Your SlideShare is downloading. ×
Citologia vegetal
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Citologia vegetal

7,170
views

Published on

citologia

citologia


0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total Views
7,170
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
0
Actions
Shares
0
Downloads
132
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. Universidade Estadual do Maranhão – UEMA Programa Darcy Ribeiro – PDR Disciplina: Morfologia e Anatomia Vegetal Prof(a): Nyara Marques
  • 2.  1665: físico inglês Robert Hook -O termo célula (do latim cellula, pequena cela); As células são consideradas as unidades estruturais e funcionais que constituem os organismos vivos. 1671: Nehemiah Grew - descreveu os tecidos vegetais no livro Anatomia Vegetalium Inchoata; 1831: Robert Brown - descobriu o núcleo em células epidérmicas de orquídea; déc. de 40: Barbara McClintock - observações feitas em cromossomos de sementes de milho levaram ampliou os conceitos para os estudos genéticos;
  • 3.  A célula vegetal é semelhante à célula animal; Parede da célula vegetal, membrana plasmática, citoplasma e núcleo; No citoplasma : vacúolo, plastídio, mitocôndria, microcorpo, complexo de Golgi, retículo endoplasmático, o citoesqueleto e os ribossomos; Características típicas da célula vegetal: a parede celular, os vacúolos e os plastídios.
  • 4. Parede celular Citoesqueleto Memb. Plasmática Cloroplasto C. Golgi Vacúolo Citoplasma Reticulo endoplasmático Nucleolo Nucleo Ribossomos Mitocôndria Gotícula de lipídioPeroxissomo
  • 5. Células sem paredes são raras e ocorrem,por exemplo, durante a formação doendosperma de algumas angiospermas e deembriões de gimnospermas.
  • 6. Célula da bainha Kranz de folha de Remirea marítima. A parede (P) revesteexternamente a membrana plasmática (MP). No citoplasma observam-se várioscloroplastos (Cl), mitocôndrias (Mi) e vacúolos (V), além do retículo endoplasmático(RE), do núcleo (N) e do nucléolo (Ne). 32.000 X.
  • 7.  É formada por microfibrilas e polissacarídeos não- celulósicos: hemiceluloses e pectinas; Microfibrilas: • estrutura filamentosa que tem cerca de 10 a • 25 nm de diâmetro; • comprimento indeterminado; • é composta de 30 a 100 moléculas de celulose, que se unem paralelamente por meio de pontes de hidrogênio;
  • 8.  Outras substâncias, orgânicas e inorgânicas, são encontradas nas paredes celulares: a lignina, proteínas e lipídios. Substâncias protéicas tem-se a extensina (rigidez à parede), e a α-expansina (expansão irreversível da parede, por quebra das pontes de hidrogênio entre as hemiceluloses e as microfibrilas ou pela desestabilização das interações dos glicanos); Enzimas peroxidases, fosfatases, endoglucanases, xiloglucano-endotransglicosilases e pectinases.
  • 9.  Substâncias lipídicas como suberina, cutina e ceras (impermeabilização); As substâncias inorgânicas: a sílica e os cristais; Parede primária (PM): • As primeiras camadas formadas; • A deposição das microfibrilas ocorre por intussuscepção, ou seja, por arranjo entrelaçado; • Entre as paredes primárias de duas células contíguas está presente a lamela média, ou mediana (LM); • É mais espessada que a lamela média;
  • 10. • Mais fina em comparação à parede secundária;• Possui alto teor de água, cerca de 65%, e o restante, que corresponde à matéria seca, é composto de 90% de polissacarídeos (30% de celulose, 30% de hemicelulose e 30% de pectina) e 10% de proteínas (expansina, extensina e outras glicoproteínas);• Depósitos de cutina, suberina e ceras podem estar presentes na parede primária de algumas células;
  • 11.  Parede secundária: deposição de camadas adicionais; • A primeira, segunda e terceira camadas da parede secundária são designadas S1, S2 e S3; • A última camada (S3) pode faltar. • Durante a deposição da parede secundária inicia-se a lignificação. • possui um teor de água reduzido, devido à deposição de lignina;
  • 12. • A matéria seca é constituída de 65 a 85% de polissacarídeos (50 a 80% de celulose e 5 a 30% de hemicelulose) e 15 a 35% de lignina.• A celulose é o maior componente da parede secundária;
  • 13. Embora o processo de lignificação estejaassociado à parede secundária, ele geralmente seinicia na lamela média e parede primária de modoque estas também podem conter lignina quando daformação da parede secundária.
