostou. Aí ele gritou para Orgulhoso de sua cidade natal, foi apelidado o garçom: Me vê um desses do ‘Bauru’.” pelos colegas de faculdade como “Bauru”. Desde então, a fama do sanduíche correu Inspirado por esse cenário, o próprio Casimiro por si própria. Os amigos foram experimentando conta como, numa noite de 1934, entrou no e o nome “pegou”. Para pedir, todos falavam: Ponto Chic com muita fome e foi logo pedindo “Me vê um do Bauru”. Com a difusão do lanche, ao sanduicheiro Carlos: surgiram diversas variações da receita original, “Abre um pão francês, tira o miolo e bota sendo que a mais conhecida - e que foi um pouco de queijo derretido dentro. Depois verdadeiramente o grande difusor do seu nome disso o Carlos já ia fechando o pão eu falei: - é a de presunto, queijo e tomate no pão Calma, falta um pouco de albumina e proteína francês ou de forma, tostado. 20
  • 17. porta-luvas Trabalhando para preservar a tradição Embora o sanduíche tenha sido criado na fundamental na difusão da receita original capital paulista, ficou a cargo dos próprios dentre os bauruenses. Na década de 50, o bauruenses a iniciativa de criar meios para garçom José Francisco conheceu a receita perpetuar a tradição que Casimiro começou há original no Ponto Chic e teve contato com o mais de 70 anos. Com esse foco, o Conselho próprio Casimiro. Quando soube que o bar onde Municipal de Turismo de Bauru lançou o o Bauru havia sido criado iria fechar, Zé do programa “Bauru Tradicional”, que está Skinão decidiu que seria sua responsabilidade certificando os bares, lanchonetes e restau- não deixar a tradição desaparecer. rantes da cidade que trazem em seus cardápios Em 1972, começou a produzir o legítimo a receita original. Bauru na sua própria lanchonete, o Skinão O dono do estabelecimento que se Lanches, e transformou seu estabelecimento interessar em aderir ao programa recebe a numa referência na divulgação da receita visita de uma comissão técnica que avalia a original, distribuindo muitas vezes o lanche maneira como é produzido o sanduíche. gratuitamente para que a população “tomasse Confirmado que a receita está de acordo com a gosto” por ele. Três anos mais tarde, o Ponto original, a certificação é publicada no Diário Chic foi reinaugurado no mesmo local e Oficial do município e a empresa recebe o selo atualmente tem quatro lojas na capital. “Bauru Tradicional: Estabelecimento Quanto ao Skinão, permaneceu por 30 anos Certificado”. Segundo Helerson Balderramas, na avenida Rodrigues Alves. Com a morte de presidente do COMTUR, “a idéia é resgatar o José Francisco em 2002 seu filho, Marco Antonio modo de preparo e os ingredientes básicos da Francisco, o “Marquinho”, assumiu o legado receita original, mas é preciso respeitar o deixado pelo pai e investiu no negócio da família, diferencial de cada estabelecimento a fim de transferindo a lanchonete para um espaço não limitar a concorrência”. moderno nos Altos da Cidade. Basta trocar A preocupação em registrar os aconte- poucas palavras com Marquinho para descobrir cimentos históricos em torno do Bauru começou que ele também herdou a paixão do pai pela em 2006, quando foi criada no Museu Histórico história do lanche: “Para mim, não existe outra Municipal uma sala para homenagear José receita de Bauru a não ser a original. Tenho Francisco Júnior, o “Zé do Skinão”, personagem vários lanches no meu cardápio, mas Bauru só tem um”. A paixão pela cidade também foi a inspiração de Egberto Cavariani ao abrir o Bauru Chic. Quando ainda era “O segredo deste sanduíche está na seleção de ingredientes nobres: amor, dedicação e arte. é assim que se faz uma receita com sabor da nossa Bauru.” - Zé do Skinão 21
