• Share
  • Email
  • Embed
  • Like
  • Save
  • Private Content
2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro
 

2º estudo de ciências – 7º ano - outubro

on

  • 280 views

 

Statistics

Views

Total Views
280
Views on SlideShare
278
Embed Views
2

Actions

Likes
0
Downloads
1
Comments
0

1 Embed 2

http://www.slideee.com 2

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

    2º estudo de ciências  – 7º ano - outubro 2º estudo de ciências – 7º ano - outubro Document Transcript

    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 1 2º Estudo de Ciências Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 Reino Animal – Os Vertebrados (Filo dos Cordados) Peixes Anfíbios Répteis Aves Mamíferos Todos aquáticos; Podem ser cartilaginosos, ósseos e mandibulados (agnatas); Ectotérmicos (não regulam a temperatura corporal). Vida aquática; (fase larval) Vida terrestre (fase adulta); Dependentes do ambiente aquático para a reprodução; Ectotérmicos. Vida Terrestre; Placas córneas; Respiração pulmonar; Ovo com casca calcária; Ectotérmicos. Vida terrestre; Asas e pernas; Ossos pneumáticos; Sacos aéreos; Ausência de bexiga urinária; Ácido úrico; Sangue quente ou homeotérmico (regula a temperatura corporal). Vida terrestre e aquática; Pelos; Cuidado a prole (filhote); Desenvolvimento interno do embrião; Sangue quente (homeotérmico); Sistema nervoso muito desenvolvido; Glândulas mamárias e sudoríparas (de suor). Para saber se o peixe está bom, abrimos o seu opérculo, e se o mesmo estiver bem vermelho, provavelmente o peixe está saudável. Isso ocorre porque o opérculo abriga as brânquias, onde ocorrem as trocas gasosas. As brânquias são irrigadas por vasos sanguíneos.
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 Classe dos Peixes 2 A linha lateral percebe as Ictologia → ciência que estuda os peixes. mudanças de pressão da água. Características Estrutura: ectotérmicos; sistema digestório completo; sistema circulatório fechado; sistema sensorial, de percepção (olfato e linha lateral); nadadeiras variadas, olhos, pele (coberta de muco, o que os protege dos fungos) escamas e formato fusiforme que facilitam o deslocamento na água. Respiração: branquial. Reprodução: sexuada (fecundação interna e externa)  Ovíparas: fêmea põe os ovos com vitelo (reserva nutritiva dentro do ovo).  Ovovivíparas: ovos desenvolvem-se dentro da mãe, nutridos pelo vitelo.  Vivíparas: desenvolvem-se dentro da mãe e são nutridos pela placenta. Fases (épocas da vida): alevino (fase larval – peixe jovem) e piracema (desova e reprodução – processo em que os peixes nadam contra a correnteza, em direção a nascente, para desovar e reproduzir). Classificações Características OSTEICTES CONDRICTES Tipos de esqueleto Posição da boca Controle de flutuação Ósseo Anterior Bexiga natatória (aumentam e diminuem o volume para que o peixe flutue em diferentes profundidades). Através dos opérculos (placas ósseas em cada lado do corpo que cobrem as brânquias). Atum, carpa, pescada, sardinha. Cartilaginoso Ventral Proteção das brânquias Exemplos Óleo no fígado (bem grande) Fendas branquiais diretamente na água. Tubarão, raia e cação.
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 Classe dos Anfíbios 3 Características -São bioindicadores Estrutura: ectotérmicos; pele úmida com produção de muco; pálpebras e uma língua longa recoberta por muco; possuem visão, audição (membrana timpânica exposta), olfação, gestação e sensibilidade tátil; sistema circulatório fechado, mas com circulação dupla incompleta (um ventrículo e dois átrios*); metamorfose (sapo, rã e perereca: ovos→embriões→girinos→sapos adultos). Respiração: branquial (fase larval), pulmonar (pulmões pouco desenvolvidos) e cutânea (por isso apresentam a pele úmida). Reprodução: sexuada com fecundação externa. Classificação Classe Característica Exemplo ÁPODA Corpo alongado cilíndrico e liso, com patas atrofiadas. Cobra-cega URODELA Corpo dotado de cauda e quatro patas. Salamandra e proteus ANURA Quatro patas e corpo cilíndrico desprovido de cauda. Sapo, rã e perereca. Diferença dos anuros Sapos: pele mais enrugada; possuem glândulas de veneno na região posterior do olho (defesa). Rãs: não possuem glândulas de veneno, possuem membranas entre os dedos para facilitar o deslocamento na água. Pererecas: possuem ventosas nas pontas dos dedos para facilitar sua fixação sobre as plantas.
