2011   guia internet e família - wan
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×
 

2011 guia internet e família - wan

on

  • 2,549 views

 

Statistics

Views

Total Views
2,549
Views on SlideShare
1,072
Embed Views
1,477

Actions

Likes
0
Downloads
5
Comments
0

4 Embeds 1,477

http://localhost:8080 861
http://maringa.odiario.com 379
http://blogs.odiario.com 236
http://webcache.googleusercontent.com 1

Accessibility

Upload Details

Uploaded via as Adobe PDF

Usage Rights

© All Rights Reserved

Report content

Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
  • Full Name Full Name Comment goes here.
    Are you sure you want to
    Your message goes here
    Processing…
Post Comment
Edit your comment

2011   guia internet e família - wan 2011 guia internet e família - wan Document Transcript

  • INTERNET E FAMÍLIA Um guia para ajudar as crianças quando estão online© World Association of Newspapers and News Publishers - 2010 Associação Nacional de Jornais/Programa Jornal e Educação 2011
  • UMA PUBLICAÇÃO DAAssociação Mundial de Jornais e Editores de Notícias (WAN-IFRA)PATROCINADA PORNorske SkogTEXTOFragaILUSTRAÇÕESFragaNOVO DESIGNDiego Borges, Zero Hora (Brasil)EDIÇÃO DEAralynn McMane, WAN-IFRAAGRADECIMENTOS ARoxana Morduchowicz, Ministério da Educação da Argentina, pelo texto originalCLARÍN, Argentina, pelo design originalMicrosoft Dinamarca, por ‘BE A SH@RK ONLINE’,Patricia Agatston, de www.cyberbullyhelp.com, pela informação sobrecyberbullyingLucas D’Amore do jornal CLARÍN, Argentina, pelo design originalFly Design (Argentina), pela arte originalOs autores desejam expressar seu reconhecimento e gratidão às seguintesorganizações e publicações por suas ideias: OFCOM Report. Media Literacy. Londres,2006; Parent Resource Center – iKeepSafe Coalition, 2008(http://ikeepsafe.org/PRC/), Palo Alto Medical Foundation, Teen Safety on the Internet(http://www.pamf.org/teen/life/risktaking/internet.html) y www.cyberbullyhelp.com.Tradução: Cristiane Parente (Programa Jornal e Educação - ANJ) / Revisão: Aparecida Borelli
  • Conteúdos deste guia Introdução Internet O código familiar Usos da Internet - Buscando informacão Usos da Internet - Como saber que é verdade? Usos da Internet - “Copiar e colar”Usos da Internet – Fóruns de chat e redes sociais Usos da Internet – Blogs Sites não desejados - Pornografia Sites não desejados – Pedofilia Cyberbullying 10 recomendações para os adultos
  • IntroduçãoEsta publicação visa a favorecer uma maior consciência e um melhor entendimentoda internet e do seu uso entre os mais jovens. As páginas a seguir mostram algunsriscos associados ao uso das novas tecnologias e propõem algumas estratégias parasua redução.Falar dos perigos da internet para as crianças tornou-se um tema recorrente entre osadultos. Tanto como em outras épocas se falava dos perigos da TV e, antes, dosperigos do rádio e do cinema. Porém, é importante destacar que não queremosdemonizar a internet e as novas tecnologias.Assim como acontece nos meios de comunicação tradicionais, não existe uma relaçãolinear de causa-efeito entre o que oferece a internet e o comportamento do usuário.Dito de outro modo, os conteúdos da internet não determinam a maneira pela qual secomportará quem navega por eles. Da mesma forma que um programa de televisãonão é a causa direta do modo como se comporta o telespectador quando termina dever o programa.Os contextos pessoais, familiares e sociais são fundamentais na hora de pensar emcomo um indivíduo – criança ou adulto - utiliza e se apropria de um meio decomunicação.A tecnologia – bem como os meios de comunicação – é de grande utilidade, mas, trazconsigo alguns riscos que as páginas seguintes querem ajudar a reduzir, oferecendoaos adultos informações que os capacitem a orientar melhor as crianças e os jovenssobre o uso da internet. Expressões de apoio“Hoje em dia, na era digital, a juventude do mundo está cada vez mais conectada àinternet para obter todo tipo de informação. Isso tem ampliado a demanda porrespostas educativas para ensinar a navegar com eficácia. O guia da AssociaçãoMundial de Jornais – WAN, Internet e Família, é ao mesmo tempo oportuno enecessário. Todas as crianças do mundo poderão tirar proveito desta publicação. Esteguia é vital tanto para as famílias como para a sociedade civil no século XXI.” Paul Mihailidis - Diretor da Academy on Media & Global Change, de Salzburgo emembro do Conselho da National Association for Media Literacy Education (NAMLE), dos EUA.