  • 18. porta-luvas Brasil”, conta ele. O simpático bar já diz ao que veio logo na fachada: acima da por ta, uma foto de Casimiro Pinto Neto quando ainda era estudante de Direito. O interior é pura história: paredes repletas de belas fotos de pessoas nascidas em Bauru ou que têm estreita ligação com a cidade. Personalidades famosas como o Rei Pelé e o Bauru Chic: cardápio variado e decoração temática astronauta Marcos Pontes dentre tantos outros, sendo que a maioria professor universitário de Educação Física, ele dos retratos trazem dedicatórias. O decidiu que esse seria o tema ideal para o seu mesmo cuidado com a decoração foi aplicado negócio depois da aposentadoria: “Queria criar ao cardápio, que traz dez variações do Bauru um bar temático, que valorizasse a história da cuidadosamente selecionadas, incluindo a cidade servindo o sanduíche mais famoso do receita original. Em busca do reconhecimento nacional A criação do selo e da sala no museu foram os primeiros passos para um projeto ainda mais ambicioso. A diretora de museus da Secretaria Municipal do Desenvolvimento Econômico, Cynthia Bombini Ferreira, com a ajuda do pesquisador Paulo Sérgio Folcato, está reunindo uma vasta documentação a fim de obter por parte do IPHAN (Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional) o reconhecimento do Bauru como Patrimônio Cultural. O processo teve início em 2005, quando Cynthia teve acesso a um documento registrado em cartório pela esposa e filhas de Casimiro, descrevendo a receita ditada por ele: pão francês sem miolo, fatias de rosbife, rodelas de tomate italiano e mussarela derretida em banho- maria”. “Será um dos primeiros pratos nacionais a receber esse tipo de reconhecimento”, ressalta ela. A receita do legítimo Bauru, registrada em cartório 22
  • 19. porta-luvas A receita original Ingredientes A popularidade do Bauru não aconteceu por acaso. Além de ser um lanche saboroso, seu preparo é bastante simples e você pode fazer em casa. Outro ponto favorável é o fato de ser uma refeição saudável, bem balanceada do ponto de vista nutricional e com valor energético baixo: 306,56 Kcal (considerando as calorias do queijo antes do derretimento; parte da gordura do queijo é descartada no banho-maria o que deve reduzir esse valor). Segundo relatos de familiares e amigos, essa receita era especialmente favorável à Casimiro pois ele sofria de problemas estomacais. Ingredientes: • 1 pão francês sem miolo; • 3 fatias de queijo mussarela; • 3 rodelas de tomate; O queijo é derretido • 3 fatias de rosbife (veja a receita abaixo); em banho-maria • 3 rodelas de pepino (picles)*; • Sal e orégano a gosto. * o pepino é opcional pois só foi incorporado à receita em 1950. Modo de preparo: Prepare numa assadeira um banho-maria: coloque um pouco de água e leve ao fogo para aquecer. Abra o pão em duas partes e retire o miolo. Em uma das partes, coloque as fatias de rosbife frio, as rodelas de tomate e as de pepino. No banho-maria, coloque algumas fatias de queijo. Quando estiver derretido, coloque o queijo na outra fatia de pão e una as duas partes. O calor de queijo aquecerá os demais ingredientes do sanduíche. Receita de Rosbife (Roastbeef): • 2 Kg de Lagarto; • 3 colheres de sopa de manteiga; • Caldo de 1 limão; • Sal e pimenta do reino à gosto. Pré-aqueça o forno em 200ºC. Limpe a carne, retirando a gordura externa. Tempere e deixe marinar por 1 hora. Em uma frigideira grande ou chapa de ferro coloque a manteiga e leve ao fogo forte para derreter. Coloque o lagarto, frite os lados, até ficar bem dourado. Em uma assadeira untada, leve ao forno por 45 minutos. Retire e leve à geladeira por 1 hora. Corte em fatias bem finas, de preferência no fatiador de frios ou faca elétrica. 23
