Linguagem teatral

47,406 views
47,496 views

Published on

Descrição das linguagens teatrais e tipos de palco

Published in: Education
3 Comments
9 Likes
Statistics
Notes
No Downloads
Views
Total views
47,406
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
3,016
Actions
Shares
0
Downloads
643
Comments
3
Likes
9
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Linguagem teatral

  1. 1. Linguagem Teatral<br />
  2. 2. Teatro<br />O teatro é uma forma de arte em que um ator ou conjunto de atores, interpreta uma história ou atividades para o público em um determinado lugar. <br />Teatro é também o termo usado para o local onde há jogos, espetáculos dramáticos, reuniões, apresentações, etc.<br />
  3. 3. Teatro<br />A arte dramática é um objeto semiótico (ciência que estuda todos os fenômenos culturais como se fossem sistemas sígnicos) por natureza. <br />O conceito do que entendemos hoje por teatro é originário do verbo grego "theastai" (ver, contemplar, olhar). <br />Tão antiga quanto o homem, a noção de representação está vinculada ao ritual mágico e religioso primitivo. <br />Acredita-se que o teatro nasceu no instante em que o homem primitivo colocou e tirou a máscara diante do espectador, com plena consciência do exercício de "simulação", de "representação", ou seja, do signo. <br />
  4. 4. Linguagem Teatral<br />Tendo em seu alicerce o princípio da interdisciplinaridade, o teatro serve-se tanto da palavra enquanto signo como de outros sistemas semióticos não-verbais. <br />Em sua essência, lida com códigos construídos a partir do gesto e da voz, responsáveis não só pela performance do espetáculo, como também pela linguagem. <br />
  5. 5. Linguagem Teatral<br />Gesto-Movimento e voz são essências do teatro - se reportam a outros códigos como o espaço e o tempo. <br />A partir desses códigos se expandem outros sistemas sígnicos tais como o cenário, o vestuário, a iluminação, sonoplastia entre outros. <br />
  6. 6. Elementos Essenciais<br />Ator<br />É a pessoa que cria, interpreta e representa uma ação dramática baseando-se em textos, estímulos visuais, sonoros e outros, previamente concebidos por um autor ou criados através de improvisações individuais ou coletivas; <br />Utiliza-se de recursos vocais, corporais e emocionais, apreendidos ou intuídos, com o objetivo de transmitir ao espectador o conjunto de idéias e ações dramáticas propostas;<br />O ator pode utilizar-se de recursos técnicos para manipular bonecos, pode interpretar sobre a imagem ou a voz de outros (dublagem), ou usar significantes corporais (mímico).<br />
  7. 7. Elementos Essenciais<br />Encenação<br />Arte de pôr em cena, transformar em espetáculo, segundo o dicionário Aurelio: simular, fingir ;<br />A origem do termo surge como elemento constituinte e inseparável do teatro. <br />Pode ser considerado o próprio teatro, isto é, a união de todos os elementos posto em prática (espetáculo).<br />
  8. 8. Essências do Teatro<br />Voz<br />Elemento de essência no teatro<br />A voz é, antes de mais nada, elemento fundador do texto teatral, escrito ou não. Quando não vocalizado, o texto é gesto. <br />É pela voz que o ator dá vida a seu personagem. Ela atua como uma "fronteira de liberdade" que o ator explora a seu modo, através da entoação, do ritmo, da rapidez e da intensidade com que ele pronuncia as palavras antes apenas escritas, criando desta forma, os mais variados signos. <br />
  9. 9. Voz<br />Acompanha desde o início do teatro na Grecia antiga desde os rituais à Dionisio, divindade da vegetação, da fertilidade e do vinho.<br />Durante as celebrações em honra ao deus, em meio a procissões e com o auxílio de fantasias e máscaras, eram entoados cantos líricos.<br />Os ditirambos, que mais tarde evoluíram para a forma de representação plenamente cênica como a que hoje conhecemos através de peças consagradas.<br />
  10. 10. Essências do Teatro<br />Gesto<br />O gesto é um dos organizadores fundamentais da gramática do teatro. <br />É no gesto e também na voz que o ator cria a personagem (persona). <br />Através de um sistema de signos codificados, tornou-se um instrumento de expressão indispensável na arte dramática ao exprimir os pensamentos através do movimento ou atitude da mão, do braço, da perna, da cabeça ou do corpo inteiro. <br />Os signos gestuais podem acompanhar ou substituir a palavra, suprimir um elemento do cenário , um acessório, um sentimento ou emoção. <br />A voz e o gesto formam a performance, a linguagem primária do teatro. <br />
  11. 11. Elementos Teatrais Cenário<br />O cenário enquanto sistema semiótico determina o espaço e o tempo da ação teatral. <br />Contudo, para se entender o cenário em sua linguagem, é preciso recorrer à gramaticalidade de outras sistemas artísticos, como a pintura, a escultura, a arquitetura, a decoração, o design da iluminação. <br />São esses sistemas que se encarregam de representar um espaço geográfico (uma paisagem, por exemplo), um espaço social (uma praça pública, uma cozinha, um bar) ou um espaço interior (a mente, as paixões, os conflitos, os sonhos, o imaginário humano). <br />
  12. 12. Cenário<br />No cenário, ou apenas em um dos seus constituintes, se projeta o tempo: a época histórica, estações do ano, horas do dia, os momentos fugazes do imaginário. <br />Existe ainda o caso dos espetáculos em que os recursos cenográficos estão na performance do ator, no ruído, no vestuário ou na iluminação<br />