  • 14. Esquema da composição da parede celular. A estrutura fundamental daparede celular é representada por microfibrilas de celulose, a qual éinterpenetrada por uma matriz contendo polissacarídeos não-celulósicos:hemiceluloses e pectinas.
  • 15. Esquema da estrutura da parede celular. As paredes primária e secundária sãoconstituídas por macrofibrilas (observadas ao microscópio de luz), que por suavez são formadas por microfibrilas (observadas ao microscópio eletrônico). Asmicrofibrilas são compostas de moléculas de celulose, que em determinadospontos mostram um arranjo organizado (estrutura micelar), o que lhes conferepropriedade cristalina.
  • 16. Esquema do arranjo das microfibrilas na parede celular. A - Parede primária. B -Paredes primária e secundária. Na parede primária, as microfibrilas de celulosemostram um arranjo entrelaçado; na parede secundária, o arranjo das microfibrilas éordenado. As camadas da parede secundária são designadas respectivamente porS1 S2 e S3, levando-se em consideração a orientação da deposição dasmicrofibrilas, que varia nas diferentes camadas.
  • 17. Células com parede primária (PP) e células com parede primária e secundária(PS). Comparativamente, as paredes primárias são mais finas que as paredesprimária e secundária (Escapo floral de lírio-amarelo – Hemerocallis flava, emcorte transversal).
  • 18. Figura 7 - Lamela mediana (seta).(Sistema vascular do caule deMicrogramma squamulosa, em cortetransversal).Figura 8 - Células com paredes eminício de lignificação, a qual ocorre apartir da lamela mediana (LM)(Escapo floral de lírio-amarelo )Figura 9 - Parte de célulasadjacentes com paredes primárias(PP) e lamela mediana (LM) .Figura 10 - Detalhe das paredesprimárias (PP) e lamela mediana(LM), em células adjacentes(Eucalyptus urophylla x E. grandis).
  • 19. Pequenas depressões devido a menordeposição de microfibrilas de celulose,durante a formação da parede primária.
  • 20.  Geralmente são visualizados canalículos de 30 a 60 nm de diâmetro, que atravessam as paredes primárias e a lamela mediana de células adjacentes, permitindo a intercomunicação celular; O canalículo é revestido pela membrana plasmática; Plasmodesmos; Geralmente, onde está presente o campo de pontoação, nenhum material de parede é depositado durante a formação da parede secundária, originando a pontoação;
  • 21.  São comuns dois tipos: pontoação simples e pontoação areolada. Pontoação simples: • ocorre apenas uma interrupção da parede secundária; • O espaço em que a parede primária não é recoberta pela secundária constitui a cavidade da pontoação;
  • 22.  Pontoação areolada: • Em vista frontal parece com uma aréola; • Consiste em uma saliência de contorno circular semelhante a uma calota com abertura central, a abertura da aréola; • A aréola é formada pela parede secundária, que se arqueia sobre a parede primária, delimitando internamente a câmara de pontoação;
  • 23. Figura 11 - Célulasepidérmicas com camposde pontoação (setas), emvista lateral (Fruto detomate).Figura12 - Célulasparenquimáticas comcampos de pontoação(setas), em vista frontal(Caule do cacto Cipoceruscipoensis, em cortetransversal).Figura 2.13 - Células doendosperma com campo depontoação (seta), em vistafrontal (Semente detamareira - Phoenixdactilifera, em cortetransversal).Figura 14 - Esclereídes compontoações simples. A -Pontoações simples (setas),em vista lateral. B -Pontoações simples (setas),em vista frontal (Folha deMiconia sp.).
  • 24. Esquema da constituição dos plasmodesmos. Cada plasmodesmo é composto de cordões de citoplasma e deuma porção do retículo endoplasmático (desmotúbulo), que se estreita no canalículo que atravessa a paredede cada uma das células adjacentes. O corte transversal do plasmodesmo evidencia o bastão central, quecorresponde à união das membranas do desmotúbulo.
