Feca formas expressão e comunicação artistica

3,308 views

Published on

Trabalho interessante de Composição

0 Comments
4 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
3,308
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
5
Actions
Shares
0
Downloads
108
Comments
0
Likes
4
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Feca formas expressão e comunicação artistica

  1. 1. Aluno: Gilson Cesar Salla.Professora: EstelaModelagem De Vestuário2
  2. 2. Dedicado á Ivair Leonel Sala,que me apresentou ao fascinante universo da moda.3
  3. 3. A razão de termos uma paixão universal por adornos...é que desejamos ser, além de obras da natureza,obras de arte.Nancy Etcoff4
  4. 4. Agradecimentos á:Marcos Eduardo Diniz, Amaury Vitor da Silva eaos Professores e Colegas do CursoTécnico em Modelagem de Vestuário daETEC Carlos de Campos.5
  5. 5. SUMÁRIOSUMÁRIO.............................................................................................................................................................................. 6A COMPOSIÇÃO DOS ELEMENTOS VISUAISO Artista manipula os elementos visuais, arranja , dispõe, organiza a linha, a forma, a cor, ovolume, etc. em um campo determinado para originar a obra de arte. A isto podemos denominarcomposição.Uma composição de elementos visuais pode ser obtida diretamente da natureza (mar, montanhas,céu, nuvens, etc.) onde observamos os elementos (linha, forma, cor, textura,etc.) e sentimos essa idéia decomposição. Assim quando observamos uma composição cujos elementos visuais são obtidos diretamenteda natureza sem interferência do homem, podemos chamá-la de composição natural. E quandoobservamos uma composição cujos elementos visuais são obtidos por um processo elaborado pelohomem, podemos chamá-la de composição artística. Nesse sentido todo quadro ou pintura é umacomposição artística.6
  6. 6. No entanto algumas dúvidas podem surgir na classificação da composição artística e natural,quando em diferentes situações de observação de seus elementos como, por exemplo, uma fotografia, umjardim, ou mesmo uma paisagem (arranha-céus, árvores, céu e nuvens).No caso de uma fotografia, podemos classificá-la em composição artística, pois não vemos oselementos visuais desta composição obtidos diretamente da natureza, e sim por um processo físico-químico.No caso do jardim, podemos classificá-la também como uma composição artística, porque mesmoque seus elementos visuais sejam obtidos diretamente da natureza, eles passaram por um processo, paraserem visualizados, ou seja, foram arranjados.Quanto à paisagem, podemos classificá-la em composição artística-natural, pois na observaçãodos elementos visuais que se combinam, alguns são obtidos pela elaboração do homem e outros existem nanatureza, independentes da interferência do homem.COMPOSIÇÃOINTRODUÇÃOQuando temos intenção de criar algo, o primeiro passo é a execução de um projeto. Podemosentendê-lo, segundo Scott, como sendo toda a ação criadora que cumpre sua finalidade, isto é, a de criar. Ènecessário saber que no projeto necessitamos tanto de compreensão intelectual como da sensibilidade.A criação de algo que satisfaz nossas necessidades, pode se apresentar em dois aspectos: funcional eexpressivo.Para um projeto cumprir sua finalidade, temos que ter primeiramente um motivo que nos estimule aisto. Depois que visualizamos e imaginamos algo, precisamos passar para algum material. Quanto mais sesabe sobre os materiais, melhor são as idéias.Na organização de elementos visuais e táteis, portanto, pode-se criar conscientemente ouinconscientemente, pode-se arranjá-los de forma a criar variedade e unidade.Trata-se de um sistemacerrado que atinge sua dinâmica através de diversos níveis de integração, mediante: equilíbrio, ritmo,7
  7. 7. forma, cor, volume, harmonia... É importante entendermos melhor como funcionam estes conceitos paraque possamos desenvolver um bom projeto.A composição pode ser natural ou artística, figurativa ou abstrata, bi ou tridimensional.LINHAS1-) Esta linha é rápida porque nossa vista a percorre de ponta a ponta sem parar.2-) Quanto maiores forem os intervalos, mais lento se torna o percurso. Os intervalos funcionamcomo pausas.3-) Cruzando uma linha horizontal com pequenos traços verticais, verificamos um efeito similar aodos intervalos, pois somos obrigados a parar em cada um dos intervalos verticais, como se fosse umapequena barreira a ser transposta. Novamente o curso da linha se torna lento, só que desta vez a causa é amudança de direção, uma inversão de horizontal para vertical entrecortada por pequenos traços verticais.A longa linha horizontal se tornou mais lenta e mais pesada.8_____________________________________________________________________-------------------------------------..............................................................- - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - - -. . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . . .| | | | | | | | | | | | | |
  8. 8. CONCLUSÃOA linha (segmento linear) cria, essencialmente, uma dimensão no espaço. Ela é vista comoportadora de movimento direcional. Introduzindo-se intervalos, ou contrastes de direção, reduz-se avelocidade do movimento.Quanto mais forem os contrastes, mais diminui a velocidade, e em contrapartida,aumenta o peso visual da linha.Então:MAIOR VELOCIDADE ►MENOR PESO VISUALMENOR VELOCIDADE ►MAIOR PESO VISUALRELAÇÃO ENTRE A LINHA E A REAÇÃO EMOCIONALÂngulos: Agitação, confusão, choque. Verticais: Dignidade, força, permanência,virilidade.9
  9. 9. Horizontais: Repouso, calma, paz, Radiação: Choque, atenção.quietude, serenidade.Raios: Glória, devoção, patriotismo, Espirais: Poder, movimento, excitação.unidade.Triângulos: Segurança, permanência. Onduladas: Movimento.10
  10. 10. Curvas: Graça, encanto, movimento. Inclinadas: Movimento.Luz: Esperança. Formas Quebradas:Instabilidade, insegurança.Oblíquas: Combate, choque, confusão. Retângulos: Força,estabilidade, unidade.11
  11. 11. Círculos: Vastidão, eternidade. Ovais: Graça,feminilidade.COMPOSIÇÃO NATURALÉ a própria natureza com seus diversos elementos, sem a interferência do homem. Ex.: Paisagens.12
  12. 12. COMPOSIÇÃO ARTÍSTICACriação do Homem. Pintura, Arquitetura, Gravuras, Objetos do Cotidiano, etc.13
  13. 13. COMPOSIÇÃO ARTÍSTICA-NATURALNatureza e Arte estão mescladas/unidas. Por exemplo, um jardim trabalhado por um paisagista,onde se encontram bancos, estátuas, lagos ou qualquer outro elemento que mostre a interferência humanajunto aos elementos da natureza.LOOK COM MUITOS ELEMENTOSÉ o excesso que você percebe no instante que vê. Que parece inadequado como se não houvessenecessidade de todos os elementos que estão compondo o visual.14
  14. 14. LOOK COM POUCOS ELEMENTOSÉ aquele queapresentaabsolutamente só onecessário e nada mais.Não existe nada quelembre excesso seja emquantidade deelementos, seja emcombinação de peçasou cores, seja emquantidade deacessórios.15
  15. 15. LOOK COM PREDOMÍNIO DE LINHASRETAS NA ESTAMPAAs linhas retas podem ser horizontais ou verticais e apresentarem-se em qualquer peça: camiseta,camisa, vestido, calça, saia, etc, (peças masculinas ou femininas).16
  16. 16. LOOK COM PREDOMÍNIO DE LINHASCURVAS NA ESTAMPAAs linhas curvas lembram ondulações e também podem se apresentar em qualquer peça.17