“Os jovens passam muitas horas por dia usando a Internet, daí a importância de ospais saberem como orientar crianças e adolescentes quando navegam. Este guiacumpre com essa necessidade. Agradecemos aos jornais que o tornam acessível atodos.” Juan Carlos Tedesco - Ministerio de la Educación, da Argentina.
  • "Este manual não procura assustar as pessoas a respeito dos perigos da internet. Opropósito é envolver pais e jovens de forma significativa na discussão sobre seu uso,equipá-los com as ferramentas necessárias para tomar decisões críticas e ajudar asfamílias a desenvolver uma compreensão do impacto da internet em suas vidas."Chido Onumah - Coordenador de “Youth Media & Communication Initiative”, na Nigéria e no Canadá."Internet e meios de comunicação digitais são parte da vida cotidiana dos jovens dehoje. É essencial ajudá-los a entender e usar melhor essas ferramentas, a partir deuma reflexão cuidadosa e de forma criativa. Iniciativas como este guia são recursosvaliosos para o êxito desse esforço."Evelyne Bevort, Diretora Associada do CLEMI (Centre de Liaison de lEnseignement et des Médias dInformation - Centro de Ligação do Ensino e dos Meios de Comunicação, do Ministério da Educação da França)
  • Internet...Cada usuário de internet é diferente, vive em um contexto particular e distinto, eatravessa uma série de experiências que determinarão parcialmente o uso que faz dasnovas tecnologías. É importante recordar o potencial positivo e a riqueza de conteúdoque a internet oferece a seus usuários. Por isso, antes de abordar os riscosassociados à rede, destacam-se algumas de suas muitas vantagens.• Possibilita uma comunicação com maior rapidez e fluidez.• Coloca pessoas de distintos lugares em contato.• Promove o intercâmbio multicultural entre seus usuários.• Apresenta informação abundante e diversa.• Facilita e amplia as possibilidades de investigação.• Permite acessar instantaneamente a informação atual.• Favorece uma interatividade maior entre o usuário e a tecnologia.• Estimula a criatividade a partir da produção de blogs e páginas pessoais.• Propicia a sociabilidade ao permitir chats e jogos entre usuários.• Cria novos espaços de diálogo e intercâmbio entre adultos e crianças.Sem deixar de lado a grande riqueza de conteúdos que a internet oferece e suautilidade na vida cotidiana, devemos tomar algumas medidas para evitar riscos eaproveitar seu potencial. Uma dessas medidas é o uso conjunto da internet porcrianças e adultos.
  • O código familiarPor mais que os adultos preferissem que as crianças não tivessem acesso a certosconteúdos ou sites, que não compartilhassem informação ou entrassem em contatocom outras pessoas, dar um não muitas vezes não basta para frear sua curiosidade.Um “código familiar” consensuado é a melhor maneira de incluir as crianças naelaboração de uma série de regras sobre os usos da internet. Tê-las junto nessaelaboração as ajudará a entender melhor a web e também asentirem-se mais responsáveis ao navegar. Ainda que não exista um código familiarúnico, porque não existe família única, estas são algumas ideias que podemresultar úteis para sua elaboração:Antes de formular o código, assegure-se de…  Colocar o computador em locais de uso comum (como salas, por exemplo), que permitem ver - a todo momento - o que fazem as crianças quando navegam. Não é bom colocá-lo em ambientes privados, como os quartos.  