Mary parker follett

2,607 views
2,191 views

Published on

0 Comments
1 Like
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
2,607
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
170
Actions
Shares
0
Downloads
27
Comments
0
Likes
1
Embeds 0
No embeds

No notes for slide
  • "The new state"(1928), o "Creative Expirience" (1924) e Dynamic Administration (1941).
  • Follet foi a primeira estudiosa a introduzir o conceito de circularidade na interacção dos seres humanos. O que se entende por comportamento circular são a confrontação e o jogo livre na exposição de ideias em uma discussão aberta. As ideias das pessoas são recolhidas e sobre elas se oferece uma nova “simbiose” que pode ser absorvida por outro. Há uma integração das diferenças. Surgindo um conflito, as soluções só podem ser encontradas somente com a participação de todas as partes, não por meio de uma “psicologia de adaptação”, mas de uma “psicologia de invenção”. Nessa interacção, a dinâmica não responde a uma lógica behaviorista de estímulo e resposta, mas a uma “psicologia de invenção”. A dinâmica circular que se instaura no grupo pode sugerir duas espirais opostas: um círculo vicioso e negativo, que leva à esterilidade e à desagregação, ou um círculo virtuoso e positivo, que leva à criatividade e ao desenvolvimento. No momento em que um membro do grupo toma posição frente aos demais, os outros também tomarão uma posição em relação a ele. A hipótese do círculo de desenvolvimento que segue a espiral positiva prevê que o comportamento socialmente integrador em uma pessoa tende a induzir um comportamento análogo - socialmente integrador – nos outros. Instaura-se, assim, um clima favorável que, de acordo com Domenico De Masi, “multiplica e enriquece a troca de informações em todos os níveis, elimina as ameaças e os medos, potência a coragem de tentar e errar, atrai do exterior os melhores cérebros, protege os participantes com personalidades mais fracas e os ajuda a permanecer no grupo, determina a sintonia e a ‘extensão de onda’ comum, graças às quais é mais fácil colher as mais subtis intuições, que frequentemente se revelam resolutivas.”
  • Quero mostrar que as bases para entender os problemas da Ciência Política são as mesmas para perceber a Gestão de Empresas – É a compreenção da natureza das unidades integradoras.
  • Não podemos esperar integrar as nossas diferenças a não ser que saibamos quais são. Assim, a primeira regra, para obter integração é colocar as cartas na mesa, enfrentar o verdadeiro problema, descobrir o conflito, trazer tudo para campo aberto Frederick Winslow Taylor ( 1856 - 1915 ), inicialmente técnico em mecânica e operário, formou-se engenheiro mecânico estudando à noite. É considerado o “Pai da Administração Científica ” por propor a utilização de métodos científicos cartesianos na administração de empresas. Seu foco era a eficiência e eficácia operacional na administração industrial. Sua orientação cartesiana extrema é ao mesmo tempo sua força e fraqueza. Seu controle inflexível, mecanicista, elevou enormemente o desempenho das indústrias em que actuou, todavia, igualmente gerou demissões, insatisfação e stress para seus subordinados e sindicalistas.
  • O alto potencial de todas as associações humanas é libertar as energias do espírito humano. O processo de grupo contém o segredo da vida colectiva, é a chave para a democracia. É a lição principal que todos indivíduos devem aprender, é essa a esperança do nosso chefe, a vida internacional do futuro, política ou sociável. O estudo das relações humanas nas empresas e o estudo da tecnologia de operar estão juntas. Nunca poderemos separar de todo o humano do lado mecânico. Parece-me visto que poder normalmente significa poder sobre, o poder de uma pessoa ou de um grupo sobre outra pessoa ou grupo, é possível desenvolver a concepção de poder com, um poder desenvolvido conjuntamente, um poder coactivo e não coercivo. O poder coercivo é a praga do universo; o poder coactivo, é o enriquecimento e avanço de toda a alma humana. Eu não penso que alguma vez nos vejamos livres do poder sobre; mas penso que deveríamos tentar reduzi-lo. Eu não penso que o poder possa ser delegado porque acredito que o poder genuíno é a capacidade. Não vemos agora que enquanto há várias maneiras de ganhar um poder externo ou arbitrário – Através da força bruta, manipulação, diplomacia. O poder genuíno é sempre aquele que está inerente á situação. O poder não é uma coisa pré existente que pode ser entregue ou arrancado a alguém. Nas relações sociais o Poder é centripedial auto – desenvolvimento.
  • Mary parker follett