  17. 17. LOOK COM MODELAGEM GEOMÉTRICAÉ aquele que apresenta recortes geométricos óbvios ou perceptíveis que aparecem no próprio corteda roupa (um vestido trapezoidal, por exemplo) ou em partes como mangas e golas.18
  18. 18. ACESSÓRIOS COM FORMAS GEOMÉTRICASSão brincos, pulseiras, relógios, colares, broches, etc., que apresentam configuração geométrica(quadrados, retângulos, círculos (os mais usados) e outras formas).19
  19. 19. LOOK COM FORMAS GEOMÉTRICAS NAESTAMPAMostra formas geométricas e se apresenta em qualquer peça.LOOK COM MODELAGEM ORGÂNICAO visual da modelagem é orgânico, quando não apresenta formas geométricas, drapeados,arredondados, formas de flores tridimensionais.A Modelagem Orgânica que se adéqua ao corpo sem ser justa ou larga (sem excessos). Encaixa-seperfeitamente, seja pelo tecido como pelo corte.20
  20. 20. LOOK COM FORMAS ORGÂNICAS NAESTAMPAEstampa orgânica é aquela que apresenta formas arredondadas, porém, não definidas.Também existem as representações orgânicas: estampas florais, estampas com imagens de animaisou partes destes.Ainda, hoje temos como orgânicos os próprios tecidos ou cores confeccionados com materiais quenão agridem o meio ambiente.21
  21. 21. ACESSÓRIOS COM FORMAS ORGÂNICASSão os acessórios representativos desta formas, como: broches, brincos, pingentes e outro emformas de borboletas, flores, gotas, abelhas, etc.22
  22. 22. LOOK COM RELEVOSO Relevo se apresenta numa camada acima da superfície do tecido que pode se apresentar numacamada a mais de tecidos trabalhada em pregas, ou ainda, costuras com tecidos diferentes ou mesmobordados espalhados sobre todo o tecido com linha diferenciada, fuxico, pedrarias, etc.23
  23. 23. TEXTURAToda figura tem uma superfície e toda superfície deve ter certas características, que podem serdescritas como suave ou rugosa, lisa ou decorada, opaca ou brilhante, macia ou dura.A natureza contém uma riqueza de texturas., por exemplo,qualquer tipo de pedra ou madeira temuma textura distinta, que um arquiteto ou um decorador podem usar para propósitos específicos. Podemosrepresentar pedra ou madeira de várias formas diferentes, observando as características destes materiais,isto é, seus efeitos de textura.A textura pode ser classificada em duas importantes categorias: Textura Visual e Textura Tátil.TEXTURA VISUALA textura visual é estritamente bidimensional. Como já diz a palavra, ela pode ser vista pelo olho,mas também pode evocar sensações táteis. A textura visual se distingue em 3 classes:1-) TEXTURA DECORATIVA:Quando os elementos se dispõem de forma “organizada”, sistemática. Pode ser desenhada a mão ouobtida por recursos especiais, pode ser rigidamente regular ou irregular, mas geralmente mantém um graude uniformidade.2-) TEXTURA ESPONTÂNEA:24
  24. 24. Figura e textura não podem ser separadas, porque as marcas da textura em uma superfície são aomesmo tempo as figuras. As formas desenhadas a mão e as acidentais contêm frequentemente uma texturaespontânea.3-) TEXTURA MECÂNICA:Não é aquela textura obtida com a ajuda de réguas e compassos, mas sim texturas obtidas por meiosmecânicos especiais e, em conseqüência a textura não está necessariamente subordinada a figura.Um exemplo típico desse tipo de textura é o granulado fotográfico e o reticulado que encontramosnos meios impressos (revistas, livros...). Podemos encontrar estas texturas em desenhos criados porcomputador em tipografias.FABRICAÇÃO DA TEXTURA VISUAL25
  25. 25. Pode ser produzida de várias maneiras. Exemplos:A-) Desenho, pintura: São os métodos mais simples para se produzir uma textura visual. Pode serconstruída minuciosamente com módulos grandes ou pequenos, dentro de estruturas rígidas ou soltas,espontâneas ou não.B-) Frottage: Desenhado sobre uma superfície rugosa, ou pintar alguma superfície ou papel, depoistransferir para outra superfície ou outro papel.C-) Vaporização ou pintura líquida: Exemplo: Pingar tinta sobre uma folha e depois assoprar, ouusar um spray sobre o papel. Esta textura pode ser espontânea ou decorativa(se for rigidamente controlada.)D-) Manchado: Uma superfície absorvente pode ser manchada.26
  26. 26. E-) Queimado: As vezes podemos utilizar as marcas de queimaduras para produzir texturas.F-) Raspado: Uma superfície pintada pode ser raspada com um utensílio duro ou rugoso.27
  27. 27. G-) Processos fotográficos:H-) Colagens: Podemos obter texturas através de colagens de revistas, jornais, etc; fazendo umamontagem e depois tirando xerox ou não destas texturas. Estas texturas, podem ser ampliadas, reduzidas oudeformadas através da xerografia.TEXTURA TÁTIL28
  28. 28. A textura tátil é um tipo de textura que nãoapenas é visível como pode ser sentida com as mãos.A textura tátil se ergue acima da superfície de umdesenho bidimensional e se aproxima do relevotridimensional.Em termos gerais, a textura tátil existe emtodos os tipos de superfícies, porque estas podem sersentidas. Isto significa que todos os tipos de papel, pormais lisos que sejam, e todos os tipos de pintura etinta, por mais planos que sejam, têm característicasespecíficas de superfície que podem ser percebidaspelo tato. No desenho bidimensional, podemos dizerque uma área vazia ou solidamente impressa oupintada não contém textura visual alguma, porém, hásempre a textura tátil do papel e da tinta ou da pintura.Podemos ter 3 tipos de textura tátil:1-) Textura disponível na natureza: A textura natural dos materiais pode ser mantida. Osmateriais –papel,tecido,galhos, folhas,areia,barbantes,etc.- são cortados, rasgados ou deixados como são, eentão grudados, colados ou fixados em uma superfície. Não se busca esconder a identidade dos materiais.2-) Textura natural modificada: Os materiais são modificados de tal maneira que não têm mais aaparência habitual. Por exemplo,o papel não é grudado de maneira lisa, mas pregueado ou amassado, oupode ser pontilhado, rabiscado ou prensado em relevo. Um pedaço de folha de metal pode ser dobrado,martelado ou vazado com pequenos furos, a madeira pode ser entalhada. Os materiais são levementetransformados, mas sem perder sua identidade.3-) Textura organizada: Os materiais, em geral em pequenos pedaços, lascas ou tiras, sãoorganizados em um padrão que forma uma nova superfície. As unidades de textura podem ser utilizadascomo estão ou modificadas, mas devem ser pequenas ou cortadas em pedaços pequenos. Alguns exemplossão sementes, grãos de areia, lascas de madeira, folhas cortadas em tiras muito estreitas, papel torcido embolas minúsculas, alfinetes, contas, botões, fios ou barbante a serem torcidos etc. Os materiais podem àsvezes ser identificáveis, mas a nova sensação criada pela superfície é muito mais importante.Todos os tipos de textura tátil podem ser transformados em textura visual pelo processo fotográfico.29