Imprimir o código familiar e colá-lo perto do computador, para que recordem (as crianças e seus amigos, quando as visitarem) as condições de uso que elas mesmas ajudaram a construir.  Entender que a melhor maneira de saber como as crianças usam a web é os adultos da casa também serem usuários de internet.  Propor regras para três aspectos: formas de uso, segurança pessoal e o que fazer diante do inesperado e do não desejado.Um exemplo de código familiar consensuado...1. Ninguém está autorizado a mudar o lugar do computador. Ele deve estar sempre nasala.2. Ninguém está autorizado a visitar sites pornográficos, racistas ou que incitem o ódioao outro.3. Não é permitido que ninguém cometa agressões ou faça ameaças por e-mail, chat
  • ou qualquer outra forma de comunicação na rede.4. Ninguém está autorizado a visitar fóruns de chats privados que podem serinseguros. Antes de entrar em um novo fórum, deve-se conversar em familia.5. Ninguém está autorizado a navegar durante mais de ….. hora(s) por vez (o númerode horas vai depender da idade das crianças).6. Ninguém está autorizado a comprar objetos pela internet ou a assinar/ inscrever-seem serviços que não sejam previamente conversados em familia.7. Ninguém está autorizado a expor informação pessoal ou familiar (nome, idade,sexo, endereço, telefone, etc.) em fóruns, chats, MSN ou e-mail.8. Ninguém está autorizado a encontrar-se pessoalmente com “amigos” conhecidospela internet sem autorização e presença dos adultos.9. Ninguém deve responder a um e-mail desconhecido, agressivo, não desejado ou aum spam. Nesses casos, debe-se avisar sempre aos adultos.10.Qualquer dúvida, inquietação, problema, angústia ou situação desagradável deveráser informada aos adultos da casa.
  • Usos da InternetBuscando informaçãoA internet costuma ser uma das fontes mais consultadas pelos adolescentes quandorealizam um trabalho escolar. Há informação abundante, e as crianças sentem quepodem encontrar tudo de que necessitam na rede. Porém, as milhões de páginas daweb que estão diante delas para resolver suas dúvidas ou para que consigam ainformação que precisam podem dificultar sua busca.Dispor de uma fonte quase ilimitada de informações não significa saber utilizá-la.Aprender a buscar o que se necessita é um dos desafios mais importantes que ainternet nos coloca hoje. Vejamos, portanto, algumas recomendações para orientar ascrianças nessa busca:• Eleger o buscador. Em primeiro lugar, é importante selecionar um buscador queguiará as crianças até a informação de que necessitam. O mais popular é o Google,mesmo sem ser o único capaz de resolver as dúvidas dos usuários.Independentemente do buscador ter sido identificado ou não, os passos seguintes sãotambém fundamentais.• Saber o que perguntar. Os buscadores realizam uma tarefa menos efetiva se ousuário escreve só uma palavra e, sobretudo, se essa palavra é ambígua a respeito dainformação desejada. Definir a pergunta com clareza é a primeira condição para umabusca exitosa da informação de que se precisa.• Ser específico. É conveniente utilizar mais de uma palavra, para evitar vocábulosisolados que podem ter vários significados. O buscador não sabe qual das opções é aque se quer. A maior especificidade é condição essencial para a efetividade da busca.Essa especificidade supõe, às vezes, introduzir uma frase (no lugar de uma palavra)
  • para deixar pouco espaço para a multiplicidade de significados. Se uma palavra ouuma frase dão lugar a poucos ou a muitos resultados, será conveniente repensar apergunta.• Definir o idioma. A busca pode realizar-se em páginas da web de diferentesidiomas. Se as crianças querem só as páginas em português, devem assegurar-se – játendo definida a pergunta – de indicar ao buscador que só querem páginas emportuguês. Isso reduzirá os sites que serão apresentados e contribuirá para aespecificidade da demanda.