Your SlideShare is downloading. ×
Paula Chainho y las aguas de transición en el VII Congreso Ibérico de la FNCA
Upcoming SlideShare
Loading in...5
×

Thanks for flagging this SlideShare!

Oops! An error has occurred.

×
Saving this for later? Get the SlideShare app to save on your phone or tablet. Read anywhere, anytime – even offline.
Text the download link to your phone
Standard text messaging rates apply

Paula Chainho y las aguas de transición en el VII Congreso Ibérico de la FNCA

690

Published on

0 Comments
0 Likes
Statistics
Notes
  • Be the first to comment

  • Be the first to like this

No Downloads
Views
Total Views
690
On Slideshare
0
From Embeds
0
Number of Embeds
1
Actions
Shares
0
Downloads
5
Comments
0
Likes
0
Embeds 0
No embeds

Report content
Flagged as inappropriate Flag as inappropriate
Flag as inappropriate

Select your reason for flagging this presentation as inappropriate.

Cancel
No notes for slide

Transcript

  • 1. A INFLUÊNCIA DAS ESPÉCIES EXÓTICAS NA AVALIAÇÃO DO ESTADO ECOLÓGICO COM BASE EM COMUNIDADES BENTÓNICAS ESTUARINAS P. Chainho , J.L. Costa, J.P. Medeiros & M.J. Costa VII Congresso Ibérico da Água Talavera de la Reina, Espanha, 16-19 Fevereiro 2011 CENTRO DE OCEANOGRAFIA Universidade de Lisboa
  • 2. Introdução
    • Espécies exóticas ou Não-indígenas – espécies introduzidas em áreas onde não ocorrem naturalmente, sobretudo por acção humana
    • Espécies invasoras – espécies cuja introdução é causa de ameaça para a diversidade, economia e saúde humana
    Sem dados 1-2 3-7 8-15 16-30 31-56 Outras espécies exóticas registadas Número de espécies invasoras marinhas conhecidas Adaptado de Molnar et al ., 2008
  • 3. Introdução
    • 2ª causa mais importante da perda de biodiversidade marinha
    • Têm vindo a aumentar com a globalização
    • Problema mundial
    • A navegação é o principal vector de introdução, através das águas de lastro e dos cascos das embarcações
  • 4. Introdução
    • Directiva-Quadro da Água e Directiva Estratégia Marinha requerem o Bom Estado Ecológico (2015 e 2020)
    • Estratégia Marinha inclui introdução de espécies exóticas nos critérios de avaliação
    • Tendências na abundância
    • Distribuição espacial e temporal
    • Ratio exóticas/nativas
    • Impactos ao nível das espécies, habitats e ecossistemas
    • Directiva-Quadro da Água não inclui critérios específicos para espécies exóticas
  • 5. Objectivo
    • Analisar a influência das espécies exóticas na avaliação do estado ecológico dos estuários Portugueses, com base nos indicadores actualmente propostos para macroinvertebrados
  • 6. Área de estudo A2 Estuários mesotidais, bem misturados, com descarga irregular A1 A2 A3 A4 Montemor-o-Novo Figueira da Foz MONDEGO Lisboa Almada Barreiro V. F. Xira Cascais TEJO V.N. Milfontes Odemira MIRA
  • 7. Metodologia
    • Amostragem
    • Draga van Veen 0.05 m 2
    • Rede 500  m
    • Mondego – 2000/2001 (sazonal)
    • Mira – 2003/2004 e 2006/2007 (sazonal)
    • Tejo – 2002/2003 (sazonal)
    • Análise
    • Inventariação de espécies exóticas
    • Riqueza (Margalef) e diversidade taxonómicas (Shannon-Wiener) e rácio de espécies sensíveis/tolerantes (AMBI)
    3 – 4 1,2 - 3,3 Bom > 4,0 > 4 < 1,2 Excelente Margalef Shannon- Wiener AMBI Bettencourt et al., 2003 2,5 – 4,0 2 – 3 3,3 - 5,0 Moderado < 2,5 1 - 2 5,0 – 6,0 Medíocre < 1 > 6,0 Mau