  29. 29. BibliografiaWong,Wucius. “Princípios de Forma e Desenho”. Martins Fontes, 1ª Edição. São Paul, 1998.A ESCOLHA DO FEITIOPara combinar o feitio e o tecido de modo a obter o efeito que mais a favorece, torna-se necessárioutilizar habilmente quatro elementos: a linha, o detalhe, a textura e a cor. Embora nada possua demisteriosos, cada um deles tem o poder de criar ilusões. Em conjunto ou isoladamente, podem dar ou tiraraltura, aumentar ou reduzir aparentemente a figura.Para tirar partido desses efeitos, há que proceder a uma análise realista da sua estatura e do seu tipode figura e decidir quais as características que pretende realçar ou, pelo contrário, disfarçar. Neste domíniosão poucas as regras; a decisão terá de ser, sobretudo pessoal.De um modo geral o equilíbrio é sempre um objetivo a alcançar e que se consegue minimizando ouneutralizando qualquer característica exagerada. Quadris largos podem ser compensados, numa peça devestuário, por uma maior largura na zona dos ombros. Basicamente, há duas formas de procura deequilíbrio: uma formal, em que as duas metades de um dado feitio são idênticas, e outra, informal, em queas duas partes referidas não são semelhantes, embora haja certo equilíbrio visual. As linhas verticais sãoum exemplo de equilíbrio formal; as diagonais, de equilíbrio informal.Outro objetivo igualmente importante é a harmonia – a relação, esteticamente agradável, entre todosos elementos. A harmonia é essencialmente uma questão do sentido do que é apropriado – um sentido dequais as características que se combinam entre si e se integram ao conjunto. Alguns exemplos negativospoderão tornar a idéia mais explicita. O efeito confuso, desagradável, que resulta, por exemplo, de ummodelo complicado, com muitas cores, confeccionado num tecido de padrão também complicado.Por muito cuidadosa que seja sua escolha em relação àquilo que considera como os seus pontosfortes e fracos, dois outros aspectos influirão, por certo, nas suas decisões. Um é a moda do momento,outro as suas preferências pessoais. Há que saber julgá-los em seu próprio proveito.Considere a cor e a textura, por exemplo. Se a cor da moda não favorece a sua figura, utilize-a paraacentuar um dos seus pontos fortes.De entre as tendências da moda, escolha apenas aquelas que lhe agradam e a favorecem. Modifiquea largura ou comprimento da saia em função da sua figura e das suas preferências. Lembre-se de que aquiloque a favorece produz sempre melhores resultados do que o que é simplesmente novidade. Sempre queadotar um novo estilo, siga essa regra: antes de comprar uma peça de vestuário cujo feitio sejaacentuadamente diferente de tudo o que já usou ou experimentou, analise-a com espírito crítico.Se um grande número de possibilidades de escolha a fazem sentir-se30
  30. 30. confusa, procure no seu guarda-roupa as peças de vestuário que sempre vestiu com prazer e que merecemelogio. Analise as suas linhas, detalhes, cores e texturas e procure estilos semelhantes.SILHUETAAs linhas principais de uma peça devestuário são aquelas que formam a suasilhueta ou linha de contorno. Basicamente,todas as silhuetas são variações de duas formasbem conhecidas – o retângulo e o triângulo -,resultantes em grande parte da forma como apeça de vestuário se ajusta ao corpo. Podemosdistinguir quatro tipos: justo, semijusto,ligeiramente solto e solto.Uma peça de vestuário justa realça oscontornos da figura. Quanto menos ajustadafor uma peça de vestuário, mais despercebida passará a forma do corpo e mais dominante ficará a silhueta.O mesmo acontece quando há poucas costuras ou pormenores que façam desviar a atenção – o indicadoquando pretende tirar o máximo partido de um tecido incomum. Também o tipo de tecido vai afetar asilhueta; um tecido armado, por exemplo, molda a forma da peça de vestuário; um tecido maleável tende adelinear e, portanto, a realçar a forma do corpo.Também a moda tem influência sobre a silhueta. Épocas inteiras foram simbolizadas por umadeterminada forma de vestuário.31
  31. 31. SILHUETA EM RETÂNGULO:A parte superior e a inferior apresentam sensivelmente a mesma largura. Umretângulo estreito, à esquerda, torna a silhueta mais esguia do que um mais largo.Ambas as formas podem ser modificadas por meio de costuras e detalhes.Indivíduos com esse tipo físico são indivíduos cujos ombros, cintura e os quadrisestão na mesma medida, portanto, elas precisam necessariamente criar uma cintura.O que ajuda?- Casacos e jaquetas com pences, que deixam a roupa mais fina na cintura;- Calças sem pregas, com cortes retos e afunilados, ou até com a boca um pouco maislarga;- Cinto ou Faixas sobre a roupa. Dê preferência para cores escuras, já que estasemagrecem. Porém, se tiver um pouco de barriga, prefira não usá-los.- Blazer: procure aqueles com cintos no mesmo tecido, ou também, aqueles quetenham pences, de modo a ficarem acinturados.- Procure chamar a atenção para o colo, desviando a atenção da cintura. Use e abusede decotes, brincos, colares. Os melhores decotes são os em formato “V”, “U” oucanoa.- Uma boa sugestão para quem gosta de saias, são as evasês ou saias.- Para quem gosta, o corselete também é ótimo, já que ele ajuda a esculpir curvas, afinando a cintura.Evite:- Camisas ou Blazers de corte quadrado e largo;- Gola alta, já que faz o colo ficar totalmente coberto, deixando a silhueta ainda maispesada;- Jaquetas curtas;- Vestido de corte reto;- Saia justa e afunilada;SILHUETA EM TRIÂNGULO:A parte superior mais larga ajuda a compensar quadris largos, diminuindo também aaltura. Uma base larga disfarça ombros largos ou uma figura em que a parte superioré volumosa. Quando exageradas, ambas se tornam deselegantes.32
  32. 32. Para o indivíduo com o tipo físico do triângulo, o truque é fazer com que os ombros se estendamhorizontalmente, chegando até a medida do quadril, ou diminuir visualmente o quadril. Este é um tipofísico bastante comum entre os brasileiros.O que ajuda?- Camisas ou tricôs com a cava mais caída, devem ultrapassar a linha do ombro, produzindo um efeito dealongamento;- Calças ou saias de cores escuras, já que a cor escura emagrece; (não muito justas).- Decote de ombro a ombro, ou seja, deixando os ombros de fora. Isso aumenta visivelmente os ombros;- Tomara que caia é ótimo, para as que estão em forma;- Mangas com volume;- Blusas e camisetas coloridas;- Saias e vestidos evasê;- Camiseta com manga, sempre;Importante: A altura de blazers, camisas, ou twin-set, deve ser sempre acima ou abaixo da parte mais largado seu quadril, nunca deve cair sobre ele, isso forma uma linha horizontal, que aumenta ainda mais oquadril.Evite:- Calça ou saia de pregas, calça de cintura baixa, que aumenta o quadril, e calça corsário, que diminui aperna e salienta o quadril anda mais. Calça muito justa também realça muito o quadril, dando a impressãode aumentá-lo.- Calça cigarette ou stretch;- Frente Única ou cava americana, que diminuem ainda mais os ombros;- Calça ou saia bufante, que também aumentam o quadril;- Regatas de alças muito finas;- Detalhes na altura dos quadris, como: bolsas, bordados, babados, e etc..- Minissaia curtíssima- Cintos largos ou muito fininhos jogados nos quadris;- Parte de cima cor escura, sendo a parte de baixo de cor clara;AMPULHETA33