• Averiguar as prioridades. Quando o buscador resolve a busca, apresenta umaquantidade de páginas da web nas quais a criança pode encontrar a informação deque necessita. Esses sites têm uma ordem. Alguns ocupam os primeiros lugares, masisso não significa necessariamente que sejam os mais confiáveis. É conveniente queos usuários averiguem porque essas páginas ocupam o primeiro lugar nas sugestõesdo buscador. É por que pagam por isso? É por que são as que têm a maior quantidadede “links”? É pelo número de visitas que o site recebe? A resposta a essas questõestambém ajudará num melhor resultado da busca.• Usar mais de um buscador. Uma das maneiras mais efetivas para uma buscaconfiável é consultar mais de um servidor e mais de uma página da web. Essa é amelhor garantia de variedade e pluralidade.
  • Usos da InternetComo saber que é verdade?A maioria das crianças que usa a internet mostra uma elevada credibilidade à suainformação. Elas buscam dados, fazem tarefa e formulam perguntas cujas respostasanotam, sem analisar a fonte da qual recebem a informação.É importante que as crianças aprendam que, assim como não se pede conselho aalguém em quem não se pode confiar na vida real, o mesmo acontece com a rede.É conveniente saber quem é que na rede responde às perguntas das crianças.Não é nada fácil saber se o que lemos na internet é confiável. Mas há muito quepodemos fazer para verificar essa questão:• Utilizar mais de uma fonte de informação. Não só comparando livros, jornais, revistasespecializadas e a internet, mas também, diferentes sites da web. Se um site contradizoutro, saberemos que ao menos um deles está equivocado.• Diferenciar fatos de opiniões. Se o site apresenta opiniões, buscar outras maneiras(outras páginas da web ou outras fontes) para explorar os fatos que possam respaldarou não essas opiniões.• Analisar quanto o site investigou antes de oferecer a informação e o quanto foiinvestigado, analisado pelo pesquisador (criança ou adulto) antes de satisfazer-se coma informação obtida. Além disso, monitorar o site para ver de quanto em quanto tempoele é atualizado.• Comprovar os “links” do site. Quando as crianças navegam na internet vão de umapágina a outra via “links”. Saber quais são os “links” vinculados ao site é umbom indicador para avaliar a credibilidade dessa página. Averiguar que outros sitesrecomendam e a que outros sites remetem é útil para conhecer a seriedade dainformação que oferecem.
  • • Pensar nas organizações, entidades e instituições da vida cotidiana que sãoconfiáveis quando dão informação e buscar suas páginas na web. Se podemosacreditar nelas no mundo real, é possível que também possamos confiar no que dizempela internet. Por exemplo, as notícias publicadas nas páginas da web de jornaissão previamente revisadas por um jornalista profissional.
  • Jornais online: uma boa opção para começarQuem quer que esteja buscando informações atuais fará bem começando pela visitaàs páginas da web dos jornais, visto que a maioria dos conteúdos que elasapresentam foi escrita por repórteres que trabalham para eles.São jornalistas profissionais, qualificados para desempenhar essa função, que sabemcomo comunicar e descrever os fatos, assim como comparar e contrastar informaçõese fontes, além de saber quais fontes são as mais confiáveis e fidedignas. Os sites dejornais nos oferecem, geralmente, toda a cobertura exaustiva sobre um fato, não só ainformação resumida que aparece em outras páginas.Os jornais mesmos endossam sua informação online, como fazem diariamente com aedição impressa, garantindo sua confiabilidade. Mas também existem outrasorganizações informativas profissionais, como as entidades televisivas, que sãoigualmente dignas de confiança.
