(2) ciências naturais    9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

Like this? Share it with your network

Share

(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas

on

  • 23,232 views

 

Statistics

Views

Total Views
23,232
Views on SlideShare
22,532
Embed Views
700

Actions

Likes
5
Downloads
1,132
Comments
1

14 Embeds 700

http://estudacomcarla.blogspot.pt 580
http://neganascimento.blogspot.com.br 33
http://neganascimento.blogspot.ru 32
http://estudacomcarla.blogspot.com 13
http://neganascimento.blogspot.com 13
http://estudacomcarla.blogspot.com.br 11
http://estudacomcarla.blogspot.ru 5
http://www.neganascimento.blogspot.com.br 5
https://www.google.pt 2
http://neganascimento.blogspot.pt 2
http://www.neganascimento.blogspot.com 1
http://wildfire.gigya.com 1
http://estudacomcarla.blogspot.de 1
http://www.ig.gmodules.com 1
More...

Accessibility

Categories

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

(2) ciências naturais 9º ano - transmissão da vida - bases morfológicas Presentation Transcript

  • 1. TRANSMISSÃO DA VIDA BASES MORFOLÓGICAS E FISIOLÓGICAS DA REPRODUÇÃO Ciências Naturais 9º Ano
  • 2. Corpo Humano  Constituído por cerca de 100 mil milhões de células.  A célula é a unidade básica da Vida.
  • 3. Corpo humano
  • 4. Sexualidade  A espécie humana apresenta reprodução sexuada.  Órgãos reprodutores  Produzir gâmetas  Permitir a fecundação  Desenvolvimento inicial do novo indivíduo. Sexualidade
  • 5. Sexualidade Segundo a OMS, a sexualidade é uma energia que nos motiva a procurar amor, contacto, ternura e intimidade, que se integra no modo como nos sentimos, movemos, tocamos e somos tocados; é ser-se sensual e ao mesmo tempo sexual; a sexualidade influencia pensamentos, sentimentos, acções e interacções e, por isso, influencia também a nossa saúde física e mental.
  • 6. Sexualidade  A sexualidade é um processo que envolve diversas vertentes:  Hormonais;  Físicos;  Emocionais;  Culturais.
  • 7. O que distingue o Homem da Mulher?  Homem e Mulher diferem ao nível dos aparelhos reprodutores e ao nível de outras características.  Por essa razão se diz que apresentam dimorfismo sexual:  Caracteres Sexuais Primários  Desde a nascença  Caracteres Sexuais Secundários  Puberdade
  • 8. Adolescência  Adolescência – fase da vida que marca a transição entre a infância e a vida adulta.  Iniciada com a puberdade;  Período de tempo em que os órgãos sexuais estão em maturação.  Termina com a maturidade dos órgãos sexuais;  Grandes alterações físicas, fisiológicas e psíquicas;  Desenvolvimento das características sexuais secundárias;  Aquisição de uma identidade.
  • 9. Puberdade  Ao componente biológico das transformações características da adolescência dá-se o nome de puberdade.  A puberdade não é, portanto, sinónimo de adolescência, mas uma parte desta, compreendendo:  o período desde o aparecimento dos caracteres sexuais secundários;  até o completo desenvolvimento físico e parada de crescimento.
  • 10. Puberdade  O início da puberdade não tem uma idade definida, pelo contrário, apresenta uma ampla variação.  No sexo feminino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 10 e os 13 anos.  No sexo masculino a puberdade inicia-se frequentemente entre os 12 e os 14 anos.
  • 11. Caracteres Sexuais Secundários Mulher Homem  Seios desenvolvidos;  Pénis e testículos  Pêlos no púbis e nas axilas; desenvolvidos;  Ancas arredondadas;  Pêlos no púbis, face e axila;  Menstruação;  Voz grossa; (a primeira tem o nome de Menarca)  Ombros largos;  Aparecimento de acne;  Primeiras ejaculações;  Aparecimento de acne.
  • 12. Diferenças de desenvolvimento durante a puberdade entre rapazes e raparigas
  • 13. Funções do Sistema Reprodutor  Função primordial – assegurar a continuidade da espécie, através da reprodução.  Produção  Gâmetas;  Células sexuais especializados;  Fluidos;  Nutrição dos gâmetas, lubrificação;  Hormonas;  Regulação da produção dos gâmetas e dos ciclos sexuais.
  • 14. Órgãos Vias Gónadas Genitais Genitais Externos Órgãos que Glândulas Sexuais Canais permitem a cópula. Estruturas que Produzem as células armazenam e sexuais ou também transportam os conhecidas por gâmetas até ao gâmetas. exterior
