Módulo 1 | Fotografia Digital | 2. Luz

1,045 views
931 views

Published on

Apontamentos de Fotografia Digital da disciplina de Design, Comunicação e Audiovisuais, do Curso Profissional de Técnico de Multimédia, da Escola Secundária de Emídio Navarro de Viseu.

Published in: Education
0 Comments
6 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

No Downloads
Views
Total views
1,045
On SlideShare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
2
Actions
Shares
0
Downloads
0
Comments
0
Likes
6
Embeds 0
No embeds

No notes for slide

Módulo 1 | Fotografia Digital | 2. Luz

  1. 1. ©  Nuno  Barros  2011/2012   FOTO
 GRAFIA “Qual das minhas fotografias é a minha favorita? Aquela que farei amanhã!” Imogen Cunningham
  2. 2. ©  Nuno  Barros  2011/2012   CONTEÚDOS !  H I S T Ó R I A !  L U Z !  E X P O S I Ç Ã O !  C O M P O S I Ç Ã O !  E Q U I P A M E N T O !  N O T E R R E N O http://www.andreiaclarophotography.com  
  3. 3. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZ “O objetivo da arte não é representar a aparência exterior das coisas, mas o seu significado interior” Aristóteles http://www.andreiaclarophotography.com  
  4. 4. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZ !  Propriedades e caraterísticas !  Tipos de Luz !   Natural !   Estações do ano !   Condições meteorológicas !   Ao longo do dia !   Localização !   Artificial !   Disponível !  Direção da luz
  5. 5. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZPROPRIEDADES E CARATERÍSTICAS “Da mesma forma que para escrever um texto é preciso a tinta de uma caneta, para fazer uma fotografia é fundamental que exista luz, por mais ténue que esta seja” http://www.joelsantos.net  
  6. 6. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZPROPRIEDADES E CARATERÍSTICAS !  Brilho da luz !  Cor da luz !  Polarização
  7. 7. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZPROPRIEDADES E CARATERÍSTICAS !  Amplitude ou intensidade !  Quantidade de luz disponível Brilho da Luz
  8. 8. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZPROPRIEDADES E CARATERÍSTICAS !  Frequência ou comprimento de onda !  Influência nas cores que o olho humano pode ver e, paralelamente, registadas pelo sensor da máquina fotográfica Cor da Luz
  9. 9. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZPROPRIEDADES E CARATERÍSTICAS !  Ângulo de vibração da luz: direção que a luz toma !  Não percetível a olho nu !  Utilização de filtros polarizadores Polarização
  10. 10. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ As diferentes combinações entre as referidas propriedades e caraterísticas de luz produzem aquilo que comummente chamamos de “tipos de luz”, os quais variam em função da iluminação presente (natural e/ou artificial), da hora do dia, da estação do ano, da nossa localização no planeta, das condições meteorológicas, entre outros aspetos.  ©  Nuno  Barros  2011  
  11. 11. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZLuz Natural !  Proveniente do sol !  Difere pelas mais diversas razões !  A busca pela luz ideal pode demorar minutos, horas, dias, semanas, meses ou anos...
  12. 12. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: As Estações do Ano  ©  Nuno  Barros  2011   A posição do sol varia mediante a estação do ano. Em Portugal, ao meio-dia, o sol encontra-se a sul, variando a sua elevação máxima conforme a estação do ano. No Verão o sol põe-se a Noroeste (299º), enquanto que no Inverno põe-se a Sudoeste (242º).
  13. 13. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: As Estações do Ano Dica: Bússola para determinar a posição do sol Para ter uma noção de onde é que o pôr ou nascer do sol vai ocorrer, uma informação essencial para fotografar paisagem, é vital incluir uma bússola na lista de equipamento básico.
  14. 14. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Condições Meteorológicas O “mau tempo” (chuva, neve, nevoeiro, princípio ou fim de uma tempestade, ondulação forte, ...) é, na verdade, “bom tempo” para fotografar. Para um fotógrafo de paisagens, raramente existe algo extraordinário num dia de Verão, com um típico céu azul. “Bom tempo”, na acepção comum da expressão, é sinónimo de haver luz previsível, sem qualquer hipótese de acontecer algum fenómeno invulgar que possibilite imagens únicas e de maior carga dramática.  ©  Nuno  Barros  2011  