  • Usos da Internet“Copiar e colar”Duas palavras parecem figurar entre as mais populares da web quando as criançasfazem a tarefa para a escola: “copiar e colar”. Com frequência encontram textos emum site e os copiam e colam em seus próprios trabalhos escolares.Muitas crianças acreditam que tudo que está na internet pode ser copiado e utilizadoliteralmente e sem referência. É necessário explicar a elas o que significa o conceitode plágio – tomar ideias de outro e fazê-las passar como próprias – logo que começama fazer investigações/pesquisas para a escola.O sistema mais comum entre elas é o “copiar e colar”: o aluno extrai umdocumento de um site e o copia textualmente em seu próprio trabalho escolar, semreferência nem menção do autor ou da fonte. Isso faz crer que os alunos foram oscriadores desse texto. O problema não é somente o plágio, mas suas consequênciaspara a promoção do pensamento crítico dos estudantes. A habilidade para refletircriticamente sobre um texto diminui se ele é copiado e colado textualmente.Como podemos explicar isso às crianças?• É valioso e correto utilizar as fontes que nos a internet nos oferece, sempre e quandoas citamos, mencionamos quais são e de onde obtivemos as informações.• É importante estimular que as crianças reescrevam com suas próprias palavras ainformação que encontraram na web, ao invés de copiá-la tal qual está. Nesse caso,também é importante que no final citem as páginas e os sites que as ajudaram.• É conveniente que as crianças leiam e releiam várias vezes a informação da internetantes de utilizá-la, para verificar sua seriedade.• É importante que os adultos da casa participem da pesquisa com as crianças e as
  • ajudem na busca da informação em diferentes sites.• O mais valioso nessa busca é ensinar às crianças como avaliar os sites, queperguntas devem ser formuladas diante do texto e de que maneira analisar suaprocedência.• É bom que os adultos recomendem às crianças sites de instituições sérias, cujaqualidade da informação é indiscutível.• É importante lembrar às crianças que, para um profesor, é fácil comprovar a cópia,porque muitos alunos recorrem ao mesmo site e seus trabalhos terminam sendoidênticos.• Usar várias fontes, analisá-las, citá-las e reescrever a informação com suas própriaspalavras é sempre a melhor opção.
  • Usos da InternetSalas de chat e redes sociaisAs salas de chat são espaços digitais onde as pessoas podem, sem se conhecerpessoalmente, interagir, trocar ideias e conversar. Os servidores de chat contam comtemas específicos, entre os quais os especialmente concebidos para jovens eadolescentes.Uma rede social oferece mais vantagens ao usuário: uma página da web pessoal comseu perfil, com distintos níveis de acesso à informação oferecida e maior interatividadeentre um grupo definido de contatos, aos quais comumente chamamos “amigos”. Otermo “amigo” tem nas redes sociais um significado distinto do que existe na vida real,sendo qualquer um que tenha sido convidado a visitar uma página da web pessoal,mediante um convite do usuário proprietário do site.Em ambos os casos, porém, pode haver participantes que mintam sobre sua idade esejam de fato adultos mal intencionados que representam uma ameaça para os jovensque participam do grupo. Em geral, esse tipo de pessoa acaba confessando quementiu em relação à sua idade, o que deveria fazer com que as crianças percebessemque estão tratando com adultos e, por conseguinte, interrompessem toda acomunicação. As salas de chat não deveriam ser um lugar para estabelecer relaçõescom estranhos que nem sempre são o que dizem ser.Seguem algumas recomendações para usar ativamente e com toda segurança umasala de chat:  Os pais devem lembrar a seus filhos que não devem fornecer nenhuma informação privada; como endereços, números de telefone ou fotos.  Os pais devem conversar com seus filhos sobre as salas de chat e redes sociais de que eles gostam.  As crianças e os adolescentes deveriam participar de salas de chat e redes sociais correspondentes à sua idade.  Os participantes devem cortar toda comunicação com qualquer pessoa do grupo de chat que faça comentários inadequados ou revele que mentiu a respeito de qualquer tema.  