  33. 33. Esse é o tipo físico que toda mulher gostaria de ter. É o que chamamos de corpo violão. Se a mulher for dotipo físico da “Ampulheta” e for magrinha, melhor ainda, pois pode usar tudo! Mas se não for magrinha, énecessário, diminuir visualmente os quadris e seios .O que ajuda?- Tops, Regatas, Frente Únicas, calças com prega ou sem prega, detalhes em qualquer parte do corpo;- Caças de corte reto e cintura baixa;- Saias fluidas evasê, ou justaImportante: Se a pessoa for do tipo físico “Ampulheta”, mas estiver cheinha, é necessário atenção! Nãoesquecer que a pessoa tem cintura, logo, aproveite para explorá-la. (Veja as dicas para o tipo físico doretângulo).Evite:- Roupas retas e sem pence, que vão transformar a pessoa num triangulo;- Vestidos em forma de trapézio, ficam soltos no corpo e dão a sensação de criar volume na cintura e maisainda no quadril.- Camisas ou Blazers de ombros muito largos, pois vai deixar a pessoa com a forma do triângulo invertido;- Gola alta, no caso das que tem muito busto, pois dá a ilusão de estarem acima do peso;TRIÂNGULO INVERTIDOAs mulheres com o tipo físico do triângulo invertido, para chegarem ao equilíbrio,precisam aumentar o quadril, chegando a uma medida proporcional ao ombro.O que ajuda?- Frente única ou vestido de cava americana, ajuda a diminuir os ombros, criando umailusão de um quadril maior;- Calças de cintura baixa, mas não justas;- Saias evasê, rodadas ou retas;- Cores escuras na parte de cima;- Regatas de alça fina;- Calças com volume, por meio de pregas ou tipo pantalonaEvite:34
  34. 34. - Calça muito sequinha, sem nenhum volume, prega ou pence;- Ombreiras, blusas de decote canoa e tomara que caia;- Blusas de tecido volumoso com muitos detalhes na altura do busto, ou de linhas horizontais;- Saias e vestidos justos e afunilados;OVAL/REDONDOPara mulheres com esse tipo físico, é mais difícil transformá-las nas formas do tipofísico “Ampulheta”. Podemos então, explorar as pernas, chamar a atenção para otorso através de decotes, tentar estender os ombros e ainda tentar diminuir osquadris.O que ajuda?- Abusar de tudo que chama a atenção para o colo e o pescoço, como decotes,brincos, colares.- Blazers, camisas ou tricôs que ultrapassem a linha da cintura. Nada pode parar naaltura da barriga ou no meio do quadril, pois criam uma ilusão de que o quadril éainda maior, e não menor como é o nosso objetivo.- Calça e saias sem pregas, para não criar volume em lugar indesejado.- Calça de cintura no lugar, com corte reto, de preferência, a barra tocando o peito dopé (para dar a ilusão de alongar a pessoa).- Decotes em “V” e em “U”.Evite:- Tudo o que chama a atenção para a cintura: camisetas curtas que mostram a barriga, calça com cinturabaixa e calças ou saias com pregas.- Cinto ou faixas por cima da roupa, tanto claro, como escuro.- Gola Alta.- Calça muito justa ou tipo legging, que deixa a perna muito estreita e realça a barriga;- Roupas claras e com brilho;35
  35. 35. - Listras horizontais;- Colar tipo coleira ou com muitas voltas;- Tecidos volumosos;- Blusa por dentro da calça;- Pregas, babados e drapeados;- Vestido com recorte abaixo do busto;LINHASESTRUTURAISAs linhas interiores do feitio deuma peça de vestuário conferem uma novadimensão à silhueta.Cada tipo de linha – horizontal, vertical,diagonal ou curva – influência de modoparticular em figura. Por vezes, acolocação de uma linha pode ser mais relevante que o seu tipo, pois os nossos olhos tendem a mover-senuma certa direção – da esquerda para direita e de cima para baixo. Assim, se numa peça de vestuáriocoexistir linhas verticais e horizontais, os olhos serão atraídos em primeiro lugar para as horizontais.Existem alguns princípios gerais quanto à utilização das linhas:1) quanto mais longa, maior será a sua influência no aspecto geral;2) as dobras de tecido (pregas ou machos, por exemplo) criam linhas, mas simultaneamente aumentamo volume;3) quanto mais linhas existirem no padrão do tecido, menos linhas deverá apresentar o feitio.LINHAS VERTICAISCriam geralmente ilusão de altura e aspecto esguio. Contudo, quando repetidas a intervalos regulares,podem dar à figura um aspecto mais largo e mais baixo, pois os olhos são atraídos de um lado para o outro.36
  36. 36. LINHAS HORIZONTAISTêm tendência para cortar a altura,especialmente quando dividem a figuraao meio. Mas uma linha horizontalcolocada acima ou abaixo da linha médiarealça a zona menor, parecendo alongarvisualmente a maior.LINHAS EM DIAGONALPodem contribuir para aumentar a alturaou largura, conforme o seu comprimento e ângulo. Uma diagonal longa cria uma ilusão de maior altura.Uma diagonal pequena dá uma ilusão de maior largura.LINHAS CURVAS37
  37. 37. Criam os mesmos efeitos que as linhas retas de localização semelhante, embora de uma forma mais sutil. Oefeito visual é mais suave. Uma linha curva produz sempre um efeito de arredondamento e de maiorcorpulência.DETALHESDetalhes como mangas, decotes, golas e bolsos, embora subordinados à silhueta e ás linhasestruturais, podem revestir-se de não menos importância, conforme a sua forma de localização.Podem ter, entre outras, as seguintes finalidades:1) acentuar uma silhueta, como no caso de mangas em forma de sino em relação a um vestidotrapézio;2) dar uma nota de realce a uma peça de vestuário simples;3) tornar prática uma peça de vestuário formal;4) despertar a atenção para característica interessante, afastando-atambém de uma menos atraente.Com freqüência, um detalhe pode criar simultaneamente efeitosdiversos, como demonstram as golas das gravuras embaixo.A gola parece alongar o pescoço, ao mesmo tempo em que aumenta alargura dos ombros e cria uma ilusão de maior volume na partesuperior do corpo.A gola torna o rosto mais longo sem afetar a altura ou o comprimento do pescoço.38
  38. 38. Os bolsos sobre os quadris chamam sempre a atenção para esta zona, embora a impressão geralvarie em função do tamanho e localização daqueles. Seja qual for o objetivo dos detalhes, não os utilize emexcesso, já que nessas circunstâncias o efeito geral será confuso.ASSENTAR BEMConforme explicado, o aspecto é um dos fatores importantes a considerar ao apreciar a forma comouma peça de vestuário assenta. Esta não deve apresentar rugas ou papos. Os outros principais fatores, járeferidos, é conforto, feitio e tecido.O conforto é, naturalmente, extremamente importante. A mais bela das peças de vestuário de seuguarda-roupa ficará para sempre pendurada se você não se sentir confortável ao usá-la. Naturalmente,algumas peças de vestuário são por definição mais confortáveis que outras todas deverão, porém, permitir-lhe sentar-se, curvar-se, andar e estender os braços sem forçar as costuras ou sentir os movimentos presos.Para isso contribui de forma decisiva a folga básica que a peça de vestuário tem ao produzir a modelagem eo molde de corte.O feitio de uma peça de vestuário pode basear-se numa forma justa, ou numa forma solta. Ao fazerajustamentos numa peça de vestuário, é importante considerar a linha pretendida pelo autor do modelo.Para o efeito, são preciosos auxiliares, as fotografias e gravuras do figurino (crokis do look) ou daembalagem do molde.Além disso, uma peça de vestuário pode apresentar certas características que indicam tratar-se deum modelo justo: uma silhueta que revela as formas do corpo e, dentro dela, detalhes como uma costura decintura; uma pence e costuras curvas; palas e também ocasionalmente, partes cortadas em viés.Um modelo solto é com freqüência assinalada por uma silhueta que oculta detalhes da figura dequem veste; no interior da silhueta, a roda é controlada por meio de franzidos ou pregas soltas, em vez depence e costuras a ajustar. Uma mesma peça de vestuário, no entanto, pode apresentar partes justas e soltas,39
