1º estudo de gramática  7º ano - setembro e outubro
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

1º estudo de gramática 7º ano - setembro e outubro

on

  • 813 views

 

Statistics

Views

Total Views
813
Views on SlideShare
813
Embed Views
0

Actions

Likes
0
Downloads
23
Comments
0

0 Embeds 0

No embeds

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

1º estudo de gramática  7º ano - setembro e outubro 1º estudo de gramática 7º ano - setembro e outubro Document Transcript

  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Luiza Collet– 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Conteúdo: Advérbios, Morfossintaxe e Sintaxe ADVÉRBIOS 1 Conceito Advérbio = modificador do sentido do verbo, adjetivo ou do próprio advérbio (circunstância).. Ex.: Você, Juliana, anda lentamente (modo de como ela anda). Classificação Os advérbios são classificados de acordo com a circunstância(valor semântico) que indicam, por exemplo: Modo: bem, mal, devagar, depressa, assim, melhor, pior e quase todos os terminados em “mente”: educadamente, raramente, estranhamente. Negação: não, nunca, tampouco. Afirmação: sim, certamente, realmente, deveras, indubitavelmente. Dúvida: talvez, porventura, acaso, provavelmente. Intensidade: muito, pouco, bastante, mais, menos, tão, demais, demasiado, quão, quanto, tanto. Lugar: aqui, ali, lá, à escola, a cá, acolá. Tempo: ontem, hoje, amanhã, já, agora, sempre, jamais, breve, tarde, outrora. Interrogativos: (onde, por que, como e quando.) empregados em frases interrogativas diretas e indiretas. -Vale lembrar que dependendo do contexto, o advérbio pode adquirir um diferente valor semântico.
  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Locução Adverbial Locuções adverbiais – duas ou mais palavras que tenham valor de um advérbio. As locuções também podem ser classificadas de acordo com a circunstância que indicam. Geralmente são acompanhadas de preposições. Ex.: Certa vez, brinquei de bola. Coloquei à venda. Locuções adverbiais femininas geralmente levam acento grave, mas as masculinas não. Ex.: Joana foi à praia. Andei a cavalo. 2 Lembre-se! Diferenciando advérbios e adjetivos Os advérbios, ao modificarem adjetivos e outros advérbios, tem geralmente valor semântico de intensidade. Ao modificarem verbos, os advérbios adquirem diversos valores semânticos. Meio ≠ meia Meio – um pouco, mais ou menos; advérbio (portanto não varia) de modo ou intensidade. Ex.: Eu fiquei meio impressionado. (É o mesmo que dizer “mais ou menos” impressionado, “um pouco” impressionado). Meia – metade (numeral – variável). -Usa-se meia onde couber a palavra metade. Para não ter erro é só fazer essa substituição. Ex.: Tenho uma hora e meia para fazer isso. (“...uma hora e metade...”). Mal ≠ mau Mal – que não é bom para a nossa saúde ou, quando alguém não se comportou de maneira adequada; advérbio (invariável); antônimo de bem. Ex.: Ela está passando mal. Mau – expressar malvadeza e crueldade ou referência a algo de qualidade ruim ou inferior; adjetivo (variável); antônimo de bom. Ex.: Você não é mau, só está muito estressado.
  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa CONCLUSÃO: Para diferenciar adjetivos dos advérbios, lembre-se que os adjetivos variam dependendo do substantivo, como nas frases “Juliana é má” e “Tiago é mau”, os advérbios não, como é possível observar nas frases “Carlos está meio estranho” e “Fabiana está meio estranha”. MORFOSSINTAXE 3 É a escolha e seleção das palavras de forma que gerem sentido. Uma combinação (sintaxe – estudo das relações das palavras na frase). As palavras podem ser classificadas em relação morfológica (classe gramatical) ou em relação sintática (função específica que assumem em determinada frase). -Dependendo