As crianças e os adolescentes deveriam usar as salas de chat só para falar com amigos reais de suas vidas e com a família.As redes sociais são amplamente utilizadas pelos jovens. Apesar de algumas redesserem reservadas a usuários maiores de idade, quem indica a idade que possui é opróprio usuário, e estudos realizados em vários países revelam que muitosadolescentes e jovens com idades menores que a permitida frequentam assiduamenteessas redes. Facebook, Habbo, MySpace e Twitter estão entre as redes internacionaismais populares.- Facebook (www.facebook.com). Criada em 2004 por estudantes da Universidade deHarvard, Estados Unidos, Facebook opera em mais de 60 idiomas e é, hoje em dia,uma das maiores redes do mundo que permite contactar e comunicar-se com novos eantigos amigos. Os usuários publicam informação pessoal e profissional, postam
  • fotografias, compartilham música e vídeos, e formam grupos baseados em interesescomuns. Seus membros devem ter, no mínimo, 13 anos.- Habbo, antes Habbo Hotel (www.habbo.com) é um entorno virtual que estimula osjovens a criarem avatares pessoais, com habitações virtuais (privadas) e habitaçõespúblicas onde todos podem “chatear”. Os usuários podem mobiliar virtualmente seusambientes empregando para isso os Habbo Créditos, adquiridos com dinheiro real, ouadotar um animal de estimação. A rede foi criada na Finlândia, em 2000, e desde oinício mostrou um cuidado especial para garantir a segurança online com umamoderação ativa, a educação dos usuários e o filtro automático de linguagem, com ochamado Filtro Bobba, que substitui todo tipo de palavras ofensivas pela palavra“bobba”. Disponível em 11 idiomas, seu uso se estende a mais de 30 países commembros de idades compreendidas entre 11 e 16 anos.- MySpace (www.MySpace.com) foi definida originalmente como uma rede social.Desde seu lançamento, em 2003, foi ganhando popularidade ao permitir a grupos demúsica criar seus próprios perfis, convertendo-se com isso em uma plataforma parasua promoção. Os usuários dessa rede podem carregar e difundir música de formalegal. Existente em uma dúzia de idiomas e países, seus membros devem ter 13 anos,no mínimo.- Twitter (www.twitter.com) veio à luz em 2006. Essa rede permite a seus usuáriosenviar breves mensagens de texto com, no máximo, 140 caracteres, no modo SMS,conhecidas como “tweets”. Segundo dados estatísticos, diariamente se transmitemmais de 3 milhões de tweets.
  • Usos da InternetBlogsOs blogs são uma espécie de diário online nos quais as crianças, os adolescentes eos adultos podem escrever sobre muitos temas. Porém, não são privados e, namaioria dos casos, qualquer um pode acessá-los. Os blogs podem ser também umamaneira de conectar-se com pessoas com quem se compartilha interesses comuns,de colocar-se em dia com a vida dos amigos ou de obter informação sobre outroslugares e culturas. Ao mesmo tempo, podem constituir-se um perigo para os jovensque os usam como diários íntimos ou que entram por acaso em um blog com conteúdoinapropriado.Seguem algumas coisas que precisamos saber sobre os blogs:  É conveniente usar sites da web que qualificam os blogs, seja filtrando os maus, seja assinalando os bons.  Alguns bloggers indicam seu nome completo, sua escola, seu endereço e/ou número de telefone. Isso não deve ser feito. É perigoso, porque uma pessoa com más intenções pode muito facilmente localizar uma criança.  Os usuários devem usar fotos em blogs com precaução, pois outros podem torná-las públicas ou usá-las de maneira imprópria.  Alguns blogs têm sistemas de segurança ou de privacidade. Os usuários devem ativá-los para manter sua informação pessoal em um âmbito mais privado. Por exemplo, os perfis deveriam ser visíveis unicamente para os amigos.  Comunique-se regularmente com seus filhos a respeito dos blogs dos quais participam. Uma comunicação assídua diminuirá o temor que os jovens têm de que os pais os obriguem a retirar-se de um blog se souberem de sua participação.  Os pais podem criar seus próprios blogs familiares e pedir aos filhos que os ajudem.