  • 25. A, A - Par de pontoação simples. B, B - Par de pontoação areolada.Lamela medianaPP C,C - Par dePS pontoação areolada com toro. D, D - Par de pontoação semi- areolada. Abertura da areola
  • 26.  É formada nos primeiros estágios do desenvolvimento da célula; A síntese das microfibrilas de celulose é realizada por complexos enzimáticos celulose-sintase, com formato de rosetas, situados na membrana plasmática; Cada roseta é constituída por seis partículas dispostas ao redor de um grânulo central, e é responsável pela extrusão de uma microfibrila de celulose;
  • 27. Esquema da síntese das microfibrilas de celulose. As enzimas do complexocelulose-sintase dispõem-se como rosetas na membrana plasmática, formando amicrofibrila de celulose a partir de glicose uridinadifosfato (GUDP). Os microtúbulossituados por dentro da membrana plasmática, no citossol, orientam a formação dasmicrofibrilas.
  • 28. Esquema da formação da parede celular durante a divisão da célula.
  • 29.  Na região externa à membrana plasmática onde a parede está sendo formada, o teor de cálcio é alto, o de magnésio, baixo, e o pH é 5,5; Hemiceluloses e pectinas, e os das glicoproteínas são sintetizados nas cisternas do Golgi, as quais, posteriormente, são secretadas por vesículas derivadas da rede trans-Golgi, que se fundem com a membrana plasmática;
  • 30.  inicia-se pelo aparecimento da placa celular na telófase da divisão da célula-mãe; Durante a telófase, na região equatorial da célula-mãe, forma-se o fragmoplasto; As vesículas de secreção provenientes da rede trans- Golgi, contendo polissacarídeos não-celulósicos (pectinas e, ou, hemicelulose) fundem-se constituindo a placa celular, que aumenta de tamanho centrifugamente até atingir a parede da célula-mãe, dividindo-a em duas partes;
  • 31.  A partir da união do revestimento das vesículas, que é de natureza lipoprotéica, origina-se a membrana plasmática de cada uma das futuras células-filhas; Há deposição de novos polissacarídeos de parede, dando origem às paredes primárias nas duas células- filhas junto à placa celular; O material derivado da placa celular torna-se a lamela mediana da nova parede;
  • 32.  É uma estrutura permeável à água e a várias substâncias; Prevenir a ruptura da membrana plasmática pela entrada de água na célula; Ser portadora de enzimas relacionadas a vários processos metabólicos; Atuar na defesa contra bactérias e fungos, levando à produção, por exemplo, de fitoalexinas.
  • 33.  Internamente à parede celular; Envolve o citoplasma; Bicamada lipídica fluida, na qual as proteínas estão inseridas, podendo-se encontrar carboidratos e alguns lipídios ligados a estas proteínas, em cada camada lipídica, as moléculas se dispõem com a porção polar ("cabeça") voltada para fora e a porção apolar ("cauda") voltada para dentro.
  • 34.  Fosfolipídios e esteróides; Dão estabilidade mecânica à membrana, tornando-a uma barreira para a passagem da maioria de íons e moléculas hidrofílicas; As proteínas podem ser integrantes (inseridas) ou periféricas (sobreposta); Enzimas receptoras ou transportadoras; Carboidratos voltado para a parede celular (glicoproteinas ou glicolipidios);
  • 35.  Controle da entrada e saída de substâncias da célula, possibilitando a manutenção de sua integridade física e funcional; Semipermeável e seletiva; Transporte passivo ou ativo; A entrada e saída de grandes moléculas podem também ocorrer por meio da formação de vesículas; coordenar a síntese da parede celular, em razão da presença da enzima celulose-sintase;
  • 36. Parede CelularFigura 20 - Esquema da estrutura da membrana plasmática. A camada bilipídicacontém proteínas integrantes e periféricas e alguns carboidratos ligados àsproteínas ou lipídios.
