RODOVIAS RS - ANALISE ZERO HORA NOV/2011 A FEV 2013 -PARTE I
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

RODOVIAS RS - ANALISE ZERO HORA NOV/2011 A FEV 2013 -PARTE I

on

  • 501 views

ANALISE JORNALÍSTICA GRUPO RBS, SOBRE AS CONDIÇÕES DE RODOVIAS GAUCHAS EM NOVEMBRO/2011

ANALISE JORNALÍSTICA GRUPO RBS, SOBRE AS CONDIÇÕES DE RODOVIAS GAUCHAS EM NOVEMBRO/2011

Statistics

Views

Total Views
501
Views on SlideShare
501
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
0
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

RODOVIAS RS - ANALISE ZERO HORA NOV/2011 A FEV 2013 -PARTE I RODOVIAS RS - ANALISE ZERO HORA NOV/2011 A FEV 2013 -PARTE I Document Transcript

  • Uma rodovia dilapidada | EXCESSO DE CARGA http://www.clicrbs.com.br/zerohora/jsp/default2.jsp?uf=1&local=1&s... Olá, neusa ma... Alterar Cadastro | Efetuar Logoff 16 de novembro de 2011 | N° 16888 EXCESSO DE CARGA Uma rodovia dilapidada A equipe do Grupo RBS revela como a falta de manutenção e o sobrepeso de caminhões prejudicam a estrada Palmeira das Missões-Santana do Livramento Construída há quatro décadas, a rodovia Palmeira das Missões-Santana do Livramento (BR-158) está sendo dilapidada pela falta de investimento da União pelo sobrepeso dos caminhões. Os primeiros indícios dos danos causados por bitrens, carretas e caminhões são notados em Palmeira das Missões. De dentr do veículo do Grupo RBS, percebe-se a formação de “trilhos” – afundamentos no asfalto provocados pelas rodas de veículos pesados. Quando chove, a água represada nas cavidades, demora a escoar, potencializado riscos de acidentes. Alguns quilômetros adiante aparecem os buracos. Um deles, sinalizado com um saco de lona branca, tem um metro de comprimento e 10 centímetros de profundidade. É grande o suficiente para acomodar a roda de um carro. Inexistência de balanças dificulta a fiscalização Em Panambi, um quebra-molas obriga os veículos a reduzir a velocidade – ótimo para os pedestres, péssimo para a estrada. A lentidão dos caminhões casti ainda mais o asfalto, formando ondulações, entre uma pista e outra, que assemelham-se a pequenas rampas. – Alguns caminhões passam se arrastando. É claro que o asfalto não aguenta. O conserto da pista dura três meses – diz o agricultor aposentado Plínio Valdemar Pang, 59 anos. Como inexistem balanças para aferir o peso, a fiscalização é feita pela Polícia Rodoviária Federal por meio de conferência de notas. Mas se a nota informar peso, permitido pela legislação, e o caminhão estiver, de fato, transportando carga acima do limite, como é possível aferir esta diferença? – Só contando com balanças emprestadas. É difícil fazer este tipo de fiscalização – diz o policial rodoviário Vilmar Keske. Em 18 dias de estrada e 11 mil quilômetros viajados, a equipe não presenciou nenhuma aferição de peso com balança. Sem repressão, transportadores abus Presidente do Sindicato das Empresas de Transporte de Cargas e Logística no Estado, José Carlos Silvano, reconhece eventuais desrespeitos à legislação, m aponta a falta de investimento da União: – No Brasil, se utiliza o pior padrão na construção de rodovias. O pavimento dura seis meses, um ano. A BR-158 foi construída há 40 anos. É óbvio que ela ser destruída. A partir de Santa Maria, o trecho, construído na década passada, está bem pavimentado e com asfalto em ótimo estado. Resta saber até quando o pavimento resistir. Contraponto O que diz Vladimir Casa, superintendente regional do Departamento Nacional de Infraestrutura de Transportes (Dnit) No trecho de Palmeira das Missões-Cruz Alta, a empresa que tinha contrato de manutenção não quis renovar com o Dnit. É um direito da empresa não renovar o contrato, mas fomos surpreendidos. Agora, está sendo feita uma nova licitação. É por isso que o asfalto tem alguns problemas. Em relação à balanças, havia uma previsão de instalação de 18 balanças no Estado. Infelizmente, em função dos problemas ocorridos em Brasília e com as trocas no Dnit, o processo atrasou.1 de 1 27/11/2011 10:08