de sua posição, uma palavra tem uma diferente função sintática (de objeto ou sujeito). Função sintática = posição que a palavra exerce na frase. Conceitos Frase – enunciado de sentido mínimo para a comunicação entre as pessoas. A frase pode ou não conter verbo, pode ser nominal (núcleo substantivo) ou verbal (núcleo verbo). Ex.: Ela é legal! (nominal); Que bom! (nominal); Você se superou (verbal). Oração = frase verbal, frase que apresenta sintagma verbal. Cada oração possui um sujeito. É um enunciado ou parte dele que se organiza em torno de um verbo.
  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Termos essenciais da oração/ frase:  Sujeito – sobre quem se diz algo (núcleo um substantivo, pronome pessoal ou palavra que tenha valor de substantivo).  Predicado – o que é dito sobre o sujeito (núcleo um verbo, ou locução verbal, ou um nome). Ordens da frase -Direta: sujeito + predicado 4 -Indireta: predicado + sujeito ou predicado + sujeito + predicado. Ex.: Classificação do sujeito -Sujeito simples – formado por um núcleo. -Sujeito composto – formado por mais de um núcleo. -Sujeito desinencial (oculto)– sujeito está escondido no verbo (desinência). Ex.: Fiquei triste. (sujeito oculto – eu) DICA! Se você não sabe o sujeito de uma frase como essa... “Existem músculos no corpo humano” ...lembre-se sempre que o verbo é nosso “guia”, ele é quem está falando do sujeito. O verbo da frase é “existem”, ele está se referindo a quem? Quem existe? Os “músculos”. Portanto conseguimos identificar o sujeito.
  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Classificação do predicado -Predicado verbal – tem como núcleo o verbo. Ex.: Ele canta. - Predicado nominal – núcleo de adjetivo, ou seja, um “atributo” é dado ao sujeito; geralmente apresenta verbo de ligação (ser, estar, permanecer, ficar, andar, continuar). Ex.: 5 Predicativo do sujeito – indica características, qualidades ou estados que se atribuem ao sujeito. É geralmente um adjetivo ou uma palavra com valor de adjetivo que se refere ao sujeito.Cada predicativo tem seu sujeito. Verbo de ligação – elemento que serve para unir o sujeito ao predicativo do sujeito. Adjunto adverbial – função sintática do advérbio. É o termo que indica as circunstâncias em que se dá a ação verbal. Ex.: Classificação dos Períodos - Período simples: um verbo ou uma locução verbal. -Período composto: dois ou mais verbos. Ex.: Ana andou rápido. – Período simples Ana saiu e andou rápido. – Período composto José gostou e Paula amou a ideia. – Período composto
  • Luiza Collet – 7º ano - 2013 – 3º Trimestre – Setembro, Outubro e Novembro – Prof.ª Vanessa Sintagma = unidade de palavras. Pode ser sintagma nominal, verbal ou preposicional/ adverbal. Ex.: 6 Adjunto Adverbial (Termo sintático de advérbio e locução adverbial) -Indica circunstâncias da ação verbal e modifica o verbo. Enriquece e direciona o texto, além de ampliar o contexto. -Sempre que o adjunto adverbial começa uma oração (frase), é necessário o uso da vírgula (com algumas exceções). Ex.: Na manhã de ontem, fiquei feliz. Ontem, comi sanduíche. (A vírgula não é obrigatória nesse caso). Adjunto Adnominal São os determinantes → palavras que acompanham o substantivo. Essas palavras determinam, especificam ,indeterminam ou qualificam o substantivo. Determinantes: adjetivo, artigo, numeral, pronomes adjetivos e locução adjetiva. Ex.: -Diferente do predicativo do sujeito, o adjunto adnominal qualifica o substantivo de forma permanente. Claro que podemos ter algumas exceções, como o verbo ser, que indica permanência. O adjunto adnominal pode fazer parte de qualquer função sintática (sujeito ou predicado), ao contrário do predicativo do sujeito, que sempre tem função de predicado. BOM ESTUDO!