  • 15. Sistema Reprodutor masculino Vesícula seminal Canal deferente Próstata Pénis Testículo Escroto
  • 16. Sistema Reprodutor masculino  Gónadas  Glândulas anexas  Testículos  Vesículas seminais  Produzem gâmetas masculinos: Espermatozóides;  Produzem o líquido  Produzem a hormona seminal. masculina: Testosterona.  Vias genitais  Próstata  Epidídimos;  Produz o líquido  Canais deferentes; prostático.  Uretra.  Órgãos genitais externos  Pénis;  Escroto.
  • 17. Como se formam os espermatozóides  Dentro de cada testículo existem muitos tubos seminíferos.  No seu interior existem células germinativas.  Através da espermatogénese as células germinativas dão origem a espermatozóide.
  • 18. Como se formam os espermatozóides  Depois de formados espermatozóides passam para os epidídimos onde são armazenados.  Pouco antes de cada ejaculação, um número que pode oscilar nos milhões, os espermatozóides passam para o canal deferente onde se misturam com o líquido prostático e seminal, formando o esperma.  O esperma é encaminhado para a uretra e depois é expulso (ejaculação).
  • 19. Espermatozóide
  • 20. Sistema Reprodutor Feminino Trompa de Falópio Ovário Útero Clítoris Vagina Grandes Lábios Pequenos Lábios
  • 21. Sistema reprodutor feminino  Gónadas  Órgãos genitais  Ovários externos  Produzem os  Vulva gâmetas: Ovócitos II;  Lábios;  Produzem hormonas:  Clítoris; Estrogénio e  Orifício genital. Progesterona.  Vias genitais  Trompas de Falópio;  Útero;  Vagina.
  • 22. Como se formam os óvulos  Oogénese  Inicia-se ainda Ovulação na vida intra- Ovócito II uterina Corpo amarelo  Folículos  Ovócito II Corpo amarelo  Ovulação Cavidade folicular degenerado  Se ocorrer fecundação o Folículo maduro ovócito II (ovócito II) evolui para Células foliculares óvulo. Folículos em desenvolvimento Folículos
  • 23. Regulação hormonal masculina  A hormona masculina é a Testosterona  Inicia-se a sua produção às 7 semanas de gestação.  É interrompida à nascença.  Inicia-se novamente na adolescência.
  • 24. Regulação hormonal homem  A produção de testosterona é controlada pela:  FSH (Hormona Folículo-Estimulina)  LH (Hormona Luteinizante)  Ambas produzidas na hipófise.  Por seu lado a hipófise é controlada pelo hipotálamo.  Complexo hipotálamo-hipófise.  Por sua vez a testosterona vai actuar ao nível da hipófise por um processo de Mecanismos de retroacção.
  • 25. Aumento de produção de testosterona Inibe o complexo Estimulam os hipotálamo- testículos. hipófise Desta forma os níveis de Testosterona Aumenta a mantêm-se constantes. produção das hormonas E é responsável por: Baixa a produção de hormonas hipofisárias - Crescimento dos órgãos sexuais hipofisárias -Aparecimento/Desenvolvimento/Manutenção dos Caracteres Sexuais Secundários. - Produção de espermatozóides. Estimula o complexo Inibem os hipotálamo- testículos hipófise Baixa a produção de testosterona
  • 26. Eixo Hipotálamo-Hipófise-Testículos Retrocontrolo negativo
  • 27. Ciclo sexual • • Fase Folicular – Dura cerca de Menstruação – marca o início do ciclo uterino e representao 14 dias, inicia-se com desenvolvimento de alguns também o final do anterior. folículos. Ocorre o desprendimento do endométrio e consequente • Ovulação uma sanguíneos. ruptura do –vasos vez atingido o Dura cerca deOvócito II, dá-se a estágio de 5 dias. libertação deste para as • trompas de Falópio. – durante Fase proliferativa cerca de 9 dias dá-se a • Fase luteínica Dura vasos reconstituição – dos também sanguíneos. dias. Inicia-se com a cerca de 14 formação do corpo amarelo (a • partirsecretora – do folículo). Se Fase dos restos dura cerca de 14 dias,gravidez este mantem- ocorrer as glândulas do se e produz continuamente endométrio produzem secreções e Caso não ocorra progesterona. o endométrio adquire regride e acaba por ser gravidez a sua espessura totalmente absorvido pelo máxima. ovário.
  • 28. Regulação hormonal mulher  No ciclo sexual feminino são produzidas duas hormonas:  Estrogénio: ao nível do ovário pelo folículo.  O pico de estrogénio coincide com a ovulação.  Progesterona: ao nível do ovário pelo corpo amarelo. As elevadas concentrações permitem a manutenção do endométrio.  Se houver uma quedas nas concentrações ocorre a menstruação.