  • 20. porta-luvas PATROCINADOR Programas de saúde ajudam a prevenir acidentes e aumentam segurança nas rodovias A cena é inesquecível. Um caminhoneiro É senso comum entre as concessionárias atravessa a pé as duas pistas de uma rodovia. da OHL Brasil (Autovias, Centrovias, Intervias e Ele desmaia já na faixa de domínio e é socorrido Vianorte) que a saúde dos caminhoneiros – pela equipe médica de plantão no Pit Stop, principal público-alvo dos programas – é ponto programa de atendimento médico gratuito importante para o bem estar desses usuários e destinado a caminhoneiros e outros usuários para a segurança viária. Todas (Autovias, das rodovias concedidas à Vianor te. O Centrovias, Intervias e Vianor te) realizam caminhoneiro tentava alcançar uma das programa de atendimento em saúde, pois barracas de saúde no local, alertado por faixas entendem que a melhoria dela passa, por nas rodovias e pelos arrecadadores do pedágio. exemplo, pelo oferecimento de serviços tão Com a pressão arterial muito elevada, foi distintos quanto singulares, como cortes de medicado e encaminhado para atendimento cabelo, tratamento de calos, vacinação, especializado. Na mesma edição do programa, orientação sobre postura correta ou exames em um único dia, foram usadas 10 unidades cardiológicos, do pulmão ou da próstata. de um comprimido para abaixar a pressão No ano anterior as concessionárias definem arterial. Um recorde, segundo os médicos e as datas de cada etapa do programa para o organizadores do evento. ano seguinte, a fim de que não haja coincidência 24
  • 21. porta-luvas de dias e que o maior número de usuários DST/AIDS; atendimento odontológico; serviços possa ser beneficiado. de Podologia e cor te de cabelo; inspeção As campanhas acontecem por dois ou três veicular para carros e caminhões; e consultas dias seguidos em pontos de grande fluxo ou on line sobre IPVA (Imposto sobre Propriedade passagem de caminhoneiros, geralmente postos de Veículos Automotores), multas, licenciamento de combustível à margem de uma rodovia. Os e pontuação na CNH (Carteira Nacional de serviços podem variar de concessionária para Habilitação). concessionária, mas de maneira ampla são As concessionárias participam, ainda, de oferecidos, gratuitamente, exames de diabetes, campanhas de vacinação contra a poliomelite, pressão arterial, colesterol e visão; avaliação contra a gripe (para idosos), de combate ao da qualidade do sono, peso, altura e IMC (Índice câncer ginecológico, realizadas em conjunto de Massa Corpórea); vacinas contra difteria, com as secretarias municipais de Saúde, além tétano, caxumba, sarampo, rubéola, febre de mediante apresentação da receita a amarela e hepatite B; orientações nas áreas de distribuição de medicamentos, do Programa Fisioterapia, Nutrição, Enfermagem e Farmácia, Dose Certa. Prevenção ao câncer da próstata e uso de anfetaminas Entre os serviços médicos oferecidos nas campanhas. “O papel educacional é fundamental campanhas do Saúde na Estrada da Autovias para a prevenção de doenças como o câncer estão a consulta com o médico urologista e o de próstata”, disse. exame para prevenção ao câncer de próstata. A campanha conta com médicos cardio- O exame somente é feito se o caminhoneiro logistas que orientam os motoristas quanto ao quiser e se sentir à vontade para isso e é risco para a saúde que causa o uso do “arrebite” realizado em uma sala privativa, na qual o (anfetaminas). O uso de anfetaminas pode acesso é permitido apenas ao paciente e ao provocar alteração de pressão e vários médico urologista. O urologista Cássio Antônio problemas cardíacos. Isso se agrava quando o Bottene Schineider já par ticipou de três motorista é hipertenso. 25
  • 22. porta-luvas Saúde bucal é saúde para o corpo todo montadora de mesmo nome. Neste programa atua o cirurgião-dentista Cássio de Mello, idealizador do Odontomóvel, um caminhão- baú adaptado para ser um moderno consultório dentário, equipado para realizar desde uma simples consulta até uma pequena cirurgia bucal. “Já vivenciei histórias incríveis e tristes, como a de encontrar um caminhoneiro que usava água de bateria para amenizar a dor de um dente cariado, ou outro que nunca havia escovado os dentes na vida. Quando os caminhoneiros sentem dor de dente utilizam qualquer objeto ou coisa que estejam a sua frente. Eles chegam a usar ferramentas dos caminhões para extrair um dente. È preciso tomar muito cuidado. Por causa de descuido com a higiene bucal outros órgãos podem ser O caminhoneiro André