  15. 15. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Condições Meteorológicas Um dia de céu limpo pode constituir um grande obstáculo, pois existe uma elevada probabilidade de a luz ser “dura” e, entre outros problemas, criar inestéticas sombras debaixo dos olhos dos retratados. Num dia de céu nublado, as nuvens funcionam como um enorme difusor da luz solar, diminuindo os contrastes luminosos de uma forma muito eficaz  ©  Nuno  Barros  2011  
  16. 16. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Dica: Previsões meteorológicas Para melhorar a probabilidade de fotografar com as condições meteorológicas desejadas é essencial consultar as previsões do tempo em sites como o www.accuweather.com. Importa não esquecer que este tipo de serviços fornecem previsões, logo são falíveis. Com a prática continuada, é possível começar a aprender a interpretar os sinais da natureza, antecipando as condições climatéricas. Sobretudo para fotógrafos de paisagens, esta é uma competência basilar. Luz Natural :: Condições Meteorológicas http://www.joelsantos.net  
  17. 17. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia  ©  Nuno  Barros  2011   A luz varia consideravelmente ao longo do dia, à medida que se transita da alvorada até, várias horas mais tarde, à noite cerrada. Varia não apenas na intensidade do seu seu brilho, mas também na sua cor e ângulo de incidência. TIPOS DE LUZ
  18. 18. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Alvorada e nascer do sol http://blamethemonkey.com   Tal como o pôr-do-sol, esta hora é apelidada pelos fotógrafos como: “hora mágica” ou “hora dourada”. As cores tendem a ser avermelhadas perto da zona onde o sol vai surgir, assumindo um violeta azulado ou rosado no lado oposto. Depois do sol nascer, a cor transforma-se num dourado intenso.
  19. 19. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Alvorada e nascer do sol http://www.travelingwithbillphotography.com   É necessário saber o azimute em que o sol despontará e/ou a orientação do motivo que se vai fotografar, para que este último não surja em contraluz. Para registar uma boa quantidade de detalhes nas zonas de sombra e altas luzes, deve-se fotografar para Oeste, ou seja, a favor da luz. Fotografar para Norte ou Sul provoca uma iluminação perpendicular do motivo. Fotografar para Este, regista os motivos como uma silhueta.
  20. 20. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Alvorada e nascer do sol http://www.Alickr.com/photos/vinz86/5651058592/   Dica: Lusco-Fusco A fotografar ao nascer do sol, é preciso ter em consideração a duração do lusco-fusco. Em Portugal ronda os 30 minutos. Recorrendo a um tripé e fazendo exposições longas, é possível fotografias muito boas. É importante chegar ao local desejado antes da alvorada, para planear o melhor enquadramento e aproveitar cada raio de luz.
  21. 21. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Alvorada e nascer do sol http://calphotos.berkeley.edu   Dica: Neblina e Nevoeiro Fotografar de manhã aumenta a probabilidade de encontrar neblinas ou nevoeiro, especialmente junto às zonas ribeirinhas, de lagos ou de campos agrícolas. Terá de se agir rapidamente para não deixar escapar estas condições, pois o nevoeiro desvanece-se velozmente com o aumento de temperatura após o nascer do sol.
  22. 22. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Meio do dia O brilho da luz é demasiado intenso (luz “dura”). São projetadas sombras demasiado vincadas debaixo dos olhos, criando uma inestética “máscara” na face das pessoas. Nas paisagens, com a ausência de sombras, perde-se a tridimensionalidade da imagem.  ©  Nuno  Barros  2011  
  23. 23. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Meio do dia De Inverno a elevação máxima do sol é reduzida (cerca de 30º), pelo que, se não estiver céu nublado, os motivos vão projetar sombras.  ©  Nuno  Barros  2010  
  24. 24. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Pôr-do-sol e Crepúsculo Os motivos existentes na Terra passam a refletir uma menor quantidade de luz, dando maior harmonia tonal às fotografias, facilitando a tarefa de conseguir uma exposição equilibrada. A cor da luz torna-se cada vez mais quente, aproximando-se do dourado e do avermelhado. A melhor luz surge durante o crepúsculo, onde as longas exposições abrem as portas para a criação de arrastos por movimento e para o registo de luz e de formas que escapam à vista desarmada.  ©  Nuno  Barros  2011  