  • Sites não desejadosPornografiaQuando as crianças usam a Internet, os sites para navegar são ilimitados e algunsusos da web são arriscados ou não adequados para elas. Os sites pornográficos e apedofilia são dois exemplos de uso de internet não desejado.A primeira medida que os adultos podem tomar é colocar filtros e bloqueadores emrelação a esses conteúdos. Também existem outras alternativas:• Não autorizar as crianças a usar seu e-mail pessoal para inscrever-se em serviços,publicações ou informações da Internet.• Utilizar sempre um endereço eletrônico da família, ao qual os adultos tenham acesso.• Construir um código familiar consensuado com as crianças, que explicite quais sãoos conteúdos – entre eles os pornográficos - não autorizados.• Buscar páginas da web nas quais adultos e crianças possam navegar juntos.• Verificar com o servidor de iternet quais são as ofertas de filtros e bloqueadoresdesses conteúdos que estão disponíveis.• Não se limitar somente a falar dos sites na web. E-mails não desejados e spanspodem ser veículos de conteúdos pornográficos não desejados também.• Explicar às crianças a necessidade de apagá-los antes de lê-los. Nunca osresponder.• Ensinar às crianças que, diante de qualquer e-mail ou site que as faça sentir-se malou incomodadas, devem contar aos adultos da casa, que sempre as ajudarão aresolver o problema e a sentirem-se melhor.
  • Sites não desejadosPedofilia• A principal preocupação dos adultos – em relação à pedofilia - costuma ser a respeito dos fóruns de chat. É conveniente explicar às crianças que nem todos os fóruns são seguros e enfatizar a necessidade de compartilhar com os adultos quais são os que elegeram para “chatear”.• Averiguar com o servidor as formas de bloquear o acesso a fóruns de chat não seguros para crianças.• Solicitar ao servidor recomendações sobre fóruns apropriados para os mais jovens.• Não autorizar as crianças a dar informações pessoais pela internet. Se já o fizeram, explicar a elas porque não devem fazê-lo nunca mais e monitorar a informação que foi passada adiante.• Perguntar e interessar-se pelos amigos “da rede”, tanto quanto pelos reais. É conveniente que os adultos conheçam quem são e saibam com quem seus filhos conversam em chats.• Explicar às crianças que os amigos de internet são desconhecidos no mundo real. Se as crianças querem encontrar-se pessoalmente com eles, devem ir sempre acompanhadas de um adulto.  Ensinar às crianças que, diante de qualquer e-mail ou site que as faça sentir-semal ou incomodadas, devem contar aos adultos da casa, que sempre asajudarão a resolver o problema e a sentirem-se melhor.
  • CyberbullyingO que é Cyberbullying?O cyberbullying, termo em inglês ainda não traduzido para o português, é o uso dainternet e de dispositivos de comunicação eletrônica para enviar ou difundirmensagens difamatórias, imagens, vídeos ou outros conteúdos para importunar,perseguir um indivíduo ou grupo.O cyberbullying pode acontecer de várias maneiras, como, por exemplo, enviando-secomentários ou imagens embaraçosas a um chat ou a sites, redes sociais, portaisonline de jogos, celulares, correios eletrônicos, entre outras formas. Com frequência édifícil ou simplesmente impossível determinar a identidade do importunador.Por que é perigoso?O cyberbullying é uma forma emocional de agressão que provoca sentimentos demedo, isolamento e humilhação nas vítimas. Os resultados de investigações queaconteceram na última década constatam que o bullying pode afetar seriamente asaúde mental e física das pessoas, e seu desenvolvimento intelectual.PrevençãoOs pais devem tratar o tema cyberbullying com seus filhos em discussões regularessobre a segurança da internet e o uso apropriado das novas tecnologias.Alguns conselhos:  Explicar às crianças e aos adolescentes que a internet tem um grande potencial e pode ser muito útil em nossas vidas, mas que seu objetivo nunca deve ser ferir os outros.  