  • 29. Regulação hormonal feminina  O mecanismo de controlo estabelecido é um mecanismo de retroacção.  Em que um acontecimento leva a que aconteça outro contrário.  É um relacionamento estabelecido entre o complexo hipotálamo-hipófise e os ovários.
  • 30. Fecundação Divisão mitótica Ovo ou Zigoto  Representa o momento de união entre os gâmetas masculino e feminino. Núcleo do oócito II Mórula 8 células 4 células 2 células  Resulta um novo ser constituído apenas por uma célula, Ovo ou Zigoto, espermático Núcleo e que vai sofrer inúmeras divisões até ser constituído por muitos milhares de células. Espermatozóides  Por volta do sétimo dia o embrião implanta-se na parede uterina, através de um processo denominado de Nidação. Ovário  Mais tarde vai-se formar a placenta e o cordão umbilical Fecundação Corpo lúteo que Blastocisto representam as ligações entre o embrião e o organismo materno.  A placenta é também uma glândula queOvulação hormonas responsáveis Folículo produz pelo espessamento do útero. maduro Oócito II  Blastocisto A partir das 8 semanas o embrião passa a denominar-se de feto. implantado
  • 31. Primeiras divisões do ovo  Ovo – 1 única célula;  Mórula – 16 a 36 células;  Blástula – 5 a 6 dias após a fecundação;  Embrião – quando se implanta nas paredes do útero.  Nidação – implantação/fixação do embrião nas paredes do útero (endométrio).
  • 32. Reprodução Sexuada
  • 33. Métodos Contraceptivos  Métodos para prevenir ou para interromper uma gravidez;  Naturais  Método dos ritmos;  Método das temperaturas;  Método de Billings;  Hormonais  Pílula;  Mecânicos  Preservativo;  D.I.U.  Vasectomia;  Laqueação;  Interrupção Voluntária da Gravidez
  • 34. Métodos Contraceptivos Naturais  Baseiam-se na determinação do período fértil através de técnicas de observação do momento da ovulação;  Muito pouco fiáveis.  Método do ritmo – prever a ovulação de acordo com a duração dos ciclos menstruais;  Método da temperatura – baseia-se no facto de a temperatura da mulher se elevar cerca de 2 a 5 décimas durante e após a ovulação;  Método de Billings – determinar o período fértil da mulher com base nas propriedades da mucosa, na secreção produzida no colo do útero e na saliva.
  • 35. Métodos Contraceptivos Hormonais  Hormonais  Pílula  Fármaco composto por hormonas sintéticas;  Impede a ovulação – anovulatório.
  • 36. Métodos Contraceptivos Mecânicos  Preservativo  Impede a entrada dos espermatozóides no corpo da mulher;  Protege contra as D.S.T.  Diafragma  Impede a entrada dos espermatozóides no útero
  • 37. Métodos Contraceptivos Mecânicos  Vasectomia  Corte dos canais deferentes;  Impede a saída dos espermatozóides do corpo do homem;  Laqueação  Corte das trompas de Falópio;  Impede que o óvulo chegue ao útero;  Impede o contacto dos espermatozóides com o óvulo.
  • 38. Interrupção Voluntária da Gravidez  Método de contracepção de emergência;  Problemas  Morais;  Éticos;  Sociais;  Religiosos;  Políticos;  Deve-se consultar sempre um médico.
  • 39. Doenças Sexualmente Transmissíveis (Venéreas)  Doenças transmitidas por contacto sexual;  Provocadas  Bactérias – Sífilis  Vírus – SIDA, Hepatite, Herpes…  Deve-se:  Conhecer melhor as doenças;  Realizar campanhas de sensibilização;  Uso de preservativo;  Combate destas doenças deve ser  Fidelidade ao companheiro sexual; prioritário pois:  Consultar o médico regularmente.  Esterilidade;  Aumentam a infertilidade;  Lesões no sistema reprodutor;  Nascimentos prematuros;  Malformações;  Mortalidade neonatal.
  • 40. D.S.T. Virais  Vírus  Seres não celulares;  Incapazes de se reproduzirem;  Parasitas obrigatórios;  Antibióticos ineficazes
  • 41. D.S.T. Virais  SIDA – Síndrome de Imunodeficiência Adquirida  Vírus da imunodeficiência humano (VIH);  Afecta as células do sistema imunitário;  Reproduz-se no seu interior;  Causa o enfraquecimento do Sistema Imunitário;  Causa de morte: Doenças Oportunistas.
  • 42. D.S.T. Virais  Herpes Genital  Vírus Simplex tipo 2;  Incubação: 1 semana;  Sensação de queimadura nos órgãos genitais;  Sem tratamento eficaz;
  • 43. D.S.T. Virais  Hepatite B  Vírus da hepatite;  Capacidade de contágio superior à da SIDA;  Sintomas semelhantes a gripe;  Icterícia grave (o corpo fica amarelado);  Com cura: vacinação.