  39. 39. como se verifica nos clássicos vestidos chemisier de saias franzidas ou pregueadas. Mesmo em modelossoltos, algumas partes podem ser ajustadas ao corpo, como acontece com o cós numa saia franzida, commuita roda ou com a costura do ombro num modelo com casas de abelha.O tecido é decisivo para que uma peça de vestuário assente bem.Quando possível utilizar indiferentemente um tipo de tecido ou outro – maleável ou rígido, porexemplo -, lembre-se de que o aspecto variará bastante conforme o tecido escolhido. Considere também atendência de certos tecidos para aderir ao corpo, vincando-lhe as formas, ainda que utilizados num modelosolto.MODELOS JUSTOSTende a modelar a figura, por vezes ajustando-se um pouco mais ao corpo em alguns pontos. Nestetipo de modelo é conveniente não ajustar demasiado para não forçar as costuras e provocar rugas.O grau de ajustamento dependerá da figura, já que um corte muito justo favorece geralmente umafigura esguia, enquanto um modelo menos ajustado beneficia uma figura mais cheia.A presença da linha da cintura indica um corte relativamente justo.A linha da cintura pode-se encontrar na posição natural (ao centro);40
  40. 40. Em cima, como no estilo império;Embaixo;À altura do quadril como no caso de blusões, ou quando se pretende um efeito de duas peças.41
  41. 41. Com freqüência, as palas na cintura, já pelo seu próprio corte, modelam onde é necessário.Pences e costuras curvas ajustam o vestuário ao corpo, como se vê nestes vestidos. Ambas assilhuetas se ajustam ao corpo de forma semelhante.42
  42. 42. MODELOS SOLTOSForam criados tendo em vista certa amplitude, como no caso de uma capa, um caftan ou um vestidolinha A, ou procurando efeitos que suavizem a figura – corpo blusado, manga fofa, saia muito ampla,espelho de onde saem pregueados ou franzidos. No caso de uma figura volumosa, poderá ser necessário, afim de obter o efeito pretendido, aumentar a amplitude quando se trata de modelos muito folgados.As pregas não vincadas ajustam em cima e caem em dobras suaves.43
  43. 43. Tanto os franzidos como as pences soltas controlam a roda. Os primeiros afetam toda uma área; assegundas fazem a transição de uma parte ajustada para uma mais ampla.A inserção de godês permite obter um tipo de roda particularmente atraente em movimento.44
  44. 44. A linha evasê pode ser utilizada para criar um efeito de amplitude acentuado ou apenas sugerido.Esta linha é muito adotada para conferir graciosidade a uma saia ou um vestido.CORESDISCO DE CORES OU DISCO DE NEWTON- Cores Primárias a partir das quais obtemos asdemais cores:A – azul cianoB – amareloC – vermelho magentaAs cores primárias são as únicas que não podem ser decompostas em outras e que, por outro lado,não podem ser obtidas através da mistura de outras cores. No entanto, a mistura das cores primárias emproporções variáveis produz todas as cores do espectro. Efetivamente, não existe um tom que não possa serobtido por intermédio da associação delas. Existe um número ilimitado de tons, tal como existe um númeroilimitado de possibilidades de associação ou mistura de cores primárias, em proporções desiguais.Quando trabalhamos com o sistema de classificação da cor-luz, as cores primárias são o vermelho, overde e o azul violetado. O sistema de cores da televisão, por exemplo, trabalha com a cor-luz; logo, tem o45
  45. 45. vermelho, o verde e o azul - violetado como cores primárias. Se misturarmos essas três cores-luz,obteremos o branco.A essa altura, é possível que você esteja se perguntado: e as cores-pigmento, como é o caso dastintas para impressão, dos corantes para tecidos ou para cabelos, da maquilagem (sombra, batom, base, póde arroz, etc...), será que elas têm o mesmo sistema de classificação da cor-luz? E as cores primárias, poracaso, são as mesmas?Não. Se você observar com atenção materiais tais como tintas ou corantes, certamente, irá concluirque, por fazerem parte do sistema de classificação da cor-pigmento, como aquele dos homens da cavernano período paleolítico, seu processo cromático é químico, e não físico como no sistema da cor-luz.Desta forma, o ilustrador, o pintor, o maquiador, os profissionais que tingem, cabelos ou tecidos trabalhamcom produtos químicos. A cor é, portanto, o resultado de mistura química. Assim, as cores primáriasdo sistema da cor pigmento opaca são o vermelho, amarelo e o azul. A mistura dessas três corespigmento tem como resultado o cinza-neutro e não o branco, como no caso da mistura das cores-luz.Há também o sistema da cor pigmento transparente, que pode ser exemplificado através da técnicade pintura em aquarela ou do processo de impressão por retículas transparentes, utilizado pelas artesgráficas. As cores primárias deste sistema físico-químico são o magenta, o amarelo, ciano. A síntese dacor-pigmento transparente também é o cinza-neutro. Se colocarmos superpostos filtros coloridos magenta,amarelo e ciano de modo a interceptar a luz branca, produzindo o cinza neutro.Bibliografia :Elementos da CorLuiz Fernando Perazzo, Ana Beatriz Fares Racy, Denise Alvarez. Senac.46
  46. 46. 47
  47. 47. - Cores Secundárias obtidas pela mistura de duascores primárias:D – verde (A + B)E - laranja (B + C)F - roxo (C + A)- Cores Terciárias, obtidas pela mistura de umaCor primária com uma secundária.G – azul-esverdeado ou verde-azuladoH – verde-amarelado ou amarelo-esverdeadoI - amarelo-alaranjado ou laranja-amareladoJ - laranja-avermelhado ou vermelho-alaranjadoK - vermelho-arroxeado ou roxo-avermelhadoL - roxo-azulado ou azul-arroxeadoToda superfície que recebe raios luminosos de várias cores, e um destes raios vem de encontro aosnossos olhos, nós o identificamos como a cor da superfície iluminada.Que nada mais é do que a luz refletida nessa superfície ou num objeto.48
  48. 48. 1) A COR ABRANGE TRÊS DIMENSÕES:a) Coloração ou Tinta: Característica que estabelece a diferença entre elas.Ex: Um vermelho= de um verdeb) Valor Tonal: Grau de luminosidade (claridade).»Acrescentando-se branco a uma cor, aumenta-se o seu valor tonal.»Acrescentando-se preto, abaixa-se o valor.»Acrescentando-se um cinza contrastante aumenta-se ou abaixa-se o seu valor.»Acrescentando-se um pigmento de valor diferente, aumenta-se ou abaixa-se o valor.Ex: Vermelho claro e vermelho escuro.É importante ressaltar que, acrescentando-se preto,branco,ou cinza,modificaremos o valor tonal e onível de intensidade.O tom resultante será mais claro ou mais escuro e mais neutro.É provável que também se produzas alguma alteração no matiz, porque tanto o pigmento pretocomo o branco tendem a esfriar a mistura.49
  49. 49. c) Intensidade ou Valor Cromático: Característica que dá a pureza e a força da cor.Ex: Vermelho vivo é mais intenso que vermelho claro.2) TIPOS OU CLASSIFICAÇÃO:a) Cores Primárias: São as cores puras –Vermelho,Amarelo e o Azul. Nas artes gráficas, pinturaem aquarela e para todos os que utilizam cor-pigmento transparente ou por transparência em retículas, asprimárias são o Magenta, o Amarelo e o Cian.b) Cores Secundárias: São as cores que resultam da mistura de partes iguais de duas primárias.São também as complementares das primárias. Laranja – Verde – Violeta50
  50. 50. c) Cores Terciárias: São as cores que resultam da mistura em partes iguais de uma cor primáriacom uma cor secundária.Azul + Violeta = Azul Violetado ou Violeta AzuladoAzul + Verde = Azul Esverdeado ou Verde AzuladoAmarelo + Laranja = Amarelo Alaranjado ou Laranja AmareladoAmarelo + Verde = Amarelo Esverdeado ou Verde AmareladoVermelho + Laranja = Vermelho Alaranjado ou Laranja AvermelhadoVermelho + Violeta = Vermelho Violetado ou Violeta Avermelhado3) VALOR CALÓRICO DAS CORES:As cores podem ser quentes e frias.a) Cores Quentes: São o Vermelho e o Amarelo, e as demais cores em que elas predominem.b) Cores Frias: São o Azul e o Verde, bem como as outras cores predominadas por eles. Os verdes,violáceos, carmins e uma infinidade de tons poderão ser classificados como cores frias ou como coresquentes, dependendo da porcentagem de azuis, vermelhos, e amarelos de suas composições. Além disso,51
