2º estudo de ciências – 7º ano – maio
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

2º estudo de ciências – 7º ano – maio

on

  • 662 views

 

Statistics

Views

Total Views
662
Views on SlideShare
650
Embed Views
12

Actions

Likes
0
Downloads
28
Comments
0

1 Embed 12

http://www.slideee.com 12

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

2º estudo de ciências – 7º ano – maio 2º estudo de ciências – 7º ano – maio Document Transcript

  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 2º Estudo de Ciências Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 1 Reino Plantae (Pluricelulares, autótrofos e eucariontes) Classificação das plantas Alguns critérios: -Ausência ou presença de sistema (vaso) condutor de seiva (vascular ou avascular); Ausência ou presença de sementes; Tipo de estrutura reprodutiva (plantas com estróbilos (cones) que formam pinhas e plantas com flores que formam frutos).
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Formado pelas (filos):  Briófitas – avasculares, são plantas de pequeno porte.  Pteridófitas – vasculares, são plantas maiores que as briófitas.  Gimnospermas – vasculares, apresentam semente. 2  Angiospermas – vasculares, apresentam semente protegidas pelo fruto.  BRIÓFITAS Ex.: musgo. Não é possível ser grande desse modo  Pequeno porte (avasculares)  Realizam o processo de difusão (célula a célula) para conseguir sais minerais e água  Dependentes da água (precisam viver próximas da água fertilização)  Estrutura: -Filoide – em forma de lâminas, são responsáveis pela fotossíntese. -Cauloide – sustentação a planta. -Rizoide – filamentos que fixam o vegetal ao substrato.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Reprodução -Alternância de gerações (possui a fase sexuada e assexuada). Fase assexuada (geração esporofítica)- produção de esporos no indivíduo adulto, gametófitos (rizoides, cauloide, filoide). Fase sexuada (geração gametofítica) – produz gameta 3 feminino e masculino (dependentes da água para ocorrer a fecundação). Ciclo de vida das briófitas Um gametófito (formado pelo rizoide, cauloide e filoide) produz o esporófito (que contém uma cápsula). Quando essa cápsula cai no solo, forma um esporo. Quando ele germina, começa a formar o rizoide, e assim temos um broto. Quando ele crescer, pode formar um gametófito com uma estrutura feminina ou masculina. Se ele tiver uma estrutura feminina, o gametófito possui arquegônio, onde dentro está localizado a oosfera. A oosfera precisa fecundar para formar um novo embrião. Se o gametófito tiver uma estrutura masculina, ele possui anterídio, onde dentro está localizado o anterozoide. Através da água, o anterozoide é transportado à oosfera. A partir disso, ocorre a fecundação, e um novo embrião é formado. Assim, ele formará um gametófito com esporófito e o ciclo recomeçará.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013  PTERIDÓFITAS Ex.: samambaia, avenca.  São vasculares  Dependentes da água (fecundação)  Estrutura: possuem raiz, caule (ou rizoma – quase sempre subterrâneo ou desenvolvido sobre o solo), folhas (frondes) e báculo (que são folhas jovens). 4 Reprodução -Alternância de gerações (possui a fase sexuada e assexuada). Fase assexuada – produção de esporos na face interior da folha, formando os esporângios, que por sua vez agrupados formam estruturas chamadas soros. Fase sexuada – produção de gametas masculino ou feminino no protalo (planta jovem em formato de “coração” e hermafrodita). -Dependem da água para ocorrer a fecundação.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Ciclo de vida das pteridófitas 5 1. O indivíduo adulto (esporófito) produz esporos. 2. Na face interior das folhas, ocorre à formação de esporos e seu conjunto forma um esporângio, conjuntos de esporângios formam soros (fase assexuada). 3. A medida que amadurecem, os soros ficam cada vez mais escuros, depois, eles abrem e então os esporos são liberados para o ambiente. 4. Os esporos caem na terra úmida e germinam. 5. Forma-se o protalo (a partir da germinação), que é o gametófito, Nessa estrutura que ocorrerá a fase sexuada. Há a formação do arquegônio (estrutura que produz os gametas femininos – oosferas), e anterídio (que produz o gameta masculino – anterozoide). O protalo é hermafrodita, pois um mesmo protalo produz os dois tipos de gameta. Na presença de água, os anterozoides nadam até a oosfera e ocorre a fecundação. 6. Forma-se a primeira célula de uma folha de samambaia (embrião – que dará origem à folha jovem), que começa a crescer sobre o protalo. 7. A raiz da primeira folha brota e forma novas folhas.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013  GIMNOSPERMAS Ex.: mata de araucária, palmeira-sagui (cica),árvore que produz pinhão.  São vasculares  Possuem semente (mas não possui fruto) – mais resistentes que os esporos, e podem ser transportadas pelos agentes polinizadores, por isso podem se espalhar pelo ambiente. 6  Independência da água no processo reprodutivo - a semente garantiu isso.  