  • 37. Figura 21 - Esquema dos tipos de transporte que ocorrem na membrana plasmática. O transportepode ser passivo (a favor de um gradiente de concentração ou eletroquímico) ou ativo (contra umgradiente de concentração ou eletroquímico). O transporte passivo ocorre por difusão simples, naqual as moléculas não-polares como O2 e CO2, e pequenas moléculas polares e sem carga, comoa H2O, passam diretamente. Pode ocorrer também por difusão facilitada, que se dá através deuma proteína carreadora, que se liga ao soluto sofrendo uma mudança na sua configuração, ou deuma proteína de canal que permite a passagem de determinados solutos, como os íons de Ca+ou K+, através de poros preenchidos com água. O transporte ativo necessita de energia parapossibilitar a passagem de solutos e nos vegetais ocorre na bomba de prótons. Esta energia égeralmente fornecida pela hidrólise da molécula de ATR
  • 38.  é a matriz fluida onde se encontram o núcleo e as organelas, como cloroplastos e mitocôndrias; é delimitado pela membrana plasmática; principal componente: água; Grande variedade de substâncias: proteínas, carboidratos, lipídios, íons e metabólitos secundários; Citossol ou matriz citoplasmática: a porção do citoplasma onde estão contidas as organelas;
  • 39.  Apresenta-se em movimento, que é conhecido como ciclose; A energia para o movimento citoplasmático vem da quebra de moléculas de ATP pela atividade ATPásica presente na "cabeça" da miosina; Realizar as diferentes reações bioquímicas necessárias à vida da célula; Facilitar a troca de substâncias dentro da própria célula, bem como entre as células adjacentes; Acumular substâncias do metabolismo primário e secundário da planta;
  • 40.  Os plasmodesmos possibilitam a comunicação entre células adjacentes; Responsável pela formação do fragmossomo na divisão de células em que o núcleo não ocupa posição central; Cordões citoplasmáticos, que se fundem e depois se dispõem como uma lâmina;
  • 41. fragmoplastoPlaca celular
  • 42.  Característica da célula vegetal; A fina camada de citoplasma mostra-se disposta junto à membrana plasmática; As células meristemáticas em geral possuem numerosos vacúolos pequenos, que se fundem para formar um único vacúolo central na célula diferenciada; Maior compartimento (90% do espaço celular); Tonoplasto: semelhante à membrana plasmática;
  • 43.  É constituído por água, substâncias inorgânicas (íons de cálcio, potássio, cloro, sódio e fosfato etc.) e orgânicas (açúcares, ácidos orgânicos, proteínas, pigmentos, alcalóides etc.); enzimas (hidrolases ácidas) como: nucleases, proteases, lipases, fosfatases, glicosidases, fosfolipases e sulfatases; Conteúdo vacuolar com pH próximo a 5; Sua origem está relacionada com as substâncias que ele armazena.
  • 44.  Formação e manutenção dos vacúolos: secreção, biossíntese, endocitose e a micro e macrofagia; Osmoticamente ativo: crescimento e desenvolvimento da planta.; Durante o alongamento celular, compostos orgânicos e inorgânicos são acumulados no vacúolo; Gradiente de potencial osmótico: pressão de turgor (é essencial para o alongamento celular);
  • 45.  Manutenção do pH da célula por meio de bombas H+ATPase; Autofagia; Ocorre em vacúolos pequenos das células vegetais jovens; Podem ser compartimentos de armazenagem de íons, proteínas e outros metabólitos onde são acumulados e mobilizados posteriormente (endosperma de leguminosas e de gramíneas);
  • 46. Figura 22 - Esquema das vias de transporte no complexo vacuolar. O vacúolo está envolvido: notransporte de íons e solutos através do tonoplasto (1), entrada e transporte da secreção, envolvendo oretículo endoplasmático e o corpo de Golgi (2); distribuição das proteínas vacuolares da rede trans-Golgi para o compartimento pré-vacuolar (3); transporte do compartimento pré-vacuolar para o vacúolo(4); autofagia do citoplasma pelo vacúolo (5); endocitose (6); e transporte do retículo endoplasmáticopara o vacúolo, mas com acréscimo de material do corpo de Golgi (7).
  • 47. Figura 2.23 - Célula de Remiria marítima. Vacúolo (V) conspícuo,.