  51. 51. uma cor tanto poderá parecer fria como quente, dependendo da relação estabelecida entre ela e as demaiscores de determinada gama cromática, um verde médio, numa escala de amarelos e vermelhos pareceráfrio. O mesmo verde, frente a vários azuis, parecerá quente.4) DIMENSÃO DA COR:Quando a cor é associada a determinadas formas geométricas, ou em diferentes planos, podeconferir sensações de tamanho, peso e distância.Ex: Uma cadeira pintada de vermelho dá-nos a impressão de maior tamanho do que outra igual, maspintada de verde.Um corredor com tapete claro parece-nos mais longo do que a realidade. Um outro emcores escuras parecerá mais curto.Portanto, podemos concluir que as cores fortes ou vivas aproximam e as cores claras ouneutralizadas distanciam.Outro exemplo, é quando um objeto ou elemento de tamanho “X” pintado de cor branca nosparecerá maior, pois o branco tende a aumentar os objetos. Este mesmo objeto pintado de preto nosparecerá maior que seu tamanho “X”.Portanto, as cores claras tendem a aumentar e as escuras tendem a diminuir.SIGNIFICADO PSICOLÓGICO DAS CORESEm todas as épocas, as sociedades organizadas sempre tiveram seus códigos completos, ou certoselementos de uma simbologia das cores, atribuindo-lhes frequentemente caráter mágico. A variedade designificados de cada cor, ao longo dos tempos, está intimamente ligada ao nível de desenvolvimento sociale cultural das sociedades que os criam.52
  52. 52. BRANCOSugere pureza, delicadeza, simplicidade, otimismo, esperança, confiança, frescor e limpeza. Criaimpressões de vazio e infinito. Evoca ação refrescante e desinfetante, sobretudo quando utilizado junto como azul. Apropriado para tetos.É o símbolo da entrega, é uma cor de status, da virtude e do altruísmo, traz sensação renovadora eaberta a mudanças.O branco transmite uma personalidade expressiva, artística, inocente, pura, fiel, fria, distante efeminina.PRETOTransmite poder, mistério, dominação e dignidade. É uma das principais cores da modacontemporânea pela sua versatilidade.O preto transmite uma personalidade de pessoa autoritária, audaz, dramática, chic, forte, formal,firme, elegante e masculina. Ideal para o primeiro encontro, pois transmite mistério e erotismo; e parareunião de negócios, pois transmite poder; passa uma imagem de pessoa dinâmica ai falar em público.Já foi o símbolo de infortúnio e da morte, encerra uma característica impenetrável. É a cor maisdesprovida de sentimento, mas confere nobreza, distinção e elegância. Tem um peso visual muito grande.CINZAÉ a mistura do preto e do branco; neutra, ligada a sabedoria; é a preferida por filósofos, artistas eintelectuais.Cor da eficiência, do refinamento; é uma cor incerta, a cor do medo, monotonia, desânimo, àmedida que é mais sombrio. O cinza escuro é a cor do sujo, desprezível.O cinza transmite uma personalidade calma, conservadora, poderosa, autoritária, confiável,modesta, controlada.Ideal para ser usada em atividades criativas, pois desencadeia o desenvolvimento artístico; emreuniões e almoços de negócios, traz sucesso e força.53
  53. 53. VERMELHOSignifica força, alegria de viver, virilidade, dinamismo é a cor da paixão. Pode ser exaltante e atéenervante, estimula a pressão arterial. Impõe-se sem discrição, dando também a impressão de severidade edignidade, benevolência e charme, corajosa, dominadora, firme, dramática, sexy, ativa, extrovertida,apaixonante, impulsiva e agressiva. É uma cor quente, transmitindo assim sensações de calor, por isso deveser usada com cautela. Quanto mais escuro, mais grave, profundo e psíquico se torna. Os tons clarosexprimem temperamento jovial e fantasioso.O vermelho é ideal para ser usado em datas românticas ( cor da energia sexual, atrai paixão,interage com homens, pois transmite confiança) e para falar em público, pois chama atenção.VERDECor relaxante, de comunicação, é a cor que rejuvenesce, representa paz e transmite estabilidade, étambém a cor da esperança. Com um ponto de amarelo, adquire força ativa, aspecto ensolarado. Se o azuldomina, torna-se séria e carregada de pensamentos. Os tons mais claros acentuam indiferença, os escuros acalma.O verde transmite uma personalidade receptiva, aberta, estável, equilibrada, prestativa, leal, doce,responsável, amiga, tranqüila e simpática. É ideal para ser usado em datas românticas, especialmente overde-claro, que transmite docilidade.AZULCor profunda, feminina, preferida pelas pessoas adultas, despertando lembrança de infância. É a cordo respeito, confiabilidade, fidelidade, serenidade, transmite elevado status social, civilidade, estabilidade,dignidade. Transmite calma profunda interior é diferente da do verde. Azul escuro chama o homem até oinfinito. O claro provoca sensação de frescor e higiene, principalmente ao lado do branco. O azul turquesaencerra grande força, exprime fogo interior e frio. Exteriormente, lembra os lagos no verão.54
  54. 54. O azul transmite uma personalidade sincera, pensativa, comunicativa, calma, pacífica, inventiva,honesta, conservadora, atenciosa e paciente. Ideal para ser usado em atividades criativas, pois estimula afantasia.AMARELOLuminosa, gritante e vistosa,cor estimulante, quente, pode fazer aumentar o nível de ansiedade einduzir inquietação.. Ao contrário do azul, não transmite profundidade.Simboliza o otimismo e está associada ao intelecto; é a cor da iluminação, da expectativa, dodinheiro. É uma cor ativa; mas esverdeada, assume tom doentio. Com a adição do vermelho, alegra o olhar,trazendo um sentimento misto de alegria e satisfação.O amarelo transmite uma personalidade receptiva, acessível, alegre, otimista, criativa, extrovertida eocupada. Ideal para ser usado para vender produtos, pois é alegre e estimulante.LARANJACor energética e audaciosa. Muito mais que o vermelho, transborda irradiação e expansão.Temcaracterística acolhedora, quente e íntima.O laranja transmite uma personalidade calorosa, prática, extrovertida e espontânea. Ideal para serusado em festas, pois transmite calor e amizade.VIOLETAEm geral, as pessoas atraídas pela cor púrpura são muito criativas, gostam de lidar particularmentecom arte ou filosofia, tem elevado senso de espiritualidade, são pessoas apaixonadas e sonhadoras.Equivale a um pensamento meditativo e místico que encerra um mistério. Nos tons mais escuros, é triste,melancólico, cheio de dignidade. Passando ao lilás, aclara-se, tornando-se mágico e místico, inspiranostalgia e romance. Violeta avermelhado significa inteligência, tranqüilidade e paixão ao mesmo tempo.O violeta lida com os sentidos e gera paixão.55