Polinização (transporte de pólen é através do vento) para o processo reprodutivo  Conquista do ambiente terrestre pelos vegetais  Estrutura: raiz, caule e folha. POLINIZAÇÃO ≠ FECUNDAÇÃO Polinização – transporte da estrutura masculina a partir dos agentes polinizadores. Fecundação – encontro do gameta masculino com o feminino, que irá fazer o embrião. Pinhões. Pinha, pinhões e ramo de araucária. Reprodução A reprodução das gimnospermas ocorre por alternância de gerações. A planta possui o estróbilo feminino e masculino, porém necessita de um agente polinizador para promover o encontro deles. No caso, o agente é o vento que levará o grão de pólen do estróbilo masculino até o estróbilo feminino, formando o zigoto (embrião) que ficará protegido pela semente.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Ciclo de vida das gimnospermas (coníferas) 7 1. As gimnospermas (coníferas) adultas produzem tanto os estróbilos (ou cones) femininos ou masculinos, ou seja, os sexos são separados. 2. Nos estróbilos, desenvolvem-se os gametófitos, que são as estruturas responsáveis pela produção dos gametas. O estróbilo feminino (conhecido popularmente como pinha) produz o gametófito feminino que produzirá a oosfera. 3. O estróbilo masculino, por sua vez, produzirá os grãos de pólen, que contém o gameta masculino imaturo. 4. Os grãos de pólen são carregados pelo vento e encontrar o gametófito feminino, ou seja, ocorre a polinização. 5. Se isso ocorrer, o grão de pólen libera dois núcleos espermáticos e apenas um irá fecundar o gameta feminino (o outro núcleo morre). Após a fecundação na oosfera, forma-se o zigoto, e inicia-se o desenvolvimento do embrião. 6. Ao mesmo tempo, forma-se ao redor do embrião, um tecido vegetal, que é uma reserva de nutrientes e uma capa que o protegerá até a germinação. Esse conjunto é a semente. 7. Se a semente chegar há um local com condições favoráveis para a sua sobrevivência, por exemplo, com temperatura, luminosidade, umidade e solo adequados, ela poderá germinar e se desenvolver, até se tornar uma planta adulta e se reproduzir.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013  ANGIOSPERMAS Ex.: limoeiro, pé de milho, tomateiro, etc.  Grupo mais numeroso de vegetais  São vasculares  Apresentam flores e frutos  Apresentam ciclo de vida (reprodução) mais rápido que as gimnospermas 8  Sementes protegidas pelos frutos  Possuem vários agentes polinizadores (além do vento, o pólen pode ser levado por insetos, aves e mamíferos).  São muito aproveitadas pelo ser humano, por exemplo: - na alimentação; - no uso medicinal; - na confecção de móveis; - em óleos e temperos; Flor de limoeiro - flores e folhagens em ornamentação; - produção de álcool combustível (etanol). Reprodução A reprodução das angiospermas também ocorre por alternância de gerações. A fecundação a partir do grão de pólen (gameta masculino) que se une com a oosfera (gameta feminino), originando o embrião, o óvulo forma a semente e o ovário forma o fruto. ATENÇÃO Não relacione o tamanho com a classificação da planta! Por mais que as angiospermas tenham um excelente sistema condutor de seiva que as permite atingir muitos metros de altura, existem muitos representantes de angiospermas pequenos, como pé de morango, pé de milho e pé de melancia.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Ciclo de vida das angiospermas 9 1. Grãos de pólen são produzidos na antera. Eles são levados por algum agente polinizador até o estigma (entrada da parte feminina da flor, onde está o ovário, com óvulos) de outra flor da mesma espécie. 2. Ao cair no estigma da flor, o grão de pólen cresce e forma o tubo polínico, que tem dois gametas masculinos chamados núcleos espermáticos. No óvulo, estão o gameta feminino (oosfera) e outros núcleos. 3. O tubo polínico conduz o gameta masculino até a oosfera, dentro do óvulo. Um gameta masculino se une ao feminino e forma-se o ovo. O outro gameta masculino se une aos outros núcleos do óvulo e forma células que servirão de reserva de alimento na semente. 4. O óvulo desenvolve-se, formando uma estrutura com embrião, tecido de reserva de alimento e casca: é a semente. 5. O ovário da flor se transforma em fruto, que contém as sementes.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 Monocotiledôneas e Dicotiledôneas Cotilédones = folhas modificadas que possuem um reserva de alimento para o embrião enquanto ele não tiver condições de produzir seu próprio alimento, são as sementes. Existem algumas angiospermas que apresentam dois cotilédones.Por essa razão, distinguimos dois grupos de 10 angiospermas: as monocotiledôneas e as dicotiledôneas.
  • 2º Estudo de Ciências - Luiza Collet – 7º ano – 2013 – Junho – 2º trimestre – 2013 QUADRO COMPARATIVO – OS FILOS DO REINO PLANTAE 11 BRIÓFITAS Cauloide Rizoide Filoide -Pequeno porte -Dependentes da água PTERIDÓFITAS Soro Caule Raiz Folha -Dependentes da água Transporte de seiva Difusão (avasculares) Reprodução Alternância de gerações Seiva Bruta Seiva Elaborada (vasculares) Alternância de gerações Estrutura GIMNOSPERMAS Caule Raiz Folha Sementes (polinização a partir do vento) -Ambiente terrestre (dominação) Seiva Bruta Seiva Elaborada (vasculares) ANGIOSPERMAS Caule Raiz Folha Sementes Fruto Flor (agentes polinizadores) Seiva Bruta Seiva Elaborada (vasculares) Alternância de gerações Alternância de gerações BOM ESTUDO! Ref. Bibibliográficas: Jornadas.CIE, CARNEVALLE, Maíra Rosa – Editora Saraiva (1ª edição).