Barbosa, de 29 anos, afetados. O mundo deles é muito distante do morador da cidade de São Gabriel D´Oeste que conhecemos. As informações não chegam (MT), parou em uma das campanhas de saúde até eles. Daí, mais um motivo para as “para colocar a saúde em dia e passou por concessionárias manterem seus programas de todos os atendimentos. Nós não temos tempo atendimento médico e odontológico para de parar para fazer exames, cuidar dos dentes. caminhoneiros”, testemunhou. Cássio vê com Aqui pude fazer tudo isso, de uma vez só. Foi entusiasmo e crê na importância de eventos uma beleza”, contou. como o Pit Stop da Vianorte e do Mais Saúde Um dos parceiros antigos das campanhas na Estrada, realizado pela Centrovias, eventos é o programa “Sorrindo com a Ford”, da nos quais participa com seu Odontomóvel. 26
  • 23. porta-luvas Saúde na Boléia atende a mais de 44 mil caminhoneiros O Programa Saúde na Boléia foi criado em setembro de 2001 com o objetivo de oferecer um serviço de saúde com qualidade e gratuito para os caminhoneiros em seu ambiente de trabalho: as estradas. Além disso, o Programa busca conhecer melhor os fatores de risco para acidentes de trânsito e estimular mudanças de hábitos e atitudes desses profissionais. Em cada edição do Programa Saúde na Boléia a Intervias prioriza emergência. Ele está localizado na Rodovia uma campanha de saúde com médicos Anhangüera, Km 164, Pista Norte, na cidade de especialistas para examinar e orientar sobre a Araras. prevenção da doença, além de oferecer um check-up. Além dos exames comuns a todas as outras empresas da OHL Brasil, realiza triagem oftalmológica completa com o fornecimento de óculos. Nas campanhas, após avaliações físicas e o cálculo do IMC (Índice de Massa Corporal), os caminhoneiros recebem as orientações dos profissionais sobre alimentação saudável, prática de exercícios físicos e postura correta. Para atendimento permanente aos caminhoneiros, a Intervias mantém o Posto de Atendimento ao Caminhoneiro (fixo), com ambulatório médico e odontológico, operado por profissionais especializados em casos de 27
  • 24. porta-luvas CONTO BEBEDOURO DOS ANIMAIS Este conto mistura realidade e ficção. Vereador e bebedouro existiram, o último resistiu ao tempo, permanecendo firme ao lado da estação, como que esperando ouvir novamente o apito do guarda trem, a comandar a saída do comboio, que um dia partiu para nunca mais voltar. Luiz Carlindo Arruda Kastein 1948 - Um ano diferente para Descalvado. nas costas. Logo aparteou: “reio nem em costa Desde 1937, quando Vargas instituiu o Estado de animal, quando mais de homem, muito Novo, que não se elegia uma Câmara Municipal. menos de edil”. E deste ideal, de proteger os A cidade durante anos foi governada por animais, nasceu uma obsessão: A construção prefeitos nomeados. A 2ª Grande Guerra Mundial de uma obra que perpetuasse seu nome e seu tinha terminado apenas três anos antes, mas interesse nos animais. A proposta nasceu ainda deixava profunda, suas cicatrizes. Mas concreta na Câmara: um bebedouro para 1948 trazia de volta a democracia. Descalvado animais ao lado da estação ferroviária. Foi elegeria a maior Câmara de sua história. Nada acolhida pelo Plenário e pelo Prefeito. Mãos a menos que 21 Vereadores, entre efetivos e obra, os funcionários municipais construíram o suplentes seriam empossados pelo MM. Juiz bebedouro. Dia de inauguração. A cidade da Comarca, em 1º de janeiro. O Plenário viria amanheceu em festa. Feriado municipal, a reunir Vereadores ilustres, oradores eloqüentes, população vestida com roupa de domingo, escolhidos dentre as maiores personalidades Prefeito e Vereadores, Juiz, Promotor, Delegado, da época e que apresentariam projetos de o Padre e os coroinhas, a Banda Santa Cecília, grandeza para o Município, tal como a criação que não poderia faltar, a entoar seus dobrados. do Ginásio Estadual, trazendo um grande Rojões, bandeiras. O povo se comprimindo no benefício para os estudantes, que até