  • 48.  Os plastídios são organelas derivadas de cianobactérias (algas azuis), contêm seu próprio genoma e se autoduplicam; Formas e tamanhos diferentes; Classificam-se de acordo com a presença ou ausência de pigmento ou com o tipo de substância acumulada.; Três grandes grupos de plastídios: cloroplastos, cromoplastos e leucoplastos;
  • 49.  Apresentam um envoltório constituído por duas membranas lipoprotéicas, contendo uma matriz (estroma), onde se situa um sistema de membranas (tilacóides); A matriz contém DNA, RNA, ribossomos e enzimas para transcrição e tradução de proteínas. Dividem-se por fissão binária;
  • 50. O proplastídio é o precursor de todos os plastídios.São organelas muito pequenas, sem cor, apresentandona matriz poucas membranas internas. Podem, ainda,conter pequenos grãos de amido e, ou, lipídios emforma de glóbulos, chamados de plastoglóbulos. Os proplastídios ocorrem na oosfera e nos tecidosmeristemáticos.
  • 51. Fig.30 - Esquema dos diferentes tipos de plastídio, sua formação e interconversão.Na presença de luz, o proplastídio transforma-se em cloroplasto; na ausência desta,origina o estioplasto. O proplastídio pode dar origem ao amiloplasto e ao cromoplastona presença ou ausência de luz. O cloroplasto pode se transformar em amiloplasto ecromoplasto e vice-versa. O amiloplasto transforma-se em cromoplasto, mas nãoocorre o inverso.
  • 52.  Contêm pigmentos do grupo das clorofilas, importantes para a fotossíntese; Nas partes verdes da planta, sendo mais numerosos e mais diferenciados em folhas; Estruturalmente o mais complexo dentre os plastídios; Formato discóide, com diâmetro de 3 a 10 um; As membranas do envoltório têm 5 a 7,5 nm de espessura e são separadas pelo espaço intermembranas (10 nm);
  • 53.  Tilacóides: elaborado sistema de membranas que atravessa o estroma. Se dispõem como sacos achatados; lume do tilacóide: é o espaço dentro dos tilacoides; Grânulo, ou granum: Os tilacóides, arranjados como uma pilha de moedas; Ao conjunto destas estruturas dá-se o nome de grânulos, ou grana (plural em latim de granum);
  • 54.  Os tilacóides que formam os grânulos - tilacóides dos grânulos; Tilacóides que os interligam - tilacóides do estroma ou tilacóides intergrânulos (intergrana, em latim); As membranas dos tilacóides contêm clorofilas, carotenóides, transportadores de elétrons e o complexo ATP-sintase; A sede das reações fotoquímicas responsáveis pela captação e transformação da energia luminosa em energia química.
  • 55.  O lume do tilacóide é o sítio das reações de oxidação da água, estando conseqüentemente envolvido na liberação do oxigênio da fotossíntese; A composição do estroma é basicamente protéica, contendo todas as enzimas responsáveis pela redução do carbono na fotossíntese, incluindo a ribulose difosfato carboxilase/ oxigenase, conhecida como rubisco.
  • 56. Em condições de longa exposição à luz, ocloroplasto forma e acumula amido. As dimensõesdesses grãos de amido podem variar de acordo com operíodo do dia, à medida que os açúcares são formadose, temporariamente, armazenados como amido. Assim,estes grãos tendem a desaparecer no escuro eaumentar na presença da luz. No estroma, local deocorrência das reações envolvidas na fixação do gáscarbônico para a produção de carboidratos, realizam-sea assimilação do nitrogênio e enxofre e a biossíntesede proteínas e ácidos graxos.