  55. 55. ROSACor que tem conotações positivas, é calmante e aconchegante, traz vitalidade juvenil; é a coruniversal do amor, mas projeta menos energia do que o vermelho.O rosa transmite uma personalidade gentil, afetuoso, romântica, feminina, quieta, artística,apaixonada, acessível, sensitiva, refinada, delicada, doce ; sugere intimidade.Ideal para ser usada em data romântica, pois sugere beleza celestial; e em entrevista de primeiroemprego, pois acalma.MARROMCor informal, que está associada à humildade e pessoas sem arrogância.É uma cor agradável, neutra, que não transmite muita emoção; cor realista, não sendo brutal ouvulgar, encarna a vida sã e o trabalho cotidiano. A medida que se torna sombrio, adquire as característicasdo preto.O marrom transmite uma personalidade confiável, educada, bem-sucedida, estável, perseverante,segura, resistente a mudanças.Cor que tem o apela da classe alta.HARMONIAA harmonia é essencial no sentido de relacionar entre si todas as cores de uma composição,ajustando-as a um todo unificado. Uma cor depende grandemente do contexto no espaço e no tempo. Cada56
  56. 56. cor se altera pela colocação de outras de modo que o que era quente pode se tornar frio, colocando uma cormais quente mais próxima, e o que estava em harmonia de faz discordante aproximando-se novas cores.As cores parecem mais escuras sobre o branco, mais claras sobre o preto e sobre um cinza de igualvalor se fundem com este e têm pouco destaque. Os valores claros parecem aumentar o tamanho dosobjetos, o preto e os valores escuros dão impressão que os diminuem. O branco e os valores claros refletema cor e parece que intensificam as cores que estão sobre elas e o preto e as cores escuras absorvem ereduzem a potência das cores que são superpostas. O branco e as cores claras sugerem distância, as maisescuras, aproximação. O preto serve para unificar e harmonizar as cores mais intensas.Além disto, existem outros fenômenos visuais interessantes. Quando fixamos nossos olhos numacor durante certo tempo, substituindo a cor por um campo branco veremos sua cor complementar. Umcinza médio rodeado de uma cor quente nos parecerá azulado e frio, enquanto que o mesmo cinzacircundando uma cor fria dará a impressão de rosado e quente. Isto evidencia que o homemfisiologicamente sente necessidade de neutralizar as cores, procurando maior repouso visual. Não se pode,portanto, formular princípios rígidos para a obtenção da harmonia das cores, mas há alguns processosutilizados que já se tornaram regras consagradas. Mas não podemos nos esquecer que cabe à expressão aescolha das cores que mais se combinam.As cores neutras podem ser usadas em todas as harmonias sem nenhum prejuízo.HARMONIA MONOCROMÁTICAConsiste em combinar vários valores de uma cor. Numa escala monocromática, a cor, ao sermisturada gradativamente com branco, perde a sua intensidade, sendo dominada de valores altos, isto é,presença de luz (chave alta). Nesta mesma cor, ao adicionarmos o preto, a sua intensidade diminui com aausência da luz, e são denominadas de valores baixos (chave baixa). A faixa intermediária da escalacorresponde à chave média.57
  57. 57. Esta harmonia permite sempre um resultado agradável e calmo. È, porém, um pouco monótonaquando aplicada sobre grandes áreas. Podemos resolver este problema colocando algum elemento com acor complementar que, por contraste, dará mais vivacidade ao esquema.As tonalidades podem mudar, mas todas ficam no mesmo matiz da roda das cores.O esquema ou harmonia monocromática utiliza variações de luminosidade e saturação de umamesma cor.Estas harmonias luzem simples e elegantes, de fácil percepção ao observador especialmente quando se tratade tons azuis e verdes.A cor principal pode ser combinada com cores neutras, preto e branco, no entanto pode ser difícil quandose utiliza esta harmonia, ressaltar os elementos mais importantes.Prós:A harmonia monocromática, é simples de utilizar e sempre luz balançada e visualmente apelativa.Contras:Este esquema carece de contraste. Não é uma harmonia tão vibrante como a harmonia de complementares.Dicas:• Quando realizar um trabalho com harmonia monocromática, utilize as luzes, sombras e tonalidadesda cor principal para tornar mais interessante o trabalho.• Experimente o esquema análogo; ele oferece certas nuances ainda mantendo a simplicidade eelegância da harmonia monocromática.HARMONIA DE CORES ANÁLOGAS.58
  58. 58. É a harmonia em que se utilizam as coresvizinhas no círculo cromático.Harmonia de cores análogas da cor base laranja:amarelo, amarelo alaranjado, laranja, laranjaavermelhado, vermelho. Isto permite um resultadoagradável e calmo sem o problema da monotonia.É a harmonia formada de uma cor primária combinada com duas cores vizinhas na roda das cores.Uma cor é utilizada como a dominante enquanto que as adjacentes são utilizadas para enriquecer aharmonia.Prós:As harmonias análogas são tão fáceis de criar quanto as monocromáticas, no entanto são mais ricas.Contras:Um esquema de cores análogas carece de cor de contraste. Não é uma harmonia tão vibrante como aharmonia de complementares.Dicas:• Evitar a utilização de muitos tons numa harmonia análoga, porque poderia destruir a harmonia.• Evitar a combinação de cores frias e quentes na mesma harmonia.HARMONIA POR TRÍADE.Consiste no emprego de três cores que tenham a mesma relação entre si, isto é, que estejam situadaseqüidistantes uma da outra no círculo cromático (usa-se o triângulo equilátero). Os vértices indicarão ascores componentes do trio, ex: amarelo-vermelho-azul, roxo-verde-laranja.É a harmonia onde usamos três coresequidistantes no circulo cromático. Por exemploazul, amarelo e vermelho. Esse tipo de combinaçãoconsegue dar um efeito visual muito atraente.59
  59. 59. Esta harmonia é muito popular entre os artistas porque oferece um alto contraste visual, ao mesmotempo que conserva o balanço e a riqueza das cores. Esta harmonia não é tão contrastante como oesquema de complementares, mas aparece mais balançado e harmonioso.Prós:Esta harmonia triádico oferece alto contraste mantendo a harmonia.Contras:Não é um esquema de tanto contraste como o esquema complementar.Dicas:• Escolher uma cor para ser utilizada em maiores áreas que as restantes• Se a combinação tem aspecto de mau gosto, tente dominá-las.HARMONIA POR TEMPERATURA DOMINANTE.Aplicam-se na composição diversas cores, com dominância ou de cores quentes ou cores frias.Cores Quentes são cores mais vivas, alegres e com luminosidade. Exemplos: vermelho, amarelo, laranja.Cores Frias são cores escuras e tristes. Exemplos: azul, verde, violeta, marrom.HARMONIA POR CONTRASTE.Nesta harmonia utilizamos cores quentes e frias, conseguindo efeito de contraste. Tanto podemosusar cores complementares (vermelho-verde, azul-laranja, amarelo-violeta) como criar novas uniões como:vermelho-azul, amarelo-azul, verde amarelado-roxo, etc.60
  60. 60. Contraste ocorre todo o tempo, embora sua presença possa passar despercebida. Há contrastequando uma forma é circundada por um espaço vazio. Há contraste quando uma linha reta encontra umalinha curva. Há contraste quando as direções verticais e horizontais coexistem.Vivenciamos todos os tipos de contraste em nosso cotidiano. O dia contrasta com a noite, umpássaro voando contrasta com o céu; uma cadeira antiga contrasta com um sofá moderno.O contraste é apenas um tipo de comparação, na qual as diferenças se tornam claras. Duas formaspodem ser consideradas similares em determinados aspectos e diferentes em outro. Suas diferenças setornam enfatizadas quando ocorre contraste. Uma forma pode não parecer grande quando é vista isolada,mas pode parecer imensa comparada com formas minúsculas próximas a ela.Podemos ter vários tipos de contraste: de FORMATO, TAMANHO, COR, TEXTURA EDIREÇÃO.FORMATO : Orgânico/ GeométricoÂngular/ Não ângularTAMANHO : Grande/ PequenoComprido/ CurtoCOR : Claro/ EscuroBrilhante/ OpacoQuente/ FrioTEXTURA : Liso/ Áspero61
