Perturbações do sono e insónias

4,136 views
3,809 views

Published on

Algumas perturbações do sono entre as quais as insónias

0 Comments
2 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
4,136
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
11
Actions
Shares
0
Downloads
89
Comments
0
Likes
2
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Perturbações do sono e insónias

  1. 1. SONO SONO
  2. 2. SONO SONO – O QUE É?
  3. 3. SONO SONO Fenómeno cíclico, caracterizado por uma a lteração revers ível do esta do de co nsciência e da reatividade a estímulos ambientais, essencial à vida e ao equilíbrio físico e psíquico do ser humano.
  4. 4. SONO NORMAL Rec ém Nasc ido – 13 a 17h Aos 2 anos – 9 a 13h Aos 10 anos – 10 a 11h Entre 16 e 65 anos – 6 a 9h M ais de 65 Anos – 6 a 8 h SONO
  5. 5. SONO NORMAL Proporciona uma perceção subjectiva de: Sono repousante ⇒“n oite b em d ormid a ” ; Bem - estar matina l a s s oc ia do a o descanso co rporal; SONO
  6. 6. SONO A FUNÇÃO DO SONO…
  7. 7. FUNÇÃO DO SONO SONO MANUTENÇÃO E REPARAÇÃO da “ máquina corporal” ; LIBERTAÇÃO DA HO RMO NA DO CRESCIMENTO ; CO NSO LIDAÇÃO DE MEMÓ RIAS E EXPERIÊNCIAS (por vezes acordamos com a solução para um problema do dia anterior);
  8. 8. FUNÇÃO DO SONO SONO A JUDA A MELHO RAR AS CO MPET ÊNCIAS INDIVIDUAIS ; ESSENCIAL NO EQUILÍBRIO SO MÁTICO E AFETIVO - COGNITIVO (estabilidade emocional, atenção - concentração, memória, raciocínio, aprendizagem).
  9. 9. SONO A necessidade de dormir varia de pessoa para pessoa, de idade para idade.
  10. 10. SONO Há pessoas que necessitam de dormir menos de 7 horas, mas são uma excepção.
  11. 11. SONO O sono suficiente não se mede em horas absolutas, mas sim se a pessoa acorda repousada e restabelecida.
  12. 12. SONO Uma pessoa que fique acordada 24H tem a mesma agilidade mental do que uma pessoa com um grau de alcoolemia de 1.0 g/litro de sangue (lei: max. 0.5 g/l).
  13. 13. SONO INFLUÊNCIAS DO SONO…
  14. 14. INFLUÊNCIAS SONO O Sono é influenciado por fatores intríns ecos (biológ icos ) e fatores ex trínsecos (luz e aspetos sociais). Dormir poucas horas reflete - se a nível fisiológico, intelectual e psicológico (relação entre o sono, o sonho, o comportamento, a aprendizagem e a memória).
  15. 15. INFLUÊNCIAS A esca ssa exposição à luz solar é co nsiderada um dos aspetos que conduz a perturbações do s ono, pois esta suprime a secreção de melatonina (hormona que regula o sono). SONO
  16. 16. SONO Poucas horas de sono (4h) metabolismo glicose (capacidade processar açúcar) Retenção de gorduras e aumento de tamanho das células adiposa; Possibilidade de desenvolvimento da diabetes;
  17. 17. SONO FASES DO SONO …
  18. 18. FASES DO SONO SONO VIGÍLIA – i ndi víduo consci ente e al erta: Sono profundo ou não - rem (NREM); Sono paradoxal ou REM( rapid eye movement – movimento ocular rápido).
  19. 19. SONO ARQUITETURA DO SONO…
  20. 20. ARQUITETURA SONO Existem ciclos repetitivos de sono que duram entre 90 a 120 minutos. Cada ciclo acaba na fase REM. A pós cada c iclo REM entra - s e prog res s iva mente em estágios cada vez mais profundos de inconsciência.
  21. 21. SONO PERTURBAÇÃO DO SONO…
  22. 22. PERTUBAÇÕES SONO PR EVALÊN CIA : Menos de 40% das pessoas com perturbação do sono estão corretamente diagnosticadas; Hoje dorme - se em média menos 1h30m que os nossos antepassados; 1 em cada 6 port ug ues es afirma tomar medicamentos para dormir;