  • 8. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 9. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 10. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 11. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 12. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 13. Resultados Blackfordia virginica Acartia tonsa Callinectes sapidus Eriocheir sinensis Rhithropanopeus harrisii Percnon gibbesi Crassostrea gigas Austrominius modestus Balanus improvisus Styela clava Ficopomatus enigmaticus Mya arenaria Ruditapes philippinarum Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 14. Resultados Densidade Salinidade
    • Menor abundância no Inverno
    • Maior ocorrência em salinidades 2-14
    M5 M4 M3 M2 M1 Montemor-o-Novo Figueira da Foz MONDEGO Corbicula fulminea
  • 15. Resultados Densidade Salinidade
    • Abundância reduzida
    • Ocorrência em salinidades < 0.5
    T1 T2 Corbicula fulminea Lisboa Almada Barreiro V. F. Xira Cascais TEJO
  • 16. Resultados Densidade Salinidade Potamopyrgus antipodarum
    • Menor abundância no Inverno
    • Maior ocorrência em salinidades 0.2-11
    Mi1 Mi02 Mi01 Mi0 Mi2 Mi3 Corbicula fulminea V.N. Milfontes Odemira MIRA
  • 17. Resultados
    • Em algumas zonas do estuário as espécies exóticas representam 20-25% da comunidade
    • Em algumas épocas do ano representam mais de 50% da comunidade
    Representatividade das exóticas
  • 18. Resultados Índice de Margalef Nativas Medíocre Moderado Exóticas 4 = = N=53 N=2 N=19
  • 19. Resultados Bom Moderado Exóticas 2 = Nativas Índice de Shannon-Wiener Medíocre Moderado 1 Mau Medíocre 3 Medíocre Moderado 9 N=53 N=2 N=19
  • 20. Resultados AMBI
    • Grupo ecológico III - Espécies tolerantes ao enriquecimento orgânico
    • Não está classificada
    Corbicula fulminea Potamopyrgus antipodarum
  • 21. Resultados Moderado Bom Exóticas 1 = Nativas AMBI Excelente Bom 1 N=53 N=2 N=19 Mau Medíocre 1
  • 22. Resultados AMBI
    • Grupo ecológico III - Espécies tolerantes ao enriquecimento orgânico
    • Características invasoras devido a crescimento rápido, ciclos de vida curtos, elevada fecundidade e elevada capacidade de dispersão
    • Competição e eliminação de espécies nativas
    • Sousa, 2008
    • Grupo ecológico IV - Espécies oportunistas de 2ª ordem
    Corbicula fulminea
  • 23. Resultados AMBI
    • Não está classificada
    • Características invasoras devido a elevada capacidade de dispersão e tolerância a grandes variações das condições ambientais
    • Richards et al., 2002
    • Grupo ecológico IV - Espécies oportunistas de 2ª ordem
    Potamopyrgus antipodarum
  • 24. Resultados Excelente Bom Exóticas classe IV 1 = Nativas AMBI Bom Moderado 7 N=53 N=2 N=19 Bom Moderado 3
  • 25. Conclusões
    • A presença de espécies exóticas bentónicas ( Corbicula fulminea e Potamopyrgus antipodarum ) é relevante nas zonas superiores dos estuários portugueses
    • O conhecimento sobre o impacto destas espécies sobre as comunidades nativas é insuficiente
    • Os índices actualmente utilizados para avaliar o estado ecológico não consideram os efeitos negativos das espécies exóticas
  • 26. Conclusões Obrigada pela atenção
    • Propostas:
      • Eliminar as espécies exóticas do cálculo da riqueza taxonómica e diversidade
      • Classificar as espécies exóticas como oportunistas de 2ª ordem
      • Não atribuir a classificação de Excelente a locais onde se regista a presença de espécies exóticas

×