  • 57. Membrana externa Membrana interna Estroma Tilacoide Lume do tilacoide GranulosFigura 31 – Esquema de um doroplasto secionado longitudinalmente; uma dasmetades foi eliminada. O envoltório do cloroplasto é constituído por duas membranasde natureza lipoprotéica: membrana externa e membrana interna. Apresenta uma matrizdenominada estroma e um conjunto de membranas chamadas de tilacóides, que podemse empilhar, constituindo os tilacóides do grânulo (granum) ou percorrer o estroma –tilacóides do estroma, interligando os grânulos (grana)
  • 58.  São plastídios portadores de pigmentos carotenóides e usualmente não apresentam clorofila ou outros componentes da fotossíntese; Células de pétalas e outras partes coloridas de flores, em frutos e em algumas raízes; Quando originado de um cloroplasto, o cromoplasto mantém a capacidade de se reverter e voltar a ser um cloroplasto;
  • 59.  São plastídios que não possuem pigmentos, mas armazenam substâncias; Os amiloplastos podem armazenar de um a vários grãos de amido, e o seu sistema de tilacóides é pouco desenvolvido; Quando expostos à luz, podem transformar-se em cloroplastos, como no tubérculo da batata; Estão envolvidos na realização da fotossíntese, síntese de aminoácidos e ácidos graxos;
  • 60.  Ocorre a assimilação do nitrogênio e enxofre; Armazena amido, proteínas e lipídio; Estão envolvidos na atração de polinizadores e dispersão dos diásporos (clorofila e carotenóides);
  • 61.  São organelas muito pequenas que, semelhantemente às mitocôndrias, representam importantes sítios de utilização de oxigênio; Dois tipos de microcorpos: os peroxissomos e os glioxissomos; Têm formato esférico a ovalado e tamanho variando de 0,5 a 1,7 µm; Contêm também catalases, que transformam o peróxido de hidrogênio em oxigênio e água;
  • 62. Os peroxissomos estão presentes nas folhas e têmpapel importante no metabolismo das plantas, atuandona fotorrespiração, juntamente com cloroplastos emitocôndrias. Este processo inicia-se quando em determinadascondições, no cloroplasto, a enzima rubisco (ribulosedifosfato carboxilase/oxigenase) se une ao oxigênio eatua como oxigenase, havendo formação de glicolato,que é transportado para o peroxissomo. Nesta última organela, o glicolato é metabolizadoem glioxalato, formando oxigênio e peróxido dehidrogênio. Por meio da catalase este último composto équebrado em oxigênio e água, impedindo a intoxicaçãoda célula.
  • 63. CLOROPLASTO PEROXISSOMO GlioxalatoRubisco + O2 (METABOLIZADO) (OXIGENASE) Glicolato O2 + H2O2 O2 + H2O
  • 64.  Os glioxissomos são encontrados nas sementes oleaginosas e contêm enzimas diferentes das dos peroxissomos; Os ácidos graxos vão para o glioxissomo, onde sofrem a β-oxidação, e juntamente com reações que ocorrem na mitocôndria (ciclo do glioxilato) dão origem ao malato, substância que vai para o citoplasma e, por meio de outras reações, forma carboidratos (gliconeogênese).
  • 65.  Uma rede complexa de elementos protéicos, localizada, principalmente, no citossol e também no núcleo; O citoesqueleto das plantas consiste de três tipos de elementos: microtúbulos, microfilamentos e filamentos intermediários;
  • 66.  São estruturas protéicas cilíndricas, com cerca de 25 nm de diâmetro e comprimentos variáveis. Localizam-se, de modo geral, na região cortical do citoplasma, junto à membrana plasmática; Constitui-se de 11 a 13 protofilamentos alinhados paralelamente e arranjados em um círculo ao redor de um eixo oco, sendo cada um deles formado por uma proteína dimérica, composta pelas α-tubulina e β-tubulina; Atuam no crescimento e diferenciação das células; Controlam o alinhamento das microfibrilas de celulose;
  • 67.  Atuam também no direcionamento das vesículas secretoras originadas da rede trans-Golgi; Participam da formação das fibras do fuso mitótico na metáfase e do fragmoplasto na telófase; São componentes dos flagelos dos gametas masculinos móveis;
  • 68.  São estruturas protéicas filamentosas, com cerca de 5 a 7 nm de diâmetro, maiores que os microtúbulos, em comprimento; Dois cordões helicoidalmente enrolados, compostos por duas subunidades protéicas: a actina globular (g-actina) e a actina fibrosa (f-actina); São responsáveis pelo movimento de organelas citoplasmáticas ;
  • 69.  Participam do crescimento e diferenciação das células e em geral se orientam paralelamente ao plano de alongamento dela;
  • 70.  Tamanho está entre o dos microtúbulos e o dos microfilamentos, tendo cerca de 7 a 11 nm de diâmetro; Estão envolvidos na reorganização do envoltório nuclear durante a divisão celular;
  • 71. Figura 41 - Esquema da estruturado microtúbulo. O microtúbuloapresenta-se como um túbulooco, formado pelo arranjo dosdímeros provenientes da uniãodas proteínas globulares: α-tubulina e β-tubulina. Essearranjo resulta em 13protofilamentos.