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 Classe dos Répteis 4 Características -Primeira classe dos vertebrados a se tornar independente da água. Estrutura: ectotérmicos; pele seca, sem glândulas (que dariam umidade à pele), com escamas epidérmicas ou com placas ósseas ou córneas; sistema circulatório fechado; excretam ácido úrico (resíduos da produção de proteínas, por ser menos tóxico que a ureia, pode ficar por mais tempo no corpo no animal- evita a perda de água). Respiração: pulmonar Reprodução: sexuada (dioicos) com fecundação interna, dependente da água e apresentam desenvolvimento direto (sem fase larval, etc.). Adaptações ao ambiente terrestre: pele seca e protegida por escamas ou placas; excreção de ácido úrico; pele seca, sem glândulas; pulmões e coração mais eficientes; ovos protegidos por cascas da desidratação; fecundação interna (e não mais na água). Classificação Quelônios (tartarugas, cágados e jabutis): -Não possuem dentes e a boca é revestida por um bico córneo (para mastigar) semelhante ao das aves; -Podem ser herbívoros ou carnívoros; -Possuem carapaça dorsal e um plastrão ventral (parte inferior), com aberturas por onde saem as patas e a cabeça; -São ovíparos; - Coração com três cavidades (dois átrios e um ventrículo*);
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 5 -Aquáticos (tartarugas); semiaquáticos (cágados) e terrestres (jabutis). Crocodilianos (crocodilos e jacarés): -Corpo revestido por escamas córneas e placas ósseas; -São ovíparos; -Hábito semiaquático; -Coração com quatro cavidades (dois átrios e dois ventrículos*). Escamados (lacertílios – lagartos; ofídios – serpentes) LACERTÍLIOS Exemplos Lagartos, lagartixas e camaleões. -Corpo revestido por escamas; Características -São terrestres; -Insetívoros (maioria); -Ovíparos OFÍDIOS Serpentes peçonhentas (inoculadoras de veneno) e não peçonhentas. -Corpo cilíndrico e alongado; -Escamas córneas (rígidas e que mudam); -Ápodes (sem patas); -Ovíparos ou ovovivíparos; -Não possuem divisões no corpo (órgãos e sistemas não bem definidos) *Ventrículos e átrios: são cavidades do coração, observe os esquemas para entender como é o coração de cada classe dos vertebrados.
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 6 A: Átrio (por onde entra o sangue); V: Ventrículo (por onde sai o sangue). Anfíbios: com apenas um átrio, os sangues venoso (rico em CO2, irá ao pulmão) e arterial (rico em O2, veio do pulmão para ir para o corpo) se misturam. Um coração com quatro cavidades (dois átrios e dois ventrículos), apresenta os dois tipos de sangue separados. Lembrese: o coração é um músculo oco preenchido por sangue. PERGUNTAS PERTINENTES 1. Qual a principal diferença entre peixes ósseos e cartilaginosos em relação aos mecanismos de respiração? R: A principal diferença é que para respirar, os peixes ósseos abrem a boca (com um sistema de sucção), permitindo a entrada de água, fazendo as trocas gasosas e depois a fechando, de forma que a água sai pelas brânquias. Já os peixes cartilaginosos mantém a boca sempre aberta, permitindo a entrada de água de acordo com a movimentação da mesma, fazendo as trocas gasosas e saindo pelas brânquias. 2. Qual é a função da narina dos peixes? R: A função das narinas dos peixes é sensitiva, de perceber as substâncias dissolvidas na água (sentir cheiro).
    • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Outubro – 3º trimestre – 2013 7 3. Qual a principal função da orelha interna dos peixes? R: A orelha interna dos peixes tem como função sentir as ondas sonoras do ambiente (vibrações transmitidas na água). 4. Por que os peixes vão até as nascentes dos rios para a desova? R: Os peixes vão para as nascentes dos rios para a desova por causa da calmaria das nascentes, onde há menos predadores, mais alimento e águas mais limpas. 5. Que adaptações foram fundamentais para que os anfíbios ocupassem o ambiente terrestre na vida adulta? R: As patas (locomoção) e a respiração pulmonar e cutânea foram adaptações fundamentais para que os anfíbios ocupassem o ambiente terrestre na vida adulta. 6. O sapo cururu é peçonhento? Por quê? R: Não, pois o sapo cururu possui veneno, mas não o inocula. BOM ESTUDO! Ref. Bibliográficas: Jornadas. CIE, Carnevalle, Maíra Rosa – Editora Saraiva (1ª edição).