Projeto resíduos sólidos parte 3
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Like this? Share it with your network

Share

Projeto resíduos sólidos parte 3

  • 583 views
Uploaded on

 

  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
583
On Slideshare
574
From Embeds
9
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
18
Comments
0
Likes
0

Embeds 9

http://biologiaensinomedio.blogspot.com.br 9

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Para onde vai o “lixo”?
  • 2. Disposição final dos resíduos sólidosLixõesAterros sanitáriosAterros controladosIncineradoresUsinas de compostagemSistemas de coleta seletiva e reciclagem
  • 3. Lixão
  • 4. .LixãoDenominou-se “lixão” o local caracterizado pela descarga e subsequenteabandono do lixo sobre o solo, sem nenhuma medida de proteção ao meioambiente ou à saúde pública.Principais impactos dos lixões• A decomposição da matéria orgânica a céu aberto e a consequente geraçãode gases causa mau cheiro, além de chorume, que contamina as águassuperficiais e subterrâneas;• Doenças causadas pela proliferação de ratos, moscas e vermes que sealimentam de restos de comida existentes no lixo;• Poluição do ar pela emissão de gases de efeito estufa e pela fumaça geradana queima espontânea ou proposital do lixo; e• Existência de catadores trabalhando em condições precárias, que implicamem riscos à sua saúde.
  • 5. Aterro sanitário
  • 6. Aterro sanitárioÉ uma obra de engenharia projetada sob critérios técnicos que tem afinalidade de garantir que a disposição dos resíduos urbanos nãocausem danos nem à Saúde Pública e nem ao Meio Ambiente.Por propiciar um controle eficiente e seguro do processo de recepçãoe acomodação de vários tipos de resíduos sólidos, em diferentesquantidades, este tipo de destinação quase sempre apresenta amelhor relação custo-benefício.
  • 7. Aterro controlado
  • 8. Aterro controladoNão é considerado uma forma adequada de disposição de resíduosporque os problemas ambientais de contaminação da água, do ar e dosolo não são evitados, já que não são utilizados todos os recursos deengenharia e saneamento que evitariam a contaminação do ambiente.No entanto, representa uma alternativa melhor do que os lixões, e sediferenciam destes por possuírem a cobertura diária dos resíduos comsolo e o controle de entrada e saída de pessoas, reduzindo algunsriscos para a Saúde Pública. Contudo, não prevê captação outratamento para o chorume e os gases poluentes à atmosfera.Mal operado, este tipo de aterro facilmente vem a se transformar emlixão.
  • 9. Incineração
  • 10. A incineraçãoÉ um tipo de tratamento através do qual o lixo é queimado emtemperaturas superiores a 900º C. Este processo gera poluentessólidos (cinzas), líquidos (lamas) e gasosos (gases). Após a queima, acinza restante é depositada em aterros para resíduos perigosos.Já a emissão de gases precisa de um controle com filtros adequadosque respeitem padrões legais estabelecidos. O processo deincineração gera compostos altamente tóxicos (como dioxinas efuranos) emitidos pela chaminé do incinerador juntamente com osgases. No Brasil, não há sistemas de medição para este tipo deemissão.Vantagens• Redução significativa (90%) do volume de lixo.• Possibilidade de transformação do lixo em energia ou calor.• Capacidade de receber todos os tipos de lixo.
  • 11. Usinas de compostagem
  • 12. CompostagemÉ um processo no qual a matéria orgânica (restos dealimentos, aparas e podas de jardins etc.) é degradadabiologicamente, obtendo-se um produto que pode ser utilizadocomo adubo.A compostagem permite aproveitar os resíduos orgânicos, queconstituem mais da metade do lixo domiciliar.Pode ser feita em casa ou em unidades de compostagem.Vantagens• Se a compostagem fosse praticada, haveria uma redução de 60 a70% do lixo que hoje está indo para os aterros.• Ao se produzir composto orgânico tem-se como objetivo principalnutrir os solos que produzem alimentos, reduzindo assim o uso dosfertilizantes químicos.
  • 13. Sistemas de coleta seletiva e reciclagem
  • 14. ReciclagemO reuso ou reciclagem são processos que se baseiam noreaproveitamento dos componentes presentes nos resíduos deforma a resguardar as fontes naturais e conservar o meio ambiente.Como todo processo de tratamento produz um rejeito, isto é, ummaterial que não pode ser utilizado, a disposição final em aterrosacaba sendo imprescindível para todo tipo de tratamento.
  • 15. Benefícios da coleta seletiva e da reciclagem• Estímulo ao uso sustentável dos recursos naturais• Aumento do reaproveitamento e reciclagem de matérias-primas• Redução do desperdício de matérias-primas• Diminuição da poluição do solo, da água e do ar• Ampliação da vida útil dos aterros sanitários• Redução do consumo de água e energia no processo de reciclagem• Valorização das organizações comunitárias e fortalecimento do capitalsocial• Geração de trabalho, emprego e renda na coleta, beneficiamento ecomercialização dos materiais recicláveis
  • 16. Apesar da importância que tem para o processo dereciclagem, a coleta seletiva só existe em 443 cidades brasileiras (8%do total).Cada brasileiro produz 1,1 quilograma de lixo em média pordia. No País, são coletadas diariamente 188,8 toneladas de resíduossólidos.Desse total, em 50,8% dos municípios, os resíduos ainda têmdestino inadequado, pois vão para os 2.906 lixões que o Brasilpossui.Diariamente o Brasil despeja 60 mil toneladas de lixo ematerros a céu aberto, muitas vezes contendo resíduos sólidos desaúde.
  • 17. Em 27,7% das cidades o lixo vai para os aterrossanitários e em 22,5% delas, para os aterroscontrolados, de acordo com dados da Pesquisa Nacionalde Saneamento Básico do Instituto Brasileiro deEstatística (IBGE).Fonte:http://www.brasil.gov.br/sobre/meio-ambiente/gestao-do-lixo