30.07.14.Saúde de Ilhéus investe nos serviços de atenção domiciliar

  • 635 views
Uploaded on

SAÚDE EM ATENÇÃO DOMICILIAR

SAÚDE EM ATENÇÃO DOMICILIAR

More in: News & Politics
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Be the first to comment
    Be the first to like this
No Downloads

Views

Total Views
635
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1

Actions

Shares
Downloads
0
Comments
0
Likes
0

Embeds 0

No embeds

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
    No notes for slide

Transcript

  • 1. Saúde de Ilhéus investe nos Serviços de Atenção Domiciliar O serviço do Programa Melhor em Casa tem o objetivo de proporcionar ao paciente um cuidado contextualizado de acordo com a cultura, rotina e dinâmica familiar, em sua própria residência, evitando hospitalizações desnecessárias e diminuindo o risco de infecções. O ciclo completo da assistência hospitalar não se esgota, exclusivamente, na atenção dispensada aos pacientes durante o período de internação intra- hospitalar. Nesse sentido, a Secretaria Municipal de Saúde (Sesau) de Ilhéus, desenvolve o Serviço de Atenção Domiciliar (SAD), do Programa Melhor em Casa, com o objetivo de proporcionar ao paciente um cuidado contextualizado de acordo com a cultura, rotina e dinâmica familiar, em sua própria residência, evitando hospitalizações desnecessárias e diminuindo o risco de infecções. Os serviços compõem a Rede de Atenção à Saúde e devem estar integrados mediante o estabelecimento de fluxos assistenciais, protocolos clínicos e de acesso, e mecanismos de regulação, em uma relação solidária e complementar, explica a diretora da Atenção Básica, Bárbara Christian. Além disso, esses atendimentos potencializam uma melhor gestão dos leitos hospitalares e o uso mais adequado dos recursos. Também servem de "porta de saída" para a rede de urgência/emergência, diminuindo a superlotação, sendo assim, um dos componentes da Rede de Atenção às Urgências e Emergências. Na última terça-feira, dia 29, o secretário de Saúde, Antônio Ocké, acompanhou a equipe em visita à pacientes cadastrados no Bairro da Conquista, a exemplo do aposentado Antônio Bispo dos Santos, 74 anos. O paciente amputou uma das pernas há um ano, ficando sem condições físicas de se dirigir a um Posto de Saúde. Em sua residência, ele recebeu atendimento de dois médicos, fisioterapeuta, enfermeira, assistente social e técnico de enfermagem, inclusive com o fornecimento de remédios referentes aos males diagnosticados. Segundo Bárbara Christian, diariamente são atendidos 15 pacientes. Para o senhor Bispo dos Santos, a visita domiciliar realizada pela equipe de saúde é sempre aguardada com expectativa, pois atende todos os requisitos, até mesmo com a promoção de exames, entre outros encaminhamentos. “Isso para nós, que temos dificuldades de locomoção, é muito bom, principalmente, porque somos tratados por excelentes profissionais, carinhosos e atenciosos com toda a família”, afirmou. De acordo com a diretora da Atenção Básica, o serviço domiciliar está organizado em três modalidades: AD1; AD2 e AD3. O primeiro é destinado a usuários com problemas controlados/compensados e com dificuldade ou impossibilidade física de locomoção e que necessitam de cuidados com menor
  • 2. frequência e menor necessidade de recursos de saúde. Esta modalidade é desenvolvida pela estrutura da Sesau, oferecendo ao paciente uma visita mensal dos profissionais do núcleo de Estratégia da Saúde da Família (ESF). Já as modalidades AD 2 e AD 3 de Atenção Domiciliar, continua Bárbara Christian, são desenvolvidas na estrutura do Hospital Regional Luiz Viana Filho, e atendem pacientes oriundos da internação hospitalar, procura espontânea, demandas judiciais, sistema regulatório vigente, entre outras portas de entradas. “A prestação de assistência à saúde na modalidade AD2 é de responsabilidade da Equipe Multiprofissional de Atenção Domiciliar (EMAD) e da Equipe Multiprofissional de Apoio (EMAP)”, atesta Bárbara Christian. A Sesau entente, que o sucesso terapêutico depende da possibilidade concreta de adoção de uma sequência de cuidados que devem ser observados após a alta hospitalar. Para isso, é fundamental que os pacientes egressos - e de acordo com suas reais necessidades – possam ser acompanhados e apoiados por equipes multiprofissionais, capazes de dispensar os cuidados de saúde apropriados, mesmo em ambiente domiciliar. Secretaria de Comunicação Social – Secom Ilhéus – 30.07.14