Your SlideShare is downloading. ×
O que esta acontecendo no mundo árabe
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

O que esta acontecendo no mundo árabe

1,258
views

Published on


0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
1,258
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
6
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. As revoluções que derrubaram os governos autoritários da Tunísia e do Egito serviram de combustível para aonda de protesto popular que se espalha pelos países islâmicos do norte da África e do Oriente Médio.Os regimes autoritários, governados por líderes que ficam por décadas no poder, se veem ameaçados pelos protestos que tomam as ruas das principais cidades da região. Além de maior liberdade política e reformas no sistema, os manifestantes pedem melhores condições de vida, mais empregos e menos corrupção. Para muitos analistas, os protestos na Tunísia e no Egito acabaram com a barreira psicológica do medo, abrindo caminho para os cidadãos desses países expressarem suas opiniões.
  • 2. Protestos contra governos de países árabes ganham força e provocam mortes Os protestos em países árabes, que já derrubaram os governos da Tunísia e do Egito, ganharam força neste sábado (19) em países como Bahrein, Líbia e Iêmen. Em alguns locais, os confrontos provocaram mortes. Só na Líbia, ao menos 84 pessoas morreram desde o início dos protestos, na última terça-feira (15). As revoluções que derrubaram os governos autoritários da Tunísia e do Egito serviram de combustível para a onda de protesto popular que se espalha pelos países islâmicos do norte da África e do Oriente Médio. Os regimes autoritários, governados por líderes que ficam por décadas no poder, se vêem ameaçados pelos protestos tomam as ruas das principais cidades da região. Além de maior liberdade política e reformas no sistema, osmanifestantes pedem melhores condições de vida, mais empregos e menos corrupção.A repressão às manifestações de oposição ao regime na Líbia aumentou hoje, mas a mobilização pela saídado ditador Muamar Kadhafi se intensificou ainda mais no leste do país.Kadhafi ainda não falou publicamente sobre a mobilização contra seu regime, que já dura quatro décadas, masos comitês revolucionários, que são parte importante do governo, ameaçaram os manifestantes com umaresposta "violenta e fulminante", em declarações citadas pelo site do jornal Azahf Al Ajdar, que pertence aoditador.Segundo a Arbor Networks, empresa de tecnologia da informação com sede nos Estados Unidos, a internet foicortada na Líbia nesta sexta-feira (18), para evitar que os manifestantes convocassem novos protestos e seorganizassem através da rede.O procurador geral da Líbia, Abdelrahman Al Abar, ordenou uma investigação sobre a violência usada contraos manifestantes, afirmou neste sábado uma fonte próxima à justiça, que pediu o anonimato.– O procurador ordenou a abertura de uma investigação sobre as razões e o balanço dos acontecimentos emalgumas cidades, e apelou pela rapidez dos procedimentos para julgar todas as pessoas acusadas de mortes esaques.Ao mesmo tempo, uma fonte ligada ao poder revelou que as forças de segurança "receberam ordens de sair docentro da cidade de Al Baida para evitar enfrentamentos com os manifestantes".A situação em Trípoli, por outro lado, continua mais tranquila hoje, assim como nos dias anteriores. Defensoresdo regime organizaram uma passeata carregando fotos de Kadhafi.
  • 3. Por que o Egito é tão importante?O Egito é considerado vital para a estabilidade no mundo árabe e o mundo teme que a instabilidade no paíscomprometa a já inflamada região do Oriente Médio e norte da África.Além de ser o guardião do Canal de Suez, por onde passa boa parte do comércio internacional, o país, além daJordânia, é o único a reconhecer o Estado de Israel.O Egito é o quarto país que mais recebe recursos dos EUA – US$ 1,5 bilhão por ano (ou R$ 2,5 bilhões). Mubarak tem sido um aliado histórico dos americanos, que temem que o fim do regime abra caminho para que a Irmandade Muçulmana assuma o poder.Esse é também o principal temor de Israel, já que o grupo islâmico tem ligações com o Hamas palestino (grupofundamentalista que controla a vizinha faixa de Gaza). O Ocidente também teme que a Irmandade instaure umregime islâmico no país.