Deixar claro, nas conversas com os filhos sobre o uso da internet e do código familiar, que utilizar internet ou celular para comprometer alguém ou ferir seus sentimentos é contrário aos princípios e valores da familia.  Ensinar aos menores como atuar diante desses casos de bullying online em função de sua gravidade: 1. Se é pequeno, ignorar, eliminar ou bloquear o acesso à pessoa que o envia; 2. Se é mais sério ou invasivo, informar aos administradores do site (no caso de se tratar de uma rede social) ou remeter a mensagem à direção da escola (se a mensagem é de outro aluno); 3. Em qualquer caso, deve-se consultar um adulto da casa.  Estimular as crianças a denunciar os casos de cyberbullying dos quais sejam testemunhas.(Conselhos do guia “Cyber Bullying Quick Reference Guide for Parents”, dePatti Agatston. Para mais informação, acesse: www.cyberbullyhelp.com.)
  • 10 Recomendações para os adultos1. Navegar juntos na internet. Tal como acontece com outros meios decomunicação, a melhor maneira de os adultos conhecerem o uso que as criançasfazem da internet, é navegar junto com elas pela web. Isso permite compreender oque fazem quando navegam, conhecer seus sites preferidos e a forma como usam ainternet. A chave dessa navegação compartilhada é, como sempre, o diálogo.2. Construir juntos o “Código Familiar Internet”. Promover a discussão com ascrianças, para escreverem juntos um código familiar sobre a utilização da internet: otempo de uso por dia, os conteúdos, os sites que podem visitar, as regras para uso dechats, etc.3. Estimular as crianças para que contem o que as incomoda. Às vezes, e semquerer, as crianças encontram na internet sites que podem incomodá-las. Éconveniente explicar a elas que não há por que guardar uma mensagem ou página daweb que as faz sentir-se mal. É bom que saibam que sempre se sentirãomelhor ao compartilhar essa informação com a família.4. Manter o computador numa sala compartilhada. Quando as criançasusam o computador sozinhas em seus quartos, a capacidade dos adultos emcompartilhar os conteúdos com elas diminui. É conveniente colocar o computadornuma sala (de estar ou jantar).5. Manter o computador portátil também na sala. Algumas casas contam comcomputadores portáteis (netbooks, notebooks, etc.). Nesses casos, também éimportante que esses equipamentos ocupem um lugar na sala. Sua mudança para oquarto das crianças, para um uso solitário, obstrui a comunicação.
  • 6. Explicar às crianças que não devem dar dados pessoais. Muitascrianças disponibilizam dados pessoais pela internet não só a “amigos” novos,mas para receber a informação que as interessa. É conveniente deixar claro que,em nenhum caso, mandem dados sobre elas. E que, mesmo se quiserem subscrever-se em alguna página ou site, é melhor criar um e-mail da família para receber ainformação ou a mensagem.7. Utilizar mais de uma página da web na tarefa escolar. A internet é uma dasfontes que as crianças costumam usar para a tarefa da escola. Porém, é importanteexplicar a elas o valor de recorrer sempre a mais de um site, de buscar informação empáginas com pontos de vista diferentes e sempre citar as fontes utilizadas.8. Monitorar o chat. Crianças e adolescentes gostam de “chatear”. Esse é um dosprincipais usos que fazem da web. É importante saber que os fóruns de chat queutilizam são seguros, e é bom, como adultos, poder participar deles, se necessário. Éconveniente que o adulto conheça os amigos com os quais as crianças costumam“chatear”.9. Contactar o servidor. É importante checar com o servidor quais são osmecanismos que oferece para proteger as crianças menores quando usam ainternet. É bom contactá-lo e pedir a instalação desses mecanismos.10. Utilizar filtros. Ainda que o diálogo, a comunicação e o consensosejam ferramentas muito importantes para conhecer o uso que as crianças fazemda internet, os filtros ou outros sistemas de proteção também são válidos. Éconveniente averiguar as melhores opções – além das que o servidor oferece –que podem ser utilizadas.