então, largo da estação, muitas palmas. O orador não viajavam diariamente por trem até poderia ser outro, senão o ilustre Vereador, Pirassununga. Na Câmara, um Vereador se autor da propositura. No seu jeito simples, destacaria por sua simplicidade, seus discurso decorado, empunha o microfone da pronunciamentos polêmicos e sua rádio propaganda, fala palavras oratória controvertida, além de bonitas, emudece a população. cultivar um sonho: a proteção “reio nem em Terminada a oratória, emocio- aos animais. Talvez tenha sido nado, não resiste a um ato costa de animal, precursor da Sociedade heróico: retira o paletó, Protetora dos Animais. Não se quando mais de afrouxa a gravata, arregaça conformou quando em homem, muito as mangas da camisa, debruça- pronunciamento, um colega menos de edil” se sobre o bebedouro. Mergulha disse que muitos assuntos só as mãos suadas de emoção nas poderiam ser resolvidos com reio águas límpidas, enche-as com o 28
  • 25. porta-luvas precioso líquido, levando à boca e bebendo acontecesse. Mas nada acontecia. Uma como o mais sedento dos seres. Depois vira-se gargalhada geral para encerrar uma solenidade para o povo e brada em bom tom: “Está tão sonhada. Ah, ilustre Vereador, que como a inaugurado o bebedouro dos animais”. Pobre maioria dos políticos, deveria ter se lembrado infeliz. Não faltou presença de espírito a um do ditado popular: “Muitas vezes, as palavras anônimo opositor político, que em meio ao valem prata, mas o silêncio, vale ouro...” Hoje povo, encobrindo o som da banda, o espoucar quem quiser, pode conhecer o bebedouro que dos rojões, os aplausos, a gritaria, berra a plenos fica na rua D. Pedro II, bem ao lado da futura pulmões: “Claro, o demagogo Vereador foi o praça “Florência Maria de Jesus” perto da primeiro animal a beber”. O Vereador, rubro, estação ferroviária. Um patrimônio histórico que estourando de raiva, fez que não ouviu, apertou o tempo não destruiu. As palavras do Vereador as mãos do Prefeito, do Juiz e de quem mais se perderam ao vento, mas sua vontade se pôde. Pediu que fosse jogada água benta, que consolidou: até hoje, quase 50 anos depois, os os animais bebessem, que o povo cantasse, animais ainda saciam sua sede no bebedouro que a banda tocasse, enfim, que algo que ele deveria ter inaugurado...calado. 29
  • 26. porta-luvas CAR TAS ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ ○ >> “Já tive a oportunidade de ler as quatro edições dessa revista, que por sinal é muito boa, pois destaca a rica cultura que temos em nossas cidades e que muitas vezes passa despercebida, além de enfocar os artistas anônimos que muito enriquecem nossa cultura. Parabéns a essa revista que resgata a cultura do nosso interior paulista, porque uma cidade que não preserva sua cultura é uma idade sem identidade.” João Luiz de Souza – Mauá (SP) Resposta: João, nossos agradecimentos aos seus comentários. Porta-Luvas tem mesmo como proposta esse resgate da cultural regional. >> “Sou o Tinoco (da dupla Tonico e Tinoco) e quero parabenizá-los pela matéria “Música caipira na história de um teatro”. Em viagem para a cidade de Caconde, recebe a revista Porta-Luvas e, ao chegar em São Paulo, resolvi escrever para vocês. Coloco-me à disposição e gostaria de receber as futuras edições da revista, pois a achei de ótima qualidade”. Tinoco – São Paulo Resposta: Caro Tinoco, só procuramos contar a todos um pouco da cultura regional de nosso Estado, para a qual você e seu irmão já contribuíram muito. >> “Parabenizo pela revista Porta-Luvas. Planejo, a partir do próximo semestre, passear com minha filha pelas cidades da região (para que ela conheça mais sobre o nosso Estado) e o periódico muito nos ajudará”. Magali Paixão – jornalista – Piracicaba (SP) Resposta: Sentimo-nos satisfeitos em ajudar-lhe em suas viagens. Se descobrir algo que entenda ser possível de divulgação em nossa revista, encaminhe para nós. >> “Tendo conhecido a revista Porta-Luvas recentemente, me apaixonei