  • 72. Figura 2.44 - Estrutura domicrofilamento. O microfilamento éformado por duas cadeias lineares daproteína actina, que se enrolamhelicoidalmente.
  • 73. Figura 45 - Disposição dos microfilamentos durante o movimento de organelas nacorrente citoplasmática. Os microfilamentos localizam-se na região subcortical docitossol. As organelas são "arrastadas" por estarem ligadas às moléculas demiosina, proteína que usa a energia proveniente do ATP para "caminhar" sobre ofilamento de actina (microfilamento).
  • 74.  Há um conjunto de dictiossomos ou corpos de Golgi; Cada dictiossomo é constituído por um conjunto de sacos discóides e achatados – cisternas; Subcompartimentos distintos: • face cis, contendo as cisternas mais novas; • região mediana (medial); • face trans ; • Rede trans-Golgi (vesículas derivadas da face trans); As novas cisternas são originadas no retículo endoplasmático e se incorporam aos dictiossomos via vesículas de transição
  • 75.  As novas cisternas são originadas no retículo endoplasmático e se incorporam aos dictiossomos via vesículas de transição; Nas angiospermas, cada dictiossomo apresenta de quatro a oito cisternas; Nos tubos polínicos e nas células da coifa, por exemplo, eles são muito numerosos;
  • 76.  Nas células vegetais: síntese dos compostos não- celulósicos da parede celular (pectinas e hemiceluloses); Da rede trans-Golgi saem as vesículas secretoras, que migram para a membrana plasmática e com ela se fundem descarregando o seu conteúdo no meio extracelular, o qual irá compor a matriz da parede celular; Parte dos polissacarídeos produzidos é reunida na face cís e na mediana, e parte é adicionada e formada nas cisternas trans e na rede trans-Golgi;
  • 77.  As glicoproteínas de parede, a parte protéica é sintetizada pelo retículo endoplasmático, e a porção do carboidrato é sintetizada pelo dictiossomo (união do carboidrato com a proteína); Funcionam como centro de "empacotamento“;
  • 78. Figura 47 - A) Esquema do corpode Golgi ou dictiossomo,secionadolongitudinalmente; uma dasmetades foi eliminada. B) Esquemado sistema de endomembranas.
  • 79.  Teoria da Endosimbiose: bactérias aeróbicas X ancestrais dos eucariotos atuais; Contêm seu próprio genoma e se autoduplicam; São organelas menores que os plastídios; Forma ovalada, alongada ou filiforme; Têm de 0,5 a l um de diâmetro por 1,0 a 10 µm de comprimento.
  • 80.  Envoltório formado por duas membranas lipoprotéicas que delimitam a matriz mitocondrial; A membrana externa: • permeável a uma série de íons e contém proteínas especializadas, chamadas de porinas, que permitem a passagem livre de várias moléculas. A membrana interna: • forma as cristas,projeções que se apresentam como dobramentos ou túbulos que ampliam a superfície dessa membrana.
  • 81.  Envoltório formado por duas membranas lipoprotéicas que delimitam a matriz mitocondrial; A membrana externa: • permeável a uma série de íons e contém proteínas especializadas, chamadas de porinas, que permitem a passagem livre de várias moléculas. A membrana interna: • forma as cristas,projeçóes que se apresentam como dobramentos ou túbulos que ampliam a superfície dessa membrana.
  • 82. • É seletiva, permitindo a passagem de moléculas como piruvato, ADP e ATP, e restritiva para outras moléculas e íons, incluindo prótons de hidrogênio; A matriz contém água, íons, fosfates, coenzimas e enzimas, RNA, DNA e ribossomos para transcrição e tradução de algumas proteínas; São os sítios da respiração aeróbica celular; A partir das moléculas orgânicas de piruvato, oriundas da quebra da glicose no citoplasma, obtém-se energia na forma de moléculas de ATP ;
  • 83.  Têm papel importante na fotorrespiração; GLICINA GLICINA SERINA + + CO2
  • 84. Figura 50 - Esquema da mitocôndria secionada transversalmente; uma dasmetades foi eliminada. Apresenta dois envoltórios de natureza lipoprotéica:membrana externa e membrana interna. Esta última forma as cristas, onde sealojam os complexos ATPsintases. A matriz está contida pela membrana interna.