    1. 1. <ul><li>Mary Parker Follet, quem foi ? </li></ul><ul><li>Qual o seu enquadramento ? </li></ul><ul><li>O seu contributo para a Sociedade e para a Gestão em particular? </li></ul>Mary Parker Follett
    2. 2. <ul><li>Nasceu em 1868 no seio de uma família abastada em Quincy, Massachusetts. Durante a adolescência, após o falecimento do seu pai e porque a sua mãe era incapacitada, desempenhou um papel relevante na sua família . </li></ul><ul><li>Estudou na Thayer Academy. Em 1892 entrou para o Collegiate Instruction of Women em Cambridge , Massachusetts (mais tarde Radcliffe College) onde se graduou em Economia, Leis e Filosofia do Estado . Enquanto estava no Radcliffe College passou um ano no Newnham College, Cambridge e a sua tese “ The Speaker of the House of Representatives” foi publicada em 1896. </li></ul><ul><li>  </li></ul>Quem foi?
    3. 3. <ul><li>De 1900 a 1908 desenvolveu um trabalho social significativo explorando a sua grande capacidade de ouvir o que um leque variado de pessoas tinha para dizer, ganhando a sua estima e confiança. Advogava que a diversidade era um factor de enriquecimento da sociedade (conceito de circularidade – A confrontação e o jogo livre na exposição de ideias numa discussão aberta ). </li></ul><ul><li>Até 1933, ano em que faleceu, publicou diversos trabalhos e ficou conhecida como “ a profeta da gestão ”. Deu ênfase aos factores humanos na gestão , exercendo uma grande pressão para que se desenvolvesse mais a ciência da cooperação. </li></ul><ul><li>  </li></ul>Quem foi?
    4. 4. <ul><li>Cientista Política, que se debruçou sobre a Gestão, era bem conhecida em ambos os lados do Atlântico em 1920. As suas ideias foram ocultadas durante e depois da II Guerra Mundial, quer por ser mulher, quer por o seu trabalho estar avançado cerca de uma década em relação ao seu tempo. O seu conceito “ poder com ” em vez de “ poder sobre ” outros como chave ao progresso da sociedade e ao sucesso empresarial ia contra as ideias instituídas na época. </li></ul><ul><li>Muitos escritores de renome, entre outras coisas, advogam que se muitos dos seus ensinamentos e ideias tivessem sido postas em prática por quem detinha o poder a partir de 1920, talvez se tivessem evitado as agonias da II Guerra Mundial e a não menos trágica Guerra-fria. </li></ul><ul><li>  </li></ul>Qual o seu enquadramento ?
    5. 5. <ul><li>Grande parte do seu trabalho reflecte, de uma forma íntegra, a natureza e prática governamental democrática na sociedade, da qual as empresas são um microcosmo. </li></ul><ul><li>… &quot;I want to show that the basis for understanding the problems of </li></ul><ul><li>political science is the same as the basis for understanding business </li></ul><ul><li>administration - it is the understanding of the nature of integrative </li></ul><ul><li>unities.&quot; … </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>Qual o seu enquadramento ?
    6. 6. <ul><li>Discutia assuntos como o trabalho em grupo e a responsabilidade individual nas primeiras décadas do século XX, quando o humanismo liberal era dominado por homens reaccionários que pretendiam mecanizar o mundo empresarial. O humanismo do seu trabalho era o oposto das visões desumanizadas de outros (entre os quais Taylor que preconizava a eficiência e eficácia operacional na administração industrial gerando insatisfação através da inflexibilidade e mecanização de processos). </li></ul><ul><li>Baseou-se sobretudo no trabalho social e no estudo das pessoas como componente central das organizações . Em particular, explorou os conceitos de gestão do conflito e de aprendizagem das técnicas de liderança. </li></ul><ul><li>CONCEITOS CHAVE : Gestão Participativa e Responsabilização Individual. </li></ul><ul><li>  </li></ul>O seu contributo?
    7. 7. <ul><li>…” </li></ul><ul><li>• To free the energies of the human spirit is the high potentiality of all human association. </li></ul><ul><li>• The group process contains the secret of collective life, it is the key to democracy, it is the master lesson for every individual to learn, it is our chief hope or the political, the social, the international life of the future. </li></ul><ul><li>• The study of human relations in business and the study of the technology of operating are bound up together. </li></ul><ul><li>• We can never wholly separate the human from the mechanical side. </li></ul><ul><li>• It seems to me that whereas power usually means power-over, the power of some person or group over some other person or group, it is possible to develop the conception of power-with, a jointly developed power, a co-active, not a coercive power. </li></ul><ul><li>• Coercive power is the curse of the universe; coactive power, the enrichment and advancement of every human soul. </li></ul><ul><li>• I do not think we shall ever get rid of power-over; I do think we should try to reduce it. </li></ul><ul><li>• I do not think that power can be delegated because I believe that genuine power is capacity. </li></ul><ul><li>• Do we not see now that while there are many ways of gaining an external, an arbitrary power - through brute strength, through manipulation, through diplomacy - genuine power is always that which inheres in the situation? </li></ul><ul><li>• Power is not a pre-existing thing which can be handed out to someone, or wrenched from someone. </li></ul><ul><li>• In social relations power is a centripedial self-developing. “… </li></ul>Frases seleccionadas de Mary Parker Follett:
    8. 8. <ul><li>Fontes: </li></ul><ul><li>50 nomes que marcaram a gestão / Digest </li></ul><ul><li>http://www.centroatl.pt/edigest/edicoes/ed48dossier.html#10 </li></ul><ul><li>Mário Persona Comunicação & Marketing </li></ul><ul><li>http://www.mariopersona.com.br/entrevistafiocruz.html </li></ul><ul><li>Revista Electrônica de Administração – Facef – Vol.01 – Edição 01 – Julho-Dezembro 2002 </li></ul><ul><li>http://www.centroatl.pt/edigest/edsuplem/edicoesup/sup1doss.html </li></ul><ul><li>P3 Consultoria, Lda. </li></ul><ul><li>http://www.p3consultoria.com.br/work7.html </li></ul>

    ×