pela propriedade com que ele nos convida a visitar nossa história por meio dos marcos e dos sujeitos sociais que atuaram durante todo esse tempo em nosso país, mais precisamente em alguns recantos que, por muitas vezes, passam despercebidos aos nossos olhos! Parabéns pelo brilhante trabalho! Isso é cidadania, isso é respeitar o legado de tantas gerações que formaram nosso povo, nossa cultura e nos deram uma real identidade. Ficaria honrada, como professora que sou, de ter acesso a outros exemplares, para meu próprio deleite e para utilizá-los nas escolas como excelente material de apoio à formação dos jovens”. Susete Sofientino Gouveia – Guairá (SP) Resposta: Professora Susete, estamos sensibilizados pelos seus comentários. Eles nos fortalecem mais na busca de cada dia produzir uma revista com qualidade. Não imaginávamos que a Porta-Luvas poderia ser utilizada em sala de aula. Mas, creia, isso aumenta nosso compromisso em fazer da Porta-Luvas uma revista que contribua para a formação de nossa juventude. Seu nome foi incluído no nosso cadastro de assinantes e a senhora deverá receber as próximas edições. As edições anteriores já estão no site - www.emana.art.br/ link_porta_luvas.html. 30
  • 27. porta-luvas >> “Venho, por meio desta, parabeniza-los por esta revista Porta-Luvas, a qual vem preencher uma lacuna na área de cultura e lazer nesta região que é a divulgação dos eventos das cidades. Parabéns.” Luis Antonio Gonçalves - São Carlos – SP Resposta: A equipe da Porta-Luvas agradece seus comentários. >> “Ao pessoal da revista Porta-Luvas: Em primeiro lugar, parabenizo à vocês, pois essa revista é mesmo nota 1000! Encontrei ela por acaso, jogada na calçada perto de casa, e só pela capa, já me interessei (até pensei que fosse um tipo de mapa, pelo menos do estado de São Paulo ou algum outro estado)! Pra minha surpresa, foi mais do que eu imaginei, pois ela é mais do que uma revista, é realmente algo que tem que ficar sempre no porta-luvas! Continuem assim, caprichando nesta revista e que essa revista ainda exista por mais mil anos! Adorei tudo o que vocês fizeram: “O mapeamento cultural”, “Música”, “Artista Popular”, e o que mais me encantou foi o “Um conto” – Saudade, de Antonio Fais! Parabéns pela revista, vocês realmente capricharam nela! Se não for pedir muito, gostaria de poder receber a revista de vocês aqui em casa! (ah! Meu endereço esta no verso da carta, ok?!). Desde já muito obrigado e um abraço à todos da revista Porta-Luvas. Agora posso falar um pouquinho de mim: meu nome é Patrícia Rodrigues de Oliveira, tenho 18 anos (faço 19 em 24/07/06 - 2º Feira), gosto de estar sempre informada sobre coisas que tem à ver com sertanejo ou (caipira), amei a reportagem que vocês fizeram com o Mazinho Quevedo e sobre João Pacífico. Bom já “falei de +”! Mais uma vez obrigado por se dedicarem à fazer uma revista de conteúdo e de qualidade! Um abraço a todos.” Patrícia R. de Oliveira - Ribeirão Preto – SP Resposta: É uma pena que alguém jogou a revista. Ainda bem que você a encontrou e pode apreciar o trabalho que desenvolvemos. >> “Caro amigo, Fernando Estou lhe escrevendo para parabenizar pelo lançamento da revista Porta-Luvas. Ela é nota 10. Gostei da história do Mazinho Quevedo e também do poeta de alma cabocla. Gosto desde criança das músicas e declamações que ele compôs. Estou decidido a colecionar essa revista, tenho certeza que muitas coisas boas virão. Sou caminhoneiro há 33 anos e nunca me envolvi em acidente, graças à Deus. Se for possível, envia-me a revista Porta-Luvas. Fico muito grato. José Raimundo da Silva - João Monlevade – MG Resposta: Estaremos enviando periodicamente a revista, José Raimundo. Seu exemplo de trabalhar como caminhoneiro por todo esse tempo sem acidentes é animador. Fale conosco > Envie as cartas ou e-mails para esta seção com nome, RG, endereço e telefone. A revista Porta-Luvas se reserva o direito de, sem alterar o conteúdo, resumir e adaptar os textos publicados. 31