  13. 13. Figurino<br />Assim como na vida real, o vestuário no teatro se reporta a vários sistemas sígnicos da cultura. <br />A sua decodificação pode indicar tanto o sexo quanto idade, classe social, profissão, nacionalidade ou religião. <br />No entanto, o poder semiológico do vestuário não se limita apenas a definir o personagem que o veste. O traje é também o signo que representa clima, época histórica, região, estação do ano, hora do dia. <br />É interessante observar que em certas tradições teatrais, como na commediadella'arte por exemplo, a vestimenta torna-se uma espécie de "máscara" que vai identificar os tipos imutáveis (stock characters), que se repetem de geração a geração. <br />O vestuário é também um sistema de signos que se reporta a outros sistemas da cultura, como por exemplo a moda. <br />
  14. 14. Iluminação<br />Diferente dos demais sistemas sígnicos teatrais, a iluminação é um procedimento bastante recente. <br />Sua introdução no espetáculo teatral, deu-se apenas no séc XVII, ganhando fôlego com a descoberta da eletricidade. <br />A principal função da iluminação é delimitar o espaço cênico. <br />Quando um facho de luz incide sobre um determinado ponto do palco, significa que é ali que a ação se desenrolará naquele momento. <br />Além de delimitar o lugar da cena, a iluminação se encarrega de estabelecer relações entre o ator e os objetos; o ator e os personagens em geral. <br />A iluminação "modela" através da luz o rosto, o corpo do ator ou um fragmento do cenário. <br />As cores difundidas pela iluminação é um outro recurso que também permite uma leitura semiológica.<br />
  15. 15. Sonoplastia<br />A sonoplastia é a comunicação pelo som. <br />Abrangendo todas as formas sonoras - música, ruídos e fala, e recorrendo à manipulação de registros de som, a sonoplastia estabelece uma linguagem através de signos e significados.<br />Ela pode ser feita de forma eletrônica ou manual<br />É um elemento que existe no teatro desde os primórdio, acompanha a performance dos Ditirambos na Grécia Antiga.<br />
  16. 16. Música<br />A música por se desenvolver no tempo é o elemento dialógico por excelência do texto teatral. <br />Dialoga com os movimentos do ator, explicita seu estado interior, contracena com a luz, com o espaço em todos os seus aspectos. <br />Quando acrescentada a outros sistemas sígnicos de uma peça, o papel da música é o de enfatizar, ampliar, de desenvolver e até de desmentir ou substituir os signos dos outros sistemas. <br />Um outro exemplo da utilização da música no teatro é a escolha que o diretor faz do tema musical que acompanha a entrada e a saída de um determinado personagem, tornando-a assim signo de cada uma delas. <br />
  17. 17. Espaço Cênico<br />É o espaço definido em função de uma encenação teatral. <br />Segundo Peter Brook (teórico teatral) o espaço cênico é um "espaço vazio", preenchido pela encenação, transformando esse espaço em um lugar cênico.<br />A partir dessa teoria o espaço cênico poderá ser qualquer lugar, desde um edifício teatral até uma praça no centro de uma remota aldeia africana. <br />Pode ter cenário e iluminação, uma vez que o seu caráter inaugural depende do grau de concentração do que nele se representa. <br />Nesse vazio metafórico, a qualidade da comunicação, onde se inclui também a especificidade do público, é mais importante do que todos os elementos materiais de construção do espetáculo. <br />Para que haja uma cena é necessário apenas o ator e o espectador.<br />
  18. 18. Palco teatrais<br />Palco - é o local específico criado para as encenações teatrais.<br />Existem alguns modelos de palcos teatrais: palco italiano, palco de semi-arena e palco de arena.<br />1º - Palco italiano: onde os espectadores ficam apenas de frente. Geralmente situa-se mais distante da platéia.<br />2º -<br />3º - Palco de arena: área circular situada no meio da platéia. O público senta-se em uma arquibancada a seu redor. Geralmente, os teatros de arena são muito grandes, de modo que os atores e o público mantêm uma relação mais estreita.<br />4° - Palco elizabetano: Tem a característica de um palco misto. É um espaço fechado, retangular, com uma grande ampliação de proscênio (em formato retangular ou circular). O público o circunda por três lados: Retangular, circular ou misto.<br />
  19. 19. Palco de Arena<br /> Área circular situada no meio da platéia. O público senta-se em uma arquibancada a seu redor. <br />Geralmente, os teatros de arena são muito grandes, de modo que os atores e o público mantêm uma relação mais estreita.<br />
  20. 20. Período<br />Pláteia<br />Palco<br />
  21. 21.
  22. 22.
  23. 23.
  24. 24. Semi arena<br />Palco de semi-arena: constituído de uma plataforma que avança pela platéia, ficando esta disposta em semicírculo ao seu redor. <br />Ele aproxima mais os espectadores do ator.<br />
  25. 25. Palco<br />Pláteia<br />
  26. 26.
  27. 27.
  28. 28. Palco Italiano<br />É o palco que os espectadores assistem a apresentação só pela frente. <br />Este palco tem uma cortina que é fechada para mudança de cenário, tempo ou final da apresentação. <br />Normalmente o espaço entre a platéia e o palco é maior que o do palco de arena.<br />Se popularizou no século XIX com a linguagem realista/naturalista, em que se instituiu a 4º parede<br />
  29. 29.
  30. 30. Palco Elizabetano<br />Tem a característica de um palco misto. <br />É um espaço fechado, retangular, com uma grande ampliação de proscênio (em formato retangular ou circular). <br />O público o circunda por três lados: Retangular, circular ou misto.<br />Foi o modelo utilizado no século XVI para as encenações shakespeariana.<br />

×