  • 85.  Pode ou não estar associados ao retículo endoplasmático; Plastídios e mitocôndrias. São pequenas partículas com cerca de 17 a 23 nm de diâmetro; Não membranosa;
  • 86.  É formado por duas subunidades produzidas no núcleo, que se unem no citoplasma: • A subunidade maior contém três sítios, aos quais os RNAs transportadores (RNAt) se acoplam; • A subunidade menor tem um local para o RNA mensageiro (RNAm) alojar-se. Polissomos ou polirribossomos - atividade metabólica elevada;
  • 87.  Contêm sítios onde são acoplados o RNAm e o RNAt que transportam os aminoácidos, sendo responsáveis pela síntese proteica;
  • 88. Figura 55 - Detalhe dosribossomos (*) doretículo endoplasmáticorugoso de eucalipto(Eucalyptus urophylla xE. granais).
  • 89.  Próximo à membrana plasmática, permeando toda a célula, e também junto ao núcleo; É constituído por uma única membrana lipoprotéica, que se dobra formando cisternas (sacos achatados) ou túbulos; Retículo endoplasmático rugoso (RER); Retículo endoplasmático liso (REL)
  • 90.  Em células com elevada atividade metabólica, como as meristemáticas e as que realizam muita síntese protéica, geralmente é bem desenvolvido; O RE é também responsável pela síntese de proteínas para o vacúolo;
  • 91. Proteínassintetizadas Complexo de Golgi Vacúolo
  • 92.  Funciona como um sistema de comunicação dentro da célula, possibilitando a distribuição das substâncias; Troca de material entre o núcleo e o citoplasma de células adjacentes; RER: importante papel na síntese protéica de exportação; REL: na síntese lipídica;
  • 93.  Nucléolo, ou nucléolos; Papel fundamental na organização; As dimensões e o volume ocupados pelo núcleo variam de acordo com o estádio de desenvolvimento da célula e a fase do ciclo celular; Prófase de tecidos meristemáticos: pode ocupar até 75% do volume celular;
  • 94.  Envoltório nuclear: formado por duas membranas lipoprotéicas; Matriz nuclear ou nucleoplasma; Espaço perinuclear: separa a membrana externa da membrana interna; As proteínas produzidas no envoltório são transportadas para o espaço perinuclear;
  • 95. O poro é um canal de 30 a 100 nm de diâmetro e15 nm de comprimento, aproximadamente,apresentando uma estrutura elaborada conhecida comocomplexo do poro nuclear, no qual estão presentesproteínas com arranjo octogonal. Estudos realizados têm mostrado que os porospodem alterar de tamanho. A disposição e o tamanho dos poros podem tambémvariar com o grupo taxonômico.
  • 96.  No nucleoplasma está presente a cromatina constituída por DNA, que contém as informações genéticas e grandes quantidades de proteínas básicas denominadas histonas. A cromatina tem aspecto filamentoso ou granular antes da divisão e fica ligada à lâmina nuclear. Durante o processo da divisão nuclear, a cromatina condensa-se, constituindo os cromossomos.
  • 97.  Dentro do nucleoplasma, numa célula que não está em divisão, é também discernível o nucléolo, estrutura geralmente globulosa, onde estão presentes alças de DNA que saem dos cromossomos e grande quantidade de RNA e proteínas. Nos organismos diplóides, o núcleo tem dois nucléolos, um para cada lote de cromossomos.
  • 98.  Do citossol para o núcleo: histonas, proteínas ácidas, polimerases (DNA e RNA polimerases) e proteínas reguladoras dos genes; Do núcleo para o citossol: RNAt, RNAm e as duas subunidades do RNA ribossômico (RNAr); Controla todas as atividades da célula: • Determina quais e quando deve acontecer a produção proteica; • Regula todo o metabolismo celular.
  • 99.  Formação de todos os ribossomos da célula; Genoma nuclear: maior parte da informação genética da célula;
  • 100. Figura 56 - Esquema do núcleo. O envoltório nuclear é constituído por duasmembranas com poros. O envoltório externo é contínuo com o retículoendoplasmático; junto à membrana interna localiza-se a lâmina nuclear. No interiordo núcleo está o nucleoplasma que contém o nucléolo, com numerosos ribossomos.

×