  23. 23. PERTUBAÇÕES SIN AIS D E ALERTA ›A interrupção periódica do sono; ›Roncar; ›Sonolência diurna; ›Dor de cabeça pela manhã; ›Desconforto nas pernas ao deitar; › Vo nta d e d e u r i n a r m u i ta s veze s d u ra nte a n o i te ; ›Demorar mais que 1h para adormecer; ›Levantar-se ou falar durante a noite; SONO
  24. 24. SONO TIPOS DE PERTURBAÇÃO DO SONO…
  25. 25. PERTUBAÇÕES SONO H IPER SÓN IA Aumento das horas absolutas de sono em cerca de 25% mais do que o padrão normal. As pessoas chegam a dormir 20h. Excessiva sonolência diurna. Por vezes vem a compa nha da de depressão, deterioração da memória ou sintomas neurológicos anormais.
  26. 26. PERTUBAÇÕES SONO APN EIA D E SON O Interrupção do fluxo aéreo que leva a pausas frequentes da respiração durante o sono. Leva ao ressonar intenso, despertares noturnos, episódios de asfixia, dores de cabeça matinais, hiper - sonolência diurna, cansaço, Hipertens ã o Arteria l, irritabilidade e perda do interesse sexual.
  27. 27. PERTUBAÇÕES SONO N AR C OLEPSIA Doença neurológica que causa sonolência diurna excessiva, em que a pessoa adormece de um momento para o outro, nas situações mais ex traordinárias, como comer, a co nversar, a conduzir ou estando em pé.
  28. 28. PERTUBAÇÕES SONO INSÓNIA É a incapacidade de obter um sono de qualidade e dura çã o s ufic ientes , para se sentir recuperado no dia seguinte. Sono qualitativamente pobre ou inadequado, sendo percecionado como insuficiente e/ou não - reparador
  29. 29. PERTUBAÇÕES SONO QU EIXAS R EFER EN TES AO SON O: Dificuldade em iniciar ou manter o sono; Despertares noturnos ou despertar matinal (precoce); A c o r d a r ‘c a n s a d o ’ o u c o m a s e n s a ç ã o d e n ã o t e r r e p o u s a d o . Queixas referentes ao dia -a-dia: Fadiga; Perda de energia; Dificuldades de concentração; Irritabilidade.
  30. 30. SONO A INSÓNIA…
  31. 31. INSÓNIA SONO TIPO DE INSÓNIA - DURAÇÃO: Tr a n s i t ó r i a ( < 1 s e m a n a ) – s i t u a ç ã o c o m u m e s e m consequências graves, relacionada com situações de stress, alteração do horário ( jetlag, sestas, trabalho t u r n o s ) , a b u s o d e c a fe í n a o u a l t e r a ç ã o d o a m b i e n t e (ruído, luz); Curta duração (1-3 semanas); Longa duração (>3 semanas) – tende para a c r o n i c i d a d e p o d e n d o a fe t a r a s a t i v i d a d e s d o d i a - a dia, designadamente a capacidade de trabalhar;
  32. 32. INSÓNIA SONO INÍCIO DA INSÓN IA Num período de stress ou ansiedade , existe um aumento da vigília e a atenção centra -se na incapacidade de dormir; Esta incapacidade pode ser conduzir à adoção de c o m p o r t a m e n t o s d e s a d e q u a d o s – c a fé p a r a s e m a n t e r acordado; álcool para tentar adormecer; Menopausa – em mulheres sem terapia hormonal de substituição, podem surgir insónias; Problema médico ou psiquiátrico .
  33. 33. INSÓNIA C ONSEQUÊNC IAS D A IN SÓNIA Psicológica: atitude passiva e derrotista; Fisiológica: cefaleias, mau estar gástrico, vasoconstrição das extremidades; Social: Acidentes de viação, menor desempenho profissional, menor qualidade de vida; SONO
  34. 34. INSÓNIA C ONSEQUÊNC IAS D A IN SÓNIA Fragmentação do sono; Sono superficial; Incapacidade para voltar a dormir; Excesso de sono durante o dia; Cansaço; Alterações do humor e do comportamento; Lapsos de memória. SONO
  35. 35. SONO Ninguém disse que é fácil, mas vamos conseguir!

×