  61. 61. Fino/ GrosseiroRegular/ IrregularFosco/ PolidoDIREÇÃO : Direita/ EsquerdaEm cima/ Em baixoHARMONIA DE CORES COMPLEMENTARES.O uso de cores complementares cria uma harmonia de contraste violento, que pode ser usado comgrande êxito, desde que quem as empregue saiba usá-las.Quando usamos esta harmonia com cores mais apasteladas, ou saturadas, conseguimos efeitosmenos agressivos. É o caso, por exemplo, do vermelho e verde que juntas parecem chocantes, mas ficamsumamente delicadas nos tons de rosa e verde musgo ou verde-claro e rosa escuro.É a harmonia que ocorre quandocombinamos cores opostas na roda das cores. Emoutras palavras, são cores que se encontramsimétricas com respeito ao centro da roda. O Matizvaria em 180 º entre um e outro.Esta harmonia funciona ainda melhor se sãocombinadas cores frias e cores quentes, como porexemplo vermelho com verde-azul ou azul comamarelo. Uma harmonia complementar éintrinsecamente uma harmonia de contraste.É importante quando utilizar esta harmonia, escolher uma cor dominante, e utilizar a complementarpara acentos e toques de destaque. Como por exemplo utilizar uma cor para fundo e a outra para destacaros elementos de importância.Prós:A harmonia de contraste oferece uma combinação de alto contraste ideal para atrair a máximaatenção do espectador.Contras:62
  62. 62. Este esquema é mais difícil de balançar que os esquemas análogos ou monocromáticos,especialmente quando são utilizados coreis quentes não saturadas.Dicas:• Para melhores resultados, é aconselhável escolher cores frias e cores quentes, como por exemploazul e laranja.• Se se estiver a utilizar uma cor quente (vermelho ou amarelo) para ressaltar, é aconselhável utilizaruma cor fria não saturada para dar mais ênfase á cor quentes.• Evitar para esta harmonia a utilização de cores não saturadas quentes, como castanhos e ocres.• Utilizar o esquema duplo complementaria já que oferece mais variedade.HARMONIA DO COMPLEMENTO DIVIDIDOÉ a harmonia conseguida através da mistura de umatonalidade da escala com as duas vizinhas da cordiretamente oposta a primeira.Esta é uma variante da combinação de harmonia decomplementares. Que utiliza uma cor comoprincipal e as duas cores adjacentes ao seucomplementar.Esta é uma harmonia que oferece um grandecontraste sem a tensão do esquema complementar.Prós:Esta harmonia oferece mais nuances que o esquemacomplementar ao tempo que retém a força econtraste visual.Contras:Esta harmonia é mais difícil de balançar que as harmonias análogas ou monocromáticasDicas:• Utilizar uma cor quente como dominante e uma gama de cores frias para ajudar a dar mais ênfases ácor quente como por exemplo vermelhos contra azuis ou azuis-verdes ou laranjas contra azuis ouazuis-violetas.• Evite utilizar cores quentes não saturadas como os castanhos ou ocres porque poderia arruinar oesquema.63
  63. 63. HARMONIA DUPLA COMPLEMENTARComo o nome indica, refere-se a harmonia conseguida por dois pares de cores complementaresentre si.Denominado por alguns como tetradas, estascombinações são as mais ricas de todas as harmonias,porque utiliza quarto cores sendo elascomplementares em pares.É no entanto uma harmonia muito difícil detrabalhar. Se as quatro cores são utilizadas em iguaisproporções, a harmonia parecerá desequilibrada, peloqual deverá sempre ser escolhida uma cor como adominante e com esta dominar as restantes.Prós:Este esquema oferece uma maior variedade na suacombinação que qualquer das harmoniasmencionadas.Contras:E a harmonia mais difícil de trabalhar.Dicas:• Se o esquema parece desequilibrado, deverão ser dominadas ou subjugadas uma ou mais coes.• Evitar a utilização de coes puras em iguais proporções.HARMONIA ACROMÁTICAÉ a harmonia conseguida pela utilização de cores neutras, ou seja as cores situadas na zona centraldo círculo cromático, próximos ao centro deste, que perderam tanta saturação que não se aprecia nelas omatiz original.Curiosidade:64
  64. 64. Por que o branco e o preto não são cores?De acordo com Farina (1990) o branco e o preto não existem no espectro solar. O branco é, pois,a síntese aditiva de todas as cores, ou seja, a mistura de todas as cores, e o preto, o resultado da síntesesubtrativa, isto é, a superposição de pigmentos coloridos, ou seja, se misturarmos pigmentos de todas ascores a cor que se forma é o preto.As sensações visuais cromáticas compreendem todas as cores do espectro solar . Elas sãoexperiências visuais.Exemplo de Look AcromáticoEQUILÍBRIOTemos três tipos de equilíbrio:1-) Equilíbrio Axial – Simetria Rigorosa– Simetria na Forma – Assimetria na Cor– Simetria Aproximada65
  65. 65. 2-) Equilíbrio Radial3-) Equilíbrio Oculto1-) Equilíbrio Axial:Significa o controle de atrações opostas por meio de um eixo central explícito, que pode servertical, horizontal ou ambos.– Simetria Rigorosa: é a forma mais simples deste tipo de organização do equilíbrio. Numesquema exatamente simétrico, os elementos se repetem como imagens refletidas num espelho em ambosos lados do eixo ou dos eixos.É o tipo mais óbvio de equilíbrio e, conseqüentemente, o mais pobre quanto à variedade. Resultaespecialmente útil em esquemas decorativos ou em composições muito formais.– Forma Simétrica – Cor Assimétrica: O padrão pode ser simétrico quanto à forma, porém assimétricocom respeito a cor. Constitui um recurso eficaz para suavizar a severidade da simetria e emprega-seprincipalmente com fins decorativos.66
  66. 66. – Simetria Aproximada: Os dois lados podem realmente ser diferentes em sua forma, porém,apesar disto, bastante semelhantes, de modo que o eixo possa ser sentido positivamente.Geralmente o equilíbrio axial em pintura é deste tipo. Ex: A “Virgem e o Menino” de Giovanni Belline(séc. XV) constitui um bom exemplo.67
  67. 67. 2-) Equilíbrio Radial:É o controle de atrações opostas pela rotação ao redor de um ponto central. O qual pode ser umaárea positiva do esquema ou um espaça vazio. Para visualizar claramente este princípio, convém contrastaro esquema radial com um simétrico equilibrado, tanto no eixo vertical como sobre o horizontal.Existem semelhanças superficiais. A diferença está em que um esquema radial deve ter movimentogiratório, ao passo que o simétrico é estático. Consegue-se uma variedade muito interessante deorganização radial, usando somente duas repetições do motivo. O equilíbrio radial aplica-se especialmenteem padrões decorativos, aparecendo, às vezes, também nos projetos arquitetônicos.3-) Equilíbrio Oculto:Não utiliza eixos explícitos nem pontos centrais. Difere em princípio do equilíbrio Axial e Radialem dois aspectos. Primeiro, a ausência de eixos reais ou centros focais. Segundo, implica elementosopostos cujas diferenças são mais acentuadas que as semelhanças. Por exemplo, equilibramos uma áreapequena de cor forte numa parte do campo., com uma extensa zona de espaço vazio em outra. Não háregras para o equilíbrio oculto. É uma questão de sensibilidade.Desta maneira, o equilíbrio oculto constitui o tipo mais importante, bem como o mais difícil, já queproporciona mais liberdade, porém exige maior controle. O equilíbrio oculto possui uma escala infinita devariedade e expressão. Pode-se fazer com ele o que a imaginação e a sensibilidade sugerirem.68

×