  25. 25. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Pôr-do-sol e Crepúsculo  ©  Nuno  Barros  2010   Dica: Equilíbrio de brancos As cores quentes do final do dia podem enganar o equilíbrio de brancos automático das câmaras fotográficas digitais, o que por vezes conduz a imagens azuladas e insípidas. Deve definir-se o equilíbrio de brancos para Nublado ou Sombra (modos que “aquecem” a imagem)
  26. 26. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Noite  ©  Nuno  Barros  2011   Com um tempo de exposição apropriado, o mais escuro dos cenários poderá parecer iluminado numa imagem. Alguns bons exemplos disso são as fotografias com arrastos de estrelas, pinturas com luz e paisagens iluminadas apenas com a luz da lua.
  27. 27. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Ao longo do dia :: Noite  ©  Nuno  Barros  2011   Dica: Filtros UV e Skylight Quando se fotografa durante a noite, este tipo de filtros nunca deverá ser usado, pois provocam reflexos indesejados entre a superfície da objectiva e a superfície interna do filtro, resultando em imagens fantasma nas fontes de luz mais fortes (candeeiros, lua, entre outros)
  28. 28. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Localização  ©  Nuno  Barros  2011   Em Portugal (clima temperado mediterrânico) a luz é predominantemente amarelada. Por essa razão, a única diferença que se pode notar deriva de se estar ao nível do mar ou no topo de uma montanha.
  29. 29. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Localização  ©  Nuno  Barros  2011   Se estivermos ao nível do mar, há que ter em conta a quantidade de luz que é refletida pela água (quer a da superfície, quer a que se encontra em suspensão devido ao rebentar das ondas), bem como pela areia ou possível existência de falésias circundantes
  30. 30. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Natural :: Localização  ©  Nuno  Barros  2010   No topo de uma montanha, e devido à pureza do ar em altitude, a luz é mais límpida. A cor da luz é predominantemente azulada e a luz ultravioleta faz-se sentir de forma mais acentuada. Justifica-se a utilização de um filtro UV, para reduzir o aspeto difuso que as paisagens serranas tendem a assumir.
  31. 31. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Artificial Dentro da iluminação artificial cabem os mais diversos tipos de fontes, desde o candeeiros de rua ao flash incorporado numa câmara. A diferença crucial entre estas duas fontes de luz é que uma não pode ser controlada ativamente pelo fotógrafo (admitindo que não existe uma maneira prática de controlar a intensidade das lâmpadas de iluminação pública), enquanto que a outra permite um elevado grau de controlo (potência, direção e posicionamento)  ©  Nuno  Barros  2010  
  32. 32. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZTIPOS DE LUZ Luz Disponível A luz disponível compreende simultaneamente a luz natural e artificial. É toda a luz que existe em redor do fotógrafo, independentemente da sua origem, e que pode ser utilizada para criar uma fotografia. Algumas das fontes de luz disponíveis mais comuns são uma vela ou uma lareira, as lâmpadas de iluminação de interiores ou exteriores, a ténue luz solar de uma aurora ou de um crepúsculo e, até, o clarão de um relâmpago ou a luz da lua cheia.  ©  Nuno  Barros  2011  
  33. 33. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZDIREÇÃO DA LUZ Um fotógrafo que pretenda extrair o máximo potencial de uma situação fotográfica terá, inevitavelmente, de prestar atenção à direção da luz, quer esta possa ser controlada ou não. Por direção de luz entenda-se não só a orientação desta, face à posição do fotógrafo (contraluz, a favor da luz, com luz lateral), mas também de que lado e com que ângulo de incidência um motivo fica iluminado.  http://www.joelsantos.net  
  34. 34. ©  Nuno  Barros  2011/2012   LUZDIREÇÃO DA LUZ Dica: Bússola e Direção da luz A direção da luz pode ser avaliada através da visualização direta. Quando se pretende estudar um local para fotografar ao nascer do sol, usar uma bússola e saber o azimute do sol nesse período do dia ajuda a prever a direção da luz antes mesmo dela surgir  ©  Nuno  Barros  2011  
  35. 35. ©  Nuno  Barros  2011/2012   REFERÊNCIAS !   Santos, J. (2010). Fotografia: Luz, Exposição, Composição, Equipamento (3ª ed.): Centro Atlântico. ! Ang, T. (2002). Manual de Fotografia Digital: Dorling Kindersley - Civilização Editores, L.da. ! Roberts, S. C. (2011). A Arte da iPhonografia (1ª ed.): Ilus Books S.L. !   Magno, S. (2010). Tudo sobre Fotografia Digital: Exame Informática. ! Polin, J. Fro Knows Photo. 2011, de http://froknowsphoto.com/

×